Textos na Categoria 'Egoísmo'

Para Alcançar O Nível De Homem

laitman_275Pergunta: Vemos na natureza como os átomos se combinam em moléculas e moléculas em substâncias mais complexas. Este processo de unificação nós entendemos. Plantas unidas podem causar chuva. As formigas se organizam em colônias, etc.

E a humanidade? Observamos a natureza inanimada, vegetativa e animada, mas não podemos ver um exemplo de como nossa sociedade deve ser construída. Não conseguimos fazer isso.

Resposta: Por que não? Como o homem difere da natureza inanimada, vegetativa e animada? Pelo fato dele ter livre arbítrio. Ele pode agir como parte integrante da natureza ou pode agir contrariamente a ela.

Comentário: Mas as formigas interagem instintivamente.

Minha Resposta: E devemos agir não instintivamente, mas conscientemente. Devo conscientemente restringir meus impulsos egoístas para não prejudicar a natureza, para não ir além da estrutura de sua imagem integral.

Pergunta: A humanidade tem algum papel especial?

Resposta: Sim. Quando construímos a nós mesmos à semelhança da natureza, começamos a entender e sentir. Tornamo-nos intrinsecamente fechados e gradualmente começamos a ver seu significado interno, o programa de desenvolvimento.

Estamos incluídos neste programa, mas não queremos correspondê-lo. Queremos fazer tudo de acordo com o nosso programa egoísta. Aqui, estamos em conflito com a natureza.

Pergunta: Se nós, pessoas, começarmos a nos aproximar, em que a humanidade se transformará? Que transformação acontecerá?

Resposta: Para nos aproximarmos, precisamos primeiro superar o egoísmo mesquinho e pessoal de todos. Nós devemos menosprezá-lo, controlá-lo. Assim, subiremos ao nível de controlar nossa natureza humana, subiremos acima dela.

Através da conexão, criaremos um sistema semelhante à natureza nos níveis inanimado, vegetativo e animado. Então, construiremos uma natureza chamada Adam, homem. Este é um sistema único, como o inanimado, o vegetativo e o animado, com uma mente única, um sentimento único e propriedades comuns que se combinam mutuamente, complementando-se mutuamente.

Construindo esse sistema, entenderemos que há uma única mente nele, que perceberemos como nascendo precisamente na conexão entre nós, os egoístas. Assim, começaremos a sentir a administração superior da natureza, o mundo superior.

De KabTV, “A Era Pós-Coronavírus”, 02/04/20

A Densidade Das Redes Sociais

laitman_959Pergunta: Por que você acha que um bilhão de pessoas sentadas no Facebook não é uma manifestação de esclarecimento sobre a correlação e as relações entre elas mesmas e a natureza?

Resposta: Nós somos muito parecidos com animais selvagens, que estão constantemente brigando entre si. Mas essas pessoas têm pelo menos algum tipo de esclarecimento sobre o relacionamento, e esse resultado não é observado no Facebook. Tudo opera com o princípio “você é um tolo”.

Não vejo pessoas se tornando mais sábias e melhores com essa comunicação. Infelizmente, as redes sociais ainda estão em estado inativo.

Pergunta: O que você quer dizer quando diz o desenvolvimento das relações entre as pessoas? É outro tribunal, outras leis ou outros valores?

Resposta: Tudo isso e muito mais: o relacionamento correto entre as pessoas, quando uma pessoa persegue um único objetivo em suas intenções, para que a outra pessoa se sinta bem.

Nosso sistema fechado e integral da sociedade humana está sintonizado com isso. Se todos interagirem com outras pessoas assim, tudo ficará bem conosco.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 12/04/20

“Fake News Para Um Mundo Fake” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Fake News Para Um Mundo Fake

O diretor da Organização Mundial da Saúde disse sobre a COVID-19: “As fake news (notícias falsas) se espalham com mais rapidez e facilidade do que esse vírus”. De fato, se você está procurando a verdade no mundo de hoje, então a verdade é que todo mundo está mentindo. Todo meio de comunicação distorce e manipula as notícias de acordo com a agenda de seu dono.

