UNESCO Contra Israel

Laitman_417Pergunta: O Comitê de Gestão da UNESCO aprovou uma decisão sobre Jerusalém que não mencionou a conexão dos Judeus e Israel com o Monte do Templo e o Muro das Lamentações.

O Monte do Templo é mencionado apenas e só como um lugar em que a Mesquita de Al-Aqsa se encontra e a área do Muro Ocidental (Muro das Lamentações, Kotel) é chamado de Al-Buraq Square, a praça de onde o profeta Maomé subiu ao céu. No mesmo documento eles afirmam que Israel está “ocupando” essa área.

A resolução formula uma demanda para o governo de Israel não limitar o acesso dos Muçulmanos à Mesquita de Al-Aqsa e também condena o governo de Israel pelas “ações ilegais contra a liberdade religiosa”.

A partir de sua familiaridade com a Presidente da UNESCO, Irina Bokova, como você explicaria a atitude dela em relação a nós?

Resposta: Essa é uma atitude completamente legal. Inconscientemente, o mundo está exigindo de nós o método para a correção de sua natureza. Uma vez que não estamos agindo nisso, eles nos culpam por tudo o que está acontecendo no mundo.

Nós tivemos que nos reunir na terra de Israel para levar a cabo a nossa missão de nos tornar um povo, como um homem com um coração, e viver de acordo com a regra geral, “E amarás o teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18), servindo, assim, como um exemplo para todos. Ao longo dos 70 anos de existência da nação, ainda não chegamos à realização do nosso destino, então não temos o direito a esta terra.

Comentário: Quando você se encontrou pessoalmente com os representantes da UNESCO, houve um bom entendimento mútuo entre vocês e reuniões calorosas que deveriam levar a mudanças na atitude para com a nossa nação.

Resposta: As atitudes apenas mudaram em uma direção negativa.

Eles ouviram de mim o que a sabedoria da Cabalá diz e sobre o que é a nossa organização, embora a realidade lhes mostre que a tendência é completamente oposta!

Pergunta: E onde está o apoio deles?

Resposta: Sobre o quê?! Tudo depende de nós. Nós somos o povo Judeu; cabe a nós chegar a um acordo mútuo, um elo mútuo, amizade, amor, conexão e unidade, apoio mútuo!

Mas a cada dia que passa, mais e mais partidos políticos surgem em nossa nação; separação e divisão acontecem porque ainda não implementamos a função para a qual existimos aqui.

Nós recebemos uma oportunidade de Cima para estabelecer uma nação aqui que irá mostrar a humanidade o futuro do mundo, mas se não realizarmos isso, não temos nada para fazer aqui! Nós não temos nenhuma possibilidade de reivindicar o direito a esta terra, porque não nos esforçamos pela amizade e amor entre nós, a criação da sociedade correta, e não somos um exemplo para o futuro da humanidade.

Por isso, é natural que os representantes da UNESCO tenham parado de levar em conta todas as nossas reivindicações para a terra de Israel. Eles aceitam os Palestinos porque não têm qualquer obrigação para com eles, mas não é conosco. Os Palestinos querem viver aqui, esta é a sua terra. Eles sentem que pertencem a ela mais do que nós e, na verdade, isso é assim.

Infelizmente o povo de Israel não está realizando o seu destino e por isso não há lugar para ele aqui.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 18/04/16

Comente