“Ignorar A COVID É Jogar Roleta Russa Com A Saúde De Nossos Filhos” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “Ignorar A COVID É Jogar Roleta Russa Com A Saúde De Nossos Filhos

Apesar de todos os nossos esforços para negar sua gravidade, a COVID-19 não é uma piada. É uma doença grave e quanto mais a ignoramos, mais grave ela se torna.

Se no início pensávamos que ela afetava apenas pessoas idosas e doentes, agora sabemos que afeta a todos, em todas as faixas etárias e em todos os níveis de saúde. Mas o aspecto mais assustador do coronavírus é seu impacto nas crianças. Embora a maioria das crianças infectadas permaneça assintomática, algumas desenvolvem uma condição muito grave conhecida como Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (PIMS), que afeta o cérebro e pode até levar à morte.

Ignorar os riscos da COVID-19 é, em muitos aspectos, como jogar roleta russa. As chances de morrer neste caso são muito menores, mas a cabeça na mira da arma é a de nossos filhos. Estamos dispostos a correr o risco?

Quanto mais demoramos para lidar com o vírus, mais infeccioso e violento ele se torna. O que acontecerá se protelarmos por mais seis meses? Quão pior será o impacto sobre nós e nossos filhos? Queremos esperar que a taxa de mortalidade aumente? Queremos ficar sentados até que os hospitais sejam incapazes de tratar as pessoas com qualquer doença porque seus leitos são ocupados por pacientes COVID? Nós realmente deveríamos saber melhor.

O novo coronavírus não está aqui em uma breve visita. Eu disse isso quando ele chegou, e agora a ciência está começando a reconhecê-lo. Há alguns dias, John Edmunds, membro do Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências do Reino Unido, disse aos legisladores que “teremos que viver com este vírus para sempre. Há pouca chance de que ele seja erradicado”. Em palavras mais simples, a vida que tínhamos até 2020 nunca mais vai voltar; temos que construir uma nova e melhor.

O primeiro lugar para começar a reconstruir nossas vidas é a nossa sociedade. Se examinarmos cada crise que a humanidade está lutando, encontraremos causas específicas para cada uma delas. Mas por trás de cada crise, seja mudança climática, incêndios florestais, COVID-19, fome, guerra, poluição da água, poluição do ar, abuso de substâncias, pobreza, obesidade, violência doméstica, racismo ou qualquer outra crise, todas são causadas ​​por nossa falta de consideração, pela nossa alienação mútua.

Nós patrocinamos uns, demonizamos outros, abusamos, manipulamos e enganamos em nosso caminho para a riqueza e o poder. Alguns são mais agressivos, outros menos, mas esta é a mentalidade dominante em todo o mundo. Esta é também a mentalidade que nos infligiu as inúmeras crises que assolam nosso planeta. Nós nunca as superaremos até eliminarmos nossos constantes maus tratos mútuos.

Sabemos que a responsabilidade mútua é ótima para todos nós; sentimos isso instintivamente. Mas sempre que queremos implementá-la, a “voz da razão” desperta em nossas cabeças e diz que é inútil tentar implementá-la, pois muito poucas pessoas estão dispostas a fazer o esforço, que é contra a natureza humana, que estamos sonhando se pensamos que isso pode funcionar, etc.

Mas é contra a natureza humana querer se sentir seguro? É contra a natureza humana querer ser capaz de confiar nas pessoas? É contra a natureza humana construir redes de responsabilidade mútua a fim de garantir a saúde e o bem-estar de todos? Pelo contrário, nada é mais natural do que esses comportamentos. Cada assentamento oferece a seus residentes exatamente esses benefícios; é por isso que as pessoas vivem em assentamentos e comunidades, e quando escolhemos nossos líderes, buscamos aqueles que melhor podem nos prover essas necessidades.

Porém, enquanto vivemos em sistemas que protegem nossas vidas, maltratamos uns aos outros – os blocos de construção dos sistemas que nos sustentam. Não faz sentido. É como se as células atacassem um antígeno que veio ajudá-las a combater um vírus e depois reclamassem que estavam doentes.

Devemos parar de ceder aos nossos egos. Eles estão distorcendo nossa percepção e nos fazem pensar todas as coisas erradas uns dos outros. Eles fazem com que nos odiemos quando, na verdade, somos todos dependentes uns dos outros e não seríamos capazes de viver se não fosse por todos nós.

E se não formos fortes o suficiente para lutar contra nossos egos para nosso próprio bem, vamos pelo menos fazer isso por nossos filhos. Não é culpa deles estarmos permitindo que nossos egos se descontrolem; não é culpa deles que sejamos sem coração, sem coragem e não possamos olhar além de nossos narizes. Vamos pelo menos desistir de nossos egos por causa deles, para que eles também tenham um futuro, e não vamos jogar roleta russa com a cabeça de nossos filhos sob a mira de uma arma.

Comente