Textos na Categoria 'Sociedade'

O Segredo Da Igualdade Universal

600.02Pergunta: O que é igualdade entre as pessoas?

Resposta: Se construirmos uma sociedade de tal forma que uma pessoa tenha satisfação dela: “Eu fiz, e todo mundo vê, todo mundo sabe, todo mundo me entende e me agradece”, então não há maior prazer para essa pessoa. Ela estará pronta para trabalhar de manhã à noite. Só é necessário construir adequadamente uma rede de relações públicas.

Não haverá igualdade nunca e não há necessidade. Não é programado por natureza. Também não existe na matilha de animais. Que igualdade existe aí? Há um líder, seguido por um par de machos ajudando-o, e todos os outros o seguem. A igualdade não é programada por natureza. A igualdade é niveladora, é a morte.

Comentário: Mas você diz que a última geração deve ser construída sobre os princípios da igualdade.

Minha Resposta: Igualdade significa que todos têm o mesmo direito de se realizar de acordo com suas habilidades e capacidades naturais. Todos devem ter igualdade na realização, na oportunidade de se expressar.

Digamos que nasci em uma família de pessoas ricas e fortes, e alguém nasceu em uma família de pessoas fracas e pobres. Isso não importa. Deve haver igualdade na oportunidade de avançar e não no fato de que todos foram aparados do mesmo tamanho.

A próxima etapa será realmente assim. Quando uma pessoa começar a receber apenas recompensa espiritual e isso será suficiente para ela, quando ela perceber que para uma existência normal ela não precisa mais do que o que seu corpo animal exige e tudo o mais será revelado a ela como uma recompensa espiritual, uma conexão com um poder superior, com a eternidade, harmonia e perfeição, então as próprias pessoas irão conscientemente deixar de se interessar por algum tipo de recompensa terrena.

Elas não precisarão de nenhuma medalha, nenhum dinheiro extra, nada, e todas as recompensas serão espirituais porque a conexão com o Criador será aberta diante delas.

De KabTV, “Close-Up”

O Sistema Judicial Precisa Ser Destruído

294.2O Significado do Ubuntu“Em certas regiões da África do Sul, quando alguém faz algo errado, ele é levado ao centro da aldeia e por dois dias fica cercado por sua tribo, enquanto falam de todo o bem que ele fez. Eles acreditam que cada pessoa é boa, mas que às vezes cometemos erros, o que é realmente um pedido de ajuda. Eles se unem neste ritual para encorajar a pessoa a se reconectar com sua verdadeira natureza. A crença é que a unidade e a afirmação têm mais poder de mudar o comportamento do que a vergonha e o castigo. Isso é conhecido como Ubuntu – humanidade para com os outros”.

Pergunta:  O que você acha desse método de educação?

Resposta: Este é um método muito poderoso. Imagine ficar sentado por dois dias ouvindo coisas boas sobre você, sabendo que todos sabem o que você fez. Seria melhor se eles batessem em você!

Um homem se devora: “Como eu pude fazer isso?! Esta era a opinião deles sobre mim! E qual é a opinião deles sobre mim agora sabendo o que fiz?!” Esta é uma punição dupla.

Pergunta: E por que a humanidade não adota isso? Uma tribo primitiva prática, perto da natureza …

Resposta: As tribos primitivas eram muito mais elevadas do que nós e permanecem assim.

Elas entendem como uma pessoa pode ser encorajada e colocada em um bom lugar, como torná-la um membro normal da sociedade e colocá-la de volta no estado certo. Este é o único caminho, educação por influência social.

Pergunta: Por que não adotar isso? Dê uma chance.

Resposta: Não temos essas sociedades. Nossa sociedade é puramente egoísta; visa apenas a censura, a repressão, até mesmo ao ponto de assassinato. Portanto, não podemos ter tal coisa.

Pergunta: E como a sociedade do futuro lidará com isso?

Resposta: A sociedade do futuro está atrás de correção! Claro, isso já terá um efeito diferente nas pessoas. Mas apenas por meio do amor, da comunicação certa, da influência certa. Para levar uma pessoa para dentro de você, para aquecê-la por dentro, para que ela sinta a boa influência da sociedade.

Pergunta: Você está falando sobre um criminoso que cometeu um crime?

