“Educação Aliada Ao Blockchain Será A Base Para As Futuras Nações” (Blockanics)

A Blockanics publicou meu novo artigo: “Educação Aliada Ao Blockchain Será A Base Para As Futuras Nações

Imagine um mundo onde uma rede virtual descentralizada administra todos os aspectos de nossas vidas para nós, onde tudo o que precisamos focar é ajudar uns aos outros a serem seres humanos melhores.

A tecnologia Blockchain desempenhará um papel fundamental na construção da sociedade futura que todos formaremos juntos. No entanto, para que esse novo estágio tecnológico funcione a nosso favor, precisaremos adaptar nossa maneira de pensar, envolver nossos novos conceitos e abraçar novos valores.

A necessidade de reorganizar a humanidade

Os vários cenários intrincados e ameaçadores que ocorrem hoje no mundo, sob a forma de polarização social, instabilidade política, desestabilização climática, imigração em massa, desemprego tecnológico e muito mais, são na verdade os primeiros sinais de uma nova humanidade. Isso ocorre porque o nascimento de algo novo é sempre doloroso e é isso que estamos vivenciando agora.

Precisaremos reorganizar a sociedade humana de uma maneira verdadeiramente abrangente para garantir que nossa interdependência e interconexão sejam benéficas para nossa prosperidade e estejam em sincronia com o sistema natural. Para fazer isso, uma coisa terá que mudar junto com nossas tecnologias: nós mesmos.

“Nações da nuvem” terão papel fundamental

Segundo o futurista Dr. Roey Tzezana, nas próximas décadas não precisaremos mais das instituições territoriais que temos em nosso mundo. A maioria dos serviços governamentais e civis será fornecida automaticamente e poderá ser gerenciada remotamente por meio de tecnologias emergentes, porém altamente confiáveis, como blockchain. Basicamente, “nações em nuvem” será uma forma virtual de qualquer grupo de indivíduos se unir sob uma identidade comum e criar seus próprios “contratos inteligentes” para gerenciar seus relacionamentos.

Ao contrário dos países físicos de hoje, essas novas entidades virtuais não serão limitadas por restrições territoriais, e os membros poderão entrar e sair quando quiserem. Em última análise, as nações em nuvem têm o potencial de distribuir processos de tomada de decisão para seus cidadãos, o que gradualmente tornaria obsoletas muitas instituições governamentais.

Com todo o comportamento humano sendo automaticamente monitorado e alimentado nessa vasta rede, as nações em nuvem também incluirão sistemas descentralizados de justiça. A justiça imediata estará disponível para qualquer cidadão em qualquer ponto da rede, tornando redundantes as funções atuais dos tribunais.

Além disso, as nações em nuvem permitirão uma economia cooperativa que não concentre o poder nas mãos de poucos e que os sistemas estejam disponíveis para calcular as necessidades básicas de cada ser humano e imprimir versões 3D de qualquer coisa que precisarmos.

O papel único de uma Nação Judaica da Nuvem

Para avançar mais um pouco com isso, Tzezana está fazendo uma parceria com pensadores e pesquisadores judeus, que estão desenvolvendo o projeto “Jewish Cloud Nation” (“Nação Judaica da Nuvem”): um estado virtual que unirá judeus de todo o mundo. Eles receberão serviços “de maneira totalmente descentralizada, sem limitações geográficas”.

Os valores centrais da Nação Judaica da Nuvem devem ser determinados por um comitê especial de sábios judeus. Este distinto grupo de grandes pensadores e cientistas sociais se reunirá pessoalmente para formular valores universais para os judeus em todos os lugares.

O objetivo é organizar uma estrutura para implementar o ideal judaico de “Tikkun Olam” – um princípio antigo de acordo com o qual os judeus devem facilitar a correção do mundo. O site do projeto afirma que “O código da Nação Judaica da Nuvem será aberto e transparente, e será compartilhado com todos para permitir a criação de outras nações da nuvem, para atender às necessidades dos cidadãos do mundo inteiro sem o envolvimento de governos disfuncionais ou regimes corruptos”.

