Textos na Categoria 'Economia'

“Qual É A Lição Espiritual Do Coronavírus?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É A Lição Espiritual Do Coronavírus?

A lição espiritual do coronavírus é que, para viver uma vida ideal, precisamos desenvolver diferentes tipos de relacionamentos, baseados no reconhecimento de nossa estreita interdependência.

Foto acima de Priscilla Du Preez no Unsplash

Quando percebemos o quanto dependemos um do outro, também percebemos que nossa felicidade, saúde e bem-estar dependem de alimentar nossos relacionamentos com apoio, incentivo e cuidado, e quaisquer problemas em nossas vidas resultam da falta de relações positivas.

Além disso, o coronavírus iluminou a ideia do que é essencial e não essencial em nossas vidas e, portanto, podemos procurar como prover a nós mesmos – toda a sociedade humana – o essencial da vida, e investir nosso tempo livre em aprender sobre o que é mais importante na vida e desenvolver conexões positivas um com o outro.

Ao fazer isso, nos aproximaríamos do equilíbrio com a natureza e receberíamos um feedback positivo da natureza, o que incluiria o alívio de futuras pandemias e outros problemas.

“Quem Tem Medo Do Alto Desemprego?” (Medium)

O Medium publicou meu novo artigo: “Quem Tem Medo Do Alto Desemprego?

Não estamos voltando aos negócios como de costume. A poluição do ar da China está de volta, já que as fábricas estão a todo vapor novamente, mas os compradores não retornam aos dias anteriores à COVID. Falências e impostos mais altos estão reservados para a América, diz Larry Fink, da BlackRock, o maior gerente de ativos do mundo; é provável que a Europa aumente impostos para cobrir suas “subvenções para recuperação pós-COVID”, segundo a Reuters, e o mercado global de luxo está “caminhando para uma queda de 18%”, escreve o South China Morning Post.

“À medida que as pessoas aprendem sobre a importância da solidariedade, da responsabilidade mútua e de outros ativos sociais, sua autoestima aumenta à medida que se tornam membros ativos que percebem esses valores na prática”.

Portanto, não estamos voltando aos negócios como de costume. Mas não é apenas por causa de impostos e desemprego mais altos. Não estamos voltando à maneira como éramos, porque a maneira como fomos levados para onde estamos – entrando e saindo de lockdowns, ansiosos pelo futuro, inseguros sobre o presente e geralmente perplexos. Muitas pessoas simplesmente não querem voltar às suas vidas anteriores; elas não eram tão boas assim.

Como o desemprego permanecerá alto e muitas pessoas ficarão estressadas por dinheiro, e como os empregados também não voltarão vertiginosamente aos dias anteriores ao vírus, muitas empresas não sobreviverão. E se ainda tivermos dinheiro extra, os impostos e as falências crescentes sufocarão o pouco que nos resta para sair ou fazer compras.

A Luz no Fim do Túnel

Apesar de tudo o que acabei de escrever, estou muito feliz com o local em que estamos agora, embora desejasse que chegássemos aqui de uma maneira mais fácil. Seja como for, finalmente chegamos ao estado inevitável em que as autoridades devem resolver o problema. Benefícios de desemprego e vale-refeição não resolverão nada. Dezenas de milhões de pessoas estão permanentemente fora do mercado de trabalho, e a previsão é que os números só aumentem.

Isso exige uma revisão, um repensar completo da estrutura da sociedade. A única maneira de evitar um colapso social total, erupção de distúrbios violentos, instalação da lei marcial e quem sabe outras catástrofes, é fazer duas coisas simples:

  1. Fornecer a todas as pessoas o direito a benefícios governamentais com uma bolsa de estudos que substituirá todos os outros benefícios. A bolsa de estudos será suficiente para permitir uma vida respeitável – embora não pródiga. Alimentos, roupas, moradia, assistência médica, educação e algumas atividades de lazer e férias devem ser dados a todos. Essas são necessidades humanas básicas, não luxos.
  2. Em troca da bolsa, cada pessoa participará de cursos que fornecerão informações sobre o mundo em que vivemos, tanto em termos de governança, finanças básicas e outras habilidades para a vida, quanto informações mais inclusivas sobre a situação do mundo hoje após a crise do coronavírus.

