Textos na Categoria 'Rabash'

“O Silêncio Vale Ouro” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Silêncio Vale Ouro

Passei incontáveis ​​horas conversando com meu professor, o Rav Baruch Shalom Ashlag (RABASH). Na maior parte do tempo, conversávamos quando estávamos sozinhos durante nossas caminhadas matinais diárias ou durante nossas frequentes viagens de dois dias a Tiberíades.

Uma vez perguntei o que ele fazia antes de eu vir, pois quando o conheci ele já tinha setenta e três anos. Ele disse: “Eu estava sozinho”. Quando perguntei se ele não precisava falar com alguém, ele simplesmente disse: “Não”.

Hoje, trinta anos após sua partida, entendo o que ele quis dizer. Sento-me sozinho em meu quarto e não sinto necessidade de sair ou falar com ninguém. Eu poderia ficar aqui sentado por cem anos sem me importar com isso. Eu faço passeios aqui e ali, mas desde que os lockdowns começaram, estou quase sempre sozinho e estou perfeitamente contente. Se não fosse pelos meus alunos ou pela necessidade de espalhar a sabedoria da Cabalá para o mundo, eu não diria uma palavra.

Nisto sou como muitos Cabalistas antes de mim. Eles também não passavam os dias conversando ociosamente. Eles estudavam juntos e liam fontes autênticas de Cabalá.

Isso também era o que o RABASH e eu costumávamos fazer. Mesmo quando estávamos sozinhos, como em Tiberíades, sentávamo-nos frente a frente, O Livro do Zohar ou O Estudo das Dez Sefirot aberto na mesa entre nós, xícaras de café turco ao lado deles, e líamos, líamos e líamos.

De vez em quando, RABASH parava de ler para explicar algo, ou eu fazia uma pergunta sobre o texto, mas na maioria das vezes, líamos e nos conectávamos, aumentando para um sentimento espiritual compartilhado. Nada mais era necessário, absolutamente nada.

Quando acontecia um evento importante, como uma guerra ou eleições em Israel, ou outros eventos que mexiam com o público israelense, trocávamos algumas palavras sobre isso, mas não por muito tempo, e certamente sem tagarelar sobre isso. Não nos desviaríamos de pensar no propósito da vida por um momento; cada segundo importava.

Está escrito na Mishná que Shimon, filho de Rabban Gamaliel, costumava dizer: “Todos os meus dias cresci entre os sábios e não encontrei nada melhor para uma pessoa do que o silêncio. O estudo não é o mais importante, mas as ações; e quem fala muitas palavras traz consigo o pecado” (Avot, 1:16).

Os Cabalistas ficam em silêncio porque ouvem com o coração. Eles ouvem nosso coração comum, o coração do sistema humano chamado Adam HaRishon, do qual todos fazemos parte.

Nascemos trancados dentro da bolha do nosso ego; não podemos ouvir nosso coração comum. Em vez disso, apenas ouvimos a nós mesmos.

O que eu aprendi com o RABASH é ouvir profundamente dentro, além do ego, até o coração comum. Nas profundezas de nossa alma, há um desejo de romper os limites do ego e sentir o coração comum. Quando nos conectarmos com ele, seremos realmente capazes de ouvir o que está fora de nós. Poderemos conversar com a alma de toda a humanidade, com toda a natureza e, por meio deles, com o Criador.

“Ele Está Sempre Comigo”

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 02/10/21

Dr. Michael LaitmanPor muitos anos, alunos e amigos têm me pedido para lhes contar a história de meu tempo com meu professor, RABASH. Por muitos anos, senti que não havia necessidade, que os tempos eram diferentes e as coisas funcionam de forma diferente hoje.

Mas, por meio de minhas conversas com Semion Vinokur, muitas das histórias vieram à tona. Semion, que realmente me sente, conseguiu colocá-los no papel em seu estilo único e cativante, e de repente, havia um livro.

O livro, que se chamava Always with Me, começa com minhas perguntas de infância e meus anos como um jovem. Mas estes são apenas o prelúdio. A maior parte do texto conta a história de meus anos com RABASH: como o encontrei, como me tornei seu discípulo, seu assistente e por que estou empenhado em transmitir sua mensagem de amor a toda a humanidade.

