Textos com a Tag 'Educação'

Educação De Acordo Com Leo Tolstoy

566.01“A fama do romancista Tolstói obscureceu em certa medida seus escritos sobre educação, que se baseavam em experiências de primeira mão. As ideias de Tolstói sobre educação causaram considerável controvérsia, que continua a grassar (rage) até hoje. …

“Aos 21 anos, tendo aberto uma escola em sua propriedade ancestral em Yasnaya Polyana, Tolstói fez uma tentativa de começar a ensinar crianças camponesas.

“Lendo os escritos educacionais de Tolstói, temos uma percepção quase física de uma criança viva, apresentada não em uma pose fotográfica congelada, mas na manifestação e desenvolvimento de suas características individuais, no desdobramento de sua personalidade e em estados mentais que flutuam de acordo com as variadas influências às quais está sujeito. …

“Tolstói disse que uma criança é por natureza uma criatura perfeita e inocente cujo livre desenvolvimento não deve ser impedido”. (“Leo Tolstoy”, Semion Filippovitch Yegorov, UNESCO: Bureau Internacional de Educação)

Minha Resposta: Eu não concordo. O que é individualidade? Egoísta. Deve ter o formato correto. Dê ao pequenino uma forma apropriada: altruísta. E deixe o conteúdo interno.

Pergunta: O homenzinho tem personalidade?

Resposta: Sim. Precisamos mostrar a ele como realizar sua individualidade. Para canalizar os talentos dados a ele para o altruísmo.

Pergunta: O que é altruísmo para você quando fala sobre uma criança pequena?

Resposta: Quando faço tudo para o benefício da humanidade. Para o benefício dos outros.

“Leo Tolstoy”, Semion Filippovitch Yegorov: “As crianças não foram punidas nem por seu comportamento, nem por seu fraco progresso. A exigência de que a personalidade dos alunos fosse tratada com respeito pressupunha que, sem castigo ou coerção por parte dos adultos, eles caminhariam em direção ao reconhecimento da necessidade de se submeter à ordem da qual dependia o sucesso na escola”.

Minha Resposta: Quanto às lições não aprendidas, isso não me interessa. E quanto ao castigo é proibido; se a pessoa não conhecer a recompensa e o castigo, não se corrigirá, não se endireitará.

Ela deve se ver existindo entre recompensa e castigo. A natureza foi criada de tal maneira que nos controla nos níveis inanimado, vegetal e animal. E deveria ser assim no nível humano.

Quando eu não trabalho para mim mesmo e ajo não para mim mesmo, mas para o bem dos outros, devo receber uma certa recompensa, que primeiro me encorajará egoisticamente e, por outro lado, terá que instilar em mim o desejo de me corrigir além da minha compreensão.

Pergunta: Então você estabeleceu essa meta: viver para o bem dos outros e trabalhar para o bem dos outros acima de tudo?

Resposta: Com certeza. Então, a partir de suas ações, ele começará a entender que esse é realmente o objetivo projetado pela natureza, e assim por diante.

Pergunta: Se este homenzinho perceber que não está se movendo em direção a esse objetivo, algum tipo de castigo deve vir?

Resposta: Ele deve pelo menos sentir que não é encorajado.

Escritos sobre Educação”, Introdução aos Escritos de Tolstoy, de Ernest J Simmons: “Tolstoy acreditava que toda a educação deveria ser gratuita e voluntária. Ele apoiou o desejo das massas por educação, mas negou que o governo ou qualquer outra autoridade tivesse o direito de forçar isso. A lógica das coisas e seu estudo do funcionamento da educação obrigatória no exterior convenceram-no de que, dessa forma, era um mal. Os alunos devem aprender por conta própria, pois, se a educação fosse boa, seria considerada tão necessária quanto o ar que respiram. Se as pessoas fossem antagônicas, a sua vontade deveria se tornar o fator orientador. A fé de Tolstói na ‘vontade do povo’, mesmo que as pessoas pudessem se opor às noções comumente aceitas de progresso, continha as sementes de seu posterior anarquismo, e foi um tapa direto nos reformadores radicais que levantariam as massas contra sua vontade”.

Minha Resposta: Em geral, elas devem ser incentivadas a fazer isso. Mas é bem possível que haja um certo conhecimento necessário que você só precisa ensinar, mesmo à força.

Afinal, consistimos em dois níveis, animado e humano. O que é necessário para o nível animado cumprir a existência correta em nosso mundo, devemos ensinar pela força.

