Textos na Categoria 'Economia'

A Revolução Do Século XXI: Em Benefício Da Sociedade Integral

laitman_944(Continuação de “A Revolução Do Século XXI: Homem Rico, Homem Pobre”)

Pergunta: Como exatamente a relação entre ricos e pobres mudará devido ao método da educação integral?

Resposta: Graças a ele, vamos revelar o sistema de nossa interconexão. Não há alternativa. Na medida em que esses e os outros são capazes, é necessário formar os mecanismos de correção de interação.

A questão é que as duas categorias da população recebem um novo lucro, uma nova realização. Elas revelam a força superior, a vida no grau humano, Adão, que é semelhante à força superior. Elas sentem que adquirem um novo mundo que está acima da vida e da morte, acima da pobreza e riqueza.

Isso preenche uma pessoa, substituindo antigos prazeres. Agora, ela é aquecida não pelo dinheiro, contas bancárias, vendas e fábricas, jornais e navios a vapor. Tudo isso dá apenas prazer indireto e fugaz. Aqui, a pessoa recebe satisfação diretamente.

De fato, nossa natureza corpórea é o desejo de desfrutar. Sua verdadeira realização é o que definimos pelo termo “Luz”. Portanto, o método integral nos permite preencher este desejo não com dinheiro, honra e poder, mas com a Luz.

Não há substituto. Comparado a isso, tudo o resto é um substituto. Relações sociais bem estabelecidas nos permitirão receber satisfação natural, que é, obviamente, mais eficiente e atraente do que seus substitutos, que são geralmente aceitos hoje.

Pergunta: Como uma pessoa pode obter essa Luz?

Resposta: Ela deve estar conectada corretamente com os outros. Então, juntos, eles criam um sistema único correspondente à unidade da Luz. As propriedades desse sistema em que a pessoa existe coincidem com a propriedade da Luz, satisfação e, assim, a pessoa sente satisfação em si mesma.

Assim, a nossa unidade é apenas uma condição na qual recebemos a satisfação eterna e perfeita, e devido a isso, revelamos a vida num grau mais elevado.

Pergunta: Portanto, em última análise, tudo depende de nossos relacionamentos?

Resposta: Claro. A Luz me mostra que estamos todos no mesmo sistema. A formação das condições atuais nele não depende de nós, mas agora, com base na situação atual, temos que chegar a uma decisão.

Eu faço cálculos não com o que costumava ser, mas com o que será. Precisamos formar uma conexão mútua, de modo que, juntos, construamos uma nova sociedade. Para que? Para revelar a vida eterna nela.

Em suma, o ódio dos ricos vai acabar quando eles, em conjunto com os pobres, agirem em benefício de uma sociedade integrada unificada.

De KabTV “Uma Nova Vida” 14/05/15

Comunismo: Utopia Ou Realidade, Parte 8

Laitman_115_05Milhares de anos atrás, a sabedoria da Cabalá previu que no final do século XX, começando de 1995 em diante, a humanidade chegaria a um nível de desenvolvimento egoísta em que sentiria que não há um futuro brilhante, sedutor e atraente a sua frente, mas uma “grave massa comum”.

Até essa época era inútil recorrer às pessoas que acreditavam que possuíam um ego normalmente desenvolvido com o qual podiam construir uma sociedade que parecesse racional e correta para elas. As pessoas tinham tudo para satisfazer seu ego: família, filhos, um lote de terra. No entanto, o egoísmo cresceu constantemente: havia duas vacas, então, haverá inclusive outra; havia uma dúzia de ovelhas, haverá outra dúzia, etc.

Mas quando uma pessoa atinge o pico do desenvolvimento egoísta, ela começa a entender que esse desenvolvimento é um beco sem saída; não leva a lugar algum: “Eu sinto que não sou o único usando o ego para a autossatisfação; ele me controla”. Em outras palavras, a pessoa sente o egoísmo como uma força estranha.

