Textos na Categoria 'Egoísmo'

Egoísmo Positivo

laitman_562.02Pergunta do Facebook: Existe uma força egoísta positiva?

Resposta: Não. O egoísmo não pode ser positivo porque ele separa a pessoa de qualquer coletivo, da comunidade, da conexão, da natureza. Ao mesmo tempo, a direção do pensamento humano é apenas para si mesmo, para sua própria causa. Portanto, ele não pode ser positivo porque está na direção oposta da força geral da natureza – do Criador.

Pergunta: Então, ele é sempre destrutivo?

Resposta: Sempre. É bom apenas quando a pessoa está nos estágios iniciais de seu desenvolvimento, como uma criança pequena. Nós lhe permitimos tudo: a deixamos usar seu ego porque é necessário para o seu desenvolvimento. Então, dos 13 aos 15 anos, ela já deve se controlar como um adulto. E nós começamos a exigir cada vez mais dela.

É semelhante ao nosso desenvolvimento espiritual. Em primeiro lugar, éramos egoístas e atravessamos um longo caminho egoísta por milhares de anos.

Mas agora o progresso egoísta já está chegando ao seu fim e somos obrigados a iniciar a próxima metade, completamente diferente, de nossa existência: a altruísta. Da mesma forma que uma pessoa é considerada criança, digamos, até 15 anos de idade e depois deve levar a vida de um adulto.

Nós vemos que o egoísmo terminou seu desenvolvimento.

Pergunta: O que é progresso agora?

Resposta: É apenas a transformação de uma pessoa de egoísta em altruísta, quando ela tornará a si mesma e o mundo inteiro um todo único. Só então poderemos existir e evoluir de forma adequada e bela. Caso contrário, nos conduziremos à destruição.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 09/11/17

Eu Amo Meu Egoísmo

115.06Pergunta do Facebook: Eu amo meu egoísmo. Para os outros, pode ser um problema, mas não para mim. Por que devo fazer algo a respeito?

Resposta: Você não precisa fazer nada sobre isso. Mas os outros ao seu redor, que também são egoístas, não querem fazer nada sobre o egoísmo deles igualmente. E pouco a pouco vocês começarão a se devorar. No final, chegaremos a um lugar onde precisamos começar a cooperar porque a tecnologia e a natureza são organizadas contra o indivíduo. O mundo circundante é inteiramente fechado e integral. E tudo isso exerce uma grande pressão sobre nós.

Não podemos ser diferentes. Nossa natureza inata é egoísta, e está começando a se devorar. Vemos que a humanidade está perdendo sua orientação para a liberdade, o futuro e mesmo para cuidar das crianças ou família, etc.

Se quisermos simplesmente arrastar nossa existência e morrer como dinossauros, então está tudo bem. Mas se quisermos viver, precisamos mudar. E a natureza está nos mostrando como mudar.

Pergunta: A afirmação “Eu amo meu egoísmo” é correta?

Resposta: É totalmente verdadeira. Mas o que podemos fazer? Precisamos nos separar do método usado agora. Receber apenas para nós mesmos, usando nosso egoísmo apenas para nosso próprio benefício, não funcionará. Precisamos aprender a usá-lo para o bem comum, e então você estará bem, e seu egoísmo será muito confortável.

De Kab TV “Notícias com Michael Laitman”, 09/11/17

O Que É O Sentimento De Repulsa?

laitman_545Pergunta: O que é o sentimento de repulsa? De onde é que vem e por que precisamos dela?

Resposta: O sentimento de repulsa é um sentimento de inconsistência com alguém ou algo quando você sente que não é seu.

A repulsa surge quando há eu e algo fora de mim, e isso é incompatível comigo. Então eu o menosprezo, o desprezo e afasto. Mas quando este “algo” está dentro de mim, eu sinto o contrário, eu o adoro.

Acontece que uma pessoa, aparentemente tão limpa, despreza tudo e qualquer coisa, mas não tem repulsa por si mesma. Essa é uma manifestação egoísta com respeito ao que está fora de mim.