Resposta: Sim. Então ele vai sentir o que pode perder e entender como os outros pensam bem dele e querem colocá-lo entre si, salvá-lo e assim por diante.

Pergunta: Mas não penso bem dele, penso? Eu o odeio, ele é um criminoso?

Resposta: Não, então não funcionará.

Comentário: Estamos falando de um passo sério para a humanidade. Devíamos organizar expedições lá, para esta sociedade.

Minha Resposta: Não vamos entender! A sociedade de hoje não é capaz de perceber corretamente essa atitude das pessoas entre si.

Pergunta: Qual é, então, o futuro de nosso sistema judicial?

Resposta: Nosso sistema judicial pode dar o único passo certo; enterrar-se. Eu digo isso com absoluta clareza, calma e firmeza. Esse não é um sistema judicial. Não há nada pior em nossa sociedade do que juízes e tudo o que eles fizeram.

Pergunta: Então eles arruinaram seus próprios destinos e os de outras pessoas?

Resposta: Totalmente tudo!

Pergunta: Como a humanidade pode sair disso?

Resposta: Somente pela correção da qual estamos falando. Faça os juízes passarem pelo sistema de treinamento e correção, para que eles não pensem que se têm algum livro em suas mãos que foi escrito por todos os tipos de pessoas inteligentes, este livro é infalível, e se eles o seguirem, podem julgar todos.

Pergunta: Por qual lei os juízes corrigidos devem trabalhar?

Resposta: A Torá está no centro do julgamento, da carta e das disposições legais. E então precisamos tomá-la em sua verdadeira forma, tentar entendê-la e começar a segui-la. Caso contrário, nada funcionará.

Pergunta: Quando você diz “Torá”, todos imaginam o livro da Torá. O que você quer dizer quando afirma que a Torá é a base?

Resposta:  Ame seu próximo como a si mesmo. Essa é a lei principal. E tudo o mais vem disso.

Pergunta: Então, esse princípio deve estar na vanguarda de todas as leis para todos?

Resposta: Sim.

Pergunta: É possível?

Resposta: Teremos que fazer isso de qualquer maneira. Mas quando? Isso já é um problema.

Pergunta: E quando, o que você acha?

Resposta: Quando pudermos entender como os juízes devem ser. E não concordaremos com a visão que eles representam hoje.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 08/03/21

A Vida Da Geração Futura

278.03Pergunta: Como podemos transmitir informações sobre a força integral e a sociedade integral para o tipo de pessoa que não precisa do trabalho espiritual como tal, mas, mesmo assim, existirá na sociedade do futuro?

Resposta: Tenho certeza de que a humanidade será dividida em dezenas porque esta é a forma ideal de ensinar e unir as pessoas. Assim, todas as pessoas receberão educação integral e serão capazes de perceber a natureza por meio da dezena, com base no princípio de amar o próximo como a si mesmo.

Esse é o princípio não apenas de bons relacionamentos, mas de mudar a percepção que todos têm do mundo. Portanto, todas as pessoas serão capazes de entender em que tipo de mundo estão, no qual a natureza é um único sistema. Hoje falamos sobre isso teoricamente, mas na prática, não sentimos assim porque cada um vive em sua própria individualidade egoísta.

Assim como existem pessoas no mundo material que estão engajadas na teoria da informação e controle e aquelas que trabalham em empregos simples e não sabem nada sobre isso, também haverá pessoas interessadas em compreender o sistema superior de governança e a natureza integral global em geral.

A sabedoria da Cabalá diz que toda a humanidade passará gradualmente pelo estágio de subida à percepção correta da realidade. Então poderemos construir realmente nossa vida de acordo com a forma como a percebermos. Essa será a vida da geração corrigida, onde todos nós compreenderemos nossa existência como um todo integral em uma natureza integral e construiremos nossas vidas de acordo com ela.

Além disso, essa vida será completamente diferente da vida material porque, ao mesmo tempo, perceberemos uma realidade diferente além do tempo, espaço e quaisquer restrições egoístas que ditam nossa realidade para nós hoje.

De KabTV: “A Ciência da Gestão”

“Qual É O Melhor Tipo De Igualdade?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É O Melhor Tipo De Igualdade?