Conduza as regras básicas de comportamento e habilidades de comunicação necessárias para a nova geração.

Pergunta: Simples comunicação humana para não ofender outra pessoa, para não humilhá-la? Você está insinuando que isso é a mesma coisa e que leva à conexão?

Resposta: Sim, claro à conexão.

Pergunta: Você não está falando sobre ciência nuclear?

Resposta: Não, não importa. Isso não se aplica à educação.

“Leo Tolstoy,” Semion Filippovitch Yegorov: “Na visão de Tolstoy, a liberdade na educação era um princípio gnoseológico e moral que tinha que ser posto em prática; era a antítese do ensino autoritário e essencial para uma atitude humana para com o aluno e o respeito pela sua dignidade de ser humano. A liberdade na educação era um princípio originado das leis internas da atividade cognitiva. A cognição não poderia ser diferente de livre. Na ausência dessa condição, atividade, iniciativa, consistência, sistema e todos os outros princípios da educação tradicional e clássica eram inúteis, careciam de sentido e propósito. Quanto mais firmemente a educação se baseava nessa lei, mais bem-sucedida e frutífera ela era. O conhecimento assimilado não poderia ser simplesmente transmitido e certamente não poderia ser imposto aos alunos se eles não quisessem. Os alunos teriam que aplicar seus próprios esforços e se envolver em atividades cognitivas independentes. Eles poderiam fazer isso da melhor forma possível, não sendo forçados por um professor, mas guiados por sua própria vontade”.

Resposta: Isso, é claro, ele sonhou.

Promover a independência é necessário depois que a pessoa percebe que é obrigada a existir junto com os outros. Então, já é possível continuar pensando em dar a eles os ingredientes para um desenvolvimento inteligente.

Pergunta: Quando ele defendeu não obrigar os filhos a obedecer às regras estritas, você discordou? Na Inglaterra, por exemplo, é diferente.

Resposta: Não, por quê? Depende do nível. O egoísmo deve compreender suas limitações.

Uma criança deve entender que nestes, nesses e naqueles casos, estou em restrição e não posso me dar ao luxo de fazer o que quero. Porque existo em sociedade e sou obrigado a cumprir tais e tais regras, orientações. Isso é um dever.

Comentário:  Outro princípio da pedagogia da educação de Tolstói é permitir a insatisfação. de forma que os alunos possam expressar seu ponto de vista e até mesmo criticar os professores.

Minha Resposta: Eu acho que isso está totalmente errado. Em nenhum lugar, em qualquer sistema, exceto no moderno, se você pode chamá-lo de sistema, existe tal provisão e nunca existiu em toda a história da humanidade.

Pergunta: Você permitiria esse tipo de democracia?

Resposta: Isso não é democracia. Democracia é quando a opinião da maioria é realmente avaliada, trazida ao sistema e usada por todos, porque a camada possivelmente mais profunda de governança está na consciência das massas. Mas esse não é o tipo de democracia de que estamos falando aqui.

“Leo Tolstoy” Semion Filippovitch Yegorov: “Leo Tolstoy e os professores de sua escola encorajavam a independência dos alunos, desenvolveram suas habilidades criativas e conseguiram fazer com que as crianças assimilassem o conhecimento de forma consciente e ativa. Para esse fim, apresentavam frequentemente composições, principalmente sobre temas da escolha do aluno e de que as crianças gostam muito. Nisso, a escola de Tolstói viu uma forma de cultivar uma personalidade criativa, capaz de posteriormente estabelecer novas formas de relacionamento social dignas de uma pessoa civilizada”.

Minha Resposta: Depende da técnica que usamos. Será algo que ele inventa e escreve sobre ou o que dizemos na Cabalá: ensine de acordo com o método claro da Cabalá, a fim de chegar mais rápido à criação de uma pessoa real a partir de si mesma e à compreensão de todo o sistema em que existimos, e assim por diante.

Pergunta: Já existe um método bem definido e devemos segui-lo? Uma pessoa deve seguir este método superior?

Resposta: Ela é obrigada a fazer isso. Já sofremos o suficiente! Reveja a nossa história e pronto! O que há para falar?!

Comentário: Outro princípio atribuído ao sistema educacional de Tolstói é tornar seu ensino claro. Em vez da terminologia científica pura, dê impressões às crianças.

