Textos na Categoria 'Perguntas e Respostas'

Blitz De Dicas De Cabalá – 10/05/20, Parte 2

laitman_962.3Pergunta: Eu preciso amar um gangster?

Resposta: Primeiro, o gangster precisa ser reeducado e depois amado.

Pergunta: O entendimento de minhas aspirações necessariamente mudará por parte de pessoas próximas a mim? Elas deveriam me apoiar? Ou é meu próprio trabalho?

Resposta: Não. Esse é seu trabalho pessoal, elas podem nem saber. Você pode fazer isso sem que elas saibam.

Pergunta: Por que os grandes Cabalistas foram severamente perseguidos ao longo da história?

Resposta: Porque eles falaram a verdade e pediram amor entre as pessoas. E as pessoas não gostam disso.

Comentário: Por favor, forneça exemplos de doação e altruísmo do mínimo ao máximo.

Minha Resposta: Como posso dar um exemplo? Se, por exemplo, eu lhe der um dólar no mínimo e dez dólares no máximo, isso está claro? Como vou medir o retorno do mínimo para o máximo?

Pergunta: Quem foi Madre Teresa: altruísta ou foi motivada pelo egoísmo?

Resposta: Não sei, não estou familiarizado com ela.

Pergunta: O Criador tem perguntas ou reclamações sobre nós?

Resposta: O Criador não tem perguntas para nós. Por que Ele perguntaria se Ele mesmo levanta essas perguntas em nós para que possamos respondê-las?

Pergunta: O que você está dizendo não é fácil de entender. O que podemos fazer sobre isso?

Resposta: Ouça várias vezes. Temos muitas conversas sobre diferentes tópicos. Consulte os professores de seus estudos on-line, o que melhor lhe convier. Faça palestras, lições, absorva-as e você verá o quanto progride.

Pergunta: Como seria alguém que não é egoísta? Como ele diferiria de um egoísta?

Resposta: Ele é diferente porque sabe como usar seu egoísmo corretamente.

Pergunta: Como podemos descobrir o que o Criador pensa?

Resposta: O Criador pensa em fazer o bem a todos.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 10/05/20

“Quando O Coronavírus Terminará? Existem Vacinas Em Fase De Liberação? ” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Quando O Coronavírus Terminará? Existem Vacinas Em Fase De Liberação?

Apesar da grande expectativa pelo fim da COVID-19, ela veio para ficar por um tempo.

O coronavírus surgiu para mudar a maneira como pensamos e permanecerá conosco até concluirmos essa transformação.

Como a humanidade é um agregado maciço e diversificado de diferentes pessoas, levará algum tempo para nos adaptarmos a um mundo muito mais interdependente do que estávamos acostumados nos tempos pré-coronavírus.

Semelhante à maneira como as pessoas se acostumam a viver com doenças crônicas, nós também, como humanidade, nos acostumamos ao coronavírus.

Ele simplesmente se tornará parte integrante de nossas vidas.

Como qualquer aparecimento de uma doença é sentido severamente como um choque nos sistemas do corpo, da mesma forma estamos atualmente sofrendo as dores iniciais da “injeção” do coronavírus na humanidade.

No entanto, esta fase de transição se assentará e a sociedade humana assumirá uma forma nova, mais independente.

Mesmo grande parte do envolvimento que o coronavírus nos trouxe serviu para exemplificar nossa dependência mútua, ou seja, como dependemos um do outro para usar máscaras, manter uma boa higiene pessoal, manter uma distância um do outro e nos colocar em quarentena se entrarmos conscientemente em contato com pessoas infectadas.

Vemos como um pequeno vírus nos ajudou a começar a ver um mundo mais conectado, que opera em todos e onde todos exercem influência mútua, e continuará a nos ensinar tanta sabedoria quanto mais permanecer conosco.

Assim, seria sensato internalizar como somos todas partes de um único sistema que está se desenvolvendo em direção a um novo estado de equilíbrio com a natureza.