As pessoas são diferentes por natureza. Dessa forma, não devemos exigir o mesmo esforço de pessoas naturalmente preguiçosas do que de trabalhadores árduos, nem os mesmos resultados de pessoas altamente inteligentes do que de pessoas com níveis mais baixos de inteligência, nem de pessoas atraídas pela tecnologia e daquelas atraídos pela educação, cultura e/ou outros campos.

As pessoas diferem e, portanto, é impossível exigir igualdade de todos.

Também somos incapazes de reconhecer e medir as qualidades naturais de cada pessoa por direção e tamanho. Ao exigir os mesmos resultados de todos, tentamos espremer todos em um esquema. Em outras palavras, queremos “encurtar” ou “esticar” cada pessoa, para que todas caibam exatamente do mesmo tamanho. Isso está simplesmente errado.

Além disso, as nações diferem em cultura, educação, religião e desenvolvimento. Cada nação tem seu lugar e deve ser respeitada em seu lugar. Afinal, cada indivíduo é único em sua própria maneira.

Por isso, devemos levar em consideração as limitações e as características distintivas de cada pessoa. Se preservarmos essa igualdade, ou seja, a igualdade de oportunidade de cada indivíduo de se expressar da maneira mais eficaz em relação à humanidade, iremos abolir as interrelações egoístas e criar relações altruístas e iguais. Ao fazer isso, descobriremos nossa máxima individualidade e singularidade como membros benéficos da humanidade, e alcançaremos um estado onde viveremos e nos desenvolveremos da maneira mais favorável.

Baseado em uma Q&A com o Cabalista Dr. Michael Laitman em 9 de setembro de 2006.

Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

“Qual É A Melhor Forma De Avaliar Uma Pessoa?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É A Melhor Forma De Avaliar Uma Pessoa?

Devemos valorizar apenas as aspirações e esforços que são direcionados para o benefício da humanidade; não para o nosso próprio benefício, o benefício de nossa nação ou nossa família – mas apenas para o benefício da humanidade. Se respeitarmos essa direção de aspiração e esforço, veremos o quanto superamos nossa natureza egoísta em prol de pertencer e contribuir para o mundo.

Eu acho que todas as pessoas devem superar seu desejo egoísta. Se cada um de nós contribuir dessa forma, devemos merecer a gratidão e o respeito da sociedade em resposta. Todos devem valorizar e ser gratos às pessoas de acordo com o grau de sua contribuição social.

Somos criados de tal forma que precisamos do reconhecimento da sociedade. É assim que, em essência, expressamos nosso “eu”. Se organizarmos uma sociedade que respeite e valorize seus membros por sua contribuição social, essa sociedade protegerá seus membros e responderá à sua contribuição para a humanidade. Fazendo isso, capacitaremos cada pessoa a se tornar um membro ativo da humanidade. Veremos apenas aspectos positivos de cada pessoa em relação a toda a sociedade humana; veremos o tipo de contribuição que cada pessoa adiciona.

É por isso que devemos estabelecer tais leis em nossa sociedade, onde cada um de nós seja avaliado apenas de acordo com sua contribuição para a humanidade. Se avaliarmos as pessoas por esses critérios, se cada um de nós souber que os outros nos avaliam e nos tratam precisamente desta forma, não teremos escolha a não ser nos tornarmos células saudáveis ​​no corpo geral, ou em outras palavras, cada um de nós perceberá nossa utilidade máxima para a humanidade.

Baseado em uma Q&A com o Cabalista Dr. Michael Laitman em 9 de setembro de 2006.

Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

“A Tarefa Que A Humanidade Enfrenta” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Tarefa Que A Humanidade Enfrenta

Existem inúmeras tarefas que a humanidade enfrenta: Temos que compensar nossa influência negativa no clima, garantir que todos tenham água potável, cuidados de saúde mínimos e alimentos básicos. Também temos que cuidar de milhões, senão bilhões de pessoas oprimidas em todo o mundo, pela crescente desigualdade entre os que têm e os que não têm, pela depressão de tantas pessoas que parecem ter tudo, mas não conseguem encontrar satisfação em vida, e assim por diante. Como podemos lidar com todos esses problemas? A resposta curta é: “Não podemos!” A resposta (um pouco) mais longa é: “Não podemos porque estamos lidando com os problemas separadamente, em vez de procurar sua causa comum. Se lidássemos com ela, resolveríamos todos eles, e rapidamente”.

