Textos na Categoria 'Lição Diária de Cabalá'

Transforme O Egito No Jardim Do Éden

laitman_962.1Depois que entramos no Egito, começamos a trabalhar apenas em nossa unidade. Este é o nosso único objetivo: o Criador deve revelar-Se no centro do grupo. Portanto, descemos ao Egito percebendo quão necessária é a unidade, mas somos totalmente incapazes de alcançá-la. Não queremos ir para lá, mas não temos escolha porque sentimos que, se não formos para essa conexão, haverá fome: ficaremos sem nada e nunca alcançaremos a espiritualidade.

Tudo isso é possível devido à conexão entre Jacó e José. Assim que Jacó descobre que José vive no Egito, ele pensa apenas em como encontrá-lo.

Um egoísta típico não pensa em unidade, quer apenas revelar o Criador, alcançar o mundo superior, sentir a eternidade, a perfeição, a realização espiritual, sentir-se imortal e não como um animal destinado a morrer. Esses são os sonhos de um pequeno egoísta. O Egito, o Faraó, precisa ser acrescentado a esse pequeno desejo egoísta para realmente alcançar o mundo superior, isto é, o propósito da criação.

Isso requer um imenso egoísmo, muitas propriedades, nosso desejo de desfrutar, e é por isso que somos obrigados a descer ao Egito. O Criador organiza isso para nós, como prometido a Abraão, e sem ele não poderíamos alcançar a terra de Israel.

O Criador mostrou a Abraão a terra de Israel, o desejo de receber prazer completamente corrigido para doação na qual a criação é fundida com o Criador, o fim da correção. Abraão perguntou isso se era possível. De onde virá tal desejo? Não há um desejo tão grande de desfrutar nem de doar que lhe corresponda. Ele não tinha as três linhas, apenas uma, uma pequena iluminação da luz superior, o que era suficiente para ele.

Você só pode entrar na terra de Israel com as três linhas. Se a linha esquerda, o Faraó, crescer, a linha direita crescerá de acordo. E conectando as duas linhas juntas, você pode alcançar a terra de Israel, o desejo totalmente destinado a doar ao Criador.

O Criador disse a Abraão que Ele cuidaria disso, e Ele trouxe todo o grupo de Abraão para a condição chamada “Egito” e depois os conduziu e deu a Torá. Tudo isso foi possível porque, desde o início, Abraão tinha a intenção de se unir. Ele pensou que isso poderia ser feito individualmente.1

Pitom e Ramsés são belas cidades para o Faraó, mas pobres e miseráveis ​​para o povo de Israel. Faraó e Israel são dois polos opostos. Eu observo do lado do Faraó e depois do lado do Criador. Se observo do ponto de vista do Faraó, vejo quão maravilhoso é meu desejo egoísta, que pode ser desfrutado em meu país, o Egito.

Se eu supero esse egoísmo, se não quero me divertir no Egito, mas sim elevar-me mais alto, eu clamo, não ao Faraó, mas ao Criador, pedindo ajuda e salvação. O Criador então me eleva do estado de Faraó para outro estado, e de lá eu vejo que tudo que construí, essas cidades, não são nada bonitas, mas miseráveis. Eu não sinto nenhum benefício em qualquer coisa que tenha feito, isto é, não tenho abordado a perfeição e a doação. Portanto, eu clamo ao Criador e peço minha correção. Através do sentimento das miseráveis ​​cidades de Pitom e Ramsés, o Criador me leva à correção.

Então, eu verei essas cidades construídas por mim no Egito de maneira diferente, em uma forma espiritual. Quando eu completar estas cidades miseráveis ​​com correções, com a luz de Hassadim, construindo a intenção de doar sobre meu desejo de desfrutar, eu transformarei todo o Egito no Jardim do Éden (paraíso). Então, não será o Egito, mas a terra de Israel. 2

O êxodo do Egito é uma fuga, com os olhos fechados, para a unificação; esta possibilidade de repente se abre diante de nós como o Mar Vermelho. Eu pulo para a unidade, para o Mar Vermelho, e atravesso. Depois disso, começamos a trabalhar consistentemente em nossa conexão, em garantia mútua, em nossa unidade: ou nos unimos ou este será nosso local de sepultamento.3

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 15/04/19, Pessach
1 Minuto 1:13:10
2 Minuto 1: 23:50
3 Minuto 2:11:25

O Criador E Atzmuto

laitman_292Pergunta: Se construirmos uma rede de relacionamentos corretos, tal comunicação nos leva a um estado similar ao sistema chamado “o Criador”?

