A Morte Do “Coração De Pedra”

Dr. Michael LaitmanComo o Baal HaSulam escreve na “Introdução ao Livro do Zohar“, nós devemos “morrer e apodrecer”, de modo que quase nada restará de nós, e depois disso nós “nascemos de novo” com novas características.

Claro, nós não devemos imaginar este processo como ele é retratado nos filmes de Hollywood. De fato, nos livros dos Cabalistas não há uma única palavra escrita sobre o nosso mundo, pois eles são apenas livros sobre os fenômenos e conceitos espirituais.

Eles falam apenas sobre o desejo de receber que é o único objeto que existe, e a sabedoria da Cabalá envolve isso. Este desejo é permanente. Na verdade, é a partir do nada, mas existe.

Existem duas possibilidades para capturar, perceber e organizá-lo: em prol da recepção ou em prol da doação.

Desde o início, o desejo de receber em prol da recepção foi dado a nós, como está escrito: “Eu criei a inclinação ao mal”. Assim, o desejo de receber egoísta se fecha no nível animal e não nos permite subir para o nível de Adão. Este está fechado dentro de nós, e nós só podemos subir até ele com a condição de que nos elevamos acima do desejo de receber que é descoberto aqui. É assim que entramos no mundo superior, a dimensão mais elevada.

Assim, depois que o desejo de doar nos transforma, nós nos desenvolvemos ao longo de duas linhas: “linha esquerda” e “linha direita”. A linha esquerda é o desejo egoísta que desperta em nós mais e mais, e, na linha direita, nós o corrigimos, repetidamente, através da Luz que Corrige e o transformamos no desejo de doar. É assim que o processo ocorre em paralelo, isso em contraste com aquilo, até que todo o desejo de receber “apodrece” no final, ao estado chamado de “morte”.

No entanto, isso não é o suficiente, porque nós ainda não transformamos aquilo num verdadeiro desejo de doar. Nós trabalhamos apenas acima dele em todos os tipos de formas. Eu faço algo dele, mas algumas partes não são adequadas e, ao mesmo tempo, aparentemente deslizam sob a minha capacidade . Então, chega a hora de uma atividade única: a “ressurreição dos mortos”.

Nós vemos algumas fases de desenvolvimento aqui em que a pessoa usa o seu desejo de maneiras diferentes. Na primeira fase, ela sai deste mundo para o mundo espiritual e prefere subir acima de tudo o que tem aqui e viver em doação, em vez de recepção. Depois disso, ela passa pela Machsom e desenvolve suas intenções altruístas acima do desejo constantemente crescente e usa-o para doar com o propósito de doar. Depois disso, ela passa para a intenção de receber com o propósito de doar, para “e amarás o teu amigo”.

Como resultado do uso destes meios, a pessoa fica com um desejo que ainda não pode usar para doar. Este é um grande desejo chamado “coração de pedra”.

É necessário indicar que, quando entramos na espiritualidade, nós podemos perceber apenas uma “linha fina” nela. Mesmo com o trabalho que fazemos, nós apenas expandimos ligeiramente essa linha que desce até nós de cima para baixo. Afinal de contas, o coração de pedra é a essência da criação e a densidade essencial que é deixada para nós para a correção final. Na verdade, o coração de pedra não é o desejo que o Criador criou. Este é o desejo de receber que nós descobrimos e formatamos nós mesmos. No entanto, nós não o criamos como o Criador fez com Sua atividade, mas, mesmo assim, criamos algo novo.

A fonte de destruição é revelada na “Árvore do Conhecimento”. Depois nós continuamos com este “fio”, descobrimos a diferença entre nós e o Criador, o coração de pedra que é descoberto em cada nível. Ele chega de cima como um ponto de dados , e com o nosso trabalho com o propósito de doar, descobrimos o quanto somos verdadeiramente diferentes, distantes e completamente opostos a Ele.

O coração de pedra nos é revelado de baixo para cima até atingir dimensões gigantescas, mas apenas na medida em que podemos apaga-lo, queimá-lo e aniquilá-lo. No final, nós finalmente o matamos e depois ele apodrece, chega à sua correção. Em outras palavras, depois que este desejo passar por todas as etapas, ele realmente vai voltar ao pó. Ele estava no nível falante, e depois disso, o animal e, depois disso, o vegetal, até estar completamente podre e atingir o nível de pó, como está escrito: “Pois tu és pó, e ao pó retornarás”. É assim que terminamos a correção.

Então, uma ação é executada que estamos certamente despreparados para fazer, mas a queremos muito: a “ressurreição dos mortos”. O coração de pedra, que era oposto ao Criador, nos separa Dele, e ele é descoberto graças aos esforços que fizemos, como se fossem todos projetados para isso. Quando eu quis avançar em direção ao Criador com toda a minha força e poder, com todos os esforços, de acordo com isso, eu descobri minha contrariedade ao Criador. É como se eu o descobrisse nas profundezas da criação que eles estavam escondidos de mim, e, portanto , com a sua correção, a correção geral está concluída.

Voltando à “decomposição” e à “ressurreição dos mortos”: certamente tudo isso acontece na subida da escada espiritual e não há nenhuma conexão disso com nossos corpos “animais” que vivem e morrem neste mundo, como todos os outros organismos. Toda a sabedoria da Cabalá fala apenas sobre a ideia interior que é chamada de Adão em nós, e não se trata da nossa biologia e zoologia que pertencem apenas à realidade física.

No artigo, “A Liberdade”, o Baal HaSulam escreve que “a sabedoria da Cabalá não menciona nada do nosso mundo corporal”, e no Livro do Zohar, ParashatVaYetze“, 139, está escrito: ” O Zohar não fala sobre eventos físicos, mas sobre mundos superiores”.

Além disso, no Talmud Eser Sefirot , Baal HaSulam escreve no volume 1, “Nós devemos lembrar que toda a sabedoria da Cabalá é fundamentada em conceitos espirituais que não ocupam tempo ou espaço. Toda a dificuldade para os iniciantes é que eles compreendem estas coisas com expressões físicas com as limitações de tempo e espaço, substituição e permutação, que os autores usam apenas como símbolos de suas raízes superiores” .

Além disso, Rav Kook escreve em “Cartas , 1″: ” Eu fiquei horrorizado ao ver que uma forma corpórea foi descrita para o conceito de Adam Kadmon da Cabalá, que é apenas um conceito metafísico, um conceito divino. Deus me livre que devamos nos permitir materializar esses conceitos sagrados, mesmo como uma forma de estudar”.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 15/01/14, Escritos do Baal HaSulam

Comente