Textos na Categoria 'Egoísmo'

A Epidemia Não É Punição, Mas Remédio

laitman_961.2Ao longo da história, recebemos muitos sinais de atenção do Criador, o bom que faz o bem. Mas, ao existir em qualidades egoístas opostas ao Criador, percebemos essas manifestações de amor e carinho como golpes e não sentimos a necessidade de mudar.

É assim que pais amorosos forçam o filho a aprender enquanto ele só quer brincar, não os ouve e pensa que seus pais o odeiam.

É exatamente isso que está acontecendo no mundo – crises, guerras, desastres, epidemias – o caminho do sofrimento pelo qual a humanidade passou. E isso é porque nos recusamos a aceitar o governo do Criador como totalmente bom e sempre trazendo o bem, ou seja, para nos ajustarmos a esse governo.

Queríamos fugir das instruções do Criador como crianças que não ouvem seus pais, se escondem e discutem o tempo todo. É por isso que nossa vida tem sido tão amarga até hoje.

Mas agora estamos experimentando um golpe especial como nenhum outro. Ele vem para acalmar o mundo inteiro, toda a humanidade, e nos tornar um todo. Assim como os pais perdem a paciência e dizem aos filhos: “Basta, acalme-se agora!” Eles tomam uma ação tão rigorosa que os filhos realmente se acalmam.

O governo superior está descendo e se aproximando de nós cada vez mais, começando a lidar conosco de perto, individual e diretamente.

Por que a humanidade sofreu tanto com esse golpe? Por que o coronavírus nos mantém com tanto medo? Estamos acostumados a muitas pessoas morrendo e nascendo a cada ano em todos os países. Por que estamos com tanto medo desse vírus em particular?

Sabemos que dentro de cem anos toda a população do mundo mudará: todos morrerão e novas pessoas nascerão, mas não fazemos disso uma tragédia. O vírus, no entanto, é um golpe psicológico. Uma praga escondida está entre nós, não a vemos nem a sentimos, e não sabemos de onde ela nos atingirá.

No entanto, o vírus realmente age em nosso benefício, ordenando que nos afastemos um do outro e não saímos de casa. É como se me dissesse: “Se vocês não podem se tratar bem, fiquem em casa! E se um pouco de bondade aparecer, vocês podem sair, mas mantenham uma distância de dez metros entre vocês.

O vírus nos mostra nossos verdadeiros relacionamentos: que somos incapazes de permanecer juntos e, se nos conectamos, passamos vírus um para o outro porque somos egoístas. Este vírus é a revelação do governo superior.

O vírus separa as pessoas umas das outras conforme o egoísmo delas. Isso as obriga a ficar em casa em vez de se envolver em todo tipo de coisas inúteis e absurdas. Isso nos mostra um melhor tipo de conexão que podemos ter. Ele não veio para nos prejudicar e matar, mas para organizar nossa vida corretamente. Esta é a mão do Criador nos educando com misericórdia.

A epidemia não é punição, mas o remédio. O vírus esfria nossos relacionamentos alimentados pelo egoísmo, pelo desejo de vencer, ter sucesso e explorar outras pessoas para ganho pessoal. Isso interrompe toda a corrida.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 18/03/20, Lição sobre o Tópico “Pessach

Anticorpos Contra O Egoísmo

laitman_961.2O coronavírus é consequência da conexão interrompida entre as pessoas. Tudo está harmoniosamente conectado na natureza, no nível das partículas elementares, isto é, na matéria inanimada, bem como nos níveis vegetativo e animado.

Nesses níveis, todos usam os outros apenas na medida necessária à qual seu instinto natural obriga. Um lobo pega e come a ovelha não porque deseja prejudicá-la; ele só precisa comê-la para sobreviver. Mas depois que o lobo estiver cheio, ele não tocará outras ovelhas. Não haverá outro desejo de matá-las.

Se uma pessoa aparecer em vez do lobo, ela matará todas as ovelhas, enviará a carne para a loja, ganhará dinheiro e descobrirá como gastá-lo para seu próprio prazer.

O egoísmo da pessoa não conhece fronteiras. Seu desejo de desfrutar não permanece nos prazeres animais de comida, sexo e família. Ele tenta usar os outros a seu favor, conquistar o mundo inteiro, elevar-se acima de tudo com a ajuda do dinheiro, honra e poder. Esse desejo destrói nossas vidas, tornando-nos inimigos um do outro.

Riqueza, fama e conhecimento são realizações egoístas que exigem que uma pessoa esteja acima das outras. Assim, ela lança todos os tipos de truques para ganhar dinheiro com os outros. Isso já envolve competição.

Nós não competimos uns com os outros em relação a comida, sexo e família; nós simplesmente os apreciamos como qualquer animal faria. No entanto, o nível humano é caracterizado pelo fato de exigir dinheiro, honra e conhecimento. Esse desejo egoísta não pode ser satisfeito; exige mais e mais.

