Textos na Categoria 'Notícias'

Como Alcançar A Paz

272Pergunta: O filósofo-iluminista Voltaire descreveu a ideia de alcançar a paz universal como uma derrubada armada de governantes porque eles não estão interessados em preservar a paz. Ou pode ser feito por uma revolução de baixo, quando governantes esclarecidos estabelecem a paz no interesse do povo ou da nação.

A paz pode ser estabelecida pelas forças das massas ou por governantes de cima?

Resposta: Nem um nem outro. Em geral, a frase “a paz está estabelecida” não faz sentido. Não pode ser.

A paz nasce da consciência da necessidade de unir os opostos através de nossos esforços. Devemos fazer esses esforços constantemente porque tudo é dinâmico e então haverá paz.

A necessidade de paz vem da percepção de que toda a natureza é dinâmica e, portanto, precisa da unificação de todos os opostos. Em tal estado, todos eles têm a oportunidade de desenvolvimento máximo, ajuda mútua e complementação mútua ao mesmo tempo. É o mais importante. Se encontrarmos essas duas condições que possam coexistir juntas, alcançaremos a paz.

De KabTV, “Expresso de Cabalá”, 04/03/22

Precisamos Jogar A Vida

962.4Comentário: Cientistas do Brasil, Espanha e Reino Unido observaram um grupo de bugios nas florestas do México e Costa Rica. Estes são macacos que levam um estilo de vida de baixa atividade, e o principal para eles é não se mover. São herbívoros, alimentam-se de folhas. No entanto, eles jogam ativamente.

Os cientistas pensaram: “Por que eles desperdiçariam energia e jogariam (brincariam)?” Eles realizaram experimentos e descobriram que os macacos fazem isso para reduzir a tensão e evitar disputas e conflitos. Eles os evitam com a ajuda de um jogo.

Minha Resposta: Isso é o que precisamos aprender.

Pergunta: Ou seja, eles estão em tal nível: agora vamos entrar em conflito, depois vamos nos odiar – não, é melhor jogarmos. Você acha que este é o caso?

Resposta: É assim. É muito legal e interessante! Muitos animais têm esse jogo.

Veja o quanto eles nadam, fazem alguma coisa, jogam todos os tipos de jogos – bastante sérios, perigosos e arriscados – mesmo na velhice. E tudo isso para substituir seus conflitos por ela.

Pergunta: O que é isso, se extrapolarmos isso para a humanidade? O que a humanidade deve decidir neste caso? Que jogo devemos jogar?

Resposta: O que você quiser. Desde que seja um jogo que substitua todos os conflitos reais.

Pergunta: E ainda, em que tipo de jogo você guiaria a humanidade?

Resposta: Eu faria para que a humanidade jogasse que trabalha, ganha, constrói e compete. Em geral, toda a nossa vida é apenas para que finalmente a vejamos como um jogo.

Comentário: Ou seja, eu vou trabalhar, me comunico com todo mundo.

Minha Resposta: Eu compito em tudo, verifico o que meu vizinho tem, o que eu tenho e assim por diante. Mas é um jogo.

Pergunta: O que isso nos dá?

Resposta: Para que depois eu possa resetar a conta, zerar, e como se fosse recomeçar.

Pergunta: Isso nos impediria de discussões sérias?

Resposta: Sim. Jogaríamos nossa vida. “O que é a nossa vida? Um jogo”. Assim, devemos fazer disso um jogo.

Comentário: Foi-nos dito: “Você está jogando a vida! Você deveria viver de verdade.” Agora acontece que tudo está ao contrário, temos que jogar a vida. Então eu apenas jogo todas essas brigas e discussões.

Minha Resposta: Claro. Nós as perceberíamos de maneira diferente, sentiríamos tudo de maneira diferente, construiríamos esse jogo de maneira diferente.

Pergunta: O que queremos alcançar neste jogo? Isso é algo que devemos ter em mente?

Resposta: Sim. Não o resultado do jogo em si, mas a que chegamos como resultado: ao fato de que há uma compreensão do significado da interação entre nós.

Pergunta: Qual é?

Resposta: A revelação das forças da natureza que nos torcem assim e nos levam a este jogo.

Pergunta: E se eu revelar que realmente estou dentro da lei da natureza?

Resposta: Você verá como a natureza brinca com você e realmente dirá que nossa vida é um jogo.

Pergunta: Se eu vir que estou realmente dentro do sistema – como dizem, a matriz – e tudo o que está acontecendo comigo é o que essa matriz quer, o que ela me dará?

Resposta: Ela lhe dará a oportunidade de entender o que é esse mecanismo do qual você participa e o que você pode fazer para descobrir e entendê-lo. Afinal, ele existe por algum motivo. É para alguma mente superior ou para você?

Pergunta: E o mais importante é que meus pensamentos sejam direcionados para isso?

Resposta: Sim.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 21/03/22

Somos O Material De Uma Grande Experiência

538Comentário: Você é perguntado: “Por favor, explique como pode ser que os pilotos que lançaram bombas atômicas no Japão não se arrependeram do que fizeram até o fim de suas vidas e viveram por 80 a 90 anos ou mais. Apesar de terem sido mostrados todos esses horrores, as consequências da explosão não afetaram instalações militares, mas pessoas inocentes: adultos, crianças, idosos. Como uma pessoa pode viver com isso?”

Minha Resposta: Primeiro, uma pessoa pode viver com tudo. Absolutamente com tudo! Até o ponto em que pode matar sua própria mãe e torturar qualquer um, as criaturas mais próximas a ela. E viver de 90 a 100 anos, e justificar-se em tudo. O homem é uma coleção de absolutamente todo e todo bem. E assim ele pode mudar em qualquer circunstância do bem para o mal e do mal para o bem, e sempre sem entender o outro que pode culpá-lo por alguma coisa.

Pergunta: E sempre justificar até o maior mal que ele fez?

Resposta: Claro! Além disso, do fundo do coração! Ele ainda vai te convencer de que fez absolutamente a coisa certa, que talvez ele seja a única pessoa justa no mundo.

