Textos na Categoria 'Egoísmo'

É Possível Evitar O Sofrimento?

laitman_567.01Pergunta: Se pudéssemos experimentar o sofrimento que as pessoas experimentam em desastres naturais ou guerras, teríamos a possibilidade de escolher o nosso caminho mais corretamente?

Resposta: Não, neste caso, a pessoa simplesmente obedece e se submete aos golpes; isso não é escolha. A natureza está especificamente interessada na escolha consciente do próximo nível de desenvolvimento; caso contrário, não é uma escolha humana.

A transição do nível inanimado para o nível vegetativo e do nível vegetativo para o animado ocorre sob a influência dos golpes da natureza e uma pessoa em nosso mundo é o resultado desse desenvolvimento.

Atualmente, cabe a nós nos movermos conscientemente ao próximo nível, o nível falante, de uma maneira completamente diferente e, portanto, o método da sabedoria da Cabalá vem até nós sob a forma de um sistema de informação. Porque precisamente após os estados de desenvolvimento de inanimado, vegetativo e animado (onde estamos hoje), há uma tendência consciente de elevar-se acima do eu pessoal.

Nós estamos em um estado intermediário. Por exemplo, entre o nível inanimado e o vegetativo há o estágio intermediário chamado corais, entre o nível vegetativo e o animado há o nível do “cão do campo”, e entre o nível animado e humano (falante), há o nível do macaco. Portanto, entre o nível humano do nosso mundo e o nível humano no mundo superior, há o Cabalista.

Um Cabalista é uma pessoa que, por um lado, inclui dentro de si as propriedades animais deste mundo que são as características de uma pessoa em nosso mundo e, por outro lado, as características dos próximos níveis do mundo superior.

A ascensão de um Cabalista ao mundo superior não acontece sob a influência das forças instintivas da natureza; isso ocorre conscientemente. Portanto, a sabedoria da Cabalá nos ensina sobre a liberdade de escolha, o trabalho em grupo e como criar um estado especial dentro e ao nosso redor para ser alterado.

Aparentemente, por nós mesmos, nós saímos de um estado em que o ego nos maneja e nos elevamos ao próximo nível onde equilibramos o ego através da força boa que é revelada em nós oposta ao ego. Dessa forma, nós existimos com duas forças, uma força egoísta negativa e uma força altruísta positiva.

Na natureza do nosso mundo, a força altruísta não existe, então devemos atraí-la. Assim nós existimos na conexão, no equilíbrio dessas duas forças. Esse será o nosso próximo estado chamado linha média.

Eu espero que, conscientemente, usando o livre arbítrio, nós possamos tomar a decisão certa e chegar a esse estado sem guerras mundiais.

Pergunta: Se fizermos a escolha certa, evitaremos um apocalipse e desastres naturais?

Resposta: Sim, isso é assim, mesmo que uma pequena parte da humanidade entenda que a única maneira de evitar desastres naturais é seguir o método que nos é dado na sabedoria da Cabalá. Nós precisamos reconhecer que não há outra saída.

Pergunta: Qual é a razão para dar pancadas na humanidade se isso não for útil para o desenvolvimento?

Resposta: O acúmulo de sofrimento leva a humanidade a um estado em que ela começa a pensar no que fazer, ou seja, que os sofrimentos equilibram o ego humano.

Por exemplo, se uma criança não quer ir à escola, seus pais começam a limitar seus prazeres: eles tiram sua bola, depois sua bicicleta, e assim por diante, até que não lhe deixam a escolha senão aceitar ir à escola.

Mas mesmo nessa situação, a liberdade de escolha existe, a possibilidade de escolha permanece. Nos encontramos sempre com alguma limitação; a escolha é possível não só quando existe liberdade ilimitada.

Essa é a maneira pela qual a possibilidade de escolher a espiritualidade, entre recompensa e punição, existe em nós. Portanto, é nossa obrigação compreender todas as condições e circunstâncias que nos levam à situação única chamada “liberdade”.