Mas a natureza, que é um sistema global integral, discorda disso, assim como uma árvore discorda de ser derrubada. A natureza resiste e produz anticorpos que impedem uma pessoa de invadir e destruir os sistemas naturais.

A natureza é uma lei integral que une todos os elementos e não permite que se governe, mas apenas para manter uma conexão mútua com o restante dos elementos. Portanto, assim que vamos longe demais com nosso interesse próprio, imediatamente sentimos a resistência de outras pessoas, da sociedade ou de algumas partes da natureza.

Avanços adicionais são possíveis apenas com a condição de que uma pessoa observe a lei integral da natureza, sem esquecer que estamos todos dentro da mesma esfera conectada por uma rede.

O universo e a Terra com tudo o que existe: natureza inanimada, plantas, animais e pessoas estão incluídos em um mecanismo e dependem um do outro. Em todo esse sistema, existe apenas uma lei, que exige que todos se complementem.

O egoísmo humano é o único componente que odeia a todos e quer usá-los para seu próprio benefício. Não apenas nós, humanos, queremos usar a natureza, mas também lutamos uns com os outros.

O egoísmo nos levou a um mundo global em nossa busca de ganhar mais e mais um do outro. Mas não aspiramos a boas conexões entre nós, o que contribuiria para todas as partes da natureza. Pelo contrário, onde quer que uma pessoa se infiltrasse na natureza, ele tentava subjugá-la, destruindo espécies inteiras por capricho, sem pensar nas gerações futuras e nem mesmo no seu amanhã.

Dizem: “Vão viver um do outro”. Isto é, cada um produz algo próprio: um planta pepino e o outro assa pão, então trocamos um com o outro. Mas, gradualmente, esse fenômeno positivo se torna negativo, porque todo egoísta quer ser monopolista e derrotar todos.

Alguém abre uma padaria, depois outra, depois uma terceira, e começamos a competir um com o outro, adicionamos aditivos químicos ao pão, drenamos a terra sem pensar no futuro. O principal é ter sucesso aos olhos dos outros, ganhar dinheiro, honra e poder. Estamos prontos para agir até em nosso próprio prejuízo, como os Estados Unidos e a Rússia, que estão jogando enormes quantias de dinheiro em armas, mas não podem parar o confronto.

As pessoas estão se tornando egoístas maiores e querem escravizar-se e explorar-se cada vez mais a tal ponto que uma reação vem repentinamente do nível biológico na forma de um vírus. Como exatamente o nível humano está associado a um vírus primitivo? O fato é que todos os níveis estão conectados entre si: natureza inanimada, vegetativa e animada e os seres humanos estão conectados em um sistema.

Portanto, ocorre uma disputa entre as pessoas e um terremoto ocorre em resposta a ela. Tudo na natureza começou com uma pequena partícula que começou a se unir cada vez mais a outras partículas. Assim surgiram os átomos, e as moléculas vivas começaram a transmitir energia e informação entre si até que organismos mais complexos aparecessem.

Não existe uma única partícula minúscula no universo que não esteja conectada através deste campo com o universo inteiro, com cada um de seus elementos em todos os níveis: inanimado, vegetativo, animado e humano. E a conexão mais decisiva está no nível humano, no nível do pensamento, isto é, nas relações – ela determina e controla tudo.

A velocidade do pensamento é infinita; ele não é limitado pela velocidade da luz e, portanto, tudo é esclarecido no pensamento. Aquele que não entende que todas as partes da natureza estão conectadas em um sistema é como uma criança que diz que o copo caiu e se partiu sozinho.

Portanto, a principal conclusão da epidemia global do coronavírus será que as relações entre as pessoas, a rede que nos conecta, é o fenômeno mais importante e mais alto deste mundo que define toda a nossa vida. Se o equilibrarmos, restauraremos a harmonia em todos os níveis e viveremos como se estivéssemos no céu.

De KabTV, “Nova Vida # 1211 – Anticorpos Contra o Egoísmo”, 10/03/20

A Essência E A Raiz Da Unidade, Parte 5

Laitman_049.01Por Que Apenas Pessoas Unidas Podem Jogar Futebol?

Observação: Muitos cientistas dizem que a parceria, a tendência de se unir, estabelecer relacionamentos, conviver e colaborar é uma das maiores características distintivas da vida.

Meu Comentário: A vida é construída sobre a unidade.

Pergunta: A evolução é uma forma de integração, assembleia e desenvolvimento conjunto de estruturas complexas. Por um lado, pessoas que são indissociáveis ​​e dependentes umas das outras na busca de riqueza, poder e conhecimento são integradas em tribos, impérios e Estados.

No entanto, se você observar a natureza inanimada, vegetal ou animal, verá que, quando combinadas, adquirem algum tipo de super-mente. Por exemplo, quando as células vivas são combinadas, formam um superorganismo. E as pessoas podem se unir apenas para jogar futebol ou, no máximo, matar sua própria espécie. Por que é assim?