Isto é, como a natureza é interdependente e interconectada, também descobrimos cada vez mais a interconexão da natureza e a nossa própria quanto mais desenvolvemos.

Além disso, quanto mais esse processo de crescente interdependência se revelar para nós, mais nos encontraremos em novos conjuntos de encruzilhadas, etapa após etapa: ou concordamos com nossa crescente interdependência e aceitamos mais responsabilidade e consideração um pelo outro, ou nos opomos e, assim, sentimos nossa conexão cada vez maior como uma situação cada vez mais feia e dolorosa.

No entanto, de qualquer forma, a natureza nos pressiona a conectar cada vez mais, como um rolo compressor da evolução que aplaina nossas atitudes egoístas e prejudiciais um com o outro. Ela esmaga nossos egos como uma casca de limão contra um espremedor de limão e continuará fazendo isso até que todos os nossos sucos egoístas sejam extraídos.

Nesse estágio, encontraremos um novo tipo de satisfação em tais qualidades que atualmente parecem menos importantes ou até feias para nós, como bondade, altruísmo, doação e consideração dos outros.

Se ao menos pudéssemos ver que existe uma linha muito clara da nossa realidade atual para uma realidade nova, unificada e perfeita, que a natureza tem um estado de perfeição reservado para nós e nos guia cuidadosamente até lá, encontraríamos tudo em nossas vidas com mais confiança, com um senso de propósito.

Agora, estamos divididos em nossas atitudes um com o outro e, mais do que qualquer outra coisa, essa divisão causa todas as nossas dores. Nossa divisão é expressa quando cada um de nós se preocupa principalmente com o benefício próprio em benefício dos outros, o que é oposto à característica holística da natureza. O sofrimento é o diferencial que sentimos entre o nosso estado e o da natureza, e opera sobre nós para nos conectar.

Quanto mais nos esforçamos para nos conectar, mais equilibrados nos tornamos com a natureza e, portanto, experimentamos uma inversão de nossas dores e tristezas em prazeres e alegria.

Precisamos apenas concordar em se conectar acima de nossas unidades divisivas que constantemente puxam na outra direção e, quando chegarmos a esse acordo, também experimentaremos seus benefícios.

Assim, vendo a humanidade como um único organismo e a natureza como seu superior, podemos ver como a natureza vacinou a humanidade com o coronavírus para nos curar de nossas atitudes divisivas mútuas.

Portanto, podemos esperar sair da pandemia de coronavírus como uma humanidade mais forte, com atitudes mais saudáveis ​​habitando dentro, entre povos e nações. Portanto, embora sejamos forçados a manter distância um do outro, ao fazer isso, seria sensato pensar em como podemos nos tornar mais conectados internamente.

O que seria necessário para o coronavírus terminar?

Ao entender que é muito mais do que uma mera doença física, mas que trouxe uma mudança em nosso pensamento – de dividido para conectado, de egoísta para altruísta e de individualista para interdependente -, ajustando nossas atitudes de acordo, realmente colocaríamos um fim à pandemia, já que a natureza não precisaria mais usá-la para nos ensinar uma lição.

Portanto, devemos cuidar um do outro, considerar como podemos impedir que qualquer tipo de vírus passe para outras pessoas, de doenças físicas a qualquer tipo de pensamento prejudicial, e exercendo essa responsabilidade e consideração mútuas, o coronavírus desaparecerá de nossas vidas.

Foto acima por Fusion Medical Animation no Unsplash

“O Mundo Vai Mudar Para Sempre Por Causa Do Coronavírus?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Mundo Vai Mudar Para Sempre Por Causa Do Coronavírus?

O coronavírus está nos convidando a fazer uma mudança significativa.

Cabe a nós, no entanto, se iremos experimentar a mudança iminente como positiva ou negativa.

Qual é a principal mudança que o coronavírus causa em nós?

