Textos na Categoria 'Estudo Cabalístico'

O Mundo – Realidade Ou Ilusão? Parte 5

Laitman_011Expandindo Os Limites Da Percepção

Baal HaSulam, “A Essência da Sabedoria da Cabalá”: Agora você pode facilmente concluir que todos os nomes e apelações que aparecem nos livros de Cabalá são realmente reais e factuais, embora não tenhamos nenhuma realização no assunto. É assim porque aqueles que se envolvem nela têm a satisfação completa com sua percepção inclusiva de sua plenitude final, ou seja, uma mera percepção de ações, motivadas e nascidas da associação da Luz Superior e seus perceptores.

O fato é que há um limite para a nossa percepção. A sabedoria da Cabalá diz que você constantemente alcança profundidade, largura, entra em todos os espaços vetoriais e os revela completamente. No entanto, você atinge apenas a realidade que o preenche. E a realidade que não o preenche, você não alcança e nem sabe se ela existe ou não.

Aqui surge a pergunta: como os Cabalistas sabem que existe alguma outra realidade? Eles mesmos a alcançaram? Se sim, por que não falam sobre ela como mais um nível adicional de realização da realidade?

Acontece que eles colocam enigmas diante de nós ou querem nos intrigar de alguma forma, como se dissessem: “Há algo aqui, mas não estou lhe dizendo”. No entanto, essa não é a abordagem deles.

Temos que alcançar a qualidade de doação, a qualidade do Criador. O Criador se posiciona em relação a nós como doador, amoroso e unificador, elevando-se acima de nós, apesar do nosso egoísmo. Ao nos elevarmos acima do nosso egoísmo, podemos explorá-Lo, senti-Lo e nos tornar semelhantes a Ele.

Como podemos fazer para que não sintamos apenas o Criador por causa de nossa equivalência com Ele, mas não O sintamos com nossos próprios Kelim (Vasos) e qualidades? Isto é um problema.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 15/09/19

Mundo – Realidade Ou Ilusão? Parte 4

Laitman_161Atingir Um Novo Nível De Realização

Baal HaSulam, “A Essência da Sabedoria da Cabalá”: … nos dá total satisfação, embora não tenhamos nenhuma percepção na essência do assunto.

Além disso, você não tem percepção ou realização, mesmo em sua própria essência. Tudo o que você sabe sobre sua própria essência nada mais é do que uma série de ações que se estendem a partir de sua essência.

Acontece que o que tenho é suficiente para mim. Se sinto algum tipo de fenômeno e ele satisfaz completamente meus desejos e minhas perguntas, não anseio por mais nada.

Ainda é possível ser infectado por outras perguntas? Talvez em algum lugar de alguma forma seja possível se nos aproximarmos do Criador e quisermos adquirir Sua natureza. Talvez lá possamos alcançar tais possibilidades de realização que são maiores do que as atuais. No entanto, este é um nível completamente diferente do universo, um nível diferente de realização.

Todos existem nos níveis inanimado, vegetativo e animado da natureza, incluindo todas as pessoas em nosso mundo. Se uma pessoa que estuda Cabalá se eleva acima do nível animado, sobe ao nível do Criador e começa a atingir esse sistema, ela sente não apenas isso, mas também as causas de todos os fenômenos.

Isto é, eu não apenas sinto o Criador, mas revelo Sua essência, o próximo nível de realidade. Isto é o que a sabedoria da Cabalá estuda. Mas esse já é um acorde superior.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 15/09/19

Mundo: Realidade Ou Ilusão? Parte 3

laitman_214Uma Pessoa É Uma Reação À Influência Da Natureza

Baal HaSulam, “A Essência da Sabedoria da Cabalá”: Este nome é tão tangível e tão próximo de nós como se fosse totalmente percebido por nossos sentidos. Até as crianças pequenas estão familiarizadas com a palavra “eletricidade”, bem como com palavras como pão, açúcar e assim por diante.

