“O Que É A Alegria Em Simchat Torah?”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 09/10/20

Sexta-feira é o dia de Simchat Torah [lit. A Alegria da Torá]. Neste dia, celebramos a conclusão do ciclo de leitura das porções da Torá e o início de um novo ciclo. Mas por que completar um ciclo de leitura apenas para recomeçar é um motivo de comemoração? Não é. Se olharmos apenas para o nível superficial das coisas, não há nada para comemorar.

Se quisermos dar sentido a este dia festivo, temos que ir além do exterior, para o interior, o verdadeiro significado da Torá. Está escrito: “Eu criei a inclinação ao mal; Eu criei a Torá como um tempero” (Masechet Kidushin). Isso significa que a Torá não é uma parte do texto que devemos recitar sem aplicar seu conteúdo a nós mesmos, mas um meio para corrigir nossa inclinação ao mal. Se a usarmos para qualquer outro propósito, estaremos perdendo o ponto principal.

Se conseguirmos corrigir nossa inclinação ao mal, teremos um motivo para comemorar. Se não fizermos isso, devemos continuar trabalhando até atingir o estado de Simchat Torah, ou seja, a correção de nossa inclinação ao mal através do “tempero” da Torá.

Em hebraico, a palavra Torá significa “luz” e “instrução”. A “luz” nela é considerada como “a luz que reforma”, uma força que “corrige” nossa inclinação ao mal em uma inclinação ao bem. A parte “instrução” da Torá se refere ao que temos que fazer para nos “reformar”, e isso é amar nosso próximo como a nós mesmos. O velho Hilel disse sobre isso: “O que você odeia, não faça ao seu próximo; esta é toda a Torá” (Masechet Shabbat, 31a), e o Rabi Akiva acrescentou: “Ame o seu próximo como a si mesmo; esta é a grande regra da Torá” (Jerusalém Talmud, Nedarim, 30b).

No momento, o festival de Simchat Torah é simplesmente um lembrete do que devemos fazer e, nesse sentido, estou feliz com isso. Mas, na verdade, não temos motivo para comemoração, pois nada existe além do amor pelos outros entre nós. Mesmo que não fôssemos corrigidos, mas pelo menos quiséssemos usar a “luz” para nos reformar, já seria motivo de comemoração. Mas, atualmente, não vejo que estejamos reconhecendo nossa necessidade desesperada de mudar ou que estejamos dispostos e nos sintamos responsáveis ​​pelo estado de nossa nação.

A situação é ainda mais grave quando se trata de nossas relações com as nações do mundo. Como judeus, estamos constantemente sob os olhos vigilantes do mundo. Elas nos julgam por um padrão diferente do que julgam qualquer outra nação, e com bons motivos: elas sentem que é nosso dever trazê-las à luz, para ser “uma luz para as nações”. Isto é, não só devemos usar a luz que reforma sobre nós mesmos, mas também devemos transmiti-la para que o resto do mundo possa se livrar da inclinação ao mal. Mesmo que as nações não articulem esse pedido explicitamente, a acusação de que estamos causando tudo o que há de mal no mundo é, na verdade, o outro lado de dizer “Vocês não estão trazendo a luz que deveria, a luz que irá reformar nós e acabar com o mal entre nós”.

Até mesmo nossos próprios sábios nos dizem que nossa tarefa é trazer a luz da unidade ao mundo, e quando não fazemos isso, infligimos problemas às nações. O Talmude escreve: “Nenhuma calamidade vem ao mundo, senão por causa de Israel” (Masechet Yevamot, 63a). O Midrash é ainda mais específico: “Esta nação, a paz mundial habita nela” (Beresheet Rabbah, 66).

Nós vemos que quando os antissemitas nos acusam de causar guerras, eles estão de fato dizendo a mesma coisa que nossos sábios vêm dizendo há gerações, mas nos recusamos a ouvir. Como não quisemos ouvir, recebemos antissemitas para nos intimidar e nos forçar a ouvir. Talvez se tentássemos fazer o que nossos sábios, que certamente querem o nosso melhor, vêm nos aconselhando há milênios, não estaríamos sofrendo de antissemitismo até hoje, oitenta anos após os horrores do Holocausto.

O Livro da Consciência escreve: “Nós recebemos o mandamento de cada geração de fortalecer a unidade entre nós, para que nossos inimigos não nos governem”. Com estas palavras, eu gostaria de desejar a todos nós que, no próximo ano, nos unamos “como um homem com um só coração”, aprendamos o verdadeiro significado da Torá, regozijemo-nos nela e mereçamos as palavras do Rei David nos Salmos 29, “O Senhor dará força ao Seu povo; o Senhor abençoará Seu povo com paz ”.

Comente