Até agora, não vi ninguém procurando seriamente a causa principal de tudo o que está acontecendo. Será que todos os nossos problemas, sociais, emocionais, ambientais e políticos, nada têm em comum? Isto é, a única coisa obviamente comum a eles é o homem, mas o que há no homem que está causando esses problemas? Coisas diferentes sobre nós estão causando os diferentes problemas ou estes são decorrentes de uma falha principal?

De tudo que aprendi na ciência e na Cabalá, tudo está conectado. A cibernética, o campo da ciência que estudei, ensina como lidar com sistemas. Relaciona-se a tudo como um sistema cujas partes são interrelacionadas e interdependentes. A sabedoria da Cabalá diz exatamente o mesmo. A conclusão natural deveria ser, portanto, que o problema está no sistema em que vivemos, o sistema que conecta a todos nós.

Em outras palavras, se consertarmos as conexões entre as partes do sistema, o sistema funcionará bem, alcançará equilíbrio ou homeostase, para usar uma linguagem mais científica, e nossas vidas correrão bem. A causa principal de nossos problemas, portanto, não é com cada parte individualmente, mas com as conexões entre elas.

Atualmente, essas conexões são negativas. Isso significa que as partes estão se esforçando para se desconectar do sistema ou assumir o controle do sistema. Se você tomar nosso cérebro como exemplo, seria como se um neurônio em nosso cérebro tentasse se desconectar de todos os outros ou, alternativamente, dominá-los. Esse cérebro seria funcional?

A humanidade é como o cérebro do mundo em que vivemos. No entanto, somos tão disfuncionais quanto o cérebro no exemplo que acabei de dar; é por isso que nosso planeta e nossas vidas estão parecendo tão sombrios.

Se quisermos mudar o mundo em que vivemos, mudar nossa sociedade e mudar nosso próprio futuro daquele que está atualmente reservado para nós, para o futuro glorioso que podemos ter, temos que consertar nossas conexões. E como são nossas conexões que precisamos consertar, só podemos fazer isso juntos, por meio de uma decisão mútua de mudança. Quanto maior o número de pessoas que entendem a gravidade do problema de nossas conexões negativas, mais todos nós iremos querer mudá-lo. E quanto mais quisermos mudar nossas conexões, mais fácil será de conseguir.

Portanto, há dois estágios no processo de cura: 1. Conscientização, 2. Cura. Atualmente, poucas pessoas estão cientes da causa singular de nossos múltiplos problemas. É por isso que nossa principal tarefa no momento é espalhar a palavra de que, ao transformar nossas conexões de negativas em positivas, vamos mudar o mundo e mudar nossas vidas. Assim que um número suficiente de pessoas perceber isso, o estágio 2 começará, e será muito mais fácil e rápido do que o estágio 1.

“Sem Sentido E Sem Sinceridade No Remorso” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Sem Sentido E Sem Sinceridade No Remorso

Parece que estamos na era do remorso. Policiais na América estão se ajoelhando diante dos negros americanos; Emmanuel Macron reconheceu “o uso que seu país fez da tortura na Guerra da Argélia” e, mais recentemente, admitiu a “culpa da França pelo genocídio de Ruanda”. Também recentemente, “a Alemanha reconhece oficialmente o genocídio da Namíbia da era colonial” e, alguns anos atrás, o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau se desculpou “pelo abuso e ‘perda cultural profunda’ nas escolas indígenas”.

Essas desculpas mimam o ego das pessoas, mas não produzem resultados positivos. Se muito, vai criar, e já está criando, uma distorção em direção ao outro extremo. Pior ainda, a compensação financeira oferecida como recompensa apenas agravará os problemas das nações vítimas. Isso vai arruinar seu estilo de vida sem dar a elas uma alternativa sustentável. Se quisermos ajudar os países em dificuldades, e devemos querer porque fazem parte da família das nações, devemos investir na educação para o humanismo, para a solidariedade, para a responsabilidade mútua. Esta é a maneira de construir nações prósperas, e não simplesmente inundando-as de dinheiro.