É que nós mudamos nossas atitudes um para com o outro, para pensar positivamente um sobre o outro, a fim de construir uma nova sociedade que esteja mais bem conectada e equilibrada com a interconexão e interdependência da natureza.

Se víssemos a tendência da natureza de nos desenvolver para nos tornarmos cada vez mais conectados, com laços de responsabilidade e consideração mútuas, veríamos que precisamos apenas implementar mais cuidado e consideração um pelo outro para realizar positivamente nossa transição.

Deixar de tomar qualquer iniciativa para melhorar nossas conexões geraria mais sofrimento. Isto é, se não conseguirmos atualizar nossas atitudes, sentiremos a crescente distância entre o nível de dependência que a natureza exige de nós e o que nós mesmos implementamos como várias dores e complicações. Vacinas e outros medicamentos seriam inúteis, pois o coronavírus opera em um nível totalmente novo que ainda precisamos reconhecer.

Provavelmente, parece absurdo que o coronavírus exija uma mudança em nossas atitudes uns com os outros mais do que qualquer outra coisa, e que não conseguiremos derrotá-lo com meros meios físicos, mas os efeitos a longo prazo do coronavírus exigirão nossa descoberta de atitudes mútuas atualizadas por falta de outras opções.

Em outras palavras, através do coronavírus, a natureza nos deu novas condições pelas quais passamos por mudanças fatais. Por exemplo, se quisermos ensinar a nossos filhos um novo idioma, meras explicações desse novo idioma são insuficientes para que eles o absorvam. Mas se os colocarmos em condições em que eles encontrarão o idioma cada vez mais, como postar palavras em post-its em vários móveis e dispositivos da casa, além de manter horários regulares quando falamos o novo idioma juntos, então a mudança prática de condições ensina o novo idioma mais do que qualquer explicação.

Portanto, através das novas condições interdependentes mais rigorosas que a pandemia de coronavírus nos revelou, seria sensato tentar desenvolver nossas atitudes, para corresponder à nossa nova interdependência em conformidade.

Um exercício que podemos realizar nessa direção envolve as máscaras. Como os departamentos de saúde de todo o mundo solicitaram o uso de máscaras em locais públicos, podemos verificar nossa atitude em relação a essa condição: usamos as máscaras ou ignoramos as diretrizes? E se usamos máscaras, é porque não queremos ser infectados por outras pessoas ou porque não queremos infectar outras pessoas, caso sejamos portadores assintomáticos do vírus?

Esse último discernimento é definitivamente o mais altruísta e mais próximo da atitude da natureza para conosco.

Esse é apenas um exercício em que podemos verificar nossa atitude para com os outros e procurar melhorar nossa atitude para um nível em que o benefício aos outros se torne tão importante, se não mais importante, do que servir aos nossos estreitos interesses próprios.

Foto acima da Agência de Fotografia de Macau no Unsplash

“Qual É O Significado Espiritual De Tisha B’Av?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual é o Significado Espiritual de Tisha B’Av?

Nosso mundo é governado por duas forças, positiva e negativa, e nós, humanos, existimos entre essas forças. Na espiritualidade, a raiz da força negativa é chamada “Tisha B’Av” (“o dia 9 de Av“).

Mesmo na antiga Babilônia, a força negativa sempre se revela em torno dessa data especial. Seja o pecado dos espiões, a ruína do Primeiro Templo, o exílio da Babilônia, a ruína do Segundo Templo em Tisha B’Av e a expulsão de judeus da Terra de Israel ou depois da Espanha, Alemanha e na Inglaterra, o povo de Israel executa grandes pecados e também recebe punições em Tisha B’Av.

Por que esses pecados e punições ocorrem?

É tudo porque falhamos em antecipar a força positiva à força negativa que se revela em Tisha B’Av.

O Primeiro Templo foi arruinado devido à nossa falta de conexão, e o Segundo Templo foi arruinado devido ao ódio infundado.

Em cada caso, encontramos uma quebra devido à nossa crescente distância entre nós, que libera a força negativa entre nossas relações.