Resposta: Porque, nos níveis inanimado, vegetativo e animado, todas as partes da natureza se unem instintivamente sob a influência externa de uma força superior que as faz fazer isso. Uma pessoa é obrigada a encontrar e criar essa técnica, força e ordem de unidade em si mesma, contrárias ao seu egoísmo.

É uma obra contrária ao egoísmo que não é encontrada nos estados inanimado, vegetal e animal da natureza, exceto no humano, que distingue as pessoas de todo o resto. Permite que as pessoas se tornem donas de uma mente, habilidades e princípios em crescimento para revelar a natureza. Tudo abaixo delas está nos níveis inanimado, vegetativo e animado.

No entanto, em seu nível, no nível de um ser humano, da sociedade, as pessoas não podem revelar nada. Elas descobrem apenas algumas dependências primitivas e nada mais. Afinal, elas têm apenas um poder, que é a força egoísta da separação. Elas não têm a segunda força, a altruísta.

Portanto, quando trabalham com uma força, nada acontece. Elas tentam ter um relacionamento um com o outro para desenvolver um poder precisamente egoísta. Então isso acontece de uma maneira muito ruim por constantes cutucadas e crises.

Se as pessoas tivessem também uma força positiva à sua disposição, a que se opõe à força negativa, é claro que teriam sucesso em tudo.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 24/03/19

Elevar-se Acima Do Egoísmo Universal

115.06Pergunta: Vemos como a raiva, a indiferença e a falta de vontade de sentir o que está acontecendo com o outro aumentam nas pessoas. É possível parar isso de alguma forma, interagindo com elas ou perguntando a elas?

Resposta: Nem um pouco! De forma alguma. Esta é a lei do egoísmo universal, que se desenvolve cada vez mais em nós, tornando-se mais proeminente, vigoroso e terrível. Continuará assim até finalmente decidirmos que temos que superar isso. Caso contrário, não vamos sobreviver.

É possível elevar-se acima do ego apenas com a ajuda da ciência da Cabalá. Não há mais nada que possamos fazer.

Então, depois de tudo, teremos que dominar essa ciência para nos elevar acima do ego, obter uma segunda qualidade, o altruísmo e, pela interação correta entre as qualidades positiva (altruísta) e negativa (egoísta), revelar o mundo superior.

De KabTV “Fundamentos de Cabalá”, 26/01/20

“Como Fazer O Melhor Uso Da Era Do Coronavírus” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Como Fazer O Melhor Uso Da Era Do Coronavírus

A responsabilidade mútua é a lei fundamental da natureza. É o que liga todos os elementos da natureza nos níveis inanimado, vegetativo, animado e humano como um sistema único.

De acordo com a lei da responsabilidade mútua, como os elementos humanos no sistema, seja conhecido ou não por nós, temos a obrigação de entender quais devem ser nossas atitudes em relação ao sistema, a fim de gerar um estado de equilíbrio: relações de consideração mútua, apoio, amor e carinho entre todas as suas partes.

O problema é que somos incapazes de perceber a lei da responsabilidade mútua e, portanto, não temos ideia de como atender às suas demandas.

O Problema De Concordar Com A Lei Da Responsabilidade Mútua

Como um indivíduo poderia concordar em ser responsabilizado por todo o sistema se tornar desequilibrado e causar sofrimento a tantas pessoas?

Como um indivíduo pode sentir que as crises que ocorrem no mundo se devem ao fato de não cumprir um determinado papel no sistema?

Essa visão se opõe à nossa própria razão, que, por padrão, culpa outras pessoas e outras coisas no mundo por nossas deficiências.

No entanto, de acordo com a perfeita funcionalidade da natureza – um sistema bem entrosado de consideração e responsabilidade mútuas – todo elemento individual é equivalente a todo o sistema. Assim, todo elemento possui importância e responsabilidade monumentais.

Se a lei da natureza da responsabilidade mútua nos tivesse sido revelada, veríamos que toda pessoa é responsável por toda a humanidade.

Mas vivemos nossas vidas ocultando essa lei, dentro de nossas percepções individualistas e estreitas de egoísmo.

Por um lado, viver ocultando a lei da natureza da responsabilidade mútua nos dá espaço para a livre escolha, pois, se tivéssemos uma clara percepção e sensação de nossa estreita interdependência, seríamos obrigados a pensar e agir involuntariamente em benefício comum da humanidade, vivendo como animais que seguem instintivamente os comandos da natureza.

Por outro lado, o desenvolvimento humano em ocultação de nossa necessidade de estabelecer conexões mutuamente consideráveis ​​e responsáveis ​​nos levou a um estado em que estávamos prontos para explorar, manipular e até abusar de outros para nos beneficiar – o extremo oposto da responsabilidade mútua.

Sente E Não Faça Nada – Melhor

Há um ditado Cabalístico que diz: “sente e não faça nada – melhor”. Isso significa que, antes de nos envolvermos em todos os tipos de atividades, é melhor parar e pensar se a intenção por trás de nossas ações está correta, se o que estamos prestes a fazer nos levará em uma direção positiva e se pretendemos nos beneficiar de outras pessoas e da natureza e não simplesmente viver nossas vidas tentando satisfazer interesses egoístas.

