Textos com a Tag 'Amor'

“Com Amor Para Ver Apenas Boas Coisas”

laitman_938.05Rabash, “Sobre a Importância dos Amigos”: [Se uma pessoa] “trabalha em si para amá-lo [um amigo], é natural com amor ver apenas coisas boas. E mesmo que haja coisas ruins no amigo, ela não pode vê-las, como está escrito: “o amor cobre todas as transgressões”.

Uma pessoa sente que, além de si mesma, tudo o mais é uma ação do Criador, que controla e empreende tudo. Portanto, ela não pode atribuir ações, pensamentos e impulsos pessoais aos amigos. É tudo o Criador.

Além disso, o Criador lhe dá um pouco de livre arbítrio: como se relacionar com Ele, transformar e se aproximar Dele. E ela já olha para seus amigos como se eles estivessem em total conexão com o Criador.

Pergunta: Quando se diz que “o amor cobre todas as transgressões”, são as transgressões em mim?

Resposta: Claro. Todas as tendências egoístas em relação aos amigos são cobertas de amor. E um constrói em cima do outro porque a Luz vem que lhe mostra tudo. Como não estava lá antes, você via tudo de forma negativa e agora vê tudo de maneira positiva.

O amor é uma atitude para com os outros quando você não vê nada de errado com eles. Você apenas os ama. Eles são mais preciosos para você do que você.

De KabTV “A Última Geração”, 30/05/18

Amor Na Espiritualidade

laitman_608.02Pergunta: Seremos capazes de substituir palavras como “amor” e “doação” por termos mais práticos?

Resposta: Não, mas vamos começar a entendê-las corretamente. Você não pode substituir essas palavras porque, em termos espirituais, elas expressam a verdade. Em nosso mundo, nós as distorcemos e as usamos de forma totalmente errada.

Se uma loba alimenta seu filhote e cuida dele, considera-se que ela segue seu instinto, não o amor. O amor entre um homem e uma mulher também é instintivo. Não importa que espectro de relacionamentos estamos falando – mãe e filho, homem e mulher – isso é amor instintivo. O verdadeiro amor é chamado de doação, quando você aceita o desejo de outra pessoa e o preenche.

Pergunta: Não seria mais fácil mudar essa palavra do que convencer a humanidade de que não é amor?

Resposta: Eu acho que a humanidade rapidamente se desiludirá com seu vocabulário e começará a corrigi-lo por conta própria. Não há razão para nomear tais palavras que são impulsos, que se relacionam com a autogratificação puramente egoísta.

O fato é que a humanidade nunca escreveu sobre o amor, nem havia essas canções. Elas apareceram na Idade Média, a partir do Renascimento. De antemão, o amor significava nosso relacionamento com o Criador ou alguma relação especial entre pessoas que não eram físicas. Tal compreensão do termo “amor” como temos hoje nunca existiu.

Em termos da “unidade” mundial, essa é uma história diferente. Aqui queremos dizer a unidade entre as pessoas com o propósito de atingir o objetivo mais elevado, de alcançar o sentido da vida.

Da Lição de Cabalá em Russo 05/08/18

“Tudo Será Com Amor, Amizade”

Laitman_524.01Rabash, “Sobre a Importância dos Amigos”: Mas com o amor dos amigos, quando amigos se unem para criar uma unidade entre eles, isso significa explicitamente que eles são iguais. Isso é chamado de “unidade”. Por exemplo, se eles fazem negócios juntos e dizem que os lucros não serão distribuídos igualmente, isso é chamado de “unidade”? Certamente, um negócio de amor de amigos deve ser quando todos os lucros e posses que o amor de amigos produz sejam igualmente controlados por eles. Eles não devem esconder ou ocultar um do outro, mas tudo será com amor, amizade, veracidade e paz.

Parece que isso descreve os estados ideais. Mas é impossível cumpri-los se o amigo e eu não estivermos conectados através do Criador. Somente graças ao fato de estarmos conectados uns com os outros Nele, podemos nos comportar dessa maneira. Só isso pode nos obrigar.

Pergunta: Que tipo de lucro existe ali?

Resposta: Não importa. O lucro pode ser material ou espiritual. O principal é que somente o contato no Criador pode nos obrigar e nos forçar a aceitar as condições de garantia mútua, unidade e outros requisitos.

De KabTV “A Última Geração”, 09/05/18

Sejam Como Um

laitman_943Todos os mandamentos da Torá são as leis da comutação entre amigos em um grupo, a fim de trazer todo o grupo para o estado de “um”, para uma unidade. Esta unidade então corresponderá ao Criador, Ele começará a se desdobrar nela.

Pergunta: É importante para mim, trabalhando na dezena, saber que meus amigos também estão obedecendo aos mandamentos?