Da Lição de Cabalá em Russo 10/07/16

Quando Os Desejos Desaparecem

laitman_565.01Pergunta: O que diferencia a liberdade no mundo espiritual e no mundo corpóreo?

Resposta: A liberdade no mundo corpóreo é a liberdade de todas as nossas necessidades egoístas: comida, sexo, família, conhecimento, poder e riqueza. Nós vemos que cada vez mais, o homem deseja estar livre dessas coisas.

Pergunta: Isso é possível? Pode uma pessoa estar livre do desejo de sexo e comida?

Resposta: Comida, sexo e família são três tipos de desejos animais do corpo físico. Eu vejo que hoje o homem está tentando libertar-se deles. Os jovens não estão particularmente interessados ​​em pratos gourmet, ficam satisfeitos com um cachorro-quente rápido na rua e pronto.

O sexo é uma noção relativa para eles. De acordo com as pesquisas, muitas pessoas nem querem se sobrecarregar com isso. A família há muito deixou de ser uma necessidade, algo que a sociedade precise, e a sociedade até encoraja essa atitude.

Os desejos animais são seguidos pelos desejos humanos: riqueza, poder, fama e conhecimento. Os jovens também estão perdendo o desejo por essas coisas, relativamente falando. A riqueza vai e vem. E não só a riqueza, tudo vai para algum lugar. Agora estamos passando por um período de transição que acabará em breve e um sistema de valores completamente diferente nos será apresentado.

A fama e o poder sempre vão juntos, mas eles deixaram de ser o que já foram com os grandes governantes. Em relação ao conhecimento, a ciência não sente por nenhum meio que seja o ápice dos ideais da humanidade, da realização.

Pergunta: Então, o que resta?

Resposta: Nada. Os valores estão sendo reavaliados de forma que nada do passado permaneça. O próximo estágio é uma busca: existe alguma coisa de valor em nossas vidas?

Nosso desenvolvimento se desenvolve a uma velocidade e em uma direção tal que todos os desejos estão começando a parecer vazios para nós.

A partir do nosso novo nível de desenvolvimento, vemos que eles não são importantes, que não nos satisfazem, não existem qualidades especiais neles. Suponha que eu tenha uma ótima refeição e passe a noite com alguém. Com quem? Qualquer um. Tudo isso está perdendo o significado muito rapidamente.

Observação: Muitas pessoas pensam assim: “Eu quero, eu simplesmente não consigo …”

Resposta: Uma pessoa pode obter qualquer coisa. Mas a juventude hoje não quer perder seu tempo realizando; enquanto que, no passado, os jovens entregavam suas vidas inteiras por isso! Décadas de trabalho árduo, estudos, emprego, poupança e tudo mais, para que?! Agora eles entendem que não há nada que “valha a pena”.

Por que eu deveria estudar, trabalhar, me casar, ter filhos e criar uma família? A fim de passar tudo para os meus filhos, e eles viverem do mesmo jeito? E daí? Não há nenhuma razão para essas ações. Hoje as pessoas estão se convencendo disso.

Pergunta: Então, qual é a escolha, como eu sei que estou no caminho certo?

Resposta: A Cabalá diz que uma pessoa tem que se elevar acima desses tipos de desejos, os desejos animais egoístas (alimentação, sexo e família), e os desejos humanos, que existem em nós além do nosso grau animal (riqueza, poder, fama, e conhecimento). Quando não há desejos e uma pessoa gradualmente se convence de que não é isso que lhe importa, ela enfrenta a questão: qual é, então, o sentido da vida? Para que serve? Não quero ser obrigada a estar nesses desejos. Então, por que eu deveria existir?

É quando ela enfrenta a questão sobre a próxima forma de desejo: existe algo maior do que isso? Existe um ideal que faça a vida valer a pena?