Resposta: No mundo corpóreo, nossa visão ou audição captam apenas certa faixa de ondas. Existem ondas acima e abaixo da nossa visão e ondas sonoras superiores a 20 kHz e inferiores a 20 Hz, mas não as sentimos. No entanto, sabemos que elas existem e inventamos instrumentos que nos permitem ampliar o alcance de nossas sensações.

Aqui nós não apenas expandimos, mas criamos um órgão de sensação radicalmente novo em nós que funciona não para a recepção, mas para a doação.

A força que sentimos em nosso novo órgão sensorial, a semelhança com a qual construímos a nós mesmos, é chamada Boreh, das palavras “Bo” (venha) e “Reh” (veja).

Há algo mais acima que não percebemos, chamado Atzmuto (o eu do Criador). Há uma fronteira definida para a qual percebemos algo, mas não acima. Nós claramente sentimos essa fronteira.

Pergunta: Existe alguma informação sobre Atzmuto?

Resposta: Por muitas gerações, por 6.000 anos, temos estado apenas na obtenção do Criador. Mas quando toda a humanidade chegar à Sua plena realização e entrar no órgão sensorial fora de si mesma, isto é, além dos cinco órgãos sensoriais corpóreos, e quando sentir os cinco órgãos sensoriais espirituais construídos na doação, nós passaremos para uma dimensão maior chamada Atzmuto.

De KabTV, “A Essência Da Ciência Da Cabalá, Parte 5”, 12/11/18

Peça O Que O Criador Quer Dar

laitman_962.7O Criador criou a criação com o desejo de desfrutar, que é o oposto do Criador. Toda natureza inanimada, vegetativa e animada age por instinto e não pode mudar nada. Uma pessoa, no entanto, tem a oportunidade de mudar sua natureza se encontrar uma maneira de se voltar ao Criador e pedir por isso.

Se a pessoa organiza um ambiente através do qual pode receber desejos que são opostos à sua natureza original, ela pode formular uma necessidade pelo Criador e pedir o desejo de doar. O Criador então lhe dará uma segunda natureza para que ela possa usar seu desejo de desfrutar com a intenção em prol da doação. É assim que a pessoa se torna semelhante ao Criador.

O Criador recebe prazer quando exigimos Dele porque o Seu desejo é doar: quanto mais recebemos Dele, mais damos a Ele. Nós não podemos dar nada a Ele exceto nossos desejos que requerem satisfação. Entretanto, é necessário pedir apenas pelo prazer do Criador, então esta é a intenção correta. Se eu pedir porque me sinto mal, isso ainda é um pedido egoísta.

O pedido correto é pedir o que o Criador quer nos dar. É como uma criança que quer uma bola, mas sabe que dará mais prazer ao pai se pedir uma enciclopédia. No entanto, o pai sente seu filho completamente e não pode ser enganado. Portanto, o filho deve entrar no ambiente correto que irá mudar seus desejos para que, em vez de jogar futebol, ele esteja mais interessado em estudar geografia.

Então ele vai até seu pai e pede o livro do fundo do seu coração, concedendo-lhe imenso prazer não através do livro em si, mas pelo fato de que mudou a si mesmo seguindo o exemplo de seu pai. Todo o trabalho da pessoa é pedir, mas pedir sempre as coisas corretas para que o Pai desfrute do nosso pedido. Isso é chamado de “tornar o seu desejo como o desejo Dele”.1

Está escrito: “Meus filhos Me derrotaram”. Isso significa que devemos influenciar o Criador para que Ele nos corrija o tempo todo, atraia-nos e nos empurre para frente. No entanto, a pessoa pode influenciar o Criador apenas na medida da equivalência das propriedades. É impossível alcançá-Lo com gritos e pedidos – é necessária uma conexão entre nossas propriedades. Tais propriedades aparecem apenas sob a condição de que eu estou no ambiente correto, na dezena construída na equivalência com o Criador. Se transferirmos nossos desejos de doação ao Criador, receberemos Dele o poder de realizá-los. É assim que nós vamos do amor dos seres criados ao amor do Criador.2

