Textos na Categoria 'Religião'

Judeus Da América, Parte 9

17.01Para Prevenir O Movimento Ao Fascismo

Observação: Os judeus, vivendo em países diferentes, prosperam nesses lugares até o ponto em que a discórdia irrompe entre eles e o antissemitismo se espalha. Então eles se unem novamente através do sofrimento que os une. E então vem o fascismo.

O grande Cabalista do século XX, Baal HaSulam, acredita que a única maneira de interromper o nazismo é por meio de uma religião que ele chama de altruísmo.

Acontece que os judeus, como nação, são oponentes naturais do fascismo em qualquer uma de suas formas. E inconscientemente sentindo isso, todas as formas de fascismo são contra os judeus.

Baal HaSulam, no jornal A Nação escrito em 1940, enfatiza: “Ele [Karl Marx] pensava que a governança do proletariado seria o passo subsequente para a governança burguesa e, portanto, determinou que, ao negar o governo burguês, um governo proletário seria estabelecido imediatamente. No entanto, a realidade prova que a etapa seguinte à ruína do atual governo é a dos nazistas ou fascistas”.

Meu Comentário: Infelizmente, veremos o surgimento do fascismo na América, em todos os países desenvolvidos e nos países capitalistas e semicapitalistas em desenvolvimento. Essa é uma lei da natureza. Depois de um estado desenvolvido, a sociedade pode chegar à conclusão de que é necessário mudar sua ideologia ou continuar a linha do fascismo.

Pergunta: Em outras palavras, para sobreviver, as pessoas vão para o nacionalismo? Vemos que partidos de direita e nacionalistas estão chegando ao poder em quase todos os países europeus.

Resposta: Isso continuará a se deteriorar até que o método de conexão se torne aparente no mundo.

Pergunta: Se essas são as leis da natureza, então ninguém é culpado, nenhuma religião. Existe uma única força que gera todos esses processos. E nós, como observadores, devemos perceber tudo isso e tirar as conclusões certas?

Resposta: Não. Podemos levar tudo isso adiante, começando a nos unir com base na verdadeira religião, a ciência da Cabalá.

Assim, mostraremos a toda a humanidade que existe um caminho que os leva à salvação do seu próprio egoísmo. Um caminho que não só torna especial nossa vida neste mundo, mas também revela o mundo superior, ou seja, a estrutura da sociedade baseada na interconexão.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 5

963.6Cabalá – Uma Ponte Conectando Judeus

Pergunta: Duzentos anos atrás, os reformistas americanos queriam pegar a religião dos pais, suas tradições, e a adaptar à modernidade. Este conflito entre os judeus ortodoxos em Israel e os reformadores americanos continua até hoje. Qual pode ser a ponte que os conecta a todas as tradições e divisões?

Resposta: Nada além da ciência da Cabalá, que é a base, o núcleo, a parte interna do verdadeiro Judaísmo e que explica quem são os judeus, de onde vieram, o que deveriam ser, o que trazer ao mundo e qual o seu propósito. Somente neste caso algo mudará.

Observação: Mas foi escrito sobre isso em todos os lugares, e eles podem ler.

Minha Resposta: Eles não poderão ler porque não querem. Mesmo que o leiam, eles não levarão em consideração essas palavras, muito menos perceberão por si mesmos. Isso parece não existir para eles.

Pergunta: Isso significa que os Cabalistas terão que dar o exemplo?

Resposta: Os Cabalistas terão que se organizar. Eu espero que isso aconteça nos próximos 10 a 20 anos. Ao mesmo tempo, o mundo afundará no abismo da desunião e de todos os tipos de crises: políticas, militares, econômicas, naturais e climáticas. Como resultado, o Judaísmo deve explicar a si mesmo e aos outros que é nele que está a atitude correta do homem para com o homem e para com a natureza, que trará tudo ao equilíbrio.