Nós não nos conhecemos. O bem absoluto e o mal absoluto que está dentro de nós podem mudar de lugar. Pode ser variado e diferente.

Pergunta: Então você está dizendo: o mal que eu cometi, o mal mais terrível, posso trocar em mim mesmo?

Resposta: E você vai considerá-lo um bem absoluto. Afinal, você se certificou de que isso é um bem absoluto.

Pergunta: O que devemos fazer sobre isso? Como podemos transformar o mal em bem? Isso pode ser feito?

Resposta: À medida que mais e mais mal é atingido, devemos corrigi-lo para o bem correspondente.

Pergunta: Ou seja, no final, tenho que chegar à conclusão de que o mal está em mim?

Resposta: Isso é possível se houver, como se costuma dizer, um “terceiro excedente”. Ou seja, existe o mal, existe o bem e existe um Criador de quem vem essa qualidade.

Pergunta: Tanto o bem quanto o mal vêm Dele?

Resposta: Sim.

Pergunta: Então deveria haver meu apelo ao terceiro? Minha mente e meu coração são, digamos, bons e maus, e há um terceiro. Estou sendo levado a isso?

Resposta: Claro! Você é criado para isso.

Pergunta: Para ter permissão para fazer todo tipo de coisas terríveis?

Resposta: Tudo. Tudo o que passa por você.

Pergunta: Para eu chegar a este terceiro, ao Criador?

Resposta: Sim. Mas leva muitos estados, gerações e assim por diante.

Pergunta: Vale mesmo a pena?

Resposta: Você não é perguntado isso. Você é a cobaia de um grande experimento.

Comentário: Toda a história é pavimentada com sangue, guerras, sofrimentos e toda a história da humanidade, só para chegar a este terceiro?

Minha Resposta: E regozije-se, aproveite e agradeça!

Pergunta: Que Ele fez tudo do jeito que fez e isso me trouxe a Ele?

Resposta: Sim.

Pergunta: Qual deve ser o meu apelo quando eu realmente quero ir a Ele?

Resposta: Que você finalmente alcance Sua sabedoria, a perfeição de Suas ações em você. E você justifica tudo.

Pergunta: A humanidade chegará a isso?

Resposta: Claro!

Comentário: Vemos que agora ela já está se movendo em direção a isso aos trancos e barrancos.

Minha Resposta: O Criador lidera energeticamente.

Pergunta: Temos um produtor e diretor tão grande que é simplesmente impossível evitar. É porque estávamos nos movendo devagar?

Resposta: Não, quem somos nós que podemos definir a velocidade, vetor e assim por diante.

Pergunta: Você não coloca nada na humanidade em geral?

Resposta: Somos pequenos seres que podem de alguma forma vivenciar e de alguma forma adaptar essas experiências em nós mesmos. De alguma forma podemos comparar tudo isso em nós mesmos e gradualmente trazê-lo para algumas ações, procedendo de uma para outra, e assim estabelecer em nós mesmos algum processo interno de realização, aprovação e assim por diante.

Pergunta: Mas é uma cadeia tão lógica?

Resposta: Claro.

Pergunta: O Criador e tudo isso está além de toda lógica?

Resposta: Acima de toda lógica está minha concordância com Ele.

Pergunta: Então é lógico se eu não tenho que concordar com Ele e eu concordo? Estou sendo levado a isso?

Resposta: Você não tem outra escolha. Simplesmente não há outra maneira de existir.

Pergunta: E quando eu concordo com Ele, o que acontece?

Resposta: Então você começa a se aproximar Dele justificando-O. Então você começa a revelar o significado de Suas ações em você. Ele o preenche, torna-se sua vida. Torna-se a corrente através da qual você nada e O alcança.

Pergunta: Este rio me conduz à paz e ao amor? Eu quero me apegar a algo assim: paz, amor. Essa justificação Dele leva até lá, a este ponto?

Resposta: Sim. Isso leva você até lá.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 17/03/22

Sete Princípios De Sobrevivência Em Condições Desumanas

293Comentário: Viktor Frankl, médico e psicoterapeuta, sobreviveu a condições desumanas em quatro campos de concentração diferentes, incluindo Treblinka, Theresienstadt e Auschwitz. Ele e outros sobreviveram graças à sua teoria de como sobreviver em condições desumanas.

Mas o mais interessante é que ele não tentou testar isso sozinho, mas passou tudo para outras pessoas. Ele fez tudo por elas – como sobreviver – e muitas pessoas sobreviveram. Ele escreveu sobre isso em vários livros. Por favor, comente sobre seus pontos sobre como sobreviver em condições desumanas.

O primeiro ponto, e este é o ponto principal para ele, diz: “Quem tem um ‘porquê’ para viver, pode suportar quase qualquer ‘como’”.

Minha Resposta:Porquê’ é o objetivo. E ‘como’ já é a conquista do objetivo.

Pergunta: Mas como escapar do peso que caiu sobre uma pessoa, da desesperança?

Resposta: Sempre descobrindo como se aproximar do objetivo. E isso faz você continuar. O objetivo atrai você, molda você, define como viver sua vida, e a cada momento você sabe como usá-lo.

Pergunta: Devem ser algum tipo de objetivos intermediários?

Resposta: Este é o objetivo final, que está sendo determinado a cada momento do tempo.

Comentário: O segundo ponto: “Em condições desumanas, só sobrevivem aqueles que olham para o futuro, que sonham em cumprir o seu destino”.

Ele atinge esse ponto o tempo todo.

Minha Resposta: Sim, é natural.

Pergunta: Se estou olhando para o futuro, eu o quê? Eu não percebo o que está acontecendo ao meu redor?

Resposta: Não, você vê tudo ao seu redor como condições para atingir esse objetivo.

Pergunta: Então você está dizendo que isso é o que me é dado para atingir a objetivo?

Resposta: Sim. E isso é tudo que eu preciso para formalizar o objetivo final.

