Textos com a Tag 'Torá'

“De Sião Sairá A Torá (Lei)”

239A terra de Israel é chamada de Sião, da palavra Yetzia, que significa sair de suas propriedades egoístas para as altruístas.

Além disso, está escrito: “De Sião sairá a Torá (lei)”. Isso significa que uma pessoa que começa a sentir uma saída de seu egoísmo tem condições de receber a luz superior, a revelação do Criador.

Esta luz superior é chamada de luz da Torá. Portanto, é dito que através das tentativas de sair de nosso egoísmo, a luz da Torá virá até nós.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 25/11/19

“Com O Suor Do Teu Rosto Comerás O Pão”

600.02Pergunta: Como você explicaria a expressão da Torá: “Com o suor do teu rosto comerás o pão”?

Resposta: A Torá se refere não ao corpo, mas ao componente espiritual do trabalho. Para corrigir o nosso egoísmo e fazer da pessoa um elemento social, que considera a conexão da sociedade e a equivalência com a natureza integral como um dos valores mais elevados, teremos que trabalhar muito seriamente e profundamente em nós mesmos.

O trabalho aqui não se limita a nada, e devemos fazê-lo. Sua implementação determinará o estado da humanidade na nova era.

Pergunta: “Com o suor do teu rosto” significa o trabalho interno de uma pessoa com seu egoísmo? Não usar outras pessoas em benefício próprio?

Resposta: Sim. E não só isso.

Pergunta: O que é “comerás o pão?”

Resposta: O pão simboliza a qualidade de doação, algo que devemos adquirir. No entanto, é muito difícil obter essa qualidade.

Pergunta: Eu, ao mesmo tempo, recebo prazer em doar aos outros?

Resposta: Pelo fato de você estar doando, porque você sente que a sociedade precisa de você, você cuida da sociedade. Tudo isso é nossa tarefa e nosso trabalho.

Pergunta: Isso significa que precisamos trabalhar duro em nosso egoísmo a fim de receber o prazer de doar às pessoas?

Resposta: Sim, mas não para receber prazer.

De KabTV, “A Era Pós-Coronavírus”, 04/06/20

“Em Que Idioma A Bíblia Foi Originalmente Escrita? Qual Foi A Precisão Da Tradução?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: “Em Que Idioma A Bíblia Foi Originalmente Escrita? Qual Foi A Precisão Da Tradução?

De acordo com a sabedoria da Cabalá, a Torá descreve o método completo para a realização do Criador.

A palavra “Torá” vem de duas palavras hebraicas, “Ohr“, que significa “luz” e “Hora’ah“, que significa “ensino” ou “instrução”.

A Torá é escrita na linguagem dos ramos. É uma linguagem que dá nomes às forças espirituais de acordo com suas correspondentes manifestações no mundo corporal. Portanto, embora muitos pensem que a Torá descreva eventos que ocorreram em nosso mundo, de uma perspectiva Cabalística, a Torá de fato descreve processos, estruturas e interações no que é chamado de “mundo espiritual” ou “mundo superior” onde existem apenas forças imateriais.

Por que os Cabalistas fizeram tais representações escritas de forças espirituais?

Para que os alunos que desejam alcançar a espiritualidade possam atrair a influência do mundo espiritual sobre si mesmos, lendo. Na Cabalá, essa ação é chamada atrair a Ohr Makif (luz circundante).

Ao atrair a luz circundante, passamos por correções de nossa natureza egoísta, transformando-a gradualmente na natureza espiritual altruísta. Assim, ficamos cheios da luz espiritual e percebemos o mundo espiritual conforme a correção do nosso ego.

Perceber o mundo espiritual significa sentir a eternidade e a perfeição que provêm da obtenção da equivalência de qualidades com o Criador. Em outras palavras, como o Criador é a qualidade de amor e doação, assim, atraindo a luz circundante sobre nós mesmos, nos tornamos mais parecidos com essa qualidade, mudando (ou “corrigindo”) nossa natureza egoísta oposta para nos tornarmos mais doadores como o Criador.