Como o Cabalista Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreve:

“Como a morte natural do indivíduo resulta da desarmonia entre os órgãos, o declínio natural da nação resulta de alguma obstrução que ocorreu entre seus órgãos, como testemunharam nossos sábios (Tosfot, Baba Metzia, Capítulo Dois): ‘Jerusalém foi arruinada apenas por causa de ódio infundado que existia naquela geração’. Naquela época, a nação foi atormentada e morreu, e seus órgãos foram espalhados em todas as direções” (Yehuda Ashlag, “A Nação”).

Pelo contrário, nossa unidade tem o poder de impedir que a força negativa entre em nossas relações e, em seu lugar, deixa a força positiva brilhar através de nossas conexões, trazendo paz e harmonia.

“O Que Você Pensa Sobre A Reencarnação?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que Você Pensa Sobre A Reencarnação?

Há duas maneiras de pensar sobre a reencarnação: em relação ao desenvolvimento da alma, ou seja, a ascensão deste mundo para o mundo espiritual, e também como a sucessão de gerações neste mundo.

Em relação a esta última, a reencarnação é a passagem de informações genéticas, materiais, perceptivas e sensoriais de uma geração para a outra.

Por exemplo, os filhos da geração atual contêm informações acumuladas por suas gerações anteriores. É por isso que as crianças de cada geração podem rapidamente descobrir como utilizar a tecnologia e as ferramentas de sua geração.

Portanto, o desenvolvimento da humanidade se desenvolve como uma sucessão de gerações, onde transferimos o progresso material em ciência, tecnologia, arte e cultura, bem como os avanços psicológicos e uma mensagem humana interior, para cada geração sucessiva.

Em termos de nossa ascensão deste mundo para o mundo espiritual, a reencarnação parte de quando sentimos o despertar de um desejo espiritual.

Tal desejo é expresso como perguntas sobre o sentido e o propósito da vida.

A Cabalá descreve este desejo como a semente de nossa alma, e o chama de “ponto no coração”.

Dependendo do quanto sentimos tal desejo, ele nos impulsiona a procurar por meio de vários professores e ambientes até encontrarmos um que sentimos que possa nos guiar para atingir nossa raiz espiritual.

Atingir nossa raiz espiritual, segundo a Cabalá, é o propósito de nossa vida.

Ao atingirmos nossa raiz espiritual, recebemos respostas claras às perguntas sobre o sentido e o propósito da vida, pois elas se tornam expressas em nós como sensações de realização do mundo espiritual, onde nossa percepção se abre para a completa realização e conhecimento que existe acima do nível de nosso mundo atual, em nossa alma.

A jornada para desenvolver nosso desejo espiritual e alcançar a realização de nossa raiz espiritual é através de uma série de reencarnações espirituais, até chegarmos ao nosso destino final de onde emergimos.

Ao fazer isso, completamos nosso ciclo de reencarnação.

Os Cabalistas explicam como um processo desse tipo pode levar muitas vidas. Assim, se interrompermos esta jornada, voltaremos a ela em vidas futuras até chegarmos finalmente à raiz de nossa alma.

Até que nos seja concedido um desejo espiritual, acumulamos sofrimento através do processo de reencarnação anteriormente mencionado, no nível deste mundo.

Quanto mais sofremos em nosso desenvolvimento, mais ele nos leva a fazer perguntas existenciais, diferenciando nosso desejo espiritual de nossos outros desejos e acrescentando ao nosso anseio de nos elevarmos acima deste mundo e alcançarmos nossa raiz espiritual.

“Como O Coronavírus Mudará O Comportamento Do Consumidor Para Sempre?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Como O Coronavírus Mudará O Comportamento Do Consumidor Para Sempre?

O coronavírus colocou entraves no paradigma egoísta-competitivo que tínhamos aceitado como norma até recentemente.

