Textos na Categoria 'Linguagem dos Ramos'

Binyan – A Estrutura Da Palavra

laitman_614Pergunta: De onde vieram os binyanim – as formas da construção de verbos em hebraico? Eles têm uma raiz espiritual?

Resposta: O hebraico é uma linguagem matemática. É o oposto de outras línguas.

Existem duas forças no universo: a luz de Hochma e a luz de Hassadim. Sua interação é a base do futuro Kli (vaso). Isto é, a luz está na raiz de tudo.

A raiz das palavras hebraicas pode consistir em uma, duas ou três letras. Essa é uma linha, duas linhas ou três linhas. As letras não podem ser arbitrariamente combinadas umas com as outras, como em outras línguas, de acordo com suas regras. Aqui não há regras, mas leis da natureza, leis do mundo.

O binyan é a base, a estrutura da palavra, que sempre expressa claramente sua raiz: uma combinação de luzes e desejos. Afinal, o que mais está lá? A luz é do Criador e o desejo, isto é, a intenção, a luz refletida, é da criação.

Tudo depende do estado em que se encontram. Pode ser apenas uma, duas ou três linhas. Portanto, como regra, temos duas linhas e, em casos especiais, três. Isso se refere apenas à base da palavra.

Todas estas questões são claramente matemáticas. Não pode haver movimentos arbitrários.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/01/19

Por Que O Dia Da Tradução Da Torá É Considerado Um Dia De Luto?

Laitman_137Pergunta: Por que o décimo dia do mês de Tevet, o dia da tradução da Torá do hebraico para 70 idiomas, é considerado um dia de luto? Supostamente, neste dia, a Torá foi removida de seu lugar. O que isso significa?

Resposta: Porque esta tradução privou a Torá da sua verdadeira base espiritual, da sua verdadeira forma, apenas uma tradução superficial permanece. Mesmo de forma puramente didática, ela não poderia ser exata, sem mencionar o fato de que a parte espiritual não pode ser traduzida para nenhum idioma.

Mesmo o hebraico não é uma língua, mas um código – letras que se seguem em uma certa sequência, de acordo com certas regras. Elas não podem ser rearranjadas. Em cada palavra, há uma certa raiz de duas ou três letras, chamada “Binyan” (estrutura).

E quando o hebraico é traduzido, tudo isso é descartado e praticamente nada resta da língua. Uma pessoa toma uma simples tradução de uma palavra, uma propriedade do nosso mundo, embora não diga nada sobre coisas materiais, e lhe dá algum tipo de cópia do nosso mundo.

Pergunta: Quantas discussões existem em torno do fato de que uma mulher foi supostamente criada a partir da costela do homem, ou que os chifres de Moisés estavam brilhando? Tudo isso por causa de uma tradução incorreta?

Resposta: Você não pode fazer nada. Esse é um problema.

Pergunta: A humanidade, subindo de volta ao mundo espiritual, retornará a Torá ao seu lugar?

Resposta: Não temos nada para retornar! A Torá não caiu, não quebrou e nada aconteceu com ela.

A Torá é um retrato do dispositivo do mundo superior. Uma pessoa que começa a se envolver nela e a se elevar compreende esse dispositivo.

Mas quando ela pensa que esse dispositivo já está em seu bolso na forma de um livro, nem mesmo escrito em hebraico, mas em uma tradução que não tem significado espiritual, ela percebe a Torá como meras histórias. Quando ela lê que no princípio Deus criou o céu e a terra, ela pensa: “Eu sei o que é o céu. Eu sei o que é a terra. Vamos continuar lendo”.

Portanto, uma pessoa que não deseja “dissecar” a si mesma não deve ser permitida no mundo espiritual.

Da Lição de Cabalá em Russo 06/01/19

Torá E Vogais

Laitman_507.05Pergunta: As vogais são usadas em hebraico: nekudot – pontos acima das letras que indicam a pronúncia correta das vogais. Há um relato de que elas foram desenvolvidas por uma família de Tiberíades após a destruição do Templo, a fim de preservar o som da Torá. Mas nós estudamos que as vocalizações vocálicas são as luzes que estão acima da letra, ou seja, acima do Kli (vaso) ou sob o Kli.