Se elevamos o pedido correto ao Criador, começamos a entender Sua resposta, a apreciar o que recebemos Dele. Talvez eu tenha pedido uma bola, como uma criança, e meu pai me deu um livro de geografia. Então eu vejo o quanto mais útil o livro é para mim e como eu deveria mudar para percebê-lo como um presente do Criador e não ficar com raiva por não ter recebido a bola. Se eu trabalhar corretamente na dezena, verei que o mundo está mudando para melhor para mim.3

Toda a matéria é um desejo de desfrutar. Cada elemento, cada átomo, quer preservar a si mesmo, sua estrutura, sua natureza e sua textura. Cada partícula existe devido ao fato de que resiste à sua destruição. Para dividir uma minúscula partícula elementar, as pessoas constroem enormes instalações, colisores. É preciso muita energia para dividir uma partícula e ver em que consiste. Isso mostra que um forte desejo de desfrutar é inserido em cada partícula pelo Criador. No esforço para dividir partículas elementares, estamos essencialmente estudando o que o Criador colocou dentro da criação.

Quanto mais simples o material, mais forte é o desejo de desfrutar. Quanto mais a matéria se desenvolve, mais complicado se torna esse desejo e, portanto, enfraquece e não consegue mais se manter. É por isso que os elementos mais pesados ​​começam a emitir energia, radiação e decomposição.

A partícula mais morta e primitiva tem a maior força recebida do Criador. Portanto, quanto mais desenvolvida uma pessoa é, mais dúvidas e problemas, altos e baixos, ela tem. No entanto, se ela se congela no nível inanimado, ela não se preocupa com nada e continua hoje como ontem.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 08/04/19, Escritos do Baal HaSulam, Shamati, Artigo 115 “Inanimado, Vegetativo, Animado e Falante”
1 Minuto 15:00 – 1:01:00
2 Minuto 01:18:00
3 Minuto 1:20:00
4 Minuto 1:46:25

A Fonte De Todas As Forças Da Natureza

laitman_753Pergunta: Quem é o Criador?

Resposta: O Criador é a força superior que inclui em si todas as outras forças do mundo.

Pergunta: Está escrito nas fontes originais: “É impossível entender o Criador sem tê-Lo experimentado”. Isto é correto?

Resposta: Sim, porque tudo o que entendemos, nós aprendemos com as sensações – como uma criança que põe tudo na boca para tocar, sentir. Para ela, o paladar é o receptor mais importante, o órgão mais importante da sensação. Da mesma forma, devemos experimentar tudo em nossos cinco sentidos, incluindo visão, audição, olfato, tato e paladar.

Quando sentimos algo neles, tudo se reúne em um sistema preciso e todas as nossas ciências se originam dele. Além disso, complementamos nossos sentidos com ferramentas que ampliam o alcance de nossos órgãos sensoriais naturais: binóculos, microscópios, telescópios etc.

No entanto, existem forças no universo que nossos sentidos não percebem. A ciência da Cabalá nos permite desenvolver um órgão adicional de sensação que inclui os mesmos cinco sentidos, mas em um nível diferente.

Explorando sua natureza, revelamos sua fonte comum, chamada “Criador”, e começamos a perceber como eles nos afetam, como determinam todas as condições, forças e circunstâncias em que existimos. Então, já estudamos o sistema de forças que determina nossa vida.

Assim começa a existência consciente do homem, quando já sabemos o que foi, o que será, por que foi e por que será, se podemos mudar alguma coisa no futuro, etc. Isto é, a vida se torna não apenas consciente, mas também gerenciável. Este é o assunto e o propósito da ciência da Cabalá.

De KabTV, “A Essência Da Ciência Da Cabalá, Parte 3”, 12/11/18

Revelando A Atitude Do Criador

laitman_962.1A descida dos mundos de cima para baixo é construída de tal forma que, devido às suas ações, a criação revela cada vez mais a atitude do Mestre em relação a ela. Ela parece estar no processo de busca. No mundo espiritual, é impossível buscar respostas com nossa lógica racional – devemos penetrá-la sensorialmente e assim entenderemos mais. Então, de nossas sensações, podemos encontrar uma explicação em nossa razão.

