Além Das Estatísticas: Uma Saída Da Onda De Violência Contra As Mulheres Em Israel (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Além Das Estatísticas: Uma Saída Da Onda De Violência Contra As Mulheres Em Israel

Globalmente, quase 4 em 10 assassinatos de mulheres são cometidos por um parceiro masculino próximo, e Israel não é exceção. Nos últimos dias, crimes contra mulheres nas mãos de seus parceiros sentimentais abalaram a sociedade israelense, que se pergunta como é possível que as mulheres sejam mais seguras nas ruas do que em suas casas? Sem um exame minucioso das causas desse fenômeno, as pessoas podem esperar até que a próxima vítima seja adicionada à lista de mortes por violência doméstica.

Recentemente, Esti, 70 anos, foi baleada em sua casa em Talmei Eliahu, no sul de Israel. O suposto assassino, seu marido, é um médico israelense que trabalhou nos hospitais John Hopkins e Sinai Baltimore nos EUA e se ofereceu em várias instituições de caridade internacionais. Da mesma forma, Maria, 29 anos, foi encontrada sem vida em sua casa em Kiryat Bialik, na parte norte do país. Michal, 32 anos, mãe de uma menina de oito meses, foi encontrada esfaqueada em sua casa em Moshav Beit Zayit, em Jerusalém.

O que todos esses casos têm em comum? É que elas foram supostamente mortas por seus maridos. A lista de mulheres assassinadas nesta semana se junta aos nomes de Dianna, Susan, Lily, Zinav, Vivian e nove outras mulheres assassinadas desde o início deste ano. Além disso, 21 mulheres foram mortas em 2018 e 14 foram mortas há dois anos. A lista de vítimas aumenta a cada ano. As razões para os assassinatos podem variar, mas na sua raiz há uma razão essencial: egoísmo, o desejo humano de gostar de prejudicar e humilhar os outros para se sentir superior. Quanto mais o ego cresce, maior a satisfação de explorar e tirar proveito dos outros para ganho pessoal.

Nossa natureza egoísta cresceu demais para proporções colossais ao longo das gerações e continua crescendo a cada momento. O ego não nos deixa considerar outras pessoas. Cria uma barreira entre nosso mundo interior e a sociedade, paralisando gradualmente nosso saudável senso comum e emoções. Quando o ego malicioso borbulha dentro de uma sociedade inteira, afastando-nos um do outro para lidar com nossas próprias preocupações e ser deixado em paz, é apenas uma questão de tempo até que ele exploda.

Pessoas com fraca estabilidade mental, ou pessoas influenciadas por conteúdo violento na mídia ou pela violência doméstica experimentada durante sua educação, serão as primeiras a derrubar o véu fino que encobre a “sociedade sã”. Quando a tensão generalizada aumenta, quando o espírito na sociedade projeta o extremismo e promove a polarização, quando o discurso se torna agressivo e violento, a frustração sentida por uma pessoa quebra um equilíbrio interior, explode em um instante, e os mais próximos a essa pessoa geralmente sofrem o impacto do golpe. Portanto, precisamos entender como os assassinos não são os únicos responsáveis ​​por seus crimes. Eles são em grande parte o resultado da atmosfera violenta que permeia o ambiente.

O mundo lá fora na rua, na televisão e nas mídias sociais molda nossa consciência mais do que aqueles com quem compartilhamos o mesmo teto. Os exemplos artificiais e em etapas de relacionamentos fornecidos pela mídia, fornecidos a nós por executivos gananciosos que priorizam suas próprias margens de lucro sobre o benefício da sociedade, são opostos aos relacionamentos naturais e à realidade cotidiana.

O conteúdo defeituoso que visa chocar e obter ratings (classificações) prejudica nossas opiniões e, quer prestemos ou não atenção, agimos em nossos relacionamentos como se fossemos atores momentâneos. Quando nos encontramos em situações turbulentas com pessoas que moram no mesmo lar, embora sejamos capazes de expressar honesta e diretamente nossa verdade interior, as influências da sociedade são mais fortes, fazendo com que alteremos nosso comportamento natural. Sem escolha, adotamos e imitamos os comportamentos dos personagens que vimos na Internet, na TV ou no cinema. Este é o sinal mais evidente de que perdemos o rumo.

Não podemos censurar o conteúdo da mídia ou fechar esse meio de comunicação e, assim, resolver o problema. Silenciar nossas vozes só trará novas distorções no pior dos casos, ou adiará o surto da doença por uma década no melhor dos casos. Enquanto não conseguirmos lidar com o fenômeno do egoísmo malicioso e não provocar uma mudança fundamental, degeneraremos em uma situação em que cada pessoa fará o que bem entender, e a sociedade sofrerá uma queda irreparável.

Nossa educação para ser atencioso com o outro, estabelecer limites morais claros e superar nossa natureza egoísta, deve começar desde tenra idade. Nosso dever deve ser o de transmitir às pessoas, de todas as formas possíveis, exemplos práticos de como estar conectado de maneira saudável e recíproca à sociedade circundante: entre família, amigos e toda a sociedade. Devemos ensinar a nós mesmos e às próximas gerações como mudar nossa atitude diante da realidade e demonstrar como a consideração mútua é a base de qualquer sistema saudável de relações.

A educação em relação a relacionamentos equilibrados, ou seja, relações construídas acima de nosso interesse pessoal com a intenção de beneficiar os outros, é o movimento que acalma os impulsos humanos negativos e equilibra nosso ego em movimento com sua força positiva oposta.

A educação, no entanto, não pretende desculpar uma pessoa de um castigo pesado. Pelo contrário, é um passo significativo em direção a uma sociedade saudável. Vamos começar a nos preparar para uma vida em que consideramos outras pessoas. A mídia pode ser uma ferramenta que nos ajuda a estabelecer valores exigindo a consideração de outras pessoas. Os influenciadores e tomadores de decisão devem ser chamados a realizar exemplos benéficos para a sociedade e, em vez de experimentar um aumento dramático no número de mulheres assassinadas, aspiraremos a ver manchetes de histórias heroicas supremas que glorificam exemplos de contribuição social e benefício que levam para uma coexistência harmoniosa.

Comente