Os nekudot foram inventados pela família de Tiberíades para registrar a Torá? Afinal, a própria Torá foi escrita sem nekudot.

Resposta: Não importa. Na Torá, não há realmente muitos sinais necessários para sua leitura. Afinal, quando você lê a Torá, você deve reproduzi-la com todos os seus instrumentos externos e internos.

Isto é, eu devo saber como canto o texto, como atribuo entonação a cada sentença, onde posso fazer uma pausa e onde é proibido. Afinal, uma pessoa não pode ler o texto de uma só vez.

Além disso, a leitura da Torá é diferente da leitura usual quando você leva o ar para os pulmões, lê algo em voz alta e libera o ar. Ao ler a Torá, eu devo administrar meus pulmões como um órgão numa catedral. Eu pressiono certas partes dos meus pulmões, que consistem em cinco partes. Depois disso, ligo as cinco partes do aparelho de reprodução: a laringe, a garganta, a boca, os lábios e os dentes.

Portanto, as letras hebraicas são uma forma abreviada dos enormes e poderosos dados que uma pessoa recebeu para ler.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/01/19

Através De 22 Estênceis

laitman_232.03Pergunta: O mundo que vejo na minha frente é uma carta ou uma coleção de cartas? Nós escrevemos este mundo ou o lemos?

Resposta: Nós vemos este mundo como se por meio de um estêncil através do qual a luz passa até nós. Naturalmente, esta não é a luz superior que nos afeta hoje, mas ainda é um aspecto dela. Ela passa por 22 estênceis e é assim refletida em nós.

Não vejo esses estênceis, não vejo a luz passando por eles. Tudo acontece dentro de mim e vejo o resultado do que está acontecendo em mim como meu egoísmo, meus sentidos, meu desejo que é influenciado pela luz através desses 22 estênceis.

Pergunta: Isso significa que uma pessoa particularmente sensível pode, de repente, falar hebraico ou começar a escrever em hebraico?

Resposta: Sim, claro.

Pergunta: Existe algum tipo de ação espiritual em estudar hebraico como trabalhar em um grupo? Afinal, sabendo que é certo, ainda não consigo me forçar a estudá-lo.

Resposta: Nossa conversa não é uma lição no estudo do hebraico. Pretende-se dizer qual código a Cabalá usa para descrever as ações do mundo superior. Se não tivéssemos estudado o impacto delas sobre nós e as consequências delas, então nós não saberíamos ou estaríamos interessados ​​nessa linguagem. Ela estaria inclusive morta.

Mas ela está se tornando cada vez mais viva porque mais e mais pessoas em nosso mundo querem saber como a luz superior as controla. Conversar com a força superior sobre o princípio de “Ele é para mim, eu sou para Ele” só é possível através de estênceis de cartas, através de 22 imagens estabelecidas.

Como costumávamos bater letras no papel em máquinas de escrever, esse sistema funciona da mesma maneira.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/01/19

Hebraico: A Língua Para Perceber O Criador

Laitman_151O hebraico é muito mais adequado para expressar a ciência da Cabalá do que qualquer outra língua. Ele tem uma oferta maior de palavras adequadas que expressam com mais precisão um sentimento interior. Afinal, a língua hebraica surgiu da ciência da Cabalá. Esta ciência, sua abordagem, a aspiração em direção ao Criador, criou e formou a língua.

Portanto, o hebraico contém todos os símbolos para esclarecer o Criador. A forma das letras, a forma como são escritas, a gramática, tudo é adaptado apenas para explicar a essência do desejo em que o Criador pode ser percebido.

Não há outra língua que possa ser comparada com o hebraico na expressão da Cabalá. Outras linguagens não possuem tais propriedades.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 03/10/18, Lição sobre o Tema “A Sabedoria da Cabalá no Mundo Moderno – A Real Percepção da Realidade”

Segredos Da Torá

525Pergunta: Eu frequentemente ouço o programa de TV Segredos do Livro Eterno, onde você explica o que cada mandamento significa, e tento entender como os Cabalistas transmitem essa informação.

Por que eles não colocaram uma explicação de todos os conceitos entre parênteses? Por exemplo, o Egito (Mitzraim) é uma concentração do mal, o Faraó é o ego e assim por diante.