Da Lição de Cabalá em Russo 02/07/17

Sobre As Cinzas Do Egoísmo

Pergunta: O sentido da vida é procurado por aqueles que perderam o interesse nos prazeres que a vida oferece. Você reune em torno de si mesmo aqueles que estão desapontados com o que é oferecido ao homem como um presente do Criador?

Resposta: Essas pessoas desencantadas compõem 70% de toda a humanidade hoje; elas usam drogas, sedativos e pílulas para dormir; mesmo os animais de estimação estão deprimidos, para não mencionar as crianças pequenas. Não só estamos constantemente a nos sentir deprimidos, mas nos esquecemos de como admirar, exultar, e aceitar tudo com um sorriso.

Pergunta: Você quer afastar os desapontados ainda mais longe dos prazeres terrenos? Não seria mais apropriado curá-los de sua falta de interesse?

Resposta: Em que eles poderiam estar interessados? O nosso egoísmo está incinerado. Ele não existe mais. Se houve interesse em comida, sexo, família, conhecimento, honra, fama e riqueza antes, tudo está lentamente desaparecendo hoje. Fale com a nova geração de menos de 30 anos e você entenderá isso melhor.

Eles simplesmente continuam a viver, porque é necessário para existir, mas eles, geralmente, não estão interessados em reinos mais elevados, nem qualquer outra coisa. Até o sexo realmente não os excita. Eles precisam de muito pouco da vida em geral. [Leia mais →]

Abram Os Livros De Sabedoria

laitman_527_04Agora, nobres leitores, este livro está aqui diante de vocês em um estande. Ele afirma explicitamente toda a sabedoria do estadista e o comportamento da vida privada e pública que existirão no final dos dias. É o livro de Cabalá, onde os mundos corrigidos são definidos. (Escritos do Baal HaSulam, “Contruindo a Sociedade Futura”)

Pergunta: Por que Baal HaSulam, o grande Cabalista que escreveu O Estudo das Dez Sefirot e “O Prefácio ao Livro do Zohar” lida com problemas terrenos? Qual é o objetivo?

Resposta: Esse não é um problema terreno! Há um desejo criado pela natureza, pelo Criador. Ele deve passar por certos estágios de desenvolvimento. Agora, estamos em um ponto crítico que transforma todo nosso desenvolvimento de egoísta em altruísta. E isso é o que Baal HaSulam escreve como um profissional absoluto.

A Cabalá é uma ciência prática porque é realizada em pessoas que vivem no nosso tempo ou que viveram em outras gerações.

A Cabalá destina-se apenas a pessoas que existem em nosso mundo, não a certas almas que, após a morte, giram em vastos espaços em níveis espirituais superiores. Todos os níveis espirituais mais elevados existem nas pessoas. Portanto, Baal HaSulam escreve para pessoas. E o Cabalista não tem uma aspiração maior do que se dirigir às pessoas e ensiná-las a realizar-se adequadamente de acordo com as leis da natureza.

Pergunta: Você quer dizer as pessoas com um ardente desejo de descobrir o sentido da vida?

Resposta: Naturalmente. E o resto simplesmente não ouvirá nosso pedido. O egoísmo deles ainda está no nível animal; eles se preocupam apenas com sua existência corpórea. Isso não é ruim nem bom. Portanto, não há necessidade de abordá-los. Eles precisam receber seus requisitos mínimos, e ficarão felizes em receber sua renda universal, computador, internet, TV e sofá. Eles terão provisões gratuitas entregues em sua casa e até mesmo o que pedirem: pizza, refrigerante ou um computador, tudo. E eles não precisam de mais nada. Você pode imaginar tal felicidade?

Pergunta: Isso não é uma ilusão de felicidade?

Resposta: Mas tudo o que eles querem está na Internet, desde as ciências do nosso mundo até strip-tease, séries de televisão e futebol.