O objetivo dos estudos não é meramente educar as pessoas, embora isso também seja importante. O objetivo é ajudá-las a se conectarem social e emocionalmente entre si, com suas famílias, sua cidade e seu país. As pessoas que sentem que estão onde pertencem não saem e destroem suas próprias cidades ou países, especialmente se suas finanças pessoais estiverem garantidas.

Com o tempo, os graduados do programa se tornarão professores, à medida que mais e mais pessoas se encontrarem permanentemente sem trabalho. Mas, diferentemente de hoje, onde os desempregados geralmente se sentem degradados e perdem a autoestima, a contribuição social do programa de estudos será tão substancial que as pessoas terão prazer em entrar a bordo.

À medida que as pessoas aprendem sobre a importância da solidariedade, da responsabilidade mútua e de outros ativos sociais, sua autoestima aumenta à medida que se tornam membros ativos que percebem esses valores na prática. Assim como hoje oferecemos serviços sociais e o consideramos importante, as pessoas envolvidas nesses estudos se tornarão tão conectadas, tão atenciosas, que mudarão toda a atmosfera em seus bairros e comunidades. Sua imensa contribuição para a coesão da sociedade será tão substancial que se tornarão os pilares da sociedade, a base para a construção de comunidades sustentáveis ​​e felizes.

Se esse futuro brilhante parece obscuro para nós, é porque ainda não compreendemos completamente a profundidade da transformação que a COVID-19 fez em todos nós. Ela nos mudou para sempre. Quando sairmos do outro lado da praga, seremos gratos por ela, e talvez lamentemos apenas o fato de precisarmos de uma pandemia para nos mostrar o óbvio.

Agitação No Sistema Econômico

laitman_220Comentário: Você fala sobre uma revolução espiritual. Mas não se pode negar que, ao mesmo tempo, haja uma revolução maciça no sistema econômico de todos os países.

Resposta: Claro! Eu falo muito sobre isso. A economia é impossível sem ideologia e a ideologia sem a economia. Nós não somos sonhadores.

Naturalmente, todo o sistema da estrutura humana neste mundo mudará. Profissões desnecessárias que especialmente inventamos para ganhar usando os outros e a natureza murcharão. Somente o essencial para a nossa existência permanecerá. É claro que não voltaremos às cavernas. Mas apenas o estritamente necessário para uma vida correta, saudável e normal permanecerá e não mais.

Começaremos a entender onde devemos fazer nossos esforços e onde não devemos. Teremos muito tempo livre e as pessoas começarão a se envolver em seu desenvolvimento, entendendo a natureza.

Isto foi afirmado na Cabalá e programado há 5.000 anos. Portanto, não temos nada a temer sobre o que acontecerá. É só que você não precisa fazer coisas desnecessárias, queimar combustível em vão, jogar materiais combustíveis na atmosfera e assim por diante – isso é apenas em detrimento do meio ambiente, em nosso detrimento e não é bom para ninguém. Veja como a atmosfera e a água se tornaram mais limpas agora porque involuntariamente paramos de estragar a natureza.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 05/04/20

“A COVID-19 Curará Nossos Corações E Depois Nossos Corpos” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “A COVID-19 Curará Nossos Corações E Depois Nossos Corpos

Um dos fenômenos mais notáveis ​​em torno do coronavírus é característico do nosso tempo: as teorias da conspiração. Existem inúmeras teorias sobre a origem do vírus, a eficácia de vários medicamentos, as estratégias para lidar com ele e praticamente todos os aspectos da guerra contra a COVID-19. Além disso, todos parecem vir de fontes confiáveis. Quanto a mim, duvido que alguém saiba a resposta para qualquer uma das perguntas, incluindo aqueles que têm certeza de que sabem.

Na minha perspectiva, o vírus não é nem o nosso maior problema. Não fosse o vírus, estaríamos sofrendo de outra coisa e as pessoas ainda morreriam em massa. Pior ainda, elas nem lutariam contra o sofrimento ou parariam para pensar na razão; simplesmente aceitariam isso como um ato do destino e perderiam a oportunidade de mudança.

Felizmente, o vírus nos deteve. Ele nos fez questionar nossa civilização.