Este é o propósito dos judeus: tornar-se uma luz para os povos do mundo. Primeiro para você e depois para os outros.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 4

419Reformismo Americano

Pergunta: Como você sabe, os judeus alemães eram reformistas. A chegada à América de centenas de milhares de irmãos da Europa Oriental (Rússia, Bielo-Rússia, Ucrânia e Polônia) não os deixou felizes porque esses judeus eram ortodoxos. Com base nisso, surgiram conflitos. O boêmio Isaac Mayer Wise é considerado o fundador do judaísmo reformista americano.

Qual é a base do reformismo? Qual é a razão deste fenômeno no Judaísmo?

Resposta: O reformismo acredita que a religião deve ser deixada como uma espécie de pano de fundo onde une as pessoas. E onde ele não une, tem que ser removido. É necessário retirar a religião ortodoxa da sociedade porque ela a divide em clãs, classes, etc.

Mesmo na Rússia, havia diferentes rabinos nas aldeias que diferiam em suas interpretações do judaísmo e em tudo o mais. E mais ainda, judeus orientais e ocidentais, Litvak e hassidim bielorrussos. Naturalmente, tudo isso impediu a unificação.

Por outro lado, os judeus americanos queriam um uso puramente mercantil de sua origem para seu próprio bem e, portanto, procuraram suavizar parcialmente a tradição. Vemos que, ao longo dos anos, a sociedade judaica americana manteve mais ou menos uma forma indiferente.

Claro, a diferença entre os judeus é muito grande, mas é considerada de acordo com a carteira, como o resto da sociedade americana. Por exemplo, nas sinagogas existem certos lugares para quem faz grandes doações, para quem não pode pagar tanto, para pessoas especiais e para pessoas comuns, que não podem ser em uma capela. Os americanos, com sua divisão inerente de uma pessoa por bolso ou posição, fazem isso sem a menor cerimônia, o que deixa uma marca no judaísmo americano moderno.

Mas, por outro lado, isso levou ao fato de que hoje esse judaísmo, em princípio, não existe. Tornou-se o chamado Judaísmo de três dias por ano, quando as pessoas vão à sinagoga apenas nos feriados: Yom Kippur, Rosh Hashanah e Pessach, etc. O resto se resume a você enviar um cheque para seu rabino ou comunidade.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 3

448.3Religião É Um Fator Que Divide A Sociedade

Pergunta: Cem anos após o reassentamento dos judeus alemães na América, os judeus russos começaram a chegar.

De acordo com o escritor americano Stephen Birmingham, os judeus alemães já eram respeitáveis, bem vestidos, de aparência burguesa e ricos, e os novos imigrantes da Europa Oriental eram esfarrapados, empobrecidos, assumindo ativamente o controle de sua cultura, sofrimento feroz e pogroms. Eles eram socialistas idealistas.

Os judeus alemães tinham muito medo dos russos, especialmente sua ideia de organizar sindicatos. Portanto, surgiram divergências entre eles, mas não por motivos religiosos, mas por motivos sociais.

O famoso ator americano Kirk Douglas, que vem de uma família de judeus bielorrussos, observou que o antissemitismo às vezes era mais forte entre os judeus, principalmente com os judeus alemães que odiavam os judeus russos e poloneses.

Por que a discórdia entre judeus não é apenas religiosa, mas também social?

Resposta: Nossa religião não une os judeus. Pelo contrário, torna todos individualistas, porque não é construída sobre o verdadeiro fundamento do Judaísmo, que diz “ame o próximo como a si mesmo”, acima de todas as diferenças.

A religião acredita que um judeu deve cumprir tudo o que é dito no “Shulchan Aruch” (Código de Leis), e com isso ele garantirá seu futuro neste e no próximo mundo. Todo o resto não importa.

Pergunta: As tradições externas não podem unir as pessoas?

Resposta: As tradições externas dividem.

Pergunta: Por que existe o mais forte antissemitismo entre os judeus?