Podemos continuar evitando a busca sincera da alma que precisamos fazer e seguir o caminho que seguimos por décadas, mas evidentemente isso não nos levará a lugar algum bom.

No passado, quando jornais e televisão recebiam financiamento de assinantes, de pessoas que compravam cópias reais de jornais, a imprensa era obrigada a fornecer aos leitores ou espectadores histórias verdadeiras. Hoje, quando a mídia é de propriedade de magnatas da mídia e depende dos anunciantes para sua existência, ela é devedora apenas deles, e a geração de relatórios honestos se tornou obsoleta. A boa notícia, se você pode chamar assim, é que hoje todo mundo já sabe que todo mundo está mentindo.

Ainda consumimos notícias da mídia, já que não há outra fonte de notícias, mas pelo menos é com um grão de sal. E por falar em sal, a mídia hoje é como a comida que comemos: grande, brilhante e sem aparência. Mas por dentro, a comida é bombeada com hormônios, esteroides e antibióticos. Todos sabemos disso e todos a comemos. O que mais podemos fazer?

Aqui precisamos ser honestos conosco mesmos. É verdade que a mídia está corrompida, mas isso não é novidade há muito tempo. Então devemos perguntar: de onde vieram os jornalistas? Onde cresceram? Onde foram educados? Onde aprenderam a distorcer e manipular? Eles aprenderam no mesmo lugar em que crescemos, onde fomos educados, onde aprendemos a manipular um ao outro. A mídia não é mais corrupta do que o ambiente que a criou, e somos todos nós. Ela é feita à nossa própria imagem.

Para receber notícias verdadeiras, não basta condená-las; elas não podem ser melhores do que o público que as gerou. Em vez disso, precisamos nos olhar no espelho, admitir que as pessoas que apadrinhamos com nossa própria justiça realmente refletem quem somos e nos perguntamos se essa é a sociedade em que queremos viver.

Se fizermos isso, não há nada do que reclamar. Mas se não fizermos, a muito a fazer. Podemos começar aprendendo como estamos todos conectados. Assim como uma pessoa com o coronavírus pode infectar dezenas de pessoas, se não mais, também podem nossas ações e até nossos pensamentos. Quando a má vontade em relação ao outro é alta, as pessoas fazem coisas más umas às outras, refletindo o que sentem por dentro. Mas quando se sentem conectadas às suas comunidades e países, quando se preocupam com o próximo, não se prejudicam. Portanto, a raiz do problema que cria uma má imprensa é que nós mesmos somos maus um para o outro. Se somos maus um com o outro, podemos reclamar que alguém é ruim para nós?

Estamos revertendo o lema de JFK: “Não pergunte o que seu país pode fazer por você; pergunte o que você pode fazer pelo seu país” e reclame quando não funcionar. Em princípio, todos concordamos com o JFK, mas queremos que todos os outros façam primeiro. Com essa atitude, morreremos antes que alguém faça alguma coisa.

O presente é o que é porque evitamos lidar com nós mesmos, com o modo como nos relacionamos e com que tipo de sociedade estamos promovendo. Podemos continuar evitando a busca sincera da alma que precisamos fazer e seguir o caminho que seguimos por décadas, mas evidentemente isso não nos levará a nenhum lugar bom.

Como alternativa, podemos decidir que precisamos finalmente sair do sofá e começar a trabalhar um pelo outro. Isso não exige mudanças radicais; não precisamos doar nossas economias, se tivermos, e não precisamos sacrificar nada. Só precisamos olhar para dentro de nós mesmos e observar como nos relacionamos, porque é aqui que estamos realmente doentes. Esse é o vírus que estamos dando um ao outro de manhã, ao meio-dia e à noite. Se quisermos nos tornar diferentes um do outro, nos tornaremos, desde que desejemos isso juntos. Essa é a ideia que precisamos promover, de que juntos podemos construir uma sociedade solidária, onde pessoas são responsáveis ​​umas pelas outras. Se adotarmos essa pequena mudança em nossa mentalidade, veremos um mundo diferente. Juntos, podemos mover montanhas.

