A Verdadeira Medicina Judaica

Dr. Michael LaitmanPergunta: Durante todo o processo do desenvolvimento humano surgiram vários tipos de medicina, como, por exemplo, a milenar medicina chinesa: acupuntura, reflexologia, fitoterapia, e assim por diante. A Ayurveda tem 3500 anos: aromaterapia, yoga e o sistema de Chacra. O povo judeu já existia há mais de 5000 anos. Qual é a sua contribuição para o desenvolvimento da saúde?

Resposta: É a sabedoria da Cabalá. Ela mantém o equilíbrio da pessoa com a natureza. E não há medicamentos, massagens, agulhas, velas, ou fragrâncias. Não estou menosprezando nada, mas simplesmente dizendo que elas têm um impacto mecânico secundário, embora haja também um significado psicológico nisso.

Sabe-se que na medicina Talmúdica, todos os tipos de substâncias biológicas são utilizados. Mas a verdadeira medicina judaica em si é apenas uma preparação interna dirigida ao equilíbrio do ser humano dentro de nós, e não o animal, mas especificamente o ser humano dentro de nós, ao equilíbrio do meu ego com a natureza, a sua correção. A Cabalá diz que toda vez que eu descubro o ego dentro de mim, eu tenho que estar num movimento interno para equilibrá-lo, ou seja, corrigi-lo.

Ele vai para cima e para baixo como uma bóia na água, e eu me preocupo o tempo todo em como corrigi-lo. Dessa forma, eu chego a uma saúde ideal e absoluta.

Mas isso envolve todo um sistema de trabalho educativo, que os antigos judeus realizaram através de uma extensa educação e formação. Nunca houve ninguém entre eles que não soubesse ler e escrever ou não estivesse familiarizado com o sistema do seu organismo, o sistema do mundo a sua volta, sua interação com a sociedade e o mundo circundante. Todas as leis descritas no Talmude e em outros livros antigos foram aceitas depois em todo o mundo através dos gregos e romanos. Todas elas são manifestações externas do que era praticado entre os judeus.

Mas eu volto a salientar que toda a medicina é construída no equilíbrio do meu “eu” egoísta com a natureza altruísta, ou seja, na correção do meu “eu” interior.

Portanto, “amarás o teu próximo como a ti mesmo” é a lei essencial da saúde física, espiritual, externa e interna.

De KabTV “A Medicina do Futuro” 07/04/13

Um Comentário

  1. Fico pensando: a vida é muito simples (sem sobras) nós e que a complicamos . Não fomos criados perfeitos, acabados. Somos seres em evolução, em busca da perfeição. Sabemos que nossa felicidade depende, sobretudo das pessoas de nossa convivencia. Vale dizer que a felicidade constroi-se junto com outras pessoas . Por certo, para que isso ocorra, nao deve haver entre os cinviventes disputas mas colaboração. Seremos tão mais felizes quanto mais nos tornarmos perfeitos. Nossa colaboração pode ser no sentido de nos completarmos mutuamente. Ora, isso só é possivel em um clima de cooperação. O grande impecilio para que isso ocorra chama-se “ego”. À proporção em que o convertermos em “nós” atingiremos a feliciade.

Comente