Imagine que estou em frente ao Mestre com meu desejo de desfrutar e agora revelo Sua atitude em relação a mim em certo nível. Eu começo a trabalhar com isso; eu rejeito esse prazer e faço esclarecimentos. Ao mesmo tempo, meu desejo está se desenvolvendo e refinando depois da ação espiritual que fiz, e de repente sinto que o Criador fez muito mais por mim do que eu pensava anteriormente. Parece que cresci e percebi isso, semelhante a como, depois de ficar mais velho, um filho justifica seus pais pelo que exigiam dele.

Então, minha tela é reduzida; não posso mais me levantar contra o que tinha conseguido antes. Parece que a tela deveria ter crescido porque entendia mais. Mas isso não é o que acontece e eu sinto que não posso fazer nada além de me anular diante do desejo do superior.

Eu revelo o amor crescente do Criador em relação a mim e minha incapacidade de responder a Ele da mesma maneira. Portanto, todos os graus da descendência dos mundos (Olamot) são chamados graus de ocultação (Alamot). A criação não tem saída; bloqueia-se com telas, ocultando a luz superior e a atitude do Criador em relação a ela, a fim de se esconder atrás delas e de alguma forma sobreviver. Estes não são graus de honra, mas graus de fraqueza. Tudo isso está acontecendo não às custas da criação, mas às custas do Criador que está construindo um vaso espiritual.1

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabala, 25/03/19, Escritos do Baal HaSulam , “Prefácio à Sabedoria da Cabala”, item 20
1 Minuto 1:06:05

Entenda As Forças Ocultas Da Natureza

712.03Pergunta: O que é a “revelação do Criador aos seres criados neste mundo”? É possível comparar a revelação do Criador com a revelação das leis do magnetismo ou da eletricidade? Nós simplesmente aprendemos a usar as leis da natureza que antes estavam escondidas de nós?

Resposta: Revelar o Criador significa revelar as forças ocultas da natureza, suas dependências, leis, fórmulas e gráficos, ou seja, entender o que existe dentro de nós, entender não a imagem que vemos agora, mas as forças por trás dela.

A natureza é controlada por certas forças. Suas relações mútuas, seu impacto sobre nós, nosso impacto reverso sobre elas – precisamos de todo o quadro para continuar nossa existência pelo menos mais ou menos confortavelmente e com confiança. As ciências do nosso mundo apenas nos levam à consciência de que não controlamos a natureza e suas forças – podemos nos esconder um pouco do impacto negativo e nada mais.

Ao mesmo tempo, há um crescente sentimento de que a ciência está em crise, num beco sem saída, e o próximo avanço deve estar além dos limites de nosso mundo, para aquelas forças que estão fora da esfera de nossa existência atual, fora da esfera do nosso universo.

Estas são as forças ocultas da natureza que são superiores a nós e definem toda a nossa vida.

Pergunta: Podemos dizer que elas são a causa dos eventos que nos acontecem no mundo físico?

Resposta: Naturalmente. Certamente.

Pergunta: Acontece que se eu atingir essa força oculta enquanto estiver neste mundo, isto é, se sentir isso com meus cinco sentidos, isso é a revelação do Criador?

Resposta: Sim, você pode dizer isso.

Pergunta: É uma realização sensorial?

Resposta: Isso é alcançado não apenas nos sentimentos, mas também na mente.

Nós revelamos como as forças que nos afetam estão interconectadas, seu desenvolvimento causal e seu impacto consistente em nós. Em geral, vemos uma imagem completa do nosso mundo sob a influência das forças superiores do governo: o significado “superior” ainda escondido de nós.

Além disso, começamos a ver e compreender a possibilidade de nossa influência sobre essas forças através de uma conexão reversa, a fim de levá-las a um estado no qual elas nos influenciam de forma desejável e positiva.

De KabTV “A Essência da Ciência da Cabala, Parte 2”, 12/11/18

Energia Do Ar Fino

laitman_294.1O desejo egoísta funciona perfeitamente neste mundo quando vê claramente uma recompensa diante dele, pode pesar os benefícios de suas ações e decidir onde e quanto deve se esforçar. O egoísmo pode lutar por uma recompensa.

