Textos com a Tag 'Vida'

Qual Vida Desfrutar?

544A essência da assembleia é que todos estejam em uma unidade e que todos busquem apenas um propósito: encontrar o Criador. Em cada dezena há a Shechiná [Divindade]. Certamente, se há mais de dez, há mais revelação da Shechiná. Assim, cada um deve se reunir com seu amigo e vir até ele para ouvir dele uma palavra sobre a obra do Criador, e como encontrar o Criador. Ele deve se anular diante de seu amigo, e seu amigo deve fazer o mesmo com ele, e assim todos devem fazer isso (Maor VaShemesh, “VaYechi”).

Precisamos adaptar de forma prática o que estamos estudando às relações entre nós no grupo. Caso contrário, nada resultará disso; é apenas um desperdício de seu tempo.

Nesses casos, Rabash dizia: “Se uma pessoa não quer participar de um grupo, o que fazer? Deixe-a ir aproveitar a vida”.

É uma de duas coisas: ou aproveitar a vida nas ruas ou aproveitar a vida em um grupo voltando-se ao Criador. Caso contrário, uma pessoa não está nem aqui nem lá. Ela só rói a si mesma, o que é o pior de tudo.

Da Convenção Internacional “Elevar-se Acima de Nós” 06/01/22, “Aproximar-se do Criador por meio da rede de conexões entre nós”, Lição 1

O Programa Da Vida

962.4Pergunta: Alguns biólogos afirmam que o objetivo da pesquisa é entender o programa da vida. Qual é o verdadeiro programa de vida de acordo com a sabedoria da Cabalá?

Resposta: O programa da vida é permitir que cada nível da natureza se desenvolva gradualmente de um nível para outro e alcance o nível mais alto na escada evolutiva até o nível humano, o nível de Adão (Homem), que se assemelha à força superior. O nível animado nele não muda em sua essência, mas o nível humano nele se desenvolve de modo que ele se torna como a força superior. Ele apenas se assemelha (Domeh) à força superior, e é por isso que ele é chamado de Adão.

Isso significa que uma pessoa não se torna a força superior, o Criador, mas apenas se torna semelhante à força superior, torna-se um parceiro em sua atitude, incluindo os níveis da natureza inanimada, vegetativa e animada. Uma pessoa não pode ascender acima do nível humano. Ela só pode adquirir o atributo de doação da força superior, o que significa que desenvolve essa qualidade em sua intenção, mas não em sua natureza real.

De KabTV, “Conversa com Jornalistas”, 02/12/21

Quando A Vida Terá Valor?

79.01Pergunta: De acordo com a Cabalá, um humano é uma alma. É assim que todos os Cabalistas se relacionam, tanto com os eventos que estão ocorrendo quanto com os humanos. Por que então esse conhecimento não nos foi dado desde o início? Por que apenas um pequeno número de pessoas tem dúvidas sobre o sentido da vida, sobre o desenvolvimento espiritual?

Resposta: Devemos nos desenvolver desde nosso ponto de partida, do ponto de luz que explodiu no volume do universo e o desenvolveu por quinze bilhões de anos. Cinco bilhões de anos atrás, a Terra começou a se formar a partir de uma nuvem gasosa, depois a natureza inanimada, vegetal, animal e humana.

Este é um processo de desenvolvimento contínuo e devemos participar dele. Não temos ideia de como todos esses estágios de desenvolvimento devem finalmente acontecer.

Hoje, quando estudamos a história da humanidade e seu desenvolvimento de geração em geração, não podemos fazer nada. Somos obrigados a seguir o caminho gradual do nosso desenvolvimento. Nós podemos apenas acelerá-lo.

Agora a Cabalá está sendo revelada ao mundo, pois estamos nos perguntando sobre o sentido da vida. As gerações anteriores não perguntaram sobre isso. Elas estavam satisfeitas com as religiões. Após a morte, haverá o paraíso; vai haver algo bom, ou estou vivendo para o bem dos filhos, para que se sintam bem. Essas respostas eram suficientes para nós e de alguma forma nos acalmávamos.

A geração atual não se acalma. Mas está apenas começando a se desenvolver e, é claro, ainda não é capaz de exigir uma resposta urgente à eterna questão sobre o sentido da vida. Mas já existem milhões. Portanto, a Cabalá é revelada.

