Textos com a Tag 'natureza'

O Criador E A Natureza São O Mesmo Conceito

Laitman_712.03.jpgPergunta: O que significa que Deus (Elokim) é o mesmo que o conceito de natureza (Teva)?

Resposta: Elokim (o Criador) é o nome da força superior, e essa mesma força superior é chamada de natureza (Teva, em hebraico). O Criador e a natureza são conceitos idênticos, porque não há um Deus como descrito em diferentes religiões, como judaísmo, cristianismo e islamismo. Ele é apenas a força superior.

A Cabalá é uma sabedoria que não tem nada a ver com a religião. Ela nos fala sobre a força superior que maneja a natureza.

A natureza é tudo o que uma pessoa pode sentir, incluindo ela mesma.

Da Lição de Cabalá em Russo 17/03/17

Uma Única Força Na Evolução Da Natureza, Parte 3

laitman_756_2A força superior nos criou com a capacidade de nos sentirmos separados de nós mesmos, para nos dar a oportunidade de conhecê-la como doadora e benevolente, como nossa fonte.

Pergunta: Para que precisamos disso?

Resposta: Nós sentimos essa necessidade porque dependemos dessa força. Achamos que nossas vidas neste mundo são muito limitadas, e sofremos. Esse sofrimento nos faz buscar a causa, e a causa está dentro dela, dentro dessa mesma força. Nós queremos descobrir essa força para melhorar nossa condição.

Há pessoas que exploram essa força geral da natureza e descobrem que ela é uma força de bondade, uma força que quer nos levar à perfeição. Mas, para que isso aconteça, primeiro precisamos tomar consciência do nosso mal. É impossível alcançar a bondade sem conhecer o contrário, isto é, o mal. Isso só é possível por meio da nossa experiência de contraste, da diferença fundamental entre o bem e o mal.

Nós queremos experimentar condições confortáveis ​​e agradáveis. Assim que experimentamos dificuldades, tentamos imediatamente nos proteger, nos afastar disso. Então, além de nossos sentimentos, precisamos envolver nosso intelecto com o qual podemos começar a descobrir como evitar essas dificuldades. Desta forma, nos desenvolvemos emocional e intelectualmente.

Naturalmente, tentamos nos distanciar de experiências desagradáveis ​​e nos aproximar de pessoas agradáveis. Pelos milhares de anos de nosso desenvolvimento, começando com as formas mais primitivas de vida até esse hoje, quando nos encontramos no século XXI, estamos construindo gradualmente dentro de nós um novo mecanismo, dando-nos a capacidade de melhor compreender e sentir o quanto precisamos nos comportar.

Em última análise, fora de tudo o que está disponível para nós, tentamos construir uma forma de existência totalmente confortável para nós mesmos. Nós tentamos usar essa força geral da natureza em que existimos para nos sentir confortáveis, de acordo com a nossa compreensão. Em essência, esse é todo o nosso trabalho nessa vida.

Com esse objetivo específico, nós desenvolvemos as ciências, a cultura, a educação, a psicologia, a filosofia e a história. Basicamente, queremos saber como nos sentir melhor porque a busca do prazer é uma necessidade humana básica, nosso desejo natural de receber.

A Cabalá é a física em um nível superior, a partir de uma perspectiva mais avançada, a “física do futuro”. Na física comum, não se fala que o observador deve mudar suas próprias qualidades. Na teoria da relatividade, a experiência do observador muda em relação ao tempo, a velocidade e a distância. No entanto, ele mesmo não muda. Seu estado psicológico permanece o mesmo.

A combinação correta da física e da psicologia é quando nos concentramos não na percepção da realidade, mas em quem a está percebendo e que tipo de correção é possível fazer dentro dela para que ela experimente um mundo novo. Este é o próximo estágio de desenvolvimento para a teoria da relatividade, porque o tempo, a velocidade e a localização não mudam fora do observador. Pelo contrário, é o observador que muda em sua abordagem corrigindo suas próprias qualidades internas.

Então, achamos que não há nada eterno que permaneça em nosso mundo; tudo se torna relativo e temporário. Uma pessoa muda todas as suas qualidades e a própria realidade. Então, nos elevamos ainda mais. A Cabalá diz que a realidade não tem nenhuma forma, que tudo depende da percepção do observador. Assim, podemos tirar uma conclusão: a força do desenvolvimento na natureza é constante e eterna; nós existimos dentro dela, possuindo várias qualidades mutáveis, e devemos descobrir o que é constante e o que é variável dentro de nós e dentro da realidade que nos rodeia, tendo aprendido a diferenciar entre constante e variável.