Pergunta: Então, em algum momento você pode até ser grato pelos obstáculos mais terríveis?

Resposta: Claro. Você sente e, finalmente, revela que tudo o que acontece é apenas para você alcançar – você, pessoalmente – seu objetivo!

Comentário: O terceiro ponto: “Ninguém tem o direito de cometer iniquidade, mesmo aquele que sofreu com a iniquidade e sofreu com muita crueldade”.

Minha Resposta: Existe uma lei global do universo e, portanto, você deve tratar todos em um determinado momento como uma pessoa que está cumprindo seu destino superior.

Pergunta: Mesmo um inimigo?

Resposta: Ainda mais. Então você fará a coisa certa, sobreviverá e alcançará seu objetivo. Ou seja, você mesmo o cria por sua atitude correta para com todos: para com o inimigo, para com um amigo, para com todos. Você se molda internamente por isso, você se corrige o tempo todo e, assim, se aproxima do objetivo final: o tipo que você deve finalmente encontrar.

Pergunta: Isso é possível?

Resposta: Este é em geral, em outras palavras, o nosso caminho.

Comentário: “Cada pessoa é insubstituível e sua vida é única. Portanto, a tarefa de cada pessoa é tão única quanto sua capacidade de realizar essa tarefa é única.”

Resposta: Sim.

Pergunta: É assim que se olha para si mesmo e para as outras pessoas? Esse é o jeito certo de olhar?

Resposta: Para cada pessoa, sim, é algo único.

Pergunta: Então eu não posso tirar a vida ou estuprar uma pessoa de forma alguma, nada?

Resposta: Você não pode fazer nada.

Pergunta: Em quais relacionamentos devo estar, neste caso, se for único? Minha vida e a vida dela são únicas.

Resposta: Você deve olhar para ela como se estivesse em circunstâncias excepcionais em cada momento, que você deve usar de acordo com as regras da cooperação absoluta, ou seja, para o equilíbrio absoluto entre você e o mundo ao seu redor.

Pergunta: E o que você deve fazer durante a guerra quando há inúmeras vítimas?

Resposta: Ainda mais. Então esses sentimentos se intensificam.

Pergunta: Então tanto a pessoa que mata quanto a pessoa que defende chegam de alguma forma a esse estado?

Resposta: Nem todos. Mas se uma pessoa pensa em sua verdadeira realização real, ela chega à conclusão de que toda vida é única e individual.

Comentário: O seguinte princípio: “O sentido da minha vida é ajudar os outros a encontrar sentido na vida deles”. Isso é o que você costuma dizer.

Minha Resposta: Isso é totalmente nosso.

Pergunta: Mas ele não era um Cabalista. Como ele chegou a isso?

Resposta: Você não precisa ser um Cabalista para isso. Você apenas tem que ser uma pessoa que está procurando a essência da vida. Então ela vê que a essência da vida é revelar a essência da vida para outras pessoas.

Pergunta: Diga-me, quando uma pessoa chega a essa altura? Normalmente uma pessoa vive para encontrar o sentido de sua própria vida.

Resposta: É assim que a busca da própria vida leva uma pessoa ao fato de que ela vê que pode realizá-la através do sentido da vida dos outros, dando-lhes o sentido da vida.

Comentário: “O amor é o objetivo final e mais elevado ao qual o homem pode aspirar. A salvação do homem é através do amor e no amor”.

Minha Resposta: Sim. Isso se refere ao amor, entendendo a essência da natureza, que consiste em tal conexão de todas as pessoas quando elas não sentem que estão separadas. Esse senso emergente de comunidade, estar em um desejo, é a realização do objetivo da vida.

Este único desejo, a conexão de todos em um desejo, isso é amor.

Comentário: “Mesmo a vítima indefesa de uma situação desesperadora, enfrentando um destino que não pode mudar, pode se elevar acima de si mesma, pode crescer além de si mesma e, assim, mudar a si mesma”.

Minha Resposta: Quando uma pessoa se coloca diante do absoluto, diante do fato de que não pode mudar nada, ela entende a necessidade de mudar a si mesma, que esta é a única maneira de fazer algo, de continuar a existência correta no mundo em geral, no fato de eu mudar a mim mesmo. Deste momento em diante, para o seguinte, para o próximo e para o próximo, passo a passo, para viver sua vida de tal maneira que você mude a si mesmo a cada momento.

Pergunta: Você recebe becos sem saída, certo?

Resposta: Como você pode fazer sem eles? Se uma pessoa não sente um beco sem saída, ela não está avançando.

Pergunta: Um estado desesperador é uma saída para você?

Resposta: Sim, é como um carro de brinquedo. Ela esbarra em algo e começa a girar. Se ela esbarrar em algo novamente, ela tem que girar novamente. E assim busca o tempo todo até descobrir de todas as possibilidades que existe uma saída.

Pergunta: Como resultado, uma pessoa que se move de um beco sem saída para outro beco sem saída necessariamente encontra uma saída?

Resposta: Certamente. Tudo está programado.

Pergunta: Então eu, em princípio, como pessoa, devo agradecer por um beco sem saída?

Resposta: Claro! Esta é a força da nossa formação.

Comentário: Mas eu sempre quero evitar becos sem saída. O homem quer evitá-los.

Minha Resposta: Você pode realmente tomar a decisão certa sem um beco sem saída?

Comentário: É improvável.

Minha Resposta: Não é possível.

Pergunta: Qual é a decisão certa que a humanidade deveria tomar hoje?

Resposta: É o mesmo em todos os casos: anule-se.

Comentário: “Anule-se”, isso está claro para seus alunos.

Minha Resposta: E quanto ao resto, deve ficar claro.

Pergunta: O que você quer dizer com a palavra “anular”?

Resposta: Significa que não decido o que fazer, não decido o objetivo, não o retrato para mim mesmo e depois tento alcançá-lo. Só posso fazer uma coisa: me anular perante os outros para que eles atinjam seu objetivo.

