Textos com a Tag 'Egito'

Êxodo Do Egito Por Todo O Mundo

laitman_570Os sábios dos tempos do Talmude fizeram correções na alma comum, o que tornou mais fácil a revelação do Criador, para a qual as restrições corporais não são mais necessárias. Você pode comer o que quiser e o quanto quiser, o principal é encher seus pensamentos e coração com a Torá.

Em nossa geração, o estudo da ciência da Cabalá se tornou ainda mais acessível: todos podem aprender. Não há nenhuma proibição de qualquer tipo, e a Cabalá é revelada ao mundo inteiro, não apenas aos judeus.

Hoje voltamos às verdadeiras definições da ciência da Cabalá: Israel, judeus, a Torá, que existiam na antiga Babilônia no grupo de Abraão, mas agora elas se aplicam a toda a humanidade. Essas definições adquirem um significado espiritual, não corporal.

Qualquer pessoa pode se envolver na Cabalá, superar seu egoísmo e lutar pelo Criador, não importa onde a pessoa nasceu: no Japão, China ou Síria, todos podem trabalhar para atrair a luz que reforma e corrigir o mundo.

E vemos como os golpes (pragas egípcias) que se desenrolam no mundo estão se tornando cada vez mais integrados. Já é impossível separar Israel das nações do mundo. Veja a situação nos EUA, a agitação e os problemas, e a mesma coisa em outros países também. O mundo inteiro está agitado.

Estamos apenas iniciando esse processo do “coronavírus”, mas ele já levou todos a perceberem seu completo desamparo. Ninguém sabe o que fazer ou entende onde estamos ou como sair desses problemas. Não há para onde ir, como se estivéssemos com as mãos e os pés amarrados. O vírus está tirando menos vidas do que qualquer guerra, mas nos liga completamente e não nos dá chance de mudar.

O mundo não sabe o que fazer e está procurando uma saída dessa situação e alguém para mostrar o caminho. Isso está acontecendo em todos os países. As pessoas pensam que a primeira onda da epidemia passou e a quarentena pode ser levantada até a próxima onda chegar.

Mas quem disse que já podemos facilitar nossas vidas? Fizemos as correções necessárias? Nós nos alinhamos à natureza integral e global? Fizemos melhorias na sociedade humana?

Nada disso aconteceu. Então, por que merecemos alívio? Não agimos na direção certa.

Podemos dizer que nossa geração tem uma “nova” Torá porque em todas as gerações anteriores era pessoal, individual. E hoje a Torá está se tornando global e integral, o que nos obriga a ser como a natureza global e integral.

Toda a humanidade deve fazer isso, mas essa demanda está crescendo gradualmente, passo a passo. Se fosse imediatamente solicitado a todas as pessoas, nos destruiria completamente. Portanto, cresce gradualmente, como acontece com uma criança de quem é exigido cada vez mais a cada ano, de acordo com a idade. É o mesmo conosco.

Mas este é um novo estado, a “última geração” da qual não há onde escapar. Devemos cumprir nossa missão, que não pode ser evitada, e levar toda a humanidade a um sistema global e integrado devido à luz de retorno que flui por meio do nosso grupo para o mundo. Isso é chamado de educação integral, que constrói de nós um sistema integral no qual todos estão conectados um ao outro.

A palavra “Torá” significa instrução (Oraa), orientação no caminho; é um guia completo que descreve todas as nossas descidas e subidas, todas as nossas relações entre nós e com o Criador, e mais importante, este é um meio de atrair de cima a luz da correção, do sistema corrigido da alma comum de Adam HaRishon em nosso sistema quebrado.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 01/06/20, “A Abordagem para Estudar a Sabedoria da Cabalá”

A Noite Do Êxodo Do Egito

laitman_584.03Geralmente em Pessach, especialmente durante o feriado do Seder [jantar cerimonial], há um sentimento de um feriado comum em Israel, entre todas as pessoas, em todas as famílias. Mas este ano, Pessach parece diferente, como uma nuvem opaca de quarentena que desceu sobre nós e nos trancou em nossas casas. Costumávamos nos preparar para uma refeição de Pessach com toda a grande família e, de repente, todos tinham que ficar em casa.

Mas o fato é que nós mesmos construímos esse estado. O coronavírus é apenas uma maneira de descobrir a verdade e mostrar nossa separação: enquanto não somos um povo, não sentamos à mesma mesa e não queremos deixar nosso Egito hoje.

Este ano, o Seder apenas correspondia à estrutura do povo de Israel, na qual não há unidade. Não deixamos o Egito e, portanto, não temos nada para comemorar. Precisamos pensar sobre por que estamos neste estado. Já deixamos o Egito, nosso desejo egoísta? Nós nos tornamos um povo do Criador?

Achamos que esse Pessach não é real porque não nos encontramos como de costume com toda a família, com avô e avó. Mas apenas esse Pessach é real porque nos mostra o quanto não estamos com nosso povo.

