Textos com a Tag 'Criador'

O Criador Pode Sofrer?

 238.02Pergunta: O Criador pode sofrer?

Resposta: Não podemos dizer nada sobre o Criador. Nós só falamos sobre a força de doação e amor, que Ele pode dirigir em nós para nos transformar. Nós percebemos o Criador apenas dentro de nossos sentimentos, isto é, não o Criador em Si mesmo, mas a maneira como podemos senti-Lo.

Da Lição de Cabalá em Russo em 18/11/18

Pegue A Onda Com O Criador

laitman_939.02Pergunta: Você disse que a pessoa pode se voltar ao Criador apenas em equivalência com Ele – através da dezena. O que isso significa?

Resposta: Você deve atingir a mesma frequência. Quando você ajusta a frequência do seu receptor-transmissor espiritual, você deve pegar a mesma onda com o Criador.

A qualidade de doação e amor vem Dele para você; portanto, uma qualidade semelhante deve ir de você para ele. Caso contrário, Ele não o ouvirá porque o Criador é um sistema que ressoa, apenas percebe sinais em equivalência com sua natureza.

Pergunta: Você também pode se voltar ao Criador com alegria?

Resposta: Não a partir da alegria, mas apenas a partir da equivalência. Alegria não é um indicador de equivalência. Ela flui disso como resultado. Em princípio, qualquer um pode sentir alegria.

Portanto, primeiro temos que entrar em contato com o Criador através de um modem, através de algum tipo de dispositivo de conexão que adapte nossas qualidades às qualidades do Criador. A dezena desempenha o papel desse modem.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/02/19

Veja De Quem Você Segue Ordens

laitman_962.1Está escrito que o Criador endurece o coração do Faraó, isto é, o desejo egoísta de desfrutar. É necessário isolá-lo e aumentá-lo para que se torne óbvio quem é seu inimigo no seu caminho para o Criador, identificá-lo, e então transformá-lo do Faraó mau para o Criador bom, e assim alcançar a adesão com a força superior.

Não há servo mais fiel ao Criador do que o Faraó que é convocado para nos levar ao Criador, para que possamos distinguir entre luz e escuridão, doação e recepção, doce e amargo. Com a ajuda do Faraó, aprendemos a alcançar as qualidades do Criador. Em última análise, o Criador endurece o coração do Faraó, isto é, Ele está por trás de tudo, até mesmo dos eventos que são mais desagradáveis ​​para nós. “Não há outro além Dele” em toda a realidade.

Se somos capazes de aceitar que todas as forças da natureza, todos os seres humanos, todas as ações hostis e todos os pensamentos vêm do Criador e queremos vir a amá-Lo, então transformamos todos esses meios adversos em ajuda.

Nós só podemos discernir qualquer qualidade através do contraste de opostos, não por si só. Somos seres criados e devemos sentir a nós mesmos e ao Criador. A lacuna entre essas duas sensações nos dá a sensação de realidade.

Quanto mais diferimos do Criador, mais profundo e mais precisamente podemos revelá-Lo, em um nível mais interno. Portanto, é dito que quanto maior uma pessoa, maior é seu egoísmo. Quanto mais avançamos, mais perturbações sérias encontramos e, ao mesmo tempo, a colisão de opostos nos ajuda a chegar à conclusão de que “não há outro além Dele”.

Todo o nosso trabalho está em estabelecer a singularidade da força superior, nada além disso existe. O mundo inteiro é composto de perturbações da força que se opõe ao Criador, chamado “o Faraó”. Sob toda essa confusão criada pelo Faraó, podemos estabelecer que foi enviado pelo Criador. Então todas as perturbações ficam envolvidas em “Não há outro além Dele”, e podemos examinar este princípio com mais precisão em todos os seus detalhes, construindo a imagem do Criador através da imagem do Faraó.