Se não tivéssemos esse método, permaneceríamos no nível animal da existência, onde nascemos, tentaríamos sobreviver e prosperar o máximo que pudéssemos enquanto vivos, e finalmente morreríamos – repetidamente.

Não alcançaríamos nenhum senso de eternidade, perfeição e conhecimento do Criador.

A linguagem dos ramos, que descreve as forças espirituais (“raízes”) com a ajuda de suas manifestações corporais (“ramos”), tem quatro variações. Em outras palavras, existem quatro tipos de linguagem dos ramos:

Tanach – uma linguagem de narração histórica,
Halacha – uma linguagem de leis,
Hagadá – uma linguagem de lendas,
Cabalá – uma linguagem científica mais próxima das raízes espirituais.

O Cabalista Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) explica mais detalhadamente a linguagem dos ramos em seu artigo, “A Essência da Sabedoria da Cabala”. A seguir, um trecho:

A LINGUAGEM DOS CABALISTAS É UMA LINGUAGEM DE RAMOS

“Isso significa que os ramos indicam suas raízes, sendo seus moldes que necessariamente existem no Mundo Superior. Isso ocorre porque não há nada na realidade do mundo inferior que não provenha de seu mundo superior. Tal como acontece com o carimbo e a marca, a raiz no Mundo Superior obriga seu ramo no inferior a revelar toda a sua forma e característica, como disseram nossos sábios, de que a fortuna no mundo Acima, relacionada à grama no mundo abaixo, golpeia-a, forçando-a a completar seu crescimento. Por isso, todos os ramos deste mundo definem bem seu molde, situado no Mundo Superior.

“Assim, os Cabalistas encontraram um vocabulário definido e anotado, suficiente para criar uma excelente linguagem falada. Isso lhes permite conversar entre si sobre as relações nas raízes espirituais nos mundos superiores, apenas mencionando o ramo inferior e tangível neste mundo que é bem definido para nossos sentidos corporais.

“Os ouvintes entendem a Raiz Superior à qual esse ramo corporal aponta porque está relacionado a ele, sendo sua marca. Assim, todos os seres da criação tangível e todas as suas instâncias tornaram-se para eles como palavras e nomes bem definidos, indicando as Altas Raízes Superiores. Embora não possa haver uma expressão verbal em seu lugar espiritual, como está acima de qualquer imaginação, eles conquistaram o direito de serem expressos pela expressão através de seus ramos, organizados diante de nossos sentidos aqui no mundo tangível.

“Essa é a natureza da língua falada entre os Cabalistas, pela qual eles transmitem suas realizações espirituais de pessoa para pessoa e de geração em geração, tanto boca a boca quanto por escrito. Eles se entendem completamente, com toda a precisão necessária para negociar na pesquisa da sabedoria, com definições precisas que não podem falhar. Isso ocorre porque cada ramo tem sua própria definição natural e única, e essa definição absoluta indica sua raiz no mundo superior”.

É Importante Entender O Que A Torá Diz

laitman_209A Torá descreve muitos eventos diferentes. Tudo isso pode ser apenas para alcançar o amor pelos seres criados, aproximar-se de outras pessoas e substituir seu ódio pelo amor? Por que isso está escrito na Torá, na instrução dada a nós pela força superior? Nós não entendemos isso.

De fato, não está claro como isso é possível, porque a experiência mostra que todos estão prontos para falar palavras bonitas, toda religião exige bondade e amor e, como resultado, toda a história da humanidade é acompanhada por ódio e guerras mútuas. É por isso que é tão importante entender o que a Torá diz. Ela descreve a única coisa que não aconteceu na história.

Baal HaSulam escreve que a Torá fala exclusivamente de uma coisa: sobre o “ama o próximo como a si mesmo”, ou seja, o amor das pessoas. Você precisa amá-las como se não houvesse mais nada além disso: amar toda a humanidade e todas as pessoas (algumas pessoas amam a humanidade, mas não amam as pessoas). Uma pessoa deve fazer tudo por amor e viver neste mundo apenas em prol disso.

O único objetivo da existência de uma pessoa neste mundo é trazer bem a todas as pessoas. A Torá descreve 613 ações de doação que uma pessoa deve realizar, e todas elas são em relação a outras pessoas, em relação ao próximo. Somente então uma pessoa observa a Torá, ou seja, corrige sua alma.