Felizmente, o vírus nos deteve. Ele nos fez questionar nossa civilização. Tudo foi posto à prova, do suprimento de comida ao trabalho, educação, entretenimento, religião e fé, governos e governança, e relações humanas. Quando emergirmos da crise do coronavírus, devemos abraçar apenas os elementos da civilização que são realmente necessários e realmente melhorar nossas vidas.

Qualquer coisa que não melhore nossas vidas as torna piores e, portanto, deve ser descartada. Se nos examinarmos sincera e ousadamente, sairemos do outro lado do escrutínio como uma humanidade forte e confiante. Se evitarmos a chance de “limpar a bagunça”, uma segunda onda de germes mais severa ocorrerá e ainda seremos forçados a obedecer.

Sob nossos narizes, as regras do jogo mudaram. O capitalismo não está mais funcionando. Não pode funcionar quando todas as pessoas dependem de todas as outras pessoas na aldeia global. A concorrência implacável e a política econômica cachorro-devora-cachorro não funcionam quando uma pessoa doente fecha o mundo inteiro. É necessária uma política diferente, que leve em consideração toda a humanidade, ou o efeito dominó observado na COVID-19 fará com que todo o sistema desapareça.

A regra de ouro de hoje deve ser a unidade. Todo regulamento, diretiva, lei e ato deve começar questionando sua contribuição para a unidade global. Caso contrário, certamente causará mais mal do que bem e deve ser excluído da agenda. Hoje minhas palavras podem parecer fantasia, mas amanhã descobriremos que elas são a única realidade possível.

E o que é verdadeiro para toda a humanidade é verdadeiro para toda a natureza. Assim como lutamos um contra o outro, também lutamos contra a natureza. Tentamos aproveitá-la e explorá-la para nossos propósitos. Nós pisoteamos toda criatura viva e todo pedaço de terra e água. Não deixamos nada limpo ou saudável. É de admirar que, finalmente, a natureza esteja nos enviando doenças? Provavelmente seria mais sensato perguntar por que ela não havia feito isso antes!

No entanto, a natureza não está tentando nos destruir. O coronavírus não é uma ameaça para a existência da humanidade. De qualquer forma, isso tornará a nós e ao nosso ambiente mais saudáveis ​​e limpos. Queremos que a natureza seja gentil conosco, mas a maltratamos e abusamos onde e como pudermos. Podemos esperar que isso não nos ajude?

Para evitar os dolorosos ensinamentos da natureza, precisamos realizar duas coisas: 1)Tudo está conectado a tudo o mais. Tudo o que cada um de nós faz afeta todo o sistema. 2) Para consertar nossas relações com a natureza, precisamos trabalhar com nossa própria natureza. Não podemos ser gentis com todas as árvores e, ao mesmo tempo, com todas as pessoas, mas se formos gentis com todas as pessoas, também seremos gentis com todas as árvores, animais e tudo o que existe.

O coronavírus não vai nos deixar ir, então não pensaremos que podemos sair dele de qualquer maneira além da conexão mútua. É aqui que a nossa existência fácil e agradável é encontrada. Essas conexões positivas são a cura para a COVID-19 e para qualquer outro vírus. Se mudarmos nossos corações um para com o outro, nenhum vírus adoecerá nosso corpo.

“Como A Ameaça Do Coronavírus Terá Um Grande Impacto Na Economia Mundial À Medida Que Se Espalha Pelo Mundo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Como A Ameaça Do Coronavírus Terá Um Grande Impacto Na Economia Mundial À Medida Que Se Espalha Pelo Mundo?

A economia precisa de um grande impacto, porque está falhando em suprir nossas necessidades. Em vez disso, temos atendido às “necessidades” da economia.

A pandemia de coronavírus esclareceu a questão sobre o que é essencial e não essencial na vida.

Diante da crise, os elementos essenciais da vida – comida, moradia, saúde e educação – foram extraídos do beco escuro em que os tínhamos antes que o vírus nos atingisse, enquanto focávamos no crescimento, produção, consumo e superávit ou déficit comercial.

O coronavírus apareceu e nos lembrou o que é essencial na vida.

Durante esse período, temos a chance de revisar o modo de vida de nossas vidas e, no processo, aprimorar nossa economia para torná-la adequada às nossas necessidades.