Minha Resposta: É possível que isso seja feito. Você só precisa entender como sintonizar a si mesmo e a eles em um sentimento comum, de modo que seja como se estivéssemos tocando o mesmo instrumento juntos.

Comentário: E outro elemento é viver uma vida boa porque as crianças entendem o mundo através do comportamento de seus pais e entes queridos.

Minha Resposta: Mostre às crianças pelo seu próprio exemplo como é correto quando alguém está constantemente se aprimorando.

Pergunta: E para as crianças verem?

Resposta: Sim, isso é muito importante.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 08/10/20

Educar Pessoas

272Pergunta: Hoje, as pessoas vão a todos os tipos de manifestações sem ainda perceber que não estão lutando contra a injustiça, rendimentos desiguais, educação deficiente, mas contra sua própria inutilidade.

Agora, não são apenas as profissões individuais que estão desaparecendo, mas camadas inteiras da economia sobre as quais os países se baseavam. Não apenas a alta tecnologia, mas também as indústrias mais comuns estão deixando as pessoas irem.

Logo não haverá mais caixas, não haverá pessoas que distribuem e recebem. Tudo isso será feito por máquinas e algoritmos.

Agora chegamos ao que estávamos falando há 15 anos: como ocupar as pessoas. Você tem que pagar a elas uma renda básica para mantê-las ocupadas.

Hoje já começam a falar sobre isso: “Sim, vamos pagar às pessoas. Elas deveriam vir e estudar história, cultura, qualquer coisa, regar árvores, plantar novos parques de 2 a 3 horas por dia”. Mas elas devem tratar isso não como trabalho, mas como algum tipo de ação.

Você vê nisso os primeiros passos em direção a uma sociedade da qual tem falado o tempo todo?

Resposta: Em geral, isso pode ser visto como uma espécie de primeiro passo. Mas como vamos criar uma nova pessoa, alguém que terá, não apenas a propriedade de recepção, mas também a propriedade de doação? E aqui, é claro, as pessoas precisam ser educadas.

É por isso que dizemos que elas serão capazes de estudar algumas horas por dia, aprender o mecanismo de doação, ouvir palestras e discutir isso entre si.

Pergunta: Mas até que Israel perceba isso, o resto do mundo não vai saber? Ou pode ser executado em paralelo?

Resposta: Não, não acho que possa ser feito em paralelo. Ainda tem que vir daqui. A raiz interna de mudar o mundo, seja qual for e para onde quer que vá, ainda vem do povo judeu.

De KabTV, “Algoritmos em Vez de Pessoas”, 04/08/21

Breve Enciclopédia De Educação

294.4Pergunta: O próprio encontro de futuros pais em nosso mundo é predeterminado ou não?

Resposta: É predeterminado. Não foi por acaso que conheci essa pessoa.

Pergunta: Por que isso é feito? Por que os casais se conectam dessa maneira?

Resposta: Não existem coincidências no mundo. Nenhuma coincidência! Como é dito em O Mestre e Margarida: “O tijolo não está nem aqui nem lá … nunca simplesmente cai do nada na cabeça de alguém”.

Pergunta: Em caso afirmativo, o nascimento de uma criança em particular que vai nascer é predeterminado?

Resposta: Tudo está totalmente predeterminado até o fim de todos os tempos. Não há nada novo.

Pergunta: Podemos dizer que há um bom momento para conceber um filho?

Resposta: Isso também não importa e também não depende das pessoas. Tudo é organizado de cima para baixo, e assim acontece. Na verdade, uma pessoa não escolhe nada.

Pergunta: Mas quando os pais decidem que querem ter um filho, no que devem pensar?

Resposta: Que querem fazer uma pessoa boa que seja útil ao mundo e que goste do fato de ser benéfica para o mundo.

Pergunta: O que é “beneficiar o mundo”?

Resposta: Aproximar as pessoas.

Comentário: Imagine dar essa tarefa aos pais!

Minha Resposta: Eles pensam nisso no ato da concepção. Como está escrito em Ketuvim, Jó 3:2: “”Pereça o dia do meu nascimento e a noite em que se disse: ‘Nasceu um menino!’’”

Comentário: Normalmente a pessoa pensa mais em si mesma, para que haja uma criança boa, gentil, afetuosa, amada e saudável. Pensa mais nela.

Minha Resposta: Não. Com isso você não faz uma criança, mas um animal. E se você pensar em como ela será no mundo como pessoa, para o mundo, você faz uma pessoa.