Se meu objetivo é algo diferente de ajudar os outros, eu estou no caminho deles. Se eu me anular, eu os ajudo a ir para o seu objetivo. No final, todos devem estar ocupados utilizando-se dessa maneira – ajudando os outros a alcançar seus objetivos.

Pergunta: O que acontece com o meu “eu”?

Resposta: É quando esse “eu” se manifesta como um coletivo geral no qual se revela a força superior da natureza, a única força que existe e guia.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 07/03/22

“A Estrada Para O Inferno Está Pavimentada Com Boas Intenções”

962.2Comentário: Existe uma iniciativa séria chamada The Giving Pledge que visa promover uma cultura de filantropia entre os mais ricos do mundo para enfrentar os maiores problemas do mundo. Tem mais de 230 participantes.

O cofundador, Bill Gates, disse: “Sempre acreditei que, se você está em posição de ajudar alguém, deve fazê-lo”. E que o grupo fundado em 2010 “continuará aprendendo uns com os outros e encontrando novas maneiras de maximizar o impacto positivo de nossa filantropia”. MacKenzie Scott, ex-esposa do fundador da Amazon, Bezos, doou metade de sua fortuna de US$ 37 bilhões para caridade como parte do The Giving Pledge. O que você acha dessa iniciativa?

Minha Resposta: Dinheiro não é um problema. É triste ver como eles gastam. A essência de corrigir o mundo está em mudar a pessoa. E eles não sabem como uma pessoa deve ser. Eles acreditam que faremos mais alguns sistemas de atendimento, saúde, educação e tudo será melhor.

Mas não será melhor. Ao contrário, ao fazer, invocarão forças negativas que provarão contra todos os sistemas de caridade que ainda estamos agindo incorretamente. E eles vão nos ensinar duramente.

Qualquer boa ação, se não for feita para mudar as qualidades de uma pessoa, só levará a um sofrimento ainda maior. Isto é o que significa na Bíblia que se fizermos boas ações sem corrigir a própria pessoa, ela permanecerá em seu inferno, dentro de nossas ações supostamente corretas e boas.

Pergunta: Você não está animado por termos essas iniciativas?

Resposta: Seria melhor se eles não fizessem isso! É preciso direcionar fundos apenas para educação, e uma educação especial e não para encher cabeças doentes com alguma coisa, mas justamente com o sistema de correção de uma pessoa, do qual depende o sistema de correção de todo o mundo.

Pergunta: Quer dizer, se não vai para a correção da própria pessoa, sua natureza, então é só para o mal?

Resposta: Sim.

Comentário: Você disse que é preciso entender para onde vai esse dinheiro, para qual fundo.

Minha Resposta: Neste caso, para entender para onde está indo. Mas por sua natureza, por sua compreensão do mundo, sua percepção do mundo, eles não podem direcionar o dinheiro corretamente. É por isso que se diz: “O caminho para o inferno está pavimentado de boas intenções”. Então, infelizmente, seria melhor se não o fizessem.

Pergunta: Como se sente um bilionário ou um milionário que assina o The Giving Pledge?

Resposta: É exatamente por isso que eles fazem isso! Eles sentem sua exclusividade, sua singularidade. Eles se sentem como os corretores do mundo, os justos do mundo. E o mundo inteiro, em princípio, deveria entender, saber disso e agradecê-los.

Naturalmente, metade desse valor será gasto em publicidade. E a outra metade será gasta em alguns objetivos: saúde, mãe-filho, outra coisa. No final, você verá que o mundo não será melhor, mas apenas pior.

Pergunta: São precisamente essas boas intenções?

Resposta: Sim. As intenções são boas, mas, no final, teremos ainda mais inferno.

Pergunta: Para que você daria dinheiro? Se eles coletassem essa quantia decente, para onde você enviaria esse dinheiro no estado atual do mundo?

Resposta: Temos algo a dizer às pessoas. É necessário abrir tais canais, centros que possam transmitir a cada pessoa na sua língua, ao seu nível, a ideia principal: “Ame o seu próximo!” Só nisto está a salvação de cada um. É por isso que não há mais nada que você possa fazer.

Então, é preciso abrir esses centros, explicar de todos os lados, do ponto de vista da ciência, da moral, da biologia, seja o que for. E fazer isso de forma a elevar gradualmente as pessoas a este nível. Que haja prêmios e bolsas de estudo para educar as pessoas, para educá-las dessa maneira, para distribuir todos os tipos de fundos de incentivo e assim por diante para que as pessoas estudem isso e falem sobre isso o tempo todo – qualquer coisa que seja possível, para elas estejam ocupadas nisso.

Especialmente agora estamos nos aproximando de um estado onde vários bilhões de pessoas estarão desempregadas! O que elas farão? Quem vai pagá-las? Que esses fundos paguem, aliás, paguem normalmente, decentemente. Nós precisamos disso.

Pergunta: Essa abordagem de “amar ao próximo”, mesmo um pequeno passo, um pensamento, é o início da mudança de uma pessoa?

Resposta: Sim. Mas isso é só se criarmos essas bolsas e oportunidades para as pessoas estudarem, escreverem e discutirem sobre isso, preencher todos os sites com isso, todas as conexões, e torná-lo muito popular na Internet, na televisão, em todos os lugares.

Pergunta: Essa é a única coisa pela qual você precisa dar dinheiro?

Resposta: Sim, apenas para isso.

Da KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 16/12/21

Dez Razões Pelas Quais As Crianças Não Querem Ir À Escola

599.02Pergunta: Um aluno de 11 anos listou dez razões pelas quais as crianças não querem ir à escola. Gostaria de ouvir sua opinião sobre cada uma dessas razões.

A primeira razão é o professor. Quando você chega à escola, imediatamente tentam incutir o medo do professor nos alunos. Deve-se ter medo do professor? Ou é necessário substituir esse medo por alguma outra palavra?

Resposta: Eu tive uma professora primária muito gentil e jovem, Iraida Konstantinovna.

Pergunta: Por alguma razão, lembramos de nossos primeiros professores. É como o primeiro amor?