Até muito recentemente, estávamos em uma situação de egoísmo competitivo, tentando lucrar um com o outro o máximo que podíamos. Estávamos envolvidos em uma tentativa comum de fazer o nosso caminho na vida, tentando prosperar com a exploração de outras pessoas, bem como com os níveis inanimado, vegetativo e animado da natureza.

A própria natureza então revelou uma nova situação que nos forçou a entrar no estado de “sente e não faça nada – melhor” que os Cabalistas discutem.

Como? Dando-nos o coronavírus.

Juntamente com a rápida disseminação global do coronavírus, as condições se materializaram de um país para o outro da maneira clássica de efeito dominó, como se a natureza, como um pai cuidadoso, porém rigoroso, agarrasse seu filho mal-comportado (a humanidade) pelo braço, e nos prendesse:

“Agora me escutem! Vocês não sairão por um tempo. Não sairão à noite. Sem festas. Não viajarão para o exterior. Não haverá reunião com seus amigos. Vocês só podem sair para obter o que precisam e depois precisam voltar direto para casa.

“Eu quero que vocês pensem por que estão presos, sobre o que estavam fazendo de errado. Vocês estão envelhecendo agora e não podem mais continuar fazendo bagunça, apenas pensando em si mesmos, como um bebê.

Golpes Em Escala Global Pedem Um Despertar Global

A crise financeira global de 2008 foi um grande alerta para a humanidade perceber como éramos globalmente interconectados e interdependentes.

O fato de um banco cair em um país levou a que mais bancos caíssem em outros países, o que levou a execuções hipotecárias em casa, desemprego em massa e, posteriormente, protestos em todo o mundo – palavras como “interconexão global” e “interdependência global”, que em sua maioria tipos espirituais e da nova haviam usado antes desse incidente em círculos fechados, depois se tornaram as palavras de políticos e economistas ouvidos com frequência no noticiário diário.

Aprendemos uma lição de como o valor de maximizar interesses próprios às custas de terceiros, que funcionava em uma cadeia de tomadores de empréstimos, credores, bancos de investimento, investidores e agências de classificação, levou ao colapso de nossas infraestruturas financeiras, que haviam outros efeitos negativos de ondulação sentidos por pessoas de todo o mundo. Em outras palavras, aprendemos uma lição de como vivendo em um mundo interdependente, enquanto pensamos apenas em nosso benefício pessoal, leva à crise.

A crise do coronavírus de hoje nos mostra como estamos globalmente interconectados e interdependentes em um nível totalmente novo.

A humanidade está em quarentena, cada pessoa e família em seus respectivos lares, por um período considerável de tempo, a fim de nos dar espaço para introspecção e aprendizado.

Hoje, no entanto, temos a chance de não apenas ver como somos interconectados e interdependentes e como nosso paradigma de maximizar os interesses próprios às custas dos outros estava nos levando a um estado perigoso. Desta vez, recebemos condições e tempo para aprender como podemos realizar nossa interdependência de maneira positiva: aprendendo a agir de maneira mutuamente atenciosa e responsável em relação ao outro.

Com as limitações impostas a nós hoje, seria benéfico para nós aprender sobre como podemos mudar nossa interdependência de uma que a natureza nos obriga a despertar através de meios que consideramos indesejáveis ​​e até dolorosos, para uma interdependência que percebemos como desejável.

Em outras palavras, hoje podemos aprender a querer assumir a responsabilidade pelos outros, como podemos ter prazer em pensar e agir em benefício de outras pessoas, e como essa forma de conexão é muito mais gratificante do que nosso modo anterior de pensar e agir somente em benefício próprio.

Se dermos um passo no sentido de nos envolvermos em uma forma de aprendizado integral – educação que enriquece nossa conexão mútua e com a natureza – descobriremos que fora de nossos desejos de nos beneficiarmos sozinhos existe uma vida celestial.

A implementação de conexões de consideração e responsabilidade mútuas nos “equilibrará” com a natureza e, daí, sentiremos a natureza em sua perfeição e totalidade.

Acorde E Cheire A Mudança Para Uma Nova Fase Evolutiva

“Sente-se e não faça nada – melhor” é a próxima fase da evolução humana que a natureza nos levou a perceber com o aparecimento do coronavírus.

É uma fase necessária que temos que experimentar para nos afastarmos da corrida de ratos baseada no interesse próprio que estávamos executando anteriormente.

Hoje, com as condições de quarentena em larga escala impostas a nós pela pandemia de coronavírus, a natureza está nos encorajando a se estabelecer e iniciar um novo processo de aprendizado introspectivo sobre quem somos, qual é essa realidade em que estamos, quais são suas leis, até que ponto dependemos um do outro e da natureza, até que ponto a natureza depende de nós e como podemos fazer um uso ótimo desse estado para nos atualizar, para agir de forma mais harmoniosa entre si e com a natureza ?

