Textos na Categoria 'Torá'

Shavuot – O Feriado De Encontrar Uma Conexão Com O Criador

laitman_744Um feriado especial está chegando – Shavuot, o feriado da entrega da Torá. Ele simboliza a revelação da Torá para nós, isto é, a conexão entre o Criador e o povo.

Isso aconteceu cerca de três mil e quinhentos anos atrás, no deserto do Sinai, perto do monte Sinai. Tais símbolos existem em nosso mundo porque cada raiz espiritual é obrigada a tocar seu ramo material.

Esse feriado é significativo, pois uma pessoa recebe uma conexão com a força superior. Caso contrário, continuaríamos sendo animais que existem sem rumo no planeta Terra, que está correndo em algum lugar em um espaço sem vida.

Agora podemos nos conectar com a própria força que criou o universo, o globo e as pessoas nele, e que lançou todo o processo de evolução. Podemos descobrir o que está por trás desse processo, quais são as formas de relações entre nós e o poder superior.

Shavuot é um grande feriado, porque celebramos a conexão com o Criador, que nos permite ressurgir desta vida, de sua falta de objetivo e falta de sentido, acima dessa existência animada. Não há feriado maior do que a entrega da Torá; tudo começa com ele! Se não fosse por ele, nossas vidas seriam em vão.

Permaneceríamos animais comuns nascidos para viver e morrer. A Torá nos dá a oportunidade de nos elevar acima de nossas vidas, compreender o poder superior e entrar na eternidade, perfeição, em outra dimensão que se baseia na doação, não na recepção.

Nosso mundo existe apenas dentro do egoísmo, recepção, e o mundo espiritual existe em prol da doação; portanto, ele é eterno e perfeito. Graças a esse meio, chamado Torá, temos a oportunidade de subir do mundo inferior para o superior.

Portanto, nós celebramos Shavuot, na qual não existem muitos símbolos: roupas brancas e laticínios são símbolos de doação. Essas são todas as características deste feriado.

Segundo a história, a entrega da Torá ocorreu depois que o povo de Israel deixou o Egito, ou seja, depois de fugir da intenção egoísta e cruzar o Mar Vermelho (Yam Suf), o que significava romper com o egoísmo e entrar no deserto do Sinai, o lugar onde o ódio (Sinaa) entre desejos altruístas e egoístas é revelado.

Então a pessoa enfrenta uma montanha de dúvidas. Har (montanha) vem de Hirhurim (dúvidas). Quantas objeções temos contra o desejo de doação nos são reveladas e precisamos trabalhar nelas. Por isso, gritamos: “Onde está a ferramenta que nos permitirá alcançar a doação? Nós não temos tanta força!”

Então, obtemos um poder do alto chamado “a luz superior”, “Torá”, isto é, “luz” (Ohr), “programa”, “técnica” (Ora’a). Assim, começamos a nos desenvolver propositalmente.

Até agora, estamos fazendo correção após correção em nosso egoísmo, geração após geração, até chegarmos ao fim da correção. Tudo isso é possível graças ao poder oculto da Torá, que é chamado de “a luz que retorna à fonte”, a mais alta luz da correção.

Nos dias deste feriado, há um poder especial no mundo. Se estudarmos juntos, ele nos levará adiante.

Da 3ª parte da  Lição Diária de Cabalá, 27/05/20, Escritos do Baal HaSulam, “Matan Torá [A Entrega da Torá]”

“Deus Deu A Torá A Moisés Em Público? Se Sim, Existe Uma Prova Sólida?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Deus Deu A Torá A Moisés Em Público? Se Sim, Existe Prova Sólida?

É apenas uma afirmação alegórica. Realmente achamos que Deus ou o Criador desceu do céu segurando a Torá em Suas mãos?

O Criador é uma força da natureza que se conecta harmoniosamente entre todos os elementos da realidade.

Algumas pessoas têm mais tendência a revelar essa força, sentindo perguntas sobre o sentido e o propósito da vida de forma mais sucinta do que outras, e também se sentindo atraídas por uma conexão mais profunda com a realidade.

Aqueles que sentem tal atração e que encontram um método para transformá-la em uma nova revelação da realidade tornam-se Cabalistas. Eles se envolvem em sua realização e revelação, e gradualmente se torna uma ciência de como descobrir o Criador.

O Criador é imaterial e, portanto, inatingível usando dispositivos físicos e corporais.