É porque chegamos a um ponto no desenvolvimento humano em que precisamos começar a crescer além da nossa natureza humana egoísta, a inclinação a se beneficiar pessoalmente às custas dos outros.

Em outras palavras, nossa era atual é caracterizada pela natureza nos pressionando a entrar em equilíbrio com sua forma interconectada e interdependente e, portanto, não é mais tolerante a nossos abusos.

Como tal, negócios envolvendo a exploração de pessoas e natureza desaparecerão gradualmente. Os dias de abertura de qualquer negócio que desejamos – com motivos de lucro em primeiro plano e considerações sociais e ecológicas em segundo plano, se é que existem – terminaram.

Portanto, temos um grande empreendimento pela frente. Ele exige nada menos que equilibrar-se com a natureza, isto é, ajustar nossas atitudes mútuas em adaptação às relações integrais entre tudo que existe na natureza.

Como a natureza funciona de acordo com as leis do altruísmo e da interdependência, também precisamos melhorar a qualidade de nossos relacionamentos – de egoísta para altruísta, de divisiva para bem conectada – a fim de experimentar vidas saudáveis, seguras e felizes, equilibradas com a natureza.

Temos tempos interessantes pela frente. Eu penso que, quando nos libertarmos das condições da pandemia, sentiremos mais claramente que não há retorno à estrutura capitalista bombeada por esteroides em que estávamos antes do coronavírus entrar em nossas vidas.

Nesse estágio, também nos vemos começando a reconhecer até que ponto mudamos.

Onde, até recentemente, as pessoas respeitavam a ideia de aumentar as margens de lucro, prestando mais atenção aos dígitos nas respectivas contas bancárias do que ao bem-estar das outras pessoas, eu acho que cada vez mais pessoas desprezam essa tendência.

Nós entraremos em um período difícil e confuso. Haverá muito esforço na tentativa de reviver o mundo pré-coronavírus, juntamente com uma crescente aversão a esse mundo.

Empresas e hábitos de consumo se tornarão mais focados no essencial, e as pessoas se apegarão a valores universais mais normais.

À medida que avançamos no futuro, as pessoas que desejam administrar negócios precisarão pensar muito se e como seus negócios fornecerão às pessoas algo que realmente não podem prescindir.

A própria natureza não nos deixará mais nos divertir em excesso de lazer. O alto desemprego varrerá as sociedades e os desempregados não conseguirão encontrar trabalho que lide com bens e serviços não essenciais.

Os governos enfrentarão um grande problema em termos do que fazer com suas vastas populações desempregadas.

Eu propus um modelo que recomenda pagar a essas pessoas uma bolsa que cubra suas necessidades em troca de se envolver em uma nova forma de educação que ensina a viver harmoniosamente na realidade interdependente de hoje – o tipo de educação ausente do sistema educacional que nos criou .

O restante da população estará engajado no trabalho necessário e vital para a humanidade, e não no trabalho em prol dos lucros, riquezas e sucesso individualista em detrimento de outros.

Eu espero sinceramente que cheguemos a essa configuração mais cedo ou mais tarde, porque a alcançaremos de uma maneira ou de outra.

Enquanto nos percebemos como separados da natureza, capazes de aparentemente pensar e agir livremente, simplesmente deixamos de ver que somos partes da natureza, e a natureza está nos guiando a igualar suas leis com ou sem nossa consciência.

Chegamos a um estágio de desenvolvimento em que experimentamos desacordos da natureza com nossa exploração excessiva de seus recursos e uns dos outros, na forma de coronavírus. Eu vejo essa pandemia como nosso primeiro grande estágio de purificação.

Foto acima por Ryoji Iwata no Unsplash

“Israel Teve Um Recorde De Coronavírus No Fim De Semana De 4 De Julho, Com Os Casos Aumentando 13%. Por Que Você Acha Que É Isso?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Israel Registrou Um Recorde De Coronavírus No Fim De Semana De 4 De Julho, Com Os Casos Aumentando 13%. Por Que Você Acha Que É Isso?