Não temos como nos aproximar do Criador que não tem imagem. No entanto, são os distúrbios que constroem a imagem do Criador na forma inversa para nós.1

O Faraó nos confunde durante toda a nossa vida até o dia em que morremos, obrigando-nos a pensar que nosso dever é servir ao egoísmo. Nós não somos nem mesmo escravos, mas trabalhadores voluntários, do Faraó, prontos para cumprir todas as ordens da nossa natureza para receber prazeres em troca, ou pelo menos para evitar o sofrimento. No entanto, se o Criador quer trazer uma pessoa para mais perto Dele, ele endurece seu coração, mostrando-lhe que ela está trabalhando para a força do mal, para o Faraó, que não se importa com o bem-estar de uma pessoa, mas a engana ao longo da vida para finalmente enterrá-la no chão. O Faraó gosta do fato de estarmos seguindo suas ordens.

Afterward, we chase “none else besides Him,” looking not at Pharaoh himself, but trying to see the Creator through him. Let Pharaoh play any role before me, the main thing is that he helps me reveal various forms of the Creator’s attitude toward me.

No entanto, a força do bem está se escondendo atrás da força do mal e quer nos ensinar a vantagem da luz sobre as trevas, mostrando-nos através desses opostos que existe algo acima da nossa natureza. Tudo isso é para que nós, através de nossos desejos e esforços, descubramos essa realidade superior, o mundo espiritual, por nós mesmos, e passemos a reconhecer a força superior que está acima do Faraó. É assim que revelamos a forma oposta do Faraó: o Criador.

Depois, nós perseguimos “não há outro além Dele”, não olhando para o próprio Faraó, mas tentando ver o Criador através dele. Deixe o Faraó desempenhar qualquer papel antes de mim, o principal é que ele me ajuda a revelar várias formas da atitude do Criador em relação a mim.

O Criador é um bem permanente, incondicional e invariável que não posso ver. A luz superior até agora preenche toda a realidade, mas quem a vê? O Faraó me dá um negativo transparente através do qual olho para a luz e vejo todos os tipos de imagens. Eu não serei capaz de entender e distinguir nada no Criador se não for pelo Faraó.

Quanto mais cruel o Faraó se torna, mais contrastantes são os detalhes que podemos revelar no Criador. Sem Faraó não há Criador; portanto, o Criador inicialmente criou a inclinação ao mal. Quando olhamos para o Criador através da nossa inclinação ao mal, podemos ver todos os tipos de formas, de relacionamentos, ações e intenções, e com a ajuda do Faraó, aprendemos a nos tornar semelhantes ao Criador.2

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 24/04/19, Pessach (Páscoa)
1 Minuto 0:20
2 Minuto 28:36

O Criador Não É Uma Pessoa

Laitman_161Pergunta: Embora você já tenha dito que o Criador, como uma personalidade, não existe, você mesmo continua a falar sobre Ele como uma pessoa física que pensa, deseja, experimenta, se alegra, sofre, etc.

Como podemos entender suas declarações? Existe algum tipo de personalidade? Ou o Criador é algum tipo de força? As forças não têm componentes emocionais, portanto não podem ser usadas para descrever qualquer uma de suas manifestações.

Resposta: Eu já tive um carro antigo que me deu muitos problemas. Tentei consertá-lo sozinho e mais de uma vez levei para a oficina. Eu repreendi com palavras indelicadas o mecânico que estava consertando o carro, que se referia a ele como um ser vivo.

Quando nos dirigimos a algo, frequentemente impomos um objeto, uma força, um fenômeno, nossas propriedades, nossos sentimentos, que, naturalmente, não existem neste objeto ou propriedade. O mesmo é verdade do Criador.

Na medida em que posso criar a propriedade de doação, amor e conexão em mim mesmo, eu atraio essa propriedade “o Criador” e não mais do que isso. Mas, de fato, fora desta propriedade que eu criei, o Criador não existe.