No entanto, se desenvolvermos uma força oposta à nossa natureza egoísta, uma força altruísta, começaremos a sentir o Criador completamente ao nosso redor.

Cabalá E Torá

Laitman_137Observação: Há um ditado que diz que a Cabalá é acrobática, que é preciso estudá-la somente depois de estudar a Torá, o Talmude e outras fontes primárias.

Meu Comentário: Os Cabalistas escrevem que isso depende apenas da pessoa. Se ela não tem desejo de espiritualidade, deixe-a estudar tudo, desde a Torá até o Talmude e assim por diante, isto é, até o estágio em que é atraída e vê que não precisa de mais. Se a pessoa inicialmente tem um desejo muito forte de conhecimento do Criador, ela imediatamente chega à Cabalá.

Pergunta: Não há proibição nisso?

Resposta: Não.

Pergunta: Essa é a opinião dos Cabalistas? Outros dizem que há uma proibição.

Resposta: Outros podem conversar. O que eles entendem nisso? A Torá é dada para nós compreendermos o Criador. Esta é sua propriedade, sua força, seu objetivo. Precisamos voltar ao Criador – para este estágio. Se alguém acredita que não tem força ou desejo para isso, então, basta estudar o que todo mundo está estudando, nada mais. Certa vez, eu trouxe mais de 40 alunos para o meu professor e todos aprendemos apenas material Cabalístico.

Pergunta: E ele não exigiu o conhecimento da Torá de vocês?

Resposta: Nenhum.

De KabTV, “Fundamentos de Cabala”, 29/01/19

O Significado Dos Livros Cabalísticos, Parte 4

laitman_587.01A Torá É A Linguagem Do Programa Da Humanidade

O Livro do Zohar, BeHaalotecha [Quando Você Montar as Velas], Item 58: Ai de quem diz que a Torá vem contar histórias literais e as palavras não instruídas de Esaú e Labão. Se é assim, ainda hoje podemos transformar as palavras de uma pessoa sem instrução em lei, e ainda mais agradáveis ​​que as delas. E se a Torá indica assuntos mundanos, mesmo os governantes do mundo têm entre eles coisas melhores, então vamos segui-los e transformá-los em lei da mesma maneira. No entanto, todas as palavras da Torá têm o sentido mais elevado.

O fato é que você pode escrever romances mais fascinantes do que a Torá. Mas ela apresenta uma história completamente diferente, que é codificada.

Cada letra, cada palavra, tudo o que aparece na Torá, da primeira letra “ Bet – ב” até a última letra “Lamed – ל” é um código. A palavra “letra” traduzida do hebraico significa “sinal”. Isto é, são certos sinais que se seguem em uma sequência.

A Torá não tem divisão em palavras. Não há sinais de pontuação: pontos, vírgulas, hifens, etc. Ela representa uma frase do começo ao fim, sem divisão em nenhum intervalo. Nesse sentido, a linguagem da Torá é um pouco como a linguagem de computador. É a linguagem do programa da humanidade, que deve cumpri-lo.

Cada letra da Torá é um sinal que uma pessoa deve expressar em si mesma, em suas propriedades. O que significa ler a Torá corretamente? Eu pego cada sinal, cada letra e me formato de acordo com isso: um formato, um segundo formato, um terceiro.

Depois, eu passo por certos estados. São esses estados que eu experimento desde o início da Torá até o fim que de mim formam um Adam, um ser humano, que é completamente semelhante ao Criador.

A Torá é um programa segundo o qual cada pessoa a lê corretamente, como se esculpisse cada letra em seu desejo egoísta. Então, esses desejos são gradualmente transformados em propriedades, ações e estados altruístas, e uma pessoa alcança sua completa equivalência com o Criador.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 18/12/18

O Significado Dos Livros Cabalísticos, Parte 2

laitman_262A Torá é um Código Secreto.

Do ponto de vista da Cabalá, a Torá é um código completamente secreto. Além disso, é classificado de forma que cada pessoa possa entendê-lo de uma maneira ou de outra, dependendo da extensão de sua correção ou corrupção.

Pergunta: O segredo não está no fato de eu ter que entender o significado de alguma palavra?

Resposta: Não. Você não pode extorquir seu código de alguém, abrir este livro com uma chave especial ou ver o que está oculto entre as páginas. É impossível.

Mas se você tem uma certa qualidade – doação, amor, saída de si mesmo, ou seja, a qualidade do mundo superior -, enquanto lê a Torá, começa a ver que o livro descreve não o nosso mundo, mas um mundo superior completamente diferente, invertido.