Pergunta: E se um casal não consegue conceber um filho, mas realmente quer?

Resposta: Tente o máximo que puder. Você não pode fazer nada. Mesmo hoje, ainda depende da providência superior.

Pergunta: E o que vai ajudar mais aqui: ir a curandeiros ou médicos?

Resposta: Devemos visitar médicos, devemos fazer todo o possível.

Pergunta: E ao mesmo tempo pedir ajuda ao superior?

Resposta: Claro, todos juntos.

Pergunta: Quando Ele ouvirá este pedido?

Resposta: Isso é desconhecido para nós. Por mais que as pessoas se esforcem para fazer o bem umas às outras e ao Criador, mais perto estarão da realização desse desejo, embora isso não garanta nada.

Comentário: Não está muito claro: “bons uns para os outros e com o Criador”. Explique este ponto, por favor.

Minha Resposta: Agir entre si como foi originalmente estabelecido pelo Criador.

Pergunta: Como isso é estabelecido?

Resposta: Tudo se baseia na bondade.

Pergunta: Como os futuros pais devem se comportar durante a gravidez?

Resposta: Devemos ter consideração um com o outro, especialmente com uma mulher. E tente para que a mulher durante a gravidez tenha bons pensamentos, músicas, leituras. Em geral, para influenciá-la com emoções e conhecimentos positivos e mais elevados. Tudo isso influencia muito a criança.

Pergunta: Que tipo de música você escolheria?

Resposta: Eu pessoalmente apoio a música clássica porque é a mais apropriada, a mais completa. Claro, não clássicos pesados, mas suaves.

Pergunta: No que uma mulher deve pensar durante a gravidez?

Resposta: Está escrito sobre isso na Torá que uma mulher só pensa naquele que está nela, que foi concebido e cresce nela. Apenas nele. A natureza já previu isso, então não há necessidade de interferir nisso.

Pergunta: Qual é o momento mais crítico da gravidez?

Resposta: Como regra, nos primeiros meses. Então, o fundamento da criança é estabelecido.

Pergunta: Quando a criança deve ser entregue à mãe?

Resposta: Você deve colocar a criança sobre ela imediatamente para que ela sinta que ainda está conectada com a mãe.

Pergunta: Isso dá a ela mais segurança?

Resposta: Tanto para ela quanto para a mãe. Deve haver uma conexão. É muito importante.

Pergunta: O que o leite materno significa para o crescimento do bebê?

Resposta: O leite materno não é necessariamente da sua mãe, pode ser de outra mulher. Porém, é preferível que a criança receba leite de sua mãe. E esse leite é a substância mais próxima da criança, carregando tantos elementos que nem suspeitamos.

Pergunta: O que o bebê ganha com o leite materno?

Resposta: É impossível expressar. A luz superior, chamada Ohr Hassadim, luz da misericórdia, ele recebe de cima através do leite de sua mãe.

Pergunta: Como uma mãe se comunica com um bebê que está amamentando?

Resposta: Ela fala com ele por meio disso. Ele a sente em seu peito e ela o sente em seu peito. Este é um mecanismo incrível em animais e humanos.

Pergunta: Por quanto tempo uma mãe deve amamentar seu bebê?

Resposta: Geralmente é recomendado até dois anos.

Comentário: Ninguém segue isso.

Minha Resposta: Eu sei que ninguém segue. Mas, de acordo com a lei espiritual, a amamentação deve ser de até dois anos.

Pergunta: E se você tem que ir trabalhar, como é hoje?

Resposta: Bem, todo mundo faz, isso é verdade. Quem se importa com algumas leis espirituais ou naturais?

Comentário: Você está dizendo que tudo é predeterminado e todas as ações são predeterminadas.

Minha Resposta: Se você arruinar sua vida, não culpe a natureza.

Pergunta: Então, nós arruinamos tanto a vida!? Mandamos mães trabalhar em seis meses, um ano e assim por diante.

Resposta: Claro.

Pergunta: O que precisa ser feito para consertar as coisas?

Resposta: Para consertar, a mulher não deve trabalhar.

Comentário: Isso, é claro, é impossível em nossa época.

Minha Resposta: Por quê? Por que é ruim se apenas o homem trabalha e ganha o suficiente para sua família, e isso seria o suficiente para a família viver normalmente, com calma, em silêncio?