O problema não está no Seder de Pessach, mas no modo como estamos todos os dias, não nas relações dentro da família, mas muito mais amplo em toda a sociedade israelense. Durante todo o ano, não nos comportamos como um povo unido e, consequentemente, agora somos forçados a sentar-se durante Pessach sozinhos em casa.

Nós nos desenvolvemos a tal ponto que não basta sentar com os avós e celebrar os eventos que ocorreram há 3.500 anos. Chegou a hora de entender que não deixamos o Egito.

A saída do Egito é a saída do nosso egoísmo, um estado no qual nos tornamos verdadeiramente unidos como um povo, como um homem com um coração, e recebemos a Torá, o poder que é revelado entre nós e nos une como um povo especial. de Israel.

Mas não temos nada disso. Então um símbolo especial aparece chamado coronavírus e nos explica onde estamos: não deixamos o Egito, mas vivemos dentro de um enorme egoísmo, ainda mais forte do que em outras nações. Nem sequer temos o direito de sermos chamados de Israel, porque isso significa direto ao Criador (Yashar-Kel), e não lutamos pelo poder de doação, pelo amor e unidade mútuos.

Então, somos enviados para nos sentarmos sozinhos, sem a avó, e pensar por que estamos sozinhos e por que a quarentena é declarada. O vírus vem especificamente para nos explicar quem somos e que realmente não nos relacionamos com o feriado de Pessach e com o direito de sermos chamados de judeus que deixaram o Egito.

Pessach é comemorado em memória do êxodo do Egito, mas não temos nada para lembrar. Portanto, estamos sentados em casa com nossa família imediata, como antes de deixar o Egito, e pensamos no que precisa ser feito para sair dele. Essa é apenas a noite do êxodo do Egito, mas não a saída em si.

A quarentena mostra que o egoísmo nos deixou sozinhos no deserto: sem parentes, amigos ou nossa nação. Pessach apenas simboliza o desejo de sair dessa solidão e se conectar com os outros como um homem com um coração.

Qual é a diferença entre esta noite e todas as outras noites? Não que todo mundo esteja sentado sozinho em sua casa, mas porque agora entendemos por que estamos sentados sozinhos nesta noite festiva. E também é diferente no que finalmente pensamos: Estamos prontos para deixar o Egito? Você tem que enfrentar isso.

O Egito é nosso egoísmo, ódio mútuo, competição. Essa é a essência da noite de Pessach – é noite, mas de maneira organizada (seder) nos prepara para sairmos do nosso egoísmo na terra de Israel (Yashar-Kel), ou seja, para um poder superior, para doação e amor. O Criador é o poder do amor.

De KabTV, “Nova Vida # 1220”, 02/04/20

Todos Saem Do Egito

laitman_213Este ano, devido à pandemia de coronavírus, não poderemos realizar o Seder de Pessach com mil convidados, como nos anos anteriores. Espero que isso seja muito semelhante ao estado do povo de Israel quando eles deixaram o Egito, que também estava na escuridão e desconectado um do outro.

Eles entenderam que precisavam se conectar, mas ainda não encontraram força em si mesmos para isso. E nós estamos no mesmo estado e eu realmente espero que, porque todos estejam sentados em seu canto, cada um sinta que uma força superior nos dividiu e nos esmagou. Estamos distantes e não nos sentimos.

O vírus age para nos explicar quem realmente somos, para que possamos nos elevar acima desse vírus com a ajuda da força superior. O Criador nos unirá e nos corrigirá, e avançaremos para a terra livre, livre de nosso desejo egoísta. Lá nos uniremos com o Criador em uma fusão: Israel, a Torá e o Criador são um. Vamos torcer para que isso aconteça.

O mundo externo e as propriedades internas estão se aproximando: homens, mulheres, crianças – todos saem do Egito. Eu realmente espero que façamos isso hoje à noite. Prepare-se internamente para o êxodo.

Não importa o que temos sobre a mesa, o principal está em nossos corações: o quanto queremos sair do nosso egoísmo, superá-lo e juntarmos o que tiramos do Egito, de modo a coletarmos nossa alma brilhante. Desejo-lhes um feliz Pessach, ou seja, uma ótima maneira de sairmos do egoísmo juntos.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 08/04/20, Escritos do Baal HaSulam, “Introdução ao Livro do Zohar

Desastres No Mundo São Pragas Egípcias Modernas

laitman_293Pergunta: Hoje, vemos vários golpes da natureza em toda a Terra. Na África, uma infestação de gafanhotos está destruindo centenas de milhares de acres de colheitas e ameaçando um desastre alimentar.

Na Europa, um furacão subindo do sul para a Escandinávia está causando danos muito pesados. O coronavírus, que começou na China, está se espalhando.

Tudo isso se assemelha às dez pragas egípcias que o Senhor uma vez enviou ao Egito. Nós nos tornamos um grande Egito?