Resposta: Um judeu é uma pessoa que deve mostrar ao mundo inteiro o caminho para a unidade, para “amar o seu próximo como a si mesmo”, para superar todas as diferenças que o amor cobre. Devemos ser uma luz para os povos do mundo. E se não suportarmos isso, estaremos em desunião e todos nos odiarão.

De onde obtemos a mensagem certa se não recebermos a educação adequada? A religião não diz nada sobre isso. Pelo contrário, nos coloca um contra o outro: estes são sefarditas, estes são negros, estes são brancos, estes são orientais e estes são ocidentais e assim por diante. Tudo é construído para trazer o máximo de desunião à sociedade.

Até hoje, vemos isso entre os judeus ortodoxos. Quanto mais ortodoxo é um judeu, mais ele se apega ao seu clã estreito, a ponto de o casamento com outras pessoas ser um grande problema. Apenas nos últimos anos, em algum lugar, de alguma forma, isso se suavizou, mas ainda não em comunidades estritamente ortodoxas.

Ao mesmo tempo, a parte não religiosa da sociedade em Israel, e mesmo na América, é totalmente indiferente a várias partes da sociedade e está pronta para se unir a elas.

Isso mostra claramente o quanto a religião divide a sociedade em classes e grupos, e como o afastamento da religião atrai as pessoas a se conectarem mais umas com as outras.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

A Saída Dos Judeus Da Religião

559Pergunta: Durante o Iluminismo, muitos judeus se mudaram para as cidades. 70 a 80% deles trabalhavam no comércio, em fábricas, matriculavam-se em universidades, serviam no exército e criavam seus próprios partidos. Houve um afastamento da religião.

Os judeus participaram de tudo, mesmo de organizações mais antissemitas. Entre eles estavam Mencheviques, Socialistas-revolucionários, Bolcheviques e até mesmo Centenas Negras.

Uma nova divisão surgiu, uma divisão religiosa, que passou a ser um bloco e a parte que deixou a religião. Por que, do ponto de vista do propósito da criação, há esse afastamento das raízes espirituais da maioria dos judeus?

Resposta: Nem os Hassidim nem os Litvaks [judeus lituanos] eram adequados para pessoas que precisavam de uma metodologia clara. Para que serve a religião? Para onde ela leva? Qual é o seu propósito, seu sentido? Por que é dada ao povo judeu?

Esse é um conjunto natural de perguntas que surgem entre os judeus que passaram por longos exílios, que saíram da Idade Média rodeados de outros povos, que também começaram a se atualizar, desenvolver a ciência, abrir universidades, etc.

Além disso, uma visão sobre as massas judias foi criada como sendo completamente intimidadas, ignorantes, muito distantes do mundo moderno em constante desenvolvimento. Portanto, havia uma diferença muito séria entre os estratos judaicos progressistas que iam para a ciência, arte e aqueles que permaneceram nas aldeias judaicas, em suas yeshivas [instituições educacionais judaicas dedicadas ao estudo do Talmude].

Pergunta: Porém, do ponto de vista do desenvolvimento espiritual, é bom que as pessoas deixem sua história e se esqueçam de tudo?

Resposta: Esta história perdeu sua utilidade, uma vez que existia nas ruínas do Templo destruído. Não teve oportunidade de continuar. Há um momento de espalhar pedras e um momento de juntá-las.

Porém, os ecos desse período são sentidos até hoje, embora em nosso tempo não tanto porque os líderes da parte religiosa do povo perceberam que algo precisava ser feito, para de alguma forma desenvolver mais.

Portanto, nos últimos anos, eles não alienam mais as pessoas de se aproximarem da ciência, de adquirirem ocupações normais.

Anteriormente, se uma pessoa quisesse viver uma vida religiosa, ela se condenava a uma existência miserável, sem uma profissão normal. Sua família vivia em um nível inferior ao do resto dos judeus que estavam engajados em práticas civis.