Nesse momento, a educação integral enriquecedora das conexões vem em nosso auxílio.

Para perceber o estado em que entramos idealmente, nos beneficiaríamos mais de absorver a sabedoria da conexão com a mesma frequência que consumimos as notícias, ou tanto quanto jogamos videogame ou nos envolvemos nas mídias sociais, ou seja, que nos alimentamos com materiais educacionais, exemplos e atividades práticas que nos infundem a necessidade e a importância de nos tornarmos mais atenciosos, responsáveis ​​e atenciosos um com o outro.

Ao fazer isso, nos abriremos a toda uma nova dimensão da existência, onde experimentaremos nada menos que perfeição, paz, unificação e completa satisfação e felicidade.

Recebemos a oportunidade importante de nos elevarmos consideravelmente em nossas relações uns com os outros e com a natureza e aprofundarmos nossa consciência do sistema da natureza e de suas leis.

Eu espero, portanto, que façamos uso construtivo desse período único em que entramos e, de fato, o utilizemos para nos tornarmos mais equilibrados e harmoniosos com a natureza.

Na Linha Vermelha

laitman_222A epidemia de coronavírus afeta todas as pessoas no mundo, não importa de onde ela vem, incluindo Itália, Israel, Coréia ou Rússia. O mundo inteiro está preocupado. O vírus se espalha sem reconhecer fronteiras e não há fim à vista. Especialistas preveem que a epidemia durará um ano até que surjam alguns meios para combater o vírus.

O coronavírus mudou significativamente o relacionamento entre as pessoas na sociedade humana, colocando questões sérias para nós. O que deve ser feito para que possamos retornar à vida normal? O que a natureza exige de nós e por que isso nos traz tantas surpresas? Qual é a solução para todos os problemas que enfrentamos em nossas vidas?

Por um lado, esses problemas nos mostram como realmente somos conectados e dependentes um do outro. Por outro lado, nossa conexão não é boa e precisamos aprender como alterá-la. O coronavírus acaba de começar a revelar a gravidade de nossa condição. A situação não é tão ruim ainda.

Vamos ver o que acontecerá quando a América do Norte e do Sul e os países europeus fecharem suas fronteiras. A humanidade reverterá para barreiras de fronteira.

A única solução é descobrir minuciosamente qual deve ser a conexão correta entre nós e como construir bons relacionamentos para que nenhum vírus possa romper. O vírus é um sinal de que nossa conexão está incorreta.

O coronavírus é um problema comum a todos e, portanto, requer a correta unificação e garantia mútua de toda a humanidade. Por que constantemente provocamos novos infortúnios em nós mesmos? Por que a natureza nos bate com um chicote o tempo todo, cada um de nós separadamente e também por completo?

Por que esses golpes estão ficando cada vez mais fortes de ano para ano e por que estão aumentando tanto que envolvem toda a humanidade? A natureza está tentando nos levar à consciência da necessidade de garantia mútua, para que nos tornemos como uma pessoa, um sistema.

Toda pessoa no mundo precisa entender que:

  • O coronavírus não é coincidência, mas parte do processo pelo qual as forças da natureza conduzem a sociedade humana. Ele se esforça para nos unir em um sistema.
  • Nesse sistema único, existem leis que a natureza nos obriga a adotar, se não de boa vontade, então “pela vara”. O coronavírus é um dos infortúnios enviados à humanidade para agitá-la e forçá-la à introspecção, para que aprendamos a viver corretamente.

Idealmente, temos que nos tornar como um homem com um coração em um sistema. Não há escapatória. Teremos que conseguir isso. A epidemia de coronavírus é a primeira praga de uma cadeia de golpes que será revelada mensalmente. Afinal, se nos tratamos mal, criamos um lugar para o vírus. Parece que existe uma falta da garantia mútua que deveríamos ter estabelecido.

O objetivo da criação é trazer uma pessoa para uma boa conexão com os outros, amar o próximo como a si mesmo. Se isso não acontecer, vários problemas são descobertos, que atuam como remédios que levam todos nós à conexão.

Nós olhamos um para o outro e não nos desejamos o melhor. Aparências cruéis e palavras de julgamento se materializam e passam de pessoa para pessoa na forma de vírus.

A humanidade é cada vez mais dependente na indústria, no comércio e em tudo o mais, mas, ao mesmo tempo, não estamos melhorando as relações humanas. Nossos relacionamentos estão em contradição com os crescentes laços entre nós; eu me conecto com todos na Terra, mas com o objetivo de espremer todo o suco deles para mim. Quando essas conexões se tornam absolutamente insuportáveis, a natureza as atinge e as rompe.

Imagine o mundo se separando da China, Japão e Coréia do Sul – como isso atingirá o setor manufatureiro. Mesmo que a produção de algum pequeno elemento eletrônico parasse, metade do mundo pararia. Isso é tudo porque não nos organizamos corretamente no nível humano. Não seguimos a lei da garantia mútua. As últimas gotas são espremidas das pessoas para que a elite possa ganhar mais alguns bilhões de dólares.