Resposta: Sim. Hoje a humanidade se tornou um único todo. Você pode ver o que acontece com qualquer desastre, mesmo que pequeno. Afeta todos os países: a comunicação é interrompida, todos os tipos de cadeias de suprimentos são cortados. Hoje, não podemos viver sem o outro. É por isso que acontece dessa maneira. A natureza nos ensina lindamente que estamos conectados mutuamente e que não podemos romper essa conexão nem organizá-la da maneira correta.

Pergunta: Precisamos conhecer o local de cada personagem para resolver corretamente o desempenho que está se desenrolando?

Resposta: Precisamos inserir a natureza integral como sua parte necessária, importante e conectora.

Pergunta: Como podemos encontrar este lugar?

Resposta: Tudo depende de nós. Devemos nos educar dessa maneira e entender que, por não sermos integrais, violamos a integridade da natureza e introduzimos perturbações negativas nela.

Pergunta: Se pegarmos a história da Torá, Moisés primeiro veio a Faraó e seus feiticeiros e começou a falar em nome do Criador; ele era um mensageiro.

Por um lado, vemos as concessões graduais do Faraó, mas cada vez que ele dava um passo para trás, cada vez se fortalecia e dizia: “Vá, ore ao seu Deus, mas eu ainda não vou deixar você ir; você não vai sair. Fique aqui”.

Será que esse jogo da humanidade com a natureza seguirá o mesmo caminho: “Sim, sim, sim, concordamos, mas não, no entanto, faremos tudo do jeito que fazíamos antes?”

Resposta: Em geral, é claro, nós, como humanidade teimosa, como aquele Faraó teimoso, nos apegaremos à nossa maneira. Nós, como teimosos, como eles dizem, judeus de pescoço duro, também nos apegaremos a nós mesmos.

O único que trabalha aqui contra o Faraó e contra os judeus é o Criador, a força superior da natureza, que une e deseja levar todos a uma conexão positiva e correta. É aqui que o conflito surge.

Em princípio, o povo judeu não está longe do Faraó; eles querem obedecer ao Faraó. É o Criador que está tramando aqui, não o Faraó ou os judeus. Os judeus estão prontos para morar lá normalmente, ainda gritam com Moisés: “O que você quer de nós? Olha como é bom aqui! Nós nunca vivemos assim antes. O Faraó nos protege, nos guarda, nos dá a oportunidade de viver no lugar mais fértil do Egito, na terra de Goshen. Para onde devemos ir ?!”

Lembro-me de vir para a Lituânia nos anos 70 para ir a Israel a partir daí. Muitas pessoas conseguiram sair de lá, mas não de outras partes da Rússia. Me disseram: “Aonde você vai? Por que você precisa disso? Olha como você pode morar aqui!

Pergunta: Como uma pessoa pode diferenciar em si mesma a parte que deseja seguir as leis da natureza, seguir o Criador que demonstra esses milagres ou conspirações?

Resposta: Existem pessoas bem estranhas, como eu, que se levantaram e começaram a sair. Eu também estava em negação. Este é o chamado “ponto no coração”, que puxa a pessoa para se separar de todos aqueles que resistem e se opõem. Ele anseia por ser livre.

Pergunta: Quanto tempo a humanidade terá que enfrentar essas catástrofes globais?

Resposta: Ainda temos a terceira e quarta guerras mundiais pela frente. Então, ainda há tempo.

Pergunta: De onde vem esse recurso interno de não desistir?

Resposta: Vem do nosso egoísmo. Afinal, é uma força da natureza, uma grande força da natureza. É toda a natureza que agora observamos e vemos. Tudo o que vemos ao nosso redor, todas as galáxias, todas as estrelas, todas as vastas distâncias infinitas, tudo isso está, de fato, em nós, dentro de nós. É toda a nossa grande força.

Você entende o que significa que realmente incluímos toda a energia das estrelas, todo esse suposto vácuo cósmico junto com todas as supernovas? Você tem alguma ideia do que é essa força? E tudo isso está dentro de nós, ]dentro das pessoas. Só o vemos como supostamente externo, mas é nosso reflexo. E esta é apenas uma pequena parte que está em nós.

Além disso, também existem mundos inteiros. Os mundos espirituais também estão em nós, dentro de nós. Você não tem ideia do que é uma pessoa. Quando reunirmos tudo, descobriremos que somos o Criador.

Pergunta: O que precisamos reunir?

Resposta: Toda a nossa energia, todas as nossas qualidades, precisamos reunir tudo isso para nos tornar integralmente conectados. Então teremos um sistema chamado “Adam“.

Pergunta: O que as pessoas na África que sofrem de infestações por gafanhotos, na Europa onde ocorrem furacões e incêndios e na China atualmente lutando contra o coronavírus devem fazer?