Então não vá até eles. Nós precisamos esperar até que esse estágio de desenvolvimento acabe porque uma pessoa pode ser tratada apenas de acordo com o que ela quer. Afinal, uma pessoa é um desejo de desfrutar.

Mas há pessoas que não conseguem parar com isso. Elas têm um “vírus” dentro delas que não as deixa felizes de serem preenchidas com bens materiais.

Elas precisam revelar o poder supremo que as governa, o princípio mais elevado, o programa de desenvolvimento humano e seu propósito: para que eu existo? O que está acontecendo na minha vida? Por que é assim? Elas estão interessadas ​​na conexão com a força governante. É a essas pessoas que você pode recorrer.

De KabTV “A Última Geração” 15/05/17

A Era Do Estresse, Parte 4

Laitman_051Pergunta: A principal coisa na causa do estresse é o desejo de receber sem fim. Mas há algo de errado com o desejo em si? Ele não se encontra na base da vida? Sem ele, não haveria satisfação na vida.

Resposta: O que está errado não é o desejo em si, mas a tentativa de satisfazê-lo à custa dos outros. Nós estamos em uma competição constante uns com os outros ao longo de toda a nossa vida, medindo o nosso sucesso em relação aos outros.

Todos nós existimos em um sistema e houve um tempo em que estávamos conectados a tal ponto que nos sentíamos como se fôssemos uma só pessoa. Havia muitas pessoas no mundo, mas o egoísmo era tão minúsculo que não sentíamos diferença entre nós. Era assim nas sociedades primitivas. Depois, o desejo de receber começou a crescer e começamos a fazer distinções: essa é a minha família, aquela é a sua família, e ali, aquela é a sua família.

Antes disso acontecer, as pessoas viviam como uma comuna, como se sob um comunismo, onde tudo pertencia a todos igualmente, como em uma tribo. Mas depois começamos a nos distanciar dessa unidade: aqui está minha esposa, meus filhos, minha caverna. Distinções e divisões também começaram a ser feitas com relação às profissões, como está escrito: “vão e ganhem uns dos os outros.”

Nosso egoísmo está crescendo sem parar. É por isso que a competição começou e começamos a julgar quem é mais bem-sucedido e quem é menos. É assim que avançamos até hoje. Mas agora a concorrência tem crescido a proporções mundiais, porque a mídia de massa nos afeta, mostrando o mundo inteiro para nós em nossas telas de televisão e smartphone.

Eles nos obrigam a competir com o mundo inteiro, mostrando-nos como todos são mais bem-sucedidos do que nós. Não é de se surpreender que as pessoas sejam tomadas pela depressão.

Pergunta: Você acha que o desejo de ser o primeiro é ruim? Mas ele é responsável por fazer o indivíduo se esforçar para ser bem-sucedido.

Resposta: É um desejo ruim. A pessoa precisa de paz e felicidade, não de realização notável.

Estresse significa que as influências externas sobre os desejos egoístas do indivíduo são maiores do que ele pode suportar, que embora a pessoa seja impulsionada a satisfazer o desejo de receber prazer, ela ainda é incapaz de alcançar facilmente os objetivos que são dispostos diante dela. A diferença entre o desejo de prazer e a capacidade de adquirir a realização disso cria um estado estressante.

É óbvio que uma pessoa comum nunca será capaz de adquirir tudo o que vê na mídia. Nós estamos constantemente vivendo em um estado de baixa qualidade, um estresse crônico devido a todos os potenciais de prazer que nos é mostrado na tela: roupas, esportes, beleza. Isso se relaciona com mulheres e homens igualmente.

O estresse nos afeta em muitos níveis. Em última análise, vamos chegar à desilusão e vamos ver que a condição é sem esperança; nós vamos abandonar essa corrida por prazer e reavaliar nossos valores. No final, todo mundo vai perceber isso. Então veremos que precisamos tomar uma rota diferente e procurar por prazer em um lugar completamente diferente.