O vírus já levou à demissões em massa. Não parece que essa onda irá diminuir. Parece que vai abalar toda a humanidade, para que sintamos que alcançamos a linha vermelha e que a natureza não nos deixe mais viver assim.

Pela primeira vez na história da humanidade, percebemos que o que está acontecendo é um golpe de cima, assim como os feiticeiros egípcios disseram ao Faraó que uma das pragas era da mão de Deus. Todos sentirão que é o castigo mais alto e que estamos sendo impedidos de cima.

Quando olho para outra pessoa de maneira cruel, já estou transmitindo o vírus para ela. Afinal, estamos todos ligados a um sistema e, ao pensar mal em alguém, eu trago um vírus negativo, um sinal negativo para todo o sistema, quebrando a garantia mútua. Pode ser apenas um pensamento, mas todos estamos interconectados por pensamentos, conversas e ações.

Quer queira ou não, estamos trancados na esfera comum. É por isso que não é importante falar, escrever, pensar ou fazer algo com as mãos. O efeito do pensamento é ainda maior, assim como foi dito que “tudo se resolve no pensamento”. O pensamento se materializa na ação física depois.

Ameaças invisíveis são estendidas entre nós. Estamos em um campo de conexões. O nível mais alto de conexão é pensado, que então desce para níveis mais simples. Podemos corrigir todos os vírus em pensamento. A garantia mútua é a interconexão correta entre nós no nível do pensamento. Se a mantivermos, não haverá necessidade de mais nada, incluindo medicamentos materiais.

Da Lição Diária de Cabalá 07/03/20

Quarentena – O Primeiro Passo Para Superar A Crise

laitman_597.01A responsabilidade mútua global é a lei para todos os elementos, conectados em um sistema. Esta lei obriga todos a saber como devem se relacionar com o sistema, a fim de equilibrá-lo e aperfeiçoar os relacionamentos mútuos entre todas as partes.

Claro, somos incapazes de entender essa lei e, mais ainda, de cumpri-la. Não posso assumir esse compromisso porque, se não cumprir minha função no sistema integrado, tudo ficará desequilibrado e serei o culpado.

Todos sentirão que eu violei a perfeição do sistema. Acontece que cada elemento é equivalente a todo o sistema em geral, e essa é uma responsabilidade terrível. Todos são responsáveis ​​pelo mundo inteiro. Portanto, é dito: “É melhor sentar e não fazer nada”.

Então agora pede-se que as pessoas sejam colocadas em quarentena, que não saiam de lugar nenhum, voar ou entrar em contato com ninguém. Então, o que precisa ser feito?

Precisamos estudar que estamos em um sistema integral e global em que a lei da responsabilidade mútua, ou seja, a dependência mútua, opera e como podemos inverter essa dependência de obrigatória para desejável. Queremos estar conectados, não porque a natureza nos obriga, mas porque nós mesmos começamos a revelar como é bom estar em contato.

É apenas a vida celestial – unir-se em uma unidade perfeita e começar a sentir a perfeição da natureza. Então sentiremos todas as partes da natureza, desde as estrelas mais distantes até formas de vida que não conhecemos agora. Um homem pode se tornar um criador exaltado de perfeição.

O primeiro passo para superar a crise é a quarentena, ou seja, “sente-se e não faça nada”, apenas aprenda. O problema da humanidade é que começamos a agir antes mesmo de entendermos o que estamos fazendo. Enquanto estamos em quarentena, temos tempo para pensar: em que mundo existimos, quem somos e qual é o sistema da natureza em que vivemos, bem como como dependemos do sistema da natureza e ele depende de nós?

Como, através dos nossos relacionamentos, influenciamos o sistema global da natureza: a matéria inanimada, as plantas, os animais e os seres humanos, e como a natureza reage às nossas ações? Como tal, começaremos a aprender a construir um lar bonito para todos – não apenas confortável, mas eterno e perfeito, acima dessa vida e morte biológicas, em um nível superior.

Ao corrigir a conexão entre nós, chegamos a um sistema infinito e ilimitado no tempo. Começamos a viver em um mundo em que a morte não existe e não há restrições, apenas realização e existência ilimitadas. Agora temos a oportunidade de chegar a essa vida.

Antes de tudo, precisamos estudar o sistema global da natureza e nosso papel nela e como podemos nos organizar entre nós para nos conectar a esse sistema global da natureza. Afinal, cada um de nós é egoísta, o oposto da natureza. E como posso me adaptar ao sistema da natureza, que é integral e existe de acordo com a lei da responsabilidade mútua, conexão, amor e complementaridade mútua, se fui construído com qualidades exatamente opostas?