Resposta: Pense em como equilibrar a natureza. Mesmo com exemplos pequenos e parecidos com brinquedos. Todas essas inundações não têm escala cósmica. Portanto, precisamos entender que podemos fazer isso, como se costuma dizer: “com poucas perdas”.

Os seres humanos não são pequenas criaturas. Eles são enormes. São dinossauros que agarram, devoram e engolem as estrelas, todo o universo, tudo – a força mais maligna da natureza.

Pergunta: O que motivará uma pessoa? O medo ou o desejo de algo maior, melhor do que agora?

Resposta: O sofrimento motivará uma pessoa. Vemos isso em todas as etapas anteriores do nosso desenvolvimento, apenas o sofrimento leva a pessoa a avançar.

Existem dois tipos de sofrimento: o sofrimento sentido no corpo animal ou o sofrimento que sentimos em nossa mente. Isto é, quando imaginamos para onde estamos indo e como ainda devemos nos levantar, vire na direção certa e siga em frente.

Uma pessoa deve entender que a única coisa que a afeta é a força superior da natureza, que exige que ela interaja corretamente com todas as outras, para que equilibre todas as forças da natureza através das ações entre si e sua própria espécie.

Pergunta: Se voltarmos à figura descrita na Torá: havia judeus, havia o povo de Israel, havia Faraó, havia o Criador, e também havia moradores do Egito. Com o que as pessoas devem se associar neste jogo?

Resposta: O que o Faraó faz? A que tudo isso leva? O Faraó é uma grande força aparentemente negativa da natureza. Ele empurra os judeus a concordarem em se unir e sair do Egito.

O Egito é egoísmo. Toda a humanidade está dentro do seu egoísmo. Sair dele, subir acima dele, significa sair do Egito. Com a ajuda de todas as pragas egípcias, somos forçados a sair do egoísmo.

O mais importante é que queremos. A humanidade deve perceber que deve se elevar acima do egoísmo. Significa sair do Egito.

Pergunta: O que impede uma pessoa ou, pelo contrário, envolve-a para que ela diga: “Sim, eu quero um novo relacionamento, um novo mundo”?

Resposta: Existem duas forças: o bastão e o cérebro. Onde o bastão bate, o cérebro deve se voltar a ele e perguntar: “Por que estou sendo atingido?” Podemos evitar o próximo golpe sempre. Se usarmos nosso cérebro e começarmos a ver nosso desenvolvimento de causa e efeito e para onde ele leva, podemos evitar mais sofrimentos.

No entanto, nossa cabeça não funciona para analisar e evitar mais sofrimento, mas para sair dele. Ela trabalha para tentar sair de baixo do bastão e, por assim dizer, continuar existindo como desejamos um pouco mais.

Os judeus se arruínam. Eles usam sua exclusividade dada a eles por natureza, a fim de sair do egoísmo e puxar os outros depois deles, a fim de permanecer no egoísmo. Eles querem permanecer no Egito um pouco mais. Afinal, não é tão ruim lá.

Pergunta: A força da natureza propositalmente aciona o egoísmo e a segunda força que conecta todos. Ela faz tudo isso. O que uma pessoa deve fazer?

Resposta: Uma pessoa deve escolher o caminho correto e pedir à natureza (o Criador) apoio nesse caminho. O caminho correto é apenas se conectar através de boas relações. Israel e a humanidade então se conectam e criam um sistema de relações entre eles que o Criador será revelado nele.

De KabTV, “Notícias com Michael Laitman”, 11/02/20

Saindo Do Egito

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 03/04/20

O mundo inteiro está saindo do Egito hoje em dia, não apenas o povo de Israel. Na sabedoria da Cabalá, o Egito simboliza o ego e, através do #COVID-19, estamos sendo retirados do nosso egoísmo para uma visão de mundo mais inclusiva e atenciosa. O #coronavirus está nos forçando a olhar para a saúde de todo o mundo e não apenas para a nossa; ele nos força a estar em garantia e responsabilidade mútuas.

A palavra hebraica “Mashiach” (Messias) vem da palavra “Moshech (puxar). Hoje em dia, todos nós estamos sendo retirados de nosso egoísmo inerente. É desagradável e muitas vezes assustador, mas é o começo de uma nova era na humanidade, um tempo de cuidado e responsabilidade mútuos, um tempo de unidade.

Neste Pessach, ao celebrarmos o êxodo de nosso povo do Egito, também seremos gratos pelo início do êxodo de todo o mundo, de todas as pessoas na humanidade.

O Coronavírus Está Mudando A Realidade, Parte 3

laitman_961.2O Coronavírus É O Começo Das Pragas Egípcias?

Pergunta: Agora estamos no limiar do feriado de Pessach e o símbolo desse feriado são as dez pragas enviadas ao Faraó. A epidemia de coronavírus é o início de uma série de cataclismos?

