Textos na Categoria 'Economia'

Com Respeito Ao Terror, Elevação De Preços E Unificação Da Sociedade, Parte 5

Dr. Michael LaitmanPergunta: Qual é o significado de um consenso social, graças ao qual é possível resolver todos os nossos problemas?

Resposta: O consenso social simboliza que nós nos tornamos um só corpo. É muito simples! Nós concordamos que o povo de Israel é um povo único, do qual depende o destino do mundo, todos os povos, e até mesmo o humor do Criador, se é possível dizer uma coisa dessas.

O consenso social é o mesmo nível em que é possível levar o povo de Israel que vive na terra de Israel para o conhecimento comum, consciência e emoção. Suponha que hoje estamos de acordo que o preço do iogurte é muito caro. Agora, junto com isso, temos que chegar a um consenso de que só através de nossa conexão e união podemos derrubar o preço de iogurte pela metade.

O iogurte é apenas um exemplo típico. Você pode usar qualquer outra coisa como exemplo. Existem exemplos suficientes de custos elevados em Israel. Mas quem é o culpado por isso? Nós mesmos somos os culpados por não nos conectarmos um com o outro.

Só a educação geral possibilitará determinar que tipo de conexão mútua existe entre nós e realmente perceber esta conexão ao trazer mudanças à sociedade. Por isso, nós convidamos a todos a participar dos nossos círculos de discussão.

Aos poucos, a pessoa começa a mudar. Isso é chamado de “a influência do ambiente sobre uma pessoa”. O ambiente vai mudar seu coração, porque não há nenhuma outra força. A pessoa não está pronta para mudar a si mesma e apenas a força do ambiente faz isso.

A televisão deve ajudar a unidade social, tal como fazemos no Canal 66 (em Israel). É necessário trabalhar nisso para criar uma atmosfera acolhedora nas escolas, de modo que não haverá problemas como os que existem agora. De acordo com a opinião de sociólogos, se 10% do total da população começa a organizar algo, eles obrigam todos a participar. De tal maneira, nós podemos trazer consenso a toda a sociedade.

Pergunta: Porém, de que maneira essa chamada para a igualdade difere daquelas tentativas que a humanidade já realizou por muitos anos?

Resposta: Eu sugiro uma ferramenta de trabalho, como uma chave de fenda ou uma chave, através da qual é possível resolver o nosso problema comum e o de todos pessoalmente, na sua raiz, ao se voltar a manter o equilíbrio da natureza.

Ao que parece, todas as abordagens anteriores não tiveram sucesso, pois a condição do mundo está se tornando cada vez pior. Considerando que no presente caso nós estamos começando a entender a lei da existência da sociedade humana, o processo que ela está passando, e os métodos que nos possibilitam aderir a este processo inevitável, de modo que vamos nos sentir cada vez mais em todos os pontos vinda de nosso desenvolvimento.

Isso não se refere à tentativa de convencer o governo a baixar os impostos. A solução se encontra na própria natureza, e exige o nosso equilíbrio. Se não estabelecermos o equilíbrio, todas as nossas várias tentativas de corrigir a situação vão nos custar muito caro e trazer ainda mais perdas e danos num nível mais profundo.

Se não curarmos esta doença em sua raiz agora, através da correção e consolidação da sociedade, então ela vai surgir ainda mais forte em outro lugar. Suponha que nós possamos reunir uma determinada multidão e sair para uma demonstração para tornar o preço do iogurte 50% mais barato e consigamos isso. O capitalista, por outro lado, vai aumentar o preço de outros produtos básicos em 5% e seguirá que não ganhamos nada.

Isto é porque nós não agimos de acordo com a lei da natureza, de acordo com a sua tendência, mas, pelo contrário, agimos de acordo com o nosso entendimento. E quando nós confiamos em nosso intelecto, segue-se que sempre queremos corrigir algo egoisticamente, com o resultado sendo pior. A mesma destruição anterior permanece na natureza e cresce ainda mais. Nós somos, então, forçados a sofrer ainda mais, de modo que, no final, possamos compreender a necessidade da correção da sociedade.

O problema do preço do iogurte não existe por si só, mas sim está nos empurrando para a conexão mútua. Considerando que você está dizendo que pode reduzir o seu preço de outra maneira. Mas, em geral, nós não estamos falando de iogurte, mas do consenso social!

O iogurte é apenas uma desculpa para que possamos nos unir. Nós existimos num sistema global que está interligado, uma pequena aldeia global que é abraçada por uma crise geral.

Havia um slogan muito popular: “O povo exige justiça social!” Hoje é possível alterá-lo para o seguinte: “O povo exige a consolidação social!”.

De uma Conversa, 13/04/14

O Motor Do Progresso Está Morto

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “A Paz”: E a humanidade já se lançou para a extrema direita, como na Alemanha, ou para a extrema esquerda, como na Rússia. Mas, elas não só não aliviam a situação, como têm piorado a doença e a agonia, e as vozes se levantam ao céu, como todos nós sabemos.