Uma sensação como essa despertou e surgiu na década de 60, nos Estados Unidos, com o movimento “hippie” da juventude. A juventude tinha atração pelas doutrinas orientais, começou a organizar comunas e usar drogas. Tudo começou com isso.

Essa foi um novo impulso criado nas pessoas, um novo egoísmo que indicou que não era oportuno investir qualquer coisa nesse mundo; ele é finito. Então, vale a pena pensar em outra coisa. Mas em que? E uma vez que não havia respostas, os hippies permaneceram vazios e gradualmente desapareceram do mundo.

Continua…

De KabTV “Sobre a Nossa Vida” 11/05/15

Idade Média Ou Um Futuro Brilhante?

No jornal News (de rg-rb.de): “A diferença de renda entre os cidadãos mais ricos e os mais pobres, nos países desenvolvidos, atingiu proporções alarmantes, e é susceptível de atingir um nível que era típico da Idade Média, e não das economias sociais desenvolvidas.

“Desde a década de 1980 a desigualdade de renda dos cidadãos tem sido constantemente crescente e alcançou o mais alto nível nos últimos 30 anos. Com a finalidade de reduzir a desigualdade de renda, recomendou-se a criação de mais empregos.

Meu comentário: Mas o mundo não precisa de trabalhadores, mas o oposto; há um excesso de trabalhadores que a sociedade não sabe o que fazer com todos aqueles com subsídios de desemprego!

Isso poderia resultar em guerras, através das quais a sociedade vai livrar-se das massas que não têm renda assalariada, ou a sociedade vai passar para um estado racional da existência, onde fabrica apenas o que é necessário para as necessidades de todos, e tempo livre e energia são direcionados para a realização da unidade e conexão entre as pessoas. Não há outra solução!

[160522]
Material Relacionado:
Estudo Obrigatório Para Todos
A Desigualdade Social Está Matando Todo Mundo
O Novo Paradigma Do Universo

A Revolução Do Século XXI: “Descer Às Bases” Não É O Nosso Método

laitman_547_06(Continuação de “A Revolução Do Século XXI: Homem Rico, Homem Pobre”)

Tendo engajado as pessoas, o método integral levará, de fato, à redução do fosso entre ricos e pobres; ele vai se tornar aceitável e ninguém vai vê-lo como insuportável. O sentimento familiar, como se os ricos nos roubassem, desaparecerá.

Como parte do novo relacionamento, sem quaisquer incentivos negativos, os próprios ricos estarão dispostos a compartilhar mais do que você pode imaginar hoje. A sua contribuição para a sociedade será enorme.

Nós estamos falando de pessoas bem-sucedidas que, sob as novas condições, serão capazes de administrar a sociedade de forma correta e integral, incluindo os interesses dos setores mais fracos da população. Os pobres são incapazes disso. Apenas seus filhos e netos serão capazes de se tornar bons gestores.

Assim, além do aprendizado social, nada mais vai ajudar. É um ou outro. Gradualmente, os pobres vão perceber que precisam das competências e habilidades dos ricos, e os ricos vão perceber que devem servir aos pobres. Como resultado, ambas as partes da sociedade serão imbuídas de unidade e amor, e confiança no futuro.

Não há outra solução.

Por exemplo, na Rússia, a Revolução de Outubro destruiu completamente o sistema anterior até as bases, e as terríveis consequências disso ainda se fazem sentir. Você não pode colocar uma dona de casa na liderança do país.

A mesma coisa está acontecendo no Knesset israelense: Alguns jornalistas se tornam políticos e legisladores. Além disso, eles se esforçam em se tornar o primeiro-ministro. Com que base? Na verdade, a pessoa deve primeiro se formar em várias universidades, fazer cursos especiais e ganhar experiência.

No Ocidente, é feito dessa forma. Nem todo mundo pode ser um bom chefe de estado ou um ministro ou membro do parlamento. No entanto, aqui a eloquência substitui verdadeiras qualificações.

