Textos na Categoria 'unidade'

Ajude O Mundo: Una-se

laitman_962.8A humanidade é um grande vaso, uma alma, chamada Adam HaRishon. Para ser corrigido, esse vaso é dividido em dois: Israel e as nações do mundo. Não podemos corrigir tudo de uma vez, porque existem camadas muito profundas que a luz não pode alcançar imediatamente.

Todas as correções começam com as mais fáceis, progredindo para as mais difíceis. Assim, as primeiras a serem corrigidas são as camadas superiores e mais leves, como se diz sobre Israel que é “pequeno entre as nações”, o que significa que tem o tipo mais leve de desejo de desfrutar. E nas nações do mundo o desejo é muito mais intenso, que aparecerá quando começarem a despertar.

Cada pessoa que recebe o despertar para a espiritualidade em nossos dias é uma parte da alma comum chamada Israel (Yashar Kel), direto ao Criador. Elas devem se apressar com sua correção, porque seu trabalho principal consiste em ajudar os outros desejos, as nações do mundo.

Israel canaliza a luz que reforma através de si mesmo, através de sua unidade. Então as nações do mundo despertam e começam suas correções, exigindo mais luz de Israel até que todos se unam em uma só alma, como está escrito: “Minha casa será chamada casa de oração para todas as nações”. Israel deve se corrigir para corrigir toda a humanidade. 1

O povo da antiga Babilônia foi chamado de “geração da discórdia”. Foi nessa época que a alma comum de Adam HaRishon foi dividida em duas: Galgalta ve Eynaim (GE) e Awzen Hotem Peh (AHP), em cabeça e corpo do desejo, em Israel e nações do mundo. A sociedade babilônica foi dividida nesses dois campos.

Dizem que essa foi a geração que iniciou o declínio da humanidade. Antes desse tempo, o desejo egoísta, que precisava de correção, não existia. Começando com ela, a parte chamada Israel tem a obrigação de corrigir seu desejo egoísta em altruísta.

Esta foi a geração de Abraão. Abraão é a força que dividiu a humanidade em duas partes com o apelo: “Quem é pelo Criador – venha se juntar a mim!” E “O amor cobrirá todos os crimes”.

Antes disso, o desejo de desfrutar era tão pequeno nas pessoas que todos os babilônios sentiram intuitivamente qual deveria ser o comportamento correto e o seguiram naturalmente. Eles falavam a mesma língua e viviam como uma família.

Mas na época de Abraão, o desejo de desfrutar cresceu, e eles quebraram seus velhos ídolos sem saber o que fazer com seu egoísmo. Dizem que Abraão derrotou os ídolos, mas, de fato, foi um processo inteiro ocorrendo com todas as pessoas. Elas não sabiam como continuar vivendo, então parte da nação seguiu Nimrod com seu método egoísta de correção, chamando-os para realizar o sonho americano. E a outra parte seguiu Abraão, que os chamou para se tornar Israel, para aspirar ao Criador.

Adorar o Criador significa seguir a força da conexão. Todos os mandamentos visam a conexão entre as dezenas, a fim de nos tornarmos uma união de dez para um, um grupo, um entendimento. Essa é a essência, o significado e o propósito dos mandamentos, porque precisamos corrigir o vaso quebrado. 2

De Adão a Abraão, a humanidade continuou se desenvolvendo e seu desejo de desfrutar cresceu. Dentro de uma pessoa, que ainda era um animal, começaram a surgir qualidades humanas, isto é, egoísmo. Ele começou a se separar do resto do povo: esposa, filhos, casa própria, posses, trabalho, propriedade, comércio.

Todos se sentiam cada vez mais distantes dos outros, até chegar ao ponto em que começaram a brigar entre si e a acreditar em ídolos diferentes, isto é, forças diferentes. Um ídolo não é apenas uma mera estátua à qual se inclina; existe uma filosofia interna profunda que está por trás disso. É ativo nas pessoas até hoje e vemos que o mundo ainda tem uma grande separação entre todas as religiões, cada uma adorando seu próprio símbolo. Toda essa ruptura começou na antiga Babilônia.

O desejo de desfrutar continua crescendo passo a passo, causando certas consequências: Shoresh de Shoresh, Alef de Shoresh, Bet de Shoresh, Gimel de Shoresh, Dalet de Shoresh (0-0, 1-0, 2-0, 3-0, 4-0). O desenvolvimento no nível zero chegou ao fim e o nível 1 começou: 0-1, 1-1, 2-1, etc. Então, o desejo continuou crescendo até que Galgalta ve Eynaim parou de se desenvolver e Abraão apareceu como consequência.

