Textos na Categoria 'Egoísmo'

Aquele Dentro De Mim

293Comentário: Existe dor no mundo. Como você sempre diz, essa pandemia não é o fim de tudo. A ONU já aceitou que perdemos esta luta com mais de um milhão de mortos e mais de 30 milhões de infectados, e que precisamos nos unir. Mas como? Como podemos nos unir? De repente, Karabakh! Nação sobre nação! Esse ódio é derramado que não existia antes. O que está acontecendo na Bielorrússia?! O que está acontecendo na América?!

Minha Resposta: O mundo, é claro, desceu …

Pergunta: E quanto a Israel? O governo não pode tomar decisões básicas. Parece que não fomos colocados em apartamentos, em quartos, o vírus não nos assustou.

Resposta: As pretensões mútuas são as mais fortes.

Pergunta: Isso é impressionante! Que tipo de natureza é essa?! Como podemos trabalhar com ela?

Resposta: Este é o próximo estado do egoísmo. O fato de eu prestar cada vez menos atenção às consequências que são supostamente ameaçadoras. Eu estou ameaçado, outros estão ameaçados, não importa, não sinto. O que eu posso fazer?

Pergunta: Uma pessoa não tem responsabilidade. Deve haver uma mudança de mente ou de coração?

Resposta: “O que a mente não faz, o tempo faz”, diz a Bíblia.

Nós estamos tentando acelerar esse processo de revelação do mal. Para quê? Para a humanidade dizer ao seu ego: “É isso! Você não me governa mais! Estou me separando de você! Este é você e este sou eu”.

O que posso fazer para perceber que ele está me guiando o tempo todo? Levanto de manhã e sinto que ele está me guiando: “Levanta, vai lá, faz aquilo, senta assim, daquele jeito …” Ele manda em mim o tempo todo.

Pergunta: Devo admitir que sou seu escravo?

Resposta: Eu não admito. Começo a entender isso e começo a me rebelar contra isso porque vejo que, em princípio, ele não prepara nada de bom para mim.

Precisamos nos elevar acima disso para que nossa natureza terrena não nos guie. Não podemos continuar vivendo assim.

Pergunta: Podemos falar sobre o egoísmo e o homem, sobre o fato de que o egoísmo nos transforma, nos empurra, nos faz girar e, em princípio, nos empurra para o abismo. Uma pessoa comum pode raciocinar assim ou não?

Resposta: Se você explicar tudo isso a ela o tempo todo, ela acabará sendo capaz de ver, por um lado, a explicação e, por outro, os golpes do destino.

As explicações devem estar sempre diante de seus olhos. E ela não queria vê-las, nem lê-las, nem nada. Mas chega a hora, ela leva golpes, e de repente vê. Ou começa a pesquisar freneticamente: “O que devo fazer ?! Como faço para me livrar do problema?!” Então ela começa a ver, a ouvir.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 01/10/20

“Reformadores Do Mundo” Destruirão O Mundo

546.02Observação: Quando o mal surge, e agora há muito mal no mundo em todas as suas cores, de repente aparecem aqueles que querem corrigi-lo. Eles são chamados de pessoas honradas, recebem prêmios Nobel, etc. Eles vêm para corrigir esse mal. Eles doam dinheiro para isso e investem suas forças nele.

O grande Cabalista Baal HaSulam, cujas obras estudamos, escreve no artigo “Paz no Mundo” sobre “A Fraqueza dos ‘Reformadores do Mundo’”: “Esta é a chave para compreender a fraqueza dos reformadores do mundo através das gerações. Eles consideravam o homem como uma máquina que não está funcionando corretamente e precisa de consertos, ou seja, remover suas peças quebradas e substituí-las por outras que estão funcionando”.

Em princípio, parece bastante lógico. Ou seja, eles desejam operar a máquina adequadamente para que ela funcione sem problemas de acordo com o seu entendimento.