Resposta: Sim. Portanto, não sei como posso odiar ou temer tal pessoa. Ela era apenas uma amiga, uma amiga sênior, uma conselheira. Ela cuidou de nós. Esta é a melhor atitude para com a criança.

Pergunta: Então, quando um aluno escreve que há dez razões pelas quais eu não quero ir à escola e a primeira razão é o professor porque aprendemos a ter medo dele, esta é realmente a primeira razão?

Resposta: É possível que esta seja a educação de hoje. Nós não tivemos isso. Nós a apreciávamos e a amávamos como uma grande amiga ou até mesmo uma mãe.

Comentário: Significa que um professor deve ser um amigo.

Minha Resposta: Sim. Apenas isso. Estamos falando de crianças pequenas.

Comentário: A segunda razão é o medo das notas. Eles incutem o medo das notas, e depois o medo da punição dos pais na frente do diretor da escola, e assim por diante.

Minha Resposta: A nota em si não significa nada. Mas o medo da punição, é claro, significa muito.

Pergunta: As notas são mesmo necessárias?

Resposta: Em princípio, as notas não são necessárias. Precisamos de uma escola que ensine a atitude correta em relação ao mundo, à vida, aos amigos, aos professores e aos pais. E não precisa das notas que lhe são dadas quando você aprende, mas sim das notas que você dá a si mesmo.

Pergunta: Você pode fazer tais exigências até mesmo para uma criança pequena?

Resposta: Devemos nos esforçar para isso. Explique isso para que eles mesmos atribuam essas notas nas disciplinas, nos livros didáticos, em seus supervisores e assim por diante.

Comentário: Uma criança pode dizer: “Hoje eu estava fora de forma para alguma coisa. Eu deveria ter lido, trabalhado um pouco”.

Minha Resposta: Isso é bom.

Pergunta: Medo dos erros, as escolas não ensinam que erros podem e devem ser cometidos. Este é um menino de 11 anos falando. Você acha que erros devem ser cometidos?

Resposta: Concordo com ele.

Pergunta: Então um erro é uma coisa importante? É preciso cometer erros?

Resposta: É inevitável.

Pergunta: E se eu estiver errado?

Resposta: Está tudo bem. Vou consertar isso, vou aprender ainda mais com isso do que com o fato de ter feito algo sem erro.

Pergunta: Então é ainda mais importante do que se você se mover inconfundivelmente?

Resposta: Cometemos erros e nos corrigimos o tempo todo; cometemos erros e nos corrigimos.

Comentário: Quarto: trollagem, zombaria dos colegas. Muitas vezes é culpa dos professores que fazem as crianças parecerem ridículas. Isso é um golpe no “eu” da criança…

Minha Resposta: É preciso ensinar à criança que se estamos em tal sociedade, como nos relacionarmos adequadamente com a sociedade, com o meio ambiente, explicar a ela que é possível, que é e será até corrigirmos nossa natureza, que esta é a natureza do homem que o obriga a estar acima dos outros a todo custo.

Pergunta: E o fato de eu estar sendo humilhado agora, isso é da natureza humana?

Resposta: Sim, esta é a sua natureza, nada pode ser feito. Eu tenho que entender sua natureza e, de alguma forma, perdoá-los, aceitá-los como eles são. E talvez corrigi-los desta forma.

Pergunta: Devo sentir que essa também é minha natureza, exatamente a mesma, e posso ser exatamente como eles?

Resposta: Naturalmente, sim.

Pergunta: Em outras palavras, você quer introduzir os termos “natureza humana” e “egoísmo humano” quase nas classes elementares para que uma pessoa sinta?

Resposta: E ainda mais cedo.

Comentário: A próxima razão: exames estúpidos. Como eles não têm uma variante de suas respostas, você precisa adivinhar uma das respostas propostas.

Por exemplo, há uma pergunta e há quatro respostas para ela, e ela diz: “Especifique a correta”. E o menino diz: “Eu quero que haja outra opção, minha resposta pessoal”.

Minha Resposta: Ele está certo.

Pergunta: Então esses exames que não dão a opção “Sua Resposta” estão errados?

Resposta: Sim.

Comentário: A sexta razão: a quantidade de lição de casa. “Acredito que a lição de casa não afeta o desempenho acadêmico e a educação das crianças”, diz o menino de onze anos.

Minha Resposta: Acredito que a lição de casa causa nojo e ódio à escola.

Portanto, não é necessário. Basta que uma pessoa vá lá, não importa o que lhe ensinem e não importa como lhe ensinem, talvez pior, melhor, mais ou menos atraente, mas ele voltaria de lá, e essa lição de casa não seria mais pendurada nele.

Em vez de lição de casa, haveria tempo absolutamente livre. Também deve ser de alguma forma mais ou menos programado, mas deve ser livremente sentido para escolher com o que ele gostaria de se ocupar.

Pergunta: Só ele mesmo? Ele deve encontrar exatamente o seu nicho?

Resposta: Sim, todo mundo é diferente em alguma coisa. Tínhamos muitos clubes naquela época. Havia uma enorme Casa dos Pioneiros. E havia um grande número de sociedades, e todas elas eram livres. Uma criança ia e se inscrevia onde queria. Mesmo alguns ao mesmo tempo! Venha aprender. E não pagou nada. Eu também fui ao clube de fotografia. Tanto o papel fotográfico quanto os reagentes de revelação de fotos eram gratuitos. Absolutamente tudo era grátis! É tão incrível!

Comentário: E a forma como os professores lhe trataram lá, com tanto carinho!

Minha Resposta: Sim. Pessoas com tais personagens trabalhavam lá.

Pergunta: Para onde tudo isso desapareceu? O que havia de errado com isso?

Resposta: O tempo não é o mesmo! Entramos nessa onda.

Comentário: A próxima razão é a proibição da exclusividade. As escolas não gostam quando alguém é diferente dos outros.

Minha Resposta: Por um lado, eles parecem estar encorajando isso. Mas, por outro lado, não gostam.