Pergunta: Diga-me, se a mãe fica irritada ou depois de uma briga com o pai, ela deve alimentar ou não alimentar o filho naquele momento?

Resposta: Isso não é bom. A criança sentirá muito isso em si mesma e, portanto, tais estados são totalmente indesejáveis! A mulher deve ser protegida, isolada de quaisquer influências negativas e indesejadas.

Pergunta: Ou seja, tudo isso entra na criança, tanto irritação quanto ódio?

Resposta: Claro. Tudo isso vai se infiltrar na criança e se manifestar em consequências negativas.

Pergunta: O bebê geralmente sente o que está acontecendo em casa nas relações parentais?

Resposta: Claro. Ele sente tudo. Tudo é sentido por ele “no ar” mesmo que seja na próxima casa, em outra cidade. Tudo isso é transmitido. Ele é muito sensível. A mãe para ele é como um receptor que ele ouve e percebe mesmo que ela não diga nada a ele. Mas tudo que afeta a mãe, ele sente tudo.

Pergunta: Acontece que a mãe é como um sexto sentido para ele?

Resposta: Claro. Parece-nos que ele saiu da mãe e que o cordão umbilical foi cortado. Nada é cortado.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 05/10/20

Educação Pelo Incentivo

962.2Pergunta: Como ocorre a mudança no coração do homem? Eu entendo que a coerção não pode mudar nossos sentimentos, mas não vejo que a educação mude nossos sentimentos.

Resposta: O fato é que não temos um exemplo dessa educação. Afinal, a educação de hoje é baseada na compulsão onde você age com punição e não com incentivo.

A educação por meio do incentivo significa que você mostra a uma pessoa como as boas circunstâncias levam a um bom futuro e como as más ações levam ao fracasso. Ao estudar a ciência da Cabalá, a luz superior circundante atua sobre nós e desperta em nós os futuros estados corrigidos com seu brilho. Este não é o caso em qualquer outro método.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 11/09/20

No Novo Ano Escolar

630.2Pergunta: No novo ano escolar, centenas de milhões de crianças foram para a escola como em condições de “batalha”: elas têm que sentar com máscaras, separadas umas das outras, não brincar umas com as outras e não se aproximar.

É a mesma tragédia tanto para os professores que têm que conter as crianças quanto para os pais.

O que você deseja aos professores?

Resposta: Aprender com as crianças como é incompreensível para elas não poder se aproximar, é tão incompreensível para nós como nos relacionarmos corretamente. Não temos essas propriedades, essas sensações. Como posso sentir o outro para me aproximar dele corretamente, para que com minha abordagem correta eu destrua este vírus?

Pergunta: O que mais você deseja aos professores?

Resposta: Entender a natureza deste vírus, de onde ele vem e, consequentemente, educar as crianças a terem a atitude certa umas com as outras, e o vírus desaparecerá. Explique às crianças que só podemos combater esse vírus por meio de boas relações.

Não perdemos nada com isso! Ganhamos com certeza! Deixe-nos tentar!

Os professores sempre ensinaram as crianças a serem boas, a estarem próximas umas das outras, a interagir umas com as outras corretamente. Então, explique a elas que o vírus surge como resultado de uma interação inadequada, distanciando-se e prejudicando-se mutuamente.

Vamos tentar fazer o vírus desaparecer. Vamos erradica-lo.

Pergunta: O que você deseja aos pais?

Resposta: Neste caso, eu gostaria de desejar que os pais aprendam com seus filhos.

Pergunta: Ou seja, as crianças vêm da escola e ensinam seus pais?

Resposta: Pelo menos elas poderiam contar aos pais o que está acontecendo. Primeiro, em seu relacionamento com o outro. Como o vírus as treina para agir dessa maneira. Então, como resultado disso, talvez vejamos de fato boas estatísticas.

Pergunta: O que mais você pode desejar aos pais?

Resposta: Ter a mesma educação que os filhos. Todos precisam ser treinados. Todo mundo é igual.

Pergunta: Ou seja, um pai deve se sentir quase igual ao filho?

Resposta: Claro.

Pergunta: O que você deseja aos filhos?

Resposta: Não sei o que se pode pedir aos filhos. Ouvir o que os mais velhos falam, pelo menos nesse aspecto, porque do contrário, haverá problemas ainda maiores, restrições ainda maiores em brincar um com o outro, em visitar um ao outro, em se aproximar, e assim por diante.