“Esta é a tendência de todos os reformadores do mundo – erradicar qualquer dano e mal na espécie humana … e é verdade que se o Criador não se opusesse a eles, eles certamente teriam agora purificado o homem inteiramente, deixando nele apenas o que é bom e útil”.

Resposta: E isso traria o fim do mundo.

Observação: Mas está escrito aqui que eles deixariam “apenas o que é bom e útil”. Isso seria bom para o mundo.

Meu Comentário: Bem, é claro! Tente sugerir isso e você verá que todos concordarão com você! Exceto o Criador.

Observação: E o Criador diz: “Não, Eu não preciso do que se chama de bom e benéfico. Eu não preciso que seja a única coisa que resta no mundo”.

Mais adiante, o Baal HaSulam continua: “Mas como o Criador zela meticulosamente por todos os elementos de Sua criação, não permitindo que ninguém destrua uma única coisa em Seu domínio, mas apenas reformule-a e torne-a útil e boa, todos os reformadores do tipo mencionado acima desaparecerão da Terra e as más qualidades não desaparecerão. Eles existem e contam os graus de desenvolvimento que ainda devem percorrer até que completem seu amadurecimento”.

É como se o Criador estivesse dizendo: “Não gosto desses reformadores do mundo. Não gosto de quem gosta de fazer o bem”. Eles querem que esse mal desapareça, substituir as peças danificadas do carro por outras boas e fazer o carro andar bem. Eu não quero isso”.

Meu Comentário: Isso está correto. Quem são os parceiros do Criador? Vilões. Eles revelam o mal no mundo, como disse o Criador: “Eu criei a inclinação ao mal…” Ou seja, eles são Seus cúmplices que O ajudam e revelam o mal.

Eles nos mostram: “Veja o que o Criador criou!” E a única coisa que falta aqui é o outro lado, onde precisamos pegar as forças da natureza e construir um sistema oposto que compensaria esse mal. Então, através da criação de nosso próprio sistema de bem que compensa o mal, iremos nos elevar por ambas as forças, em ambos os níveis.

Pergunta: Isso significa que as pessoas más são as mais próximas do Criador?

Resposta: Sim. É por meio delas que o Criador cria o mundo.

Pergunta: Ele cria o mundo e nos mostra que o mundo foi criado a partir do mal. Vemos isso, ficamos horrorizados e começamos a lutar contra esse mal. Você está dizendo: “É errado lutar contra o mal?”

Resposta: Devemos aprender a compensar isso corretamente, a usá-lo como o menos e o mais na eletrônica e em outras áreas.

Pergunta: Então, o mal existe e não eu devo tocá-lo. Pelo contrário, devo criar uma montanha do bem. Aqui está uma montanha do mal e uma montanha do bem. Esta montanha do mal cresce? E a montanha do bem também cresce? O principal é não apagar essa segunda montanha?

Resposta: Você não pode apagá-las, apenas mutilará toda a natureza.

Pergunta: Como faço para construir a montanha do bem?

Resposta: Com base no mal.

Pergunta: Vendo todo esse mal, digo: “Este não é o caminho certo, devo escolher outro caminho”?

Resposta: Claro. Caso contrário, você será como os que destruíram pardais, moscas e assim por diante.

Pergunta: Então, eu construo uma montanha do bem olhando para essa montanha do mal?

Resposta: De acordo com ela.

Pergunta: Onde obtenho forças para construir esta montanha do bem?

Resposta: Aqui você tem que perguntar ao próprio Criador.

Pergunta: Não há outra maneira?

Resposta: Não. Então você verá porque o Criador criou o mal. É para que você se volte a Ele e receba a força do bem.

Observação: Então, apenas com recursos materiais, com minhas habilidades…

Resposta: Isso não levará a lugar nenhum. Você não vai realizar nada. Só existe o mal em nosso mundo. Mesmo o bem que você vê também é mal.

Pergunta: E quando dizem: “Este líder forte, carismático, corajoso e determinado será capaz de nos levar ao bem, à felicidade” e todos começam a votar nele, é tudo mentira?