Abraão é a conexão de Bina e Malchut. Assim, ele pode ser o pai da nação, dando à Malchut a qualidade de Bina. Portanto, Abraão quebra os ídolos, mostrando que é Bina, a qualidade de doação, que deve ser adorada em vez de Malchut, a recepção. A doação se torna nosso Deus, e essa é toda a diferença entre Abraão e Nimrod.

Existem apenas dez Sefirot, Galgalta ve Eynaim e AHP, a relação entre os vasos quebrados e o trabalho em direção à correção. 3

Abraão foi o primeiro homem que criou o elo entre Bina e Malchut. Ele elevou sua Malchut à Bina em 40 anos, durante os quais começou a alcançar o Criador, a qualidade de doação, Bina. Foi assim que ele criou sua metodologia e começou a ensiná-la a outras pessoas. 4

Dizem que “o mundo se sustenta em três pilares: a Torá, o trabalho espiritual e a bondade”. A ordem é: Abraão – Isaque – Jacó. Abraão é Chesed, bondade, a luz de Hassadim. Essa é a luz que reforma, nossa preparação para o trabalho. O trabalho é Isaque, Gevura, força. Através deste trabalho, chegamos a Jacó – Torá, Tifferet. Este é o processo pelo qual devemos passar.

A luz vem, trabalhamos em nossa conexão e revelamos o Criador dentro de nossa unidade.

Os “três pilares em que o mundo se apoia” são Abraão, Isaque e Jacó. Abraão é Chesed, um homem de bondade que se esforçou para levar as pessoas à bondade. Isaac é o pilar do trabalho que se coloca no “altar de sacrifício”; ou seja, ele se sacrificou pelo trabalho, força. O altar de sacrifício refere-se ao nosso desejo de desfrutar, no qual continuamos trabalhando enquanto o sacrificamos, querendo mudá-lo para o desejo de doar.

Jacó é chamado “o homem da Torá”. A Torá é a linha do meio em que chegamos através do trabalho duro em nosso egoísmo, com a força de Abraão, ou seja, devido ao trabalho de Isaque, força (superação). Todos os sofrimentos de Jacó representam a luta contra a inclinação ao mal.

A ordem do trabalho:

1. Recebemos a força do alto, chamada Abraão.

2. Trabalhamos duro em nosso desejo de desfrutar dessa força para organizá-la corretamente – isso é chamado de obra de Isaque.

3. Chegamos à linha do meio, a conexão entre a qualidade da luz, a intenção de doar e a qualidade do desejo, e todas elas se fundem na linha do meio chamada Jacó. 5

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 15/1/20 , “O Dever de Israel em Relação à Humanidade”
1 Minuto 0:20
2 Minuto 7:30
3 Minuto 13:00
4 Minuto 19:00
5 Minuto 23:40

“Já Houve Um Holocausto Na América? Você Acha Que Isso Poderia Acontecer Aqui?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Já Houve Um Holocausto Na América? Você Acha Que Isso Poderia Acontecer Aqui?

Nunca houve um holocausto na América antes. No entanto, se olharmos para o aumento acelerado de crimes e ameaças de antissemitismo na América nos últimos anos, o Holocausto na América é uma possibilidade definitiva. Além disso, a América de hoje possui muitas semelhanças impressionantes com a Alemanha nazista da década de 1930, que detalho em meu livro recém-lançado, The Jewish Choice: Unity or Anti-Semitism (A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo).

Velocidade Sem Precedentes Da Ascensão Do Antissemitismo

O período recente na virada da década para 2020 nos deu alguns exemplos muito agressivos de atos antissemitas em Nova York e Nova Jersey.

Em uma carta datada de 29 de dezembro de 2019, do senador do Estado de Nova York, Simcha Felder, do deputado estadual de Nova York, Simcha Eichenstein, e de dois vereadores da cidade de Nova York, Chaim Deutsch e Kalman Yeger, endereçados ao governador da cidade de Nova York, Andrew Cuomo, eles descreveram como:

“Os crimes de ódio antissemita cresceram para números assustadoramente altos nos últimos meses. Nos últimos dias, em particular, judeus ortodoxos identificáveis ​​nas áreas que representamos e em torno das mesmas foram alvo de uma onda de violência não vista na história moderna. Judeus ortodoxos estão sendo regularmente assaltados, ameaçados, esfaqueados e assassinados em número crescente. Isso foi descrito adequadamente como um “pogrom lento”. Estamos escrevendo para solicitar que você declare um estado de emergência. … Simplesmente, não é mais seguro ser um ortodoxo identificável no Estado de Nova York. Não podemos fazer compras, andar por uma rua, mandar nossos filhos para a escola ou até mesmo adorar em paz”.