Além disso, se você deseja exercitar um pouco suas ferramentas de escrutínio, eu direi que, como um todo, como não há percepção do Criador, é impossível alcançar a essência de qualquer uma de Suas criaturas, mesmo os objetos tangíveis que sentimos com as mãos.

Parece que tudo está claro para nós, mas, de fato, nada está claro. De alguma forma, podemos trabalhar com eletricidade, porque tudo ao nosso redor é a manifestação dessa força. Mas o que é essa força? Nós não sabemos.

Assim, tudo o que sabemos sobre nossos amigos e parentes no mundo da ação diante de nós nada mais é do que “conhecimento das ações”. Elas são estimuladas e nascidas pela associação de seu encontro com os nossos sentidos, que nos dão satisfação completa, embora não tenhamos nenhuma percepção da essência do sujeito.

O fato é que não atingimos a essência de nenhum fenômeno natural, como eletricidade, gravidade, magnetismo e assim por diante, mas apenas seu efeito em nós. Algo me gravita – “Oh, isso significa que há uma força de gravidade e eu posso medi-la”. No entanto, não sei o que essa força realmente é.

A sabedoria da Cabalá diz que, de tal forma, também podemos alcançar o Criador. Nós O alcançamos por Suas ações. Está escrito: “Das Tuas obras Te conheceremos”.

Essa é uma limitação muito séria para nós. Alcançaremos a essência dos fenômenos? Nunca! Mesmo se aspiramos a isso.

De fato, nós, em geral, nem sequer aspiramos a isso. Temos algum tipo de movimento, impulso, mas não sofremos com o fato de não termos isso e, portanto, não temos nada para revelar a essência dos fenômenos naturais. Nós vemos apenas o efeito deles porque nós mesmos somos o efeito.

No entanto, é possível elevar-se acima disso para a realização absoluta? Lá, muito além da plena realização do Criador, começaremos a entrar em contato com o ponto de onde tudo vem. Talvez haja uma oportunidade de sair de nossas sensações dos efeitos e chegar à essência, à verdade.

Em algum lugar lá no fundo nós queremos isso. Porém, onde podemos obter essa sensação, essa falta? O sentimento da verdade, a raiz, a base, a fonte de tudo o que está acontecendo é tão necessário para nós?

Há muitas nuances aqui, e eu gostaria de provocá-lo um pouco, para causar tanta emoção que você desejará revelar isso.

Em outras palavras, todos os fenômenos corporais que atingimos são apenas através da reação de nossos órgãos sensoriais à influência deles. Isto é, somos o efeito, a reação a algum tipo de influência.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 15/09/19

A Conexão É A Fonte De Decisões Corretas

laitman_528.03Pergunta: Digamos que um grupo de pessoas queira encontrar a solução certa para os problemas que possui. Elas já têm conhecimento básico da Cabalá e entendem que o workshop é uma preparação para resolver o problema. Existem certas regras neste trabalho. De onde elas vieram?

Resposta: Nós vivemos em um mundo em que praticamente nenhum problema pode ser resolvido. Se nos parece que hoje encontramos aparentemente uma solução, amanhã já entendemos que não é uma solução. Estamos constantemente desviando a solução, pensando que estamos chegando à sua revelação.

A sabedoria da Cabalá diz que, até que nos conectemos, alcancemos um denominador comum, seremos incapazes de encontrar esta solução. Ela está dentro de nós.

Todos os problemas que ocorrem em uma parte maior ou menor da humanidade vêm apenas do fato de que essa parte da humanidade está desconectada. Caso contrário, não haveria problemas. Afinal, todos eles vêm de nossa quebra, desconexão e distância mútua.

Se nos reunirmos para resolvê-los, devemos primeiro nos conectar a um coletivo comum.

Pergunta: Isso significa que os Cabalistas não resolvem nenhum problema?

Resposta: Não, para que? Que problemas temos além do fato de não estarmos conectados? Se nos conectarmos, todos os problemas desaparecerão.