Resposta: Claro. Hoje, mais e mais pessoas começam a perceber isso.

Pergunta: Nossa tarefa é construir este bem contra o mal, e tudo o que precisamos fazer é pedir força à natureza, ao Criador?

Resposta: Pedir ao Criador a força do bem para equilibrar o mal e ascender sobre essas duas forças como se estivesse sobre duas pernas.

Pergunta: O mundo chegará a isso?

Resposta: Muito em breve! Eu acredito que, talvez, eu também consiga ver isso. Mas devemos lançar o alicerce.

Observação: Este é definitivamente um ponto de virada para uma pessoa.

Resposta: Precisamos educar as pessoas! Conceitos básicos que só precisamos apresentar diante delas.

Pergunta: Estamos falando de uma pessoa comum. Diga-me, quando alguém enfrenta o mal, qual deve ser sua primeira reação?

Resposta: Equilibrar o mal. Se eu quiser destruí-lo, tenho que equilibrá-lo! Dessa forma, eu não apenas o erradico como se o estivesse reduzindo a zero, mas o emprego e uso para o bem.

Como duas forças na eletricidade: o negativo e o positivo. Qualquer força que se revela neste mundo consiste em si mesma e em seu oposto, seu paralelo. Não há mais nada, apenas isso. Portanto, em relação ao mal, devemos encontrar a expressão do bem e colocá-los uns contra os outros, colocando-se no meio. E você verá como subir nestes dois riachos da fonte. É assim que você vai subir usando os dois.

Pergunta: Então, você está dizendo que para que alguém se eleve ao bem, ele deve estar entre o bem e o mal?

Resposta: Eles devem empurrá-lo por baixo como os jatos de uma fonte.

Pergunta: Quando eu construo o bem contra o sentimento do mal, é chamado de que estou no meio? Eu vejo o bem e o mal.

Resposta: Sim. Precisamos ensinar as pessoas como usar ambas as forças corretamente. Para elas, esta é a revelação do novo mundo e de possibilidades infinitas.

Pergunta: Isso significa que precisamos trabalhar na primeira reação de uma pessoa para destruir o mal? Para que a primeira reação seja: “Oh!”

Resposta: Depende do apoio da sociedade, do ambiente.

Pergunta: Então, de uma forma ou de outra, a pessoa deveria estar procurando, ou deveria ser colocada no ambiente que pensa assim, certo?

Resposta: Sim. O ambiente a apoiará nos bastidores. E ela sentirá que precisa realizar certas ações. Ela receberá pensamentos do ambiente. O mundo está chegando a esse ponto, não há outra maneira. É assim que o mundo está organizado. O principal é seguir em frente!

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 10/08/20

Não Nos Ouvimos

Pergunta: Todos precisam ser capazes de ouvir. Os pais devem ouvir seus filhos. As crianças devem ouvir seus professores que lhes dão designações. Um gerente precisa ouvir seus subordinados e assim por diante.

A maioria das pessoas se considera bons ouvintes. Eu li pesquisas que mostram que apenas 10% das pessoas têm a capacidade de ouvir os outros. Qual é a razão? Por que as pessoas pensam que podem ouvir, mas vemos o oposto?

Resposta: Porque a pessoa joga junto com seu ego, quer que todos vejam o quão amigável, atencioso e receptivo ela é. Na verdade, ela quer ouvir apenas a si mesma, ver apenas a si mesma e justificar apenas a si mesma. Portanto, é muito difícil para nós nos comunicarmos bem uns com os outros. Não podemos ouvir um ao outro.

Apesar do fato de que hoje existem todos os tipos de métodos de conexão de vídeo e áudio, devemos verificar o quão conectados estamos uns aos outros. Não nos tornamos mais sociáveis. Podemos sentar e ouvir vários programas que supostamente nos conectam uns aos outros, mas não podemos ouvir ou ver ninguém além de nós mesmos.