Agora, estamos caminhando para o final de julho de 2020, e os casos de coronavírus aumentaram quase 92% a mais ao longo do mês, de 28,4 mil casos em 5 de julho para 54,4 mil casos em 23 de julho.

Por quê?

Como escrevi e falei extensivamente desde que o coronavírus se tornou uma pandemia global, a COVID-19 não é apenas uma questão econômica e de saúde, mas um fenômeno enviado pela natureza que veio para reprogramar a humanidade: para tornar todos mais conscientes de nossa interdependência e interconectividade, e para nos dar condições pelas quais somos forçados a exercer nossa dependência mútua.

Além disso, antes de o coronavírus atingir o mundo, eu escrevi e falei extensivamente sobre o povo de Israel ter um papel especial em nosso mundo: ser o pioneiro da transformação da humanidade em uma conexão positiva acima de sua crescente divisão.

Quanto mais a sociedade se divide, mais há necessidade da unidade, que o povo de Israel tem o método para realizar.

Portanto, se nós, o povo de Israel, tentarmos nos conectar positivamente para ser um exemplo unificador da humanidade, experimentaremos uma reação positiva da natureza e de outras nações.

Se falharmos em seguir uma direção unificadora, nossa negligência e desunião se espalharão por toda a humanidade nas muitas formas de divisão social que colocam as pessoas no mundo umas contra as outras, e experimentaremos sua reação negativa.

Em vez de nos tornarmos um exemplo unificador capaz de levar o mundo a um estado mais harmonioso, nos tornamos o oposto: um exemplo de discórdia social, como um rabo atrás da humanidade, arrastando e diminuindo o progresso da humanidade para um estado mais positivamente conectado.

Essa é a situação em que estamos atualmente. Portanto, não me surpreende que tenhamos encontrado um grande aumento nos casos de coronavírus este mês. E isso não tem nada a ver com observarmos ou não as diretrizes do departamento de saúde.

Até chegarmos a uma compreensão de nosso papel, de que existimos não para nós mesmos, mas para a humanidade, e sentimos em nossa carne que precisamos contribuir com um exemplo de unificação acima da divisão para a humanidade, então podemos esperar cada vez mais falhas que trabalham contra nós.

O cálculo em relação ao povo de Israel é sempre em relação à unidade ou desunião da humanidade: se agirmos para aumentar a unidade entre nós e a humanidade, experimentaremos um feedback positivo, juntamente com uma força de conexão que aumenta a felicidade, a segurança e a saúde da humanidade.

E quanto mais a sociedade humana precisar de unidade, ou seja, quanto mais experimentar os efeitos negativos de sua divisão, mais seremos pressionados a responder de acordo com nosso papel fatídico.

“O Que Te Dá Nojo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que Te Dá Nojo?

O nojo surge quando há uma discrepância entre você e o que está fora de você, e quando há antagonismo com esse “alguém” ou “algo” fora de si.

Em outras palavras, nojo é um sentimento que aparece quando sentimos o que está fora de nós como não sendo nosso.

Então, nós nos odiamos e nos distanciamos dessa pessoa ou fenômeno.

No entanto, quando sentimos que alguém ou algo pertence a nós, sentimos o contrário – que os amamos.

Portanto, acontece que podemos sentir nojo em relação a muitas outras pessoas e fenômenos, e nos sentirmos íntimos de nós mesmos, mas esse é apenas um resultado natural de nossa natureza humana egoísta que coloca um filtro egoísta sobre nossa visão, fazendo-nos ver o que é apenas o mais benéfico.

Se sentíssemos a profundidade de como a nossa própria natureza é completamente egoísta, egoísta às custas de outras pessoas e da natureza, e que nos faz constantemente ver falhas em outras pessoas e coisas ao nosso redor e não em nós mesmos, sentiríamos essa natureza egoísta como a coisa mais nojenta que precisa de correção.

Tal revelação, no entanto, requer orientação prévia para atingir sua forma oposta de amor.