Aqui precisamos nos posicionar corretamente e entender que é por isso que o Criador é chamado Boreh, Bo-Reh: Bo (venha), Reh (vê). Você deve vir e ver, isto é, alcançar o mesmo estado para descobrir essa propriedade. Também chamamos essa propriedade de Elokim. Ela consiste em duas partes da alma. Uma parte é chamada de AHP, a outra é Galgalta ve Eynaim.

Se estivermos falando da alma, o que o Criador tem a ver com isso? Isso também se refere a uma pessoa? Nós nem sequer falamos sobre o que existe fora de uma pessoa.

Estamos falando da realização dentro de uma pessoa quando ela alcança a qualidade de doação, a propriedade do amor.

Esta propriedade está acima do egoísmo, não é fácil de construir e desenvolver em si mesmo. Quando nós a adquirimos, a chamamos de Criador. Então podemos falar sobre perceber o Criador.

Da Lição de Cabalá em russo 23/12/18

Pratique O Amor Pelo Criador

Laitman_138Pergunta: Como os Cabalistas praticam o amor pelo Criador e como ele se parece?

Resposta: Vamos tentar essa prática juntos.

Tente constantemente manter-se em um pensamento que você quer amar o Criador, quer fazer o bem a Ele, aspira a Ele com toda sua alma, quer se aproximar Dele e senti-Lo.

Experimente e veja se você pode desenvolver um sentimento interior de que está faltando essa conexão.

O melhor de tudo é pensar constantemente: “Eu gostaria muito de fazer o bem a Ele”. Esse anseio interior rapidamente evocará certas sensações dentro de você, e você poderá dizer: “De fato, há algum ponto de atitude especial para com o Criador em mim. Com base nisso, posso me desenvolver ainda mais”.

Eu repito e continuo pensando: “Eu quero ter um desejo constante de fazer o bem ao Criador. Mas não quero que o Criador saiba disso. Eu só quero fazer isso sozinho”. Isso é tudo.

Da Lição de Cabalá em Russo 23/12/18

A Condição De Alcançar O Criador

laitman_934Pergunta: É difícil procurar o Criador se Ele é sentido como a fonte do sofrimento. Os esforços destinados a sentir que Ele é bom e faz o bem são considerados egoístas?

Resposta: Precisamos revelar isso. A partir desses estados que estamos tentando criar no grupo, estamos preparando o terreno para a Sua realização.

Na medida em que alcançamos as propriedades de amor e doação, unidade acima do nosso ego, criamos as condições, isto é, o Kli (vaso) no qual alcançamos o Criador.

O Criador é revelado no Kli criado por nós na medida de nossa equivalência com Sua qualidade de doação e amor, a qualidade que preparamos para Ele.

Por Que Se Voltar Ao Criador?

laitman_276.01Pergunta: Quando uso a força da eletricidade ou a força da gravidade, não preciso pedir nada a ninguém. Por que, para interagir com a força superior da natureza, preciso formar um pedido espiritual?

Resposta: Dentro da estrutura da natureza inanimada, vegetativa ou animada (já que nesta existência terrena também somos parte da natureza animada), permanecemos em um estado material claro. Não temos nada para pedir. Simplesmente precisamos saber como nos adaptar, aprender e usar a natureza corpórea, estudar suas leis e tentar de alguma forma implementá-las corretamente.

Quando tentamos subir para o próximo nível, para o grau espiritual de nossa existência, entramos em um relacionamento totalmente diferente: um relacionamento com o Criador. Portanto, estamos constantemente ligados a Ele. Ele nos dirige e nos voltamos a Ele.

Neste contexto, quando queremos nos tornar semelhantes a Ele, criamos uma imagem de equivalência com o Criador para nós mesmos, chamada de “nossa alma”.

Da Lição de Cabalá em Russo 16/12/18

O Criador E Atzmuto

laitman_292Pergunta: Se construirmos uma rede de relacionamentos corretos, tal comunicação nos leva a um estado similar ao sistema chamado “o Criador”?

