Textos na Categoria 'Professor Espiritual'

Apelo Aos Corações

232.1Pergunta: Carisma é um dom especial, uma personalidade excepcional em termos intelectuais, espirituais ou qualquer outro aspecto, uma capacidade de literalmente apelar aos corações. Você é uma pessoa muito carismática. Você pode aconselhar como ser assim?

Resposta: Eu não acho que tenho sorte o suficiente para atrair outras pessoas. De modo nenhum.

Eu confio na ciência, que fala do universo, de todos os mundos combinados, incluindo a força superior que governa todo o universo. E eu abro levemente o caminho para esse enorme conhecimento para todos que o desejam.

Não tenho carisma nenhum, não quero comandar, não quero atrair. Às vezes posso ser duro ou rude, mas isso se refere ao desejo de ser bem compreendido e de seguir apenas o caminho que estou trilhando.

Parece-me que se uma pessoa tem um objetivo, pode cativar os outros com ele. Em geral, você precisa fazer o que está mais próximo de você, o que sua alma deseja. Então você dará um bom exemplo aos outros.

De KabTV, “Expresso de Cabalá”, 06/11/20

A Aparência Do Professor Interfere Em Percebê-lo?

592.04Comentário: Alguns pesquisadores afirmam que 50% das informações entre as pessoas são transmitidas, não verbalmente, mas por expressões faciais e gestos, 38% por entonação de voz e apenas 7% diretamente por palavras. A partir disso, eles concluem que o mais importante é a sua aparência e não o que você diz.

Minha Resposta: Nós vivemos em um mundo material. As pessoas que eu ensino estão em vários estados materiais e espirituais. Portanto, deve-se levar em consideração sua capacidade de estar próximo da fonte de informação.

Elas podem ser repelidas pelo comportamento do palestrante, sua imagem, sua linguagem, talvez seu cheiro, etc. Ou seja, há todo um processo complexo de comunicação aqui envolvendo palavras, expressões faciais, gestos; a comunicação ocorre por meio do que você quiser.

Esses fatores devem ser levados em consideração e expressos de forma que o aluno ou a pessoa a quem você deseja transmitir a informação possa estar o mais próximo possível de você, sem ter que fazer esforços adicionais para superar todos os tipos de barreiras entre vocês.

Pergunta: Durante o ensino, é importante para você a sua aparência e o que diz? Você é cuidadoso com cada palavra que diz?

Resposta: Em primeiro lugar, estou lidando com alunos que me conhecem há mais de um ano, há mais de dez anos.

Quanto aos cientistas com quem costumo conversar, eles são muito simples na comunicação. Hoje, eles não são mais tão arrogantes e vaidosos como eram há 30 ou 40 anos. Eles agora entendem como a ciência é limitada e como isso depende de nossa compreensão da natureza, porque ela atua dentro de uma estrutura muito estreita que é definida pela psicologia humana.

Portanto, agora é muito mais fácil falar com eles, já que estão prontos para examinar todos os tipos de aspectos de sua ciência da maneira mais simples. Estou muito feliz com isso. Isso aconteceu não há muito tempo, cerca de 10 a 15 anos atrás. Eles têm um sentimento comum de que não existem “vacas sagradas”; é muito fácil comunicar-se com eles livremente, sem quaisquer “luvas”.

Pergunta: Você acha que as expressões faciais, os gestos e a aparência são importantes ao transmitir informações?

Resposta: A cada ano, eles se tornam cada vez menos importantes. Veja como os cientistas mais simples começaram a se vestir.

Pergunta: Por que uma porcentagem tão pequena da comunicação é atribuída a palavras? Você concorda que as palavras são bastante difíceis para uma pessoa compreender?

Resposta: Esta é a maneira como somos feitos. Percebemos a maior quantidade de informações pela visão, um pouco menos pela audição e menos ainda pelo paladar, olfato e sensações táteis.