Resposta: Em seus artigos, Rabash escreve que deve haver apoio mútuo; os amigos devem influenciar um ao outro e mostrar um ao outro um exemplo. É natural.

Pergunta: Se estou internamente pronto para meus amigos fazerem isso por mim, isso é um progresso, já que entendo que não sou a unidade, mas a dezena?

Resposta: Sim. Quando todos na dezena se esforçarem para ser como um, vão conseguir alguma coisa, caso contrário não vão.

De KabTV “A Última Geração”, 15/03/18

A Base Do “Ama Teu Amigo Como A Ti Mesmo”

laitman_962.2Segue-se, portanto, que a regra “ama teu amigo como a ti mesmo” é construída sobre 612 Mitzvot. Em outras palavras, se mantivermos as 612 Mitzvot, seremos capazes de alcançar a regra: “Ama teu amigo como a ti mesmo”. Acontece que os elementos particulares nos permitem alcançar o coletivo, e quando tivermos o coletivo, seremos capazes de alcançar o amor do Criador, como está escrito: “Minha alma anseia pelo Senhor”. (Rabash, Os Escritos Sociais, “O que a Regra ‘Ama Teu Amigo como a Ti Mesmo’ Nos Dá?”)

Se tomarmos o mandamento “Ama teu próximo como a ti mesmo” e interpretá-lo em relação à natureza inanimada, vegetativa e animada e, mais importante, a uma pessoa em todas as circunstâncias da vida, alcançaremos todos os 612 mandamentos, que são resumidos no 613º. É por isso que não há nenhum 613º mandamento como tal; ele é resultado da implementação das outras 612 recomendações.

Observação: O mundo acredita que é preciso cumprir todos os 613 mandamentos. Os Cabalistas, no entanto, dizem que há praticamente apenas um mandamento: “Ama teu próximo como a ti mesmo”. Todos os outros estão ligados a ele, são uma parte dele.

Meu Comentário: Está escrito em muitas fontes Cabalísticas, incluindo O Livro do Zohar.

Na verdade, precisamos nos organizar em uma sociedade humana que nos leve a algum tipo de sistema, regulando as relações mútuas com base no mesmo mandamento: “Ama teu próximo”.

Para fazer isso, temos que estudar Cabalá e aprender a cumprir este mandamento a todo momento, em todas as circunstâncias, onde quer que estejamos. Então, gradualmente, vamos implementar as 612 recomendações.

O Livro do Zohar diz que todos os mandamentos da Torá consistem em 612 conselhos e 612 cumprimentos. Se eu seguir o conselho corretamente, recebo certa porção da Luz superior, que me corrige.

De Kab TV “A Última Geração” 15/03/18

Amor Pelo Criador É Amor Pela Qualidade De Doação

laitman_565.01Pergunta: Há algum sinal de que o Criador está se aproximando?

Resposta: Responda a si mesmo: “Quanto vocês podem cultivar essa força, essa qualidade, entre vocês?” Você cria o Criador, como está escrito: ‘Como se você Me tivesse feito’”. Só assim e de nenhuma outra maneira.

Pergunta: Mas você diz que não está em poder da pessoa realizar este mandamento?

Resposta: Quando nós, os egoístas, tentamos nos conectar, começamos a pedir que nossas tentativas sejam realizadas – é quando nos voltamos ao Criador. Contudo, este ainda não é o Criador, e sim apenas uma força externa que deu origem ao egoísmo e, portanto, ao tentar se tornar semelhante a ela, podemos removê-la do lado do egoísmo.

Pergunta: O que é “amor pelo Criador”? O que exatamente amamos: a qualidade de doação ou algo abstrato?

Resposta: Trata-se da qualidade de doação, assim como em nosso mundo podemos amar, respeitar e elogiar qualquer qualidade existente na natureza, na sociedade e nas pessoas. Nós alcançamos o amor pelo Criador como a manifestação do amor pelo próximo.

Pergunta: Onde está o limite entre o amor ao próximo e o amor pelo Criador no mais alto grau?

Resposta: Quando um vizinho em particular está confuso e desaparece, então o Criador surge em vez dele. Na verdade, é a mesma coisa.

Pergunta: O amor pelo Criador e pelo mundo espiritual é a mesma coisa?

Resposta: O mundo espiritual é o campo de doação e amor. Nosso mundo é o campo de recepção e ódio. O mundo é um campo de forças: ou negativo (nosso mundo) ou positivo (mundo superior).

A obtenção do amor pelo Criador implica uma realização espiritual.

De KabTV “A Última Geração” 15/03/18

Para Chegar Ao Mandamento Do Amor

laitman_249.01Pergunta: Podemos descrever nossa aula matinal de três horas como uma grande oração que inclui 612 mandamentos? Estamos constantemente nos voltando para chegar ao mandamento do amor ao próximo.