Resposta: No mundo corpóreo, nossa visão ou audição captam apenas certa faixa de ondas. Existem ondas acima e abaixo da nossa visão e ondas sonoras superiores a 20 kHz e inferiores a 20 Hz, mas não as sentimos. No entanto, sabemos que elas existem e inventamos instrumentos que nos permitem ampliar o alcance de nossas sensações.

Aqui nós não apenas expandimos, mas criamos um órgão de sensação radicalmente novo em nós que funciona não para a recepção, mas para a doação.

A força que sentimos em nosso novo órgão sensorial, a semelhança com a qual construímos a nós mesmos, é chamada Boreh, das palavras “Bo” (venha) e “Reh” (veja).

Há algo mais acima que não percebemos, chamado Atzmuto (o eu do Criador). Há uma fronteira definida para a qual percebemos algo, mas não acima. Nós claramente sentimos essa fronteira.

Pergunta: Existe alguma informação sobre Atzmuto?

Resposta: Por muitas gerações, por 6.000 anos, temos estado apenas na obtenção do Criador. Mas quando toda a humanidade chegar à Sua plena realização e entrar no órgão sensorial fora de si mesma, isto é, além dos cinco órgãos sensoriais corpóreos, e quando sentir os cinco órgãos sensoriais espirituais construídos na doação, nós passaremos para uma dimensão maior chamada Atzmuto.

De KabTV, “A Essência Da Ciência Da Cabalá, Parte 5”, 12/11/18

Peça O Que O Criador Quer Dar

laitman_962.7O Criador criou a criação com o desejo de desfrutar, que é o oposto do Criador. Toda natureza inanimada, vegetativa e animada age por instinto e não pode mudar nada. Uma pessoa, no entanto, tem a oportunidade de mudar sua natureza se encontrar uma maneira de se voltar ao Criador e pedir por isso.

Se a pessoa organiza um ambiente através do qual pode receber desejos que são opostos à sua natureza original, ela pode formular uma necessidade pelo Criador e pedir o desejo de doar. O Criador então lhe dará uma segunda natureza para que ela possa usar seu desejo de desfrutar com a intenção em prol da doação. É assim que a pessoa se torna semelhante ao Criador.

O Criador recebe prazer quando exigimos Dele porque o Seu desejo é doar: quanto mais recebemos Dele, mais damos a Ele. Nós não podemos dar nada a Ele exceto nossos desejos que requerem satisfação. Entretanto, é necessário pedir apenas pelo prazer do Criador, então esta é a intenção correta. Se eu pedir porque me sinto mal, isso ainda é um pedido egoísta.

O pedido correto é pedir o que o Criador quer nos dar. É como uma criança que quer uma bola, mas sabe que dará mais prazer ao pai se pedir uma enciclopédia. No entanto, o pai sente seu filho completamente e não pode ser enganado. Portanto, o filho deve entrar no ambiente correto que irá mudar seus desejos para que, em vez de jogar futebol, ele esteja mais interessado em estudar geografia.

Então ele vai até seu pai e pede o livro do fundo do seu coração, concedendo-lhe imenso prazer não através do livro em si, mas pelo fato de que mudou a si mesmo seguindo o exemplo de seu pai. Todo o trabalho da pessoa é pedir, mas pedir sempre as coisas corretas para que o Pai desfrute do nosso pedido. Isso é chamado de “tornar o seu desejo como o desejo Dele”.1

Está escrito: “Meus filhos Me derrotaram”. Isso significa que devemos influenciar o Criador para que Ele nos corrija o tempo todo, atraia-nos e nos empurre para frente. No entanto, a pessoa pode influenciar o Criador apenas na medida da equivalência das propriedades. É impossível alcançá-Lo com gritos e pedidos – é necessária uma conexão entre nossas propriedades. Tais propriedades aparecem apenas sob a condição de que eu estou no ambiente correto, na dezena construída na equivalência com o Criador. Se transferirmos nossos desejos de doação ao Criador, receberemos Dele o poder de realizá-los. É assim que nós vamos do amor dos seres criados ao amor do Criador.2