O rabino Akiva, o maior sábio dos tempos do Segundo Templo, disse que “Amar o próximo como a si mesmo é uma grande regra na Torá”, toda a sua essência. A Torá é destinada a alcançar o amor pelas pessoas.

O que devemos fazer para receber a Torá? Você deve querer recebê-la! Afinal, por que você precisa? Estudar a Torá significa estudar como amar o próximo. Você está pronto para isso, você realmente quer isso?

Pouco a pouco, começamos a entender que alcançar a grandeza do Criador, Sua revelação e alcançar o amor pelo próximo é a mesma coisa. O amor dos amigos e o amor das pessoas não podem ser menores que o amor do Criador, pois um está vestido no outro.

Este único mandamento sobre amar o próximo como a si mesmo inclui todos os mandamentos, isto é, todas as correções que uma pessoa deve fazer em seu desejo egoísta para trazê-lo à doação, tornando-se um completo justo. E dentro desse amor pelas pessoas, ele alcançará o amor pelo Criador.

Cada mandamento é uma correção de um desejo egoísta. Existem 613 desejos em uma pessoa, e todos são egoístas, e precisamos transformá-los em doadores.

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá, 27/05/20, Escritos do Baal HaSulam, “Matan Torá [A Entrega da Torá]”

Cabalá E Torá

Laitman_137Observação: Há um ditado que diz que a Cabalá é acrobática, que é preciso estudá-la somente depois de estudar a Torá, o Talmude e outras fontes primárias.

Meu Comentário: Os Cabalistas escrevem que isso depende apenas da pessoa. Se ela não tem desejo de espiritualidade, deixe-a estudar tudo, desde a Torá até o Talmude e assim por diante, isto é, até o estágio em que é atraída e vê que não precisa de mais. Se a pessoa inicialmente tem um desejo muito forte de conhecimento do Criador, ela imediatamente chega à Cabalá.

Pergunta: Não há proibição nisso?

Resposta: Não.

Pergunta: Essa é a opinião dos Cabalistas? Outros dizem que há uma proibição.

Resposta: Outros podem conversar. O que eles entendem nisso? A Torá é dada para nós compreendermos o Criador. Esta é sua propriedade, sua força, seu objetivo. Precisamos voltar ao Criador – para este estágio. Se alguém acredita que não tem força ou desejo para isso, então, basta estudar o que todo mundo está estudando, nada mais. Certa vez, eu trouxe mais de 40 alunos para o meu professor e todos aprendemos apenas material Cabalístico.

Pergunta: E ele não exigiu o conhecimento da Torá de vocês?

Resposta: Nenhum.

De KabTV, “Fundamentos de Cabala”, 29/01/19

O Significado Dos Livros Cabalísticos, Parte 4

laitman_587.01A Torá É A Linguagem Do Programa Da Humanidade

O Livro do Zohar, BeHaalotecha [Quando Você Montar as Velas], Item 58: Ai de quem diz que a Torá vem contar histórias literais e as palavras não instruídas de Esaú e Labão. Se é assim, ainda hoje podemos transformar as palavras de uma pessoa sem instrução em lei, e ainda mais agradáveis ​​que as delas. E se a Torá indica assuntos mundanos, mesmo os governantes do mundo têm entre eles coisas melhores, então vamos segui-los e transformá-los em lei da mesma maneira. No entanto, todas as palavras da Torá têm o sentido mais elevado.

O fato é que você pode escrever romances mais fascinantes do que a Torá. Mas ela apresenta uma história completamente diferente, que é codificada.

Cada letra, cada palavra, tudo o que aparece na Torá, da primeira letra “ Bet – ב” até a última letra “Lamed – ל” é um código. A palavra “letra” traduzida do hebraico significa “sinal”. Isto é, são certos sinais que se seguem em uma sequência.

A Torá não tem divisão em palavras. Não há sinais de pontuação: pontos, vírgulas, hifens, etc. Ela representa uma frase do começo ao fim, sem divisão em nenhum intervalo. Nesse sentido, a linguagem da Torá é um pouco como a linguagem de computador. É a linguagem do programa da humanidade, que deve cumpri-lo.