Se agora explicarmos às pessoas o sentido da existência e como alcançá-lo durante esta vida, ela adquirirá valor.

De KabTV, “Close-Up. Mistério da Esfinge”, 05/02/10

O Pico Da Vida E Seu Desvanecimento

760.4Pergunta: Baal HaSulam escreve em seus artigos que uma pessoa chega a uma sensação de vazio interior no final da vida e deixa este mundo em desespero e desesperança interior: “O que foi tudo isso, para quê?”

E o que acontece com essa percepção depois que seu corpo morre?

Resposta: Nada. Ele fica desesperado. Além da habitual existência animal, surge nele a pergunta: “Para quê, por quê?” Esse sentimento de fim está conectado ao ponto no coração, ao microdesejo que temos, e ao desenvolvê-lo, podemos sentir o próximo mundo superior, o universo geral.

Pergunta: Ter esse desejo é que dá à pessoa o medo da morte?

Resposta: Não, os animais também temem a morte. Eles também tentam evitá-la, lutam com todas as suas forças para sobreviver. Afinal, os animais, assim como os humanos, gradualmente enfraquecem e morrem. Quando sentem a morte se aproximando, deliberadamente se distanciam dos outros, vão embora e morrem. No deserto, praticamente não vemos essas cenas, mas é assim que acontece.

É o mesmo com o homem. Ele quer se afastar do mundo todo porque na sua velhice ele não percebe mais, quer viver sossegado em seu canto até que desapareça completamente.

Isso acontece porque ele está perdendo gradativamente o contato com este mundo. Seus órgãos sensoriais não funcionam mais como antes.

Pergunta: Por que tudo está organizado dessa forma? Por que o curso da vida está piorando?

Resposta: Depois de quarenta anos, a vida começa a desaparecer. Seu pico está no período entre trinta e quarenta anos. Até os trinta anos, tentamos nos identificar de alguma forma, e dos trinta aos quarenta nos realizamos.

Não estou falando de cientistas, compositores ou personalidades criativas que continuam a se realizar. Há até pessoas entre eles que, por meio de suas qualidades especiais, alcançam o maior desenvolvimento aos sessenta anos. Os cientistas, por exemplo, acumulam uma enorme massa de informações e conhecimentos durante 60 anos de suas vidas. Para onde eles iriam? Não há aposentadoria para eles.

Mas uma pessoa comum empenhada apenas em cuidar de seu corpo, de sua vida comum, ela sente depois de quarenta anos que não há praticamente nada pelo que se esforçar, ela tem que pensar em como continuar existindo com calma, simplesmente existindo e gradualmente desaparecendo.

De KabTV, “Close-up. Mistério da Esfinge”, 05/02/10

Onde A Vida Real Está Se Escondendo?

712.03Pergunta: O que é a vida de acordo com a Cabalá? O que nos dá a sensação de estarmos vivos?

Resposta: De acordo com a Cabalá, o volume do universo em que nos sentimos hoje e chamamos de nosso mundo é uma parte muito pequena de todo o universo.

Ficamos nele por um certo tempo, vivenciamos vários eventos para acumular algumas informações especiais e, em seguida, saímos desse estado para entrar em um superior e começar a sentir o volume total do universo em sua verdadeira forma, não o nosso mundo, mas o universal, o que é chamado de mundo superior que inclui o nosso.

Portanto, na Cabalá, nossa existência em relação a todo este volume é considerada um sonho, uma sensação pequena e não óbvia da vida real. A vida real é completamente diferente do que sentimos hoje.

Na prática, só experimentamos nossa existência animalesca porque tudo o que fazemos é servir ao nosso corpo animal para que se sinta bem e confortável. Procuramos dar-lhe todos os prazeres que deseja absorver e tornar tudo o mais confortável possível para ele.

Imagine que seu amado animal de estimação mora ao seu lado e você cuida dele o tempo todo; esta, em princípio, é a nossa vida. Assim como os animais, queremos ter filhos, queremos que eles se sintam bem, trabalhamos para garantir o seu futuro. Nos animais, isso se manifesta muito claramente no nível instintivo. Sua preocupação com eles próprios e com a geração futura é o principal, além do essencial para a existência, como comida e abrigo.