Se elevamos o pedido correto ao Criador, começamos a entender Sua resposta, a apreciar o que recebemos Dele. Talvez eu tenha pedido uma bola, como uma criança, e meu pai me deu um livro de geografia. Então eu vejo o quanto mais útil o livro é para mim e como eu deveria mudar para percebê-lo como um presente do Criador e não ficar com raiva por não ter recebido a bola. Se eu trabalhar corretamente na dezena, verei que o mundo está mudando para melhor para mim.3

Toda a matéria é um desejo de desfrutar. Cada elemento, cada átomo, quer preservar a si mesmo, sua estrutura, sua natureza e sua textura. Cada partícula existe devido ao fato de que resiste à sua destruição. Para dividir uma minúscula partícula elementar, as pessoas constroem enormes instalações, colisores. É preciso muita energia para dividir uma partícula e ver em que consiste. Isso mostra que um forte desejo de desfrutar é inserido em cada partícula pelo Criador. No esforço para dividir partículas elementares, estamos essencialmente estudando o que o Criador colocou dentro da criação.

Quanto mais simples o material, mais forte é o desejo de desfrutar. Quanto mais a matéria se desenvolve, mais complicado se torna esse desejo e, portanto, enfraquece e não consegue mais se manter. É por isso que os elementos mais pesados ​​começam a emitir energia, radiação e decomposição.

A partícula mais morta e primitiva tem a maior força recebida do Criador. Portanto, quanto mais desenvolvida uma pessoa é, mais dúvidas e problemas, altos e baixos, ela tem. No entanto, se ela se congela no nível inanimado, ela não se preocupa com nada e continua hoje como ontem.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 08/04/19, Escritos do Baal HaSulam, Shamati, Artigo 115 “Inanimado, Vegetativo, Animado e Falante”
1 Minuto 15:00 – 1:01:00
2 Minuto 01:18:00
3 Minuto 1:20:00
4 Minuto 1:46:25

Os Meios Para Atingir O Criador

laitman_933Pergunta: Os Cabalistas dizem que a sensação do Criador nada mais é do que a sensação de nossa conexão uns com os outros. Isso significa que o Criador não é revelado dentro de mim, mas na conexão entre eu e as outras pessoas?

Resposta: É apenas uma ferramenta auxiliar para a revelação do Criador. O fato é que o Criador é uma força doadora, realizadora e desenvolvedora. Ele age fora de si mesmo.

Para senti-Lo, precisamos desenvolver uma força semelhante e adequada que doará e preencherá. Não existe tal força em nós. Nós só temos a força para receber.

Portanto, a coisa mais importante para alcançar o Criador é criar o poder de doação em nós mesmos, além do poder de receber. Ao mesmo tempo, não mudamos nada em nós mesmos, permanecemos como somos, apenas nos complementamos com outras forças.

Desenvolvendo o poder de doação, começamos a sentir tudo de acordo com a lei de equivalência com o Criador. Como de acordo com a lei de equivalência, sentimos o que existe ao nosso redor em nossas propriedades de recepção, da mesma forma que podemos sentir o Criador nas propriedades de doação que desenvolvemos.

É possível formar essas propriedades apenas sob certas condições de conexão entre nós quando nos reunimos em grupos e estudamos Cabalá, o que nos explica como podemos estar interconectados. É nessa conexão que começamos a construir um sistema chamado propriedade de doação. Somente ele pode capturar a propriedade do Criador e, nele, como nosso novo órgão de sensação, começamos a senti-Lo.

De KabTV, “A Essência da Ciência da Cabalá, Parte 4”, 12/11/18