Pergunta: Então, a Cabalá resolve apenas um problema: como se conectar?

Resposta: Não há outros problemas no mundo.

Pergunta: Outros problemas desaparecerão como resultado disso?

Resposta: Sim.

Pergunta: E quanto a problemas como saúde, família, etc.?

Resposta: O fato é que os problemas ocorrem em diferentes níveis: inanimado, vegetativo, animado e humano. Para chegar à solução de qualquer problema, devemos nos reunir, conectar e, na conexão entre nós, encontrar a solução. Podemos então implementá-la para eliminar problemas corporais.

Encontrar a solução em si, no entanto, só é possível quando as pessoas se conectam mutuamente, entendem e se complementam. Somente então a solução se torna clara.

Consequentemente, a solução sempre será correta e benéfica para a implementação de quaisquer planos nos níveis inferiores ao nível humano.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 25/12/18

Mundo: Realidade Ou Ilusão? Parte 2

226Percebemos A Essência Dos Fenômenos Naturais?

Baal HaSulam, “A Essência da Sabedoria da Cabalá”:

A Atualidade da Sabedoria da Cabalá

As coisas reais são encontradas mesmo na realidade corporal, diante de nossos olhos, embora não tenhamos percepção nem imagem de sua essência. Tais são a eletricidade e o ímã, chamados de “fluidum”.

No entanto, quem pode dizer que esses nomes não são reais quando conhecemos vívida e satisfatoriamente suas ações? Não poderíamos ser mais indiferentes ao fato de não podermos conceber a essência do próprio objeto, a saber, a própria eletricidade.

De fato, não entendemos o que é a eletricidade ou a essência de qualquer outro fenômeno físico. Observamos apenas seus efeitos.

Por exemplo, sabemos trabalhar com eletricidade, com eletromagnetismo, usamos eles livremente em nossas vidas nas atividades domésticas diárias. Mas realmente não sabemos o que são. No entanto, isso não nos incomoda. Continuamos a explorar esses fenômenos naturais completamente inconscientes de sua essência. E entendemos que não sabemos disso.

Sabemos o que é a gravidade, mesmo que todos sintam seu impacto sobre si mesmos? Tente pular, você verá o que é. Medimos essa força, aprendemos a superá-la. Mas o que é essa força? Qual é a sua essência? De onde ela vem? Não sabemos. É assim que ocorre com todos os fenômenos naturais.

Baal HaSulam escreve que nosso conhecimento sobre sua manifestação nos satisfaz completamente. Não precisamos de mais nada para usá-los.

O principal para nós é usar esses fenômenos. Não atingimos sua essência interior porque a natureza nos criou dessa maneira. Atingimos apenas seus efeitos em nossas sensações e nada mais.

Certamente, poderíamos decidir que seria bom descobrir de onde vêm o magnetismo, a eletricidade, a gravidade e todos os outros fenômenos naturais. Mas eles estão completamente escondidos de nós. Somos apenas os instrumentos nos quais esses fenômenos se manifestam, e suas manifestações são o que sentimos.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 15/09/19

Mundo – Realidade Ou Ilusão? Parte 1

laitman_526Sem Limite Para A Percepção

Observação: Uma pessoa pode estudar para sempre o artigo “A Essência da Sabedoria da Cabalá”. Tenho lido ele por 20 anos e ainda sempre encontro algo novo nele.

Meu Comentário: A necessidade de um começo é sentida mais no final. Qualquer ciência real desenvolve uma pessoa para que ela precise estudá-la repetidamente.

Observação: Digamos que O Estudo das Dez Sefirot estuda a física dos mundos espirituais e toda vez você parece descobri-lo novamente. No entanto, “A Essência da Sabedoria da Cabalá” parece um artigo comum que pode ser tratado de forma leve, e de repente você descobre tais profundidades dentro dele.