Forjando um novo conceito para a sociedade

É esperançoso ver como especialistas que reconhecem o iminente futuro tecnológico também imaginam o surgimento de uma sociedade cooperativa, e também estão tomando medidas para ajudar a formar tal sociedade. Tal visão corresponde diretamente aos ensinamentos sociais que aparecem nos escritos autênticos da Cabalá.

Cerca de um século atrás, o Cabalista Yehuda Ashlag escreveu: “Não se surpreenda se eu misturar o bem-estar de um coletivo em particular com o bem-estar de todo o mundo, porque, na verdade, nós já chegamos a tal ponto em que o mundo inteiro é considerado um coletivo e uma sociedade”.

De fato, em nosso tempo, estamos nos aproximando da necessidade de forjar um novo conceito para a sociedade humana. As crescentes crises em incontáveis ​​reinos de envolvimento humano estão nos levando a repensar os fundamentos de nossa cultura. Esta é a maneira da natureza de nos levar a evoluir para o próximo grau de conexão humana, o que significa uma mudança de pensamento e uma mudança de valores.

Assim, não é de se surpreender que empreendedores tecnológicos inovadores estejam entre os primeiros a identificar essa tendência. Eles também são rápidos em identificar as ferramentas práticas que podemos usar para criar uma infraestrutura que permitirá uma nova ordem social em todos os níveis: econômico, social, político, educacional etc.

No entanto, contratos inteligentes não são suficientes para unir as pessoas. A tecnologia realmente atualiza nossas habilidades, mas não melhora nossas qualidades internas e a maneira como nos relacionamos.

A educação deve vir primeiro

Para que uma nação na nuvem seja uma sociedade modelo que promova uma genuína preocupação mútua entre os cidadãos, ela deve iniciar um processo educacional que possa ser adotado por seus cidadãos. Eles precisariam aprender sobre os benefícios da consideração mútua e construir novas normas e valores para o engajamento social positivo. Em última análise, eles precisam desenvolver uma nova maneira de sentir um ao outro, como partes de um único todo. Este é um desenvolvimento consciente que requer a disposição das pessoas para mudar sua percepção da vida.

Por exemplo, um aspecto central de tal mudança é a questão da privacidade. Para os futuristas como Tzezana, é claro que não importa o quanto discutamos o direito à privacidade nos dias de hoje, no futuro tecnológico, a luta pela privacidade é uma batalha perdida. De fato, quanto mais indivíduos estiverem dispostos a abrir mão de sua privacidade, mais benéficos e eficazes serão os sistemas que eles podem estabelecer para si mesmos.

A privacidade nas nação na nuvem terá que ser reduzida ao mínimo, mas a disposição de abandonar a privacidade não será natural. Essa é uma questão delicada que requer grande preparação e adoção de novos valores. Parte do processo educacional seria nos ajudar de bom grado a trocar nossa necessidade de privacidade por um benefício real. Este é apenas um exemplo da necessidade de melhorar a consciência humana e nutrir a conexão humana.

À medida que nos dirigimos para a sociedade futura que as tecnologias de hoje estão tecendo diante de nossos olhos, teremos que nos adaptar a novos valores e conceitos que podem parecer utópicos. No entanto, isso ocorre porque a maioria das pessoas hoje não tem a sensação de ser uma única parte de um todo.

Portanto, nossa preocupação número um em elaborar nosso futuro interconectado deve ser como nos educar. Ao invés de deixar a tecnologia liderar o caminho, já podemos dar passos na direção da mudança que temos que percorrer: tornar-se seres humanos interconectados em uma sociedade que promove a união, e gratifica a preocupação e a consideração mútuas.

Na sociedade futura, as pessoas sentirão que, se não estiverem contribuindo ativamente para o bem-estar do todo, estão prejudicando indiretamente os outros, assim como elas mesmas. Então, nossas tecnologias avançadas funcionarão para o benefício de todos.

Comente