Textos na Categoria 'Linguagem dos Ramos'

Como Os Nomes São Dados A Fenômenos E Objetos

laitman_961.2Pergunta: Quando eu atingir um estado superior ao estado em que estou agora, poderei dar meu nome a esse estado? Ou apenas revelarei os nomes que estudamos na Cabalá?

Resposta: Isso está correto. Você revelará esses estados como eles são chamados na Cabalá. Você olha, digamos, para um copo de vinho e diz: “Oh! Isso é chamado de copo de vinho. Copo de vinho”. Na verdade, você nunca conheceu essa palavra antes, mas quando vir esse objeto, entenderá como é chamado.

É assim com tudo o que você encontra em qualquer grau de qualquer mundo. É daí que o nome vem na Cabalá. Somente da realização.

Em nosso mundo, os nomes são dados a partir da obtenção da raiz e do ramo. Uma vez que tudo o que está no nível do nosso mundo vem do mundo superior, os Cabalistas, conhecendo essas raízes, deram nomes aos objetos do nosso mundo. Portanto, foi assim que surgiu a terminologia em nosso mundo.

Tudo isso é descrito nos livros Cabalísticos. De fato, isso foi feito por Adam 5780 anos atrás.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 05/01/20

A Essência E A Raiz Da Unidade, Parte 3

laitman_767.1Ações Espirituais e Termos Mundanos

Comentário: Muitos Cabalistas e até filósofos da Idade Média escrevem que em todas as fontes primárias não há uma única palavra sobre o nosso mundo, apenas objetos e fenômenos que estão acima do tempo, espaço e movimento. Mesmo naquela época, as pessoas já sabiam dessas coisas.

O grande Cabalista do século XX, Baal HaSulam, escreve em seu Estudo das Dez Sefirot: “Os autores dos livros Cabalísticos usam os termos ‘mundanos’ apenas como símbolos para denotar as raízes espirituais superiores”.

Minha Resposta: As histórias dos Cabalistas podem nos parecer estranhas, mas descrevem apenas eventos e ações espirituais, não o que está acontecendo em nosso mundo, embora usem termos mundanos para descrevê-los. Portanto, a história é percebida como se realmente tivesse acontecido em nosso mundo. Mas o fato é que poderia ocorrer ou não.

Pergunta: Acontece que nem todos os estados espirituais descritos pelos Cabalistas se materializaram onde uma pessoa e toda a humanidade devem passar. É esse o caso?

Resposta: Eles não podem se materializar. As experiências de uma pessoa e da humanidade em seu desenvolvimento espiritual não é tudo o que é exibido em nosso mundo. Uma pessoa experimenta eventos internos especiais e luta consigo mesma, com egoísmo geral e privado, unificação e separação dentro de um grupo. Em geral, tudo isso é trabalho interno. Isso tem um reflexo no nosso mundo? Tal reflexo é muito insignificante como regra.

De KabTV “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 24/03/19

O Tronco Da Árvore Como Símbolo Da Comunicação

laitman_766.9Pergunta: Para expressar algo superior, devemos subir dos ramos do nosso mundo para as raízes do mundo espiritual. Mas a árvore deve ter um tronco. Existe alguma analogia na Cabalá com o tronco?

Resposta: No emblema de nossa organização, as raízes são mostradas no topo, os galhos estão abaixo, e entre eles está o tronco e uma linha horizontal, que representa a transição do mundo superior para o nosso mundo e vice-versa. Isso é chamado de “Machsom” – a fronteira entre os dois mundos.

O tronco simboliza a linha de comunicação através da qual a luz desce de cima para baixo e, de baixo para cima, há um aumento de nossos desejos e esforços.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 27/10/19

Raízes E Ramos – Causas E Consequências

laitman_219.01Baal HaSulam, “A Essência da Sabedoria da Cabalá”: As palavras proferidas por um professor não podem render nenhum conhecimento supremo que esteja além do tempo, espaço e movimento.