Os alunos de Cabalá de hoje aprendem de maneira muito diferente da maneira como aprendi com ele. No entanto, cada aluno passa por um processo interno muito semelhante e pode simpatizar com as experiências aqui descritas.

Já que os tempos são diferentes agora, não posso ensinar meus alunos da maneira que o RABASH me ensinou. Embora o caminho seja um pouco diferente, atingir a espiritualidade ainda exige e sempre exigirá dedicação e devoção ao objetivo.

RABASH faleceu em 1991, mas ele nunca sairá do meu coração ou da minha mente. Quando eu ensino, ele está sempre comigo. Quando me levanto de madrugada para me preparar para a lição da manhã seguinte, é ele quem guia meu coração. Quando falo com líderes mundiais ou com cientistas, é seu legado que guia meus pensamentos e palavras.

Espero que, ao ler as histórias, você tenha um gostinho da grandeza do homem que tornou a Cabalá acessível a todas as pessoas neste planeta. Os ensinamentos do RABASH são um presente para a humanidade, e eu faço o meu melhor para garantir que todos gostem.

O que me tornei, tornei-me graças a ele, porque, de fato, ele está sempre comigo.

E, finalmente, uma palavra de gratidão a Irina Rudnev e Mark Berelekhis por sua meticulosa tradução para o inglês.

Obtenha uma cópia na Amazon (em inglês):

Um Mensageiro Do Criador

961.2Hoje comemoramos o dia em memória do meu professor Rav Baruch Ashlag (Rabash). Milhares de Cabalistas viveram antes dele e milhões de pessoas que sonhavam em revelar a espiritualidade.

Mas agora todo esse trabalho está voltado a nós e devemos tentar chegar à forma da chamada última geração para alcançarmos o nível espiritual pela fé acima da razão, a primeira associação com o mundo espiritual, com suas forças e possibilidades.

Toda a humanidade está começando a sentir sua dependência mútua, tanto no bom quanto no mau sentido, tanto sua dependência de grupos terroristas famintos por guerra quanto de pessoas que se esforçam em se unir.

Todos nós fazemos parte da humanidade e estamos cada vez mais conscientes de nossa conexão uns com os outros. Até agora, essa dependência se expressa de formas desagradáveis, como a pandemia, por exemplo. Mas, por outro lado, estamos avançando cada vez mais porque vemos que nossa conexão vem de cima como condição necessária para seguir em frente.

Dois grandes Cabalistas: Baal HaSulam e seu filho mais velho, Rabash, criaram um método projetado para a última geração, para nós. Portanto, somos extremamente gratos a esses dois Cabalistas e ao Criador que os enviou até nós. Rabash escreve que se um grupo de pessoas unidas por um objetivo comum se reúne pronto para anular interesses pessoais em prol da conexão, tal grupo é capaz de alcançar o objetivo sublime mesmo aqui neste mundo.

Quanto mais uma pessoa valoriza o grupo, o professor e o Criador, mais ela se aproxima da força de doação e alcança a fé acima da razão. Há um princípio fundamental que opera aqui chamado “A Torá, o Criador e Israel são um”. Uma pessoa busca se juntar à dezena, que ela organiza para que se torne um lugar para a revelação do Criador.

Devemos atuar neste mundo como mensageiros do Criador, cumprindo o desejo do alto e ajudando a realizá-lo na humanidade. Afinal, não existe tal conexão entre o Criador e a humanidade que permita às pessoas sentir a intenção do Criador. Portanto, precisamos implementar esta conexão, para subir ao nível espiritual de fé acima da razão, e ao mesmo tempo estar dentro da razão, isto é, servir como uma transição entre o Criador, a força de Bina e Malchut para toda a humanidade.

Desta forma, seremos capazes de transferir todas as nossas forças e intenções à humanidade, que se juntará a nós e se elevará conosco como uma força de apoio, o AHAP do nível espiritual.

Claro, não há nada de novo sob a lua, e o conceito de fé acima da razão era conhecido pelos Cabalistas mesmo antes do Rabash. Mas não foi esclarecido e explicado em detalhes como o Baal HaSulam e o Rabash fizeram ao trazer essa técnica para a implementação prática entre as massas.