Ou seja, vamos fazer com que deixemos de pensar na distância que devemos manter um do outro, deixemos de andar por aí com focinheiras como cães ferozes, fugindo um do outro.

Para fazer isso, só precisamos mudar nossa atitude um com o outro e torná-la boa. Vamos começar a nos acostumar. Não é tão difícil. Vamos dar um exemplo para o outro. E veremos no que vai dar.

Pergunta: Você quer que esta mensagem seja ouvida na sala de aula, na sala do professor e em casa?

Resposta: E no mundo.

A mensagem é muito simples: todos devem ser amigáveis ​​com todos como são consigo mesmos. Afinal, está escrito: “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Tire um exemplo disso.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 31/08/20

Lançar Um Processo Educacional

552.02Observação: Para aprender a superar os conflitos e tomar decisões corretas, as pessoas devem fazer um curso de educação integral. No entanto, pode levar vários anos para prepará-las.

Meu Comentário: Não há nada que possamos fazer. É para isso que serve a educação, treinar as pessoas para entender as decisões corretamente e até mesmo produzir as suas próprias.

É preciso lançar um processo educacional para toda a sociedade. As pessoas precisam entender para onde estão indo, quem são, em que sociedade e em que período vivem.

Quando elas estiverem nesse processo, ficará claro para nós o que fazer com elas. Até agora, não encontrei essas pessoas porque não há um processo claro de educação na sociedade.

Hoje, nós ensinamos o método da educação integral apenas para certas pessoas que desejam aprendê-lo e estão prontas para dar três ou quatro horas por dia.

De KabTV,  “Habilidades de Gestão”, 16/07/20

O Sistema Único De Educação Superior

115Se não pedirmos por desejos corrigidos, então o Criador ainda vai revelar desejos para nós, mas eles serão corrompidos de acordo com nosso pedido corrompido.

Assim como quando um filho pede à mãe algo desnecessário e até um pouco prejudicial. Ela dá a ele um pouco do que ele pede para que ele se convença de que seu pedido é errado, não é bom, e precisa ser mudado.

É assim que ela o ensina, e essa é a maneira certa de aprender. Afinal, ela não encara o filho de frente, afirmando categoricamente: “Não, você não tem permissão para isso!” Ela diz: “Quer pegar? Vou lhe dar um pouco para fazê-lo sentir que isso não é bom e entender que o que eu aconselho para você é melhor para você”.

Dessa forma, a mãe ensina ao filho que entende melhor o que é bom para ele e que no futuro ele deverá ouvir seus conselhos. Então, da próxima vez, ele saberá o que pedir.

Tente tratar seus filhos e a si mesmo dessa maneira, e você aprenderá e entenderá como o Criador nos trata. Tudo isso se desdobrará diante de você como um único sistema superior de educação de acordo com o qual o Criador nos ensina. A Torá foi projetada para nos educar para sermos criaturas exaltadas, eternas e perfeitas e, o mais importante, conectadas.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 13/10/20, “Bereshit

A Educação De Uma Vida

567.04Pergunta: Os aspectos da família são o nascimento da prole, a satisfação das necessidades sexuais, o apoio emocional de um para o outro e a educação dos filhos.

Quase um terço de nossas vidas é dedicado à educação. Qual a razão de um período tão longo? Afinal, isso não é observado no mundo animal. Por que está organizado assim?

Resposta: O homem é um ser muito complexo. Uma pessoa precisa ser educada para que possa não apenas se manter no nível animalesco, mas também ser um ser social e obter as habilidades para interagir com sua própria espécie.

Essas não são apenas habilidades em uma matilha que ditam claramente as regras de comportamento desde a infância e são compreendidas por todos. Existe uma adaptação diferente da pessoa ao ambiente. Ela deve compreender o estado psicológico, interno, mental e espiritual dos outros para estar em equilíbrio correto com eles.

Pergunta: Quanto mais uma sociedade se desenvolve, mais tempo é necessário para desenvolver a comunicação entre as pessoas. Se alguns milhares de anos atrás 5 a 10 anos bastavam para isso, hoje ou no futuro será necessário educar as pessoas para a vida?

Resposta: Claro. Por que não? Vamos aprender e trabalhar em nós mesmos durante toda a nossa vida, e em todas as nossas vidas vamos mudar a nós mesmos e ao mundo ao nosso redor.