Resposta: Existe um propósito para isso – dá liberdade a uma pessoa. À medida que a pessoa se desenvolve, ela pode interpretar suavemente todo o trabalho espiritual, seja dentro do nosso mundo ou dentro do mundo espiritual, de acordo com o seu crescimento.

Também me fiz estas perguntas e tentei colocar tudo isso em meus primeiros livros, pelo menos de uma maneira muito simples. Mas não há linguagem no mundo que possa simplesmente descrever ações espirituais e tudo o que está escrito na Torá.

Da Lição de Cabalá em Russo 01/04/18

Raiz Espiritual E Ramo Corpóreo

712.03Pergunta: Como a linguagem dos ramos se desenvolveu? Digamos que um Cabalista, ao investigar seu egoísmo, descobriu uma “cobra” em si mesmo. Ele entendeu que a cobra é um ramo, enquanto o egoísmo espiritual é a raiz e, portanto, chamou p egoísmo de cobra?

Resposta: É bem possível que o Cabalista nunca tenha visto uma cobra em sua vida. Uma pessoa simplesmente se torna consciente do estado chamado “cobra”.

Pergunta: Sempre que revelamos o Criador em um nível particular, também revelamos certa “cobra” dentro de nós em correspondência a ele?

Resposta: O Criador não tem imagem porque é apenas uma propriedade. Uma propriedade pode se vestir na matéria, realizá-la em certas ações, expressar-se através da matéria, mas não tem imagem própria.

Digamos que você ouve a palavra “beleza”. Você imagina uma pessoa, um animal ou uma planta de tal maneira que haja uma propriedade chamada “beleza” nisso. Você não pode imaginar uma beleza abstrata; você sempre irá retratá-la em algum objeto.

Da mesma forma, as propriedades espirituais não possuem vasos materiais. Mas, a fim de representá-las ou transmiti-las de alguma forma, você deve expressá-las através desses vasos. Os Cabalistas entenderam que a propriedade espiritual chamada “cobra” produz uma propriedade correspondente em nosso mundo. Enquanto não estudavam botânica, biologia ou zoologia, eles escreviam como se estivessem completamente familiarizados com a natureza de diferentes animais.

Observação: A Torá, no entanto, descreve todos os tipos de animais …

Meu Comentário: Mesmo aqueles que já estão extintos, assim como aqueles que ainda não se desenvolveram e só se manifestarão no futuro. Tudo vem da realização do mundo espiritual, pois toda raiz espiritual deve produzir sua contrapartida em nosso mundo.

Da Lição de Cabalá em Russo 03/04/18

Gematria: A Linguagem Para Descrever O Mundo Superior

Laitman_151Pergunta: A lógica do nosso mundo é preservada na espiritualidade? Por exemplo, dois mais dois também são iguais a quatro?

Resposta: Na espiritualidade, a lógica do nosso mundo não é preservada. Não há aritmética lá, mas existem muitos outros cálculos diferentes dependendo do que se está trabalhando. Teremos diferentes matemáticas em diferentes níveis.

Pergunta: A aritmética espiritual é a Gematria das palavras? Está relacionado ao desejo?

Resposta: É claro, porque cada letra em si representa a combinação de várias proporções das forças de doação e recepção, cada uma das quais cria uma forma básica particular ou outra. É por isso que as 22 letras do alfabeto hebraico são a base.

As primeiras nove letras correspondem às nove Sefirot de Bina, as nove letras seguintes são as nove Sefirot de Zeir Anpin, e as quatro últimas letras são as quatro Sefirot de Malchut. Há também cinco letras adicionais, que são formadas a partir do Parsa.

Pergunta: Cada elemento das letras: o ponto, a linha horizontal, a linha vertical – são todas essas forças?

Resposta: Sim. Uma combinação específica de forças de doação e recepção representa letras. Não há outra combinação.

O Criador criou o desejo de receber (o ponto negro). Durante o processo de desenvolvimento do desejo, Ele estava constantemente exercendo influência sobre ele e reunindo todas as combinações possíveis de Sua influência. É por isso que quando o ponto negro é refletido no fundo da Luz branca, ele descreve a correlação entre a Luz superior e ela mesma, seus desejos. Isso cria os 22 padrões.

