Textos na Categoria 'Economia'

Pessoas Ignorantes São O Recurso Principal Do Capitalismo Moderno

Nas Notícias (sdelanounih.ru): “O principal recurso da economia moderna é o imbecil. Você pode vender-lhe qualquer coisa. A humanidade atingiu o auge de poder científico e tecnológico na década de 60 do século 20. Havia então uma grande demanda por engenheiros, físicos e matemáticos, assim, estas ocupações eram moda, respeitadas e valorizadas. Era moda ser inteligente.

“Mas a distensão em meados dos anos 70 acabou com o modernismo da ciência e do conhecimento. O racionalismo moderno e atitude positiva perante a ciência começou a ser reconhecidamente comprometido.

“Nos anos 60 as necessidades básicas normais do ‘Bilhão de Ouro’(1) estavam satisfeitas. As pessoas começaram a despertar para a questão do sentido da vida e para eliminá-la, o mundo dos negócios encontrou outra pergunta e resposta.

“O capitalismo começou a não só atender aos requisitos, como antes, mas a criar novas necessidades e atendê-las.

“O marketing veio à tona, a doutrina de como fazer algo desnecessário parecer necessário e comprado. Este é o papel da publicidade total.

“Os profissionais de marketing constroem as necessidades. O capitalismo global estabeleceu uma missão mais difícil do que a manipulação da consciência humana, a formação de um consumidor ideal que carece totalmente da capacidade de pensar racionalmente e não tem nenhum conhecimento científico sobre o mundo, algo como um tubo através do qual os produtos finais são bombeados e na outra extremidade eles voam para o despejo.

“O palhaço, sem nenhuma noção, alegremente vive com emoções elementares e ânsia de novidade. Agarrando um brinquedo novo, ele deve eliminar imediatamente o velho. Os meios de comunicação não descem ao nível do leitor para elevá-lo; eles funcionam puxando-o para baixo.

“A finalidade da educação é também educar o consumidor culto. Não é necessário agarrar qualquer coisa na cabeça de alguém; tudo pode ser encontrado através do Google. Afinal, se uma pessoa não sabe nada, é possível empurrar tudo sobre ele.

“Ignorância e escuridão são o último refúgio do capitalismo moderno e seu componente mais importante, sem o qual o mercado moderno não pode existir”.

Meu Comentário: Estes senhores não conseguirão nada, já que estão agindo contra a lei da evolução da natureza. Esta lei vai quebrá-los e levar a humanidade pelo caminho do sofrimento ou o caminho da re-educação para um estado desenvolvido e elevado.

[137563]

(1) O “Bilhão de Ouro”  é um termo, no mundo de língua russa, que se refere às pessoas relativamente ricas das nações industrialmente desenvolvidas do ocidente.

Sociedade Moderna – Sem Precedentes Na História

Laitman_004Opinião (Andrei Fursov, Historiador, Instituto de Informação Científica sobre Ciências Sociais da Academia Russa de Ciências, Izborsk Club, Rússia): “No Ocidente na década de 70 a base social do movimento esquerdista começou a desaparecer. Isso foi derivado do desenvolvimento tecnológico e econômico. Assim, na sociedade moderna, a injustiça social tem crescido, mas não houve nenhuma resposta a ela.

“A classe média vai se deteriorar ao nível da classe baixa, o que é chamado da linha da pobreza. Os ricos se tornam rapidamente mais ricos, os pobres se tornam rapidamente mais pobres, a elite conduz uma guerra social contra os estratos mais baixos. Essa guerra também tem um caráter ideológico de difamar (demonizar) as classes mais baixas. Mas não houve nenhuma resposta a isso dos estratos mais baixos! Isso significa que o sistema social não funciona da forma como os marxistas e os esquerdistas têm geralmente visto.

“A sociedade moderna esgotou o potencial histórico da Esquerda e da Direita; ela se desenvolveu de acordo com a lógica da desintegração e degeneração da classe social. Este não é um novo período da Idade Média porque a sociedade está se desenvolvendo numa base tecnológica altamente energizada. A sociedade não é dirigida contra o capitalismo; em vez disso, as próprias elites do moderno mundo capitalista estão destruindo o sistema capitalista”.

Meu Comentário: Isso é semelhante ao que Marx imaginou, que o capitalismo iria se aniquilar, mas é especificamente porque um novo governo de unidade plena e igualdade deve vir como substituto para ele, não como resultado da luta de classes, mas através de um desenvolvimento histórico natural.