Hoje, todos os meios que foram úteis no passado são inválidos. Não faz diferença como nós escolhemos avançar, quais os planos que fazemos, ou com que recomendações ou inovações nós viemos. Por fim, tudo isso só vai aprofundar a crise em que estamos, obrigando-nos a desperdiçar nossas forças em vão, e aumentar a dor e o sofrimento.

Então o que podemos fazer? Um homem sábio tenta identificar todo o processo com antecedência, do início ao fim, em relação a uma determinada meta. Se fizermos isso, vamos certamente evitar a dor e seguir o caminho que ainda vai nos levar ao mesmo resultado.

Por outro lado, enquanto continuarmos adiando a única correção possível, as fases desagradáveis ​​somente serão esticadas e prolongadas. Se nós continuamos a avançar ao longo do plano egoísta corpóreo, nós elevamos o nosso ego cada vez e superamos os maus estados que são revelados. Nosso ego continua a crescer e nós inventamos novas inovações cada vez mais sofisticadas em tecnologia, meios de comunicação ou legislação.

Em vez de um rei, nós temos um parlamento; nós poupamos dinheiro em contas bancárias e damos prioridade a empresas privadas. Por que isso acontece? A fim de dar às pessoas diferentes oportunidades para satisfazer o desejo egoísta e, assim, continuar avançando. Nós estamos em movimento perpétuo, e em cada nível nós descobrimos sua inutilidade, no momento em que não podemos satisfazer as demandas de nosso desejo em desenvolvimento por nós mesmos e ele nos obriga a continuar a desenvolver.

Hoje, o desejo atingiu certo nível de saciedade e agora nós podemos decidir o que fazer com ele. Não importa com que meios nós tentemos, nada é bem sucedido. A matéria, o desejo de receber, que tem sido a base para o desenvolvimento da sociedade humana por milhares de anos, não é mais frutífero. A competição já não consegue ser o motor do progresso.

Nós estamos em busca de novos rumos, tentando entender o que mais podemos fazer. Mas não encontramos nada. Não há mais oportunidades na indústria, comércio ou ciência. Nós nos satisfazemos e ficamos exauridos.

Claro, nós preferimos acreditar que este é um beco sem saída temporário antes de um novo avanço, mas há um problema fundamental aqui: nós desenvolvemos a sociedade só para usar o poder do nosso ego. Hoje, o ego não funciona mais.

Portanto, não devemos continuar o nosso progresso nas direções que temos desenvolvido até agora. A força egoísta, a base do nosso progresso, se esgotou. Já podemos ver que ela começou a consumir a si mesma.

No passado, uma pessoa queria ter uma família, educar seus filhos, construir uma casa, e ficar rica. Apenas uma ou duas décadas atrás, essas metas e demandas eram claramente compreendidas. Mas hoje, muitas pessoas não são atraídas a isso. Os antigos valores de repente desapareceram. Por isso, é melhor sentar e fumar um baseado, que se tornou praticamente legal, e pronto.

A humanidade perdeu a posse e o pilar de sustentação do ego, que tem sido o nosso motor do progresso ao longo da história. Embora os governos e os meios de comunicação ainda consigam confundir a realidade, não há realmente nenhum outro lugar para podermos avançar.

Se continuarmos a agarrar o pico, afundando-nos cada vez mais na piscina das oportunidades decrescentes, os problemas só vão aumentar. Quanto mais nós continuarmos a avançar por este caminho, mais rápido será o nosso desenvolvimento negativo. O uso errado e excessivo do ego nos dias de hoje acabará por nos mostrar que ele não funciona mais. A inutilidade do amor próprio está agora se tornando evidente.

Nós já vemos mutações comportamentais nas relações entre pessoas e países. Muitos sequer querem pensar racionalmente sobre se isso é bom ou ruim para si, mas simplesmente agem por impulso e preferem não pensar nos resultados. Assim, o comportamento egoísta comum está mudando gradualmente.

Esta é uma fase muito perigosa, pois pode levar a uma explosão em qualquer direção possível. Portanto, a sabedoria da Cabalá está sendo revelada, e, embora ela seja aparentemente uma coisa artificial, não natural para nós, é realmente a coisa certa e natural.

Se nós já esgotamos o nosso impulso humano egoísta para avançar e desenvolver, então só há uma coisa a fazer: subir ao próximo nível que está acima do amor próprio. Há outra força no mundo além da força de recepção: a força de doação. Então, por que não podemos estabelecer uma nova humanidade com base nesse atributo? Por que não podemos estabelecer as nossas relações sobre ele? Vamos usar a segunda força na natureza. Não podemos continuar a ignorar a doação. Ela tem estado sempre a nossa disposição, mas nós não sentimos necessidade dela porque o ego nos empurrou para frente e considerou a força de doação como redundante.