O regime do apartheid na África do Sul era errado, injusto e racista e deveria ter sido revogado, como finalmente foi. No entanto, como aconteceu sem primeiro educar os libertados, os resultados foram horríveis. No final do Apartheid, o rand, a moeda da África do Sul, era pouco mais de 3,5 por 1 dólar americano. Em 2018, a taxa de câmbio era de 13,2 rands por dólar. Da mesma forma, o PIB per capita despencou de US$ 13.000 ao final do regime do Apartheid para US$ 4.100 em 2018.

Mesmo para os opressores, um pedido de desculpas não é a solução. Nunca pode ser um pedido de desculpas sincero, já que o ego nunca vai admitir que fez algo errado, então se as pessoas estão oferecendo desculpas por erros passados, elas são falsas, e a falta de sinceridade impede a correção real. Além disso, quando os países buscam dinheiro como recompensa, e nada mais, não é um pedido visando o benefício da população.

A única maneira de elevar as pessoas de seu nível atual para um nível superior é a educação. E por educação entendo antes de tudo a educação ao humanismo, à solidariedade e à responsabilidade mútua. Assim que um país conseguir isso, tudo mais se encaixará.

Como Protegemos Nossas Crianças

586Pergunta: O Dia Internacional da Proteção da Criança é celebrado desde 1925 “para chamar a atenção dos adultos para a observância dos direitos da criança, a educação, a proteção contra a violência e o direito à vida”.

O que significa para você proteger as crianças?

Resposta: Em primeiro lugar, dos pais. Para que os pais saibam como criá-las. Eu também sabia muito pouco sobre isso, embora tentassem incutir tudo em mim. Posso sentir como é insuficiente. Como você pode transformar um jovem casal que nada sabe e nada entende em pessoas que sabem e entendem tudo quando têm um filho?

Isto é um grande problema. É aqui que realmente temos que fazer algo conosco. Caso contrário, nossa sociedade, nossa humanidade, permanecerá tão miserável quanto parece agora.

Os pais precisam saber como fazer deste bebê uma pessoa. Primeiro, você precisa entender desde o primeiro dia o que você quer dar a ele, o que ele precisa e o que ele quer de você. Esta é uma conexão não verbal – mental, espiritual, neural. Aquela que deveria ser entre o casal e o recém-nascido.

Então você precisa dar aos pais a educação necessária, o cuidado de que precisam para educá-los corretamente. Tudo o que é necessário para duas pessoas que têm um filho nos braços.

Pergunta: Então, ser pai ou mãe é uma ciência completa?

Resposta: Claro! E não preparamos as pessoas para isso. Portanto, não podemos dizer que vemos entre nossos bebês, crianças, adolescentes, meninas e meninos, à medida que crescem, as pessoas que poderíamos potencialmente ver.

É tudo culpa nossa. Então começamos a culpá-los, repreendê-los, exigir deles, empurrá-los. Esta não é a maneira de fazer isso. Então é tarde demais.

Precisamos também aproximar um pouco mais as relações na família, na escola, na rua, em todos os lugares. Uma criança não deve sentir que essas sociedades são completamente opostas. Tudo deve ser homogêneo. Aqui é preciso mudar a sociedade também.

Comentário: Este já é o “Dia de uma Sociedade Unificada” e não o “Dia da Proteção das Crianças”.

Minha Resposta: Esta é a proteção das crianças. Da sociedade.

Este é realmente o nosso trabalho, porque do contrário nossa educação nos levará ao desastre. Tudo o que você vê em adultos é tudo feito em uma idade em que eles tinham talvez alguns meses ou alguns anos no máximo.

O Dia Internacional da Proteção da Criança é um bom dia se concordarmos em criar uma atmosfera para elas, um ambiente, que as apoie e formate corretamente, as transforme em uma pessoa, uma pessoa boa, uma pessoa gentil, atenciosa e prestativa, uma pessoa que quer ajudar e aceita a ajuda de outras pessoas.

Deve haver uma atitude gentil e uniforme em relação a todos.

Pergunta: Este é o mérito apenas dos pais e da sociedade?

Resposta: Sim. Então poderemos ver como tudo realmente muda.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 27/05/21

O Fim Do Mundo Virá?