Cada letra da Torá é um sinal que uma pessoa deve expressar em si mesma, em suas propriedades. O que significa ler a Torá corretamente? Eu pego cada sinal, cada letra e me formato de acordo com isso: um formato, um segundo formato, um terceiro.

Depois, eu passo por certos estados. São esses estados que eu experimento desde o início da Torá até o fim que de mim formam um Adam, um ser humano, que é completamente semelhante ao Criador.

A Torá é um programa segundo o qual cada pessoa a lê corretamente, como se esculpisse cada letra em seu desejo egoísta. Então, esses desejos são gradualmente transformados em propriedades, ações e estados altruístas, e uma pessoa alcança sua completa equivalência com o Criador.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 18/12/18

A Torá De Israel: Unificação

laitman_567.04Baal HaSulam escreve no artigo “O Shofar do Messias”: Aceitamos que há uma precondição para a redenção – que todas as nações do mundo reconhecerão a lei de Israel, como está escrito, “e a terra se encherá do conhecimento”, como no exemplo do êxodo do Egito, onde havia uma pré-condição de que o Faraó também reconhecesse o verdadeiro Deus e Suas leis, permitindo-lhes partir.

O próprio Faraó abriu a porta para o êxodo do Egito, com intenção em prol de si mesmo, e permitiu que as pessoas, especialmente o povo de Israel, saíssem do egoísmo, a escravidão egípcia. O Faraó fez isso sozinho; ele é o oposto do próprio Criador, ele é o seu lado inverso. Da mesma forma, devemos espalhar a sabedoria da Cabalá como um pré-requisito para a redenção, de modo que todas as nações aprendam sobre os ensinamentos de Israel e a Terra seja preenchida com o conhecimento do Criador.

Até mesmo o Faraó é obrigado a reconhecer o verdadeiro Criador e Seus mandamentos, isto é, a necessidade de agir não sob as ordens do Faraó em prol de si mesmo, mas em prol da doação, e permitir que a pessoa vá embora. Isso significa que uma pessoa entende que isso é certo e verdadeiro, não há escolha, e deve mudar. Esse entendimento deve se espalhar pelo mundo como resultado da disseminação da sabedoria da Cabalá.

Agora a situação é exatamente o oposto: o antissemitismo está crescendo, as pessoas do mundo querem eliminar o estado de Israel. Elas devem ser levadas à sabedoria da Cabalá até que todas as nações ouçam e reconheçam que a sabedoria do Criador está no meio de Israel. Esta é a nossa tarefa, caso contrário, não poderemos avançar. Nossa tarefa é começar este trabalho e a força superior o terminará.

Essa foi a condição para a redenção de todos os seus exílios e especialmente este, o último. A situação está se desenvolvendo em uma taxa catastrófica, tornando-se cada vez mais ameaçadora. Nós não podemos escapar de nossa missão, o Criador nos forçará a cumpri-la por todos os meios. Afinal, é uma lei que a sabedoria da Cabalá deve se espalhar pelo mundo para que todas as pessoas entendam o método de correção. Pelo menos elas devem saber que o povo de Israel tem um método para se livrar de todos os problemas e problemas do mundo físico.

Todos os dias a situação no mundo nos leva a isso mais e mais. Já é claramente percebido que a força superior age sobre nós e cria condições que são ilógicas do ponto de vista das representações terrenas. Quanto mais próximas as forças e leis espirituais se aproximam de nosso mundo, mais extremas as condições se tornam, cuja realidade é simplesmente impossível de acreditar.1

Estamos agora em um estado de transição entre o exílio e a libertação, quando é tão crucial disseminar a sabedoria da Cabalá no mundo e especialmente para o povo de Israel. Saímos do exílio, mas não conseguimos a redenção: acabamos de receber essa oportunidade e esta é a hora de nos prepararmos para ela. Portanto, precisamos espalhar a sabedoria da Cabalá para o povo de Israel através de todos os canais possíveis. Não podemos perder este momento.