Meu Comentário: Não é por causa do artigo, mas porque ele expande os limites de sua percepção e atitude em relação ao mundo. Os quatro primeiros tópicos deste artigo são “Uma conduta geral e particular”, “A abundância de Partzufim, Sefirot e mundos”, “Duas condutas – de cima para baixo e de baixo para cima” e “Nomes abstratos” na sabedoria da Cabalá. Eles falam sobre muitos conceitos que são muito complexos e sérios.

Quando você chega ao quinto ou sexto conceito, começa a entender que, de fato, ainda não entende os primeiros. Você leu, concordou com eles e seguiu em frente. E agora você vê o quão abrangente eles são internamente e você volta a eles. Não há como contornar isso, você precisa fazer algo a respeito. Então você os estuda novamente.

Quantas vezes examinamos todos os artigos do Baal HaSulam? Aqueles que leem “A Essência da Sabedoria da Cabalá” pela primeira vez hoje não conseguem nem imaginar o que mais verão nele depois de passarem pela segunda e terceira vez, ou em um ano ou em 10 anos.

Por exemplo, eu tenho estudado a sabedoria da Cabalá há 40 anos e não consigo nem comparar o que havia imaginado sobre esses conceitos antes e hoje. O atual eu e a pessoa que abriu este artigo há 40 anos são pessoas completamente diferentes.

Pergunta: Isso significa que na Cabalá não existe algo como no nosso mundo: “Eu já li isso”?

Resposta: Não existe tal coisa na Cabalá. Em nada! Você entra nessa sabedoria e mergulha nela sem a capacidade de terminá-la.

Ela fala sobre um mundo tão redondo e interconectado que você pode puxar uma corda e toda a realidade mudará para você. Toda nova definição, toda nova sensação e nova conquista muda tudo porque existem apenas dez Sefirot, mas cada uma delas consiste em outras dez e outras dez; acontece que não há limite para a percepção.

O mundo é infinito, embora consista em apenas dez partes, dez emanações.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 15/09/19

A História Do Passado, Presente E Futuro

laitman_622.01“A história do passado” parece um pouco irônica, como a história de alguém baseada nas próprias experiências subjetivas ou até mesmo em um romance. As pessoas pensam que a história são os eventos que aconteceram há alguns dias, meses ou muitos anos atrás em nosso mundo, por razões desconhecidas, em uma ordem aleatória de causa e efeito.

No entanto, o fato é que nossa realidade tem uma raiz espiritual que desce e atinge o mundo corporal, criando o conceito de tempo nele. Em certos momentos, devido a certas forças que emanam de sua raiz espiritual, a forma espiritual se espalha para baixo e se materializa de forma corporal. Nós percebemos tudo isso como história.

A sabedoria da Cabalá revela os eventos que devem acontecer. Portanto, não separa a história passada e os eventos futuros. As mesmas raízes espirituais devem ser reveladas neste mundo inferior; apenas algumas raízes já foram reveladas e outras ainda não foram reveladas. Acontece que há uma história sobre o passado e o futuro.

A totalidade da história é predeterminada e, sem dúvida, acontecerá. Muitas coisas escritas pelos Cabalistas já se tornaram realidade. Portanto, a história não é dividida em passado conhecido e futuro desconhecido. Para os Cabalistas, a história é um processo claro, que é impossível de se duvidar. Eles a estudam como um processo de descida das raízes superiores que descem ao nosso mundo, perdendo seu grau espiritual, isto é, “materializando-se” e manifestando-se em matérias como matéria inanimada, plantas, animais e seres humanos deste mundo.

Por exemplo, é importante que saibamos que o ponto no coração, chamado “Moisés”, que tira os desejos de uma pessoa da escravidão egoísta, já foi incorporado neste mundo como um homem velho com uma barba branca como neve, cujo nome também foi “Moisés”, que levou seu povo para fora do Egito? Está escrito que uma pessoa deve se ver saindo do Egito todos os dias. Em outras palavras, não é um evento que aconteceu há muito tempo e agora não existe. Uma pessoa deve sair do seu ego todos os dias, da escravidão do desejo egoísta à liberdade.

