“Problemas No Paraíso, O Mundo Em Perigo” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Problemas No Paraíso, O Mundo Em Perigo

Os desastres naturais dobraram globalmente nas últimas duas décadas. O mundo corre o risco de se tornar “um inferno inabitável para milhões de pessoas”, avisa a ONU, a menos que sejam tomadas medidas sobre a mudança climática – inundações, furacões, ondas de calor, terremotos, incêndios e agora uma pandemia. As calamidades são mais intensas e frequentes do que nunca. O que significa essa aceleração? O homem vê a natureza como uma força que está fora de equilíbrio, que está fora de controle, mas sente que sempre foi assim, visto que as catástrofes sempre estiveram onipresentes, como se essa atitude fosse facilitar a nossa vida. Isso não vai funcionar. A natureza está precisamente empurrando a humanidade para assumir a responsabilidade e consertar de uma vez por todas a bagunça que ela criou.

Mais de 7.000 grandes catástrofes naturais foram relatadas entre 2000 e 2019, afetando 4 bilhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com um estudo recente da ONU sobre o custo humano dos desastres. Isso é quase o dobro do número de calamidades registradas de 1980 a 1999, um aumento extraordinário principalmente devido à crise climática que ameaça nossa própria existência.

Nós precisamos entender que todas as pragas e crescentes sofrimentos aparecem por um motivo: guiar as pessoas a encontrar a verdadeira causa do que está acontecendo e enfrentar o problema em sua origem, já que é óbvio que os esforços de cientistas e políticos são ineficazes e têm falhado em impedir a avalanche. Por que atualmente há o aumento de eventos naturais infelizes? Os Cabalistas que estudam os detalhes da estrutura da realidade fornecem a resposta. O mais importante cabalista Yehuda Ashlag explica isso sucintamente:

“A natureza, como um juiz hábil, nos pune de acordo com o nosso desenvolvimento. Pois podemos ver que na medida em que a humanidade se desenvolve, as dores e tormentos que cercam nosso sustento e existência também se multiplicam … a conclusão certa deve ser tirada – que a natureza acabará nos derrotando e todos seremos obrigados a dar as mãos para seguir suas leis com toda a medida exigida de nós. ” (A Paz).

Simplificando, conforme o mundo evoluiu até este ponto, ele agora entrou em um novo estágio de desenvolvimento, um nível completamente diferente no qual a humanidade deve reconhecer plenamente a unidade da natureza como um sistema holístico, um todo.

No entanto, existe um bug no sistema, uma exceção que é a origem dos problemas. Dentro desse sistema está a espécie humana, o centro do mundo, a quem é dada a liberdade de escolher fazer o que quiser, apesar das consequências, e que atualmente está agindo como uma influência negativa em oposição à trajetória do resto da natureza que é global, integral e unida. Portanto, é o ser humano que está desequilibrando o sistema, transformando sua operação bem lubrificada em uma máquina desarticulada cujas peças estão constantemente colidindo e se chocando umas com as outras, uma rede que precisa de reparos urgentes para continuar funcionando antes que caia no colapso total.

Se quisermos salvar o planeta e a nós mesmos como consequência, nossa tarefa é reconstruir a sociedade humana para colocar a atividade humana em equilíbrio com as leis da natureza. Se víssemos em profundidade as intrincadas interconexões da rede da natureza, perceberíamos como nós, como o elemento racional na criação, podemos e afetamos drasticamente o resto das partes.

Assim, chega o momento em que cada um de nós deve olhar no espelho e dizer: “Chega de culpar os outros pelos meus problemas; eu tenho que assumir a responsabilidade”. Como isso pode ser feito? Isso só pode ser feito por toda a humanidade se unindo deliberadamente para alcançar igualdade, interconexão e compreensão mútua. Todo o nosso desenvolvimento, onde as inovações humanas se propagam e transformam o estilo de vida de cada um, demonstra até que ponto estamos interligados. Quando entendermos isso, entenderemos o verdadeiro significado de nos equilibrarmos com a natureza e, assim, equilibraremos a natureza. Não podemos escapar dessa exigência de que devemos nos sincronizar com a natureza.

Assim, chega o momento em que cada um de nós deve olhar no espelho e dizer: “Chega de culpar os outros pelos meus problemas; eu tenho que assumir a responsabilidade”. Como isso pode ser feito? Isso só pode ser feito por toda a humanidade se unindo deliberadamente para alcançar igualdade, interconexão e compreensão mútua.

No entanto, não devemos ter grandes esperanças em nenhum líder. Cada líder, em última análise, só se preocupa com a honra e é inerentemente egoísta, ainda mais do que o resto de nós. É assim e porque cada um deles conseguiu subir ao topo da escada política. Mas uma vez que atingem seu ápice, as palavras bonitas que promovem o interesse comum tornam-se promessas vazias. Portanto, nós, como o povo em geral, devemos trabalhar juntos para reparar o planeta, por meio de nossa unidade, das feridas que infligimos e exigir dos organismos internacionais o avanço de um plano global para a criação de conexões qualitativas positivas entre os seres humanos de todos os países, todas as sociedades. Somente um anel de luz protetor e luminoso como este ao redor do planeta pode salvá-lo da tempestade de granizo iminente e transformar nossas vidas em um paraíso na Terra, assim como foi concebido para nós no pensamento da criação.

Comente