Resposta: Não há dúvida de que estamos em um estágio muito interessante em nosso desenvolvimento, que hoje exige que nos aproximemos um do outro de maneira mais correta. O que é exigido de nós não é o comércio mútuo, nem renda mútua, quando usamos um ao outro querendo lucrar às custas de outra pessoa, mas o relacionamento entre eles através de boas conexões. Então podemos voar, mover e conectar o quanto quisermos.

Pergunta: Você está falando sobre algum tipo de relacionamento sensorial interno?

Resposta: Sobre intenções.

Pergunta: De fato, hoje sentimos uma grande dependência de todos em relação a todos. Se uma geleira estava derretendo em algum lugar antes ou havia uma guerra, isso não era sentido. Hoje, porém, isso afeta o mundo inteiro e, naturalmente, todo mundo está preocupado. Há relativa solidariedade aqui, mas é aparentemente negativa: não quero depender dos outros.

Como podemos passar da integração forçada quando sentimos essa dependência para uma integração positiva?

Resposta: Não há nada que possamos fazer. Só podemos aprender com o exemplo do Egito antigo. Lá também tudo foi feito através dos golpes, através das dez pragas egípcias.

Imagine que não haverá o coronavírus, portanto haverá outra coisa. Digamos que vivamos em silêncio, como fizemos alguns meses atrás.

De repente, há uma guerra em algum lugar da África e da América Latina, não importa onde, por causa da qual a extração de algumas matérias-primas, por exemplo, metais de terras raras, pare. Por causa de alguns quilogramas produzidos em um ano, toda a economia pode parar. O que você vai fazer então?

Todos os governos começarão imediatamente a perseguir esses dois países, que estão em guerra entre si e parando a exportação de material necessária para o mundo inteiro. O mundo ainda descobrirá a dependência global e precisará tomar medidas para garantir que as relações entre todos sejam tranquilas e boas. Caso contrário, não haverá nada.

Comentário: A propósito, a Wikipedia dá a seguinte definição de interdependência: “em um relacionamento interdependente, presume-se que todos os participantes de forma emocional, econômica, ambiental, moral e de alguma outra maneira se influenciem”. Em outras palavras, a dependência não é apenas física, mas também moral.

Minha Resposta: Sim, ela se manifesta em todos os níveis.

Pergunta: Isso significa que existe uma falta de entendimento dessa dependência na sociedade?

Resposta: Essa é a principal coisa. É por isso que, se quisermos arruinar a vida um do outro, paramos de negociar, mesmo em nosso próprio prejuízo, apenas para ter certeza de que será ainda pior para o outro.

Pergunta: Que tipo de dor você acha que as pessoas sentem hoje? Como o vírus afeta as pessoas? Em que estado está a humanidade?

Resposta: Hoje, as pessoas ainda não sentem a essência completa desse problema. Elas digerem, mas ainda não estão engasgando, por assim dizer; não estão realmente preocupadas: “Bem, é claro, existe um vírus. Bem, de 100 milhões, 100 pessoas morrem. E daí?” Veja bem, essa não é a escala que pode impressionar o mundo.

Comentário: Foi o mesmo no Egito, esses golpes também começaram lentamente. No entanto, temos a chance de recuperar nossos sentidos.

Minha Resposta: Sim. Ao disseminar o método de conexão integral, podemos explicar que tudo isso pode ser interrompido.

De KabTV, “Coronavírus Está Mudando a Realidade”, 12/03/20

Sair Do Egito: De Duas Forças Para Uma

laitman_276.05Quanto mais tempo estamos no exílio egípcio, mais queremos sair dele. No entanto, se estivéssemos lá por um curto período de tempo, o desejo de sair seria pequeno. Essas duas forças trabalham em paralelo – reconhecimento do mal e saída para o bem – quanto maior é uma força, mais cresce a outra. Portanto, o êxodo do Egito é impossível sem a sensação de que você está nas garras do egoísmo.1

Nós só precisamos nos esforçar em direção ao objetivo e cada um revelará o que for necessário de acordo com a raiz de sua alma. Isso não vai a lugar nenhum, afinal estamos pisando em nossos Reshimot (dados informativos) pelos quais o caminho para o fim da correção é pavimentado. Não há dúvida de onde eu vou pisar em seguida: Reshimo à esquerda, Reshimo à direita e eu avanço andando nos Reshimot. Eles já estão dispostos à minha frente, apenas a velocidade do avanço e seu caráter dependem de mim.2

Toda a sabedoria da Cabalá e o trabalho de uma pessoa são descobrir a unidade do Criador na prática, tornando-se parte dessa unidade. Quando eu determino que “não há outro além do Criador”, isso significa que estou me tornando parte Dele. Se nos tornarmos como um soco e uma matriz, um selo e uma marca, considera-se que eu construí minha alma.3

Primeiro, eu percebo o Criador e o Faraó como duas forças completamente opostas: o bem e o mal, como se neste mundo eu recebesse uma recompensa ou um castigo. De repente, começo a reduzir a diferença entre eles mais e mais até descobrir que não há mal nem bem, mas apenas minha conexão com “Não há outro além Dele”. Portanto, não me importa o que recebo Dele, o principal é que é Dele!4