Como Curar O Egoísmo?

laitman_433.02Pergunta: Eu me lembro de mim na primeira infância nos anos 80. Nadávamos em rios e bebíamos água deles; flores e frutos na floresta cheiravam tão fortemente que seu aroma era simplesmente intoxicante.

E hoje vejo como tudo mudou. Agora, esses rios são inadequados mesmo para a irrigação de gado. Consequentemente, tenho um certo sentimento de que nós, nosso egoísmo, engolimos este planeta. O que podemos fazer para curar o egoísmo? Como podemos corrigi-lo?

Resposta: Em princípio, isso não é tão difícil. Nós só precisamos querer isso juntos e nos apoiar, para que milhares de pessoas se reúnam e tentem agir de maneira não egoísta, mas acima do egoísmo, usando o mínimo possível.

E não precisamos fazer nada de especial, mas antes de tudo, apenas poupar a natureza, parar de roubar nossa Terra. Em segundo lugar, poupar as pessoas, ou seja, tratar um ao outro com o máximo de compreensão e amizade.

Se agirmos dessa maneira em relação à natureza e ao homem, atrairemos até nós mesmos as forças positivas da natureza, a luz superior, como a chamamos, e ela nos corrigirá. Nós nos tornaremos mais amigáveis, abertos, confiantes.

Poderemos ver através da natureza como as forças do bem e do mal interagem umas com as outras. E as equilibramos como mais e menos em circuitos elétricos. Afinal, é impossível sem o sinal de menos.

Precisamos aprender como fazer isso. Toda a minha vida foi dedicada a ensinar as pessoas a usar adequadamente as duas forças inerentes à natureza: positiva e negativa.

O poder negativo é o nosso egoísmo. Ele se manifesta em todos os lugares e apenas nos queima. Mas há uma força positiva que não estamos revelando. Só pode emergir quando somos despertados para ela. Se o despertar não existe, ela (força positiva) não aparece e permanecemos apenas sob o controle da força negativa. Como resultado disso, chegamos a um estado em que tudo se torna apenas negativo: natureza inanimada, vegetativa, animada e o homem.

De KabTV, “Encontros com a Cabalá: Victoria Bonya”, 29/03/20

“Quais São Alguns Exemplos Legais De Dois Tipos De Pessoas?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Quais São Alguns Exemplos Legais De Dois Tipos De Pessoas?

Existem basicamente dois tipos de pessoas em nosso mundo: egoístas e altruístas.

Os egoístas fazem tudo como resultado de um cálculo para o benefício pessoal e precisam ver uma compensação justificável, como mais dinheiro ou um status social aprimorado, por qualquer ato que pratiquem para beneficiar outros.

Os altruístas concedem voluntariamente de si mesmos e da compensação pessoal para beneficiar os outros.

O egoísmo é a natureza humana. Existe em cada pessoa. O altruísmo, por outro lado, corre contra a natureza humana.

No entanto, há uma minoria no mundo – os altruístas – que é uma exceção à maioria dos egoístas da sociedade. Os altruístas constituem até dez por cento da sociedade humana.

Por fim, no entanto, estamos desenvolvendo um estado em que percebemos que um modus operandi altruísta na sociedade como um todo será capaz de aliviar os problemas crescentes que vemos em nossa sociedade egoísta-consumista.

O problema de tornar o altruísmo uma norma social é que a maioria dos egoístas sentiria falta de compensação como altruístas. Seria como ligar uma máquina sem combustível.