A força de recepção queimava em nós cada vez mais e nós sequer pensávamos que a doação nos oferece maiores oportunidades para avançar. É porque com a ajuda da doação nós usamos os vasos externos do ambiente, que são os desejos, as realizações, as conexões e a grande mente, a grande força que está fora. Nós nunca pensávamos que poderíamos nos desenvolver ao longo do caminho positivo, com a ajuda da força de doação.

Doação é baseada no benefício mútuo. Ela abre perspectivas infinitas, porque a humanidade pode finalmente unir forças em vez de perde-las em lutas internas, porque, na verdade, é a separação que nos enfraquece. É como um casal rico que se divorcia e seus advogados ficam com todo o seu dinheiro. No final, os dois lados ficam sem nada comparado ao que tinham antes.

Em geral, a concorrência e a ambição nos ajudam a avançar somente se não competimos diretamente entre nós com base no ódio mútuo, mas, em vez disso, fazemos isso no nível conceitual, para o bem da humanidade. Hoje, a competição entre nós é sobre quem é melhor e cuja mercadoria é melhor. Neste tipo de luta cada um quer acabar com a concorrência, que é um estado destrutivo e não construtivo. Em tais casos, não é o bem estar geral que ganha e, portanto, isso é prejudicial para todos nós.

Nós começamos agora um período de competição destrutiva. Como resultado, o ego começa a se consumir e se torna uma doença que destrói as pessoas. No passado, o ego era a força em desenvolvimento, mas agora se tornou uma força destrutiva.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 26/10/14, Escritos do Baal HaSulam

Com Respeito Ao Terror, Elevação De Preços E Unificação Da Sociedade, Parte 4

Dr. Michael LaitmanPergunta: Se queremos baixar os preços, por que os consumidores simplesmente não boicotam os alimentos caros? Por que passar por um percurso tão longo e tortuoso através da unificação da sociedade? Milhares de anos passarão até que mereçamos que os capitalistas se envergonhem por causa da influência da atmosfera geral e concordância da sociedade para estabelecer uma maior igualdade.

Resposta: Eu vou sair de acordo com a sabedoria da Cabalá, que explica que o mundo deve avançar em direção à unidade e conexão. E para empurrar o mundo à unificação, os preços os alimentos essenciais para a vida estão subindo em Israel.

Portanto, nós somos forçados a agir por causa do preço elevado do iogurte para as crianças, mas, basicamente, este iogurte é apenas um pretexto para nos empurrar à unidade e conexão entre nós. É assim que funciona a lei geral de toda a criação.

Há uma velha piada sobre como um judeu imigrou para Israel da União Soviética e levou um retrato de Lenin num pesado quadro ouro pela alfândega. O funcionário da alfândega lhe disse que era proibido levar o ouro para fora do país. Mas o judeu respondeu: “Bem, eu estou levando o retrato de Lenin comigo!” E eles o deixaram passar. Quando chegou a Israel, eles lhe perguntaram: “Para que você trouxe o retrato de Lenin?” Então, ele respondeu: “Eu trouxe o ouro”. Isto é, tudo depende do ângulo a partir do qual nós estamos olhando as coisas.

Pergunta: Três anos atrás, houve uma campanha de protesto social para reduzir os preços e um amplo consenso social foi alcançado. Por que isso não foi eficaz?

Resposta: Este consenso social não foi baseado na conexão. Conexão e unidade são as principais coisas que a natureza está exigindo de nós. Só a falta de unidade causa todos os nossos problemas, incluindo o custo de vida, a intifada, doença, divórcio, conflitos com os filhos e os problemas na educação.

Hoje, tornou-se claro que a razão para todos os problemas humanos é a falta de unidade e conexão na sociedade, ou seja, uma boa conexão e unidade, não numa base fascista, mas numa base comunista.

Vocês querem reduzir o custo de vida? Eu tenho um plano para isso: a unidade. Se nos unirmos, os preços vão baixar.

Pergunta: Eu não acredito nisso! Já tentei fazer isso, há três anos. Por que isso não funcionou?

Resposta: Não havia unidade real. Unidade não significa reunir uma multidão com milhares de pessoas, que vão para a praça pública e gritam. Uma unidade como essa é criada para a destruição, não por uma questão de unidade e amor. Isso também cria uma força negativa em vez de uma força positiva. Nós queríamos quebrar os capitalistas, fazer uma revolução, causar um incêndio na nação, mas este não é o método adequado.

A natureza, de acordo com a sua tendência, é atraída à conexão. Nós vemos que o mundo se tornou global, unido no comércio e nas relações internacionais. No momento em que essa conexão é destruída, conflitos e guerras aparecem imediatamente. Em outras palavras, a natureza nos coloca diante da necessidade de unir, e, em particular, antes da unidade e conexão correta.