De KabTV, “A Era Pós-Coronavírus”, 21/05/20

Nova Vida # 11 – Nova Educação

Nova Vida # 11 – Nova Educação
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi

A fim de alcançar o próximo estágio em nosso desenvolvimento, a humanidade deve se engajar em um processo de educação integral que mudará nossa natureza de ódio e exploração mútuos para amor e consideração. O método de conexão, isto é, o sistema integral de educação, não apenas está prestes a nos salvar de todo mal, mas também nos leva à bondade. Isso nos permitirá estar em contato com o motor que comanda todo o processo de desenvolvimento, a força superior encontrada na natureza: o amor. Primeiro, precisamos educar as pessoas para construir uma sociedade equilibrada através do pensamento, da fala e da ação. Com isso, colocamos um fim a todo sofrimento, alcançamos um equilíbrio com a força da natureza e vivemos em perfeita harmonia.

De KabTV, “Nova Vida # 11 – Nova Educação”, 09/01/12

“Educação Aliada Ao Blockchain Será A Base Para As Futuras Nações” (Blockanics)

A Blockanics publicou meu novo artigo: “Educação Aliada Ao Blockchain Será A Base Para As Futuras Nações

Imagine um mundo onde uma rede virtual descentralizada administra todos os aspectos de nossas vidas para nós, onde tudo o que precisamos focar é ajudar uns aos outros a serem seres humanos melhores.

A tecnologia Blockchain desempenhará um papel fundamental na construção da sociedade futura que todos formaremos juntos. No entanto, para que esse novo estágio tecnológico funcione a nosso favor, precisaremos adaptar nossa maneira de pensar, envolver nossos novos conceitos e abraçar novos valores.

A necessidade de reorganizar a humanidade

Os vários cenários intrincados e ameaçadores que ocorrem hoje no mundo, sob a forma de polarização social, instabilidade política, desestabilização climática, imigração em massa, desemprego tecnológico e muito mais, são na verdade os primeiros sinais de uma nova humanidade. Isso ocorre porque o nascimento de algo novo é sempre doloroso e é isso que estamos vivenciando agora.

Precisaremos reorganizar a sociedade humana de uma maneira verdadeiramente abrangente para garantir que nossa interdependência e interconexão sejam benéficas para nossa prosperidade e estejam em sincronia com o sistema natural. Para fazer isso, uma coisa terá que mudar junto com nossas tecnologias: nós mesmos.

“Nações da nuvem” terão papel fundamental

Segundo o futurista Dr. Roey Tzezana, nas próximas décadas não precisaremos mais das instituições territoriais que temos em nosso mundo. A maioria dos serviços governamentais e civis será fornecida automaticamente e poderá ser gerenciada remotamente por meio de tecnologias emergentes, porém altamente confiáveis, como blockchain. Basicamente, “nações em nuvem” será uma forma virtual de qualquer grupo de indivíduos se unir sob uma identidade comum e criar seus próprios “contratos inteligentes” para gerenciar seus relacionamentos.

Ao contrário dos países físicos de hoje, essas novas entidades virtuais não serão limitadas por restrições territoriais, e os membros poderão entrar e sair quando quiserem. Em última análise, as nações em nuvem têm o potencial de distribuir processos de tomada de decisão para seus cidadãos, o que gradualmente tornaria obsoletas muitas instituições governamentais.

Com todo o comportamento humano sendo automaticamente monitorado e alimentado nessa vasta rede, as nações em nuvem também incluirão sistemas descentralizados de justiça. A justiça imediata estará disponível para qualquer cidadão em qualquer ponto da rede, tornando redundantes as funções atuais dos tribunais.

Além disso, as nações em nuvem permitirão uma economia cooperativa que não concentre o poder nas mãos de poucos e que os sistemas estejam disponíveis para calcular as necessidades básicas de cada ser humano e imprimir versões 3D de qualquer coisa que precisarmos.

O papel único de uma Nação Judaica da Nuvem

Para avançar mais um pouco com isso, Tzezana está fazendo uma parceria com pensadores e pesquisadores judeus, que estão desenvolvendo o projeto “Jewish Cloud Nation” (“Nação Judaica da Nuvem”): um estado virtual que unirá judeus de todo o mundo. Eles receberão serviços “de maneira totalmente descentralizada, sem limitações geográficas”.

Os valores centrais da Nação Judaica da Nuvem devem ser determinados por um comitê especial de sábios judeus. Este distinto grupo de grandes pensadores e cientistas sociais se reunirá pessoalmente para formular valores universais para os judeus em todos os lugares.