Portanto, a esse respeito, somos animais em nosso mundo em relação ao mundo superior, onde somos chamados de “homem”.

De KabTV, “Close-up. Mistério da Esfinge”, 05/02/10

Quando A Vida Se Torna Significativa

627.2Comentário: Por um lado, a natureza nos deu tudo hoje; em termos de conforto, você pode satisfazer qualquer desejo. Por outro lado, junto com isso, uma sensação de vazio interior cresce na pessoa.

Minha Resposta: Isso é muito bom porque não temos nenhum outro lugar para desenvolver. Fomos ao redor do mundo, compramos um apartamento, um carro, trocamos de cônjuge várias vezes, geramos e perdemos nossos filhos. Já fizemos tudo. O que vem a seguir?!

Este mundo não dá mais. O que mais ele pode nos oferecer? Portanto, algumas perversões aparecem. Ok, vamos testá-las um pouco. Isso é tudo. Então para que viver?!

Então vem o vazio e a decepção, é a isso que você veio. Parece-lhe que embora vivêssemos primitivamente, era bom: família, prados, filhos. Tudo isso é atraído a você de maneira pastoral e harmoniosa. Mas hoje, que horror! Uma pessoa é obrigada. Ela não pode fugir para lugar nenhum e, o mais importante, fugir de si mesma!

Ela tenta fazer isso dizendo: “Eu vivo da maneira que vivo”. Mas não funciona porque a lei da natureza é tal que não podemos fugir dela. Ainda teremos que encontrar uma resposta para a questão do sentido da vida. Além disso, não a alcançamos filosoficamente e não para de alguma forma nos acalmar, mas para a encontrar, ver, compreender. Para que vive uma pessoa? Esta não é apenas uma questão puramente teórica, uma busca e tormentos de espinhos às estrelas e assim por diante. Não! Nós queremos ver!

Na verdade, essa questão depende da morte. A pessoa deve saber que continua a viver, mas não por algum tipo de fé – pelo que a religião lhe promete. Ela deve ver uma continuação clara, bonita e brilhante à sua frente. Então, essas dezenas de anos de vida fazem sentido.

De KabTV, “Close-Up. Centauros”, 15/01/10

Momento Especial Da Vida

025.01Pergunta: Você diz que há um momento na vida de cada pessoa em que ela recebe a oportunidade do alto de perceber sua individualidade, sua alma, ou seja, chegar a um nível de existência eterno e superior. Que momento é este?

Resposta: Há um momento na vida de cada pessoa em que ela sente que deve encontrar o sentido da existência, descobrir por que vive. Além disso, não necessariamente de um estado ruim. Ela apenas sente que precisa encontrar a si mesma, que esta não é a vida real, há algo além dela. Não pode ser que seja assim.

É algum tipo de jogo, algum tipo de sonho, algo que realmente não existe. E todo mundo joga, todo mundo parece fingir: agora eu nasci, eu vivo, agora tenho família, filhos, agora trabalho, agora estou correndo atrás de algumas compras especiais. Um jogo. Este é o mesmo tipo de jogo que as crianças jogam. Somente por nós mesmos o elevamos à categoria de especial seriedade. E qual é a seriedade aqui? Não há nada aqui.

Acontece que, quando começo a sentir, surge a pergunta: “O que fazer agora?” Onde há algo em mim que eu não fingiria, não jogaria? Algo realmente tão interno, profundo e suave, que é até assustador de tocar – será muito doloroso.

Quando uma pessoa atinge esse estado, ela tem a oportunidade de começar a explorar o sentido da vida.

De KabTV, “Close-Up”

Os Melhores Anos Da Vida

294.2Pergunta:  Alguns pesquisadores consideram as idades entre 30 e 34 anos os melhores anos da vida de uma pessoa. Cerca de 45 a 55 pessoas experimentam o maior estresse, que pesa muito sobre elas. As pessoas se sentem satisfeitas antes dos 45 anos e depois dos 55. Aos 75, a curva de satisfação cai drasticamente. Surpreendentemente, quase nenhum dos entrevistados classificou a infância como os melhores anos de suas vidas.

Qual período da vida você chamaria de melhor?

