Equilíbrio, Emoção E Intelecto

Dr. Michael LaitmanPergunta: Eu sinto que sou oprimido por sensações internas que são incompreensíveis para mim: grande entusiasmo do qual eu poderia explodir. O que devo fazer com isto, estabelecer algum tipo de barreira e dizer a mim mesmo que não quero isso?

Resposta: Eu acho que este é apenas o estágio inicial de sua familiaridade com a sabedoria da Cabalá, com o grupo, com as forças que atuam nesta sociedade. Como regra geral, um estado assim tipifica novos alunos. Eles se encontram em algum tipo super excitação e atividade, numa fase de transição singular.

Em geral, quando nós conectamos um dispositivo a uma rede elétrica ou eletrônica, a primeira onda passa por ele, de modo que, no início, um processo súbito e transitório acontece, e depois  tudo se acalma e entra num estado normal. Eu acho que pode ser que você ainda esteja em um estado assim, e portanto é necessário esperar até que isso passe. Se o estudo influencia você desta forma e, então, como regra, neste estado é muito importante conversar mais com os amigos, tentar equilibrar a emoção com a ação.

Eu aconselharia você a dedicar mais tempo para estudar “O Prefácio à Sabedoria da Cabalá”, ou O Estudo das Dez Sefirot, onde uma linguagem Cabalista árida e científica explica o que acontece com os desejos, com a sua quebra em cinco estágios, em cinco mundos; em outras palavras, penetra mais na ciência. Ela realmente relaxa a pessoa porque tem uma influência muito profunda e positiva, não nas emoções, mas na mente. Tente equilibrar o coração e o intelecto.

Você vai encontrar alguns amigos com quem você pode aprender a sabedoria da Cabalá, e não estar ficar envolvido com todos os tipos de atividades psicológicas dentro do grupo. Elas são obrigatórias, mas é preciso equilibrá-las. Eu sei disso da minha grande experiência e aprendizagem com o Rabash.

Quando eu trouxe 40 alunos para ele e nós começamos a trabalhar com eles, também havia anormalidades semelhantes entre eles. Parte deles estavam envolvida apenas com a aprendizagem “árida”, outros sentiram uma sobrecarga emocional tal que não podiam fazer nada com eles mesmos. Houve um problema com estes e com aqueles. Em casos como estes, o Rabash sempre dava uma ordem: adicione uma coisa, subtraia uma segunda coisa e assim por diante, como um bom cozinheiro que sabe precisamente quantos gramas de especiarias ou de outros aditivos são necessárias para fornecer o prato com o sabor final. Se você aprender num grupo com os amigos e equilibrar suas emoções através de um estudo sério, você vai ver que vai dar um salto.

Da Convenção Virtual em Moscou “Unidade Sem Limites”  13/12/13, Lição 1

Comente