Além disso, o ex-deputado estadual democrata de Nova York e apresentador de programa de rádio, Dov Hikind, mencionou que “se você perguntasse aos judeus há 20 anos se um Holocausto poderia acontecer na América, você receberia uma resposta uniforme: ‘é impossível, não na América’. Bem, esse não é mais o caso. O que vai acontecer a seguir?”

Nos anos 2000, eu falei sobre o antissemitismo nos EUA como um problema futuro e fui motivo de riso.

Nos anos 2010, quando o antissemitismo começou sua escalada exponencial nos EUA e em todo o mundo, e começou a ser reconhecido como um problema, conversamos sobre o próximo Holocausto ocorrendo nos EUA.

Hoje, na virada da nova década, podemos ver como a consciência da possibilidade do próximo Holocausto ocorrendo na América está se revelando.

De fato, como Dov Hikind perguntou, o que vem a seguir?

A Fatídica Mudança Da Divisão Para A Unidade

As leis da natureza estão levando a sociedade humana a uma conexão mais estreita, e o povo judeu, consciente ou inconscientemente, hospeda um método para fazer uma mudança fundamental na realização positiva dessa conexão – a capacidade de se unir acima de toda a divisão social impetuosa, como está escrito nas palavras, “o amor cobrirá todas as transgressões”, a fim de transmitir essa capacidade a todas as pessoas do mundo, ou seja, “ser uma luz para as nações”.

A natureza está exigindo que deixemos de ser uma força destrutiva e divisória e comece a se tornar uma força positiva e unificada.

Se não conseguirmos iniciar o começo da correção do povo judeu, começando a implementar a unidade acima de nossas diferenças, sentiremos pressões crescentes. As pressões não apenas estariam nos EUA, mas em todo o mundo, incluindo o Estado de Israel, onde poderíamos esperar mais e mais sanções e restrições. Continuaríamos então fortalecendo nossa segurança até nos sentirmos presos em nossa pequena fortaleza com forças inimigas nos cercando por todos os lados.

E se isso não nos levasse a nos unir, poderíamos esperar eventos como a eliminação do Estado de Israel e desastres em que, como os Cabalistas escreveram, apenas um pequeno grupo permaneceria unido acima de nossas unidades divisórias.

“Se a ruína total que eles estão destinados a trazer ao mundo ainda não é evidente para o mundo, eles podem esperar por uma terceira Guerra Mundial ou uma quarta … e as relíquias que permanecerem após a ruína não terão outra escolha senão assumir esse trabalho, onde indivíduos e nações não trabalharão para si mesmos mais do que o necessário para seu sustento, enquanto tudo o mais que fizerem será para o bem dos outros”- Yehuda Ashlag, “Os Escritos da Última Geração”.

Quanto mais cedo percebermos que nossa unidade causa a unidade da sociedade humana como um todo, e que, ao fazer isso, experimentaremos uma resposta positiva, harmoniosa, pacífica e apreciativa totalmente diferente do mundo, mais cedo poderemos reverter a tendência premonitória de antissemitismo e nos encontrarmos em um mundo harmonioso. Ao nos unirmos, cumprimos nosso papel no mundo e estabelecemos um novo equilíbrio de forças entre a humanidade e a natureza.

O Primeiro Passo Em Direção À Unidade

O primeiro passo em direção à unidade é que compreendemos a necessidade de salvar-nos da destruição, juntamente com a necessidade de adaptação à tendência de conexão da natureza. Se fizermos isso, veremos fenômenos incríveis se desenrolar diante de nossos olhos: uma completa inversão do antissemitismo para o seu oposto – o amor e apreço pelo povo judeu que traz unidade e luz ao mundo. Simplesmente não haveria razão para alguém odiar os judeus, já que as pessoas saberiam se unir, e as pessoas unidas não se odeiam, nem as que ensinam e incentivam sua unidade.

Não precisamos de caminhos longos e dolorosos para alcançar esse estado. Ao começar a pensar e agir na direção da unidade de todo o povo judeu agora, podemos começar a ser pioneiros em uma transformação positiva épica e histórica.