Uma Crise De Confiança

Dr. Michael LaitmanOpinião (Thorbjorn Jagland, político norueguês e Secretário-Geral do Conselho da Europa): “Nós temos observado um colapso das taxas de juro no mercado de empréstimos interbancários, que praticamente atingiu 0%. Isso indica que o mundo está prestes a sofrer uma grave crise em 2015, que nunca vimos no passado.

“O moderno sistema bancário atual baseia-se em valores positivos de taxas de juros no mercado de crédito real. O que acontecerá se os serviços bancários para guardar dinheiro não forem mais rentáveis? O que acontecerá com os fundos de pensão e as nossas economias?

“Nós também vemos uma crise de confiança na arena política. O equilíbrio do poder global está mudando e ninguém toma qualquer decisão por si mesmo. Nós estamos testemunhando a mudança do mundo a partir de um mundo unipolar para um mundo multipolar. As principais figuras políticas minaram a confiança mútua entre si com suas ações. Será que a elite política atual será capaz de superar a crise de 2015?”.

Meu Comentário: Nós só seremos capazes de superar a falta de confiança e a crise resultante com um método que nos eleve acima do ego geral humano. Nós devemos primeiro implementar esse método em Israel e, portanto, estabelecer um exemplo para o resto do mundo (ver Introdução ao Livro do Zohar“, item 71, em inglês).

Como Alimentaremos Dez Bilhões De Pessoas?

laitman_435Nas Notícias (de bg.ru): “Em mais algumas décadas o mundo pode enfrentar uma crise alimentar global; haverá escassez de alimentos em todo o mundo. Os especialistas estão confiantes de que é fácil evitar esta crise, e não há nem mesmo a necessidade de novas tecnologias ….

“Basta que joguemos fora menos alimentos e ajudemos os agricultores. A produção moderna de grãos, se a distribuirmos corretamente entre a população, será suficiente para alimentar dez bilhões de pessoas.

“O crescimento de alimentos deve ser feito em detrimento da disponibilidade de terra agrícola, para reduzir os danos causados ​​aos ecossistemas. Na União Europeia, os agricultores produzem 8,6 toneladas de produto por um hectare, na Ucrânia eles produzem 4 toneladas por hectare, na Nigéria 1,5 toneladas por hectare. É possível ter uma influência sobre a quantidade de alimentos através da redução do desperdício de alimentos. O europeu médio, na cadeia da fazenda até a mesa da cozinha, joga fora 179 kg de alimentos. Isso é igual às necessidades anuais de uma pessoa pobre”.

Meu Comentário: Eu acho que o problema não está na falta de alimento, mas na falta de vontade de distribuí-lo de forma adequada a todos. Além disso, isso não reduziria o consumo de alimentos pelos ricos, mas só moveria a comida que é jogada fora para as mesas dos pobres. Mas isso só é possível se todos tiverem o desejo de seguir o uso adequado de produtos alimentares. Nenhum dos métodos de vigilância pode resolver o problema da distribuição correta dos resíduos. Um sentimento de reciprocidade (o mundo inteiro é uma família), responsabilidade mútua (Arvut), e uma atitude de relacionamento (todos nós somos um todo único) devem ser implantados nos corações das pessoas.

Na Maioria Dos Países 40 Horas + Salário Mínimo = Pobreza

laitman_926_01Nas Notícias (de Zero Hedge): “O problema da pobreza no mundo está se tornando mais agudo a cada ano. A desigualdade de renda está aumentando e diversos programas sociais não dão o resultado desejado.

“…Muitas famílias que trabalham dependem da ajuda do governo para fazer face às despesas, o que sugere que é difícil prosseguir com o salário mínimo na economia de hoje e, na verdade, um novo estudo da OCDE mostra que em 21 dos 26 países membros que têm um salário mínimo, trabalhar 40 horas por semana com o salário mínimo não permite atravessar a linha da pobreza”.

Meu Comentário: O mundo precisa abandonar a atitude passada em relação ao trabalho, salários, pensões e outros parâmetros sociais. Nós temos que começar a tratar a sociedade como um todo, e garantir todas as condições necessárias para a existência de tudo. Todos devem ser obrigados a estar num curso contínuo de educação integral.

Se alguém quiser obter mais do que o “nível necessário” ou a sociedade precisar de sua obra, ela vai encorajá-lo a trabalhar. Nós devemos separar a obtenção das “necessidades para a existência” de todas as condições, exceto estudar o curso de educação integral.