Da Lição de Cabalá em Russo 13/08/17

“O Forte Engole O Fraco”

laitman_272Baal HaSulam, Os Escritos da Última Geração: É uma lei natural que a classe diligente irá explorar a classe trabalhadora o melhor que puder, como peixe no mar, onde o forte engole o fraco.

Hoje, nós vemos como as elites de todos os países não podem parar, apesar de já terem seus bolsos recheados. Nenhuma lógica pode explicar por que um homem com 50 bilhões precisa de mais 50.

O fato é que o egoísmo infinitamente crescente exige isso. Portanto, uma pessoa não pode fazer nada consigo mesma; ele deve seguir isso. As elites miseráveis ​​também são controladas por seu egoísmo infinitamente crescente e são obrigadas a reduzir toda a população à pobreza, deixando-lhes sequer uma casca de pão!

Por outro lado, isso não é natural. Mesmo durante os tempos de escravidão, nunca foi assim. Um escravo era caro! O dono tinha que cuidar dele, tratá-lo bem, etc.

Agora estamos separados da conexão entre mestre e escravo. Um empresário não se importa que haja milhões de pessoas atrás dos portões de suas fábricas. Ele deve extrair tudo deles!

De KabTV “A Última Geração” 07/08/17

Verdade E Mentira, Parte 1

laitman_207Pergunta: A verdade é que nós mentimos quase constantemente e todos os dias, desde pequenos truques e encobrindo pequenas falhas até o maior engano e calúnia. A mentira é parte de nossa vida.

Uma criança começa a mentir na primeira infância, mesmo sem entender o que está fazendo. Nós ficamos tocados quando uma criança com o rosto manchado de chocolate responde com confiança: “Não fui eu!” à pergunta: “Quem comeu o doce?” Então, qual é o significado de uma mentira e como ela desenvolve uma pessoa?

Resposta: As mentiras estão na base da criação como o oposto da verdade. A verdade e a mentira são de igual importância porque uma não pode existir sem a outra. Nós devemos avaliar uma em relação a outra; de outra forma, não sentiremos nada. Não há mal sem bem; não há bem sem infortúnio; não há escuridão sem luz e assim por diante.

Portanto, sempre há uma mentira dentro da verdade e vice-versa. Se aprofundarmos dentro do básico da criação, há a Luz, que é a verdade. Afinal, a Luz é a única coisa que existe; há apenas a doação e a conexão comum de todas as partes da criação. Uma mentira, a escuridão, sempre vem desejando separar, desunir e até mesmo quebrar toda a criação.

É exatamente isso que aconteceu no pecado da Árvore do Conhecimento. Está escrito que uma mentira só pode existir se crescer a partir de algum tipo de verdade. Portanto, Adão e Eva (Havah) provaram primeiro a maçã, porque tinham certeza de que era possível comer e apreciá-la em prol da doação e que não pode haver proibição. Essa realmente era a verdade.

No entanto, quando continuaram a comer, eles já não podiam evitar a tentação e encontraram-se em uma mentira. Isto é, a mentira cresce a partir da verdade, e somos resultado da mentira, daquela tremenda quebra que aconteceu com nossas almas em suas próprias bases.

Portanto, se quisermos chegar à verdade, devemos passar por mentiras, desgarrando-a como se fosse numa floresta escura e densa, e então, possivelmente, alcançaremos gradualmente a verdade.

É “possível” porque é realmente difícil de fazer. Além disso, essa oportunidade depende do nosso desenvolvimento, que é fornecido pela sabedoria da Cabalá através da Luz que retorna à fonte. Afinal, de outra forma, não vemos o que a verdade é e onde está a mentira, exatamente como a criança que assegura que não comeu o doce, apesar das provas óbvias. Nós não compreendemos e não percebemos nossa mentira, porque a mentira é nossa qualidade primordial.

Portanto, devemos perdoar as mentiras, nos tratar com entendimento, e devemos aprender a nos elevar acima de todas essas mentiras, percebendo-as como travessuras de crianças fofas. Afinal, essa é a nossa natureza.

O mundo não pode existir sem a mentira, e é apenas na presença das mentiras que a verdade pode existir. É bom que elas existam em quantidades iguais, porque até agora vivemos em um mundo de completo engano. E aqueles fragmentos de verdade que existem nele servem apenas para fazer uma mentira parecer como verdade.