Pergunta: Uma criança deve ter esse direito à singularidade?

Resposta: Este não é apenas um direito à singularidade, mas também um incentivo à singularidade por parte de todos, inclusive dos amigos. Isso precisa ser trazido à tona. Caso contrário, isso será esmagado e apenas o cinza ficará.

Comentário: “A escola não ensina a ser feliz”, escreve o menino de onze anos.

Minha Resposta: Com certeza! Na escola hoje, eles simplesmente demonstram como o embotamento, a obediência e a supressão da felicidade são um estado normal.

Pergunta: Então, em princípio, o slogan da escola deveria ser “Devemos ensinar as crianças a serem felizes”?

Resposta: Sim. Devemos criar pessoas felizes.

Comentário: “A escola não ensina a trabalhar com a informação”, diz.

Minha Resposta: Esta é uma sabedoria completa, enorme, que deve ser incutida em crianças pequenas.

Pergunta: O que essa habilidade dá a uma criança?

Resposta: Ensina a abrir o cérebro e o coração, a mente e os sentimentos, às informações que chegam, para ser capaz de processá-las, classificá-las e estar pronto para receber a próxima porção de informações.

Comentário: A décima razão: “A escola não prepara para a vida adulta”, acredita esse menino.

Minha Resposta: Acho que nada pode prepará-lo para a vida adulta. Nós apenas corremos para lá, como se estivéssemos em um redemoinho. É isso. E lá já estamos nadando, cada um à sua maneira.

Pergunta: E qual é a preparação para a vida adulta?

Resposta: Aqui é necessário criar imagens especiais, totalmente claras e realistas da vida.

Pergunta: Na escola? Diretamente para as crianças? Para que aprendam a sair delas, trabalhar com elas, e assim por diante?

Resposta: Sim, para discutir e assim por diante. Por outro lado, dê-lhes alguns selos, mas realistas. Por exemplo, “O que você faria se você…” e dê a história.

Comentário: A conclusão deste menino é muito interessante. Ele diz: “Acredito que a matéria principal na escola poderia ser uma matéria em que seríamos ensinados a nos entender. Afinal, a capacidade de se comunicar é a coisa mais importante”.

Minha Resposta: Faça dele o Ministro da Educação Escolar. Pronto. E coloque todos esses ministros de volta à escola.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 10/02/22

O Que Fazer Quando Você Está Sendo Intimidado

961.1Comentário: Hoje uma palavra bem conhecida é “bullying”. É quando uma pessoa infeliz é intimidada ou assediada na escola, em instituições ou na Internet.

Na França, uma nova lei vai multar os culpados de bullying em 45.000 euros e prisão por três anos. Professores ou alunos, não importa.

E se ficar provado que a vítima faltou à escola por causa de assédio, a pena de prisão será aumentada para oito anos. Em caso de tentativa ou suicídio em consequência de bullying, a multa aumentará para 150.000 euros, e a pena de prisão será de até dez anos.

A lei já foi aprovada na Câmara Baixa do Parlamento. Eles procedem do fato de que uma lei tão rígida poderia parar esse bullying.

Minha Resposta: Que tipo de relacionamento pode haver na escola para que haja a necessidade de adotar tais leis! A França! A fonte do humanismo mundial, da liberdade, da revolução!

Pergunta: Você acha que medidas tão duras e afiadas ajudarão?

Resposta: Por alguma razão, em todos os lugares, em todos os países do mundo, acredita-se que a detenção, o isolamento da sociedade por muitos anos corrige a sociedade, corrige uma pessoa. Até o final do dia, queremos que o criminoso melhore. E a sociedade de alguma forma corrigiria não apenas o criminoso, mas também a falha que lhe infligia.

Mas eu não vejo assim! Tantos estão presos, por quantos anos e em todos os países do mundo! Vamos verificar as estatísticas: onde eles encarceram mais e por mais anos, existe uma sociedade melhor?

Por outro lado. De acordo com as leis bíblicas, não existe tal coisa como “ficar na prisão”. Isso não é um castigo. Ao fazer isso, você tira a oportunidade de uma pessoa interagir com a sociedade, aprender com ela e, de alguma forma, melhorar. A prisão não é um sistema de correção, ninguém saiu da prisão reformado.

Pergunta: Isso não ensinará aos outros que você não pode humilhar e matar o outro? Não vai ensinar os outros e também não vai corrigir a pessoa? E o dinheiro não vai ajudar? Se você pagar multas malucas, também não vai ajudar?

Resposta: O dinheiro pode, de alguma forma, deixá-lo sóbrio, seus pais (estamos falando da escola). Mas não, não vai ajudar.

Pergunta: Então, qual é a saída para isso?

Resposta: A solução é educar as pessoas desde cedo, até mesmo seus pais antes do parto. Você tem que educar os pais para que eles tenham filhos que possam criar adequadamente.

As pessoas devem obter permissão da sociedade para dar à luz uma criança e criá-la.

Pergunta: E que tipo de permissão a escola deve receber?

Resposta: Tudo deve ter como objetivo garantir que as pessoas que geramos, produzimos e educamos sejam educadas precisamente como membros corretos da sociedade. Já estou falando em um nível social, não espiritual.

Pergunta: Você costuma dizer: “Em boas relações uns com os outros, apaixonados um pelo outro”. É este precisamente o caminho para o espiritual?

Resposta: Sim. Mesmo que eles não saibam, não importa. Eles não devem pensar no espiritual. Eles devem pensar na conexão correta mútua. E nela já vão revelar o espiritual.

Pergunta: Então a sociedade deve olhar para si mesma e não para esse criminoso?

Resposta: A sociedade deve olhar para si mesma. A sociedade deve cultivar a atitude correta em relação aos outros. E na correta relação com os outros, de repente começará a descobrir, precisamente nessas relações, relações completamente diferentes, superiores, que chamará de mundo superior. E é isso, nada mais.