Unidade Além Das Diferenças: Como É Possível? – Conversa Com Shaul Magid

Shaul Magid, Distinguished Fellow em Estudos Judaicos no Dartmouth College, encontra o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir o antissemitismo e como os judeus podem servir como um exemplo de unidade para o mundo.

Os judeus são culpados por se separarem e se diferenciarem de outras nações. No entanto, quando tentam se dissolver e até mesmo aceitar as tradições culturais das nações do mundo, ainda permanecem diferentes.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, isso é causado por um papel especial que o povo judeu deve desempenhar. Os judeus se originaram 3.800 atrás como um conjunto de 70 nações da antiga Babilônia, reunidas por Abraão em torno dos princípios “ame o seu próximo como a si mesmo” e “o amor cobre todas as transgressões”. Portanto, não podemos considerar o povo judeu como qualquer outra nação em um sentido biológico. Ser judeu significa unir-se conscientemente com os outros, a fim de criar uma entidade unida e deixar que a força superior de amor e doação entre nela.

A partir deste ponto, a tarefa direta dos judeus é mostrar hoje uma implementação prática do método de Abraão e induzir conexão; assim, no final, todos alcançamos, como está escrito: “Minha casa será chamada casa de oração para todas as nações”. (Isaías, 56:7).

De acordo com o desenvolvimento natural, somos pressionados a ir até o objetivo final. Hoje, podemos vê-lo em uma crise global, penetrando em todas as áreas de nossas vidas: guerras, desastres naturais etc. Não podemos controlá-lo e não sabemos quanto mais está por vir.

A Cabalá oferece uma oportunidade de alcançar o objetivo final de uma maneira positiva. Para fazer isso, os judeus precisam restabelecer e revelar à humanidade o método de construir conexões humanas positivas acima de sua natureza egoísta em constante crescimento. Se eles mostrarem um exemplo de unidade, então, além de todas as diferenças, raças e religiões, ele se espalhará por todo o mundo, para que a força superior do amor e doação possa entrar no mundo e preenchê-lo de felicidade.

Por Que A Unidade Judaica É Fatal Para A Humanidade? – Conversa Com Shaul Magid


Shaul Magid, Distinguished Fellow em Estudos Judaicos no Dartmouth College, encontra o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir o antissemitismo e como o estabelecimento da unidade entre os judeus pode impedi-lo.

Vivemos em uma realidade destruída. Cada menor parte inteligente da sociedade, chamada humana, vive apenas para o benefício pessoal e não tem oportunidade de realmente entender ou mudar alguma coisa.

A alegação subconsciente das nações do mundo sobre os judeus é que seus infortúnios e sofrimentos na vida são causados ​​por judeus. A Cabalá explica essa sensação como um fenômeno natural.

Desde o nascimento do povo judeu, sob a orientação de Abraão, 3.800 anos atrás, os judeus adotam o método de construir conexões positivas acima do ego humano. Este método os transformou em uma entidade e lhes deu um nome – “judeus” (de “Yihud” – “unidos”).

Hoje, nós enfrentamos uma crise global e, como o mundo se torna cada vez mais interconectado, essa crise tocará cada área da existência humana. A única maneira de evitá-la é corrigir as relações humanas. Desse ponto em diante, há a necessidade no método de conexão de Abraão, e as nações do mundo, subconscientemente, já exigiam dos judeus que o implementassem e compartilhassem com todos.

Portanto, o povo judeu deve se reunir. Isto é uma necessidade. Se fizerem isso, o mundo inteiro seguirá o exemplo; se não – uma nova onda de antissemitismo os alcançará.

E Se Os Judeus Construíssem Uma Sociedade Perfeita? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a sociedade dos sonhos construída pelos judeus.

Como Lidar Com A Urgência Dos Judeus Se Unirem – Conversa Com Joshua Goldstein

Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a sociedade dos sonhos construída pelos judeus.

Qual É A Responsabilidade Dos Judeus Em Relação Ao Mundo? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da divisão americana de Herut North America, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a responsabilidade dos judeus em construir uma rede de conexões positivas no mundo.

Por Que Tantos Judeus Não Têm Orgulho De Sua Identidade? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da divisão americana de Herut North America, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir as origens do antissemitismo e a essência de ser judeu.

A Crise Mundial É Culpa Dos Judeus? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se encontra com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a unidade dos judeus e a conscientização de como isso influencia o mundo.

Por Que É Necessário Que Os Judeus Se Unam?

Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir as origens do antissemitismo e seu papel em direcionar os judeus à unidade.