Nosso combustível atual para trabalhar em nossa sociedade egoísta-consumista é a recompensa e o castigo. Em uma configuração egoísta-consumista ideal, trabalhar mais significa colher mais recompensas, o que significa mais riqueza, respeito, poder e conhecimento, e trabalhar menos significa receber o “castigo” por não conseguir cumprir esses desejos.

No entanto, quanto mais nos desenvolvemos em uma sociedade egoísta-consumista, mais difícil é para nos preenchermos. Várias crises acabarão nos levando a uma sensação de desamparo, da qual não podemos mais encontrar satisfação priorizando o autobenefício em vez de beneficiar os outros.

Nós nos tornaremos mais prontos para mudar nosso modo de vida e nos tornarmos mais altruístas.

No entanto, ainda precisaremos de combustível para que nossa sociedade altruísta funcione.

E o que é o combustível altruísta?

É quando doar, melhorar a vida dos outros e contribuições positivas aos outros se tornam os principais valores da sociedade.

O desenvolvimento de uma sociedade altruísta começa recompensando e apreciando atos de contribuição social positiva e, gradualmente, após um período, começamos a apreciar os valores altruístas em si mesmos.

“Por Que As Pessoas Veem Que O Ego Humano É Mau?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Por Que As Pessoas Veem Que O Ego Humano É Mau?

O ego humano é visto como mau quando é exagerado, levando as pessoas a explorar, manipular e abusar umas às outras em nome do prazer.

Devido ao ego causar tanta divisão e conflito nas sociedades e entre as sociedades, muitas pessoas tentam diminuir o impacto do ego, tentando contê-lo usando uma variedade de técnicas.

Eu tenho estudado e ensinado a sabedoria da Cabalá há mais de quarenta anos, a qual difere fundamentalmente de muitas outras abordagens do ego.

Não se trata de restringir o ego. Em vez disso, usando a Cabalá, alcançamos um reconhecimento do propósito do ego e aprendemos a navegar no ego de uma maneira que o torna benéfico para a sociedade.

O ego humano nos diferencia dos animais. É um desejo adicional de nos desfrutarmos além de nossas necessidades de sobrevivência.

Enquanto superficialmente pode parecer que certos animais são maus porque vivem suas vidas matando outros, isso está longe de ser o caso. Os animais seguem uma programação interna que os leva a satisfazer suas necessidades de sobrevivência e, se matam outros animais, é devido à sua programação de alimentar a si e a seus filhos, que emerge naturalmente.

Os seres humanos, por outro lado, podem matar por ódio aos outros, desfrutando da dor dos outros e de seu próprio crescimento em status acima daqueles que matam. Tal ódio e gozo na dor dos outros é uma qualidade única para os seres humanos, inexistente nos animais e que se estende do ego humano.

Assim, o ego separa os seres humanos dos animais.

Por outro lado, o ego é um impulsionador do progresso humano. Nossas atividades em ciência, tecnologia, artes, música, cultura e muitas outras são alimentadas principalmente pelo ego que quer mais que o outro.

Ele nos colocou no topo da pirâmide de quatro camadas da natureza, compreendendo o inanimado, o vegetativo, o animal e o humano.

A questão então se torna quando o ego é prejudicial e quando é benéfico?

O ego se torna problemático quando o usamos em benefício próprio às custas dos outros. Quando ajustamos a intenção sobre o ego, direcionando-o a beneficiar os outros em detrimento de seus propósitos de benefício próprio, o ego se torna benéfico para outras pessoas, bem como para todos os outros níveis da natureza.

O ajuste de nossa intenção sobre nosso ego, de benefício próprio para benefício dos outros, é possível quanto mais reconhecemos a rigidez de nossa interdependência.

Quanto mais nos sentimos dependentes um do outro, mais percebemos que precisamos apontar nossos egos para o bem comum.