Você pode começar provendo àqueles que desejam com “assistência social” sob a condição de que eles frequentem o curso de Educação Integral. Assim, substituindo todos os outros benefícios.

Europa Em Declínio

No jornal News(T&P): “Não há esperança para a velha Europa. A Europa e o capitalismo europeu estão em declínio e perderam sua posição dominante.

Os Estados Unidos têm tentado estabelecer colônias na Europa, mas isto está causando sua própria destruição, eles não podem manter o seu controle em todo o mundo.

“O mundo foi dividido em muitas nações influenciadas pelo capitalismo ocidental, os Estados Unidos, a Grã-Bretanha, a Alemanha, e as pequenas nações que dependem deles, onde a burguesia compradora domina (a parte da burguesia dos estados economicamente falidos), interessados ​​em enviar capitais e investimentos estrangeiros para a sua nação para suprir seus cidadãos com o trabalho e manter a paz em sua sociedade. O governo está preocupado apenas com objetivos de curto prazo: A nação se torna dependente, ao passo que a acumulação de capital é feita fora de sua fronteira econômica.

Como resultado disto, uma nação não tem sua própria economia e não tem uma política.  A nação reage à situação histórica, responde ao desafio, e não cria nenhuma ideologia, um quadro em que é possível desenvolver qualquer ideologia. Estamos vivendo em comunidades de identidade nacional e estas são mais deprimidas do que a nação, no momento que você se torna estigmatizado, eles imediatamente jogam-no para fora da comunidade e começam a atacar”.

Meu comentário: Tudo isso está desenvolvendo naturalmente como a última fase do crescente egoísmo. A fim de substituí-lo, é desejável e inevitavelmente caminhará para a próxima fase do desenvolvimento humano, que é o altruísmo, o princípio de “ama o teu próximo como a ti mesmo”. A realização deste estado só é possível com a ajuda e o impacto da qualidade de doação e amor, a chamada “Luz Superior”.

[158641]

Material Relacionado:
O Que Vai Acontecer Com O Mundo?
Uma Guerra Financeira

A UE É Um Império

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (pravda.ru): “Há uma mudança de poder nos estados membros da União Europeia (UE). Os eleitores preferem candidatos da ‘esquerda’. Depois que os novos líderes ganham o controle, encontram-se sob a pressão de todos os tipos de credores.

“Os bancos alemães estão implementando esquemas financeiros que forçam os governos nacionais a ser rigidamente dependentes deles. Essa atividade coloca todos os países da região sul da União Europeia ‘no gancho’. A UE foi estabelecida como uma aliança baseada na democracia, mas, na verdade, surge como uma criação que é mais claramente a reminiscência de um império”.

Meu Comentário: Eu acho que não pode ser de outra forma, porque não havia nenhum pensamento para essa união, mas apenas uma unidade econômica, e mesmo assim apenas limitado à unidade econômica. Mas as condições para um mundo integral não podem ser limitadas a tais conexões unilaterais.

Os EUA Já Perderam O Seu Papel Como Fiador Do Sistema Econômico Global?

Dr. Michael LaitmanOpinião (Lawrence Summer, economista americano, Presidente Emérito, Professor Universitário da Charles W. Eliot – Universidade de Harvard, ex-secretário do Tesouro): “O mês passado pode ser lembrado como o momento em que os Estados Unidos perderam o seu papel como o subscritor do sistema econômico global. Esta falha de estratégia e tática estava para chegar a um tempo, e deve levar a uma revisão global da abordagem dos EUA para a economia global. Com o tamanho econômico da China rivalizando com o dos EUA, e os mercados emergentes representando pelo menos metade da produção mundial, a arquitetura econômica global precisa de um ajuste substancial. As pressões políticas de todos os lados nos EUA tornaram-no cada vez mais disfuncional.

“Com os compromissos norte-americanos não honrados e políticas apoiadas pelos EUA bloqueando os financiamentos que outros países querem fornecer ou receber através das instituições existentes, o caminho estava livre para a China estabelecer a infraestrutura do Banco Asiático de Investimento. Há espaço para discussão sobre a tática que deveria ter sido tomada quando a iniciativa foi apresentada. Mas a questão maior agora é uma das estratégia. Aqui estão três preceitos que os líderes norte-americanos devem manter em mente.