A constante é a força da natureza ou a força superior, o Criador, e a força variável é a pessoa que a observa. Toda a realidade que o observador percebe é uma consequência direta de suas qualidades interiores. Se mudarmos a pessoa, mudamos o mundo que ela percebe.

De KabTV “Nova Vida” 27/06/17

A Lei Superior Da Natureza

Unity, The Way To A Good FutureA forma religiosa de todas as nações deve primeiro obrigar os seus membros a doarem uns aos outros, na medida em que (a vida do seu amigo virá antes da sua própria vida), como em “Ama o teu amigo como a ti mesmo”. (Baal HaSulam, A Última Geração)

Todas as nações devem chegar ao cumprimento dessa lei superior que unirá todas as partes da natureza, incluindo a inanimada, a vegetal e a animal, em um único sistema.

“Ama o teu amigo como a ti mesmo” significa amar seu amigo mais do que a você, porque alcançar a conexão correta com os outros nos leva à elevação acima de nossa vida material. Toda pessoa deve fazer isso.

De KabTV “A Última Geração” 05/06/17

Uma Única Força Na Evolução Da Natureza, Parte 2

Laitman_707Pergunta: Qual é a força superior e absoluta da natureza que controla toda a criação? De que maneira ela é diferente das forças básicas da natureza conhecidas pela ciência: da gravidade, nuclear e eletromagnética?

Resposta: Todas as outras forças que a humanidade descobriu por meio do intelecto existem no mesmo nível do intelecto onde também existimos e as estudamos. Se nos desenvolvêssemos de forma diferente e em um nível diferente, teríamos descoberto diferentes forças e um mundo diferente.

A diferença entre todas essas forças e a força superior da natureza está na subjetividade de nossa percepção delas. Tudo depende do indivíduo, no nível do qual ele investiga e compreende. Sem o indivíduo, não há nada e é impossível dizer que realmente existe algo.

Pergunta: Mas e se quisermos olhá-la não subjetivamente, mas objetivamente?

Resposta: Isso é impossível; nós somos incapazes de uma observação objetiva porque fomos criados com qualidades específicas pela força superior. Se eu não estou observando algum fenômeno, ele não existe. Ele surge apenas na minha percepção e na forma que sou capaz de perceber.

Pergunta: Então, o que realmente existe?

Resposta: Nada existe além da única força superior que é o fundamento de toda a natureza. Mas eu sou capaz de perceber essa força como várias formas e qualidades diferentes, dependendo da forma e qualidades que criei.

Pergunta: Então percebemos essa única força na forma de alguns fragmentos, dependendo do nível do nosso desenvolvimento? Essa percepção mudará no futuro?

Resposta: Tudo depende do indivíduo porque o mundo existe dentro de suas percepções e, além dele, há apenas uma força superior, chamada natureza, criando toda a nossa vida. Todas as revelações existem dentro de nós como efeitos desta única força.

Tudo o que eu vejo, sinto, penso, tudo dentro e ao meu redor, todas as minhas emoções e razões, tudo isso são revelações da força superior. Uma pessoa tem a capacidade de se separar desta força e nessa experiência de separação que existe em uma realidade particular que chamamos esse mundo.

Pergunta: Qual é a qualidade dessa única força?

Resposta: Sua única qualidade é doação, entrega, emanação, uma fonte que constantemente dá, dá, dá …. É assim que a experimentamos. Nós não revelamos a força em si, mas sim sua relação conosco, sua doação.

E percebemos que, com o primeiro ato de doação, essa força superior criou a capacidade dentro de nós de sentir sua influência e diferenciar entre ela e nós mesmos, experimentando-nos como existentes fora dela. Essa diferenciação específica é o que nos permite experimentar nossa própria existência e uma realidade que nos rodeia.

De KabTV “Nova Vida” 27/06/17

Uma Única Força Na Evolução Da Natureza, Parte 1

Laitman_712_03.jpgPergunta: Que força é essa que provoca o desenvolvimento do mundo inteiro: de toda a natureza e da humanidade?