Estamos falando do mundo superior, que não está em nossas sensações, e, portanto, não podemos encontrar um equivalente adequado ao que é encontrado nele. Não existem palavras, expressões, forças, ações e relacionamentos em nosso mundo como no espiritual.

Existe um problema de como explicar o mundo espiritual em nossas palavras para uma pessoa que acabou de iniciar sua jornada. É por isso que Baal HaSulam diz que devemos tentar expressar isso na linguagem dos ramos. O que significa a linguagem dos ramos?

Apesar do fato de que o mundo superior é totalmente inatingível com nossos sentidos atuais, tudo nele desce ao nosso mundo e forma ramos aqui – consequências dele.

Se usarmos a linguagem dos ramos corretamente, ou seja, se nomearmos as propriedades do mundo superior usando palavras, imagens e definições de nosso mundo, poderemos expressar tudo o que existe lá corretamente e transmitir nosso conhecimento de professor para estudante ou entre as pessoas e não se confundir.

Digamos que exista alguma interconexão entre os pontos “A” e “B” (raízes) no mundo superior. E em nosso mundo, vemos suas consequências como “a” e “b” (ramos).

Acontece que então podemos dizer que uma determinada propriedade desceu do mundo superior para o nosso mundo e formou uma certa consequência nele, isto é, podemos falar sobre a interação de raízes e ramos.

Pergunta: É possível dizer algo sobre o grande “A” a partir do pequeno “a”?

Resposta: Podemos dizer apenas uma coisa: o pequeno “a” e o grande “A” se relacionam entre si como causa e efeito. O grande “A” é a causa e o pequeno “a” é a consequência. O mesmo se aplica ao grande “B” e ao pequeno “b”. É por isso que eles são chamados raiz (causa) e ramo (consequência).

Assim, há uma conexão entre as propriedades do mundo superior e o nosso mundo. Se as sensações do mundo superior começam a aparecer em nós, podemos dizer que estamos na transição de ramo para raiz, implicando a interação das raízes nos ramos de nosso mundo.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 27/10/19

Mundo – Realidade Ou Ilusão? Parte 10

laitman_531.03A Linguagem É Um Senso De Comunicação

Baal HaSulam escreve que um Cabalista deve usar definições totalmente precisas. Onde podemos encontrá-las?

Aqui, a lei da raiz e do ramo surge em todos os mundos, em todos os estados, em todos nós. É a partir daí que eu posso obter definições claras e precisas do ponto de vista da natureza. Você também terá suas definições a partir de lá e as compararemos. A partir dessa comparação, podemos nos entender corretamente, em vez de falar com as mesmas palavras, mas com um significado diferente.

Em nosso mundo, cada um atribui significados diferentes às mesmas palavras, porque cada um de nós difere do outro. Como podemos combinar os estados internos complexos de todos para começar a entender um ao outro e se sobrepor, de modo que esses conceitos se combinem e nos deem uma ideia clara até que ponto estamos falando e sentindo a mesma coisa? Este é um problema com a linguagem.

A linguagem é um senso de comunicação um com o outro quando você e eu sentimos a mesma coisa. Se não for assim, sentiremos claramente a diferença em nossas sensações.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 15/09/19

Mundo – Realidade Ou Ilusão? Parte 9

laitman_227Aderir À Linguagem Dos Cabalistas

Baal HaSulam, “A Essência da Sabedoria da Cabalá”: Qualquer pessoa razoável entenderá que, ao lidar com assuntos espirituais, muito menos com a Divindade, não temos palavras ou letras com as quais contemplar. Isso ocorre porque todo o nosso vocabulário não passa de combinações das letras de nossos sentidos e imaginação.

É particularmente dessa forma que a pessoa precisa encontrar alguma justificativa nessas palavras para ajudá-la nas negociações habituais na investigação da sabedoria. Aqui o sábio deve usar definições rigorosamente precisas para os olhos dos observadores.

Se expressássemos em nossas palavras tudo o que sentimos, cada um de nós criaria nossa própria linguagem, nossa própria enciclopédia, etc., e não poderíamos nos comunicar. Portanto, o que podemos e devemos fazer é usar as palavras, expressões e definições baseadas em nossa essência.