“Em primeiro lugar, a liderança americana deve ter uma base bipartidária em casa, ficar livre da hipocrisia e ser contida na busca do auto-interesse. Enquanto um dos nossos principais partidos se opõe a praticamente todos os acordos comerciais, e o outra é resistente ao financiamento das organizações internacionais, os EUA não vão estar numa posição para moldar o sistema econômico global.

“Outros países ficam legitimamente frustrados quando autoridades dos EUA lhes pedem para ajustar as suas políticas – depois insistem que os reguladores estaduais americanos, agências independentes e ações judiciais de grande alcance estão além de seu controle. Isto é especialmente verdadeiro quando muitas empresas estrangeiras afirmam que as ações dos EUA criam a verdadeira regra de problemas legais.

“A legitimidade da liderança dos EUA depende da nossa resistência à tentação de abusar dela em busca do interesse paroquial, mesmo quando esse interesse parece convincente. Não podemos esperar manter o principal papel do dólar no sistema internacional, se somos muito agressivos em como limitar o seu uso na busca de determinados objetivos de segurança.

“Em segundo lugar, na política global, bem como no mercado interno, a classe média conta mais. Às vezes parece que a agenda global prevalecente combina as preocupações da elite sobre questões como a propriedade intelectual, proteção do investimento e harmonização regulatória, com preocupações morais sobre a pobreza global e a posteridade, oferecendo pouco para aqueles no meio. Abordagens que não servem à classe trabalhadora nos países industrializados (e crescentes populações urbanas naqueles em desenvolvimento) não são susceptíveis de funcionar bem no longo prazo”

Meu Comentário: Eu não quero ser como um observador político teórico, refletindo sobre se isso é bom para os judeus, mas a verdade é que o bom no longo prazo só vai ser o que é consistente com o programa da criação, que é trazer toda a humanidade a um só corpo.

Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos têm realizado uma função diferente: dividir para conquistar. Portanto, não só os EUA estão perdendo o papel de líder econômico, mas também o seu papel como exemplo para o mundo.

Feudalismo Corporativo

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (OpEdNews.com): “Neste momento, a Assembleia Legislativa de Wisconsin está considerando uma lei que tornaria Wisconsin o 25º estado com direito de trabalhar por menos. Trabalhadores em estados com direito a trabalhar por menos ganham menos dinheiro, obtém escassos benefícios para a saúde e são mais propensos a morrer no trabalho do que os trabalhadores em estados sem o direito de trabalhar por menos.

“A linha de ação dos republicanos de Wisconsin, é claro, é que a proposta lei do direito de trabalhar por menos vai melhorar a economia do seu estado e ajudar a construir a classe média. Mas, na realidade, ocorre exatamente o oposto.

“Isso é porque as leis do direito de trabalhar por menos aproximam muito o do seu estado natural não regulamentado, e o capitalismo em seu estado natural não regulamentado tende a níveis maciços de desigualdade que nós normalmente associamos com o feudalismo.

“Ele se parece muito com isso:

“No topo, há uma pequena classe de oligarcas e financistas super-ricos. Eles são os monarcas da sociedade capitalista.

“Abaixo deles, há uma classe um pouco maior, mas ainda muito, muito pequena, de profissionais e mercantilistas -doutores, advogados, proprietários de lojas – que ajudam a manter as coisas funcionando para os super-ricos e que provém aos trabalhadores pobres suas necessidades. Eles são nobres ou cavaleiros da sociedade capitalista.

“E na parte inferior, há a grande massa de pessoas que compõem os trabalhadores pobres. Eles não têm riqueza – na verdade, eles estão tipicamente em dívida na maior parte de suas vidas e mal conseguem sobreviver com o pouco dinheiro que ganham. Eles são os camponeses da sociedade capitalista.

“Portanto, para a média dos trabalhadores, não existe tal coisa como uma classe média no capitalismo natural. A riqueza acumula no topo entre as elites, não entre trabalhadores comuns do dia a dia. A desigualdade é a opção padrão, assim como foi na Europa medieval sob o feudalismo.

“As únicas maneiras de uma verdadeira classe média podem surgir numa sociedade capitalista são por uma enorme convulsão social (a classe média surgiu após a Peste Negra na Europa no século XIV) ou por intervenção do governo.

“Historicamente, o governo é a única coisa que pode colocar um controle no crescimento do feudalismo, e é o que nós usamos aqui nos Estados Unidos, desde a fundação da república até a revolução de Reagan, para lutar contra a elite e construir uma classe média a partir do zero.