Foto acima por Daniel Lee no Unsplash

A ironia de nossa era é que a força de trabalho moderna trabalha mais horas do que os escravos no passado.

Hoje, pensamos que temos mais liberdade e segurança do que os escravos do passado, mas o coronavírus destacou que, em um momento, toda a nossa infraestrutura pode ser derrubada.

Um período de distanciamento social e condições de permanência em casa colocam em questão a habitação e até a comida que muitos consideram algo certo.

Os trabalhos de escritório de hoje, que proporcionavam a muitos uma sensação de segurança, mostraram-se insuficientes quando se tratava de fornecer a muitas pessoas a rede de segurança que elas imaginavam.

Enquanto ainda tentamos nos recuperar desse golpe que o coronavírus causou na economia, temos tempo para revisar a ideia de trabalho em geral.

À medida que nos dirigimos para um futuro em que a tecnologia deve substituir grande parte da força de trabalho e descobrimos que não precisamos trabalhar todas as horas que trabalhamos atualmente para prover o que precisamos na vida, então podemos esperar que:

Subsídios governamentais, como a Renda Básica Universal, se tornarão a maneira como a maioria das pessoas receberá sua renda.

Os cargos perderão seu valor como marcadores de status social.

Para que a sociedade não fique estagnada e cresça em uma época em que nossos cargos deixem de marcar nosso valor na sociedade, precisaremos marcar o status social de acordo com a contribuição que fazemos para a sociedade.

Tal mudança seria possível se fornecêssemos renda básica em troca da participação em programas que permitam às pessoas desenvolver e expressar sua contribuição para a sociedade.

Em outras palavras, a economia para a qual estamos caminhando, e para a qual o período do coronavírus indicou, é aquela em que precisaremos cobrir os itens essenciais da nossa vida e onde mudaremos nosso foco para fortalecer e crescer a sociedade humana – felicidade social, saúde e bem-estar – em vez de cada um de nós tentar construir nossos impérios pessoais.

Em tal economia, daremos muito mais importância ao cultivo de relações humanas positivas do que hoje.

À medida que mais e mais profissões de hoje se mostrarem desnecessárias para o mundo em que estamos caminhando, precisaremos substituir todo o esforço que colocamos para nos educar e nos capacitar nessas profissões, com educação e treinamento de um tipo diferente: aquele em que nos treinaremos a nos relacionar positivamente um com o outro e contribuir com os outros acima de nossos crescentes impulsos divisivos.

No Diversificado Caleidoscópio De Decisões

laitman_448.3Pergunta: Hoje, o coronavírus não está apenas tirando milhares de vidas, mas também tendo um enorme impacto na economia mundial.

Cada país reage de maneira diferente a essa situação. Medidas sem precedentes estão sendo tomadas nos EUA e na Europa para apoiar o emprego e a demanda dos consumidores. Em particular, o Senado dos Estados Unidos decidiu alocar dois trilhões de dólares para estabilizar o sistema financeiro em apoio às empresas e ao público.

Ao mesmo tempo, as moedas nacionais estão entrando em colapso praticamente em todo o mundo. Acontece que o mundo inteiro está financiando a inflação da bolha do dólar nos Estados Unidos, causando uma imagem contraditória.

Além disso, Donald Trump anunciou sua decisão de que o regime de quarentena nos EUA logo seria enfraquecido e subsequentemente abolido. É como se ele quisesse elevar o país através do emprego, da economia, para dar confiança às pessoas, para que elas sintam isso e o apoiem nas próximas eleições.

Qual é a sua atitude em relação ao quadro geral? Quem você apoiaria nesta situação? O que você considera mais correto neste diversificado caleidoscópio de soluções?

Resposta: Eu acredito que a abordagem mais correta é o homem formar a atitude correta em relação ao mundo, à sociedade e a si próprio. Somente isso pode nos salvar. Caso contrário, se não esse vírus, outro aparecerá.

Estamos em completa oposição ao sistema integral único da natureza; ao destruí-lo por todos os métodos possíveis, obtemos uma reação. Naturalmente, tudo isso não passará sem consequências.

O que Trump está fazendo? Tudo o que pode como empresário e como uma pessoa que tem muito poucas opções e possibilidades pela frente. Ou ele pode se render completamente a um sistema que congela toda a indústria, todas as empresas e, é claro, a América se tornará um deserto.