Por um lado, golpes como a pandemia de coronavírus aumentam nossa compreensão e sentimento de nossa interdependência. Por outro lado, não precisamos esperar que esses golpes nos despertem para a nossa interdependência, mas, ao invés disso, podemos aprender sobre como podemos realizar nossa interdependência de maneira positiva e, ao fazer isso, aliviar muitos golpes que, de outra forma, sentimos.

Na sabedoria da Cabalá, a maneira de acumular sofrimento e golpes para nos despertar para a nossa interdependência chama-se “o caminho da dor”, e a maneira de nos despertarmos ativamente para a nossa interdependência e como ajustar nossos egos a ela chama-se “o caminho da luz”. O último caminho é aquele para o qual a sabedoria da Cabalá oferece um método de acesso.

“Acima Do Nosso Eu Mesquinho” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Acima Do Nosso Eu Mequinho

Detectar novas fases no desenvolvimento da humanidade é fácil: se um novo nível de interconexão e interdependência surgir, é sinal de que passamos para uma nova fase. O COVID-19 é um caso clássico de emergência de uma nova fase.

Até agora, mesmo nos piores golpes sofridos pela humanidade, como as duas guerras mundiais ou a Peste Negra, nem toda a humanidade esteve envolvida. O coronavírus provocou a primeira pandemia que realmente merece seu nome. Este é um sinal claro de que a evolução da realidade entrou em uma nova fase. Quanto mais cedo aceitarmos isso e pararmos de esperar que a vida volte ao modo pré-coronavírus, melhor será para todos nós.

Esse supergerme não é apenas mais um vírus. Seu impacto no mundo está nos forçando a subir para novos níveis de conexão. Até recentemente, poucas pessoas pensavam na saúde de outra pessoa. Agora, todos nós estamos pensando na saúde de todos. Embora exista claramente um motivo egocêntrico nesse pensamento, é um nível de conexão que não poderíamos alcançar antes. Mesmo que o nível de contágio na sociedade diminua, continuaremos a pensar na saúde dos outros, pois não queremos que eles fiquem doentes e ponham em risco nossa própria saúde. Dessa maneira, o vírus inadvertidamente nos conectou e nos fez considerar um ao outro.

Uma vez que esse nível de interconectividade e interdependência se manifesta, ele não diminui. A partir de agora, teremos que calcular todos os nossos movimentos como sociedade e não como indivíduos. Claramente, é uma mudança muito difícil que nossos egos evitam, mas a evolução não atende aos nossos egos. A evolução avança em seu caminho, que sempre foi em direção a aumentar a complexidade, aumentar a interconectividade e a interdependência e, portanto, aumentar a consideração dos outros. O fato de nossos egos se sentirem desconfortáveis ​​com isso é irrelevante. Este vírus ou o próximo, ou o seguinte, nos impulsionará a aprender a pensar nos outros, tanto quanto agora pensamos em nós mesmos. Na medida de nossa obstinação, assim será nossa dor.

O objetivo da natureza não é nos torturar. Seu objetivo é nos levar a uma alegria maior e muito mais profunda do que podemos imaginar hoje. O objetivo é abrir os olhos para toda a realidade, para nos tornar oniscientes. No entanto, a natureza só pode fazer isso se nos elevar acima de nossa concentração em nós mesmos. Ela precisa nos elevar a alturas das quais seremos capazes de ver o mundo inteiro, não apenas nossos pequenos corpos. Para fazer isso, ela precisa elevar nosso olhar acima do nosso eu mesquinho.

Assim como uma mãe pressiona dolorosamente seu bebê para fora de seu útero através de um estreito canal de nascimento, toda a humanidade está sendo pressionada para fora de sua antiga visão de mundo para uma nova realidade, um novo mundo. Assim como um bebê não tem escolha a não ser nascer, também nasceremos no novo mundo, pois, de acordo com a dor, nossa consciência aceita a realidade de nossa interconexão. Mas uma vez que aceitarmos, descobriremos que o mundo em que tínhamos vivido antes era escuro, apertado e inibidor.