O Rabash explicou o método do Baal HaSulam em detalhes e o expandiu em seus artigos. Na verdade, ele percorreu todo o caminho espiritual que uma pessoa deve percorrer e o explicou minuciosamente. Todos os seus artigos são como um romance fascinante que explica o desenvolvimento espiritual de uma pessoa e sua ascensão do nível animado ao humano.

Nós nem mesmo entendemos a profundidade infinita que os artigos do Rabash escondem. Somente quando subirmos a escada espiritual para a correção final, seremos capazes de avaliar como esse homem preparou todo o caminho para nós e que graus supremos ele descreve em seus artigos.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 12/09/21, ”Dia em Memória do Rabash”

“Hoje Faz Trinta Anos Que Meu Professor Faleceu” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Hoje Faz Trinta Anos Que Meu Professor Faleceu

Em uma noite fria e chuvosa de fevereiro de 1979, quando eu e Chaim Malka, meu parceiro de estudo de vários anos atrás, estávamos prestes a começar a estudar nossos livros antigos de Cabalá, de repente me cansei da busca interminável e aparentemente fútil pela verdade. “Vamos procurar um professor”, eu disse a Chaim. “Para onde iremos?” ele perguntou. “Vamos de carro até Bnei Brak”, respondi, “nunca procuramos lá”. Chaim não estava interessado em dirigir com aquele tempo, muito menos para uma cidade lotada de judeus ortodoxos com estradas estreitas e semipavimentadas, e onde Cabalistas dificilmente seriam encontrados. Eu o incitei, no entanto, e ele, relutantemente, concordou.

Quando chegamos a Bnei Brak, tarde da noite, não havia ninguém nas ruas. Elas estavam vazias, úmidas e frias. Em uma encruzilhada, de repente vi um homem prestes a atravessar a rua. Apressadamente, abaixei a vidraça e gritei em sua direção: “Onde eles estudam Cabalá por aqui?”

Foi uma pergunta muito incomum. Naquela época, ninguém falava sobre Cabalá e, entre os judeus ortodoxos, o tópico era um tabu. Ainda mais incomum foi a resposta do homem: ele olhou para mim com calma e respondeu imediatamente, como se estivesse esperando que eu viesse perguntar exatamente isso. “Vire à direita, desça até o fim da estrada onde começa o pomar”, disse ele. “À sua esquerda, você verá uma casa. É onde eles estudam Cabalá”, concluiu ele e continuou seu caminho.

Nós dirigimos conforme o homem instruiu e, de fato, a casa estava lá. Saímos do carro e batemos na porta, mas ninguém respondeu. A casa estava quase toda escura. Tentamos abrir a porta e ela estava destrancada. Entramos e não havia ninguém lá, exceto por uma sala que estava iluminada e vozes vinham de lá. Entramos hesitantes e encontramos cinco ou seis homens idosos lendo O Zohar e murmurando palavras em um idioma que eu não entendia (era iídiche). O mais velho gesticulou para que nos sentássemos e nos sentamos em silêncio ao lado dos homens, nos bancos ao redor da velha mesa de madeira onde os homens estudavam.

O mais velho entre eles, que nos convidou para nos juntar a eles e era claramente o professor, acabou sendo o Rav Baruch Shalom Ashlag (RABASH), o primogênito e sucessor do Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), o maior Cabalista do século XX e autor do aclamado comentário Sulam [Escada] sobre O Livro do Zohar. Finalmente, depois de anos de busca, encontrei meu professor.

Pelos próximos doze anos, até seu último suspiro, eu fiquei com o RABASH, ajudando-o em tudo que eu podia, e aprendendo com ele tudo o que ele podia dar, e ele me deu mais do que eu jamais poderia imaginar que alguém pudesse dar. Hoje faz trinta anos que ele faleceu nos meus braços, deixando-me o seu caderno onde escreveu tudo o que aprendeu com o seu pai gigante, e com um legado: contar ao mundo o verdadeiro significado dessa grande sabedoria, e mostrá-los um caminho de luz em um presente obscuro e um futuro agourento.