565.02Pergunta: Existe uma regra básica de relações interpessoais que diz que o significado de uma mensagem não pode ser claramente compreendido. Em um nível fisiológico, não somos capazes de captar essa mensagem.

Na pesquisa que li sobre isso, foi estabelecido que nossa percepção de áudio é apenas 25% eficaz. Mesmo em conversas informais com amigos, apenas 60 a 70% das informações são absorvidas.

Qual é o motivo dessa lacuna? Existem coisas às quais o egoísmo é receptivo.

Resposta: Não importa a que o ego é receptivo ou não. Uma vez que todos estão envolvidos no amor próprio e desejam sentir apenas a si mesmos, tudo o que chega até nós ainda é interpretado incorretamente e, portanto, permanece em algum lugar no ar.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 14/08/20

A Joia Mais Preciosa

562.03Confúcio: “A joia (gema) não pode ser polida sem fricção, nem o homem aperfeiçoado sem provas”.

O homem deve se polir. Além disso, polir a tal ponto que às vezes ele literalmente arranca camadas, camadas egoístas. Se apenas um fosse capaz de suportar. Isso é muito doloroso.

Pergunta: Uma pessoa pode fazer isso?

Resposta: Surge essa oportunidade, esse desprezo, quando você sente que a raiva e a aversão ao egoísmo são maiores do que a dor e quer apagá-la de si mesmo.

Pergunta: É assim que a joia preciosa é revelada?

Resposta: Sim.

Pergunta: Se o homem fosse capaz de passar por esse estado, o que ele revelaria?

Resposta: Ele revelaria o Criador dentro dele.

Pergunta: Quando você diz “Para revelar o Criador dentro de você”, o que você quer dizer?

Resposta: Eu O encontro lá. Acontece que Ele estava dentro de mim. Eu pensei que havia algum tipo de egoísmo em mim, um animal. Mas, na verdade, era o Criador!

De KabTV, “Notícias com Dr. Michael Laitman”, 27/07/20

Tudo É Comprado E Vendido

559Pergunta: Devemos entender que nesta vida somos comprados e vendidos?

Resposta: Nem todos, é claro. No entanto, o fato de que isso acontece – sim.

Pergunta: Ficamos indignados, mas mesmo assim somos comprados e vendidos. Por quê?

Resposta: Porque não temos consciência de que estamos vendendo e comprando, mas queremos vender e comprar tudo neste mundo.

Pergunta: O que queremos vender?

Resposta: Tudo o que você pode fazer é um negócio lucrativo.

O personagem Panikovsky, um criminoso mesquinho em Ilf e Petrov, O Pequeno Bezerro de Ouro disse: “Vou comprar e vender todos vocês, comprarei, venderei, comprarei e venderei novamente, mas por mais”.

Pergunta: Então, eu vendo isso por um negócio, para mim mesmo, para ter lucro?

Resposta: Sim. Eu compro o que posso comprar barato e depois vendo com lucro. Isso é humano. Em todos os níveis! Todo instante!

Pergunta: Que criatura inferior é o ser humano! Você vê algo pelo menos um pouco elevado nos seres humanos?

Resposta: Em uma pessoa que vive neste mundo e neste mundo egoísta, não pode haver nada mais. Só para vender, comprar e vender por ainda mais.

Pergunta: Alguém sempre quer um suborno?

Resposta: Apenas isso!

Pergunta: Como é possível sair desse estado, de que maneira?

Resposta: Através do reconhecimento do mal, que embora exista no quadro desta natureza, no final, eu atuo em meu próprio detrimento. Para meu próprio detrimento! Com base nisso, já começo a pensar: “Como posso fazer isso de maneira diferente?” Então começo a entender que meu mal e o mal dos outros são a mesma coisa.

Pergunta: Eu digo que isso me faz sentir mal e começo a partir daí?

Resposta: Sim, você deve começar por você mesmo.

Pergunta: Uma pessoa reconhecerá agora que se sente mal por causa de sua “compra”?