Pergunta: Quais são os métodos mais eficazes de transferência de informações? Você sabe?

Resposta: De coração a coração, mas esta é uma técnica diferente.

De KabTV, “Habilidades de Gestão”, 24/07/20

O Crescimento Espiritual É Impossível Sem Alegria

243.04Estamos no mundo do infinito, cheio de luz, que preenche todo o universo. Mas sentimos este mundo vazio, que não nos dá nada além de uma minúscula centelha de vida para que de alguma forma possamos existir. Portanto, não valorizamos este mundo. Tudo nele está escondido, mas precisamos revelá-lo.

A ocultação e a revelação dependem apenas de nós e de mais ninguém. Só tenho que me convencer de que já existo no mundo do infinito, no oceano de luz infinita, plenitude infinita, e nada me falta. A única coisa que me falta é minha atitude correta. Se eu me relacionar com o mundo dessa maneira, descobrirei que tudo está lá.

Isso significa que eu alcanço a fé acima da razão graças a um sentimento de alegria, unidade e apoio mútuo. É assim que descobrimos o mundo da bondade absoluta e vemos que nada mudou realmente, exceto nossa percepção.

Anteriormente, eu via o mundo todo negro porque o julgava de acordo com minhas deficiências. E quando eu corrijo minha atitude para com o mundo, me elevo à fé acima da razão e quero ver um mundo bom cheio da luz superior, o Criador, eu vejo que isso é o que realmente é.

E isso não é uma sugestão psicológica ou autoengano, mas uma verdadeira realidade. Eu só preciso me elevar do grau de Malchut ao grau de Bina a fim de ver o mundo na qualidade de doação e não de recepção.

Então o mundo será bom e verei que está tudo bem nele e que não há mal. É simplesmente que cada um julga conforme a sua própria corrupção: se há mal dentro de mim, eu vejo o mal ao meu redor. E se eu me corrijo, vejo o mundo corrigido. Tudo depende da minha visão interna.

E a atitude mais correta é estar alegre. Portanto, está escrito: “Sirva o Criador com alegria”. Se nos relacionarmos com o Criador e o mundo criado por Ele com alegria, com gratidão, sem criticar o Criador, sentiremos que o mundo é realmente bom. Isso significa que queremos subir do grau de Malchut ao grau de Bina, à fé (o grau de Bina) acima da razão (o grau de Malchut).

O Criador me trata bem, mas me parece que eu recebo golpes porque em vez de estar na fé, o poder de doação, estou em recepção. Sou eu quem corrompe sua atitude para comigo. Portanto, eu devo fazer todos os esforços para revelar a bondade do Criador. Afinal, não pode haver mal no mundo se não houver outra força além do Criador, que é bom e faz o bem.

Se me parece que existe mal no mundo, é porque estou corrompido por dentro. Não há mais nada para consertar, exceto minha atitude em relação à realidade. Então verei que não existe mal – só existe o bem.

Da Lição para Mulheres 01/11/20

Ouça E Seja Ouvido

231.01Pergunta: A capacidade de ouvir consiste em três funções: atenção, compreensão e aceitação. Atenção se refere a dicas não verbais. O principal sinal não verbal é o contato visual. Agora, na era do coronavírus, quando estamos todos na frente das telas a maior parte do tempo, é muito difícil ouvir e ser ouvidos.

Como você lida com esse problema enquanto ensina milhares de alunos?

Resposta: Em primeiro lugar, eu tenho um contato diário constante por três horas com meus alunos. Além disso, eles têm a oportunidade de acessar os sites da Internet de nossa organização o tempo todo, de ler os materiais necessários, de assistir, ouvir e participar de eventos comuns, etc.

Pergunta: Como você entende que eles estão ouvindo você? Você não pode ver seus rostos.

