“É Preciso Restaurar As Conexões Espirituais Em Meio À Pandemia” (Newsmax)

Meu artigo no Newsmax: “É Preciso Restaurar As Conexões Espirituais Em Meio À Pandemia

Não estamos acostumados com o coronavírus. Não temos ideia de como sairemos disso e para onde vamos a partir daqui.

Se alguém pensa que isso vai passar dentro de algumas semanas, não vai. Estamos em um novo estado que durará o verão e seguirá para o inverno depois.

Quando essa pandemia chegará ao fim?

Chegará ao fim quando melhoraremos as conexões humanas. Para entender por que isso acontece, precisamos de uma consciência mais profunda de como a natureza funciona.

Antes que o coronavírus se aproximasse de nós, agíamos com um desejo bombeado de esteróides de lucrar um com o outro, a fim de que cada um pudesse satisfazer seus interesses próprios.

Nossa preocupação com outras pessoas e nosso planeta foi ofuscada por uma preocupação por nós mesmos. Como tal, nossa preocupação própria nos fez olhar a natureza e outras pessoas unicamente através de uma lente de como usá-las para nos beneficiarmos ao máximo.

A natureza, portanto, precisava nos ensinar uma lição. E foi, de uma maneira muito dramática, astuta, atenciosa e rigorosa.

Parecíamos irmãos brigando por nossos brinquedos, e então a natureza, como uma mãe rigorosa, ordenou que parássemos nossas brigas, entrássemos em nossas salas separadas, pensássemos em como estávamos nos comportando mal e como deveríamos nos comportar quando a natureza nos permitir novamente.

Eu espero, portanto, que tratemos seriamente o período que estamos passando, que usemos o tempo que temos agora para realizar nossa estreita interconexão e interdependência entre nós e com a natureza.

O coronavírus nos ajuda a ver como somos iguais. Não faz distinção entre ricos e pobres, chefe e trabalhador, famosos e desconhecidos – somos todos iguais diante desse golpe.

Eu entendo as complicações que temos ao ver todas as pessoas iguais, porque fomos criados para categorizar e classificar as pessoas de determinadas maneiras, mas não temos escolha: a natureza nos mostra através desse vírus que nos considera todos iguais, e seria prudente tentar e ver a nós mesmos da mesma maneira que a natureza.

Mesmo as elites multimilionárias que escaparam para suas ilhas particulares e bunkers subterrâneos ainda não estão seguras contra o coronavírus. O vírus apareceu em muitos lugares onde ainda não entendemos como ele poderia ter feito isso. Portanto, mesmo em áreas de refúgio, as pessoas são propensas ao vírus como todos, porque há uma razão completamente diferente para a presença do vírus do que podemos compreender atualmente.

Portanto, quanto mais cedo nos relacionarmos com todos como iguais – preocupando-nos com todas as pessoas do mundo e com nós mesmos – logo subiremos muito acima desse golpe que a natureza nos enviou e progrediremos para uma conexão cada vez maior um com o outro em condições mais calmas e pacíficas.

Comente