629.4Comentário: Igor escreveu um comentário sobre um de seus vídeos sobre a última geração: “Você veio com um nome terrível, a última geração. Mas eu gosto desse nome. Sim, somos a última geração porque o fim do mundo se aproxima. E estou feliz com isso”.

Minha Resposta: Não sei o que ele imagina como o fim do mundo. Eu realmente retrato o fim do nosso mundo.

A última geração é a última geração do egoísmo, a última que existe neste egoísmo, neste relacionamento terrível entre as pessoas, etc. Então a próxima geração virá. Não é a última; é a primeira geração do novo mundo.

Ainda somos a última geração. Devemos reconhecer o mal de todos os nossos estados anteriores e simplesmente jurar que nunca mais o usaremos.

Pergunta: Esta geração deve perceber o mal do egoísmo?

Resposta: Sim. Tanto é que nunca mais voltará a ele para que essa impressão do reconhecimento do mal permaneça nela e sirva de suporte correto, de solo para germinação de uma nova geração.

Pergunta: Qual é o seu trabalho? Fazer as pessoas entenderem e aceitarem isso?

Resposta: Para informá-las de que somos egoístas, que devemos nos elevar acima disso, que devemos tomar a força positiva da natureza como a base de nossa existência e não o mal, não a força negativa da natureza. E assim seguir em frente.

Pergunta: Quando essas pessoas fazem perguntas, fica claro para que lado estão levando, que haverá um apocalipse, o fim do mundo, está escrito em muitos livros sagrados. O que isso significa? Qual é o fim do mundo?

Resposta: O fim do mundo significa o fim de nossa existência egoísta.

A natureza é eterna, nada acaba, não vamos desaparecer. Ainda vamos crescer continuamente. Portanto, nada nos ameaça. Pelo contrário, seremos forçados a retornar a esses estados repetidas vezes para tirar a conclusão certa e viver corretamente.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 15/03/21

“Por Que Preservar A Terra?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Por Que Preservar A Terra?

À medida que a crise climática se agrava e as condições climáticas extremas se tornam cada vez mais frequentes, os especialistas estão ponderando seriamente o quão perto estamos do ponto sem volta. A CBS News informou em 26 de abril que, de acordo com o professor Timothy Lenton, um líder global em crise climática, “a camada de gelo da Antártica Ocidental pode já ter passado de um ponto de inflexão”. A CBS News também conversou com outros especialistas e relatou que a mensagem deles unânime: as mudanças estão acontecendo mais rápido do que o esperado e a chance de atingir pontos de inflexão no sistema climático, que há apenas uma década parecia remoto e distante, agora parece muito mais provável e imediato. “É por isso que estou dando o alarme”, disse Lenton. ‘Em apenas uma década, o nível de risco aumentou acentuadamente – isso deve estar desencadeando uma ação urgente’”.

Nas últimas décadas, tentamos inúmeras táticas e artimanhas para conter as emissões, diminuir a poluição e a nossa exploração do planeta. Nenhuma delas funcionou. Além disso, não estamos apenas explorando nosso planeta, estamos explorando toda a vida no planeta e explorando uns aos outros. Os maus tratos aos outros que nos caracterizam são evidentes em todas as frentes, o que significa que o problema é muito mais sistêmico e profundamente enraizado do que mudar para energias renováveis, por exemplo, ou conter o desmatamento.

Na minha opinião, no entanto, a questão não é se acertamos ou não, ou se estamos perto de atingir o ponto de inflexão. Acredito que a pergunta que devemos fazer não é se a Terra está condenada e se estamos condenados com ela, mas, em primeiro lugar, por que estamos aqui. O universo em que vivemos existe há cerca de quatorze bilhões de anos. A Terra existe há aproximadamente 4,5 bilhões de anos e a vida na Terra começou algumas centenas de milhões de anos após a formação da Terra. Evoluímos de átomos em moléculas, de moléculas em criaturas unicelulares e de criaturas unicelulares às incontáveis ​​formas de vida na água, na terra e no céu. Finalmente, nas últimas centenas de milhares de anos, a humanidade emergiu. Gradualmente, nos tornamos os governantes do planeta, explorando seu solo, flora e fauna, poluindo o ar, o solo e a água, e esgotando os recursos da Terra o mais rápido possível para ganhar poder e riqueza. É por isso que estamos aqui, para fazer todo esse mal? Talvez, se soubéssemos a resposta, não estaríamos causando o dano inconcebível que infligimos ao planeta a cada segundo. A questão do nosso propósito em estar aqui é, portanto, a questão-chave que devemos responder. Se soubermos a resposta, resolveremos todos os nossos problemas e salvaremos o planeta.