Eu escrevi meus três primeiros livros sob a orientação do RABASH. Após seu falecimento, escrevi outro livro e as pessoas começaram a me procurar em busca de um professor. Eu não tinha vontade de ensinar. Eu queria me isolar com os livros e a sabedoria que aprendi com RABASH. Mas eles insistiram em vir e eu percebi que os tempos estavam mudando e as portas para a sabedoria da Cabalá estavam se abrindo.

Junto com meus primeiros alunos, estabelecemos o primeiro grupo de estudo, e o Bnei Baruch [Filhos de Baruch], um grupo de alunos que se esforçam para seguir os passos de meu professor e de todos os Cabalistas antes dele, surgiu.

Trinta anos depois, o Bnei Baruch não é mais um grupo. Hoje, é um movimento mundial que se esforça para ajudar o mundo a se unir no amor acima de todas as diferenças. Graças aos meus alunos, os ensinamentos do RABASH são aprendidos e amados em todo o mundo. Esses alunos estão realizando o sonho do meu professor. Portanto, hoje estou confiante de que com a ajuda de meu professor e a dedicação de meus alunos e amigos, os ensinamentos do homem de luz, cujo amor irradiava de cada palavra sua, se espalharão por toda parte e iluminarão nossas vidas.

Desenvolvimento Do Método De Correção

958Baal HaSulam, “A Profecia do Baal HaSulam”: Pegue essa espada em sua mão e guarde-a com seu coração e alma, pois é um sinal entre Eu e você, que todas aquelas coisas boas acontecerão através de você, pois até agora, Eu não tive nenhum homem tão fiel como você para lhe dar essa espada. … E eu disse a mim mesmo: “Que eu conceda a todos os habitantes do mundo uma gota da pureza desta espada, pois eles saberão que a bondade do Senhor está na terra”.

O Criador diz que através do Baal HaSulam Ele dá ao mundo o método de correção que nunca foi passado a ninguém antes.

Meu professor era o filho mais velho de Baal HaSulam, e ele assumiu o método de correção dele e o passou para mim. Ele é realmente o mais adequado para aquelas almas que agora estão descendo ao nosso mundo. Com sua ajuda, podemos nos corrigir, corrigir o mundo e alcançar o objetivo da criação.

“Eu escolhi você como um sábio justo em toda esta geração, para curar o sofrimento humano com salvação duradoura. Pegue essa espada em sua mão e guarde-a com seu coração e alma, pois é um sinal entre Eu e você, que todas essas coisas boas acontecerão através de você, pois até agora, Eu não tive nenhum homem tão fiel como você, para lhe dar essa espada”. 

Portanto, quando o Criador diz em essência: “Você é uma pessoa especial, e é a você que confio essa espada, essa técnica, a chave da salvação”, elas não são palavras vazias.

Comentário: É sabido que o Criador disse a Moisés a mesma coisa quando ele saiu do Egito.

Minha Resposta: Naquela época, era necessário. Mas a Torá que Moisés estabeleceu não é suficiente para a nossa geração porque as almas passaram por muitas mudanças egoístas desde então, e em nossa geração, elas precisam de uma nova abordagem.

Nem mesmo uma nova abordagem, mas um desenvolvimento da técnica anterior para torná-la um método real de correção. Isso é o que Baal HaSulam acrescentou.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 5

Meu Professor E Eu

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 22/09/20

Em uma noite fria e chuvosa de fevereiro de 1979, enquanto eu estava fazendo minhas pesquisas habituais nos livros de Cabalá com meu amigo Chaim Malka, percebi que não havia esperança. “Chaim”, eu disse, “vamos encontrar um professor agora mesmo”. Entramos no carro e partimos para Bnei Brak, uma cidade ortodoxa onde ouvi dizer que as pessoas estudam Cabalá. Enquanto a chuva caía no para-brisa, eu dirigia quase às cegas, com visibilidade zero. Mas fui impulsionado desde dentro; eu tinha que continuar.

Uma vez dentro da cidade, não tínhamos ideia para onde ir. De repente, vi um homem parado na calçada esperando para atravessar a rua. Na chuva torrencial, ele era o único por perto. Abaixei a janela e gritei através da torrente: “Onde eles estudam Cabalá por aqui?!”