Resposta: É porque ela reconhece que se sente mal e começa a procurar o que fazer que chegará à conclusão de que deve se livrar de seu egoísmo, desse “mal”, e se perceber de uma forma diferente, em uma conexão diferente com os outros. Se for ruim para os outros, será ruim para mim. Não há outra saída.

De KabTV “Notícias com Dr. Michael Laitman”, 31/08/20

Nosso Fiel Assistente

115.06Pergunta: Um estudo foi conduzido em Harvard por 80 anos, onde cientistas tentaram descobrir o principal fator para a felicidade na vida das pessoas. Eles concluíram que o relacionamento entre as pessoas é o mais importante.

Por um lado, queremos muito ser felizes e entendemos que o fator mais importante são os relacionamentos. Investimos muito dinheiro na medicina, dedicamos muito tempo a um estilo de vida saudável mesmo sabendo que o fator decisivo até para a saúde humana é o relacionamento entre as pessoas.

Ainda assim, não importa o quanto investimos, não podemos perceber totalmente, mesmo de forma puramente egoísta, que os relacionamentos entre nós são a coisa mais importante. Por quê?

Resposta: Porque o egoísmo é um ajudante contra você. Não apenas o pressiona a fazer o que é bom para você. Este é um assistente muito especial que o leva não a atingir o estado animal mais confortável, mas a um estado superior. Apenas de uma forma especial.

O egoísmo é construído com base no fato de que você o abandona e se eleva acima dele. Ele está constantemente pressionando para isso, mas de maneira exatamente oposta.

Portanto, no mundo material não há maior ajudante para o nosso desenvolvimento do que o egoísmo, embora ele constantemente nos confronte com nós mesmos. Ele constantemente nos empurra para a luta, para os opostos, para as contradições, tudo para descobrir quem somos, o que somos, para que servimos.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 30/07/20

“Qual É A Definição De Altruísmo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É A Definição De Altruísmo?

Altruísmo é o oposto do egoísmo, e egoísmo é egocentrismo, ou um desejo de desfrutar às custas dos outros.

Altruísmo é, portanto, dar de si aos outros, ao que está fora de nós: a humanidade e a natureza.

O egoísmo é uma direção interna – um desejo de receber – e o altruísmo é uma direção externa – um desejo de doar.

Após a definição de altruísmo, surge a questão: Como os seres humanos podem se tornar genuinamente altruístas?

Tornar-se altruísta requer a participação em um ambiente social de apoio e de aprendizagem, onde podemos aprender como a natureza opera altruisticamente e praticar como pensar e agir de forma semelhante à natureza, junto com os outros.

A implementação genuína de atitudes altruístas em um determinado ambiente desperta forças residentes na natureza que podem incutir em nós uma percepção e sensação altruísta de realidade. Ou seja, influenciando regularmente uns aos outros em uma determinada configuração social com a grandeza e importância do altruísmo – como é uma qualidade baseada na natureza, e como nos tornarmos altruístas pode resolver todos os nossos problemas e nos levar a um lugar muito mais feliz e seguro vidas – podemos então nos inverter de sermos naturalmente egoístas, para adquirir uma segunda natureza altruísta.

Nós então nos tornaríamos seres com pensamentos, desejos, ações, intenções e objetivos voltados para fora – opostos ao nosso atual sistema operacional egoísta voltado para dentro.

Precedendo a participação em um processo de transformação egoísta em altruísta está uma conclusão que cada vez mais a humanidade está alcançando: a compreensão de nossa natureza egoísta levando a nenhum resultado positivo, e a compreensão da necessidade de uma mudança para o altruísmo, as forças altruístas que poderiam nos garantir a segurança de nossa sobrevivência e, mais ainda, revigorar, energizar e melhorar nossas vidas.

O Dinheiro É O Equivalente Da Nossa Conexão

600.02Pergunta: O dinheiro é a linguagem de comunicação entre as pessoas. O mundo existirá sem dinheiro no futuro?