Resposta: Sim, o cumprimento consistente dos mandamentos significa que escalamos os degraus da escada de Jacó.

A constante expansão e aprofundamento do egoísmo em nós acontece para garantir que implementemos a conexão uns com os outros em níveis cada vez maiores. Toda vez que o egoísmo aumenta, executamos o mandamento de conexão nele, até o amor um pelo outro.

Pergunta: Existem 613 mandamentos em cada degrau?

Resposta: Claro. Mas não precisamos considerar isso porque somos originalmente criados dessa maneira; o vaso da nossa alma consiste em 613 partes.

Ao realizar 612 conselhos (Eytin), eu recebo a influência da Luz superior, que me corrige. É chamado Pkudin (da palavra “Pikadon – depósito”). Desta maneira, eu constantemente preencho e corrijo, e novamente preencho e corrijo.

Pergunta: A divisão entre 612 mandamentos e o 613º mandamento também existe em cada degrau?

Resposta: Sim, porque o 613º mandamento não existe por si mesmo; eu sou incapaz de cumprir o mandamento do amor. Eu não posso ser forçado a amar o outro. Se eu, cumprindo 612 mandamentos, recebo a Luz superior sobre meus desejos, torno-me amor e doação.

De KabTV “A Última Geração”, 15/03/18

Medindo Nosso Amor

laitman_259.02Não podemos medir diretamente nossa atitude uns com os outros. Só podemos medir o quanto amamos ou odiamos uns aos outros em relação a algum objeto estranho. Digamos que você ama algo e eu odeio ou você ama mais do que eu; até esse amor é relativo. Mas só assim pode ser medido.

A técnica de medida interna, espiritual e precisa da conexão das pessoas entre si baseia-se nisso, porque através dela elas também se conectam com o Criador. Este exame deve ser muito pessoal, porque todos nós temos desejos completamente diferentes. Devemos examinar o quanto podemos discernir essa conexão. Mas você não pode duvidar que se eu amo o que você odeia, não podemos nos conectar.

É assim que podemos examinar nossa atitude uns para com os outros. Existem bilhões de diferentes discernimentos no mundo, e se queremos amar uns aos outros, nossa atitude para com cada um deles deve coincidir. Então, isso é chamado de adesão.

De que outra forma posso verificar você e você pode me verificar? Só é possível com respeito ao padrão que está fora de você e de mim, com o qual podemos nos comparar e determinar se coincidimos ou não. O padrão pelo qual examinamos nossa atitude para com o Criador é o grupo, porque é o lugar onde estamos juntos com Ele.

Se eu me relaciono com o grupo corretamente, descubro que o Criador já está lá em adesão com os amigos. Como está escrito: “Eu habito entre o meu povo”. Ele já está no grupo; o único problema é que não estou lá. Portanto, todo meu trabalho é se unir aos nove amigos e completá-los até dez.

Na medida em que me apego ao grupo, alcanço a adesão com o Criador. Não há outra estrutura de referência. O grupo é a referência, o padrão, o diapasão pelo qual me calibro. Nisso, não há necessidade dos amigos concordarem. Se eu me incluo neles sem quaisquer condições, anulando-me em tudo, descobrirei que eles me aceitam com todo seu coração e alma e o Criador está entre eles. O grupo está no estado de correção final.

O Grupo É Meu Diapasão Espiritual

É impossível medir nossa atitude para com o outro ou nossa atitude para com o Criador diretamente, mas somente através de um padrão externo que não esteja nem nele, nem em nós, mas no meio. Neste padrão que existe entre nós, podemos encontrar o que nos conecta e nos separa.

Este padrão é o grupo. Se eu me apego aos amigos do grupo, na mesma medida me encontro em adesão com o Criador. O grupo me dá a oportunidade de medir parâmetros específicos: “altura” e “peso” do meu amor e ódio através dos quais alcanço a adesão com o Criador.

De acordo com a extensão da minha adesão à dezena, posso determinar a extensão do meu preenchimento com a Luz. Afinal, não tenho como medir a Luz em si, mas apenas indiretamente, através do grupo. Através dos desejos comuns do grupo, começo a sentir a Luz que está preenchendo-o.

Eu só posso sentir prazer em meus desejos, e isso não é suficiente. Eu preciso verificar como, através do preenchimento desses desejos, eu me conecto com quem os preenche e quem eu preencho. Portanto, existe a condição: “E, pelo amor dos amigos, pode-se alcançar o amor do Criador”. Não podemos examinar a Luz em si, mas apenas os desejos preenchidos por ela. Assim como não falamos da eletricidade em si, mas apenas de fenômenos elétricos. É significativo que a eletricidade não passe através do fio, mas em torno dele. Portanto, o grupo é uma medida perfeita da minha adesão com o Criador, como um diapasão pelo qual avaliamos o som da corda em um instrumento musical. É impossível dizer qualquer coisa sobre a corda antes de tocá-la e fazer um som. Somente pelos desejos (Kelim) é possível analisar a Luz.