De KabTV “Uma Nova Vida” 14/05/15

Será Que O Mundo Precisa De Dinheiro?

laitman_600_04Pergunta: De que forma é possível ajudar o mundo, além do dinheiro?

Resposta: O mundo não tem necessidade de dinheiro; em vez disso, precisa de pessoas que entendam esse mundo. Não há conexão com dinheiro aqui.

O dinheiro é recebido para algo potencial, algumas possibilidades, mas se isso não vem junto com a inteligência, então ele só prejudica o mundo. O dinheiro escraviza uma pessoa. A pessoa que está mais livre é a que não tem nada, mas também não tem necessidade de nada.

Suponha que um bilhão de dólares “caia” sobre você agora. Você poderia se sentar de manhã até a noite pensando em que fazer com isso e aquilo; sua liberdade acabaria. Portanto, pessoas verdadeiramente grandes, autores, artistas e músicos, sempre tinham medo de muito dinheiro, apenas o suficiente para que houvesse meios para elas trabalharem.

De KabTV “Conversas com Michael Laitman” 13/05/15

A Revolução Do Século XXI: Homem Rico, Homem Pobre

Laitman_130O fosso econômico entre os diferentes segmentos da população não é novo para Israel. No entanto, na última década, ele tem seriamente se expandido. Não é de se admirar que a desigualdade exacerbada gera outro fenômeno não menos natural: o ódio aos ricos.

Geralmente, riqueza e pobreza é um eterno leitmotiv (motivo condutro) da sociedade humana. Hoje em dia, no entanto, essa questão se torna muito mais emocional.

Não muito tempo atrás, nós respeitávamos a elite financeira, sejam eles empresários bem-sucedidos ou os herdeiros de grandes fortunas. Eles apareciam nas notícias, artigos e livros eram escritos sobre eles.

No entanto, recentemente uma nova atitude se formou, acompanhada de severas críticas a eles e às vezes de ódio e antagonismo. Em certa medida, eles são percebidos como inimigos.

Aqui, nós, involuntariamente, nos lembramos da Revolução Francesa, com o famoso ditado, “Que comam brioches”. Na época, a frase simbolizava a alienação, o isolamento das elites do povo.

Hoje, esse fosso se tornou tão grande que o antigo respeito às vezes se transforma em hostilidade, o mesmo tipo que uma vez levou às revoluções.

Basicamente, isso se refere não só à sociedade Israelense, especialmente na economia e em outros aspectos; nós estamos adotando costumes ocidentais.

De Kab TV “Uma Nova Vida” 14/05/15

Quando As Pessoas Comuns Puderem Fazer Isso, As Elites Vão Querer Fazê-lo

laitman_568_01Aprender a Linguagem dos Políticos

Pergunta: Será que nós podemos nos dirigir aos líderes mundiais com nossa mensagem e dar-lhes exemplos do benefício econômico da unidade social? Será que essa unidade também é boa para o governo?

Resposta: Sim, se ela fluir bem e sem problemas, sem ameaçar as elites, então é uma boa ideia. Isto porque, numa sociedade coesa, as paixões se acalmam, a violência diminui, e os conflitos desaparecem. Se os líderes de hoje ouvissem a sabedoria da Cabalá e entendessem o mecanismo do que está acontecendo, essa seria outra questão. No entanto, eles veem sua situação ainda mais distorcida do que os economistas. Um economista segue suas teorias e ideias. Se elas não funcionam, ele encontra outras. Por outro lado, as pessoas que gerenciam uma nação, qualquer nação, possuem uma coleção limitada de meios monetários e estruturas agressivas. Nessa base, as suas relações mútuas internas também são construídas. Os políticos não compreendem qualquer outra língua. É assim que eles são construídos. Especificamente, como resultado da oposição agressiva, eles penetram ainda mais, e, consequentemente, o mais brutal deles se encontra acima de todos eles. É assim que funcinam as leis da sociedade egoísta.