Se uma pessoa pode adquirir qualidades que são contrárias às propriedades atuais, então ela lê este livro corretamente, como foi escrito por seu autor. E se ela não possui essas qualidades, o lê como todo mundo neste mundo.

Pergunta: Ouvi dizer que se alguém escolhe uma letra a cada dez palavras enquanto lê a Torá, é possível revelar algumas informações dessa maneira.

Resposta: Não. Você pode lê-la como quiser: da frente para trás, de trás para frente, após cada dez ou vinte palavras – nada ajudará.

Pergunta: O futuro pode ser previsto por este livro? Dizem que ele contém todas as informações.

Resposta: Ele contém informações sobre tudo. Não apenas sobre o nosso mundo, mas sobre todos os mundos, sobre tudo o que existe, sobre todos e cada um de nós e todos nós juntos, independentemente do tempo e de quaisquer estados possíveis. Mas o fato é que isso não pode ser revelado.

Pergunta: É realmente possível encontrar informações sobre uma pessoa que nascerá, suponha, em 20 anos, e sobre o que acontecerá com ela em 50 anos?

Resposta: Nos mínimos detalhes. Além disso, todas as suas propriedades externas e internas são descritas lá, tudo o que acontecerá com você a todo momento, com bilhões de pessoas, animais e plantas, todos os grãos de areia, todos os mundos e suas representações mútuas.

Pergunta: Os Cabalistas podem decifrar isso?

Resposta: Sim, na medida do seu desenvolvimento. Eles leem da mesma maneira que lemos um texto simples.

De KabTV “Fundamentos de Cabalá”, 18/12/18

O Significado Dos Livros Cabalísticos, Parte 1

laitman_531.01As Muitas Faces da Torá

Pergunta: Quando abrimos a Torá, encontramos uma coleção de contos históricos com muitos personagens. Como devemos nos relacionar corretamente com eles?

Resposta: Se a Torá não veio de uma fonte especial, mas foi um livro comum escrito, digamos por uma pessoa na Idade Média, então seria apenas um romance histórico interessante.

A Torá em si é apresentada em uma linguagem muito interessante e, quando você começa a lê-la, não consegue parar, porque ela cativa você. Há algo nela que faz você nunca se cansar de ler.

Eu falo disso como um leitor comum que nada tem a ver com a origem deste livro, religião, história, geografia ou qualquer outra coisa. É apenas escrita em um estilo interessante.

Alguns percebem a Torá como um documento histórico, outros como ficção, ou, talvez, como uma coleção de instruções ou documentos legais. Ele contém muitas informações sobre a interação de pessoas e nações nos tempos antigos, sobre sua visão do mundo.

Em geral, a Torá é um livro muito interessante. Vemos algo semelhante em Flávio Josefo ​​se é possível comparar a Torá e suas obras. Até certo ponto, ele reconta a Torá e a descreve como historiador.

Josefo é um historiador verdadeiramente impressionante, com uma visão ampla e um profundo conhecimento de fatos históricos. Ele escreveu suas obras enquanto estava no exílio em Roma, onde um enorme instituto foi criado especialmente para ele, onde centenas de pessoas trabalhavam para ele.

Mas, mesmo assim, o que ele escreveu não pode ser comparado com a própria Torá.

De KabTV “Fundamentos de Cabalá” 18/12/18

“Shavuot: Iluminando Israel E O Povo Judeu” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Shavuot: Iluminando Israel E O Povo Judeu

“Israel está todo bagunçado com a sua eleição … Eles devem agir juntos”, disse o presidente Trump em relação à incerteza política neste país indo às urnas pela segunda vez este ano. Ele está certo, mas é apenas um sintoma do problema mais amplo da sociedade israelense profundamente fragmentada, que carece de uma visão comum sobre seu futuro, um estado de divisão também existente nos judeus americanos, bem como entre Israel e a diáspora. O tempo de Shavuot e tudo o que ele representa não poderia ser mais relevante. O feriado simboliza a recepção do guia para a correção espiritual do nosso povo, a recepção da Torá, ou em outras palavras, o caminho para sair da bagunça.