A tecnologia e as técnicas modernas trabalham em prol da conexão e é apenas a sociedade humana que age no sentido oposto e anseia por uma separação cada vez maior. Cada um está preocupado apenas consigo mesmo e todos os outros não lhe interessam. Tudo deve queimar, já que a principal coisa para ele é que as coisas sejam boas para si mesmo.

A inteligência humana não se desenvolveu em paralelo com a natureza.  A natureza que nos rodeia, o mundo inanimado, vegetal e animal, é mais desenvolvida em relação a integralidade geral e a conexão do que a sociedade humana que vive dentro dessa esfera.

As pessoas não estão em harmonia com a natureza. Por isso separação, conflito e raiva habitam entre nós. É assim que a sociedade humana existe, e, de tal forma, nada nos espera além da destruição total. A única coisa que pode salvar tanto o povo judeu e toda a humanidade em geral é a conexão correta e a cooperação mútua. Só com isso nós podemos corrigir a situação.

Houve um tempo em que isso não acontecia conosco, mas isso é porque nós não ansiávamos por unidade e conexão. Nós saíamos juntos contra alguém, mas não em prol da unidade que temos que alcançar de acordo com o programa da natureza.

A sociedade humana parece ser um tumor cancerígeno no corpo do resto da natureza. É completamente mutilada, como uma podridão, desintegrando o corpo. E é isso que temos de trazer à unidade para que tudo funcione maravilhosamente.

O problema está especificamente nisso, enquanto o preço inflacionado de iogurte é apenas o resultado. Se quisermos que este resultado desapareça e o preço do iogurte seja alguns centavos em vez de alguns dólares, isso é absolutamente possível, e nós só precisamos alcançar a unidade para que isso aconteça. A natureza exige só uma coisa de nós.

Agora, junto com este iogurte, a saúde, a separação na família, a educação dos filhos e a habitação são problemas em Israel e são piores aqui do que em qualquer outro lugar no mundo. Isto porque este é o lugar central onde o equilíbrio deve ser restaurado pela primeira vez.

E o mundo inteiro, que está sofrendo de desequilíbrio, nos culpa por não termos estabilizado o equilíbrio. Eles não podem expressar isso claramente, então simplesmente culpam os judeus por todos os seus problemas.

Assim, a unidade e a conexão dentro da sociedade são os únicos métodos para resolver todos os nossos problemas. E isso não afeta apenas o preço do iogurte, mas tudo em geral, incluindo tufões, tsunamis, a intifada e desastres sociais e naturais. Tudo depende apenas do equilíbrio, e, em particular, do equilíbrio em Israel.

Para cada pessoa, é possível alcançar a boa vida em todo o mundo apenas através da conexão e unidade do povo de Israel. Nós somos instruídos a realizar a grande operação, que determina o destino do mundo. Nós começamos com o preço do iogurte e vamos terminar ao levar o mundo inteiro ao equilíbrio.

De uma Conversa 13/04/14

Usar O Dinheiro Para O Bem Da Sociedade

Dr. Michael LaitmanComentário: Hoje em dia, a maioria das pessoas está em uma situação muito difícil, e a principal preocupação de cada pessoa é o seu sustento. Infelizmente, nem todo mundo tem renda suficiente para atender até mesmo suas necessidades básicas. O assunto do dinheiro desperta muitos medos e outros sentimentos associados com a incapacidade de ganhar.

Resposta: É verdade, mas é necessário compreender que tudo depende de valores existentes. Se dissermos que a humanidade está começando a mudar sua percepção hoje, este é apenas o primeiro estágio que expõe a incapacidade de uma pessoa de satisfazer-se de acordo com os valores anteriores. Estes valores foram criados por pessoas que queriam obter dinheiro e poder no mundo em detrimento de outros, porque o mundo era dominado pelo dinheiro.

Na verdade, o mundo é dominado por algumas dezenas de famílias que ao longo de centenas de anos acumularam poder que as possibilitou controlar o mundo. E todos os governos com que estamos familiarizados são sujeitos a elas.

Estas famílias determinam quais necessidades devem existir entre a população mundial e de que forma. Esses valores são projetados para provocar as pessoas a trabalhar e prover aqueles no controle com mais poder e lucro.

Nós vemos que nos encontramos num estado em que estas regras não valem nada. Se a humanidade descobre que não pode continuar a se desenvolver como anteriormente, esta situação chama-se reconhecimento do mal.

Hoje uma pessoa tornou-se aparentemente mais livre. Por um lado, ela não pertence ao seu dono, mas por outro lado, desejos que se desenvolveram nela a mantém em cativeiro. A ideia é que os desejos de uma pessoa não se desenvolvem no início da vida em direção a algo mais elevado: eu tenho uma carroça, agora quero um carro; eu tenho um carro pequeno, mas agora quero um grandão; eu tenho um carro grande e quero um avião.