Não Uma Revolução Mas Uma Mudança

Pergunta: Quem, exatamente, vai começar a se unir em sua estrutura? Principalmente, a partir de onde vai começar o processo, de baixo ou de cima?

Resposta: Primeiro de tudo, esse processo não começará sob pressão de um lado ou de outro. Quando as pessoas aprenderem o método da unidade, elas vão entender como é necessário organizar relações mútuas, e mesmo no início, não haverá muitos –  digamos dez por cento e depois disso quinze ou vinte – mas isso vai mudar o rosto da nação. Correntes subterrâneas vão influenciar todo o resto, porque nós estamos interconectados num sistema totalmente integrado, e quando eu mudo, eu inevitavelmente mudo você.

Se realmente aprendermos sobre a unidade a maior parte do dia, vamos criar uma força mais intensa que irá influenciar a nação através da aquisição de uma nova base, de um novo espírito. Será possível sentir isso em todos os lugares: de repente, aos olhos de todos, as pessoas vão parecer que se sentem conectadas com todos. É assim que vamos influenciar a classe média e a elite.

Benefício Realista

Pergunta: Há figuras-chave que estão na cabeça das instituições reguladoras, dos meios de comunicação e outras instituições que determinam a forma como o vento sopra na nação. De que forma podemos fazê-los se interessar, além do relaxamento total? Será que temos alguma nova mensagem econômica ou social?

Resposta: Certamente, nós podemos mostrar à liderança da nação e aos economistas os números reais, os cálculos de lucro que a nação vai ganhar se dez ou vinte por cento da população compor uma rede de boas relações mútuas entre si.

Isso irá reduzir os gastos nacionais, eliminar o mercado negro, fortalecer a instituição familiar, reduzir a quantidade de eventos que exigem o envolvimento de todos os tipos de autoridades e da polícia, e assim por diante. Dessa forma, isso se refere a uma economia de meios e recursos em grande escala, e o principal é que nós alcançamos o equilíbrio! Um setor inteiro da nação ficará satisfeito com a vida não de acordo com as pesquisas, mas verdadeiramente. Caso contrário, haveria a necessidade de gastar muito mais para manter, pelo menos, um nível elementar de satisfação para a população.

De KabTV “A Solução” 06/05/15

Guerra Mundial Não É A Solução Para A Crise Global

laitman_220Opinião (Konstantin V. Sivkov, Doutor em Ciências Militares, VP da Academia de Problemas Geopolíticos, especialista militar): “A crise econômica global é um dos resultados das mudanças geopolíticas que estão acontecendo no século XXI. A destruição do modelo bipolar do mundo e as mudanças no estado de muitas nações estão levando a grandes conflitos entre nações e coalizões.

“A atual ordem mundial não é mais adequada para a nova realidade é. Essa contradição está no coração da contínua e crescente crise, que está sendo realizada mais claramente na área econômica. Portanto, há uma percepção de que a crise atual é uma crise econômica global.

“A razão para o fracasso das ações para sair da crise é que a crise econômica global é apenas uma expressão da crise da civilização que abrange todos os aspectos da vida humana moderna.

“As contradições que têm causado a crise global de civilização:

  1. Entre o crescimento da produção e os recursos disponíveis.
  2. Entre as ricas nações desenvolvidas e as nações pobres em desenvolvimento.
  3. Entre as elites nacionais e internacionais.
  4. Entre o âmbito da bolha financeira mundial e o âmbito da economia real.
  5. Entre a falta de moralidade do mercado livre e os fundamentos espirituais das civilizações.

“As lacunas e contradições que têm causado a crise na civilização abrangem todas as áreas da atividade humana,de modo que as mudanças na sociedade que são projetadas para resolver isso devem se estender ao longo de toda a ordem mundial – o que significa que é necessário construir uma ordem mundial qualitativamente nova.