Resposta: Eu tenho uma escala de medição diferente, valores diferentes, então não posso dizer. Não é infância, juventude, adolescência, nem quando adulto. Os melhores anos foram quando conheci meu professor, quando eu era completamente independente financeiramente e só podia trabalhar no meu crescimento espiritual.

Comentário: Isso determina os melhores anos, embora tenha sido um período de subidas e descidas.

Minha Resposta: Mas elas eram espirituais, não de qualquer outro tipo. Elas não eram físicas ou materiais.

Pergunta: Então, quando uma pessoa determina o propósito de sua vida, o melhor período de sua vida começa e continua a partir desse momento?

Resposta: Sim, e a idade não importa.

Pergunta: Isso continua indefinidamente?

Resposta: Eu acredito que sim. Este período ainda não passou para mim. Espero que não acabe antes do fim da minha vida. Ainda estou planejando algo, esperando coisas etc. Nesse sentido, estou em certa vantagem em relação à maioria das pessoas que determinam o que é bom e o que é ruim.

Acredito que uma pessoa deve alcançar tal atitude perante a vida, mesmo levando em consideração toda a situação que existe ao seu redor, e onde é geralmente feliz. Se ela se apega a alguns valores duradouros, podemos dizer que é feliz.

Pergunta: E não importa se as doenças a acometem ou Deus sabe o que mais acontece?

Resposta: Sim. Ela se relaciona com o governo superior, portanto, isso não a machuca nem a destrói, ela não cai. Ela percebe isso como uma condição necessária para seu maior crescimento interior.

Pergunta: Em outras palavras, este é um bom conselho para uma pessoa: encontre algo eterno e indelével, apegue-se a ele, e não haverá período bom ou ruim na vida?

Resposta: Não. Não depende de nós, depende da raiz da nossa alma. Não temos do que reclamar. Devemos simplesmente tentar, em quaisquer circunstâncias que se manifestem, manter um certo curso de realização de nosso programa interno.

Pergunta: Podemos dizer que cada pessoa tem seu propósito de vida? Como podemos determinar isso?

Resposta: Percebendo a raiz da sua alma. Porque o corpo e todo o ambiente que nos rodeia só existem para supostamente interferir em nós, mas, na verdade, é para que nos realizemos, realizemos nossa raiz espiritual. Isso é dado a todos. Mas só se a pessoa quiser.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 21/10/21

Otimizando A Vida

963.6Uma pessoa sempre deseja obter o máximo retorno com um mínimo de investimento. A natureza funciona assim em tudo. Esta é a sua lei geral. Se estivermos lidando com o desejo de receber, o desejo de doar, leis de desenvolvimento, absorção e assim por diante, sempre vemos que a natureza se esforça para otimizar.

A Cabalá revela uma lei da natureza mais universal para nós que leva em consideração a sua integralidade. Em princípio, o egoísmo permanece, mas começa a levar em consideração tudo ao seu redor. Eu tenho que pensar nos outros, na interação correta com eles, quer queira quer não, porque senão tudo voltará para mim como um bumerangue.

Portanto, o egoísmo, quer queira quer não, torna-se altruísta e leva os outros em consideração porque eu não posso existir de outra forma.

Esta forma de atividade mútua, quando começamos a ver nossa integralidade e a trabalharmos juntos em um objetivo comum, na otimização de nossa vida em todos os níveis, nos leva à unificação, à inclusão mútua, onde devo compreender o outro como eu e a mim mesmo como o outro

Assim, nos transformamos em uma única comunidade, incluindo todos nós e as formas inanimadas, vegetativas e animadas da natureza.

Como resultado, chegamos a um estado em que nossos pensamentos mudam. Vemos tudo não de uma forma egoísta estreita e direta, mas de uma forma expandida e integral, onde consideramos todo o mundo como nosso.

De KabTV, “A Ciência da Gestão”

Que Parte De Nós Irá Transcender Para A Próxima Vida?

962.2Pergunta: O que vai passar de nós para a próxima vida?

Resposta: Apenas os esforços que você fez nesta vida que visavam a unidade entre nós.

O que mais nós precisamos? Temos que formatar nossa alma durante nossas muitas reencarnações, o que significa que temos que nos unir em uma boa força, em um bom sistema.

Nada além do que chamamos de boas ações permanece de todas as nossas reencarnações.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 18/08/19