Você pode imaginar o que isso significa para o país líder e o mais importante do mundo? A poderosa indústria, centro científico e tecnológico e, de repente, tudo congela completamente! É como congelar o mundo inteiro e levá-lo ao nível de zero.

Ou continue tudo com capacidade total. Meias medidas não farão nada. Trump será criticado de qualquer maneira.

Portanto, acredito que, em princípio, sua decisão, com suas capacidades, é a única correta. Ele não pode parar um país como a América.

Observação: A maioria dos americanos gosta dessa decisão porque agora haverá uma distribuição massiva de dinheiro, apoio a empresas, demanda e assim por diante.

Mas no próprio país, na elite, na sociedade, na mídia, existem grandes contradições. Como sempre, uma exacerbação sem precedentes de todos os problemas está aumentando antes das eleições. Como que enfatizando que Trump está colocando em risco o destino do povo americano e eles podem sofrer como resultado. Sua decisão pode ser arriscada, mas levará a algum tipo de dinâmica.

Meu Comentário: Eu acredito que isso também está correto, porque o ajudará a tomar decisões com o reassentamento do povo hispano e todo o resto. Ele poderá fechar as fronteiras sempre que necessário. Ele pode fazer qualquer coisa. Porque, por um lado, existe uma exacerbação e o vírus e, por outro, as pessoas ainda têm a oportunidade de trabalhar e ganhar dinheiro.

Em princípio, neste ponto, ele pode modificar como quiser, e ninguém pode culpá-lo por nada.

De KabTV, “Coronavírus Explode a Velha Economia” 06/03/20

Quem Tem Medo Da Educação?

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 14/05/20

Frequentemente, quando digo que a COVID-19 está educando a humanidade, as pessoas estremecem um pouco, como se eu dissesse algo inapropriado. As pessoas não gostam de ser educadas; elas gostam de estar no topo, e educação significa absorver o conhecimento de outra pessoa, o que coloca o educador acima e o aluno abaixo. Mas e se você soubesse que o professor não queria nada além do que é melhor para você? E se você soubesse que o professor o amava e queria que você fosse bem-sucedido e tivesse a melhor vida possível? Você não aprenderia com prazer?

Todo o nosso problema é que pensamos que estamos em guerra com a natureza, por isso estamos tentando dominá-la. Mas a natureza nos criou; não podemos estar acima dela ou vencê-la, por mais que tentemos. Além disso, a natureza não deseja nos prejudicar. É harmoniosa e mantém todos os seus componentes em harmonia mútua. Os seres humanos são o único elemento da natureza que resiste a essa harmonia e quer estar no topo.

Ao nos forçar a se colocar em quarentena, a natureza nos mostrou sua beleza, chegou às nossas portas (muitas vezes literalmente), limpou o ar e a água, e nos educou sobre os danos que causamos a nós mesmos e ao nosso redor o tempo todo.

Agora que estamos saindo dos bloqueios, podemos optar por manter a harmonia com a natureza, ou descartá-la e retomar nossas festividades autoindulgentes. Se escolhermos o primeiro, a natureza nos recompensará dez vezes. Estaremos muito mais saudáveis, seguros e felizes do que nunca. Se escolhermos a autoindulgência, a natureza, como um professor vigilante, punirá novamente, mas com mais severidade, pois não teríamos aprendido da primeira vez. A escolha, como sempre, é nossa.

O Coronavírus Nos Unirá

laitman_245.10Comentário: Nos últimos 70 anos, todo o sistema financeiro foi construído com base no fato de que existe uma moeda mundial, o dólar, e todas as outras moedas estão realmente ligadas a ele: preços do petróleo, recursos naturais, computadores, tudo. Todos os nossos cálculos estão vinculados ao dólar.

Minha resposta: Francamente, não sei o que vai mudar. Haverá ouro em vez do dólar? Enfim, eles farão alguma coisa.

Comentário: Agora existem estudos de opções alternativas, levando em consideração o isolamento muito grande dos países um do outro. Esse isolamento nacional de países era previsto antes mesmo do vírus.

Vemos que a União Europeia praticamente não existe. Cada país toma suas próprias decisões. A mesma coisa está acontecendo em todo o mundo. A propósito, mesmo nos EUA, os governadores de cada estado tomam suas próprias decisões em relação à situação.