As pessoas devem entender que é impossível alcançar a correção do mundo por qualquer outro meio, exceto, em primeiro lugar, através da unificação do povo de Israel, do qual essa unidade se espalhará para o mundo inteiro. O mundo precisa disso mais e mais a cada dia.

A unificação é a Torá de Israel. A saída do desejo de desfrutar em prol de si mesmo, isto é, do ódio mútuo, é chamada de redenção.2

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 27/07/19, A Importância de Disseminar a Sabedoria da Cabalá para o Mundo
1 Minuto 01:30
2 Minuto 08:50

Por Que O Dia Da Tradução Da Torá É Considerado Um Dia De Luto?

Laitman_137Pergunta: Por que o décimo dia do mês de Tevet, o dia da tradução da Torá do hebraico para 70 idiomas, é considerado um dia de luto? Supostamente, neste dia, a Torá foi removida de seu lugar. O que isso significa?

Resposta: Porque esta tradução privou a Torá da sua verdadeira base espiritual, da sua verdadeira forma, apenas uma tradução superficial permanece. Mesmo de forma puramente didática, ela não poderia ser exata, sem mencionar o fato de que a parte espiritual não pode ser traduzida para nenhum idioma.

Mesmo o hebraico não é uma língua, mas um código – letras que se seguem em uma certa sequência, de acordo com certas regras. Elas não podem ser rearranjadas. Em cada palavra, há uma certa raiz de duas ou três letras, chamada “Binyan” (estrutura).

E quando o hebraico é traduzido, tudo isso é descartado e praticamente nada resta da língua. Uma pessoa toma uma simples tradução de uma palavra, uma propriedade do nosso mundo, embora não diga nada sobre coisas materiais, e lhe dá algum tipo de cópia do nosso mundo.

Pergunta: Quantas discussões existem em torno do fato de que uma mulher foi supostamente criada a partir da costela do homem, ou que os chifres de Moisés estavam brilhando? Tudo isso por causa de uma tradução incorreta?

Resposta: Você não pode fazer nada. Esse é um problema.

Pergunta: A humanidade, subindo de volta ao mundo espiritual, retornará a Torá ao seu lugar?

Resposta: Não temos nada para retornar! A Torá não caiu, não quebrou e nada aconteceu com ela.

A Torá é um retrato do dispositivo do mundo superior. Uma pessoa que começa a se envolver nela e a se elevar compreende esse dispositivo.

Mas quando ela pensa que esse dispositivo já está em seu bolso na forma de um livro, nem mesmo escrito em hebraico, mas em uma tradução que não tem significado espiritual, ela percebe a Torá como meras histórias. Quando ela lê que no princípio Deus criou o céu e a terra, ela pensa: “Eu sei o que é o céu. Eu sei o que é a terra. Vamos continuar lendo”.

Portanto, uma pessoa que não deseja “dissecar” a si mesma não deve ser permitida no mundo espiritual.

Da Lição de Cabalá em Russo 06/01/19

Torá E Vogais

Laitman_507.05Pergunta: As vogais são usadas em hebraico: nekudot – pontos acima das letras que indicam a pronúncia correta das vogais. Há um relato de que elas foram desenvolvidas por uma família de Tiberíades após a destruição do Templo, a fim de preservar o som da Torá. Mas nós estudamos que as vocalizações vocálicas são as luzes que estão acima da letra, ou seja, acima do Kli (vaso) ou sob o Kli.

Os nekudot foram inventados pela família de Tiberíades para registrar a Torá? Afinal, a própria Torá foi escrita sem nekudot.

Resposta: Não importa. Na Torá, não há realmente muitos sinais necessários para sua leitura. Afinal, quando você lê a Torá, você deve reproduzi-la com todos os seus instrumentos externos e internos.

Isto é, eu devo saber como canto o texto, como atribuo entonação a cada sentença, onde posso fazer uma pausa e onde é proibido. Afinal, uma pessoa não pode ler o texto de uma só vez.