Resposta: Nós existimos dentro de um campo de força chamado natureza, que inclui dentro de si uma série de forças. Nós dividimos essa força em níveis: inanimado, vegetal, animal e humano, ou de acordo com a abordagem científica utilizada para estudá-la: física, química, biologia, etc. Nós a definimos, de acordo com a trajetória do nosso desenvolvimento, como relacionamento de causa e efeito.

Dentro deste campo, há áreas que são completamente desconhecidas e incompreensíveis para nós. Toda a natureza é uma única força. Quanto mais avançamos em nossa compreensão da realidade e quanto mais profundamente investigamos a natureza, mais estamos convencidos de que é uma única força.

Nossa percepção torna-se cada vez mais integrada e global; já entendemos que não há separação entre física, química, biologia e zoologia; em vez disso, cada uma é um aspecto de uma única forma. É apenas devido às limitações de nossa percepção que somos capazes de sintonizar uma única realidade que surge diante de nós sob a forma de fragmentos separados. Simplesmente não podemos ver toda a criação sob a forma de uma imagem, uma força.

Mas, gradualmente, de acordo com o grau do nosso desenvolvimento, começamos a entender que essa é realmente uma única imagem, uma única força, dentro da qual existimos. Essa força nos desenvolve e nos dá a possibilidade de conhecê-la. Essa força chamada natureza, como se ela mesma, quer que a reconheçamos.

Uma pessoa estuda a natureza com suas próprias habilidades, dadas a ela desde o nascimento, e é por isso que certamente está limitada pelo tempo, espaço e movimento, e por suas próprias percepções. Ela não é capaz de limpar seu cérebro e reprogramá-lo de novo. Isso ocorre porque a humanidade é o resultado de um longo processo evolutivo, que ocorreu sob as influências de várias atividades e forças que se estendem ao longo de bilhões de anos.

Uma pessoa é resultado do desenvolvimento da natureza. É por isso que surge uma questão: visto que esse homem é parte inseparável e integral da natureza, ele é capaz de estudá-la? Porque, para fazer isso, é necessário elevar-se acima da natureza.

Somente recentemente, na vanguarda da ciência, começamos a entender que o tempo e o espaço são relativos, que em vez de matéria, pode haver energia. Mas a energia é algo que desaparece, o que significa que a matéria também pode desaparecer.

Acontece que todas as toneladas infinitas de matéria que vemos no universo não são matéria, mas energia, isto é, algo efêmero e que desaparece. Em essência, nosso universo está vazio!

Além disso, a causa e o efeito podem mudar de lugar, e o que nos parece ser a causa, pode ser descoberto como o efeito, e vice-versa. É possível que o evento que precisa ocorrer agora, produz a causa por si mesmo e não a causa do evento.

Existe um fenômeno descrito na física quântica onde partículas que estão separadas umas das outras por diferenças cósmicas são observadas como conectadas uma à outra. E se uma das partículas gira de uma maneira particular, a outra partícula, que fica a bilhões de quilômetros de distância, gira do mesmo jeito. E não é que uma partícula imita as ações da outra; em vez disso, as duas estão unidas. Nenhuma delas é a causa nem o efeito, mas tudo é um todo unificado e está em uma forma tal que não podemos conceituá-lo com nosso intelecto porque nosso intelecto é extraordinariamente limitado. Acontece que, por isso, toda a nossa investigação da natureza é extremamente limitada.

Pergunta: Nós devemos admitir que há algo grande que não conhecemos?

Resposta: Nós não sabemos quase nada! Uma vez que nossa percepção de matemática e física é também resultado da forma como somos feitos. E se fôssemos criados de forma diferente, teríamos um tipo diferente de matemática e 1 + 1 não seria igual a dois.

É apenas uma suposição de que 1 + 1 = 2. Se substituíssemos os órgãos sensoriais, veríamos uma realidade diferente. Toda a natureza que nos rodeia pareceria completamente diferente.

Mas a força que desenvolve a natureza pode ser aceita como absoluta, existente fora de nós. Essa força criou a natureza e nós nessa forma que nos permite estudar parte da natureza em um grau limitado. E se realmente quisermos estudar a natureza, devemos nos elevar ao nível dessa força, para o qual é necessário adquirir novas habilidades.