E o que acontece? Se as moedas de todo o mundo estão se depreciando, por exemplo, a China e vários países vizinhos, incluindo a Rússia, querem criar sua própria zona econômica de moeda, contando com seu próprio potencial econômico, a fim de introduzir a terceira moeda mundial após o euro. Então o mundo inteiro se equilibrará entre vários centros econômicos e financeiros.

Isso é bom para o mundo? Será que ele vai lidar com isso? Ou ainda precisamos permanecer dentro da estrutura de um único sistema monetário? Qual é a sua opinião a esse respeito?

Minha Resposta: Minha opinião é muito simples: nada ajudará o mundo.

Nada ajudará! Porque todos esses confrontos são contrários à lei geral da natureza – a conexão integral de toda a humanidade em um sistema integral comum.

Por meio de todos os tipos de problemas, vírus e quedas em todos os tipos de áreas, a natureza nos forçará a aceitar o plano geral. Esse plano é simples: vocês são uma única humanidade e devem criar um único sistema. Vocês não podem se esconder, se esconder um do outro e usar um ao outro.

Se os governantes do mundo entenderem isso e começarem a se mover mais ou menos em direção a isso, quem se mover mais vencerá. Tal é o governo superior da humanidade do lado da natureza.

Ele muda qualitativamente; nos força a estar integralmente unidos em um único sistema. Aqueles que forem mais parecidos com esse sistema serão beneficiados. Isto é o que a Cabalá diz. Eu acho que veremos isso em um futuro próximo.

Mas, por outro lado, o que está acontecendo é louvável. Imagine que não existisse um sistema fechado, que não houvesse entendimento do que estava acontecendo nos países vizinhos, o que a China faria com as pessoas atingidas por esse vírus? Os abandonaria até que todos morressem.

Pergunta: E dessa maneira mostrou ao mundo um exemplo de como ter sucesso usando grandes recursos do país?

Resposta: Claro. Ela meio que se reabilitou perante o mundo.

Comentário: Apesar de estarmos todos conectados, o processo de separação de cada país e a construção de seus próprios modelos estão ocorrendo agora.

Minha Resposta: O coronavírus nos unirá de qualquer maneira. Esse vírus é uma força positiva que conecta absolutamente todos. Até chegarmos a uma conexão mútua completa, assistência mútua e entendimento mútuo, o vírus simplesmente nos torturará.

Pergunta: O que você desejaria para as pessoas que agora estão em países completamente diferentes trancadas dentro de suas fronteiras? O que pode ser oferecido a elas para que sintam que seu estado atual não é apenas pessimista ou desagradável, mas permite que uma pessoa faça algo novo em sua vida?

Resposta: Eu certamente as aconselharia a assistir a todos os nossos programas e a revelar a ciência da Cabalá de qualquer forma, em qualquer idioma. Então as pessoas descobrirão que existe um método que fala sobre o sistema geral do mundo, sobre como podemos chegar a um estado melhor, confortável, seguro e confiante.

Estamos abertos a todos. Por favor, use o que a Cabalá vem dizendo há milhares de anos. Você descobrirá que existe um sistema real de recuperação, a correção de toda a humanidade do egoísmo e a renovação de toda a humanidade para o melhor estado.

De KabTV, “O Coronavírus Está Mudando a Realidade”, 26/03/20

Redefinindo Nosso Eu

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 09/05/20

O coronavírus nos impulsionará a reavaliar tudo. Primeiro, ele demonstrou o quanto realmente precisamos um do outro – negando-nos contato físico e enviando-nos para ficar em casa. Depois, ele destacou as imperfeições da economia – quão inadequada ela é para sustentar as pessoas que deve sustentar, como o principal lucrador de nível financeiro nas costas de todos os outros e como produtos alimentares vitais são jogados no lixo para manter seus preços altos, enquanto mais de 20% das famílias americanas passam fome.

A crise social que se seguirá inquestionavelmente nos fará repensar tudo. Vamos reavaliar relacionamentos, trabalho e valores sociais. Se, até recentemente, considerávamos os ricos ostensivos como bem-sucedidos, começaremos a apreciar as pessoas que contribuem para a sociedade. O aplauso diário aos profissionais de saúde na linha de frente da batalha contra o COVID-19 é um exemplo dessa tendência. Quanto mais compreendemos que nossa felicidade não depende de emular pessoas que se orgulham de seu egocentrismo, mas de pessoas que trabalham duro para contribuir com a sociedade, mais quereremos ser como elas.