“Isso aconteceu como resultado das primeiras e segundas guerras mundiais. A crise que está se desenvolvendo poderá levar a uma nova guerra global no fundamento espiritual da nova ordem mundial, sendo o seu fundamento:

  • Individualismo, egoísmo, opressão, sobrevivência à custa de outros,
  • Atividade comunitária, a predominância de interesses comuns sobre os interesses privados, o princípio da coexistência através do apoio mútuo.

“Esta é a diferença qualitativa entre uma terceira guerra mundial e as duas guerras anteriores, que eram basicamente sobre uma nova divisão econômica do mundo”.

Meu Comentário: Precisamente porque a terceira guerra mundial seria ideológica, ela pode acontecer no front ideológico, e não militar, porque não é necessário conquistar qualquer coisa fisicamente. O mundo tornou-se sem fronteiras, e ideologicamente já podemos lutar agora por meio da disseminação do método da humanidade unificadora num único sistema.

Uma Sociedade Sem Competição

Laitman_025_02De acordo com a sabedoria da Cabalá, em vez de conflitos, revoluções e guerras, chegou o momento de conceber um outro sistema de boas relações sociais, que vai resolver todas essas situações terríveis no mundo. A chave é o meio correto de coesão da sociedade, possibilitando, juntamente com a nossa negatividade egoísta, ativar a força positiva da unidade que é latente na natureza.

Para isso, é necessário criar um sistema educativo abrangente e treinar pessoas para tomar o formato de workshops (oficinas) em torno de uma mesa redonda. Nesses workshops as pessoas vão começar a mudar, não por coerção, mas por conta própria. Afinal de contas, elas vão ver que é possível estabelecer uma sociedade que não é baseada na negatividade da concorrência egoísta onde o mais forte vence, mas na unidade.

Assim como numa família coesa, o forte não oprime o fraco. Pelo contrário, o amor habita entre eles, e o pequeno recebe mais preocupação e atenção do que aqueles que já são capazes de satisfazer as suas necessidades sozinhos em algum grau. Então, nós também ativamos duas forças numa família, mas lá o nosso amor é causado pela própria natureza. Por outro lado, o que devemos fazer em situações em que as relações entre nós são baseadas em cálculos egoístas e não no amor? Como podemos transformar uma sociedade individualista competitiva numa família amorosa?

Certamente não é por meio da pressão, mas especificamente com a ajuda do estudo e de uma educação única, onde as pessoas vão sentir um benefício real a partir de novas relações e vão notar o sucesso inerente nelas. Além disso, é desejável lembrar que a natureza maneja o nosso desenvolvimento, e nós nunca podemos simplesmente fazer o que vem a nós. Quando estamos sujeitos aos impulsos naturais do narcisismo, nós mesmos “saltamos num fogo flamejante”.

Não, o desenvolvimento da humanidade está sujeito às leis rígidas que não escolhemos. Nós nunca tivemos liberdade de escolha nisso. Desde o início do universo até hoje, o “motor” interno tem empurrado a evolução para a frente, sem depender de nossos desejos. Então, vale a pena aprender os processos naturais e compreender como se integrar em sua corrente no caminho certo.

De KabTV “A Solução” 06/05/15

O Fim Da Velha Economia

laitman_546_02Pergunta: Os resultados das atuais reformas parecem decepcionantes. Mas por que as pessoas não perdem o otimismo? Elas sempre esperam que a próxima reforma mudará suas vidas para melhor.

Resposta: O problema é que as pessoas não querem mudar. A principal razão e a chave para a solução estão ocultas no seguinte dilema:

  • Mudar o mundo,
  • Ou mudar a si mesmo, adaptar-se.

Até agora, nós temos seguido apenas um sistema de relações egoístas mútuas. Ele elevava aqueles que eram mais bem-sucedidos e poderosos, aqueles que lucravam mais, e rebaixava os oprimidos. Mas isso não ocorreria se considerássemos pelo menos o pequeno povo judeu vivendo em Israel como uma única família. A Natureza apresenta outros requisitos para nós. E isto significa que nós precisamos pensar na mudança, em como adaptar o sistema egoísta da sociedade israelense à nova realidade.