Se o Criador coloca um obstáculo diante de mim, isso significa que de antemão Ele já arranjou tudo o que preciso para superar esse obstáculo. Como está escrito: “A santidade aumenta, não diminui”. O Criador sempre nos dá a oportunidade de nos fortalecer, nos conectar, encontrar novas forças e seguir em frente. Ele dá um passo à frente primeiro, e depois, a partir do novo estado, nos envia o fardo do coração para nos aproximar mais Dele. Nós damos um passo depois do Criador. Ele lidera o caminho e nós O seguimos.5

Como podemos abordar Pessach em prontidão para sermos dignos do êxodo do Egito? Precisamos nos unir mais. Nós temos força suficiente para sair, tudo o que precisamos é de unidade. Vamos esperar que cheguemos a tal conexão que seja adequada para o êxodo do Egito. Isto é, que sentiremos uma necessidade aguda de sair do amor egoísta e de nos unirmos para que os dez se tornem um só. Então, a partir do negativo, da separação, chegaremos a um todo, e começaremos a aumentar, para cultivar essa unidade, devido a esses distúrbios.

Primeiro nós viemos de duas forças opostas, bem e mal, para uma força, a ponto de sair do Egito. Então, a partir deste ponto, duas forças crescem novamente: positiva e negativa.

Primeiro, nós conectamos as forças boas e más determinando que tudo vem do mesmo Criador. Depois aumentamos o Criador elevando-nos acima das perturbações, acima da força do mal.6

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 17/04/19, Pessach
1 Minuto 12:58
2 Minuto 1:13:05
3 Minuto 1:14:00
4 Minuto 1:17:00
5 Minuto 1:41:50
6 Minuto 2:19:45

Transforme O Egito No Jardim Do Éden

laitman_962.1Depois que entramos no Egito, começamos a trabalhar apenas em nossa unidade. Este é o nosso único objetivo: o Criador deve revelar-Se no centro do grupo. Portanto, descemos ao Egito percebendo quão necessária é a unidade, mas somos totalmente incapazes de alcançá-la. Não queremos ir para lá, mas não temos escolha porque sentimos que, se não formos para essa conexão, haverá fome: ficaremos sem nada e nunca alcançaremos a espiritualidade.

Tudo isso é possível devido à conexão entre Jacó e José. Assim que Jacó descobre que José vive no Egito, ele pensa apenas em como encontrá-lo.

Um egoísta típico não pensa em unidade, quer apenas revelar o Criador, alcançar o mundo superior, sentir a eternidade, a perfeição, a realização espiritual, sentir-se imortal e não como um animal destinado a morrer. Esses são os sonhos de um pequeno egoísta. O Egito, o Faraó, precisa ser acrescentado a esse pequeno desejo egoísta para realmente alcançar o mundo superior, isto é, o propósito da criação.

Isso requer um imenso egoísmo, muitas propriedades, nosso desejo de desfrutar, e é por isso que somos obrigados a descer ao Egito. O Criador organiza isso para nós, como prometido a Abraão, e sem ele não poderíamos alcançar a terra de Israel.

O Criador mostrou a Abraão a terra de Israel, o desejo de receber prazer completamente corrigido para doação na qual a criação é fundida com o Criador, o fim da correção. Abraão perguntou isso se era possível. De onde virá tal desejo? Não há um desejo tão grande de desfrutar nem de doar que lhe corresponda. Ele não tinha as três linhas, apenas uma, uma pequena iluminação da luz superior, o que era suficiente para ele.

Você só pode entrar na terra de Israel com as três linhas. Se a linha esquerda, o Faraó, crescer, a linha direita crescerá de acordo. E conectando as duas linhas juntas, você pode alcançar a terra de Israel, o desejo totalmente destinado a doar ao Criador.

O Criador disse a Abraão que Ele cuidaria disso, e Ele trouxe todo o grupo de Abraão para a condição chamada “Egito” e depois os conduziu e deu a Torá. Tudo isso foi possível porque, desde o início, Abraão tinha a intenção de se unir. Ele pensou que isso poderia ser feito individualmente.1

Pitom e Ramsés são belas cidades para o Faraó, mas pobres e miseráveis ​​para o povo de Israel. Faraó e Israel são dois polos opostos. Eu observo do lado do Faraó e depois do lado do Criador. Se observo do ponto de vista do Faraó, vejo quão maravilhoso é meu desejo egoísta, que pode ser desfrutado em meu país, o Egito.