Resposta: Não. O conceito de dinheiro permanecerá, mas não no sentido de dólares ou outros pedaços de papel, mas na forma de uma troca de serviços entre nós: eu para você e você para mim.

Isso não é dinheiro material, mas sim apoio, reciprocidade e uma boa atitude para com o outro. Dinheiro, das palavras “kesef, kesuf, lehasot”, significa cobertura, quando eu cubro meu âmago egoísta e me relaciono com o outro através de uma cobertura altruísta.

Em outras palavras, dinheiro é o que eu posso pagar pelo meu egoísmo para que ele se transforme na qualidade de doação e conexão.

Pergunta: Então o dinheiro é o equivalente à nossa conexão, que consiste no fato de que eu quero usar egoisticamente outras pessoas, mas faço esforços comigo mesmo, e escondo meu desejo de usar outra pessoa com elas?

Resposta: Sim. Esta é a sua atitude boa em relação à atitude má e é chamada de “dinheiro”.

Pergunta: Acontece que não haverá papel-moeda?

Resposta: Eu acho que o dinheiro material será creditado a cada pessoa e deduzido de sua conta por muito tempo. Mas, gradualmente, ele começará a ser substituído por conexões compartilhadas.

De KabTV, “A Era Pós-Coronavírus”, 04/06/20

Vista Do “Segundo Andar”

608.01Pergunta: Existe uma punição pelos pecados de uma geração? Existe um conceito de que os filhos devem pagar pelos pecados dos pais?

Resposta: Em geral, sim. Afinal, não existimos por nós mesmos, como pensamos. Normalmente, as pessoas acreditam que podem fazer o que quiserem sem perceber que estão dentro da estrutura da natureza, que tem suas próprias leis.

Gradualmente, revelamos essas leis nos níveis inanimado, vegetal e animal. Mas, no nível humano, não podemos revelá-las. Só podemos supor que elas existem.

O fato é que olhamos para a natureza inanimada, vegetativa e animada de cima para baixo e, portanto, podemos entendê-la e, de alguma forma, administrá-la. E só podemos olhar para outras pessoas em nosso nível. Não temos um “segundo andar” de onde possamos olhar para elas. Portanto, no nível humano, nós cometemos erros constantemente. Não temos nada com que comparar, não temos um segundo andar para olhar de cima para baixo.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, devemos subir para o próximo nível, chamado de fé acima da razão, a partir do qual veremos corretamente nosso nível terreno e compreenderemos quem somos e como devemos nos comportar.

Pergunta: De onde veio o termo “descida”, “declínio” ou “endurecimento” de gerações?

Resposta: Vemos que cada geração se desenvolve em seu próprio egoísmo, que está se tornando mais sofisticado, multinivelado e complexo. Portanto, isso nos puxa para baixo. Devemos necessariamente equilibrar isso, esforçando-nos em subir.

Não entendemos isso ainda. Mas em nosso tempo, já chegamos a um estado que nos permite entender como podemos equilibrar o egoísmo e mais ou menos influenciar nossa existência.

Pergunta: Podemos dizer que é precisamente o diferente nível de egoísmo a causa dos conflitos entre gerações?

Resposta: Naturalmente. Somos todos egoístas, mas cada um a seu modo.

De KabTV, “A Era Pós-Coronavírus”, 21/05/20

“A Sobrevivência Do Mais Apto É Uma Mentira Que Contamos A Nós Mesmos” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “A Sobrevivência Do Mais Apto É Uma Mentira Que Contamos A Nós Mesmos

A cada dia que passa, temos que perceber que, apesar das crescentes tensões, odiamos o inimigo errado. Achamos que o inimigo é aquele homem que apoia a outra parte, ou aquela mulher que pertence à outra raça, ou aquela pessoa que é mais privilegiada de alguma forma, que é mais rica, mais inteligente, mais bonita, mais sortuda ou qualquer outro com um “predicado” que eu gostaria de ser ou ter.