O que foi realmente dado a nós no Monte Sinai? A Torá não é uma crônica sobre eventos passados. Pelo contrário, ela descreve o momento seminal em que o nosso futuro se torna decidido, quando uma resposta clara é exigida de todos nós: estamos prontos para aceitar a garantia mútua (Arvut) como a lei da vida? Exatamente esta é a Torá: instruções sobre como corrigir nossas relações destruídas e, em vez disso, nos tornarmos fiadores uns dos outros amando nossos próximos como a nós mesmos.

Este é precisamente o objetivo para o qual a Torá nos foi dada. No entanto, devemos constantemente renovar nosso estado de merecimento para a recepção da Torá, escalando a “montanha de ódio” (Sinah), o rugido da tempestade que enfurece dentro de nós. Para fazer isso, devemos nos unir, nos conectar uns com os outros, nos tornar “como um homem com um só coração” e ficar no pé da montanha. Em outras palavras, devemos compreender plenamente que nos são dadas condições muito importantes e rigorosas sob as quais devemos trabalhar com toda a diligência e a unidade sempre crescente.

Shavuot, como todos os feriados judaicos, traz um chamado à ação. O feriado é brilhante. É cheio de brancura e luz, mas o apelo à ação é bastante complicado de realizar. Nós nos deparamos uns com os outros; as pessoas são sufocadas pela indiferença, queimadas de raiva por aqueles com opiniões diferentes das suas. Estamos em um deserto de relacionamentos estéreis e desalmados. Se repentinamente reconhecermos como o egoísmo nos despedaça, se tentarmos nos conectar em um corpo integral e encarar nossa divisão interna aparentemente intransponível, perceberemos com clareza como precisamos desesperadamente de ajuda.

Esse estado de clareza que enfrentamos atualmente é uma oportunidade única para a união. Somente aumentando nossa conexão poderemos escalar a montanha cada vez mais alto, elevando-nos acima de nossa separação. Elevar-se significa aumentar continuamente nossa conexão acima de todos os problemas, dificuldades e distúrbios que encontramos para nos ajudar a superar cada vez mais e criar um vaso no qual a luz da Torá será gradualmente revelada.

Neste momento de reconhecimento que coincide com o feriado de Shavuot, temos a oportunidade de receber ajuda e instrução, uma força unificadora que pode aumentar nossa saúde social e nos deixar viver felizes. Este é o momento atual de desenvolvimento evolutivo em que nos encontramos: ou crescemos proativamente e começamos a usar a Torá de acordo com o seu propósito, para o bem da unidade acima de todos os desacordos, ou os duros golpes da vida nos forçarão a crescer.

A Torá, de fato, é a ferramenta mais poderosa que ainda temos que aprender a usar. Uma pessoa não pode usar essa ferramenta sozinha. O problema, no entanto, é que ainda não podemos trabalhar juntos para colocá-la em uso. A Torá nos fornecerá segurança e prosperidade e dará paz ao mundo, mas primeiro devemos nos acostumar com o fato de que ela funciona entre nós e não no indivíduo. O egoísmo, afinal, é revelado em relação às outras pessoas.

Portanto, a Torá destina-se a conectar a pessoa com o ambiente a qualquer momento e nível de desenvolvimento humano. Ela nos revela a força de bondade e amor que nos une. Começamos a sentir como devemos equilibrar nosso egoísmo, a inclinação ao mal, onde quer que ela seja revelada, com a força da bondade, e podemos então manter as duas forças como rédeas com as quais podemos avançar diretamente para a unidade e o amor, deixando-nos uma base sólida e brilhante do nosso futuro.

Para mais informações sobre Shavuot >>>>>>>>>>>>>> (em inglês)

Por Que O Dia Da Tradução Da Torá É Considerado Um Dia De Luto?

Laitman_137Pergunta: Por que o décimo dia do mês de Tevet, o dia da tradução da Torá do hebraico para 70 idiomas, é considerado um dia de luto? Supostamente, neste dia, a Torá foi removida de seu lugar. O que isso significa?

Resposta: Porque esta tradução privou a Torá da sua verdadeira base espiritual, da sua verdadeira forma, apenas uma tradução superficial permanece. Mesmo de forma puramente didática, ela não poderia ser exata, sem mencionar o fato de que a parte espiritual não pode ser traduzida para nenhum idioma.

Mesmo o hebraico não é uma língua, mas um código – letras que se seguem em uma certa sequência, de acordo com certas regras. Elas não podem ser rearranjadas. Em cada palavra, há uma certa raiz de duas ou três letras, chamada “Binyan” (estrutura).