Se eu supero esse egoísmo, se não quero me divertir no Egito, mas sim elevar-me mais alto, eu clamo, não ao Faraó, mas ao Criador, pedindo ajuda e salvação. O Criador então me eleva do estado de Faraó para outro estado, e de lá eu vejo que tudo que construí, essas cidades, não são nada bonitas, mas miseráveis. Eu não sinto nenhum benefício em qualquer coisa que tenha feito, isto é, não tenho abordado a perfeição e a doação. Portanto, eu clamo ao Criador e peço minha correção. Através do sentimento das miseráveis ​​cidades de Pitom e Ramsés, o Criador me leva à correção.

Então, eu verei essas cidades construídas por mim no Egito de maneira diferente, em uma forma espiritual. Quando eu completar estas cidades miseráveis ​​com correções, com a luz de Hassadim, construindo a intenção de doar sobre meu desejo de desfrutar, eu transformarei todo o Egito no Jardim do Éden (paraíso). Então, não será o Egito, mas a terra de Israel. 2

O êxodo do Egito é uma fuga, com os olhos fechados, para a unificação; esta possibilidade de repente se abre diante de nós como o Mar Vermelho. Eu pulo para a unidade, para o Mar Vermelho, e atravesso. Depois disso, começamos a trabalhar consistentemente em nossa conexão, em garantia mútua, em nossa unidade: ou nos unimos ou este será nosso local de sepultamento.3

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 15/04/19, Pessach
1 Minuto 1:13:10
2 Minuto 1: 23:50
3 Minuto 2:11:25

Unir-Se Para Sair Do Egito

749.02Rabash, Os Escritos Sociais, “Amor dos Amigos”: “E o homem disse: ‘Eles partiram daqui’”. E o Rashi interpretou que eles se afastaram da irmandade, o que significa que não querem se relacionar com você. Isso, no final, causou o exílio de Israel no Egito. E para sermos redimidos do Egito, devemos assumir a responsabilidade de entrar em um grupo que deseja amar os amigos, e com isso seremos recompensados ​​com o êxodo do Egito e a recepção da Torá.

O amor é realmente revelado no Egito.

“Eles partiram daqui” significa que os amigos (as qualidades de uma pessoa) não querem se unir porque a pessoa ainda não alcançou um estado equivalente.

Tudo depende de José (dentro do indivíduo): ele reúne todas as qualidades, é o ponto de conexão entre as qualidades de Malchut e do Criador.

A falta do desejo de se unir leva à nação de Israel (as qualidades iniciais de uma pessoa) merecer a revelação do verdadeiro egoísmo, que antes estava oculto dela. Agora ele é revelado e eles podem usá-lo, com a ajuda do Faraó e da revelação do mal, subir acima dele, e começar o verdadeiro trabalho, em outras palavras, construir uma tela sobre o egoísmo e finalmente trabalhar na reflexão.

Pergunta: Por que a entrada da nação de Israel no Egito ajuda José a unir seus irmãos?

Resposta: Os irmãos são todas as suas qualidades que aparecem em uma forma egoísta e José entende que deve corrigir a si mesmo, que deve incluir, absorver em si mesmo, todo o Faraó, todo o Egito.

Portanto, ele se revela como o substituto do Faraó e começa a trabalhar em si mesmo de tal forma a unir sua Malchut com as nove Sefirot superiores. Afinal, José é Yesod. Por um lado, é a última das Sefirot superiores, mas, por outro lado, está acima de Malchut. Isto é, ele começa a trabalhar na verdadeira conexão.

Em outras palavras, José teve que “mergulhar” no Egito. Antes disso, ele não conhecia realmente sua própria natureza, como uma pessoa que vem para a Cabalá, estuda vários anos e não sabe para quê. Ela não sabe! O verdadeiro egoísmo ainda não apareceu nela para que ela pudesse entender o que precisa disso.

Pergunta: Por que José estava tão “limpo” para seus irmãos?

Resposta: Se o ego ainda não foi revelado em uma pessoa, isso não significa que ela esteja limpo. Mesmo em um bebê recém-nascido, tudo já está lá. Apenas dê uma chance para revelar seu ego e você verá o que é. É por isso que tudo é relativo.

Quando tudo que existe dentro de uma pessoa – ódio, ganância, todos os pecados – é revelado e corrigido, ela pode ser chamada de limpa: dentro há qualidades assustadoras, mas fora está corrigida.

De KabTV “A Última Geração”, 01/02/18

Peneira Egípcia

laitman_258Antes de entrar no mundo espiritual, a pessoa passa por um estágio muito difícil que é chamado de “sete anos de fome”, o endurecimento do coração. Ela vê que está se afogando em seu egoísmo, é incapaz de se livrar e nunca será capaz de escapar dele. Esta é a verdade porque o desejo de desfrutar é a nossa única natureza.

Este período é perigoso porque a pessoa acha que é bom permanecer em seus desejos egoístas e que não vale a pena lutar com eles. Por que sofrer em vão tentando se livrar dele se não vai dar em nada? O egoísmo retrata para a pessoa que ela não tem qualquer esperança de salvação.

