Não Reconhecemos O BDS Em Israel

laitman_293Nas Notícias (Times of Israel): “A embaixadora de Israel para a França pediu que as cidades locais proibissem eventos ligados à Semana de Apartheid de Israel, pró-palestina, prevista para começar segunda-feira.

“Aliza Ben-Nun escreveu aos prefeitos de nove cidades em toda a França, pedindo-lhes para cancelar os eventos organizados pelo movimento pró-palestiniano de boicote, desinvestimento e sanções (BDS), disse o Ministério das Relações Exteriores na sexta-feira.

“Ben-Nun disse que os eventos são suscetíveis de causar perturbações, incitação ao ódio e violência contra Israel e a comunidade judaica. Ela também escreveu que o boicote é proibido pela lei francesa. …

“Os eventos da Semana do Apartheid de Israel estão agendados para Paris, Rennes, Toulouse, Montpellier, Lyon, Saint Étienne, Lille, Marselha e Grenoble, como parte de uma iniciativa mundial em mais de 200 cidades e universidades que os críticos dizem buscar deslegitimar o Estado de Israel.

“De acordo com seu site francês, os eventos na França marcarão 100 anos de colonização por Israel e 100 anos de luta popular pela justiça pelos palestinos, contando da Declaração de Balfour de 1917”.

Meu Comentário: Isso significa que eles aparentemente estão dizendo que: “A nação de Israel não existe, não a reconhecemos, não reconhecemos esta nação, vamos fazer para que eles não existam de uma vez por todas”.

Mesmo que os franceses tenham sido gravemente prejudicados pelas ações dos terroristas muçulmanos ultimamente, seu ódio contra os terroristas ainda é menor do que seu ódio contra os judeus. Eles trocam um ódio pelo outro, o que significa que culpam os judeus por tudo.

Além disso, eles intencionalmente tentam não prestar atenção nos problemas com os terroristas, com os muçulmanos, mas veem apenas os judeus: “Por que não deixam os muçulmanos viver como eles querem?” Na opinião dos franceses, os judeus devem ser jogados no mar, toda a área deve ser limpa, e então eles vão viver confortavelmente e bem. Mesmo que em outras nações muçulmanas não vejamos nenhum exemplo de uma vida boa, mas especificamente os franceses pensam assim.

Pergunta: Então, o que deve ser feito com o BDS? Afinal, este movimento está se tornando mais forte.

Resposta: É necessário ver o seu propósito: nele ajuda a nós, sionistas, a nos tornarmos mais fortes. Eu acredito que a pressão negativa sobre os judeus, sobre Israel, sobre o povo de Israel, sobre sua existência, é útil.

Até que nos corrijamos, nós exigimos uma pressão muito séria e um empurrão. Isso é necessário para nós. Se não somos pressionados, não podemos viver juntos uns com os outros porque desde os dias da antiga Babilônia temos sido representantes das 70 nações do mundo.

Quem se juntou a Abraão? Representantes de todos os tipos de tribos que viviam na antiga Babilônia. Portanto, cada um dos judeus pertence a uma tribo diferente, um povo diferente, dentre os que existiam desde então.

Aqueles que tinham um ponto no coração responderam ao chamado de Abraão e, portanto, organizaram um grupo; eles reuniram todos os pontos no coração e começaram a ser chamados de Yehudim (judeus), da palavra Yichud (união), e Israel, Yashar-El, que significa direto ao Criador. Mas, na verdade, biologicamente, eles eram totalmente diferentes.

Pergunta: Então, o que se deve esperar no futuro?

Resposta: O futuro depende de nós! Mas, enquanto não tivermos chegado ao futuro certo, enquanto as pessoas não tiverem ouvido o que a sabedoria da Cabalá diz sobre a necessidade da conexão e unidade acima de todas as contradições, como fez Abraão, a organização BDS é necessária.

Portanto, eu sou a favor dessa pressão, e ela vem de Cima, do Criador, porque “não há outro além Dele” (Deuteronômio 04:35). Eu espero que a pressão continue até que o povo de Israel desperte e compreenda que cabe a nós nos unirmos, e somente dessa maneira poderemos levar a nós mesmos e o mundo inteiro ao equilíbrio, perfeição e unidade.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 08/03/17

Comente