Nossos desejos estão se desenvolvendo não apenas quantitativamente mas também qualitativamente. Um carro ou um avião, em vez de uma carroça, não cria algo diferente em princípio. Em vez disso, o desejo anterior foi simplesmente satisfeito e novas necessidades estão sendo sentidas.

Em última análise, nós nos encontramos em uma situação tensa e limitada em muitos aspectos. Em primeiro lugar, dentro da estrutura atual da sociedade, eu não estou preparado para suprir-me com as necessidades para a existência. Em segundo lugar, eu não posso me desenvolver como me desenvolvi no passado. Em terceiro lugar, eu vejo o fim deste desenvolvimento por parte da natureza. Em quarto lugar, sinto que não estou satisfazendo meus novos desejos e necessidades que de repente cresceram em mim porque não pertencem ao nível no qual fiquei decepcionado.

Historicamente, nosso desenvolvimento sempre mudou naturalmente para uma nova fase sob a pressão das circunstâncias. Mas esta forma de desenvolvimento é muito longa e difícil e é acompanhada pelas catástrofes que acontecem regularmente, e nós vemos que esses desastres estão aumentando.

Nós estamos falando de mudanças climáticas na direção do aquecimento ou resfriamento global e são fenômenos com os quais não podemos lidar. A humanidade pode realmente estar numa situação onde apenas um pequeno grupo de pessoas vai chegar à nova fase de desenvolvimento, no melhor dos casos 1 bilhão pessoas, ou até menos.

Não é melhor aprender com o passado, como afirmado no Talmude Babilônico, Tamid 32a: uma pessoa sábia vê o resultado e começar a se desenvolver somente através de novos métodos? Esta é a pergunta. Segue-se que tudo depende de explicar a situação em que estamos para que a humanidade entenda suas causas e em que direção devemos avançar.

Até agora, a humanidade desenvolveu um sistema educativo que é composto por escolas, creches, faculdades e universidades. Não há nenhum lugar onde as pessoas não recebem educação. E mesmo que um terço da população não saiba ler ou escrever, é possível apresentar uma explicação sobre o método de Educação Integral para a maioria da população, e isto será suficiente. Todo mundo vai apenas se juntar, quase inconscientemente, da mesa forma que elas agora vivem.

Para todas aquelas pessoas que podem ser alcançadas, é necessário dar uma explicação e trazê-las a um entendimento de que a solução para o problema está na mudança da pessoa. Mas isto requer esforço e trabalho de sua parte, e uma pessoa deve trabalhar nisso. E o trabalho necessário para assegurar um nível de vida racional não vai levar mais de duas horas por dia.

Todo o resto do tempo a pessoa vai trabalhar para garantir a cobertura “monetária” para si, para a satisfação das novas necessidades que a sociedade cria nela. E para estas necessidades, não existem limites, uma vez que podemos criá-las através de conexões sociais e da participação da pessoa na sociedade.

De KabTV “Uma Nova Vida” 30/08/12

Uma Nova Maneira De Pensar No Dinheiro

Dr. Michael LaitmanPergunta: Como disse Einstein, não podemos resolver os nossos problemas no mesmo plano que os criamos. Que tipo de pensamento novo nós devemos desenvolver em relação ao dinheiro?

Resposta: No passado, as pessoas dependiam de dinheiro muito mais do que hoje. Não havia segurança social, nem saúde ou fundos de aposentadoria, nem qualquer tipo de assistência social para as famílias monoparentais ou pessoas que vivem abaixo do nível de pobreza, etc. Em todos esses casos, as pessoas tinham que ter dinheiro para se manter.

Se, de repente, nós tivéssemos que reembolsar esses montantes que foram subtraídos para a manutenção de escolas, creches e hospitais do salário de uma pessoa, o seu salário iria crescer em um terço. Mas ela certamente não iria ficar com esse dinheiro para tempos difíceis. Ele iria desperdiçá-lo, e se algo lhe acontecesse, ela seria responsabilidade da sociedade.

Nós vemos que o nosso desenvolvimento nos obriga a avançar nessa direção onde o dinheiro, ou seja, a cobertura de todos os tipos de despesas, vai passar cada vez mais pelas mãos da sociedade. Certamente, ele deve ser utilizado corretamente e não para jogos políticos.

Se nós vemos que as pessoas estão preocupadas que o seu salário não é suficiente para manter a sua casa, para pagar os serviços e alimentos, pode ser que nós precisemos avançar nessa direção.

Por exemplo, é necessário fazer uma contabilidade geral para os habitantes de uma cidade a respeito de quanto é necessário para pagar a água, gás e eletricidade para todos. O problema é que nós teremos que educar as pessoas a se planejarem economicamente para cada necessidade, uma vez que sem educação pode haver muito mais despesas do que hoje.

