A Visão Do Mundo A Partir Da Dezena

laitman_234Quando o ponto no coração desperta em uma pessoa, ela anseia pelo Criador, mas ainda não se sente parte do sistema comum e não procura se conectar com outras pessoas. No entanto, gradualmente, sob a influência da luz que reformado, ela começa a sentir a necessidade de se conectar com os outros; em última análise, há uma alma e ela brilha igualmente para cada um.

A pessoa ainda precisa corrigir a percepção da realidade, porque sente o mundo totalmente diferente do seu vaso quebrado. Parece-lhe que todos nós existimos separadamente e que o mundo está dividido em muitas partes, de alguma forma conectadas entre si. No entanto, você deve ver o mundo como um, como integral, isto é, não conectado por algum tipo de fio, mas existindo como um todo.

Mesmo que estejamos conectados pelo desejo de receber, a restrição, a tela e a luz refletida, em outras palavras, mesmo que estejamos conectados através de algum tipo de tubo, ainda deve haver uma conexão entre nós, como se não houvesse limitações nessa conexão através dos tubos, os fios individuais. Esses tubos de conexão devem preencher todo o espaço, como se as ondas do mar penetrassem entre nós, nos conectando sem barreiras.

Então nos transformaremos em um único Kli, do jeito que era antes da quebra, mas através de um número infinito de telas. A atitude em relação ao desejo de receber será corrigida através do número infinito de atos individuais de superação, e alcançaremos uma conexão integral e contínua.

A visão de mundo da perspectiva da minha dezena e da minha perspectiva individual difere como se uma percepção da realidade fosse criada pelo Criador e por mim. Eu vejo o mundo na forma de pixels separados, em uma imagem em preto e branco.

Quanto mais pixels eu distingo, com mais formas e cores, mais clara e mais profunda é a minha percepção em todos os eixos: passado-presente-futuro e eu-o Criador-a alma comum. No entanto, tudo isso está na forma binária, no contraste da luz e da escuridão.

Quando nos aproximamos do estado em que a escuridão brilha como a luz e a luz e a escuridão se tornam um todo para nós, devemos perder a capacidade de ver qualquer coisa na antiga percepção, onde tudo se baseava na diferença, no contraste entre o preto e branco.

A percepção espiritual da realidade, no entanto, depende de quanto eu me anulo, eliminando a diferença entre luz e escuridão. Quero que a escuridão brilhe como luz em meus sentidos, o que é contra meu desejo de receber. Quero me elevar acima dele, para que a escuridão se pareça com meu novo desejo, armado com restrição, tela e luz refletida. Eu alcanço a percepção mais elevada da realidade, sentindo-a como o Criador.1

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 16/09/19, Escritos do Baal HaSulam, “600.000 Almas”

1 Minuto 12:45

Comente