Hoje em dia, as pessoas chegam a isso porque querem sentir o mundo superior e, portanto, por necessidade, começam a estudar como podemos começar a tratar bem os outros, se necessário, para sentir o mundo superior, para entender nosso destino. Não gostaríamos disso, mas este é o plano da natureza, este é o seu significado. Então, eu obedeço. Vou inclinar minha cabeça e estudar essas leis de bondade, interação adequada e até mesmo as leis do amor.

Portanto, aqueles que vêm às aulas de Cabalá são os maiores egoístas.

Pergunta: Quando acontece a mudança?

Resposta: Depois de muitos anos. Estamos preparando suas relações externas, a base interna para isso. Mas é difícil. Eles não querem inicialmente estar apaixonados pelo próximo quando vierem.

Tais pessoas, com muito pouco egoísmo, abandonam as práticas espirituais, orientais e assim por diante. Elas não estão interessadas em mais nada.

Mas estamos na fronteira da iluminação – a iluminação real.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 06/12/22

Fomos Colocados Em Uma Máquina De Lavar

626Pergunta: O tempo em que vivemos é especial. Por um lado, há tempos sombrios: pandemia, guerra, doença e morte.

Segundo as estatísticas, de repente acontece que junto com isso há um aumento no apoio social e na caridade. Junto com a grande separação que as pessoas estão experimentando, ao mesmo tempo há uma grande solidariedade e apoio. Eles existem juntos. Parece que estamos passando por algum tipo de expurgo.

A que você acha que vamos nos agarrar?

Resposta: Estamos simplesmente sendo lavados como em uma máquina de lavar. Isso é tudo.

Pergunta: O que está sendo lavado em nós?

Resposta: Tudo! Egoísmo, altruísmo, nossos pontos de vista, tudo está sendo lavado. Assim é o nosso tempo.

Pergunta: O que é uma “roupa limpa” para você? A que devemos chegar como resultado de toda essa lavagem?

Resposta: Devemos chegar a um entendimento de como devemos nos relacionar com o mundo. Nós não sabemos. Corremos daqui para lá. Não temos uma visão clara de mundo.

Pergunta: Foi por isso que fomos colocados nesta máquina de lavar?

Resposta: Sim. As pessoas ainda não são livres dentro de si para criar uma base objetiva clara, definida, independente e objetiva para observar o mundo a partir dela, e precisamente a partir dela.

Pergunta: Esta lavagem e limpeza é para que tenhamos pelo menos uma pequena luz através da qual vejamos o mundo? Só então podemos falar de algum tipo de aproximação da objetividade?

Resposta: Sim, a princípio começamos a entender como somos tendenciosos, como não há absolutamente nada que seja claramente nosso dentro de nós. Tudo é superficial, tudo muda muito dependendo do que ouvimos e do que vemos.

Pergunta: Temos esse entendimento de que se eles já começaram a nos lavar, significa que estamos sujos?

Resposta: E daí? Eu não tenho mais nada. Eu penso assim hoje, daqui a um dia ou dois ou uma semana ou duas vou pensar diferente. Eu mesmo não sei de que lado e para que lado estou vagando gradualmente. De jeito nenhum.

Pergunta: Como passamos por esse momento e chegamos a um bom resultado?

Resposta: Isso é possível quando vemos um objetivo e miramos nele, o arpoamos, e podemos ser direcionados a ele e ir até ele, nadar até ele. Nós o arpoamos e ele está nos arrastando.

Pergunta: Qual deve ser o objetivo?

Resposta: O Criador. Não há mais nada. O mundo já está perto de começar a descobrir este estado.

Além disso, para nós essa descoberta está se tornando científica de alguma forma, experimental, como para os cientistas, e assim por diante.

E para as pessoas isso acontecerá naturalmente. Assim: vire à esquerda, vire à direita, não, não aqui, não, não ali, mas onde ela está? E assim por diante. Ou seja, elas serão balançadas pelas ondas, e no final verão que aqui está, a terra prometida.

Pergunta: Você está dizendo que hoje em dia algum tipo de giroscópio é como que inserido em uma pessoa, como em um avião, o que a leva ao objetivo?

Resposta: Sim.

Pergunta: Este giroscópio é minha voz interior que dirá o que sinto?

Resposta: O giroscópio é um pequeno motor que está claramente orientado, por exemplo, para a Estrela do Norte. Não importa como sua plataforma gire em todos os planos, esse pião está claramente direcionado a ela ao longo de seu eixo.

Pergunta: É assim que seremos direcionados ao Criador?

Resposta: Sim! Precisamos de alguém para girar esse pião dentro de nós. Esta é a linha do meio que deve aparecer em nós. Então não haverá nada assustador.

Pergunta: É isso que você chama de melhor e único resultado de toda essa lavagem e limpeza?

Resposta: Claro! Depois disso, tudo fica claro!

Pergunta: É por isso que tudo isso está acontecendo agora?

Resposta: Sim. Segure-se nele e continue andando.

Comentário: Que Deus conceda que este giroscópio, esta roda, seja finalmente inserido em nós.

Minha Resposta: Sim. Mas só se quisermos.

Pergunta: Como eu, uma pessoa simples e comum, perceberei o Criador? A que estou ansiando, me dirigindo?

Resposta: A única verdade de todas as possíveis. Então, tudo no mundo gradualmente diminuirá, se acalmará. Em geral, tudo vai se acalmar.

Comentário: Se Deus quiser!

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 21/03/22

Estamos Prontos Para Pagar Pela Felicidade?

79.01Pergunta: O Relatório Mundial da Felicidade 2022 já foi publicado.

Finlândia, está em primeiro lugar como o mais feliz, seguido por Dinamarca, Islândia, Suíça, Holanda, Luxemburgo, Suécia, Noruega. Israel ficou em nono. Há um total de 146 países no ranking.

O ranking é determinado pela expectativa de vida da população, a observação das liberdades civis, entre outros fatores.

A visão de tal felicidade mudará algum dia? Se é bom para mim, meu corpo, estou calmo: isso é felicidade. Estou seguro, há dinheiro no banco.