De KabTV “Nova Vida” 16/11/17

Admitir Seus Erros

laitman_600.04Pergunta no Facebook: Por que as pessoas não estão cientes de seus erros e por que não se desculpam por tratar mal os outros? Isso acontece conscientemente?

Resposta: Como eu posso estar ciente do meu erro se isso significa que sou uma pessoa irracional e subdesenvolvida?

Pergunta: Não há pessoas que admitem seus erros?

Resposta: Há, mas elas fazem isso de uma forma que lhes permite receber maior benefício: “Olhe como eu sou especial, bom e objetivo: eu admito meus erros”. Com isso, elas ganham ainda mais.

Caso contrário, como egoístas, não podemos realmente admitir nossos erros, já que isso nos humilha. Só somos capazes de admiti-los de uma forma que nos eleve mais alto. Eu me elevo perante os meus pares e digo: “Vocês sabem, eu estou pronto para admitir meus erros”. E todos aplaudem.

Pergunta: O homem ou a humanidade chegarão a esse estado?

Resposta: Somente se uma pessoa começar a admitir seus erros, percebendo que com isso receberá uma recompensa maior. Ela não pode fazer de outra forma.

O egoismo permanece; não pode desaparecer em nenhum lugar. Nós apenas substituímos uma recompensa por outra; ou seja, vale a pena admitir meus erros, vale a pena esmagar meu ego, vale a pena trabalhar com ele de forma diferente para subir ao próximo grau. Para isso, eu preciso desenvolver a grandeza do objetivo altruísta, a grandeza do amor ao próximo. Então eu poderei admitir meu erro. Um deve ser mais alto que o outro.

Então, eu precisarei do egoismo apenas para rejeitá-lo, subir acima dele, porque, assim, ganho mais. É assim que tudo está organizado.

De KabTV “Notícias de com Michael Laitman” 02/10/17

O Mal É A Base Do Mundo

Laitman_115.05Pergunta do Facebook: Como os Cabalistas afetam o nosso mundo? Eles podem erradicar o mal?

Resposta: De forma alguma! O mal não pode ser erradicado. Nós devíamos ter aprendido isso com os milhares de anos de nossa história. A aniquilação do mal é impossível!

O mal é a base do mundo. Como está escrito na Bíblia: “Eu criei a inclinação ao mal, criei a Torá como tempero”, não como eliminação. Tempero significa que o mal permanece, mas aprendemos a trabalhar com ele corretamente. É disso que se trata a ciência da Cabalá.

Pergunta: Você diz: “O mal continua”. Portanto, isso sempre apresenta uma dificuldade para a pessoa?

Resposta: Sem dúvida! O que você pode fazer? Não temos outra escolha, temos que aprender a trabalhar com o mal. Temos que compreendê-lo, respeitá-lo e tratá-lo adequadamente como o Faraó (o mal é o Faraó): educadamente, com a máxima cortesia, pois é só por causa do mal que podemos subir a escala de um bem cada vez maior.

O mal é o estímulo, o palco, sobre o qual podemos subir constantemente. Em cada nível, ele se revela ainda mais, enquanto continuamos a nos elevar até o bem. Portanto, é o mal que nos avança para o bem. O anjo malvado se torna o anjo bom.

Se não fosse pelo mal, não poderíamos avançar. O mal permanece em toda a sua glória, mas nós o envolvemos em um envoltótio muito bom: o bem. Ele cria um maravilhoso “prato”: o mal dentro, o bem fora.

Pois nós sabemos que cada prato precisa de uma pimenta adicionada a ele, sal e algo picante. Mesmo no coquetel de crianças é adicionado. Sem isso, você não consegue o gosto correto. Portanto, você tem que provar algum mal, mas apenas com o objetivo de elevar o bem.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 02/10/17

Quem Sofre?

laitman_293Pergunta: A história da humanidade é a história da exploração dos mais fracos pelos mais fortes e mais avançados. Se fosse aquela rocha, em vez de pessoas sofrendo, seria mais fácil se relacionar com tudo isso; seria como assistir a um filme. Mas foram as pessoas que sofreram. Ou isso também é parte do filme?