Nas últimas décadas, tentamos inúmeras táticas e artimanhas para conter as emissões, diminuir a poluição e a nossa exploração do planeta. Nenhuma delas funcionou. Além disso, não estamos apenas explorando nosso planeta, estamos explorando toda a vida no planeta e explorando uns aos outros. Os maus tratos aos outros que nos caracterizam são evidentes em todas as frentes, o que significa que o problema é muito mais sistêmico e profundamente enraizado do que mudar para energias renováveis, por exemplo, ou conter o desmatamento.

O problema que causa todas as nossas dificuldades somos nós, ou mais precisamente, nossa natureza: a natureza humana. Ao contrário de qualquer outro ser neste planeta, somos exploradores, mesquinhos e abusivos uns com os outros, com todas as criaturas vivas e com o planeta que chamamos de lar. Na verdade, somos tão insensíveis que não podemos conter nossa ganância, mesmo quando sabemos que nossas ações irão arruinar o futuro de nossos filhos e netos. Em vez de uma casa para morar, estamos entregando a eles uma pilha de lixo do tamanho de um planeta. Que bom pai faria isso? Nenhum, claro, mas não somos bons pais.

No entanto, nem tudo está perdido. No primeiro lockdown que foi imposto em quase todo o mundo no início do surto do coronavírus, vários exemplos da resiliência da natureza em todo o mundo provaram que a Terra é muito mais forte do que pensávamos e pode se recuperar até mesmo da exploração humana prolongada. Portanto, se resolvermos nosso único problema, a natureza humana, o resto da natureza se recuperará rapidamente e o equilíbrio planetário será restaurado.

Mudar a natureza humana pode parecer impossível, a princípio, como sair de um pântano puxando-se pelos próprios cabelos. No entanto, podemos aprender com a natureza como fazer isso. Na natureza, as coisas mudam de acordo com seu ambiente. A adaptabilidade é a chave para a sobrevivência de qualquer espécie. Se criarmos um ambiente de amizade, responsabilidade mútua e carinho, nossa natureza se adaptará ao seu ambiente e se tornará o mesmo. Não precisamos mudar a nós mesmos, mas apenas nosso comportamento superficial. Então, se toda a sociedade se comportar de maneira gentil, as pessoas se tornarão genuinamente gentis. Assim como viver em um ambiente cruel obriga todos os que ali vivem a serem cruéis, mesmo que não sejam cruéis por natureza, o oposto também é verdadeiro.

Uma vez que tornarmos nosso ambiente social amigável e atencioso, nossa natureza se tornará amigável e atenciosa. Assim que nos tornarmos amigáveis ​​e atenciosos, deixaremos de ser exploradores. Assim que deixarmos de ser exploradores, deixaremos de abusar uns dos outros, de outros seres vivos e do planeta como um todo. Acontece que, para salvar a nós mesmos e ao nosso planeta, nosso único foco deve ser mudar nosso ambiente social de hostil para amigável, de abusivo para atencioso. Tudo o resto virá rapidamente.

Além disso, transcodificar nossa natureza inerente nos revelará domínios que não podemos conceber agora. Enquanto estamos concentrados apenas em nós mesmos, tudo o que vemos somos nós mesmos. Mas o propósito de estarmos aqui é crescer muito além de nós mesmos, para compreender toda a realidade, para entender no nível mais profundo por que existimos, por que há vida e morte, criação e destruição, e como tudo está conectado. Somente se começarmos a pensar um no outro, deixaremos de pensar em nós mesmos, e somente se deixarmos de pensar em nós mesmos, começaremos a perceber o mundo ao nosso redor como ele realmente é. É por isso que a única pergunta que devemos fazer para garantir nossas vidas, o bem-estar do planeta e até mesmo nossa felicidade é: “Por que estamos aqui?”