No Limiar De Uma Nova Formação: “Sociedade Integral” Parte 2

laitman_566.02A natureza exige que a sociedade humana seja reorganizada de acordo com os princípios de integração e aproximação [estabelecimento de relações harmoniosas] das pessoas entre si. Como isso afetará o mundo do empreendedorismo? Como resultado, todos devem participar de um negócio comum em todo o mundo como uma única humanidade.

Mais de cinquenta anos atrás, começamos a falar sobre o efeito borboleta, sobre dependência universal em um sistema global integrado. Cinquenta anos atrás, não queríamos fazer essa mudança de consciência e boa vontade, e agora teremos que fazer isso involuntariamente. Não queremos e não concordamos, mas não temos escolha. Teremos que construir sistemas econômicos e industriais unificados do estado público em todos os setores e em todos os países juntos.

Surge a pergunta: que medidas práticas cada empresário deve adotar para adaptar isso à nova lei integral? O principal problema não é como executar a lei, mas quem a executa. Devemos começar ensinando a todos os funcionários novos relacionamentos, conexões entre si como um único sistema, pelo menos da mínima maneira possível.

É claro que a integração é um processo de várias etapas, mas deve começar. Portanto, precisamos organizar cursos de treinamento para funcionários de cada empresa. Todos devem saber o que a lei da integração inclui, de onde vem, o que exige de nós e por que somos obrigados a cumpri-la. Sua implementação nos garante grandes ganhos e sucesso em geral e em particular, ou seja, cada um em sua vida pessoal e coletivamente na sociedade e no mundo inteiro.

Aqueles que puderem se adaptar à lei da integração terão mais sucesso em todas as atividades deste mundo. Gradualmente, todos terão que chegar a isso mais cedo ou mais tarde.

Os funcionários devem entender que dependem um do outro e estão conectados porque estão no mesmo sistema. O sucesso de uma organização depende de quão próximos os funcionários estão um do outro. Isso é entendido ainda hoje e muito está sendo feito para fortalecer os relacionamentos em uma equipe. Mas a principal diferença é que agora isso é feito para aumentar a capacidade de competir, golpear o oponente e tomar o seu lugar.

No mundo integral, inicialmente construímos esses sistemas de relacionamento que todos se esforçam para estar juntos, querem ajudar e se abrem para os outros. Essa abordagem garante seu sucesso futuro.

Isso ocorre na medida em que, se vejo que outra fábrica que produz o mesmo produto conseguiu torná-lo mais barato e melhor, eu desliguei toda a minha fabricação para ajudar a empresa concorrente e toda a humanidade a obter os melhores resultados. Sou guiado por apenas um critério: o benefício da humanidade, o benefício do consumidor.

Afinal, por que eu iria produzir o mesmo produto e tentar vencer um concorrente com todo tipo de manobra suja? Prefiro deixar o mundo inteiro desfrutar do melhor produto. Penso nos benefícios do consumidor, nos benefícios do mundo e nisso vejo meu lucro.

Essa é uma verdadeira revolução, porque até hoje, o empresário pensou em como quebrar todos e permanecer sozinho sem concorrentes. E agora, para ter sucesso, ele deve levar em conta a lei da integração, que muda sua maneira de pensar e o obriga a se preocupar com o bem do consumidor, o bem da humanidade. O conceito de negócio muda radicalmente.

Eu dirijo meu próprio negócio e sei o que está acontecendo em todo o mundo nesse campo. Vejo quem está produzindo o mesmo produto. Sempre cedemos a quem tem mais sucesso e tentamos apoiá-lo e fortalecê-lo. Eu ajo no interesse do consumidor, no interesse do progresso da humanidade, não no interesse do meu bolso pessoal.

Posso entregar meu equipamento a um concorrente e ajudá-lo em todos os aspectos para que ele tenha sucesso. E da mesma forma em tudo. Isso viola a lei da concorrência. A competição permanece, mas de uma forma diferente: quem é melhor é quem nós elevamos. E todos os outros estão incluídos nele ou desaparecem completamente do mercado.

Os empresários estão sempre interessados ​​na perspectiva dos negócios, ou seja, a resposta para a pergunta sobre o que estará em demanda amanhã. No momento, o que há mais em demanda nos negócios é separar todos os produtos produzidos pela humanidade e remover tudo o que não é necessário com urgência. Fechar negócios desnecessários é o negócio mais bem-sucedido.

O sucesso de um negócio depende das boas relações entre funcionários, não de equipamentos e habilidades. A formação profissional ficará em segundo plano, dando lugar às relações humanas. Nas relações entre as pessoas, começaremos a entender, sentir e descobrir como fazer negócios com mais sucesso. Afinal, o sucesso é determinado apenas por nossas conexões mútuas.

De KabTV, “Nova Vida”, 22/06/20

Comente