Nova Vida # 489 – As Estrelas Afetam Nosso Destino?

Vida Nova # 489 As Estrelas Afetam Nosso Destino?

Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Questão: A questão da astrologia e destino é muito interessante, intrigante, e muito clara. Será que as estrelas afetam nosso destino? É possível prever o nosso destino? Como podemos usar esta informação?

Afinal de contas, a coisa mais difícil sobre a nossa vida é que ela é imprevisível. Passamos a vida sem ter idéia do que vai acontecer com a gente no futuro e que surpresas o destino tem guardado para nós.

A pessoa não pode controlar sua vida. Esta é a razão pela qual tantas pessoas estão interessadas em astrologia, que aparentemente pode prever o caráter de uma pessoa e seu destino de acordo com os diferentes sinais.

A astrologia era muito popular no antigo Egito, Grécia antiga, o Extremo Oriente, Índia, China, e também entre os índios americanos. Ainda hoje muitos acreditam que existe uma ligação entre as estrelas e estado de uma pessoa. Existe realmente tal conexão?

Resposta: O universo desenvolve-se gradualmente, passo a passo, e o homem é a última fase deste processo evolutivo e é a parte mais desenvolvida. Mas é, na verdade, porque o homem é a criatura mais desenvolvida e tem uma mente e os sentimentos pelos quais pode explorar a natureza cada vez mais, que ele sente que é vulnerável.

Ele diz que “um bezerro recém nascido é considerado um boi”. Logo após o nascimento o bezerro já tem a mente e os sentidos de um boi crescido. Ele sabe quais plantas que pode comer e que não deveria, não vai cair de um lugar alto, ao contrário de uma criança pequena que tem de ser nutrida e ensinada por um longo tempo até que se torne esperta.

Se não educar uma criança, ela crescerá e tornar-se-á um animal. Mas se dermos a ela toda as experiências de vidas humanas, que tem sido acumuladas por muitos anos, ela chegará ao nível humano, o nível que ela estará autorizada a desenvolver. A pessoa desenvolve e de acordo com o nível a que ela desenvolve, descobre o mundo.

Portanto, o homem é uma criatura muito sensível, uma vez que tem que sentir a natureza profundamente. Ele é forte em ser capaz de construir sistemas diferentes que ajudam a lidar com a natureza. O homem aprendeu a controlar o fogo, descobriu a eletricidade, aprendeu a aquecer a sua casa e iluminar a escuridão da noite. Ele aprendeu a comunicar-se através de grandes distâncias e inventou a Internet.

O homem tem tornado-se cada vez mais sofisticado e adicionou todo o conforto que lhe faltava na natureza. Ao mesmo tempo, não mudou muito. Há, provavelmente, limites muito claros para a capacidade humana.

Podemos melhorar nossa vida diária de muitas maneiras, mas não podemos responder à pergunta mais importante: O que será de meu destino? Qual será o meu futuro? O que acontecerá quando eu morrer? O que estava lá antes de eu nascer e o que acontecerá comigo depois que eu morrer? O que acontece para além das fronteiras desta vida? Por que eu conheci as pessoas que me cercam em minha vida? Por que eu nasci com uma certa personalidade, como um homem ou como mulher, em um determinado país, em um determinado momento?

Todas essas questões permanecem um mistério para nós. Há uma certa força que nos controla e não podemos influenciá-la. Nós só podemos tentar viver confortavelmente no lugar em que nosso destino trouxe-nos. Construir casas em vez de cavernas, preparar alimentos e guardar produtos alimentares.

Desenvolvemos o que pertence à existência corpórea do corpo, o que significa que nós usamos a mente humana e sentimentos que nos elevam acima dos animais para o bem do nível animal, para o bem do corpo. É só por causa do corpo que desenvolvemos todas as ciências: física, química, biologia e zoologia, para que o nosso corpo possa desfrutar.

Mas não podemos usar nossa mente e nossos sentimentos, a fim de sair do nosso corpo. Acontece que usamos tudo o que nos foi dado para além do nível animado, nossa grande inteligência, a capacidade de explorar a natureza e descobrir suas leis, somente para o bem estar do nosso corpo físico.

Queríamos mover-nos rapidamente, por isso, construímos o carro; queríamos falar com alguém que está longe, portanto, invitemos o rádio e a Internet. Mas todas essas invenções são para o conforto do nosso corpo, para o bem da nossa saúde, para nós ou para os nossos filhos.

Não há nenhuma invenção que nossa mente tenha desenvolvido que tenha sido para o nível que está além do nível animal. Universidades, mercados de ações, museus são todos feitos para fornecer ao nosso corpo o máximo conforto. É triste ver como primitivamente usamos nossos sentimentos delicados, nossas mentes afiadas, e nossa capacidade de desenvolver à medida que evoluímos de uma geração para a seguinte.

Voamos para o espaço exterior e temos grandes conquistas em medicina. Cem anos atrás, a esperança média de vida não era mais do que 40-50 anos, e hoje estamos nos aproximando de 100 anos. Em mais 50 anos possamos viver até 200 anos. Temos a capacidade de fazer a nossa vida neste mundo muito mais intensa, mais saudável, e prolongar a vida do organismo. Mas o que não fica claro é o que devemos fazer com o corpo durante tantos anos.

Podemos melhorar as condições em que o corpo vive para o bem das nossas famílias e dos nossos filhos. Podemos responder a praticamente qualquer pergunta, exceto a questão mais importante, sobre o nosso destino. O termo “destino” inclui o que éramos antes do nosso nascimento, o que será depois da morte, o que vai acontecer com a gente no meio, no tempo desde o nascimento até a morte, e que as dificuldades teremos de enfrentar durante este período.

Por um lado, percebemos que tudo está predeterminado, mas para nós isto é revelado como acaso completo. Agora parece uma coincidência, mas, como seria acaso pudesse subir um pouco e olhar para todo o plano, de cima. Isso é muito intrigante.

[151363]

De KabTV Vida Nova # 489- “As Estrelas Afetam Nosso Destino?” 1/1/15

OBS: Áudio e Vídeo em inglês

icon for podpress Video: Reproduzir Agora | Download icon for podpress Audio: Reproduzir Agora | Download

Comente