Não haverá vencedores nesta guerra porque não é a guerra certa. A guerra certa é contra nossos próprios egos, e só podemos derrotá-los se lutarmos especificamente ao lado daqueles que são diferentes de nós, de quem não gostamos e os quais desaprovamos, já que esta é a única aliança que nossos egos nunca apoiarão.

Mas nenhum deles é meu verdadeiro inimigo. Sempre houve pessoas que tiveram mais sucesso do que nós de alguma forma, e sempre haverá essas pessoas. Mas elas não costumavam nos fazer sentir mal e não costumavam nos fazer sentir que as queremos fora de nossas vidas e, se possível, fora da existência. Elas sempre estiveram aqui, mas éramos diferentes. Éramos menos autointitulados, menos absorvidos conosco mesmos, ou simplesmente, menos egoístas. Sim, nosso próprio egoísmo é nosso inimigo.

Não podemos controla-lo; ele está crescendo dentro de nós e é tão parte de quem somos que nem mesmo sentimos que esse é o problema. Mas se não aprendermos a trabalhar com nosso ego, ele nos levará à guerra civil, porque não seremos capazes de tolerar a existência de ninguém além da nossa própria e daqueles que pensam como nós e se parecem conosco.

Não haverá vencedores nesta guerra porque não é a guerra certa. A guerra certa é contra nossos próprios egos, e só podemos derrotá-los se lutarmos especificamente ao lado daqueles que são diferentes de nós, de quem não gostamos e dos quais desaprovamos, já que esta é a única aliança que nossos egos nunca apoiarão.

Mas tem que ser uma decisão comum, tomada por toda a sociedade em todas as suas facções, ou está fadada ao fracasso. E você deveria perguntar o que motivará as pessoas a cooperar com aqueles que odeiam, ou mesmo a se relacionar com eles de forma positiva? A resposta é que não temos mais opções. Se não fizermos isso, todos cairemos. Chegamos a um estado em que somos totalmente dependentes uns dos outros, e dependemos mais daqueles de quem mais não gostamos.

Na verdade, não apenas nós, mas toda a realidade consiste em opostos que se complementam. Eles não gostam um do outro, mas são completamente dependentes um do outro e sua própria existência garante e sustenta a existência de seu oposto ou “rival”.

Pense em “noite” sem “dia”, “inverno” sem “verão”, “seco” sem “úmido”. Ou quando se trata de pessoas, pense em negro sem branco, republicano sem democrata, liberal sem conservador. Você pode imaginar uma moeda que tem apenas um lado? É assim que somos dependentes uns dos outros.

Achamos que, quando Darwin descobriu o princípio da “sobrevivência do mais apto”, ele quis dizer que apenas os mais mesquinhos e beligerantes sobrevivem. Esta é uma interpretação totalmente errônea de suas palavras que nossos egos belicosos nos impõem. Um livro recente de Brian Hare e Vanessa Woods intitulado, Survival of the Friendliest, escreve que “para Darwin e os biólogos modernos, ‘sobrevivência do mais apto’ refere-se a algo muito específico – a capacidade de sobreviver e deixar para trás uma descendência viável. Não é para ir além disso”. Além disso, eles acrescentam que “Darwin ficava constantemente impressionado com a bondade e cooperação que observava na natureza”, e citam seu livro Descent of Man, que afirma: “Essas comunidades, que incluíam o maior número dos membros mais simpáticos, floresceriam melhor e criariam o maior número de descendentes”.

Estamos indo na direção oposta. Estamos quebrando nosso tecido social, destruindo nossas comunidades e desmantelando o país. Em tais circunstâncias, nós mesmos não sobreviveremos. E o único culpado é o ego humano. Estamos agora em um ponto onde ou nos unimos contra ele e ajudamos uns aos outros a superá-lo, encorajando uns aos outros a se conectar e tentando nos unir com aqueles que são diferentes de nós, ou o ego vai ganhar e todos nós vamos perder tudo.