Portanto, tendo recebido os direitos, os judeus correram para as cidades, para as fábricas. Quando os bolcheviques chegaram ao poder, os judeus se tornaram a maior parte da liderança em todos os partidos e organizações. Não só homens, mas também mulheres. Paradoxalmente, a maioria dos líderes soviéticos tinha esposas judias.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 28/12/19

Desenvolvimento Do Hassidismo

427.01Pergunta: No início dos anos 30 do século XVIII, um novo movimento apareceu: o hassidismo. O que foi isso?

Resposta: No século XVI, desde o aparecimento em Safed da escola do grande Cabalista da Idade Média, o Ari, a ascensão espiritual dos judeus começou na Terra de Israel, bem como em todos os países da diáspora, visto que os laços entre os judeus eram bastante estreitos.

Ninguém duvidou que o Ari era uma pessoa especial. Ele chamou o povo para a unificação, ascensão espiritual, o desenvolvimento da Cabalá, a revelação do Criador e o cumprimento pelos judeus de seu destino espiritual. Como resultado, grupos de judeus surgiram em muitos países do mundo que seguiram sua ideia.

Isso é o que levou ao surgimento do hassidismo. O seguidor direto do Ari foi o Baal Shem Tov, que viveu na Europa Oriental no século XVIII. Ele pregou os ensinamentos do Ari de maneira prática: como os judeus em conexão uns com os outros podem revelar o Criador.

Essa ideia foi calorosamente recebida por judeus que viviam no sul da Europa Oriental em terras pertencentes à Lituânia, Polônia, Rússia e ao atual território da Bielo-Rússia. Os judeus que habitavam as terras do norte, incluindo a Alemanha e os países dos atuais Estados Bálticos, pertenciam aos oponentes do Baal Shem Tov. Eles não concordavam que era necessário elevar a parte espiritual das pessoas.

A oposição chegou a ponto de denunciarem uns aos outros às autoridades czaristas. Foi assim que surgiram grandes problemas que ainda existem entre as massas crentes.

Além disso, você precisa entender que o reassentamento de judeus na Europa, Ásia, Rússia e no mundo, em geral, ocorreu sob a influência de forças superiores, como todo o movimento do homem neste mundo. Portanto, aqueles cujas almas estavam mais predispostas ao desenvolvimento espiritual se estabeleceram na Polônia, sul da Bielo-Rússia, Ucrânia e sul da Rússia. Os oponentes do desenvolvimento espiritual, que estabeleceram como meta apenas o cumprimento árido das leis da Torá, estabeleceram-se nos Estados Bálticos e no norte da Rússia.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 09/12/19

Gerenciando O Estresse, Parte 7

559Por Que As Pessoas Religiosas Sofrem Menos Com O Estresse?

Pergunta: É um fato bem conhecido que as pessoas religiosas sofrem menos com o estresse. Qual é a razão?

Resposta: É porque elas acreditam que existe um propósito superior e um perdão superior. Então, elas acreditam que tudo ficará bem no final. Não importa como ajam ou o que aconteça, tudo está predeterminado de cima como deve ser e, portanto, o que será, será e para melhor.

Pergunta: Ler orações e textos como Salmos ajudam a controlar o estresse?

Resposta: Claro. Pegue qualquer texto, comece a lê-lo e você verá que tem um senso de realidade completamente novo. Não estou dizendo que você realmente muda a si mesmo ou a sua realidade, mas é reconfortante. Este é o significado da religião.

De KabTV, “Habilidades de Gestão”, 25/06/20

A Era Do Iluminismo E Da Emancipação, Parte 6

Laitman_011Rejeição Da Percepção Religiosa Do Mundo

Pergunta: Na primeira metade do século XIX, a luta entre o povo judeu começou a diminuir e ele é percebido como um todo. No entanto, surge outro problema: começa a era do Iluminismo, o desenvolvimento das ciências, a aquisição de direitos civis pelos judeus e a liberdade de movimento.

