Textos na Categoria 'Religião'

Nova Vida # 829 – Religiões E O Desenvolvimento Do Homem

Nova Vida # 829 – Religiões E O Desenvolvimento Do Homem
Dr. Michael Laitman na conversação com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

O que o atual retorno à religião indica? Como Abraão descobriu a força superior? Qual foi o impacto dessa revelação sobre a humanidade e por que surgiu a religião popular?

Há uma tendência de retorno à religião hoje como resultado do crescente egoísmo. As pessoas estão procurando um sentido na vida. A religião nos diz que há uma força que nos controla acima da natureza, que devemos acreditar nela e obedecer aos seus mandamentos. Nós não precisamos “crer” para revelar o Criador; precisamos trabalhar e adquirir o atributo do amor ao próximo.

De KabTV “Nova Vida # 829 – Religiões E O Desenvolvimento Do Homem”, 14/02/17

Nova Vida # 828 – Entre Religiões E A Sabedoria Da Cabalá

Nova Vida # 828 – Entre Religiões E A Sabedoria Da Cabalá
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

O que a religião nos dá? Como a sabedoria da Cabalá nos ensina a conhecer a força superior e qual é o objetivo que as pessoas de todas as religiões devem alcançar de acordo com essa sabedoria?

Nós não sabemos para que estamos vivendo, e as religiões oferecem à pessoa algo que está além dessa vida. A sabedoria da Cabalá é a interioridade do Judaísmo. É o método de revelar o Criador ao homem enquanto ainda está neste mundo.

De KabTV “Nova Vida # 828 – Entre Religiões E A Sabedoria da Cabalá,” 14/02/17

ISIS Executa Um Xeque Sufi De Cem Anos De Idade

Laitman_153Nas Notícias (Al Arabiya): “O Ansar Bayt al-Maqdis – grupo extremista afiliado ao ISIS no Egito – divulgou imagens que pretendem mostrar a execução de um homem de 100 anos.

O grupo, que mudou de nome para ISIS-Sinai quando prometeu fidelidade ao grupo extremista que mantém terras no Iraque e Síria, matou o xeque Sulaiman Abu Haraz depois de o sequestrar.

“Abu Haraz, considerado um dos simbólicos clérigos sufis e anciãos da Península do Sinai, foi levado pelo grupo da frente de sua casa na cidade de Arish sob a mira de armas”.

Meu Comentário: O sufismo é a Cabalá Islâmica. Eles vivem suas vidas no exílio de suas nações porque são odiados, semelhante à atitude em relação aos Cabalistas no Judaísmo. Da mesma forma, o Sufismo chama a todos a alcançar a unidade através do amor ilimitado, como um princípio fundamental para toda a humanidade.

Libertação

Dr. Michael LaitmanHá duas abordagens à vida. A primeira abordagem é dedicar a maior parte de nossa atenção a este mundo, obtendo o máximo de prazer possível. É por isso que a humanidade conquista o espaço e explora as profundezas de um átomo. Tudo isso é trabalhar com a matéria.

Mas a sabedoria da Cabalá diz que, em vez de voar para estrelas distantes, nós precisamos mergulhar nas profundezas do ser humano. O mundo é descoberto dentro de nós; nós vemos o mundo dentro de nós mesmos. Uma pessoa percebe a realidade com sua consciência e, portanto, ao mudá-la, muda a realidade.

A realidade é um reflexo de nossas qualidades internas. Corrigindo nossas qualidades internas, começamos a ver o mundo espiritual. E, retornando às nossas características egoístas originais, vemos este mundo.

É por isso que mesmo em relação à Torá há duas abordagens. Há aqueles que observam os mandamentos da Torá apenas em suas ações, pensando que a Torá descreve a observância externa. E é por isso que tal Torá é chamada de externa, porque é observada apenas através de ações físicas e palavras. Mas há pessoas chamadas Cabalistas que acreditam que seguir a Torá é uma ação interna, realizada pela mudança da natureza humana.

Ao trabalhar no grupo de acordo com o método da Cabalá e atrair a Luz que Reforma, uma pessoa começa a cumprir a Torá e os mandamentos não só com mãos, pernas e palavras, mas através do desejo que é corrigido com a ajuda da Luz e dividido em 613 partes. E isso porque é dito, “a opinião da Torá é oposta à opinião das massas”.

A abordagem externa também está associada ao estudo da natureza pelas ciências regulares, à aspiração de explorar as profundezas dos níveis inanimado, vegetal e animal, e transformar o mundo através da mudança da natureza e dos governos externamente.