Resposta: É difícil para mim responder à pergunta: “Quem sofreu?” Na realidade, é o nosso egoísmo que sofreu.

É por isso que, em última análise, quando chegamos à correção, no estado corrigido, não sentimos que sofremos, nos separamos dele e chegamos a um nível completamente diferente e oposto daquele que sofreu.

Acontece que os Cabalistas, que se elevam ao longo dos níveis de realização espiritual, descobrem verdadeiros estados e não atribuem o passado a si mesmos. Eles atribuem isso ao controle do egoísmo sobre eles.

Da Lição de Cabalá em Russo, 16/07/17

É Possível Evitar O Sofrimento?

laitman_567.01Pergunta: Se pudéssemos experimentar o sofrimento que as pessoas experimentam em desastres naturais ou guerras, teríamos a possibilidade de escolher o nosso caminho mais corretamente?

Resposta: Não, neste caso, a pessoa simplesmente obedece e se submete aos golpes; isso não é escolha. A natureza está especificamente interessada na escolha consciente do próximo nível de desenvolvimento; caso contrário, não é uma escolha humana.

A transição do nível inanimado para o nível vegetativo e do nível vegetativo para o animado ocorre sob a influência dos golpes da natureza e uma pessoa em nosso mundo é o resultado desse desenvolvimento.

Atualmente, cabe a nós nos movermos conscientemente ao próximo nível, o nível falante, de uma maneira completamente diferente e, portanto, o método da sabedoria da Cabalá vem até nós sob a forma de um sistema de informação. Porque precisamente após os estados de desenvolvimento de inanimado, vegetativo e animado (onde estamos hoje), há uma tendência consciente de elevar-se acima do eu pessoal.

Nós estamos em um estado intermediário. Por exemplo, entre o nível inanimado e o vegetativo há o estágio intermediário chamado corais, entre o nível vegetativo e o animado há o nível do “cão do campo”, e entre o nível animado e humano (falante), há o nível do macaco. Portanto, entre o nível humano do nosso mundo e o nível humano no mundo superior, há o Cabalista.

Um Cabalista é uma pessoa que, por um lado, inclui dentro de si as propriedades animais deste mundo que são as características de uma pessoa em nosso mundo e, por outro lado, as características dos próximos níveis do mundo superior.

A ascensão de um Cabalista ao mundo superior não acontece sob a influência das forças instintivas da natureza; isso ocorre conscientemente. Portanto, a sabedoria da Cabalá nos ensina sobre a liberdade de escolha, o trabalho em grupo e como criar um estado especial dentro e ao nosso redor para ser alterado.

Aparentemente, por nós mesmos, nós saímos de um estado em que o ego nos maneja e nos elevamos ao próximo nível onde equilibramos o ego através da força boa que é revelada em nós oposta ao ego. Dessa forma, nós existimos com duas forças, uma força egoísta negativa e uma força altruísta positiva.

Na natureza do nosso mundo, a força altruísta não existe, então devemos atraí-la. Assim nós existimos na conexão, no equilíbrio dessas duas forças. Esse será o nosso próximo estado chamado linha média.

Eu espero que, conscientemente, usando o livre arbítrio, nós possamos tomar a decisão certa e chegar a esse estado sem guerras mundiais.

Pergunta: Se fizermos a escolha certa, evitaremos um apocalipse e desastres naturais?

Resposta: Sim, isso é assim, mesmo que uma pequena parte da humanidade entenda que a única maneira de evitar desastres naturais é seguir o método que nos é dado na sabedoria da Cabalá. Nós precisamos reconhecer que não há outra saída.

Pergunta: Qual é a razão para dar pancadas na humanidade se isso não for útil para o desenvolvimento?

Resposta: O acúmulo de sofrimento leva a humanidade a um estado em que ela começa a pensar no que fazer, ou seja, que os sofrimentos equilibram o ego humano.

Por exemplo, se uma criança não quer ir à escola, seus pais começam a limitar seus prazeres: eles tiram sua bola, depois sua bicicleta, e assim por diante, até que não lhe deixam a escolha senão aceitar ir à escola.