É aqui que a sabedoria da Cabalá vem em nosso auxílio; ela nos ensina, egoístas, a construir uma conexão entre nós semelhante ao sistema integral da natureza. Isso é chamado de “dezena”, onde dez pessoas se reúnem para estabelecer relacionamentos consistentes com o sistema da natureza.

O ego humano sempre tentou adaptar o mundo inteiro às suas necessidades. Mas esse tempo acabou. A epidemia revolucionou a consciência no mundo, e começamos a entender que não poderíamos usar tudo apenas para o nosso próprio benefício, mas devemos procurar como nos tornar úteis para todo o sistema.

Dez pessoas são como um pequeno laboratório em que tentamos desenvolver um antivírus concordando em estabelecer as mesmas leis entre nós que as que operam em uma natureza perfeita, integral e global, ou seja, em doação mútua. Todo mundo se abaixa e eleva os outros acima de si mesmo, construindo relacionamentos que são superiores ao egoísmo pessoal de cada um. Isso servirá como uma vacina contra o vírus.

Assim, novos grupos surgirão até que toda a humanidade receba uma vacina antivírus, e retornemos todos a comportamentos que correspondam a uma natureza saudável. Este será um novo humano, porque ele perceberá o desejo dos nove amigos como seu e cuidará deles mais do que cuidar de si mesmo.

Nesse sentido, ele receberá apoio da lei integral da natureza, que o transformará em sua parte integral. A lei da garantia mútua obriga a pessoa a estar conectada com todo o sistema acima de seu egoísmo.

A natureza fez do homem o maior egoísta de todas as criaturas. Mas a natureza global desta crise quer nos mostrar que já estava esperando para nos tornar suas partes inextricáveis. É como se a natureza estivesse nos dizendo: “Agora estou pronta para incluir você dentro de mim como elementos integrais”.

E isso apesar do fato de que cada um de nós seja criado anti-integral e queira apenas governar e usar os outros. A natureza nos fez inversos a si mesma, para comparar os estados negativo e positivo e apreciar a “vantagem da luz a partir das trevas”. Poderemos então sentir e perceber o estado perfeito e integral e queremos alcançá-lo. Caso contrário, não entenderíamos onde estamos.

A natureza originalmente instalou um programa egoísta em nós, que agora para de funcionar. Precisamos entender que um programa egoísta é incompatível com um mundo global e conectado.

A crise está nos levando a concordar em nos conectar com os outros e cumprir a lei integral da natureza. Precisamos instalar em nós mesmos um programa novo e melhorado de garantia mútua – o único programa que existe na natureza.

Esse programa funciona em tudo, exceto no ser humano, mas não podemos percebê-lo com nossa mente mimada e egoísta. Julgamos o mundo com base em nossas deficiências e, portanto, o vemos como deteriorado. Mas assim que começarmos a nos corrigir e quisermos nos tornar parte integrante da natureza, veremos um mundo completamente diferente e perceberemos que sempre foi assim, só que não o percebíamos.

A lei da garantia mútua afirma que todos pertencemos a um sistema e somos obrigados a nos sentir como engrenagens de um mecanismo em que todos dependem de todos. Com isso, forneceremos a nós uma vida eterna, perfeita e bela. Nada mais é necessário, e a crise criada pela epidemia de coronavírus nos aproxima disso. Vamos desejar sucesso a todos em sua resolução adequada.

De KabTV “Nova Vida # 1212 – Responsabilidade Mútua”, 10/03/20

“Coronavírus: Oportunidade De Mudar Nossa Infraestrutura Social” (Thrive Global)

Thrive Global publicou meu novo artigo: “Coronavírus: Oportunidade De Mudar Nossa Infraestrutura Social

Se ajudarmos e apoiarmos um ao outro, teremos o que é preciso para passar por esse período transitório em um mundo totalmente novo, equilibrado e harmonioso.

Uma Times Square vazia é vista após o surto da doença por coronavírus (COVID-19), na cidade de Nova York, EUA, em 18 de março de 2020. REUTERS / Jeenah Moon

Podemos encontrar muitas razões para reclamar das interrupções em nossas vidas desde o início da pandemia de coronavírus. No entanto, se olharmos mais de perto, veremos que estamos no meio de uma rara oportunidade de mudar nossa infraestrutura social para melhor.

Os efeitos de ondulação do coronavírus em todo o mundo nos proporcionaram um teste de percepção único: ver a pandemia de coronavírus como uma crise ou oportunidade, doença ou medicamento, vírus ou vacina, isolamento em nossas casas ou novo estágio da conexão humana, depende apenas de nossa atitude.

A natureza desenvolve tudo para uma conexão cada vez maior. Como tal, a qualidade inata da natureza visa reparar e curar quaisquer lágrimas e divisões que surjam dentro dela.

As corridas paralelas em que corríamos em busca de consumo excessivo, status materialista e poder de exploração, onde montamos nossas vidas para competir com outras pessoas em uma ou em todas essas áreas, pararam repentinamente com o início do coronavírus.