É exatamente isso que a Cabalá faz. Ela diz que uma pessoa consiste em um desejo que se divide em cinco tipos: zero, um, dois, três e quatro. Nestes cinco tipos de desejos, nós sentimos várias realizações positivas e negativas, e todo mundo as tem. Assim, tudo consiste apenas em desejo.

Portanto, se aderirmos a uma linguagem Cabalística clara, não nos desviaremos. Vamos falar a mesma língua. Isso aconteceu antes da quebra na antiga Babilônia, quando todas as pessoas falavam uma língua, o aramaico, na qual O Livro do Zohar está escrito.

A língua aramaica é boa porque vem da essência da própria natureza. Os cinco níveis de desejo, dos quais cada um de nós consiste, geram cinco definições. Esta língua é baseada neles.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 15/09/19

O Hebraico É Uma Maneira De Expressar O Conhecimento Cabalístico

laitman_248.02Pergunta: Havia outra língua na Cabalá antes do hebraico?

Resposta: Não. Desde o início, o hebraico tem sido a única maneira de expressar o conhecimento Cabalístico. Parecia necessário expressar raízes, palavras e ações espirituais. Ele existe para esse único propósito.

O hebraico de conversação não deveria ter sido usado em nosso mundo. O fato de hoje em Israel o hebraico ser usado para escrever, ler e comunicar está incorreto. Nunca foi assim. Os textos Cabalísticos sempre foram os escritos em hebraico. Outras línguas foram usadas para todo o resto, como o aramaico ou o grego antigo, mas não o hebraico.

O hebraico é puramente uma linguagem de ramos que é usada apenas para descrever as forças, qualidades e ações espirituais.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 23/06/19

A Imutabilidade Das Fontes Cabalísticas

laitman_209Observação: Na Cabalá, um livro, uma fonte escrita por um Cabalista há vários milhares de anos, desempenha um papel muito importante e é um meio de realização espiritual. Por exemplo, O Livro do Zohar. Na psicologia, não é assim.

Meu Comentário: As fontes Cabalísticas não mudam, enquanto os textos de quaisquer livros sobre psicologia, política e tudo o que a humanidade faz, exceto as ciências naturais, estão constantemente mudando porque a pessoa muda.

Portanto, o que foi escrito por psicólogos 100 a 150 anos atrás ou filósofos 500 ou 1.000 anos atrás, hoje, é claro, não é mais relevante. Se os antigos filósofos gregos acreditavam que a alma pode ser exalada e inalada, agora ninguém tem um pensamento tão primitivo sobre ela.

A Cabalá, no entanto, opera sempre com as mesmas ferramentas e objetos de antes.

Pergunta: Isso significa que, se conhecêssemos um Cabalista que viveu de 2.000 a 3.000 ou 500 anos atrás, encontraríamos uma linguagem comum com ele?

Resposta: Não encontraríamos apenas um idioma comum, mas também aprenderíamos com ele!

Teríamos uma linguagem comum, isto é, um entendimento absoluto um do outro, e seria interessante conversar com essa pessoa. Além disso, teríamos uma linguagem falada comum.

Por exemplo, se um francês moderno conhecesse um francês que viveu 500 anos atrás, eles não se entenderiam. Ou, por exemplo, o alfabeto cirílico criado por Cirilo e Metódio, no qual as letras e todos os tipos de círculos não têm nada a ver com o alfabeto moderno.

No entanto, o hebraico nunca mudou. Afinal, existem leis segundo as quais cada letra deve ser exatamente do jeito que é, uma vez que seu esboço vem da conformidade das forças espirituais. Além disso, a combinação de letras hebraicas nada mais é do que sinais para expressar sentimentos de uma pessoa que alcançou o Criador. É por isso que nunca muda.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 13/12/18

Blitz De Dicas De Cabalá – 06/01/19

laitman_567.01Pergunta: Sabemos que houve uma quebra e depois a descida das almas. Esse processo se repete?