Em contraste, a sabedoria da Cabalá diz que se o mundo é o resultado da nossa percepção, então é necessário corrigir apenas a nossa percepção, as nossas qualidades internas. Somente dessa maneira podemos mudar o mundo, a humanidade, o homem e toda a realidade de tal maneira que começaremos a experimentar o mundo como eterno, perfeito e ilimitado.

Por essa razão, a opinião das massas difere da opinião da Torá, e não há nada que possa ser feito sobre isso, não é possível reuni-las. Pouco a pouco a Luz superior opera sobre a humanidade, avançando-a para a necessidade de reconhecer a verdade e perceber que toda a realidade existe internamente. Não há nada fora de nós, tudo é percebido dentro de nossa consciência.

A passagem da visão geral de mundo, aceita por toda a humanidade que percebe o mundo como externo a si, para o mundo como um produto da percepção dentro da consciência humana, é chamada de libertação. Os olhos das massas se abrirão e elas começarão a se aproximar da verdade.

Então a sabedoria da Cabalá será revelada não apenas a indivíduos específicos, mas a todos, e explicará a toda a humanidade sua missão e o propósito do homem nesta realidade.

Todos vão perceber que o nosso mundo não é este planeta Terra, onde estamos destinados a nascer e morrer, mas uma pequena parada, um ponto de partida, a partir do qual temos que começar a se desenvolver ainda mais.

De 3ª parte da Lição Diária de Cabalá, “A Opinião da Torá é Oposta à Opinião dos Proprietários” 30/01/17

Nova Vida # 819 – Cultura Judaica: A Mezuzá

Nova Vida # 819 – Cultura Judaica: A Mezuzá
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

Por que nos mandam colocar uma Mezuzá em nossa porta? Qual é a proteção especial que ela fornece e qual é o propósito de manter as Mitzvot (mandamentos) em nossa vida?

Os costumes judaicos, as Mitzvot, estão em uma estrutura de ramo e raiz. Eles são apenas os sinais das raízes espirituais superiores. Abraão quebrou as estátuas dos ídolos, a fim de mostrar aos babilônios que não existem meios corpóreos que possam proteger uma pessoa. Todos os costumes judaicos são destinados a nos lembrar de estar em contato com a força superior através do amor ao próximo.

De KabTV “Nova Vida # 819 – Cultura Judaica: A Mezuzah“, 26/01/17

O Criador Como Um Amigo

Dr. Michael LaitmanQual é a imagem que se desenrola diante de nós? É a natureza que se revela cada vez mais dentro e ao redor de nós. Nós descobrimos a natureza cada vez mais profunda e vemos que existimos dentro do sistema. Aparentemente, enquanto nós existimos nele, o sistema nos avança para algum objetivo.

Por um lado, o homem é um produto da natureza. Por outro lado, nós somos criaturas especiais da natureza que podem revelar seu criador.

Quem nos criou? A natureza. Quem nos avança? A natureza. Para onde nos move? A julgar pela história do nosso desenvolvimento, pelo processo de evolução, podemos descobrir para onde estamos indo. Então vamos investigar isso e descobrir!

A sabedoria da Cabalá difere das religiões na medida em que dá a pessoa ferramentas para a revelação da força superior. Ela lhe o que fazer, em vez de chorar e orar aos ídolos que nós mesmos fizemos na esperança de implorar por uma vida boa.

A forma mais eficaz de estudo que ajuda uma pessoa a avançar é a sabedoria da Cabalá. Essa é a diferença entre a força superior que as pessoas religiosas imaginam e aquela que os Cabalistas, que têm contato e relação com essa força, descobrem. Os Cabalistas podem abordar a força superior, receber dela e ter interações precisas com ela.

E a força superior, ou seja, a natureza, quer que estejamos em tal interação com ela. Trabalhando com o sistema da natureza, nós gradualmente começamos a revelar dentro dele a mente e os sentimentos que cada vez estão um grau acima de nós.

O problema é que não podemos imaginar a força superior que não está vestida na matéria e na forma. Se a força superior é toda a natureza, então ela desaparece para nós. No entanto, ela é revelada precisamente na conexão entre nós de uma maneira muito clara. Nós temos que revelar o Criador como nosso amigo.

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 18/01/17“Mismach Arosa”, (Documento Arosa)

Cabalá E Religião

laitman_250Pergunta: Por que há muitos textos religiosos e orações que estão perto da religião na sabedoria da Cabalá?

Resposta: A Cabalá é o alicerce. Ela foi estabelecida antes de qualquer uma das religiões. Todos os textos e livros que lemos, como Salmos, Eclesiastes, e assim por diante, são textos Cabalísticos; não têm nada a ver com a religião. Eles foram escritos por Cabalistas. Eles escreveram sobre a conquista do mundo superior e sobre o sistema superior, investigando-o dentro de si mesmos com base na conexão entre eles e os outros. Trata-se de um trabalho psicológico elevado, prático e interno.