Se retrocedermos e encararmos a humanidade como um único organismo por um momento, poderemos ver como o coronavírus não veio como uma doença, mas como um remédio: curar o corpo da humanidade do vício egoísta, consumista e materialista de suas células: nós.

No entanto, visto que nos acostumamos a olhar através de lentes egoístas estreitas, onde cada um busca o benefício próprio às custas dos outros, criando e respeitando as infraestruturas sociais que funcionam de acordo, então é muito difícil ver o impacto positivo das restrições que o coronavírus trouxe para nossas vidas.

Nós percebemos a influência positiva da natureza como negativa devido à nossa mentalidade oposta: a natureza funciona de forma integral, como um único todo interconectado, enquanto que nós percebemos de forma individual, nos vendo como seres separados de outras pessoas e da natureza.

Além disso, onde a natureza age para beneficiar toda a criação a todo momento, levando-a cuidadosa e gradualmente a um estado de total conexão e homeostase, agimos de maneira oposta: egoisticamente, levando em consideração apenas quem e o que precisamos para nosso próprio benefício e conforto.

Portanto, não há ação ou atitude negativa na natureza. O que percebemos como negativo é devido à nossa forma negativa e egoísta oposta à forma positiva e altruísta da natureza.

Portanto, se encararmos o coronavírus como a natureza que nos fornece seu medicamento – uma oportunidade de nos conectarmos mais positivamente entre si e percebermos nossa recém-descoberta interdependência global de uma maneira mutuamente encorajadora -, seremos capazes de criar um mundo feliz e saudável para todos nós.

Compreensivelmente, no início espera-se que seja difícil superar as barreiras que estabelecemos entre nós. Mas se nos ajudarmos e apoiarmos mutuamente, teremos o que é preciso para passar por esse período transitório em um mundo totalmente novo, equilibrado e harmonioso.

Como Podemos Equilibrar A Sociedade? – Conversa Com O Prof. Stephen Bronner

O Cabalista Dr. Michael Laitman e o Prof. Stephen Bronner, co-diretor do Conselho Internacional de Diplomacia e Diálogo e autor de Um Rumor sobre os Judeus: Antissemitismo, Conspiração e Protocolos de Sião, buscam a maneira ideal de equilibrar a sociedade.

Duas forças operam a realidade: positiva e negativa. A força negativa é o ego humano em constante evolução – o desejo de desfrutar às custas dos outros. Ela se desenvolve naturalmente e, enquanto entra em erupção, causa crises e desintegração. A força positiva é de amor e doação, uma força altruísta. Torna-se revelada em conexões humanas positivas. Inconscientemente ansiamos pelo altruísmo, mas enfrentamos manifestações do ego ao nosso redor.

Como podemos nos livrar do nosso ego?

Não devemos nos livrar de nada. Tanto o altruísmo como o egoísmo, amor e ódio, são necessários para o nosso desenvolvimento. A humanidade tem que encontrar um equilíbrio consciente entre essas duas forças, e a sabedoria da Cabalá nos diz como.

Nós existimos sob as leis da natureza e, portanto, estamos sujeitos a elas. Portanto, se as pessoas criarem uma atitude de ódio e amor onde um cobre o outro (“o amor cobre todas as transgressões”), elas construirão uma estrutura que se encaixará no sistema integral da natureza e, de acordo com a equivalência da forma com a natureza, alcançarão equilíbrio perfeito e completo.

Os Judeus Podem Se Tornar Um Modelo Para A Humanidade? – Conversa Com O Prof. Stephen Bronner

O Cabalista Dr. Michael Laitman e o Prof. Stephen Bronner, co-diretor do Conselho Internacional de Diplomacia e Diálogo e autor de Um Rumor sobre os Judeus: Antissemitismo, Conspiração e Protocolos de Sião, falam sobre o modelo para a humanidade que os judeus têm que se tornar.

Como você pode ser um modelo se você é odiado?

A solução está em sua raiz inicial. Os judeus como nação se originaram na antiga Babilônia, de acordo com o princípio “o amor cobre todas as transgressões”. Eles têm uma inclinação inata para implementar o método de equilibrar a sociedade, construindo uma conexão humana positiva acima de sua natureza e diferenças egoístas.

Hoje, quando o mundo sofre crises e vírus, há uma demanda urgente por um método que conecte positivamente a sociedade. Portanto, se o povo judeu recuperar a consciência do que alcançou na história na moderna divisão social em escala global, els se tornarão um exemplo de unidade para todos, uma “luz para as nações”.

As pessoas não têm inclinação natural para se unir acima das rejeições entre elas, mas quando ouvirem e virem como a unidade entre as pessoas torna o mundo um lugar melhor, mais saudável e feliz, elas seguirão essa direção e construirão uma sociedade baseada, como o Prof. Bronner menciona, nas tradições cosmopolitas.

Quando todos encontrarmos o equilíbrio entre as forças opostas da natureza – altruísmo e egoísmo – todos terão um bom futuro. Os judeus tiveram a capacidade de dar o primeiro passo até lá.