A Lei Do Equilíbrio Universal

Dr. Michael LaitmanPor que a Natureza me obriga a aprender suas leis? É só para que eu saiba como cometer menos erros, como me divertir, e como evitar preocupações e problemas?

Ou talvez, por meio de dificuldades e problemas, a Natureza quer me elevar ao nível do conhecimento e controle sobre mim mesmo, ao nível do controle sobre o mundo? Este é um nível completamente diferente de existência e da consciência.

Aparentemente, nós estamos confundindo causa e conseqüência. Hoje, os problemas nos forçam a olhar para as possibilidades a fim de garantir nosso sucesso hoje e amanhã. Eles são a razão pela qual nós entendemos a Natureza. No entanto, isso não é realmente verdade. Os problemas só nos empurram por trás para nos dirigir ao conhecimento, e aprender sobre a Natureza universal irá abrir para nós horizontes completamente novos, uma nova dimensão.

Vamos sentir uma nova realidade, não a que percebemos hoje em nossos cinco órgãos sensoriais como os animais. Em última análise, nós apenas os ultrapassamos um pouco em inteligência e esperteza; nós podemos construir casas confortáveis, cozinhar alimentos, nos vestir, poré,, os animais não têm tanta coisa para cuidar em sua existência.

Nossa vantagem é diferente: nós podemos subir ao nível onde viveremos não para cuidar da nossa vida corporal. Pelo contrário, cuidar da vida física nos levará a uma compreensão da natureza geral, e de lá, vamos avançar em outra dimensão, sentindo a realidade não através da nossa natureza animal, mas através de uma consciência maior, por meio do programa da informação que se revelará em nós. Este grau não tem relação com a existência atual: é muito maior.

Hoje, muitos cientistas falam sobre isso, como muitos sábios de gerações passadas. A única questão é como podemos conseguir isso? Nós podemos revelar a realidade mais elevada? Como podemos atingir o nível da Natureza universal e senti-la do jeito que ela é?

Primeiro, precisamos entender o que é a Natureza. Por suas ações, vemos que ela nos controla duas forças: prazer e dor. Elas são como duas rédeas que constantemente nos obrigam perseguir os prazeres e fugir dos golpes.

Por exemplo, eu assumo a posição mais confortável possível nas circunstâncias actuais. Eu processo uma grande quantidade de dados: o estado de saúde, a forma de uma cadeira, o estado das pessoas em minha volta, etc; como resultado, o corpo é oragnizado com o maior conforto possível. Isso acontece a cada segundo da minha vida – nos desejos, pensamentos e ações. Como posso superar esse controle?

Explorando a natureza, eu descubro que há uma única lei agindo nela: a lei do equilíbrio universal. A natureza se esforça para o equilíbrio e, gradualmente, traz todas as suas partes ao equilíbrio, para a tranquilidade, para um estado de repouso. Tudo leva à maior ordem possível, de acordo com relações globais: desde o Big Bang através da conexão de células em formas de vida altamente organizadas.

Toda a natureza vive em equilíbrio, e só o ser humano começou a violar esse quadro a cerca de três mil e quinhentos anos atrás. Ele começou a aplicar a sua mente para usar os outros, para governá-los, e isto viola o equilíbrio com a Natureza.

No entanto, podemos compensar esta força maligna de desenvolvimento com a força boa, que vamos revelar na mesma natureza. A força negativa age instintivamente em nós, e além do nosso controle: nós temos que contrabalançar isso com a força positiva, que vamos obter de forma consciente. Isto é possível devido à influência do ambiente, porque desejando ser melhor e mais elevado do que o resto, eu sou dependente da sociedade. Além disso, eu dependo dela para satisfazer as minhas necessidades básicas. Assim, eu tenho que usar o ambiente, estabelecer contato com ele, para que ele me traga a força positiva. Então, eu vou controlar minha vida.

Assim, não é por acaso que um ser humano não tenha sido criado sozinho, mas como um ser colectivo, e colocado no ambiente com outras pessoas. Através delas, ele pode ser criado. Na verdade, ao contrário dos animais, que não exigem educação, uma pessoa deve aprender muitos fatores com o ambiente, além daqueles que ela nasceu. O ambiente acrescenta a força positiva ao meu egoísmo, e nós podemos gerenciar nossa vida, nosso destino, com facilidade e conforto.

Quando começarmos a nos relacionar adequadamente com as possibilidades existentes, o programa da Natureza, o seu plano inicial sobre nós será revelado. Assim, nós ascendemos a um novo grau de conhecimento e consciência, que se situa acima da nossa vida atual. Separados da existência corpórea, nós ascendemos em nossos desejos e pensamentos ao fluxo eterno da informação, e vamos viver nele. Não importa o que aconteça com meu corpo, eu vou viver neste fluxo de consciência característico da Natureza e todos os seus níveis de desenvolvimento.

Este é o grau do Ser Humano (Adam), que é semelhante (Domeh) ao Criador. Afinal, o Criador é o grande programa que existe acima de nós e que nós continuamos a atingir, subindo cada vez mais.

Da Palestra na Colômbia 29/04/12, “Desenvolvimento Espiritual e em Grupo”

Comente