Mas mesmo nessa situação, a liberdade de escolha existe, a possibilidade de escolha permanece. Nos encontramos sempre com alguma limitação; a escolha é possível não só quando existe liberdade ilimitada.

Essa é a maneira pela qual a possibilidade de escolher a espiritualidade, entre recompensa e punição, existe em nós. Portanto, é nossa obrigação compreender todas as condições e circunstâncias que nos levam à situação única chamada “liberdade”.

Da Lição de Cabalá em Russo 10/07/16

Quando Os Desejos Desaparecem

laitman_565.01Pergunta: O que diferencia a liberdade no mundo espiritual e no mundo corpóreo?

Resposta: A liberdade no mundo corpóreo é a liberdade de todas as nossas necessidades egoístas: comida, sexo, família, conhecimento, poder e riqueza. Nós vemos que cada vez mais, o homem deseja estar livre dessas coisas.

Pergunta: Isso é possível? Pode uma pessoa estar livre do desejo de sexo e comida?

Resposta: Comida, sexo e família são três tipos de desejos animais do corpo físico. Eu vejo que hoje o homem está tentando libertar-se deles. Os jovens não estão particularmente interessados ​​em pratos gourmet, ficam satisfeitos com um cachorro-quente rápido na rua e pronto.

O sexo é uma noção relativa para eles. De acordo com as pesquisas, muitas pessoas nem querem se sobrecarregar com isso. A família há muito deixou de ser uma necessidade, algo que a sociedade precise, e a sociedade até encoraja essa atitude.

Os desejos animais são seguidos pelos desejos humanos: riqueza, poder, fama e conhecimento. Os jovens também estão perdendo o desejo por essas coisas, relativamente falando. A riqueza vai e vem. E não só a riqueza, tudo vai para algum lugar. Agora estamos passando por um período de transição que acabará em breve e um sistema de valores completamente diferente nos será apresentado.

A fama e o poder sempre vão juntos, mas eles deixaram de ser o que já foram com os grandes governantes. Em relação ao conhecimento, a ciência não sente por nenhum meio que seja o ápice dos ideais da humanidade, da realização.

Pergunta: Então, o que resta?

Resposta: Nada. Os valores estão sendo reavaliados de forma que nada do passado permaneça. O próximo estágio é uma busca: existe alguma coisa de valor em nossas vidas?

Nosso desenvolvimento se desenvolve a uma velocidade e em uma direção tal que todos os desejos estão começando a parecer vazios para nós.

A partir do nosso novo nível de desenvolvimento, vemos que eles não são importantes, que não nos satisfazem, não existem qualidades especiais neles. Suponha que eu tenha uma ótima refeição e passe a noite com alguém. Com quem? Qualquer um. Tudo isso está perdendo o significado muito rapidamente.

Observação: Muitas pessoas pensam assim: “Eu quero, eu simplesmente não consigo …”

Resposta: Uma pessoa pode obter qualquer coisa. Mas a juventude hoje não quer perder seu tempo realizando; enquanto que, no passado, os jovens entregavam suas vidas inteiras por isso! Décadas de trabalho árduo, estudos, emprego, poupança e tudo mais, para que?! Agora eles entendem que não há nada que “valha a pena”.

Por que eu deveria estudar, trabalhar, me casar, ter filhos e criar uma família? A fim de passar tudo para os meus filhos, e eles viverem do mesmo jeito? E daí? Não há nenhuma razão para essas ações. Hoje as pessoas estão se convencendo disso.

Pergunta: Então, qual é a escolha, como eu sei que estou no caminho certo?

Resposta: A Cabalá diz que uma pessoa tem que se elevar acima desses tipos de desejos, os desejos animais egoístas (alimentação, sexo e família), e os desejos humanos, que existem em nós além do nosso grau animal (riqueza, poder, fama, e conhecimento). Quando não há desejos e uma pessoa gradualmente se convence de que não é isso que lhe importa, ela enfrenta a questão: qual é, então, o sentido da vida? Para que serve? Não quero ser obrigada a estar nesses desejos. Então, por que eu deveria existir?

É quando ela enfrenta a questão sobre a próxima forma de desejo: existe algo maior do que isso? Existe um ideal que faça a vida valer a pena?

Da Lição de Cabalá em Russo 02/07/17