De KabTV “Nova Vida” 27/06/17

O Dualismo Da Natureza

laitman_562_02Pergunta: Há muitos exemplos na física que verificam o fato de que a nossa natureza é dupla. É a divisão da matéria em partículas materiais e energéticas, ou em outras palavras, em férmions e bósons.

Todos os objetos e fenômenos em nosso mundo são binários ou duais, e duas forças são observadas em cada fenômeno.

Todos os sistemas que os físicos estudam são absolutamente equilibrados ou aspiram ao equilíbrio. As duas forças no sistema devem se complementar e equilibrar para alcançar um estado equilibrado.

Resposta: De acordo com a sabedoria da Cabalá, o mundo também está basicamente dividido em duas forças opostas: a força que doa e a força que recebe, e tudo o que acontece é apenas a expressão das diferentes variações da relação entre elas.

Da Lição de Cabalá em Russo 25/12/16

A Que Nos Conduz A Natureza?

laitman_546_04Comentário: O conceito de “trabalho” engloba mais de metade da vida de uma pessoa. Ela começa a se preparar para ele desde tenra idade: estudando na escola, na Universidade, pensando sobre o que quer ser. Mas agora tudo isso terminou; um ponto de viragem inesperado apareceu.

Minha Resposta: Nossa geração está agora em um estado muito interessante em que o trabalho que criou uma pessoa, o qual realmente determina toda sua vida pessoal, familiar, social e política e até planetária, de repente começou a perder sua importância.

Uma pessoa já não está incluída no conceito de trabalho, uma ideia que é contrária à teoria de Darwin. Ele acreditava que o trabalho é o que construiu o ser humano a partir do macaco.

Além disso, a teoria de Karl Marx, que seria a vitória do trabalho socialista, onde cada um iria receber de acordo com suas necessidades e dar de acordo com sua habilidade de seu próprio livre-arbítrio, também não funciona porque hoje nada é exigido das pessoas.

Hoje nós viajamos o mundo inteiro em busca de trabalho. Isto está acontecendo há algum tempo. Então, o conceito de trabalho foi alterado. Portanto, a abordagem onde uma pessoa escolheria uma ocupação de acordo com o desejo do seu coração, fornecendo-lhe satisfação material e status social, desapareceu completamente. É interessante que a arte também desapareceu. Afinal de contas, literatura, música, poesia, cinema e teatro são também trabalhos que estão gradualmente mudando seus objetivos e definições em nossas vidas diárias.

Os desejos, intenções e objetivos da humanidade estão mudando. Então tudo o que pode ser transmitido de uma pessoa para outra já não tem importância para ela. Se alguém escreve algo, desde o início isso não tem interesse para mim.

Nosso ego começou a subir mais alto. Ele quer sensações maiores e mais significativas. Se você já está vivo, então a vida certamente será boa. Romances emocionais e telenovelas no estilo dramalhão, que são abundantes na nossa televisão, tornaram-se menos importantes porque o desejo por eles está desaparecendo gradualmente.

Assim, o que restará para uma pessoa? Nada! A revelação do sentido da vida não pode ser encontrada na literatura, arte, música, ou em qualquer coisa, nem mesmo na tecnologia.

As pessoas irão criar robôs para trabalhar para a humanidade. E o que virá a seguir? Não haverá nenhum trabalho, não haverá nada a fazer, e ninguém irá obriga-lo a fazer nada. Inventar algo artificial só causará a poluição da atmosfera e da terra.

Pergunta: Para onde a natureza está nos empurrando? É para onde todas as pessoas vão se sentar e começar a pensar no sentido da vida?

Resposta: Não. O sentido da vida não é alcançado ao se sentar e pensar, mas através da construção de um sentimento de conexão interna entre nós, dentro do qual começamos a sentir dimensões completamente diferentes, um mundo novo, e outro mundo novo, e assim por diante, cada vez mais alto.

Um mundo espiritual não é um espaço tridimensional, como nosso mundo. Não há nenhum fluxo de tempo. Nós vamos além da velocidade da luz, além da comunicação mental e pessoal entre nós e subiremos a métodos de comunicação completamente diferentes.

A conexão entre nós vai se tornar completamente diferente, será no nível interno que não tem nenhuma conexão com os neurônios cerebrais ou células nervosas. Nós seremos um único corpo. Aos nossos corpos físicos será adicionada uma conexão mental, espiritual, entre nós, e vamos começar a sair para outro mundo.