Um exemplo disso são as notas pelas quais avaliamos uma melodia. As notas indicam quais cordas tocar ou quais teclas pressionar. Esta é a pontuação dos desejos com os quais trabalhamos para ouvir os sons da música dentro de nós mesmos. A nota simboliza não o som em si, mas o instrumento que o faz. Portanto, alcançando os instrumentos de conexão com o grupo, alcançamos a adesão com o Criador.1

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 27/08/18, Lição no Tópico: “Um Discurso Para A Conclusão Do Zohar
1 minuto 9:10

Sinta O Amor

laitman_543.02Pergunta: Meu desejo é suficiente para iniciar o processo de desenvolvimento espiritual?

Resposta: É mais que suficiente. Normalmente, as pessoas começam a partir de um estado em que não querem ouvir nada sobre o Criador. “Que tipo de Criador é esse? – Um poder que quer amar? De alguma forma, eu não vejo que Ele realmente nos ama. Deixe que Ele envie uma mensagem telegráfica, então eu acreditarei em Seu amor”.

Observação: Realmente, não podemos ver que o Criador nos ama.

Resposta: Claro que a pessoa não pode ver. É para lhe dar livre arbítrio.

Imagine que você só vê aquelas pessoas neste mundo que amam você e o tratam muito bem. Não há outras pessoas e você existe no fluxo do amor. Faça isso e você será como o Criador. Você está convidado a fazer isso. Isso é dado a você. Este é o mundo do futuro que criamos por nós mesmos.

Pergunta: É isso que um Cabalista sente?

Resposta: Sim. Ele sente que todo mundo o ama porque ele ama o Criador. Sobre isso está escrito: “Eu sinto amor com cada fibra da alma”.

Pergunta: Pode ser que seja uma espécie de ilusão?

Resposta: Claro que é uma ilusão. No entanto, precisamos transformá-la em realidade.

Da Lição de Cabalá em Russo, 04/03/18

O Amor De Deus E O Amor Do Homem

laitman_252Se nos esforçarmos pela unidade a fim de cumprir o pensamento do Criador e trazer a criação à correção, veremos que não podemos fazer isso sozinhos. É por isso que nos voltamos à força superior com uma oração, elevamos MAN e, em seguida, como resposta à MAN, recebemos o poder pela unidade.

Nessa unidade, que é alcançada com a ajuda da Luz que reforma chamada Torá, nós começamos a revelar a vida espiritual, o grau superior, o Criador; isto é, a força superior de doação e amor se revela dentro da conexão correta entre as partes da alma coletiva. E nós revelamos o poder de unidade e Luz que é 620 vezes maior; em outras palavras, o Criador nos é revelado 620 vezes mais poderosamente do que antes e é por isso que podemos finalmente perceber, sentir e nos conectar a Ele.

Se não temos grande necessidade de correção e nossa proximidade com o outro não alcança a força necessária para atrair a Luz que reforma, não receberemos a Torá. A Torá é um poder especial de Luz, que age em nossos esforços pela unidade quando desejamos muito, mas ainda assim descobrimos que não podemos alcançá-lo.

A diferença entre o desejo e a realidade que desencadeia a dor e uma tremenda necessidade de correção em nós é chamada de MAN (águas femininas). Em outras palavras, a grande diferença entre Malchut (a propriedade feminina) e Bina (água) é revelada. Nós queremos muito nos unir, subir ao nível de Bina, mas nos encontramos no nível de Malchut. E esse abismo desencadeia uma reação do Criador, a força superior, a Luz que reforma, que age no abismo que descobrimos entre Malchut e Bina, entre nosso desejo natural de receber e nossa aspiração de estar em doação.

Se descobrirmos esse abismo entre nós, poderemos revelar a Luz superior, que agirá sobre ele. A luz corrige o abismo e o preenche com a Luz da unidade. Nossos desejos se unem e o Criador é revelado dentro deles.

Se não pudermos descobrir esse abismo com força suficiente, isso significa que estamos no nível dos “patriarcas”, aos quais a Torá ainda não havia sido dada, isto é, no estado anterior à correção. Nós continuamos a existir apenas graças ao apoio da força superior, que aguarda o momento em que poderemos progredir sob o nosso próprio poder. Este é um estágio curto no caminho para a correção, que precisa ser concluído o mais rápido possível.

Da 3a parte da Lição Diária de Cabalá, 26/06/18, Lição sobre o tema “O Amor de Deus e o Amor do Homem”