Lá competiremos igualmente para receber realização, mas de forma diferente. Aquele que traz o maior benefício para os outros será considerado mais bem-sucedido. O prazer de doar aos outros é muito maior do que a realização egoísta e não leva a nenhum estresse.

De KabTV “Nova Vida” 27/07/17

A Era Do “Estresse”, Parte 3

Laitman_198.jpgPergunta: Nós existimos dentro de um imenso sistema da natureza que constantemente desenvolve e cresce o desejo de receber prazer dentro de nós, ao mesmo tempo que tem um objetivo oculto de nos levar ao completo desespero. Qual é especificamente a causa desse desespero?

Resposta: Nós chegamos ao desespero como resultado de nossa própria natureza – o egoísmo, o desejo de receber prazer – porque, se nossas ações resultarem diretamente desse desejo, nós chegaremos ao estresse, à desesperança completa, às crises globais e às guerras.

A própria natureza humana é ruim porque nos empurra constantemente para alcançar o inalcançável. Como resultado, todos nós temos que competir continuamente com todos os outros e isso causa estresse.

Pergunta: Por que esses objetivos são inalcançáveis?

Resposta: Porque o egoísmo quer tudo o que os olhos veem. E se todos quiserem obter o que querem, cada um deve construir seu sucesso no fracasso dos outros. É impossível fazer isso de outra forma.

Cada um quer subir mais alto do que os outros, ser o rei do mundo, para que os outros sejam seus subordinados. Mas ele não é o único no mundo; há oito bilhões de outros egoístas como ele, e cada um quer o mesmo. O resultado é que eu preciso constantemente proteger meu lugar sob o sol. Isto é o que nossas vidas se tornaram.

Pergunta: Isso significa que o estresse foi pré-programado no sistema da natureza?

Resposta: Nossa natureza egoísta é o único motivo de toda a nossa miséria e sofrimento. Mas se pudéssemos pacificar nosso desejo de prazer… Mas é impossível pacificá-lo, além de talvez através do uso de narcóticos. Mas a pessoa está completamente desconectada de sua vida.

Então surge uma pergunta: por que tudo é construído dessa maneira? E aqui a ciência da Cabalá explica que o estresse tem uma causa: levar a pessoa à consciência do mal da sua própria natureza, que só a empurra para buscar prazer. O impulso de uma pessoa para receber prazer não tem limites; esse desejo engole o mundo inteiro. E se houvesse vários mundos, então todos aqueles também.

É por isso que vivemos em estresse. Nossas habilidades são limitadas, a vida é curta e não há nada que ajude.

Na prática, nós vemos que nosso egoísmo prejudica apenas a nós mesmos. É por isso que estamos doentes, que morremos. Nós sofremos terrivelmente e é tudo por nada. É por isso que está escrito que “os inimigos de um homem devem ser os de sua própria casa”, em outras palavras, em seu próprio corpo. O egoísmo está dentro do meu corpo – e é o meu maior adversário.

De KabTV “Nova Vida” 27/07/17

A Lei Da Gestão Do Mundo, Parte 1

laitman_229Toda a nossa realidade é inteiramente sujeita à lei, e de acordo com a sabedoria da Cabalá, é controlada pela única lei da força superior chamada natureza. Nós também chamamos esse poder superior de Criador porque ele realmente criou o universo inteiro.

A natureza dessa força é de agir exclusivamente em benefício de suas criações; isto é, é absolutamente boa. Mas se não a vemos, isso é apenas porque não entendemos o Criador.

Os Cabalistas, isto é, pessoas que investigam a natureza superior, revelam seu completo bem. E mesmo investigadores comuns da natureza veem que, embora todos se devorem nela, tudo está sujeito a leis especiais e, em última instância, beneficia o desenvolvimento geral de todos os seres criados.