Eu não vejo um único livro que possa ser visto como base para a humanidade, além da sabedoria da Cabalá. A Cabalá foi a fonte do conhecimento científico para cientistas, filósofos, alquimistas e muitos outros ao longo da história humana. Eles extraíram todo o conhecimento da Cabalá. Ela é uma ciência.

Enquanto essa sabedoria existiu entre o povo de Israel, tanto os gregos quanto os romanos tiraram o conhecimento dela e a disseminaram até na Europa. Quando o povo de Israel desceu do seu nível espiritual de “E amarás o teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18) para o nível do “ódio mútuo”, a sabedoria da Cabalá foi ocultada do povo e permaneceu apenas entre um pequeno grupo de pessoas. Visto que as pessoas se desconectaram da percepção do mundo superior, elas mesmas começaram a imaginá-lo dentro de estruturas e atributos completamente diferentes. A partir disso surgiu a religião, o judaísmo, e dele, o cristianismo e o islã. Assim, nós nos desconectamos da espiritualidade em um exílio de 2.000 anos; nós temos que explicar que Abraão e Moisés eram Cabalistas e que o Talmude é um livro Cabalístico.

Nós não podemos e não devemos provar nada às pessoas porque tudo será gradualmente revelado à humanidade. As pessoas de repente começarão a entender que as ideias Cabalísticas estão corretas. A humanidade foi dividida em muitos níveis diferentes de acordo com seu anseio em descobrir a verdade. Há pessoas que querem estudar as várias ciências, estar envolvidas com artes, alcançar a realização pessoal, etc. E há pessoas que só querem viver normalmente, e por isso a religião é necessária para elas. Mas há pessoas que querem atingir com precisão o sentido da vida; elas são as que chegam à sabedoria da Cabalá.

Da Lição de Cabalá em Russo 25/09/16

Por Que As Pessoas Evitam A Sabedoria Da Cabalá?

“Mas as palavras da Torá são segredos sublimes” (O Livro do Zohar, “Beha’alotcha”, 58). O que significa “segredo sublime”? Realmente não há segredos. Nós apenas não estamos prontos ou não queremos descobri-los. O segredo está em relação a nós. O mundo inteiro está aberto!

O mundo superior, o mundo das forças, está aqui. Supostamente, nós o controlamos e fazemos o que queremos nele. Mas, na verdade, não temos acesso a ele. Não é possível para nós manipularmos as forças superiores, porque as nossas características internas são muito limitadas. Se nós as tivéssemos expandido, poderíamos começar a existir dentro de um mundo totalmente diferente.

Comentário: Muitas vezes “acusamos” a sabedoria da Cabalá de ser misticismo, mas, na verdade, todas as religiões são baseadas em misticismo.

Minha Resposta: As pessoas estão acostumadas a acusar os outros sobre algo em que estão imersas. Mas a sabedoria da Cabalá fala somente sobre um método através do qual a pessoa pode descobrir-se individualmente e não de qualquer outra forma, e isso não é algo fácil. [Leia mais →]

Quem Criou A Religião?

Laitman_417Pergunta do Facebook: Buda não criou a religião. Jesus não criou a religião. Se isso for verdade, quem a criou e com que finalidade?

Resposta: Existem três religiões no mundo: judaísmo, cristianismo e islamismo.

O budismo e as demais doutrinas orientais não são religiões, mas correntes e métodos. Elas existem sem qualquer pretensão de alguma coisa e sem impor nada aos outros.

As religiões foram criadas como cópias egoístas da sabedoria da Cabalá e vieram até nós no lugar do princípio Cabalístico: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Levítico 19:18). A sabedoria da Cabalá ensina apenas como alcançar o amor ao próximo. Ela é chamada de verdadeiro judaísmo interno.

Quando elas começaram a cumprir o princípio “Ama ao próximo como a ti mesmo” em um pequeno número de pessoas, descobriram que, assim que o aplicaram, encontraram problemas difíceis que dividiram o povo.

O princípio “Ama ao próximo como a ti mesmo” desperta intensos desejos egoístas e impulsos dentro de uma pessoa. Esses são descritos como as “Guerras dos Judeus” de acordo com a história. A partir do século X a.C., durante mil anos, aconteceram coisas terríveis entre o povo judeu. Havia uma constante guerra civil interna.