Este é realmente o caso: não há esperança de receber qualquer satisfação em nosso desejo de desfrutar. E a pessoa ainda não tem o desejo de doar. Portanto, ela foge para a religião ou para todos os tipos de “práticas espirituais”, a fim de não sentir que sua natureza está contra ela. O principal é não sentir que você está enfrentando o Faraó. Portanto, ela foge do Egito.

Como está escrito: “Mil pessoas entram na sala e uma sai para a Luz” – é assim que somos peneirados através de uma peneira egípcia. “E apenas os heróis dentre eles, cuja paciência perdurou, derrotaram os guardas e abriram o portão”. Precisamos entender que este é um período prolongado e amargo, chamado de exílio. Ele requer uma conexão, resistência e apoio mútuo, caso contrário, a pessoa não consegue sobreviver. A saída mais próxima pela qual as pessoas deixam esse caminho é a religião, que permite ir dentro da razão e não na fé acima da razão.

Portanto, é necessário criar um ambiente forte, uma atmosfera de apoio e garantia mútua para ajudar uns aos outros a construir um Kli (vaso) para a revelação futura. 1

Antes do êxodo do Egito, a pessoa entra em um período sombrio quando se encontra cada vez mais fundo em seu egoísmo, cada dia tendo menos força para lutar contra ele. O desejo de desfrutar envia-lhe todos os tipos de pensamentos, desejos e ações estranhos, cada vez mais distantes da espiritualidade. A pessoa acha que em vez de avançar, retrocede.

Então, ela é tentada a voltar-se à religião, que promete uma recompensa por cada ação tomada na hora certa, como se ela sozinha fosse suficiente para a correção. Isso é certamente atraente e a pessoa parte.

Rabash escreve que especificamente pessoas que se envolveram na Cabalá por um longo tempo fizeram um bom progresso, e então partiram sem entrar no mundo espiritual, arriscando-se tornar os maiores oponentes da Cabalá e até mesmo inimigos. Afinal de contas, por um lado, eles parecem entender do que ela fala e, por outro lado, não alcançam isso. 2

Não há outra força atuando na realidade exceto o Criador. A única coisa que Ele permite ao ser criado é perceber o que está acontecendo com ele e o que a força superior está fazendo com ele. O ser criado deve aplicar todos os esforços possíveis em direção a esse ponto de consciência. Mas, de fato, no passado, agora e no futuro, em todos os momentos, em todos os níveis, somente o Criador agiu, age e agirá.

E nós fomos designados para revelar o Seu trabalho. Por isso, não influenciamos o trabalho em si, mas queremos apreciá-lo e alcançar toda a grandeza do Criador. 3

Está escrito: “Eu e não um mensageiro”. Isto é, o próprio Criador nos leva para fora do Egito. Isso significa que estamos em contato direto com o Criador, com a força superior, sem intermediários. “Intermediário” significa que na minha demanda eu ainda não me sinto diretamente diante do Criador e não conecto todas as minhas esperanças de salvação somente com Ele. 4

Precisamos fazer enormes esforços agora para que todos examinem sua própria condição e sintam que esse é o exílio egípcio. O sinal da proximidade do êxodo do Egito é um sentimento de total desesperança em absolutamente tudo, de todos os lados. Nesse estado de desespero, o Criador se revela e nos salva.

No entanto, precisamos examinar esse estado juntos – essa deve ser nossa decisão comum. Não se pode sair do Egito sozinho, mas apenas graças a uma consciência séria no Kli geral. 5

O egoísmo assegura à pessoa que o caminho não deve ser tão difícil e intransigente quanto a sabedoria da Cabalá sugere. Por que se atormentar lutando com seu egoísmo? Existem muitos métodos psicológicos que permitem que você se acalme e se dê bem com seu desejo de desfrutar.

Certamente, isso é muito atraente. Portanto, a partir do momento em que a sabedoria da Cabalá surgiu, ao longo da história, muitas metodologias diferentes foram desenvolvidas em paralelo a ela. E quando a sabedoria da Cabalá entrou em ocultação, isso serviu como razão para o surgimento das três religiões do mundo.

A religião adoça a vida de uma pessoa. Permite que as pessoas executem ações externas em vez de ações internas e promete uma recompensa para elas neste mundo e no mundo vindouro. É claro que o egoísmo está procurando uma compensação para si mesmo.

No entanto, isso é especificamente organizado de cima para que existam outros sistemas, além da Cabalá, que ajudem a descobrir o que é o egoísmo em relação à força de doação, a força do Criador. Portanto, todas as religiões e metodologias são necessárias e nada pode ser destruído. Nossa tarefa é apenas continuar esclarecendo o desejo do superior. 6

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá de 28/03/18, Escritos do Rabash: “A Diferença entre Misericórdia e Verdade e Misericórdia Falsa”

1 minuto 8:28-11:47

2 minuto 13:00

3 minuto 44:40

4 minuto 48:30

5 minuto 52:10

6 minuto 55:30