Mas em relação à cesta de produtos básicos, é possível fazer isso. Ao alocar uma determinada quantia do salário de todos, nós podemos fornecer cupons a todos, que eles poderão usar numa loja para conseguir o que precisam de mantimentos para um mês. Nós podemos até mesmo organizar uma entrega semanal.

Além disso, eu também gostaria de sugerir a criação de instalações de armazenamento de várias coisas. Em vez das pessoas manterem as coisas em seu sótão e jogá-las fora depois, vale a pena dar-lhes para uso geral de outros. Quando você precisasse de alguma coisa, você viria e levaria, se não seu, então bens que pertenciam à outra pessoa. Trata-se de vestuário, brinquedos para crianças, e outras coisas, até mesmo utensílios de cozinha.

Desta forma, nós poderíamos utilizar não só utensílios domésticos, mas também nossos serviços profissionais. Por exemplo, nós poderíamos organizar vários sistemas de oferta de serviços mútuos que não podemos pagar por nós mesmos. Uma vez por semana, todos os profissionais trabalhariam voluntariamente por um número de horas e todos estariam cientes disso. Nós não precisaríamos pagar por estes serviços com dinheiro, embora fosse possível. Segue-se que iríamos receber uma adição significativa ao nosso salário.

Comentário: Enquanto isso, nós acreditamos que o dinheiro nos dá independência e não queremos depender tanto um do outro.

Resposta: A economia doméstica demonstra realisticamente a quantidade de água, eletricidade, gás e combustível que eu preciso, o quanto posso alocar para reformas, o quanto vai ser deixado para alimentação, vestuário, etc. Se anotarmos todos esses itens, a pessoa vai ser convencida de que permanecerá sempre em déficit (menos). Isso é o que se chama viver com dinheiro? Ela simplesmente tem imagens em suas mãos com as quais as crianças brincam. Se nós explicarmos tudo isso logicamente, as pessoas simplesmente vão se afastar de uma independência como essa.

De KabTV “Uma Nova Vida” 02/09/14

Transição Para Uma Ordem Mundial Altruísta

Dr. Michael LaitmanPergunta: Como você vê a transição para uma nova ordem mundial altruísta?

Resposta: Por si só, o mundo não pode facilmente chegar a um estado em que começa a reduzir a produção de commodities, consumo e serviços a limites razoáveis, pois a economia simplesmente morreria. As pessoas não saberiam o que fazer e se rebelariam.

Assim, o capitalismo terá que manter artificialmente o emprego das pessoas e encontrar algo para mantê-las ocupadas. Apesar de tudo, isso seria um grande problema. Haveria rebeliões, manifestações, guerras civis, inclusive guerras mundiais, até que a humanidade chegasse à decisão de que deve ser educada novamente para alcançar uma nova ordem mundial em que fabrique apenas o que é necessário, e as pessoas que são liberadas do trabalho estivessem envolvidas na educação integral. Ou, é possível dizer desta forma: todo o resto estará envolvido com o trabalho espiritual de acordo com a regra geral, “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

A sabedoria da Cabalá não recomenda esperar até que o sofrimento obrigue a pessoa a pensar e chegar ao entendimento de que precisa de uma nova educação e fazer algo sobre si mesma. A sabedoria da Cabalá oferece uma maneira científica para chegar agora a este estado, o que significa compreender que o futuro da humanidade está apenas no consumo moderado e racional de tudo o que uma pessoa precisa para uma existência normal.

O resto de seus recursos e possibilidades devem ser direcionados para a criação de uma única sociedade onde o Criador será revelado, porque, desde o início, ela existe neste mundo apenas para esse fim.

Nós temos que ser capazes de mostrar e dizer a todos que não há nenhuma outra maneira e isto é o que a sabedoria da Cabalá oferece. Nós estamos agora diante de dois caminhos: o caminho natural, na forma de “em seu tempo”, que é a forma de golpes terríveis até que nos tornemos mais inteligentes, ou ir no caminho certo e inteligente, consciente, que é o que a sabedoria da Cabalá oferece. Com isso, nós mesmos nos reeducamos não pela força, mas ao começar a mudar o mundo, ou seja, ao reduzir progressivamente o seu consumo e produção em conformidade e ao providenciar uma distribuição igualitária para todos em conformidade, e assim por diante.

Não há nenhum caminho egoísta suave em direção a este estado, uma vez que o caminho egoísta é dirigido à produção excessiva. Desta forma, ele contradiz o nosso apelo para fornecer quantidades racionais de alimentos, produtos e serviços.

O Último Estágio Da Evolução Corpórea

Dr. Michael LaitmanPergunta: Será que nós podemos dizer que o nosso progresso espiritual é paralelo à evolução do mundo?

Resposta: Não. O mundo corpóreo já evoluiu para sua fase final. Nós, por outro lado, estamos no nível humano e podemos continuar a nossa evolução num nível espiritual mais elevado.