Resposta: Quem conta é quem determina. O que significa que manter a existência animal no nível apropriado é chamado de felicidade.

Pergunta: Será que algum dia partiremos de outro conceito de felicidade?

Resposta: Felicidade significa conexão com o sentido da existência. E se houver essa conexão, a pessoa realmente vê como ela vive, a que ela aspira, em direção ao que ela flutua com o fluxo da vida, e ela é feliz.

Pergunta: Então, talvez, para ela, apenas um pouco disso e já haverá felicidade? O principal é que há um objetivo.

Resposta: Não, não creio que seja esse o caso. A questão é quanto estou disposto a pagar pela verdadeira felicidade. Se apenas isso é realmente importante para mim e não para outros preenchimentos animais, serviços e assim por diante, isso é felicidade.

Como resultado, essa é a medida de se elevar acima do egoísmo. Porque lá você perde o sentimento de todos os tipos de cálculos terrenos, e só importa para você o quanto você se eleva acima de todo esse estado egoísta e animal.

Pergunta: Você acha que algum dia mediremos a felicidade dessa maneira?

Resposta: Sem dúvida! E acho que esse tempo não está longe. Estamos sendo seriamente levados a isso. E todos esses problemas, as vicissitudes que sentimos em nós mesmos são para criar a medida certa de felicidade em nós.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 21/03/22

As Guerras Do Messias Estão À Nossa Frente

220Comentário: Michael escreve para você: “Em um momento calmo e pacífico, eu poderia concordar com você que é necessário abraçar seu inimigo e que o amor está acima de tudo. Aliás, isso é o que eu costumava fazer. Mas agora vejo como é impossível. O homem não pode fazer isso. Você nunca vai abraçar um assassino ou um estuprador em sua vida. Você não vai abraçá-los! Então, por que você está falando sobre isso?”

Minha Resposta: Não estou dizendo que você deve abraçá-lo fisicamente. Mesmo internamente você não pode abraçá-lo. Mas você deve tentar imaginar que desceu ao nível dele, porque se ele é um assassino e um estuprador, ele está abaixo de você. No entanto, você desce para de alguma forma entrar em contato com ele, para entendê-lo de alguma forma.

Pergunta: Então, na verdade, o contato é impossível, certo?

Resposta: Não! Então você não vai fazer nada. Você deve entender que a pessoa foi programada desta forma de cima. Afinal, estamos falando da Cabalá, da correção Cabalística.

Devemos entender que uma pessoa foi simplesmente dirigida dessa maneira. Com todo o seu egoísmo e inclinações, não é culpa dela. O Criador providenciou tudo para ela, o bondoso, todo-poderoso e amoroso Criador. Portanto, ainda temos muito a corrigir em nosso entendimento.

Somente quando você descer ao nível dela e perceber que tudo o que está nela vem do Criador e isso é retratado diante de você e dentro de você para que você corrija sua atitude em relação ao que está acontecendo e ao Criador, você poderá de alguma forma chegar mais perto dela. Você ainda não poderá abraçá-la, mas poderá se aproximar dela e começar a corrigir essa condição junto com ela para que no final você possa entendê-la, porque não depende dela.

Tudo isso é culpa do Criador que fez isso para corrigir vocês, para que juntos vocês possam subir ao nível de compreensão mútua e depois ao amor mútuo entre vocês por toda a humanidade, por todo o universo e, assim, corrigir tudo.

Comentário: Em que ciência impossivelmente difícil estamos envolvidos!

Minha Resposta: Isso não é ciência. É natureza! Caso contrário, não faremos nada!

Comentário: Requer virar as entranhas do avesso, lavar todo o coração e limpar toda a mente.

Minha Resposta: Quando você faz isso constantemente por um longo tempo, você alcança. As pessoas vão passar por essas guerras. Serão guerras internas, guerras do Messias. E tudo vai dar certo.

Comentário: Você entende, não é, que estamos falando de um ente querido, de alguém querido que não está mais conosco.

Minha Resposta: Todos os parentes e amigos se manifestarão de repente de tal maneira que você não verá ninguém que esteja mais distante de você do que o mais próximo. E os mais distantes serão os mais próximos.

Todos se tornarão totalmente próximos e feios. De repente, você terá que amá-los e apenas adorá-los. Há guerras reais pela frente; elas são chamadas de “as guerras do Messias”, as guerras de libertação do nosso egoísmo.

Messias (Mashiach) – da palavra “Limshoch”, puxar para fora – é aquele que nos tira do nosso egoísmo. Deixamos de olhar o mundo de forma egoísta, de culpar as pessoas por isso. Devemos relacionar isso ao Criador e corrigir nossa atitude para com Ele do ódio absoluto ao amor absoluto.

Comentário: Você pode imaginar! Você diz: “Ele é o culpado de tudo, Ele fez tudo, Ele é o principal inimigo do homem”.

Minha Resposta: Se é assim que eu percebo o mundo, então sim.

Pergunta: E se for o contrário?

Resposta: Se for o contrário, devo me virar de cabeça para baixo novamente; no final, devo me corrigir, que não há mal nem dano no mundo, exceto para mim, para o meu egoísmo. Eu tenho que corrigi-lo na qualidade do amor absoluto: onde vejo todos como meus inimigos, devo corrigir isso e vê-los amorosos e amados.

Pergunta: Isso significa que eu me corrijo e eles se tornam amorosos e amados?

Resposta: Sim.

Comentário: Ou seja, tudo visa fazer com que eu me resolva.

Minha Resposta: Sim. Ainda há coisas a fazer pela frente.

Pergunta: Você diz que há sérias guerras pela frente. Em todo caso, estamos sendo preparados para elas, ou seremos jogados despreparados nesta chacina?

Resposta: Não! Quem está lá para jogar? É como jogar um bebê em uma briga real.

Pergunta: Estamos sendo levados a elas de uma forma ou de outra e chegaremos a isso já querendo essas guerras?

Resposta: Sim. Vamos entender sua necessidade.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 17/03/22