Resposta: Estou esperando suas perguntas. Estudantes de 150 países do mundo se conectam aos nossos estudos virtuais que são realizados com tradução simultânea em 40 idiomas. Portanto, temos um grande campo de comunicação: lemos pequenos trechos sobre um determinado assunto, todos ouvem, e se os alunos têm dúvidas, imediatamente perguntam.

Pergunta: Então você não precisa ver seus rostos?

Resposta: Em princípio, não. Não é necessário. Eu me sinto a pessoa por sua pergunta.

Pergunta: O que você faz quando vê que um aluno resiste e não aceita o que você está dizendo?

Resposta: Depende do que significa que ele não aceita. Se ele é contra alguma coisa, devo explicar a ele. Se ele for contra de qualquer maneira, terei de adiar um pouco.

Pergunta: Você acha que é inútil provar algo?

Resposta: Não, tudo bem em provar. É muito bom fazer isso, dentro de limites razoáveis, já que nosso público é de milhares de pessoas, e eu devo sempre sentir o limite de tempo.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 14/08/20

Medo De Falar Em Público

214Pergunta: Como se livrar do medo de falar em público?

Resposta: Se realmente temos algo a dizer às pessoas e somos capazes de introduzir corretamente as informações de que precisam no esboço de nossa conversa em qualquer circunstância, não há lugar para medo.

Pergunta: No entanto, e se antes de ir ao público seu coração começar a bater mais rápido e você for dominado pelo medo?

Resposta: Você precisa pensar com antecedência como iniciar sua apresentação.

Pergunta: Você não tem medo algum? Sem coração batendo, sem pulso acelerado?

Resposta: Não. Esta é a minha ciência e sou um especialista nela. Quem não quiser me ouvir pode ir embora, e conversaremos com quem quiser. Ou convido o público a fazer perguntas. Por que devo ficar confuso e pensar no que eles gostam e o que não gostam? Se eles disserem o que querem ouvir, tentarei dizer-lhes tudo com franqueza.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 14/08/20

Transferência De Informações Na Cabalá

530Pergunta: Muitos livros que contêm informações espirituais são escritos por alunos que ouviram o professor e depois escreveram o que ele disse.

Segundo as pesquisas modernas, esse método de transmissão da informação leva à sua distorção, pois ouvimos apenas 25% do que a outra pessoa fala. Como essa transmissão pode ser confiável?

Resposta: Na Cabalá, a transferência de informação acontece de uma maneira diferente do que no mundo corporal porque o aluno não apenas ouve o professor, mas em certa medida o alcança elevando-se acima de seu egoísmo, e então escreve o que alcançou. Embora isso ainda passe pelo aluno, ocorre uma transferência de informação completamente diferente, um canal completamente diferente, que vem da semelhança de qualidades do professor e do aluno.

Portanto, o aluno pode “ouvir” até mesmo aquelas coisas que o professor não fala, mas estão neste grau.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 14/08/20

Quando Chega O Período Mais Feliz Da Sua Vida

66.03Pergunta: Alguns cientistas determinaram a idade mais infeliz na vida das pessoas. Pessoas de diferentes idades foram pesquisadas em 132 países e descobriu-se que o período mais feliz é de 18 a 20 anos.

Então a situação começa a piorar. E o pior é de 47 a 48 anos. Este é um período infeliz nas sensações de uma pessoa. Essa condição dura até 60 anos e depois melhora gradualmente. E aos 70, você é como uma criança de novo, então se sente bem.

Você pode explicar esses estados?

Resposta: Não. Acredito que tudo depende das pessoas. Se uma pessoa se comporta normalmente, trabalha muito, tem uma família, um emprego, uma meta na vida, eu não acho que esses anos sejam críticos para ela.

18-20 anos, isso é claro: há uma espécie de descoberta do mundo. Então tudo depende da pessoa.

Observação: aqui tudo está logicamente claro. Aos 45 anos, todas as suas esperanças estão cada vez mais enterradas. Então você decide: “Bem, o que fazer?!”