Isso significa que a natureza inanimada, vegetal e animal, e o homem em sua natureza animal, esgotaram todas as opções de sua evolução. Portanto, o mundo não sabe como prosseguir. A pessoa não tem forças ou atributos corretos para mudar algo. A civilização chegou a um beco sem saída no curso de sua evolução e agora se depara com uma crise general em todos os aspectos da vida.

Ninguém sabe como acabar com a situação em que nos encontramos. Certamente, há espertinhos na sociedade que tentam chegar a soluções e, assim, antecipadamente, se tornam mais proeminentes e lucram com a situação atual, mas suas sugestões muito em breve se revelam inúteis e são como a contratação de um “faquir por hora”, e nada mais que isso.

Não importa o que os filósofos, economistas, políticos ou sociólogos dizem; eles não podem oferecer nada construtivo e positivo. Apesar de verem as coisas corretamente e compreenderem até certo ponto o que está acontecendo na sociedade, suas sugestões acabam sendo totalmente absurdas quando postas à prova. É simplesmente o seu ego que quer dizer que tem alguma ideia ou uma solução ou, pelo menos, uma forma de evitar fim que se aproxima.

Nós estamos num estado muito desagradável. As pessoas foram anestesiadas e, assim, continuam a viver com suas pequenas alegrias e tristezas, cambaleando através da sua existência temporária enquanto as coisas não ficam piores.

Pela primeira vez na história, a humanidade está num estado de apatia total.

Nós já tentamos de tudo: feudalismo, capitalismo, socialismo e comunismo e, agora, há certa inclinação a voltar ao sistema feudal, com países divididos em pequenas partes. É a mesma ideia do feudalismo. Duzentos anos atrás, a Alemanha era composta por dezenas de pequenos principados, e agora está pronta para se dividir novamente. Recentemente, houve uma sondagem em Veneza sobre a separação da Itália.

Eles acreditam que há algo lógico no rompimento: “Se eu me separar de você e você se separar de mim, nós nos tornamos unidades administrativas independentes e uma vez que estaremos por nossa conta, será mais fácil gerir a vida dentro de nossas fronteiras”. O ego não conquista grande áreas, por isso domina pequenas repúblicas que se separaram.

Em geral, elas são muito nacionalistas e até estão dispostas ao sacrifício, enquanto podem ser independentes. Os catalães, por exemplo, não suportam os espanhóis, os corsos não suportam os franceses e os escoceses não suportam os britânicos.

Este é um sinal de que não estamos prontos para a unidade e estamos tentando evitá-la de qualquer maneira possível, embora a natureza nos obrigue a unir. Se nós estivéssemos prontos para unir, de acordo com os nossos parâmetros, sentimentos e desejos, não haveria problemas.

Quando os europeus decidiram criar a União Europeia, eles não entenderam que tinham que anular, não só as fronteiras, mas também em relação ao desequilíbrio entre os países. Eles poderiam ter feito tudo isso, mas seus egos não permitiram que eles fizessem isso. Isso permaneceu sem correção e tantas nações agora querem voltar a algo mais tangível e pequeno e ao sentimento de que “isso é meu”.

Cada um dos sete bilhões de habitantes neste planeta está isolado em seu canto. Mais e mais pessoas se comunicam entre si apenas por meio da Internet. Apenas o método da educação integral fornece uma saída deste beco sem saída.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 26/03/14

O Meio De Vida Correto

laitman_626Pergunta: Qual é o “meio de vida correto” de acordo com a sabedoria da Cabalá?

Resposta: O meio de vida adequado (negócios) é a fabricação e produção dos meios de produção e consumo em quantidade necessária para fornecer a todos os membros da sociedade um nível de vida racional normal e não mais do que isso.

Por exemplo, cada animal necessita somente o alimento que é útil e adequado para o seu funcionamento fisiológico. Uma vaca nunca bebe champanhe, e um cavalo nunca vai comer hambúrgueres. Ele precisa de aveia e a vaca precisa de grama.

Da mesma forma, uma comida saudável normal é necessária para uma pessoa que não exceda um determinado nível de necessidade. Com isso ela vai satisfazer o seu corpo e todo o resto de suas necessidades será satisfeito apenas elevando-se ao próximo nível espiritual.

Pergunta: O que seria um lucro normal nos negócios?

Resposta: Um negócio deve ser construído apenas para dar à pessoa uma satisfação normal para sua vida, não lucro.

Junto com isto, nós faremos entre nós um grande trabalho ao satisfazer mutuamente as maiores necessidades. Mas trabalhar assim já é estar incluído em nossa ascensão espiritual e será avaliado como trabalho espiritual.

Ou toda a humanidade gradualmente começará a ser incluída dentro dele ao devotar uma ou duas horas por dia, ou grupos específicos de pessoas trabalharão em turnos, vários milhões hoje, vários milhões de amanhã, e assim por diante.