Isso levou novamente a uma divisão entre judeus: por um lado, a sociedade ortodoxa e, por outro lado, pessoas que começaram a deixar a religião. Isto é, houve uma rejeição da percepção religiosa do mundo.

Por que, pela primeira vez na história, os judeus e as outras nações começaram a deixar a religião em massa e a se envolver na ciência?

Resposta: Porque a religião não lhes explicava que o amor ao próximo é sua principal lei. Seguir a religião consistia apenas no cumprimento de prescrições, jejuns e todos os tipos de feriados.

Ela obrigava as pessoas a observar tradições, mas, ao mesmo tempo, não explicava por que isso era necessário e a que deveria levar. Portanto, uma pessoa que não sentia por que estava fazendo as coisas e que propósito positivo elas tinham, simplesmente renunciava à religião.

Pergunta: Como esse período afetou a correção de toda a humanidade e o papel dos judeus nesse processo?

Resposta: Eu creio que esse foi um período necessário, primeiro, porque nada acontece em vão. Era necessário ficar sóbrio e interromper o cumprimento figurativo das leis da Torá sem pensamentos e sentimentos quando eles eram realizados apenas porque isso deveria ser feito, de maneira escrupulosa e mecânica. Afinal, não é isso que o Criador exige de nós, mas que corrigimos nossos pensamentos e sentimentos, mente e coração.

Comentário: Em princípio, essa abordagem religiosa mecânica é bem egoísta. Eu sigo as tradições e, por isso, tenho direito a algo neste mundo e no outro mundo, o paraíso me é prometido.

Minha Resposta: Essa é uma abordagem medieval egoísta que não proporcionou desenvolvimento a uma pessoa. Naturalmente, os grandes sábios sabiam e entendiam por que e com que propósito tudo estava acontecendo dessa maneira, mas era apenas alguns deles.

Pergunta: Era necessário, porque mantinha as pessoas dentro de limites e dava algum tipo de confiança na vida?

Resposta: Sim, isso foi exigido pelo atual período de desenvolvimento humano. Tudo depende do desenvolvimento dos desejos internos da pessoa.

Pergunta: Por que todas essas leis não foram reveladas há 1.000 anos e sua divulgação ocorreu precisamente no curto período da Cabalá Lurianica?

Resposta: Existem períodos de acumulação de algumas tensões internas em uma pessoa e na sociedade, e então elas são liberadas, via de regra, de maneira explosiva.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 05/08/19

A Era Do Iluminismo E Da Emancipação, Parte 5

laitman_533.02O Confronto Entre Dois Movimentos

Pergunta: Algum tempo após a expulsão dos judeus da Espanha, movimentos espirituais começaram a florescer em Safed, e o Conhecimento cabalístico entre as massas começou a se espalhar.

Mas então a rápida disseminação do novo movimento causou uma resposta e resistência. Os professores espirituais da escola tradicional da Lituânia começaram a se opor à disseminação desse conhecimento com boicotes, calúnias às autoridades e extermínio físico.

Como se explica isso? Por que os ensinamentos do Ari, que já deveriam estar incorporados na humanidade, falharam repentinamente e a queda recomeçou?

Resposta: Isso não é um fracasso, mas um desenvolvimento natural do método de correção, que não pode passar por apenas uma linha. Ele passa precisamente por duas linhas e é realizado entre elas, na terceira.

Como resultado, verificou-se que a Cabalá do Baal Shem Tov é a mesma Cabalá do Ari, que foi entendida pelas massas. Ele organizou um Cheder, ou seja, um local para aulas. Ele recrutou jovens talentosos para o seu grupo, independentemente do status deles. Então grandes grupos de estudantes e líderes de movimentos hassídicos foram formados de seus alunos. Eles eram especialmente populares entre a população judaica da Ucrânia, Bielorrússia e Europa Oriental, onde suas próprias escolas foram organizadas.