Tudo depende da educação: é necessário ensinar as pessoas e sistematicamente levá-las à unidade, especificamente através de reformas sociais. Todo mundo já concorda com isso, porque nós “batemos numa parede”, e nada além de mudanças na sociedade nos ajudará.

Pergunta: Será que isso significa que precisamos de inovações radicais?

Resposta: De forma alguma. Só precisamos adicionar uma tendência a uma orientação social para as nossas vidas, para dar a maior importância às relações sociais, o que exige um trabalho sistemático.

Pergunta: Como as pessoas chegam a esse entendimento? Mesmo a decepção de reformas fracassadas não evoca pensar na necessidade de mudanças sociais. Os jogos de poder continuam como se nada tivesse acontecido.

Resposta: As pessoas não veem o sistema em que estão vivendo. Em vez de soluções globais, a pessoa prefere um aumento “real” em sua renda mensal. Mas não houve uma adição real e não haverá. Mesmo que os americanos se tornem filantrópicos e aloquem mais dez bilhões de dólares por ano para Israel, nada de bom viria disso.

No entanto, uma pessoa habitualmente deixa projetos incompletos e se move para o próximo. Dia após dia, nós acordamos todas as manhãs com novas esperanças; gerações passam, e a luta por dinheiro e poder continua.

Essa rotina vai acabar quando realmente começarmos a lutar uns com os outros. Isso já aconteceu em nossa história; a contenda fraterna é pior do que o conflito atual com os nossos vizinhos da região.

Nessa época, as pessoas não são capazes de perceber as novas ideias em si mesmas como algo novo; nós devemos dar isso a elas porque não é inerente à natureza humana. Em parte, elas percebem que os bons relacionamentos “familiares” na sociedade podem melhorar suas vidas. Mas elas não têm a verdadeira abordagem para alcançar isso.

Portanto, nós temos que criar novos sistemas educacionais, cursos abertos, e criar estruturas educativas que expliquem a uma pessoa o que é a verdadeira unidade.

Por milhões de anos a evolução foi impulsionada por uma única força egoísta negativa; o sucesso ocorre por causa de músculos mais fortes ou através do intelecto e da emoção. No entanto, agora é necessário se levantar contra isso e atrair a outra força sobre a qual se baseia a verdadeira unidade. Essa força está oculta na própria natureza, mas está realmente oculta, escondendo-se de nós. Ela está escondida, e assim a sabedoria da Cabalá, que explica como trabalhar com ela, também é chamada de “ciência secreta”.

Ela fala sobre a força positiva da unidade, sobre o “positivo” que equilibra o “negativo”. E nós podemos extrair essa força positiva com a ajuda de uma unidade especial através de uma tecnologia, que é descrita na sabedoria da Cabalá. Chegou a hora de fazer isso e começar a organizar boas conexões entre nós. Não é necessário eliminar o ego negativo; só é necessário equilibrá-lo. E assim, através do equilíbrio das duas forças, nós vivemos entre elas, para que possamos usar os dois “polos” corretamente.

Portanto, se até agora todos os nossos programas e pontos de vista teóricos, tudo o que temos feito na política e na economia, basearam-se apenas numa força, agora nós precisamos ativar a segunda força. E isso vai possibilitar que nós compreendamos como, integrando-as corretamente, podemos projetar uma nova sociedade. Sem guerras ou revoluções; pelo contrário, será uma transição suave do estado de “uma linha”, “sustentar-se num pé só”, par o avanço normal “sobre duas pernas”. Tudo isso é descrito na sabedoria da Cabalá. E assim está sendo revelado em nossos dias. A situação foi criada hoje, porque nós realmente precisamos dela.

De KabTV “A Solução” 06/05/15