Todos são obrigados a realizar esse êxodo, e isso não é história antiga, mas a história pessoal de todos, que a pessoa precisa escrever: entender que ela é escravizada por seu egoísmo, lutar com seu próprio Faraó pessoal, fugir dele e alcançar a liberdade. Ela deve passar por todas as outras mudanças até o final da correção, que ainda não é visível para nós em nosso mundo.

A história deste mundo se desenrola como se fosse de acordo com um relógio na parede. No entanto, devemos trabalhar de acordo com o relógio superior, onde não há passado, presente e futuro, mas tudo é determinado em relação à pessoa que observa. Portanto, não importa se o evento já ocorreu ou não em nosso mundo. Os Cabalistas não olham para isso porque não sentem o tempo e não o medem pelos critérios aceitos pelas pessoas deste mundo.

A história, na visão da sabedoria da Cabalá, não é algo que aconteceu uma vez ou acontecerá no futuro, mas é algo que já existe agora. Cada pessoa descobre essa história de acordo com seu avanço espiritual. Eu posso percorrer toda a história do começo ao fim e na direção oposta do começo ao fim, percorrê-la, sentir o que são o Primeiro e o Segundo Templos e sua destruição, o exílio egípcio, a guerra dos Macabeus e assim por diante. Se uma pessoa está controlando seu desejo de receber, ela pode experimentar todos os períodos históricos como desejar.

Dizem que não há passado, presente e futuro na Torá porque ela está acima do tempo. É precisamente sobre elevar-se acima do tempo do nosso mundo e não estar vinculado ao meu egoísmo que no momento determina para mim a que horas devo viver, ou seja, o que devo sentir agora. Devo me elevar acima do meu desejo egoísta e assim determinarei não apenas em que momento e época, mas em que estado quero viver. Isto é, ficarei completamente livre como se estivesse flutuando acima do tempo.

Quando uma pessoa recebe uma natureza espiritual, ela já não está ligada ao tempo, espaço e movimento, isto é, parâmetros corporais, mas existe acima deles, no espaço espiritual. Ao estudar a Cabalá, uma pessoa gradualmente se afasta de ideias infantis sobre história. No entanto, para realmente romper com a percepção corporal, é necessário adquirir uma tela antiegoísta (Masach), uma ferramenta que nos permite superar o egoísmo e nos libertar. Uma pessoa já pode imaginar tudo o que existe em nossa raiz.

De KabTV, “Primeiros Passos na Cabalá. A História da Cabalá, 07/10/19

Cabalá E Crenças, Parte 12

laitman_444Como Os Cabalistas Se Relacionam Com O Mundo?

Pergunta: Há uma atitude em relação ao mundo e aos outros. Qual é a diferença entre a maneira como um Cabalista se relaciona com o mundo e a maneira como as pessoas comuns fazem?

Resposta: O Cabalista trata o mundo como o trabalho do Criador. O mundo é um exemplo de como eu me relaciono com o Criador. Uma boa atitude em relação às pessoas, em relação ao mundo, significa uma boa atitude em relação ao Criador. Em princípio, nada existe para um Cabalista exceto ele e o Criador.

Pergunta: Baal HaSulam escreve em seu artigo A Solução: “A forma religiosa de todas as nações deve primeiro obrigar seus membros a doar um ao outro na medida em que a vida de um amigo venha antes da própria vida, de“ Ame seu amigo como a si mesmo”. A pessoa não terá prazer na sociedade mais do que um amigo atrasado.

Essa será a religião coletiva de todas as nações que entrarão no quadro do comunismo. No entanto, além disso, cada nação pode seguir sua própria religião e tradição; uma não deve interferir na outra”.

Então, todos os Cabalistas se relacionam com isso dessa maneira ou apenas o Baal HaSulam?