Mas, ao mesmo tempo, apareceu outra escola, fundada pelo Gaon de Vilna. Ele acreditava que as pessoas deveriam ser ensinadas gradualmente, e somente àquelas que haviam alcançado grande conhecimento no Talmude, em um simples estudo da Torá.

Na sua opinião, o estudo da Cabalá deve ser difundido não entre as pessoas comuns, mas entre a elite a quem os mundos espirituais e outras predestinações da humanidade só podem ser explicados depois que dominaram seriamente a Torá “árida”.

Pergunta: A Cabalá fala de amor ao próximo em sua forma mais simples e terrena. Qual poderia ser o perigo de estudar a Cabalá?

Resposta: O fato é que, quando você simplesmente fala sobre o amor ao próximo, deixa a pessoa pensar que, se ela tratar os outros corretamente, nada mais é necessário. Portanto, há certo delírio na compreensão do “amor ao próximo”.

É assim que um movimento foi formado no hassidismo: se você ama outra pessoa e parece tratá-la corretamente, isso é suficiente. Nada mais é necessário, e você já está cumprindo sua predestinação.

E o Gaon de Vilna afirmou: “Não, é necessário estudar seriamente a Torá, o Talmude Babilônico, e manter cuidadosamente todas as leis. Somente depois disso, pode-se estudar Cabalá”.

Portanto, na introdução de seu grande trabalho, O Estudo das Dez Sefirot, Baal HaSulam presta muita atenção a isso. No começo, ele faz a pergunta: “É realmente necessário conhecer todas as grandes leis do cumprimento da Torá em nosso mundo e somente depois disso estudar Cabalá?

“Ou é suficiente fazer isso em paralelo? Ou mesmo, talvez, não seja necessário conhecer e obedecer a todas as leis de maneira tão escrupulosa? Porque o Criador exige que corrijamos nossos corações mais do que encher nossas cabeças com todos os tipos de leis”.

Então, aqui estamos em um estado de grande contradição ideológica. E é muito sério porque fala do método de correção da alma. Deveria ser ensinado a crianças a partir dos 13 anos ou até mais cedo? Ou talvez, também possa ser explicado às mulheres? Ou apenas para grandes especialistas no Talmude Babilônico?

Essa contradição ideológica era um processo necessário e estava se formando por si só.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 05/08/19

A Sabedoria Da Cabalá E A Religião São Totalmente Opostas

laitman_204Pergunta: Qual é a diferença entre as pessoas ortodoxas para quem não há nada além de Deus e as pessoas que se dedicam ao estudo da sabedoria da Cabalá para as quais “Não há outro além Dele?”

Resposta: A diferença é muito simples; esses dois tipos de pessoas são completamente diferentes. Primeiro, a sabedoria da Cabalá não é uma fé ou uma religião. Ela se envolve na fé, mas não obriga ninguém a acreditar. Em vez disso, exige que a pessoa revele o Criador.

Uma pessoa religiosa diz: “Eu acredito!”

“Por que você acredita?”

“Disseram-me para acreditar e isso me foi explicado, e por isso acredito no que me disseram”.

“Ok, isso é da sua conta”.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, por outro lado, fé significa conhecimento, realização, sentimento, sensação. Não é o que chamamos de fé em nosso mundo, quando não sei se algo é verdadeiro ou não, mas aceito-o e vivo como se fosse. Quem pode provar isso? Ninguém. É verdade ou não? Existem tantas opiniões quanto pessoas.

Portanto, não há conexão entre a sabedoria da Cabalá e a religião. Pelo contrário, a sabedoria da Cabalá não tem nenhuma relação com a religião. Ela se destina apenas à revelação, ao conhecimento e ao sentimento, e não às coisas sobre as quais alguém nos fala. Há uma enorme diferença.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 24/11/20