“As tarifas, a legislação sobre os direitos dos trabalhadores, a Lei Glass-Steagall, impostos mais altos aos ricos, pode nomear – o nosso governo usou todas essas coisas para conter a tendência natural do capitalismo à desigualdade e para criar uma classe média.

“Mas desde que Reagan surgiu e fez uma lavagem cerebral em todos acreditando-se que ‘o governo é o problema, não a solução’, nós temos regulações estripadas, sindicatos quebrados e, como resultado, o capitalismo voltou para algo parecido com seu estado natural, brutal.

“A desigualdade está agora num nível recorde, e os três por cento mais ricos da população agora controlam mais da metade de toda a riqueza.

“E como se isso não fosse suficiente, a taxa de pobreza infantil aqui nos EUA agora está entre as piores do mundo desenvolvido.

“As coisas têm, sem dúvida, ficado ainda piores desde a recessão, na medida em que o topo um por cento absorveu quase todos os ganhos da nossa chamada ‘recuperação’.

“Os reis e nobres podem ter desaparecido há muito tempo, mas aqui nos EUA, a elite financeira e dos negócios reina soberana, e o feudalismo corporativo é o nome do jogo”.

Meu Comentário: O egoísmo, se não for restringido, é em si ilimitado, e, portanto, constantemente se esforça por uma expansão e satisfação ilimitadas. Quanto mais ele obtém, mais se sente vazio. “Tendo recebido 100, ele deseja a 200, e tendo recebido 200, ele deseja 400″, de acordo com a lei de expansão do desejo pela Luz

E, assim, até à sua morte; quando morre, não há nem a metade do desejado em suas mãos. É impossível restringir o egoísmo, porque ele é a base da natureza, e a única força da natureza, com exceção da Luz, a qualidade de doação e amor. O impulso para equilibrar o egoísmo (a linha do meio) é apenas pelo conhecimento da sabedoria da Cabalá, que é a ciência de usar o egoísmo corretamente.

Uma Paz Inquieta Que Vai Dilacerar A Economia Global

Dr. Michael LaitmanOpinião (Mark Leonard, diretor do Conselho Europeu de Relações Exteriores): “Em 1914, a ordem econômica do mundo entrou em colapso porque as suas mais poderosas nações entraram em guerra. Um século mais tarde, as grandes potências são avessas ao derramamento de sangue – e perversamente, esse poderia ser o gatilho para outro desmoronamento da economia mundial.

“Os governantes enviaram uma vez a cavalaria quando queriam redesenhar o mapa. Agora, o campo de batalha principal é econômico. Em muitos teatros, as sanções têm tomado o lugar de ataques militares. Competir nos regimes comerciais está se tornando tão importante quanto alianças militares. O historiador americano Edward Luttwak chama isso de uma competição de geoeconomia, definida pela ‘gramática do comércio, mas a lógica da guerra’.

“As negociações comerciais também se tornaram uma arma econômica. Com o desaparecendo das esperanças de um acordo global, um labirinto de negociações comerciais bilaterais e regionais está ocorrendo. Mas ao invés de ligar o mundo num único sistema, fortes jogadores regionais estão tentando criar mercados fechados com acesso preferencial para suas próprias empresas, em detrimento dos Estados mais fracos.

“Uma teoria otimista, uma vez declarou que empresas multinacionais tornariam nações outrora hostis mais dependentes umas das outras, e que isso as tornaria uma força para a paz. Governos, observou-se, tinham um interesse esclarecido em garantir regras previsíveis e abertas que permitiriam às empresas prosperar, sem ser impedidas pelas fronteiras políticas.

“Mas o aumento das tensões entre as grandes potências está transformando esses momentâneos cavaleiros do mundo corporativo em peões. As instituições multilaterais, que deveriam ser as vigilantes benignas de uma nova era de cooperação em que todos ganham, estão se tornando um campo de batalha para a competição geopolítica”.

Meu Comentário: Não pode ser de outra forma, já que o mundo está se desenvolvendo através do desenvolvimento do egoísmo, de modo que o mal está empurrando o mundo para frente. Assim, ser otimista significa não conhecer a base para o desenvolvimento do mundo. Está escrito: “Eu criei o egoísmo e criei a Torá para a sua correção”, e sem o conhecimento da correção do egoísmo pela sua força oposta, nós temos apenas uma força negativa no mundo, que o controla e empurra para a destruição.