No entanto, quando se trata do desejo de doar, não temos força para produzi-lo. Não vemos recompensa e não temos motivação para agir. Acontece que a necessidade de realizar uma ação em prol da doação anula o desejo de receber em nós, e não podemos nos mover com ela. Sentimos como se não tivéssemos braços, pernas, cabeça e energia. Se não há motivação, eu não posso me mexer, vou ficar na cama.

Eu preciso de algum tipo de incentivo para me levantar. Surgem então problemas que me afligem. Então percebo que os problemas são, de fato, bons para mim, porque me despertam para agir.

Se não trabalhamos com o nosso desejo de receber, não podemos fazer nada. Tudo iria parar. Imagine o desejo de receber, o egoísmo – a base do mundo, cada átomo e partícula – repentinamente desligados em todo o mundo. O mundo permaneceria completamente imóvel porque o movimento ocorre para preencher uma deficiência. Se o ego não quiser nada, permanecerá inativo.

O mundo iria parar. Haveria um completo silêncio, e isso significa que tudo desapareceria. Se os elétrons parassem de girar em um átomo, ele desapareceria porque não tem nada além dessas rotações, uma deficiência. Apenas os movimentos de deficiência são importantes e, se a deficiência desaparecesse, o movimento cessaria e a matéria desapareceria. A matéria é uma deficiência.

Como é possível realizar ações de doação? Como você pode construir um segundo andar, um altruísta, sem sufocar a condição material? Deixe a matéria continuar a funcionar, isso não interfere em nós; pelo contrário, ajuda. Depois de cada ascensão, sempre cairemos no nível corpóreo, de modo que, desse nível, subiremos ainda mais. Como encontramos um novo combustível não baseado no desejo de receber, mas no desejo de doar?

Como podemos querer doar? Essa é a questão principal. Sua resposta é a chave para o sucesso porque a humanidade se desenvolveu o suficiente para alcançar o fim da correção. A única questão é como encontrar a força de doação em todos os estados. Essa força já existe, mas precisamos extraí-la. Ela não virá por si só, caso contrário, teria sido revelado no mundo há muito tempo.

A necessidade disso já é inerente a uma pessoa, porque todo mundo pergunta: “Que tipo de vida é essa? O que estamos vivendo? Qual é a razão?” No entanto, isso não vai mais longe, porque mesmo a força de doação que queremos receber egoisticamente, mas não vem desta maneira.

A questão é que tipo de mecanismo deveríamos construir para receber a força de doação através dele, que preencheria toda a realidade? Os astrofísicos dizem que há energia que preenche todo o universo. Pensamos que o espaço é um vácuo, mas, na verdade, é cheio de energia.

Eles estão agora tentando extrair essa informação nos escritos do famoso pesquisador Tesla, que os manteve em segredo em seu tempo. Eles acham que ele encontrou uma maneira de obter energia diretamente do ar. De fato, não é um espaço vazio, é cheio de energia. A questão é como abrir essa fonte de energia? Instruções sobre como fazer isso estão à nossa frente – é um livro Cabalístico.

Os sábios Cabalistas dizem que essa energia pode ser recebida através da dezena. Através da dezena, nos conectamos ao espaço preenchido com a força de doação, chamada de “o Criador”. A dezena funciona como um modem ou um adaptador que nos conecta a essa força oculta.

Essa força sempre permanecerá em ocultação. É revelada apenas dentro da dezena como se estivesse em um detector dessa força superior. Na medida da minha inclusão na dezena, minha conexão com ela e meus esforços para despertá-la para a conexão com a força superior, eu recebo essa energia de doação. É como se eu inserisse meu plugue na tomada e começasse a receber energia. Essa é a única maneira de funcionar.

Então descobriremos que estamos dentro do campo da força superior, que “é boa e faz o bem”. É a única força, nada mais do que ela existe. Todas as forças opostas estão concentradas apenas dentro de mim, a fim de me ajudar a me conectar com essa força superior e começar a receber energia dela.1

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá, 01/04/19, “Construindo a Futura Sociedade”
1 minuto 01:30

Teletransporte Interno

laitman_962.6Eu observo as notícias sobre o que está acontecendo no país e no mundo, e me alegro com o fato de o ímpio ser revelado, isto é, a revelação do mal do desejo egoísta que exige ser corrigido. O ego está gritando, implorando: “Por que você não está me corrigindo?! Até que ponto tenho que me revelar e mergulhar no mundo?”