A ciência moderna revela que a natureza é global e integrada, e tudo nela está absolutamente interconectado. Nada pode sair do quadro desse sistema integral. Como em um corpo humano saudável, todas as suas células e sistemas trabalham em harmonia preparando-o para um objetivo maior que está acima da existência corporal comum. Nós encontramos essa lei em todas as formas da natureza e em todos os seus níveis.

Acontece que o conhecimento dessas leis é a chave para a nossa existência bem-sucedida. Afinal, se a matéria inanimada, as plantas e os animais agem de acordo com os instintos, isto é, sentem as ordens da natureza e as realizam inconscientemente, nos seres humanos, é muito mais complicado.

Nós não sabemos como agir. Nossos instintos não são suficientemente fortes para garantir o nosso comportamento correto enquanto somos guiados apenas por eles. E tudo isso é porque um ser humano é um ser social, e é daí que emergem todas as nossas dificuldades. Afinal, em tudo o que se relaciona com a ordem social, os instintos já não funcionam. Eles não são mais regulados pela natureza.

Os desejos de comida, sexo e família são mais ou menos compreensíveis e não nos causam problemas. Mas em tudo o que diz respeito à sociedade, isto é, ao desejo de riqueza, poder e conhecimento, ficamos muito confusos. Os instintos internos não nos dizem como agir corretamente neles.

Os desejos de comida, sexo e família pertencem ao nível animal e, portanto, nós podemos confiar neles em nossos instintos naturais, que também são inerentes como em todos os outros animais.

Mas, em relação aos desejos puramente humanos, nós temos que encontrar a direção correta para o nosso desenvolvimento; de outra forma, o dinheiro, o poder e o conhecimento se tornam a causa de todos os nossos problemas. É devido ao desenvolvimento profundo de nossa mente que nós inventamos as armas de nossa própria destruição.

Em toda a história dos séculos anteriores, o homem se desenvolveu instintivamente, como um animal. Nosso egoísmo sempre nos empurrou para frente e tudo era bastante simples. Afinal, o desenvolvimento passou de uma forma natural, passo a passo, de uma formação para outra: escravidão, feudalismo, capitalismo, à medida que o egoísmo crescia.

Mas hoje chegou o momento em que nosso ego terminou seu desenvolvimento e deixou de ser o motor da evolução. Ele parece admitir que alcançou seu topo e não há mais aonde ir. Portanto, tudo entra em processo de estagnação: ciência, produção, jovens que não desejam se casar e ter filhos. Existe uma fadiga geral porque, internamente, uma pessoa sente que não tem uma resposta à pergunta principal: “Por que vivo?”

Afinal, ao longo de todo o milênio passado, nós sabíamos para onde estávamos nos desenvolvendo e nosso egoísmo não exigia mais do que era possível. Ele tinha necessidades muito reais: uma boa família, uma profissão, filhos e dinheiro e nos desenvolvemos de acordo com esses requisitos. Mas hoje nosso desejo de desfrutar parou seu crescimento linear, e esse é o problema.

De fato, esse processo começou há quinhentos anos, no tempo do Ari: o desejo deixou de crescer e começou a “acabar”. Todas as partes do desejo relacionado à natureza inanimada, vegetativa e animada evoluíram para certo nível e deve começar a se unir na forma correta.

Isto é, agora precisamos nos conectar. Se nos conectarmos corretamente, alcançaremos a propriedade de doação, que é a propriedade do Criador e, portanto, revelaremos a força comum da natureza entre nós. Esse poder é revelado precisamente nas conexões corretamente corrigidas entre nós.

Da Convenção “O Futuro Começa Aqui” Na Europa, Dia 25/08/17, “As Leis da Gestão Do Mundo”, Lição 1

O Mundo Numa Encruzilhada, Parte 7

Baal HaSulam começou a disseminar a sabedoria da Cabalá em 1920, imediatamente após a sua chegada à terra de Israel. Ele esperava que isso iria salvar a Europa do nazismo e da Segunda Guerra Mundial.