O homem olhou para mim com indiferença e disse: “Vire à esquerda e dirija em direção ao pomar. No final da rua, você verá uma casa em frente a ela; é onde eles estudam Cabalá”.

Naquela casa perto do pomar, eu conheci meu professor, Rav Baruch Shalom HaLevi Ashlag (RABASH), o filho primogênito e sucessor do Rav Yehuda Leib HaLevi Ashlag, o maior Cabalista do século XX, que era conhecido como Baal HaSulam (autor de o Sulam) após seu comentário Sulam (Escada) sobre O Livro do Zohar.

Durante os próximos doze anos, eu fui assistente pessoal do RABASH e me tornei seu discípulo principal. Estudei com ele três horas pela manhã e duas horas à noite com todos os outros. Também estudei com ele enquanto estávamos sozinhos, enquanto o levava em seus passeios diários à praia ou ao parque. Estudei com ele a cada dois fins de semana, quando nós dois passávamos os fins de semana na companhia um do outro, e estudei com ele quando ele ficou hospitalizado por um mês em duas ocasiões. Fiz-lhe todas as perguntas que pude sobre espiritualidade, seja durante as aulas ou enquanto dirigia, ou em qualquer outra oportunidade. Eu perguntei a ele porque precisava saber. Eu sabia que ele era o último dos moicanos, o elo final em uma linhagem que remonta a milênios, e sabia que teria que manter esse ensino. Gravei cada lição e tomei nota de suas palavras. Absorvi dele tudo o que pude, o significado externo e interno das palavras, para que pudesse transmiti-las quando chegasse a hora.

Depois de alguns anos, quando o RABASH me disse que eu precisava de amigos para praticar o trabalho espiritual, trouxe-lhe quarenta alunos. Para eles, ele começou a escrever seus ensaios inestimáveis ​​sobre o progresso de alguém de uma pessoa normal para um Cabalista – que conhece as sutilezas mais íntimas da natureza humana e o relacionamento com o Criador.

Os ensaios do RABASH pavimentaram o caminho não apenas para seus alunos, mas para todos nós, individualmente. Agora, esses ensaios são um farol que mostra o caminho para quem deseja alcançar a espiritualidade. Eles nos ensinam como nos relacionarmos uns com os outros e como nos relacionarmos com os sentimentos e estados que descobrimos dentro de nós ao longo do caminho. RABASH, assim como seu pai à sua maneira, foi um pioneiro, um pioneiro de coragem, compaixão e amor sem fim pela humanidade.

Após sua morte em 1991, as pessoas me pediram para começar a lecionar. RABASH me encorajou a ensinar enquanto eu ainda estava com ele, então quando as pessoas me abordaram eu consenti e formei um grupo de estudo que chamamos de Bnei Baruch (filhos do Baruch). Na verdade, aspiramos antes e aspiramos agora a merecer o nome e ser os filhos espirituais do meu professor.

Hoje, ao comemorar o 29º aniversário de sua morte, é minha esperança que continuemos a merecer o nome de Bnei Baruch, a trilhar seu caminho de amor e unidade, e a espalhar a sabedoria autêntica da Cabalá em todo o mundo para todos alma com sede.

“E uma vez que adquiri uma vestimenta de amor, centelhas de amor começam a brilhar dentro de mim, o coração começa a ansiar por se unir aos meus amigos, e parece-me que meus olhos veem meus amigos, meus ouvidos ouvem suas vozes, minha boca fala com eles, as mãos se abraçam e os pés dançam em um círculo, em amor e na alegria junto com eles. Eu transcendo meus limites corporais e esqueço a vasta distância entre meus amigos e eu … e parece-me que não há realidade no mundo exceto meus amigos e eu. Depois disso, até mesmo o ‘eu’ é anulado e imerso, mesclado nos meus amigos, até que me levanto e declaro que não há realidade no mundo senão os amigos” (RABASH, Carta nº 8).

Geografia Espiritual, Parte 3

laitman_740.03A Sensibilidade De Um Cabalista

Pergunta: Você costumava ir com seu professor ao Kinneret (mar da Galileia). De alguma forma, isso tem a ver com Bina?