Regozijo-me com o fato de que o mundo está finalmente começando sua aproximação gradual à revelação do mal. As pessoas já entendem que, por um lado, não podem fazer nada sobre o ego porque é a natureza humana, mas, por outro lado, se falharmos em erradicá-lo, isso nos matará.

Portanto, as pessoas estão começando a pensar em como eliminar o ego. Lentamente, elas tentam todos os métodos possíveis e percebem que nenhum deles funciona. Nossa situação é desesperadora. Estamos em algum lugar nos arredores de uma galáxia, girando em torno de uma estrela anã em um minúsculo planeta completamente sujo com nossos resíduos. A vida está acabando e não há perspectivas. Estamos sozinhos no universo e logo também não haverá vida no planeta Terra. Como dizem, apagam-se as luzes.

É assim que a situação parece francamente, mas esta é a revelação do mal em um ponto a partir do qual você pode começar a pensar no que pode ser feito. Talvez alguém ainda dê conselhos sobre como nos salvar. Assim, o ouvido começa a ficar sintonizado com ondas que antes eram imperceptíveis: que há vida além da nossa realidade.

Nossa realidade é multidimensional, e a revelação da camada superior além da nossa realidade depende da nossa percepção. Se mudarmos nossa percepção interna da realidade, de repente nos encontraremos vivendo em outro mundo, como se o teletransporte tivesse ocorrido e de repente eu me sentisse em um estado diferente, em outro lugar.

Isso tudo porque eu mudei meus valores internos e comecei a viver em outro mundo. É dito que este mundo existe apenas para que possamos abandoná-lo. A fuga do nosso mundo é a única razão para a existência do universo, do nosso planeta e das pessoas na Terra. Em geral, esse mundo é imaginário e começamos a viver no mundo real.

Eu vejo as notícias apenas deste ângulo e, portanto, não derramo lágrimas. Como podemos mudar a realidade? Só pode mudar se cada um de nós mudar. A realidade depende de mim e é sentida dentro de mim. Portanto, duas pessoas podem ver a mesma coisa, mas uma está chorando e a outra está se alegrando. Tudo depende de como percebemos o que está acontecendo. Eu vejo tudo como passos necessários para a correção, aproximando-nos da bondade.1

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá, 05/04/19, “Construindo A Sociedade Futura”

1 Minuto 13:15

Blitz De Dicas De Cabalá – 14/10/18

laitman_962.1Pergunta: Para onde o Criador quer nos levar? O que é a “bondade genuína”?

Resposta: O objetivo do Criador é nos levar à completa equivalência com Ele. Isso é chamado de “bom” porque Ele é absoluto e quer nos levar a um estado absoluto.

Pergunta: No Estudo das Dez Sefirot, está escrito que o desejo de receber prazer em si não é ruim, bom nem baixo. Só é ruim porque nos isola do Criador. Então, se quisermos alcançar o Criador, este é um desejo ruim?

Resposta: Isso se refere ao desejo de receber. Se ele me isola do Criador ou eu quero usar o Criador para satisfazer uma necessidade egoísta, este é um mau uso do desejo.

Pergunta: Será que entendi corretamente: o Criador faz tudo para o melhor, e o bem e o mal nos são dados a fim de entender a diferença entre eles e continuar nosso progresso?

Resposta: Sim.

Da Lição de Cabalá em Russo 14/10/18

Quanto Tempo Resta Até O Final Da Correção?

laitman_214Pergunta: Se não há tempo na espiritualidade, qual é o caminho direto? É mais curto?

Resposta: Não há tempo na espiritualidade. Não tem nada a ver com o nosso mundo. Há 6.000 anos até o final da correção. Agora é o ano 5779. Portanto, restam 221 anos para a correção final.

No entanto, podemos alcançá-lo mais cedo. Em geral, tudo o que a ciência da Cabalá previu aconteceu precisamente pelo relógio. Após a correção final, o mundo inteiro subirá ao nível do mundo superior.

Da Lição de Cabalá em Russo, 02/12/18