Isto significa que trabalhar pelo negócio em si vai recuar rapidamente ao passado. Círculos de negócios agora pensam apenas em como trocar algumas notas de dinheiro por outras para retornar o mundo ao verdadeiro valor do dinheiro. Mas, de qualquer forma, seu valor se foi e é impossível mudar algo aqui.

O mundo integral deve ser como uma família, e numa família tudo é dividido de acordo com o que cada um precisa.

De KabTV “Contos” 23/10/14

Negócio É Um Produto Do Egoísmo

laitman_547_06Pergunta: Como a Cabalá se relaciona com os negócios?

Resposta: O negócio é um produto do egoísmo. Se as pessoas tivessem se envolvido adequadamente no desenvolvimento de sua infraestrutura terrestre, teriam criado uma civilização onde tudo existe em pé de igualdade, teriam servido uma à outra, juntas cuidariam de seus filhos, netos, e delas próprias.

Tudo isso exigiria uma quantidade mínima de esforço e tempo. As pessoas não gastariam muito esforço em si mesmas, mas valorizariam a terra, a natureza e o ambiente.

O egoísmo faz a pessoa ir mais longe, ganhar cada vez mais à custa dos outros, e sobre esta base surgiram os negócios. O negócio é o uso dos outros para beneficiar a si mesmo. Além disso, tudo é legal e a punição pode ser evitada. Em princípio, tal subordinação de uma pessoa a outra pessoa é o mesmo que a escravidão, só que mais sutil, civilizada e mansa.

A Cabalá afirma que este é um fenômeno temporário, devido à implantação pela natureza de seu próprio programa. Assim que atingirmos o nível de autoconsciência, como pessoas existindo integralmente que dependem umas das outras, então todas as nossas interações e comunicações políticas, econômicas, financeiras, de comércio, etc. vão começar a ruir. Nós não seremos capazes de controlar e gerenciá-las.

O mundo chegará a tal estado, onde os meios de produção e as finanças não desempenharão qualquer papel, porque, por um lado, eles vão ser suprimidos pelo fator humano e, por outro lado, haverá uma nova tecnologia que vai tornar tudo tão acessível e barato, que vai levar a uma desvalorização de qualquer outro meio.

Os negócios hoje dependem de guerras, da exploração de pessoas, de manter as pessoas doentes para a prosperidade da indústria farmacêutica, etc. No entanto, tudo chega ao fim, visto que tudo gradualmente definha.

Como resultado, a pessoa que experimenta frustração e depressão irá atingir o desejo de destruir o mundo. Isso já começou com o fundamentalismo islâmico.

Portanto, de qualquer forma, tudo vai renascer, seja num mau caminho (e já estamos testemunhando isso), ou, no bom caminho, dependendo do quanto de nós conseguimos explicar à humanidade que existe outro bom caminho.

De KabTV “Contos” Parte 2, 23/10/14

O Amor Real E Não Hipnose

Dr. Michael LaitmanPergunta: Como um sistema integral me ajudará a lidar com o medo? Agora eu só sei que não tenho dinheiro na minha carteira.

Resposta: Em primeiro lugar, é importante estabelecer uma relação adequada com os membros da família, e depois com o ambiente. Uma pessoa depende do ambiente. Tudo o que está em seu apartamento foi obtido através da sociedade.

Cada indivíduo é dependente da sociedade e não pode se desconectar dela. Portanto, vamos ver como podemos nos amarrar à sociedade, para que todos se sintam confortáveis e, ao mesmo tempo, responsáveis. Então, haverá mais confiança.

Nós temos que introduzir a questão da reciprocidade entre o dinheiro e o egoísmo, e a condição de ser atencioso para com os outros. Caso contrário, comeremos uns aos outros, como um câncer come um corpo inteiro.

Tudo isso tem que ser explicado aos poucos, atraindo a evidência de estudiosos e da mídia para que a pessoa aprenda em sua totalidade. Nós estamos falando de sentimentos, aqueles que nos consomem e são impossíveis de neutralizar com dinheiro: medo, preocupação, incerteza.

Pergunta: Por que a sociedade me dá, como pessoa, o calor e a confiança, que eu mesmo não posso alcançar?

Resposta: Confiança, carinho, amor e uma sensação agradável são recebidos de fora e dependem inteiramente do ambiente, e nunca da própria pessoa ou de seus sentimentos internos. Nós podemos influenciar você para poder levá-lo por todos os sentidos, de um extremo ao outro. Nós vamos atender a todos os seus desejos materiais corporais com a cesta ideal de consumo e todas as suas aspirações humanas acima desta cesta. O que mais?

Uma pessoa deve ser capaz de se manter em equilíbrio interno, em harmonia interna, e se sentir bem. Ela pode ser completamente saudável? Sim, e é devido às vibrações positivas que emanam da sociedade. E este é o estado real, não uma ilusão ou hipnose.

De KabTV “Uma Nova Vida” 03/09/14