Resposta: Ele e eu viajamos por quase todo o país, e em cada lugar de fato sentimos influências diferentes.

Tínhamos uma pequena casa no Kinneret, onde íamos e vivíamos por vários dias. Fazíamos isso periodicamente, uma vez cada quinze dias.

Pergunta: Um Cabalista pode sentir forças que influenciam a Terra? Ele pode de alguma forma atrair essas forças?

Resposta: Naturalmente, extraímos força de lá, muita força.

Pergunta: Você pode fazer isso na Sibéria ou em Nova York?

Resposta: Não. Em primeiro lugar, em lugar nenhum, exceto Israel. Em segundo lugar, no Norte, perto de Tiberius, no Monte Meron, existem vastos espaços espirituais onde você simplesmente cai em certas forças espirituais.

No entanto, somente as pessoas predispostas a isso, que desenvolveram essa sensibilidade dentro delas e podem sintonizar a mesma frequência, podem senti-las.

Isso não é misticismo ou meditação. Estamos falando daqueles que estudam Cabalá. Eles sentem e compreendem a diferença nessas forças.

Por outro lado, nos lugares que as pessoas comuns consideram espirituais, os Cabalistas são bastante prosaicos, não prestam atenção a eles e não se referem a nenhuma força, influência ou fonte espiritual.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 28/01/19

Dvekut Une Dois Em Um

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 05/10/19

Em memória do meu professor, Baruch Shalom HaLevi Ashlag (O Rabash)

O Rabash

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 05/10/19

Em memória do meu professor, Baruch Shalom HaLevi Ashlag (O Rabash)

Rabash

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 11/09/19

Em uma noite fria e chuvosa de 1979, eu não conseguia dormir, meus pensamentos me incomodavam. De repente, me vi ao volante, dirigindo sem direção. Uma grande placa passou por meus pensamentos: “Bnei Brak”. Entrei. As ruas estavam desertas. Na esquina da rua “Chazon Ish”, encontrei um transeunte. “Onde se estuda aqui?”, perguntei. Ele olhou para mim e respondeu: “Dirija até o fim da rua, onde você verá um pomar. É do outro lado”.

Foi assim que conheci meu professor pela primeira vez, Rav Baruch Shalom Ashlag (o Rabash), o filho mais velho e sucessor de Baal HaSulam – o maior Cabalista do século XX. A partir desse momento, minha vida nunca mais foi a mesma.

Nos doze anos seguintes, servi como assistente pessoal e discípulo, e absorvi dele tudo o que sei na sabedoria da Cabalá. Todo dia ele se trancava no segundo andar e escrevia. Foi assim que seus profundos artigos nasceram, o que abriu o caminho para qualquer pessoa hoje em dia esculpir o caminho espiritual mais adequado para ela. Ninguém antes dele havia escrito de maneira tão simples e prática. Como um pai que guia seus filhos pelo caminho, ele pega seus leitores pela mão e os guia até descobrirem o verdadeiro significado da vida.

“E uma vez que adquiri a vestimenta do amor”, ele escreveu aos alunos no final da conhecida carta “Amor de Amigos”, “Centelhas de amor prontamente começaram a brilhar dentro de mim. O coração começou a se unir aos meus amigos, e parecia-me que meus olhos viam meus amigos, meus ouvidos ouviam suas vozes, minha boca falava com eles, as mãos se abraçavam, os pés dançavam em círculo, em amor e alegria junto com eles…” (Rabash).

Após sua partida em 1991, as pessoas que sentiam um desejo ardente em revelar seu propósito começaram a se unir. Gradualmente, o Instituto de Educação e Pesquisa de Cabalá “Bnei Baruch” foi formado, em homenagem ao Cabalista Baruch Ashlag. Todas as manhãs estudamos os escritos dos Cabalistas, como O Estudo das Dez Sefirot, O Zohar com o comentário Sulam e os escritos de Baal HaSulam e Rabash. Trabalhamos para compartilhar o método com qualquer pessoa interessada, assim como meu professor me deu a sabedoria de seu pai.

Hoje comemoramos o 28º aniversário da morte de meu professor, o Rabash, o maior da geração. Eu espero que consigamos seguir fielmente seu caminho.