Meu Comentário: Depende de quais são as esperanças e como enterrá-las. Não sei o que você esperava, o que queria alcançar ou por que ficou desapontado.

Pergunta: Se você não divide a vida de uma pessoa comum em períodos infelizes e felizes, como ela deve viver, em sua opinião?

Resposta: Cada dia é como uma vida inteira. Comece do zero e termine com zero. Dê tudo de si durante o dia! Vou acordar amanhã e ter uma nova vida.

Pergunta: Como posso acordar de forma que eu me levante e fique totalmente acordado até o anoitecer?

Resposta: Meus alunos me obrigam. Sinto medo diante deles. Medo. Eu preciso, eu tenho que fazer algo. Eu não posso deixá-los assim. Eu tenho que empurrá-los, inspirá-los. Eu tenho que ligá-los o tempo todo. Isso é o que realmente me preocupa.

Pergunta: E seu pensamento, o que é para eles?

Resposta: Para eles, é claro. Não comigo. Tento não fazer cálculos comigo mesmo.

Pergunta: Em outras palavras, a tarefa é entregar-se totalmente?

Resposta: A tarefa começa antes mesmo de começar a lição matinal, quando acordo, antes mesmo de começar a me preparar para o dia, me considero morto. Sim, morto. E não preciso de nada da vida, exceto que tenho que dar tudo agora.

Pergunta: Então, morto significa que eu não existo? Não há autocuidado, então eu saio para o mundo?

Resposta: Isso é absolutamente correto!

Pergunta: É assim que começo o dia e como devo gastá-lo?

Resposta: Claro. Então você tem um cálculo muito correto consigo mesmo, com a vida, com os alunos. Pois bem, o que acontece, isso já está nas mãos do Criador.

Pergunta: Se você pegar isso e transportá-lo para uma pessoa comum, ela pode ter essa atitude em relação à família e filhos?

Resposta: Absolutamente a mesma. Ela se deixa, se entrega. Mas para o mundo.

Pergunta: Ou seja, para a família, vizinhos, pessoas distantes?

Resposta: Sim. É assim que você vive, se entrega. Você não tem ideia de como isso é bom, fácil, gratuito e, o mais importante, certo.

Pergunta: Este é o seu principal conselho?

Resposta: Sim.

Pergunta: Então não haverá períodos de felicidade, infelicidade?

Resposta: Nada!

Observação: Eu não existo.

Meu Comentário: Sim. Mas você estará constantemente em tensão se se entregar a eles.

Pergunta: Esta é uma boa tensão? Tem um elemento de felicidade?

Resposta: Isso é felicidade.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 07/09/20

Blitz De Dicas De Cabalá – 24/07/20, Parte 2

294.4Pergunta: O que você aprendeu na escola e na universidade que o ajudou na vida?

Resposta: Eu adquiri conhecimentos em certas áreas com os meus estudos para poder compreender e explicar, mas na verdade eles me ajudaram muito pouco.

Pergunta: O que a vida lhe ensinou?

Resposta: Que não sei e não entendo nada e que basicamente não sou nada.

Pergunta: O que você aprendeu com seu professor?

Resposta: Que não preciso me preocupar por não ser nada.

Pergunta: Você aprende com seus alunos? Se sim, o que você aprende?

Resposta: Eu olho para eles e entendo que o caminho deles é o mesmo que percorri, e isso me deixa feliz.

Pergunta: O que mais você gostaria de aprender?

Resposta: A ser um homem.

Pergunta: Quais habilidades são necessárias para isso?

Resposta: Amar e doar.

Pergunta: Você só ensina ou também estuda quando tem tempo?

Resposta: Eu estudo independentemente quando estou sozinho. Não preciso de livros para isso. Às vezes, leio algo no meu computador. Mas o estudo é na verdade um processo interno.

Pergunta: Isso significa que você não lê nenhum livro para adquirir conhecimento ou certas habilidades?