Em outras palavras, se estabelecermos a sociedade com o objetivo de estabelecer laços de responsabilidade mútua, consideração e, finalmente, amor entre as pessoas, com o objetivo de ver os outros membros da sociedade como nossa própria família e organizar nossa mídia, sociedade e programas educacionais para desenvolver tal conexão, desenvolveremos uma visão mais sábia do que deveria nos enojar mais do que qualquer outra coisa: que a natureza egoísta que reside em cada um de nós opera constantemente em uma direção oposta à de amar os outros, e é a causa de todos os nossos sofrimento.

Apreciar valores de responsabilidade mútua, consideração e amor sobre os muitos valores de benefício próprio, como riqueza, fama e poder, permitiria progredir para nos tornarmos mais amorosos, atenciosos e conectados positivamente, ficando com nojo de nossos motivos e visões egoístas que agem para nos dividir ao longo do caminho.

Portanto, é natural sentir nojo de outras pessoas e fenômenos no mundo que nos parecem negativos de várias maneiras. Mas se tentarmos amar um ao outro e criar um ambiente de apoio que nos guie a amar um ao outro, descobriremos uma forma mais positiva de nojo: um nojo em nossa qualidade egoísta que nos afasta do amor que nos cerca.

É uma forma mais positiva de nojo, porque serve para nos fazer querer mudar para nos tornarmos mais amorosos e atenciosos – necessidades para melhores conexões sociais – e, ao fazer isso, experimentamos vidas muito mais felizes, seguras e harmoniosas.

Foto acima de José Martín Ramírez Carrasco no Unsplash

“Alguém Acredita Em Reencarnação?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Alguém Acredita Em Reencarnação?

Ao discutir a reencarnação, precisamos entender que nossos corpos são organismos animalesco que vivem e morrem como animais.

Eles nascem, suportam períodos de crescimento, maturação, morte, decadência e depois se retiram para seus elementos básicos.

Durante todo esse processo animalesco de vida e morte, nossas qualidades internas permanecem intocadas.

Essas qualidades internas são a alma.

A alma pode ser pensada como um campo em que todos estamos conectados em um único pensamento e intenção.

As qualidades da alma são onipresentes fora das vistas, sons, cheiros, toques e gostos que compõem nossa percepção atual.

A reencarnação é o processo de surgimento da alma em novos corpos, uma e outra vez.

É um processo que os Cabalistas observam e testam há mais de 5.000 anos.

Os Cabalistas descrevem o processo de reencarnação em seus textos que descrevem a estrutura e os processos da realidade.

O que a Cabalá acrescenta, no entanto, não são apenas descrições sobre reencarnações e como elas funcionam na natureza, mas mais significativamente, ela fornece um método pelo qual qualquer pessoa pode se elevar acima da percepção corporal do mundo – o que percebemos e processamos através dos cinco sentidos da visão, audição, olfato, tato e paladar – e entrar na percepção e sensação da alma eterna.

E o aspecto mais significativo sobre esse método é que ele é feito enquanto a pessoa está viva em seu corpo atual.

Em outras palavras, a Cabalá explica como a reencarnação funciona não a partir de uma perspectiva teórica, mas a partir da prática de quem deseja implementar seu método.

Enquanto estamos vivos em nossos corpos atuais, podemos aprender a nos elevar acima deles – em nossa percepção e sensação – para descobrir a alma.

A Cabalá é um método prático que permite que qualquer um de seus alunos descubra essa realidade.

Aqueles que progridem na conquista de suas almas, usando o método da Cabalá, obtêm conhecimento sobre suas reencarnações, não apenas teoricamente, mas como experiência prática de uma jornada interior para uma realidade cada vez mais expansiva.

“O Coronavírus Mudará Para Sempre A Forma Como Os Humanos Interagem?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Coronavírus Mudará Para Sempre A Forma Como Os Humanos Interagem?