Naquela época, vários outros cabalistas advertiram que era necessário e urgente começar a disseminar a sabedoria da Cabalá, caso contrário, a humanidade enfrentaria uma catástrofe.

Mesmo antes, há 500 anos, o grande cabalista Ari anunciou que o mundo havia entrado na era do Mashiach”(fase final de correção). Portanto, é claro que o nosso dever é difundir o método de correção em todos os lugares.

Afinal de contas, isso significa que o fruto amadureceu completamente para correção e qualquer atraso em cortá-lo e usá-lo corretamente deixa-o a apodrecer, o que leva a miasmas terríveis e mutações na sociedade. [Leia mais →]

O Mundo Na Encruzilhada, Parte 6

115.06Pergunta: Por que o nazismo e o fascismo levam inevitavelmente à guerra, como vemos na história?

Resposta: Não pode ser de outra maneira! A pessoa pode perguntar por que o nazismo não pode permanecer dentro do seu próprio país? No entanto, se essa unidade se baseia no egoísmo, ela inspira seus líderes a subordinar alguém. O egoísmo lançou as bases do sistema fascista e obriga as pessoas a lutar. É como uma máfia!

Pergunta: A democracia baseada no egoísmo também causa consequências negativas, mas por que exatamente o nazismo leva à guerra?

Resposta: O nazismo une as pessoas e a democracia não. O liberalismo permite que cada um faça o que quiser. Embora isso seja também temporário em sua fase final, a democracia leva à unidade e numa forma egoísta. Então egoísmo + unidade cria uma grande força que requer sua realização e quer subordinar e conquistar os outros.

Essa é uma sequência natural de desenvolvimento do egoísmo: feudalismo → capitalismo → pseudo-socialismo (democracia, liberalismo) → nazismo. Não pode ser diferente, porque devemos chegar à unificação.

Suponha que, em dez anos, a maioria dos países do mundo seja obrigada a conseguir a unificação, cada um dentro de si. O desenvolvimento do egoísmo é tal que exige a unificação, seja por meio de uma maneira natural, que é o nazismo, ou por meio da Luz, o que significa construir a sociedade do futuro com base na doação mútua.

De uma forma ou de outra, deve haver a unificação. No eixo do desenvolvimento da humanidade, marcas já foram delimitadas e, claro, elas são diferentes para cada país e nação. No entanto, se estamos falando de países desenvolvidos (egoisticamente), eles recebem um determinado período durante o qual devem alcançar a coesão interna – quer através do egoísmo ou acima dele.

A base de qualquer sociedade é o egoísmo, em torno do qual, como em torno do caroço pedra de fruta, uma ordem social externa está vestida: feudalismo, capitalismo, socialismo ou nazismo. A forma externa é o resultado do desenvolvimento interno do egoísmo e muda junto com ele.

No começo, ele corresponde ao seu núcleo, mas o egoísmo continua a amadurecer. Portanto, em algum momento, a forma externa deve mudar para corresponder à nova forma do núcleo interno.

Nós não sentimos como o egoísmo escondido dentro de nós muda e que forma ele atravessa. Nós observamos apenas as manifestações externas na sociedade, como uma criança que, de repente, aprende a falar ou a fazer algo novo porque se desenvolveu internamente.

O egoísmo interno comum se desenvolve e, portanto, a forma externa da sociedade deve mudar de acordo com ele. Qualquer sistema social é uma consequência direta da forma de egoísmo escondido dentro dele. Se corrigirmos o egoísmo, obviamente, a forma externa da sociedade mudará junto com ele. Tendo recebido o método de correção, a própria sociedade criará novas relações sociais devido às mudanças no egoísmo.

Portanto, é inútil tentar construir o socialismo, o comunismo, o nazismo, o capitalismo e assim por diante. Em vez disso, é necessário trabalhar na correção do egoísmo inerente às pessoas e, assim, elas mesmas construirão uma sociedade que seja adequada às suas qualidades internas.

