Jewish Business News: “Unindo Os Estados Para Uma Grande América Na Era Trump”

Em minha coluna regular no Jewish Business News, meu novo artigo: “Unindo Os Estados Para Uma Grande América Na Era Trump

O ataque de mísseis de Trump contra a Síria foi amplamente aprovado, indicando que a América quer recuperar o papel de vigilância internacional. Mas primeiro, Trump deve recuperar a unidade dos Estados Unidos. Os judeus em sua administração podem ajudá-lo a fazer exatamente isso.

Na minha perspectiva, o tempo de Trump no escritório provou que ele merece uma chance de liderar o país, como disse o ex-vice-presidente Joe Biden no mês passado.

Recentemente, o ex-primeiro-ministro sueco, Carl Bildt, zombou do presidente após a conclusão de Trump de que houve um ataque terrorista na Suécia perpetrado por imigrantes. O Sr. Bildt tuitou, “Suécia? Ataque de terror?” Dois meses depois, o atual primeiro-ministro sueco declarou que a Suécia “nunca voltará” aos dias da migração em massa depois que um imigrante ilegal matou quatro pessoas e feriu 15 em um ataque de caminhões no centro de Estocolmo.

Depois de meses de escárnio nas declarações de Trump, que o governo Obama espionou ele e seus conselheiros antes das eleições, Eli Lake da Bloomberg revelou que Susan Rice, ex-assessora de segurança nacional de Barack Obama, fez exatamente isso.

Avanço Rápido

Trump deve avançar com sua agenda e levar a América ao próximo nível. Isso significa consolidar, unir e fundir a sociedade americana em um todo coeso. Como presidente dos Estados Unidos, esta é sua principal obrigação para com seu povo.

Apesar do que parece ser uma campanha sistemática da mídia liberal, como a CNN e o The New York Times para desacreditar o presidente Trump, as falhas que ele expôs com sua própria eleição têm sido desenvolvidas por décadas. Trump não as criou, mas sua eleição as tornou aparente.

O centro está encolhendo rapidamente em ambos os lados do mapa político. Trump chegou ao poder no momento em que o país exige uma transformação urgente em uma sociedade com uma agenda comum.

O fato de Trump ser eleito prova que o povo americano está em grande parte atrás dele. No entanto, se suas ações não fizerem parte de uma estratégia abrangente para unificar a nação, elas não produzirão o resultado desejado.

O governo não deve considerar os problemas como crises isoladas, mas como indicadores de desunião na sociedade. O modo de trabalho deve se assemelhar ao de uma família saudável: deve priorizar, mas sem deixar os membros da família para trás. Se Trump chegar a ver o povo americano da forma como uma família saudável trata todos os seus membros, não há dúvida de que a América será grande novamente.

O Papel do Judeu na Administração Trump

Recentemente, Jonathan Levi, da Forward Magazine, perguntou: “Jared Kushner é o ‘judeu do tribunal’ do reino de Donald Trump?” Certamente, não é do dinheiro de Kushner que o presidente Trump precisa. O presidente sente que precisa de Kushner exatamente onde ele o tem, como um “conselheiro sênior”.

Como com qualquer administração nas últimas décadas, a de Donald Trump está repleta de judeus em posições-chave. Os judeus estão no topo principalmente porque são grandes conectores, tornando-se figuras-chave no funcionamento de cada sistema. O problema é que toda administração usa judeus para promover sua própria agenda. Trump estabelecerá um precedente se os utilizar para promover uma agenda de unidade universal. Todo mundo vai se beneficiar disso.

Há uma boa razão pela qual os judeus se destacam em conectar as pessoas. O povo judeu é a única nação do mundo que tem um aniversário oficial. De acordo com a Torá, no dia 6 do mês hebraico de Sivan, no ano de 2488 no calendário hebraico (1272 aC), o povo judeu foi anunciado, tendo cumprido o pré-requisito de se comprometer a se unir “como um homem com um só coração”. Doravante, a ascensão e queda do povo judeu dependeria do seu nível de adesão ao princípio da unidade.

A Unidade da América em Primeiro Lugar

Se Trump realmente quiser cumprir sua promessa de tornar a América grande novamente, terá que tomar uma abordagem diferente de todos os seus antecessores. Isso também deve exigir que os judeus em sua administração trabalhem de maneira diferente do que em todas as administrações anteriores. Para tornar a América grande, ela deve ser uma nação unida. Trump precisa exigir que os judeus facilitem as conexões e o relacionamento entre si em ambos os lados do mapa político, e, posteriormente, estendam essa amizade ao resto do povo americano.

Se os conselheiros judeus em posições-chave estabelecerem confiança e responsabilidade mútua entre si, será muito mais fácil para o Presidente se reconciliar com o Partido Democrata e estabelecer um governo que desfrute do total apoio do Congresso. Quanto mais tempo Trump esperar, mais difícil será para ele agir.

Como um líder inteligente, ele deve pedir que seus conselheiros elaborem um roteiro que leve do partidarismo atual à confiança, cooperação e eventual coesão da sociedade americana e da política.

Isso tornará a América não só grande, mas também um modelo para todas as outras nações, “uma luz para as nações”, se você quiser. A implementação de um plano desta natureza reverterá a trajetória global negativa e garantirá um futuro melhor para nossos filhos e para as gerações vindouras.

Comente