As leis da Gematria são as mesmas em todos os lugares, as dez Sefirot não mudam. Mas isso não se reflete na matemática do nosso mundo. A Gematria é uma das linguagens que descrevem o mundo superior e seus processos. Esta é linguagem da Cabalá.

Da Lição de Cabalá em Russo, 25/2/18

Os Personagens Da Torá Existiram?

laitman_527.04Pergunta: O profeta Bilam (Balaão), que era igual a Moisés, existiu fisicamente ou foram ambas representações históricas de forças espirituais?

Resposta: A Torá fala apenas do caminho espiritual da pessoa, sobre sua elevação espiritual. Bilam é uma grande força negativa, o lado oposto de Moisés. Para alcançar o grau chamado Moisés, primeiro teremos que estar no grau oposto chamado Bilam.

Ele é necessário para nós, como Moisés; um não pode existir sem o outro. Da mesma forma, o Faraó é o lado oposto do Criador, igual a ele em força, mas negativo, não positivo.

Pergunta: O Rabino Shimon, autor do Livro do Zohar, existiu tanto fisicamente como uma figura histórica e como um grau espiritual, mas Bilam e Moisés não eram personagens históricos?

Resposta: Todos os personagens da Torá existiram fisicamente, mas cada um deles desempenhou seu papel espiritual. Portanto, cada um deles personificava uma qualidade oposta àquela oposta a ele. Por exemplo, Bilam personificou a qualidade oposta a Moisés.

Em princípio, a raiz espiritual deve sempre tocar seu ramo terrestre uma vez, incorporado na matéria. No entanto, a Cabalá lida exclusivamente com raízes. O que nos importa os personagens históricos? Nós estamos interessados ​​em ascender a escada espiritual e passar por todos os estados chamados Bilam, Moisés e assim por diante.

Da Lição de Cabalá em Russo 14/01/18

Harmonia Espiritual da Língua Hebraica

Laitman_151O conhecimento do hebraico é muito importante no estudo da Cabalá. É diferente das ciências deste mundo, por exemplo a física, que pode ser aprendida em qualquer idioma. Os termos Cabalísticos em hebraico correspondem diretamente a vasos, luzes e ações espirituais.

Enquanto lemos um texto Cabalístico, não lemos apenas palavras, mas vamos de desejo em desejo, revelando o Criador através da mudança de letras e sua sequência.

Cada letra é um símbolo espiritual e cada palavra é uma matriz. É como um código secreto especial, uma criptografia. Cada palavra, letra, ordem das palavras e a raiz de cada palavra vêm da relação de luzes e desejos. A língua hebraica foi criada nesta base. É a única língua que surgiu não para uso corporal, mas desceu de Cima para definir relações entre luzes e desejos.

Portanto, o conhecimento do hebraico nos ajuda a penetrar mais profundamente na conexão da luz e do desejo, a sentir seu gosto e a entender por que é exatamente assim. Nós podemos sentir a harmonia embutida na língua hebraica e a interconexão interna das forças da natureza que são expressas através de suas letras.

Ao traduzir o texto Cabalístico para o português ou para qualquer outro idioma, a essência da explicação incluída na própria palavra é perdida. A tradução dá uma compreensão mais externa da ação, enquanto a palavra hebraica expressa o significado interno dos desejos, sua conexão entre si e com a luz e a forma de preenchimento.

Além das letras em hebraico, há pontos de vocalização, coroas sobre letrasTANTA (Ta’amim-Nekudot-Tagin-Otiot – gostos-pontos-coroas-letras) – que mostram como essas propriedades começam a se revelar.

Existem 22 letras em hebraico: nove de Bina, nove de Zeir Anpin, e quatro de Malchut, e mais cinco letras no final das palavras, ou seja, os símbolos situados no Parsa. A saída da luz constrói pontos (vocalizações) que desaparecem. As vogais quase nunca são usadas, estão apenas implícitas.

Letras, pontos, coroas sobre as letras são muito importantes. Eles podem revelar toda a sabedoria. Se soubéssemos o significado interno das palavras e da ordem das palavras e letras – tudo isso é a inteira revelação do Criador aos seres criados.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá, 14/5/18, Escritos de Baal HaSulam, “A Entrega da Torá – 1”