Da Lição de Cabalá em Russo 18/12/16

Como Entendemos A Natureza?

Laitman_703_04Pergunta: Por que o princípio da holografia é implementado na natureza? Por que não o sentimos?

Resposta: Nós atingimos tudo o que nos rodeia por meio dos nossos sentidos, e assim a realização é de acordo com a pessoa que alcança. É por isso que não podemos dizer que alcançamos a natureza objetiva.

Se aspiramos a alcançar o Criador na décima dimensão, porque essa é a maneira que fomos criados, não sentimos e não entendemos isso de outra maneira, porque a nossa mente, o nosso instrumento sensorial, é organizada de acordo com um determinado sistema. Se fôssemos criados de forma diferente, provavelmente seríamos capazes de perceber e entender o ambiente de maneira diferente.

É difícil dizer como seria o nosso universo. É impossível descrever isso porque tudo é percebido e refletido por uma pessoa em sua consciência. Sem ela, é impossível dizer como as coisas pareceriam.

Da Lição de Cabalá em Russo 25/12/16

A Fractalidade Da Natureza

Dr. Michael LaitmanPergunta: Na ciência, há o conceito de “fractalidade”. Se, por exemplo, tomarmos um grande cristal e o quebrarmos em pedaços, obteremos fractais, isto é, pequenos cristais exatamente da mesma forma que o grande cristal.

Na tecnologia, o termo “fractalidade” é característico de um holograma: cada parte do qual contém sua imagem completa. Como esse fenômeno é descrito na sabedoria da Cabalá?

Resposta: O fato é que toda a natureza representa um único sistema, formado de dez Sefirot ou cinco partes, o chamado nome de HaVaYaH. Cada parte do sistema, por sua vez, consiste em subsistemas que são semelhantes a um sistema geral.

Isso vai praticamente até a eternidade. Não há como realizar uma análise numérica para determinar até que ponto o sistema geral é dividido em subsistemas, e esses sistemas são divididos ainda mais.

Cada parte dos subsistemas, onde quer que esteja, afeta todo o sistema através de um número infinito de todas as ligações intermediárias possíveis. E acontece que se uma pessoa “agarra” apenas uma pequena parte deste sistema, ela encontra nela uma imagem completa de todo o sistema, e com base nisso, obtém certa ideia sobre ele.

Assim, a pessoa atinge não apenas um único elemento do sistema, mas toda a estrutura de HaVaHYaH de forma completa. Se ela é pequena ou grande, é sempre plenamente atingível. É semelhante a como uma pessoa em nosso mundo tem cinco sentidos, independentemente de sua idade: se é uma criança pequena, um adulto ou um velho.

Pergunta: Na natureza corporal, há um limite à fractalidade porque, do ponto de vista da física quântica, nosso mundo pode ser dividido em blocos, pixels, e não pode haver nada menos que um bloco elementar. E na espiritualidade?

Resposta: No mundo espiritual, um pixel ainda é apenas um pixel. Deve ser formado por suas dez micropartes, mas não podemos percebê-lo porque nossos sentidos percebem apenas quanta de luz.

Tal estado também existe na Luz superior. Qualquer Luz é dividida em cinco partes que são divididas em cinco, e outras cinco. Não podemos perceber menos de 1/125 parte da luz total porque não temos a resolução em nossos desejos. Suponha que adivinhemos o que está no contraste entre preto e branco; no entanto, quando é menor que um certo quantum, menos de uma certa resolução, então não mais o temos em nós.

De KabTV,  Lição em Russo 25/12/16

Estar Perto Da Natureza

laitman_741_02Pergunta: Os beduínos que vivem em Israel podem prever um terremoto vários dias antes de acontecer. Como uma pessoa pode fazer isso?

Resposta: Os beduínos de fato têm tais premonições porque estão mais próximos da natureza.

Pergunta: Essas previsões são prejudiciais?

Resposta: Eles não são prejudiciais. Todos os nossos antepassados ​​viviam assim. Uma pessoa olhava para o céu e dizia: “Está chovendo a 20 quilômetros de distância”. Ele sabia isso pelo movimento dos pássaros. Ele podia ler a natureza, mas isso não significa que era um profeta.

Da Lição de Cabalá em Russo 01/01/16