Mesmo que o povo se esforçasse em manter o nível do “Ama ao próximo como a ti mesmo”, descobria que não podia. Portanto, os Cabalistas, que controlavam a nação durante o período do rei Davi, do rei Salomão e do resto dos reis, gradualmente começaram a se desprender do nível superior de modo a não se aproximar do povo com demandas que fossem muito elevadas para implementar essa regra geral.

O povo não conseguiu tolerar essa regra geral, pois de acordo com o pensamento da criação, a lei da natureza, era necessário reduzir uma pessoa ao mais baixo nível egoísta. Assim, imediatamente depois de alcançarem o nível mais alto de altruísmo chamado “Primeiro Templo”, eles começaram a cair desse nível. De acordo com o programa de criação, isso era necessário.

O povo tinha que manter esse nível, mas não conseguiu. Os sábios do Sinédrio que se mantinham como sua cabeça entendiam que não conseguiriam manter o povo em um nível como esse, pois as pessoas não estavam preparadas para sobreviver física ou espiritualmente.

Assim, tudo se deteriorou gradualmente a um nível onde as pessoas começaram a realizar ações físicas comuns em vez de leis espirituais. Por exemplo, para demonstrar amor, elas expressariam isso com um presente material. Se quisessem criar uma parceria, ela era criada externamente, não internamente. Em vez de se corrigir, uma pessoa começava a mergulhar em um Mikveh (banho ritual), etc.

Dessa forma, as pessoas passaram da implementação interna da lei “Ama ao próximo como a ti mesmo”, isto é, elevar-se acima do ego, para a realização de ações externas chamadas Mitzvot (mandamentos).

A partir desse período até nossos dias, a tradição religiosa se tornou uma cópia das ações espirituais que uma pessoa realiza em seu coração. Os livros da Cabalá dizem que é preciso escrever uma Torá nas paredes do coração. É especificamente isso que é exigido de uma pessoa.

Por essa razão, a sabedoria da Cabalá é chamada de interior da Torá, enquanto a religião, que ensina e mantém as Mitzvot até hoje, é chamada de exterior da Torá e não exige que uma pessoa anseie pelo amor ao próximo, mas apenas a estudar e realizar ações físicas mecanicamente.

Em nossos dias, o período de implementação da parte externa recém terminou. De acordo com a lei da natureza, nós devemos começar a ascender ao próximo nível, ou seja, da implementação externa das Mitzvot da Torá à implementação interior. A estipulação do “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” deve permanecer nosso princípio, nossa ideia, até descobrirmos que há um significado interno para todas as nossas ações.

Pergunta: No passado, as pessoas não podiam se manter nesse nível. Elas podem fazer isso hoje?

Resposta: Hoje, não temos mais escolha. Nós fizemos o trabalho preparatório para começar a aplicar esse princípio gradualmente, conectando-se em pequenos grupos, em grupos de dez. Foi assim que Moisés uniu o povo depois de deixar o Egito.

Nós tentamos aplicar a lei do “Ama ao próximo como a ti mesmo” em nossos grupos e tentamos mostrar e ensiná-lo a toda a humanidade.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 21/12/16

Uma Geração De Cartomantes E Adivinhadores

Laitman_049_01Pergunta: Se sabemos da Cabalá que a profecia é muito prejudicial ao desenvolvimento da humanidade porque a limita, por que os Cabalistas não combatem esse fenômeno? Em cada canal de televisão hoje você vê adivinhos e astrólogos.

Resposta: É verdade. No século XXI, em todos os canais de televisão [em Israel], não só adivinhos aparecem, mas também “avós” que leem cartas, jogam búzios e moedas no ar, e sussurram vários encantamentos. Todos os anos eles produzem calendários astrológicos que aconselham o que fazer e não fazer para cada um dos signos do zodíaco. E esse é o século XXI!

Mas o pior é que tudo isso é atribuído à sabedoria da Cabalá, a fim de elevar o nível de exigência e vendê-la a um preço mais caro, embora nada disso tenha a ver com a Cabalá.

Pergunta: Você acha que é necessário fazer alguma campanha para explicar isso, ou será que tudo desaparece por si só?

Resposta: Não, os Cabalistas não podem se envolver em trabalho de relações públicas. Se eu lutasse contra todas as calúnias sobre a sabedoria da Cabalá, não teria tempo suficiente para mais nada! Existem bilhões de pessoas no mundo. Se cada uma delas dissesse meia palavra contra a sabedoria da Cabalá, como eu poderia continuar a trabalhar em relações públicas com cada uma delas?

A atitude delas em relação à Cabalá vem de suas limitações, de sua incapacidade de compreendê-la facilmente. Mas nós continuaremos a nos desenvolver, embora em comparação com o século XX, esse século será mais obscuro e vai passar.

Da Lição da Cabalá em Russo 01/01/17