Resposta: Os Cabalistas agem de acordo com a lei “não há coerção na espiritualidade”. Cada um, do seu ponto no coração, do seu caráter, do seu egoísmo, alcançará gradualmente a equivalência de forma com o Criador e entrará nesse lugar no sistema geral de almas privadas onde ele as complementará e interagirá com elas em completa harmonia.

Pergunta: Isto é, uma pessoa pode se envolver na Cabalá, explorar sua natureza egoísta, trabalhar com a força superior como uma lei da natureza e, ao mesmo tempo, estar em algumas tradições específicas, estruturas religiosas, e uma não irá interferir com a outra?

Resposta: Claro. Uma pessoa pode ter qualquer estrutura religiosa. A religião, neste caso, é simplesmente considerada como cultura.

Pergunta: Isso se refere à raiz da alma humana?

Resposta: Sim, a qualquer manifestação de uma pessoa. Ela pode adorar qualquer um e fazer qualquer coisa, não importa. A principal coisa é que a pessoa aceita os princípios básicos da Cabalá. Se ela as cumprir, revelará gradualmente o mundo verdadeiro.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 17/12/18

Cabalá E Crenças, Parte 11

laitman_222O Objetivo Da Criação É Tornar-Se Como O Criador

Pergunta: A Cabalá diz que uma pessoa deve se tornar como o Criador, não em algumas ações externas, como em outras crenças, mas na intenção. Qual é a diferença?

Resposta: Se eu quero ser como o Criador em ação, é muito simples. Dê uma olhada no nosso mundo. Somente as ações do Criador se manifestam nele. “Não há outro além Dele”. Você gosta deste mundo?! Todos podem ser semelhantes ao Criador de acordo com as ações que vemos em nosso mundo.

Não é isso que se quer dizer na Cabalá. Ser como o Criador significa alcançar o que compreendemos dentro deste sistema: amor completo, doação completa, interconexão completa. Para que possamos alcançar isso, o Criador nos fornece uma imagem de um mundo destruído e despedaçado, de modo que alcançamos o mundo perfeito oposto.

Observação: Os Cabalistas dizem que se não fosse pelo propósito da criação se tornar como o Criador, não haveria necessidade de fazer boas ações em nosso mundo e geralmente se relacionar com os outros.

Meu Comentário: Claro. Todos somos egoístas absolutos, e a cada geração o egoísmo cresce cada vez mais em nós. No final, isso deve nos levar a um estado de doação e amor mútuos. A fusão com o Criador é realmente o objetivo da criação.

Pergunta: O Criador revela nossa natureza egoísta? Ele a criou, e sem Ele não podemos corrigir o egoísmo?

Resposta: De jeito nenhum. Somos completamente dependentes Dele.

Pergunta: Por que Ele fez isso?

Resposta: Para que dependamos Dele. De fato, é essa dependência que nos leva à perfeição, semelhança com Ele.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 17/12/18

Cabalá E Crenças, Parte 10

laitman_567.04Em Uma Dança Com O Criador

Baal HaSulam, “Liberdade de Escolha”: O caminho da Cabalá consiste em confiar na mente daqueles que já atingiram o objetivo final, como se fosse nossa própria experiência de vida. … Portanto, a lei da vida comunitária é considerada uma das leis da natureza e devemos observá-la com muita cautela. Esta lei deve desenvolver a seguinte realização: o amor próprio como mal e o amor pelos outros como bem, porque esta é a única maneira de amar o Criador.

A essência de todas as técnicas espirituais é entender o Criador, compreendê-Lo. Mas somente a ciência da Cabalá nos leva a isso, porque revela como o Criador age em nós, como devemos responder a Ele, e através dessa interação de mão dupla “Ele é por mim, eu sou por Ele” para estabelecer uma conexão constante e correta, como em um tango em que dois estão dançando em uníssono.

Tal dança, quando entramos em plena integração com o Criador, é chamada de “dança da noiva”, na qual o que vem Dele para mim e o que vem de mim para Ele estão completamente incorporados.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 17/12/18