Por meio da simpatia com os outros, aprenderemos o que significa o verdadeiro amor, o que é a responsabilidade mútua e como cada um de nós é tão único que o mundo inteiro não estará completo se não estivermos lá para lhe dar a nossa parte. Vamos viver em uma realidade de total expressão pessoal e absoluta devoção à humanidade, tudo ao mesmo tempo. Nós nos sentiremos satisfeitos e seguros, e transmitiremos esse sentimento a todos ao nosso redor e a toda a realidade. A vida deixará de ser um pesadelo e começará a ser o mundo dos sonhos que todos sentimos que deveria ser.

Conseguir essas recompensas depende inteiramente de nossa contribuição mútua. Somente se todos colaborarmos, o novo mundo emergirá. E até nos unirmos, teremos de suportar os gostos do coronavírus.

A Essência E A Raiz Da Unidade, Parte 8

Laitman_510.01A Causa Do Ódio Infundado

Pergunta: Nossos desejos, por si mesmos, são neutros. O egoísmo é a intenção de como uso meu desejo?

Resposta: Sim, porque as próprias ações não determinam nada. O principal é a intenção que precede a ação. Portanto, não posso dizer sobre uma pessoa se ela é egoísta ou não, se não conheço suas intenções.

Pergunta: Existe um ódio natural entre pessoas chamado ódio infundado. Por que infundado? Entendo que se alguém me ofende, tenho um motivo para odiá-lo. O que é o ódio infundado?

Resposta: O ódio infundado é quando quero humilhar outra pessoa porque sou egoísta e tenho tais impulsos internos.

Pergunta: Mas ainda deve haver algum motivo?

Resposta: O motivo é muito simples: meu egoísmo, que age sem qualquer desculpa ou razão. Como ainda existem outros como eu, quero estar acima dessas pessoas, suprimi-las o tempo todo e me sentir superior. Isso me traz prazer.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel, parte 8”, 24/03/19

A Essência E A Raiz Da Unificação, Parte 8

Laitman_510.01A Causa Do Ódio Infundado

Pergunta: Nossos desejos, por si só, são neutros. O egoísmo é a intenção de como uso meu desejo?

Resposta: Sim, porque as próprias ações não determinam nada. O principal é a intenção que precede a ação. Portanto, não posso dizer sobre uma pessoa se ela é egoísta ou não, se não conheço suas intenções.

Pergunta: Existe um ódio natural entre as pessoas chamado ódio infundado. Por que infundado? Eu entendo que se alguém me ofende, tenho um motivo para odiá-lo. O que é o ódio infundado?

Resposta: O ódio sem fundamento é quando quero humilhar outra pessoa porque sou egoísta e tenho tais impulsos internos.

Pergunta: Mas ainda deve haver algum motivo?

Resposta: A razão é muito simples – meu egoísmo, que age sem qualquer desculpa ou razão. Como ainda existem outros como eu, quero estar acima desses indivíduos, suprimi-los o tempo todo e me sentir superior. Isso me traz prazer.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel, Parte 8”, 24/03/19

O Segredo Do Uso Do Egoísmo

laitman_232.05Pergunta: Por um lado, precisamos reduzir o ego e anulá-lo. Por outro lado, dizem que o ego não é destruído e até cresce. O que isso significa?

Resposta: O fato é que não destruímos o ego, mas seu uso por nossa própria causa.

Os desejos para nós mesmos são chamados de desejos egoístas. Os desejos pelo Criador são desejos altruístas. Devemos mudar nossas intenções por nossa causa e por causa do Criador.

Portanto, não se preocupe, nada desaparece ou é destruído. Entenda que o ego é criado especialmente de cima para ser um menos contra um mais. Portanto, quando menos e mais trabalham juntos, podemos receber a energia entre eles, algum tipo de esforço produtivo.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 16/02/20