Enquanto isso, enquanto a forma externa não corresponde ao núcleo interno, as guerras e as revoluções continuarão. É assim que funciona; o egoísmo interno da sociedade determina sua forma externa e sua ordem social.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 21/08/17, Lição sobre o Tema: “A Europa Numa Encruzilhada”

O Mundo Na Encruzilhada, Parte 2

115.06Começando com a primeira quebra – o chamado pecado de Adão, “o primeiro homem”, que foi planejado antecipadamente – a humanidade gradualmente começou a perceber que o motivo de todos os seus problemas era a separação causada pelo egoísmo humano.

Embora o egoísmo fosse relativamente pequeno ali, demorou muito tempo antes da chegada de Abraão para eles começarem a se unir a fim de superar a crise que entrou em erupção na antiga Babilônia.

O ego quebrado que dividia as pessoas mostrava-lhes como era destrutiva a separação e que não havia outra solução senão se unir.

Depois que Abraão revelou que a unificação é o caminho da correção e começou a explicá-la aos outros, aqueles que o entenderem formaram um grupo, que mais tarde foi chamado de povo de Israel, que significa direto ao Criador, ou Yashar El. Esse grupo manteve a unidade como o único meio de alcançar a salvação para toda a raça humana e, em geral, para toda a criação.

Demorou muito tempo – desde o primeiro homem (Adão) até Abraão – antes que a humanidade estivesse pronta para aprender que a unidade é a salvação. Primeiro, a conexão era natural e todas as pessoas viviam juntas como um. Mas, de repente, a separação começou a se desenvolver e elas sentiram o quanto isso era destrutivo.

Elas foram capazes de comparar o quanto melhor tinha sido viver com a conexão natural que existia entre elas enquanto o egoísmo ainda era relativamente pequeno e o grande estado de egoísmo que levava a muitos problemas como separação e argumentos. Tudo acabou em ruína. Portanto, elas concordaram em trabalhar pela unidade de modo que “o amor cobrisse todos os crimes”.

No entanto, precisa ficar claro que os crimes cometidos eram pequenos e o egoísmo também era pequeno, por isso não era tão difícil para elas se unirem como é hoje. Mas naquela época, elas já entendiam que há dois caminhos para a unificação final, que a humanidade deve finalmente alcançar.

Afinal, esse é o propósito da criação, pré-programado no projeto original. Mas você pode chegar a ele por dois caminhos: pela Luz ou pelo sofrimento. Elas conseguiram entender isso naquela época e começaram a implementar o método de Abraão.

É claro para todos que o egoísmo estraga nossas vidas e que precisamos fazer algo a respeito. Toda nação tem seu próprio caminho. Existem métodos para reduzir o egoísmo através da educação especial, bem como todo tipo de práticas orientais, como o confucionismo e as tradições baseadas na moral. As religiões também exortam o homem a ser humilde e calmo e tentam domar o egoísmo prometendo-lhe o céu ou o inferno.

Todos esses métodos funcionaram por um tempo, mas, no final, as pessoas estão deixando a religião. O egoísmo cresce tão rápido que a moral e a religião não são mais capazes de restringi-lo. E o método de Abraão é o método geral da correção do egoísmo, dirigido não à sua destruição, mas ao seu uso correto. Esse método pertence a todos, como Abraão disse: “Quem for pelo Criador, venha até mim!”

Isto é, nós precisamos nos unir e, nessa conexão, vamos revelar a força superior que nos apoiará e nos levará a frente, levando-nos de volta ao propósito da criação e seus fundamentos. Esse é um método muito especial que só é realizado se as pessoas estiverem prontas para isso. E, no final do nosso desenvolvimento, todos estarão prontos para ele.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 21/08/17, Lição sobre o Tema: “Europa na Encruzilhada”