Pode ser uma lição difícil e dolorosa de aprender, mas o coronavírus está gradualmente nos ensinando a ser mais cuidadosos, compassivos e, no final, felizes. O COVID-19 está nos fazendo redefinir a nós mesmos.

“Endireitando A Economia” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Endireitando A Economia

Nós nunca soubemos disso, mas nossa economia está de cabeça para baixo há mais de um século. Em vez de atender às nossas necessidades, atendemos às “necessidades” da economia. Nós nos preocupamos com o crescimento, produção, consumo e déficit ou superávit comercial. Em algum lugar ao longo do caminho, tínhamos esquecido que a economia deveria atender às nossas necessidades, ver que tínhamos comida, roupas, cuidados de saúde, moradia e educação. Se possível, também deveria nos proporcionar um passatempo agradável, mas até o COVID-19 aparecer, havíamos esquecido completamente. Agora, recebemos a chance de arrumar a economia e reorganizar nossas vidas de uma maneira que atenda às nossas necessidades.

“Treinamentos profissionais abrirão caminho para treinamentos sociais; aprenderemos as artes esquecidas de fazer amigos, de compartilhar e de cuidar”

Com a tecnologia de hoje, não há necessidade de todos trabalharem, certamente não a quantidade insana de horas que estávamos trabalhando até o início do bloqueio. O empregado de colarinho branco médio trabalhava muito mais horas do que os escravos trabalhavam apenas dois séculos atrás. Poderia ter feito algum sentido se os funcionários tivessem mais liberdade ou segurança do que os escravos, mas quando a crise do coronavírus fechou a economia, dezenas de milhões de pessoas ficaram sem qualquer segurança – sem a segurança da habitação e nem a segurança alimentar. Em outras palavras, os escravos de ontem são os profissionais de TI de hoje, engenheiros de software, freelancers, funcionários de finanças, direito, seguros, turismo e a maioria das profissões de colarinho branco. Na busca pela liberdade, substituímos a relativa segurança do escravo pelos cargos. Mas quando precisávamos recorrer a algo, descobrimos que nossos títulos eram completamente sem sentido. Não importa que eles não nos fizeram felizes; eles nem nos deram qualquer segurança.

O golpe que o COVID-19 causou na economia é a chance da humanidade de se libertar dos grilhões do capitalismo. Agora é nossa chance de reavaliar todo o conceito de trabalho. Nosso trabalho deve definir quem somos? Por que, por exemplo, nossa contribuição para a sociedade não deve determinar nosso status social? Por que um advogado deveria ter um status mais alto que um professor? Quem contribui mais para a sociedade, o advogado ou o professor? Em vez de apreciar as pessoas de acordo com sua contribuição para a sociedade, nós as apreciamos de acordo com sua contribuição para si mesmas. Não é hora de mudarmos nossos valores?

Graças à tecnologia, poucas horas de trabalho são necessárias para suprir as necessidades da humanidade. Dentro de alguns anos, não haverá empregos da maneira como pensamos neles hoje. Simplesmente, não haverá demanda por eles. Em vez de contracheques, os governos fornecerão uma renda básica ou algum outro tipo de sustento seguro a todos os residentes. Isso será necessário para evitar o completo colapso social.

Então, uma vez que os meios de subsistência das pessoas estejam garantidos, será possível estabelecer uma sociedade verdadeiramente livre, onde as pessoas trabalhem melhorando seu ambiente, e não suas contas correntes.

A renda garantida libera as pessoas para garantir sua felicidade. Portanto, as pessoas se concentrarão muito mais em promover relacionamentos satisfatórios. Treinamentos profissionais abrirão caminho para treinamentos sociais; aprenderemos as artes esquecidas de fazer amigos, compartilhar e cuidar. O fim do reinado da economia é o começo do reinado da humanidade, da bondade humana. O coronavírus não é apenas outro vírus; ele veio curar a humanidade, endireitar nossa economia e colocar o homem no topo, em vez de dinheiro.