Resposta: Claro, existem os livros dos escritos do Rabash e Baal HaSulam e eu os li.

Pergunta: Para qual pergunta você não tem uma resposta?

Resposta: Quem sou eu?

Pergunta: Qual pergunta você gostaria de fazer a uma pessoa sábia?

Resposta: Nenhuma. Eu tive essas oportunidades. Eu sei que as pessoas sábias simplesmente se sentam e ficam quietas e isso é o suficiente para elas.

Pergunta: Como você evita passar informações desnecessárias para seus alunos?

Resposta: Eu os amo.

Pergunta: O que você pode recomendar a seus alunos que veem paradoxos constantes em suas respostas?

Resposta: Esperem.

De KabTV, “Habilidades de Gestão”, 24/06/20

De Acordo Com Os Desejos Do Público

265Pergunta: Todos os profissionais de marketing aconselham os palestrantes a estudar o público primeiro, antes de falar. Você concorda com isso?

Resposta: Mas eu não vou satisfazer seus desejos. Não me interessa em absoluto. Tenho que ensiná-los o que acho necessário e o que deve interessá-los.

Minhas aulas consistem em duas partes, que devem ser feitas simultaneamente. Este é o início do desejo de saber o que quero dar a eles, e a absorção desse conhecimento pelos alunos.

Pergunta: Digamos que você tenha sido convidado para uma audiência de várias centenas de pessoas que desejam ouvir sobre reencarnação, e este é um tópico muito difícil para iniciantes. Você ainda diria o que acha necessário?

Resposta: Se este tópico foi encomendado com antecedência, e eles discutiram comigo, talvez eu concordasse, partindo do fato de que realmente quero chegar a esse público, mas eles não concordariam em outro tópico.

Levando em consideração o desejo deles, eu lhes contaria sobre os ciclos de vida, mas apenas de uma certa maneira: por que a natureza precisa deles, por que a natureza age conosco dessa forma, como podemos mudá-los, como a encarnação atual pode ser usada para mudar todo o propósito dos ciclos de vida, etc. Vou inverter de qualquer maneira, para que eles se interessem e queiram estudar.

Pergunta: Você aconselharia seus alunos a estudar as necessidades do público antes de iniciar uma palestra?

Resposta: Não. A única coisa é que podemos fazer nossos tópicos se encaixarem com o que os ouvintes estão fazendo, por exemplo, zoologia, biologia, astronomia, etc.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 14/08/20

O Que Um Orador Deve Fazer Se For Interrompido?

597.01Pergunta: O que um palestrante ou professor deve fazer quando os alunos o interrompem? Como devemos trabalhar com essas pessoas? Tenho certeza que você teve essa experiência.

Resposta: Sim, e mais de uma vez. Em primeiro lugar, peço para não ser interrompido porque não vai ajudar. Ainda tenho que responder às perguntas dos participantes anteriores.

Em segundo lugar, digo a eles que isso não vai me impedir. Posso responder a qualquer pergunta e, por seu comportamento, eles simplesmente mostram desrespeito às pessoas que estão sentadas ao lado deles e as impedem de ouvir.

Houve poucos casos em que as pessoas não quiseram me ouvir, apenas uma ou duas vezes na América. Em uma das palestras, falei sobre o antissemitismo, que se desenvolveria em seu país, e todos ficaram indignados: “Como você pode dizer isso sobre a nossa América?” Eles não estariam dizendo isso hoje.

Em outra palestra, eu estava falando sobre o fato de que Deus é a natureza e que não há diferença entre eles, é uma lei, uma força. Mas a indignação daquele público foi apenas uma falha de comunicação, o que você pode fazer …

E todo o resto, a menos que seja um público ultra-religioso, ouve-me com prazer. Não digo nada contrário à fé ou quaisquer outras ideologias. Estou apenas falando sobre coisas que estão embutidas na natureza.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 14/08/20