O coronavírus está realmente nos fazendo sofrer mudanças sérias.

Nossos comportamentos, pensamentos, ambições, esperanças e expectativas já mudaram, mostrando-nos que o coronavírus não é apenas uma minúscula partícula física que nos infecta.

O coronavírus é um novo programa que entrou na nossa realidade, transformando-nos comportamental e psicologicamente.

Quanto mais durar a pandemia, mais ela nos fará reavaliar nossos valores, gostos e atitudes.

É como se tivéssemos caminhado para uma ponte entre o mundo pré-coronavírus fortemente materialista – onde víamos a acumulação individualista de riqueza, fama e poder como sinais de sucesso – e a compreensão de que esses valores têm muito menos valor à medida que avançamos mais fundo na pandemia.

Se pudéssemos recuar por um momento da visão do coronavírus como sendo apenas uma doença infecciosa, para o coronavírus como um fenômeno evolutivo enviado pela natureza que surgiu especificamente para transformar as interações humanas, veríamos como a natureza está sutilmente nos guiando para melhorar nossos relacionamentos e conexões.

Essa visão decorre da compreensão de como a natureza nos desenvolve: através do aumento da diversidade e da individualização, depois através de estágios de crise, que são resolvidos pela cooperação e conexão em níveis mais avançados.

Os biólogos evolucionistas, como Elisabet Sahtouris, ilustraram esse processo da natureza guiando suas partes para uma conexão maior e formas de vida mais evoluídas, e ele é consistente com as representações dos Cabalistas do propósito e plano da natureza, que é para a humanidade se conectar positivamente como um todo, e ao fazer isso, alcançar o equilíbrio com a natureza.

Quanto mais nos desenvolvemos, mais interconectados e interdependentes nos tornamos. O problema é que falhamos em atualizar ativamente nossas atitudes uns com os outros, a fim de perceber nossa crescente conexão positivamente.

Portanto, a natureza enviou o coronavírus principalmente com o objetivo de nos ensinar uma lição sobre como cuidar um do outro.

Por exemplo, agora precisamos usar máscaras para não infectar outras pessoas, caso carregemos o vírus sem saber. Em outras palavras, usamos máscaras não para nossa própria saúde, mas para a saúde de outras pessoas, e nossa própria saúde depende de outras pessoas “se importarem” conosco da mesma maneira.

Além disso, no campo econômico, como o coronavírus atingiu um grande golpe em muitas empresas e empregos, está nos forçando a considerar todos que enfrentam uma situação difícil e a pensar em novas soluções para que todos possam, pelo menos, ter seus itens essenciais atendidos. As autoridades também se tornam forçadas a pensar e agir com mais consideração em relação a seus respectivos públicos.

Em tempos de crise induzida pela natureza, as pessoas se reúnem por necessidade, e a pandemia de coronavírus é como uma crise prolongada que, em última análise, serve para melhorar nossas atitudes umas com as outras.

Quanto mais cedo entendermos que as relações mutuamente responsáveis ​​e atenciosas são a próxima fase do nosso desenvolvimento, e tomarmos medidas ativas para ajudar um ao outro a agir de forma mais responsável e atenciosa um com o outro, mais cedo corresponderemos ao estado mais avançado de conexão para o qual a natureza está nos guiando – e então não precisaremos de pandemias e outras crises para coagir voluntariamente a nossa transformação.

Portanto, como o coronavírus já iniciou um processo de mudança na maneira como interagimos, seria prudente aderir às condições que ele coloca diante de nós e procurar como pensar e agir de forma mais considerável com os outros.

Será o nosso ingresso para sair da pandemia e entrar em um mundo mais feliz, seguro e saudável, mais equilibrado com a natureza, onde estaremos mais conscientes do que a natureza quer de nós.

É minha esperança que passemos por essa mudança de forma mais ativa e, portanto, mais rápida e prazerosa, do que se continuássemos deixando a natureza nos incitar.

Foto acima por Kate Trifo no Unsplash