O objetivo é organizar uma estrutura para implementar o ideal judaico de “Tikkun Olam” – um princípio antigo de acordo com o qual os judeus devem facilitar a correção do mundo. O site do projeto afirma que “O código da Nação Judaica da Nuvem será aberto e transparente, e será compartilhado com todos para permitir a criação de outras nações da nuvem, para atender às necessidades dos cidadãos do mundo inteiro sem o envolvimento de governos disfuncionais ou regimes corruptos”.

Forjando um novo conceito para a sociedade

É esperançoso ver como especialistas que reconhecem o iminente futuro tecnológico também imaginam o surgimento de uma sociedade cooperativa, e também estão tomando medidas para ajudar a formar tal sociedade. Tal visão corresponde diretamente aos ensinamentos sociais que aparecem nos escritos autênticos da Cabalá.

Cerca de um século atrás, o Cabalista Yehuda Ashlag escreveu: “Não se surpreenda se eu misturar o bem-estar de um coletivo em particular com o bem-estar de todo o mundo, porque, na verdade, nós já chegamos a tal ponto em que o mundo inteiro é considerado um coletivo e uma sociedade”.

De fato, em nosso tempo, estamos nos aproximando da necessidade de forjar um novo conceito para a sociedade humana. As crescentes crises em incontáveis ​​reinos de envolvimento humano estão nos levando a repensar os fundamentos de nossa cultura. Esta é a maneira da natureza de nos levar a evoluir para o próximo grau de conexão humana, o que significa uma mudança de pensamento e uma mudança de valores.

Assim, não é de se surpreender que empreendedores tecnológicos inovadores estejam entre os primeiros a identificar essa tendência. Eles também são rápidos em identificar as ferramentas práticas que podemos usar para criar uma infraestrutura que permitirá uma nova ordem social em todos os níveis: econômico, social, político, educacional etc.

No entanto, contratos inteligentes não são suficientes para unir as pessoas. A tecnologia realmente atualiza nossas habilidades, mas não melhora nossas qualidades internas e a maneira como nos relacionamos.

A educação deve vir primeiro

Para que uma nação na nuvem seja uma sociedade modelo que promova uma genuína preocupação mútua entre os cidadãos, ela deve iniciar um processo educacional que possa ser adotado por seus cidadãos. Eles precisariam aprender sobre os benefícios da consideração mútua e construir novas normas e valores para o engajamento social positivo. Em última análise, eles precisam desenvolver uma nova maneira de sentir um ao outro, como partes de um único todo. Este é um desenvolvimento consciente que requer a disposição das pessoas para mudar sua percepção da vida.

Por exemplo, um aspecto central de tal mudança é a questão da privacidade. Para os futuristas como Tzezana, é claro que não importa o quanto discutamos o direito à privacidade nos dias de hoje, no futuro tecnológico, a luta pela privacidade é uma batalha perdida. De fato, quanto mais indivíduos estiverem dispostos a abrir mão de sua privacidade, mais benéficos e eficazes serão os sistemas que eles podem estabelecer para si mesmos.

A privacidade nas nação na nuvem terá que ser reduzida ao mínimo, mas a disposição de abandonar a privacidade não será natural. Essa é uma questão delicada que requer grande preparação e adoção de novos valores. Parte do processo educacional seria nos ajudar de bom grado a trocar nossa necessidade de privacidade por um benefício real. Este é apenas um exemplo da necessidade de melhorar a consciência humana e nutrir a conexão humana.

À medida que nos dirigimos para a sociedade futura que as tecnologias de hoje estão tecendo diante de nossos olhos, teremos que nos adaptar a novos valores e conceitos que podem parecer utópicos. No entanto, isso ocorre porque a maioria das pessoas hoje não tem a sensação de ser uma única parte de um todo.

Portanto, nossa preocupação número um em elaborar nosso futuro interconectado deve ser como nos educar. Ao invés de deixar a tecnologia liderar o caminho, já podemos dar passos na direção da mudança que temos que percorrer: tornar-se seres humanos interconectados em uma sociedade que promove a união, e gratifica a preocupação e a consideração mútuas.

Na sociedade futura, as pessoas sentirão que, se não estiverem contribuindo ativamente para o bem-estar do todo, estão prejudicando indiretamente os outros, assim como elas mesmas. Então, nossas tecnologias avançadas funcionarão para o benefício de todos.