Além disso, a leitura da Torá é diferente da leitura usual quando você leva o ar para os pulmões, lê algo em voz alta e libera o ar. Ao ler a Torá, eu devo administrar meus pulmões como um órgão numa catedral. Eu pressiono certas partes dos meus pulmões, que consistem em cinco partes. Depois disso, ligo as cinco partes do aparelho de reprodução: a laringe, a garganta, a boca, os lábios e os dentes.

Portanto, as letras hebraicas são uma forma abreviada dos enormes e poderosos dados que uma pessoa recebeu para ler.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/01/19

Residentes Do Sul De Israel Exigem Tranquilidade

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 15/11/18

Moradores do sul de Israel estão certos em protestar. Eles exigem tranquilidade e eu concordo com a dura crítica deles à liderança de Israel. Sua disposição de permanecer em seus abrigos para permitir um ataque temporário que traga sua vida normal de volta atesta como eles estão cansados.

Israel deve dar um golpe decisivo na infraestrutura do terror na Faixa de Gaza: exigir que o Hamas desmonte suas armas e pare seu domínio no solo. Esmagar o terror completamente e impedir que ele levante a cabeça. Assim, no mínimo, obteremos relativa tranquilidade nos próximos anos e permitiremos que as crianças do sul durmam sem medo.

Infelizmente, a atual rodada de foguetes provou mais uma vez o que aprendemos ao longo da história: uma organização terrorista jihadista entende apenas a força. Eles não estão interessados ​​em chegar a um acordo ou reconciliação conosco. Não importa se levantamos o cerco, abrimos a fronteira, permitimos a infraestrutura, pressionamos por ajuda internacional ou injetamos milhões de dólares em dinheiro. Assim, não temos escolha a não ser responder com tanta força que vai paralisar a capacidade do Hamas de nos prejudicar.

Eu não peço guerra, e certamente não quero prejudicar a população inocente de Gaza. Mas enquanto estivermos no meio de uma batalha contínua, devemos responder com toda a severidade e manter a vantagem; como está escrito: “quem vem para matar você, levanta cedo para matá-lo primeiro”.

A fraqueza de nossa liderança revela até que ponto sua visão foi distorcida, tentando continuamente convencer o mundo de que Israel é moral e justo. O mundo, no entanto, não está impressionado. Pelo contrário, a mídia internacional continua a pintar uma imagem falsa da realidade em Israel. Só é preciso olhar para a imprensa europeia, por exemplo, para notar as manchetes que retratam Israel como o agressor, depois de um dia com quase 500 foguetes disparados contra civis israelenses. Portanto, o que o mundo pensa não pode ser levado em consideração por nossos líderes.

Não há dúvida de que a próxima rodada será mais dolorosa. Demos um passo sério para trás, contra nós mesmos e contra a segurança de nossos filhos. O Hamas, por outro lado, está comemorando seu sucesso em provocar um terremoto político em Israel, após a renúncia do ministro da Defesa. Eles – e o mundo inteiro – concluíram que Israel é fraco.

No entanto, eu relaciono nossa fraqueza a um único fator: a falta de alicerce espiritual no povo de Israel. Ao contrário de qualquer outro povo ou nação do mundo, somos obrigados a lutar em duas frentes: a física e a espiritual. Temos que proteger a segurança de nossos moradores e defender nossas fronteiras com grande fervor; e ao mesmo tempo, devemos atacar nossa divisão a todo custo. Esta é a verdadeira guerra para Israel.

Todos nós tomamos parte na frente espiritual, e agora fomos pegos de surpresa. Nós devemos alcançar um cessar-fogo entre nós. Este é o fogo que convida nossos inimigos a entrar em nossa casa e fazer o que quiserem.

Todos nós sem exceção – líderes e soldados, políticos e cidadãos, direitistas e esquerdistas, religiosos e seculares – devem estar vigilantes contra o inimigo dentro de nós, a serpente que nos separa uns dos outros. Somente quando unirmos forças contra nossa própria divisão, despertaremos a base espiritual de nosso povo.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, a conexão espiritual entre nós é a nossa única salvação. Ela irá construir um muro contra nossos inimigos. E o mundo inteiro está inconscientemente esperando pelo poder que reside na unidade de Israel. Até mesmo o Hamas.