E quando o hebraico é traduzido, tudo isso é descartado e praticamente nada resta da língua. Uma pessoa toma uma simples tradução de uma palavra, uma propriedade do nosso mundo, embora não diga nada sobre coisas materiais, e lhe dá algum tipo de cópia do nosso mundo.

Pergunta: Quantas discussões existem em torno do fato de que uma mulher foi supostamente criada a partir da costela do homem, ou que os chifres de Moisés estavam brilhando? Tudo isso por causa de uma tradução incorreta?

Resposta: Você não pode fazer nada. Esse é um problema.

Pergunta: A humanidade, subindo de volta ao mundo espiritual, retornará a Torá ao seu lugar?

Resposta: Não temos nada para retornar! A Torá não caiu, não quebrou e nada aconteceu com ela.

A Torá é um retrato do dispositivo do mundo superior. Uma pessoa que começa a se envolver nela e a se elevar compreende esse dispositivo.

Mas quando ela pensa que esse dispositivo já está em seu bolso na forma de um livro, nem mesmo escrito em hebraico, mas em uma tradução que não tem significado espiritual, ela percebe a Torá como meras histórias. Quando ela lê que no princípio Deus criou o céu e a terra, ela pensa: “Eu sei o que é o céu. Eu sei o que é a terra. Vamos continuar lendo”.

Portanto, uma pessoa que não deseja “dissecar” a si mesma não deve ser permitida no mundo espiritual.

Da Lição de Cabalá em Russo 06/01/19

Torá E Vogais

Laitman_507.05Pergunta: As vogais são usadas em hebraico: nekudot – pontos acima das letras que indicam a pronúncia correta das vogais. Há um relato de que elas foram desenvolvidas por uma família de Tiberíades após a destruição do Templo, a fim de preservar o som da Torá. Mas nós estudamos que as vocalizações vocálicas são as luzes que estão acima da letra, ou seja, acima do Kli (vaso) ou sob o Kli.

Os nekudot foram inventados pela família de Tiberíades para registrar a Torá? Afinal, a própria Torá foi escrita sem nekudot.

Resposta: Não importa. Na Torá, não há realmente muitos sinais necessários para sua leitura. Afinal, quando você lê a Torá, você deve reproduzi-la com todos os seus instrumentos externos e internos.

Isto é, eu devo saber como canto o texto, como atribuo entonação a cada sentença, onde posso fazer uma pausa e onde é proibido. Afinal, uma pessoa não pode ler o texto de uma só vez.

Além disso, a leitura da Torá é diferente da leitura usual quando você leva o ar para os pulmões, lê algo em voz alta e libera o ar. Ao ler a Torá, eu devo administrar meus pulmões como um órgão numa catedral. Eu pressiono certas partes dos meus pulmões, que consistem em cinco partes. Depois disso, ligo as cinco partes do aparelho de reprodução: a laringe, a garganta, a boca, os lábios e os dentes.

Portanto, as letras hebraicas são uma forma abreviada dos enormes e poderosos dados que uma pessoa recebeu para ler.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/01/19

Expiação Dos Pecados Do Ponto De Vista Cabalístico

Laitman_115Pergunta: Existe um conceito de “expiação dos pecados” na Cabalá? Quem é o culpado se o Criador controla tudo e a pessoa está completamente sob Seu governo? Quem pode determinar a duração da permanência da pessoa nas cidades de banimento por um crime?

Resposta: O fato é que tudo escrito na Torá, no Livro do Zohar e em outros livros Cabalísticos fala apenas do mundo superior.

Quando estudei com o Rabash, eu recitava uma passagem do Talmude babilônico para ele e ele explicava o que as pessoas que o escreviam queriam dizer de uma perspectiva espiritual. Foi muito interessante porque tudo parecia completamente diferente: eles escreviam na linguagem dos ramos do nosso mundo, implicando as raízes superiores.

Por exemplo, pessoas que cometeram crimes eram enviadas para as cidades de banimento por seis anos. Embora o nosso mundo esteja aparentemente separado do mundo espiritual, os seis anos representam as seis Sefirot de HGT NHY, que uma pessoa tem que passar para avançar de Malchut à Bina no sétimo ano, e esses seis anos se refletem em nosso mundo.

Embora estes não sejam os anos do mundo corpóreo; no entanto, uma pessoa precisa ficar isolada durante esses seis anos enquanto trabalha em si mesma, avançando pelos seis graus do mundo espiritual. Isso é chamado de “correção”.

Da Lição de Cabalá em Russo 19/08/18