Resposta: A descida é apenas para o nosso mundo. Antes do nosso mundo. Não há paralelo para esse processo em nosso mundo.

Pergunta: Por que as palavras hebraicas são escritas da direita para a esquerda?

Resposta: É assim que a luz superior se espalha: de cima para baixo e da direita para a esquerda. Isto é, certamente, incomum para nós, embora em outras línguas nós encontremos uma escrita aleatória assim: de cima para baixo, da direita para a esquerda, ou escrevendo em um círculo.

Pergunta: Há muitas palavras em hebraico que são semelhantes às palavras em idiomas como inglês, russo, árabe e turco. A origem da linguagem escrita das nações do mundo deriva das letras hebraicas?

Resposta: Pode ser. Naturalmente, muitas outras palavras se originaram de palavras em hebraico, porque houve um tempo em que os judeus se espalharam pelo mundo inteiro. De alguma forma, essas palavras caíram em iídiche, ladino e outras línguas internacionais populares. Além disso, ao criar a língua internacional Esperanto, várias palavras foram emprestadas da língua hebraica.

Pergunta: Em que idioma você pensa: hebraico ou russo?

Resposta: Se eu escrevo no Twitter em russo, naquele momento penso em russo. Mas se eu tento expressar o que sinto em palavras, como todo o meu conhecimento é derivado de textos hebraicos, penso em hebraico. Mas se eu for a um público de língua russa, penso nessa língua. Russo continua sendo minha língua nativa.

Pergunta: Se a maioria da humanidade se comunicasse em hebraico e se tornasse uma língua internacional, digamos, em vez do inglês, o mundo se tornaria melhor?

Resposta: Não. O mais importante é o anseio humano! É possível enganar com sucesso pessoas em hebraico e nada aconteceria. O uso formal de uma língua não indica nada.

Pergunta: Em que idioma Adam escreveu o livro Raziel HaMalach?

Resposta: Ele escreveu em hebraico.

Pergunta: Aprendemos letras cursivas separadamente de letras maiúsculas e algumas delas são muito diferentes. Em quais letras as fontes Cabalísticas foram escritas?

Resposta: As fontes primárias foram claramente escritas em letras maiúsculas. Eu não sei quando as letras cursivas apareceram e o que aconteceu com elas. Em princípio, onde quer que eles falem sobre o significado das letras, o que querem dizer é a sua forma de bloco.

Da Lição de Cabalá em Russo 06/01/19

A Conexão Com O Criador É A Base Das Línguas Antigas

Laitman_151Pergunta: A língua hebraica é uma espécie de linha intermediária entre letras e hieróglifos?

Resposta: Eu não estudei a origem espiritual dos hieróglifos. Só posso dizer uma coisa: a base de todas as línguas antigas é a conexão da pessoa com o Criador. Embora o hebraico transmita a conexão mais completa e, portanto, a Torá e todas as outras fontes espirituais são dadas nela, não podemos dizer que através de caracteres chineses, indianos, etíopes, egípcios, etc., não exista conexão da pessoa com o Criador.

De qualquer forma, há uma conexão porque antes que qualquer humano começasse a sentir como expressar sua opinião, seu sentimento, ele recebeu esse conhecimento do Criador. Não surgiu simplesmente do nada.

Nesse sentido, todas as línguas têm raízes espirituais, apenas elas se deterioraram ou desapareceram. O hebraico é a única língua que permaneceu a mesma e, portanto, a Torá e todos os outros livros são dados em hebraico, dos quais toda a humanidade tem gradualmente percebido suas fontes espirituais.

Nós simplesmente não conhecemos as raízes; não sabemos a conexão correta com o Criador em nenhuma língua antiga. Mas, sem dúvida, existe, do contrário nada poderia ter acontecido.

Além disso, os cientistas intervieram com base em suas conclusões, dissertações, etc., e começaram a “quebrá-las” de acordo com seu entendimento. A partir disso, é claro, nada permanece das fontes originais de todas as línguas.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/01/19