O Trabalho Mais Importante Do Mundo

Dr. Michael LaitmanNós entramos numa fase muito peculiar do desenvolvimento humano. A evolução nos trouxe à sensação de que este mundo é desconfortável, errado e inadequado para nós; realmente não importa se a culpa é nossa ou não.

Até que ponto nós somos os culpados, eu não posso dizer. Afinal, nós só agimos do jeito que podemos. As pessoas são o que são! O que pode ser feito sobre isso? Nós podemos exigir mais delas? Nós devemos fazer deste mundo um lugar melhor ou devemos continuar “girando” junto com ele? Em geral, nós somos realmente capazes de agir de forma diferente, indo contra a nossa natureza? Nós somos governados pela nossa natureza; é assim que somos construídos. Nós podemos mudar alguma coisa?

Nós vemos que a nossa vida é difícil e desconfortável; o futuro não parece rosado para nós. Será que está em nosso poder alterar a nossa vida?

Neste ponto, a sabedoria da Cabalá entra em cena. Este conhecimento explora toda a realidade e o ser humano nela. A exploração da natureza pela Cabalá é extremamente profunda, pesquisando níveis mais profundos do que todas as ciências convencionais. Esta sabedoria explica exatamente o que pode ser feito para mudar a nossa realidade para melhor.

Em essência, nós chegamos a uma conclusão muito simples e óbvia, que não é novidade para nós: o problema está na nossa natureza egoísta. Nós somos movidos pelo nosso egoísmo, a força de separação entre nós. Cada um persegue seus benefícios pessoais e aprecia ser “superior” aos outros, fazendo os outros “inferiores”. As pessoas se sentem felizes quando se sentem superiores aos seus vizinhos.

Se não fôssemos dirigidos por essa força, se nos esforçássemos pela unidade e igualdade, nos sentiríamos muito melhor. A humanidade sempre pensou que pudesse alcançar a igualdade e a justiça. Houve muitas batalhas e revoluções ao longo da história, mas vemos que todas foram inúteis.

Portanto, a Cabalá nos ensina como viver uma vida boa. Além de muitos outros benefícios, ela explica como atingir o equilíbrio e a equivalência com a natureza. Ela mostra como evitar furacões, tsunamis, erupções vulcânicas, ondas de frio e de calor, aquecimento global, extinção de espécies animais e vegetais, etc. As pessoas são as únicas que podem equilibrar todos os níveis da natureza, de modo que todas as suas partes (inanimada, vegetal, animal e falante) vão alcançar harmonia e concordância, vivendo, assim, uma boa vida num estado de homeostase.

Acima disso, o nosso trabalho em alcançar uma forma correta de unidade contém um detalhe: de toda a humanidade, este trabalho é confiado a um pequeno grupo que, desde o tempo da Babilônia, do berço da história humana, demonstrou que é capaz, tem interesse, e visa este papel. Este grupo aspira à unidade e, em essência, está pronto em cuidar do resto da humanidade que não está preocupada com coisas desse tipo.

Quando este grupo surgiu na antiga Babilônia, foi chamado de “Israel”, que significa “direto ao Criador (Yashar-El)”. Ele aspira alcançar a unidade. O Criador (El), em essência, é “O Um”, a realidade unificada.

Hoje, depois de três mil e quinhentos anos, este grupo não corresponde ao papel para o qual foi escolhido. No entanto, à semelhança da antiga Babilônia, na atual Babilônia surgem pessoas que também se esforçam pela unidade. É por isso que elas também são chamadas de “Israel”. A implementação de sua predestinação é uma necessidade para elas.

Além disso, há pessoas que faziam parte do grupo com o nome “Israel” em um ponto na história, mas depois, elas abandonaram seus ideais. Elas também são obrigadas a participar da busca da unidade. Assim, há vários círculos de pessoas cujo dever é o de participar no processo de correção do mundo:

1. Primeiro de tudo, há as partes de Israel que despertaram por conta própria para cumprir este trabalho. Não importa o país em que nasçam, elas são uma parte do desejo de salvar a humanidade.

2. Aquelas que pertencem a Israel devido ao seu nascimento, por hereditariedade, também estão envolvidas no processo, mesmo que não saibam disso, não entendam, e não queiram isso.

3. O resto da humanidade.

Hoje, a unidade se transformou em um patrimônio universal. Em todo o mundo, as pessoas que entendem que só ao atingir a unidade nós podemos escapar de todas as catástrofes causadas pelo nosso antagonismo com a natureza, elas estão se esforçando para encontrar soluções para a crise em que nos encontramos atualmente. Aos poucos, mais cedo ou mais tarde, elas vêm para a sabedoria da Cabalá. Ocorre que esse conhecimento é uma fonte de correção e um berço de compreensão e energia.

Os Cabalistas escreveram muito sobre o que exatamente pode e vai salvar a humanidade. Além disso, a sabedoria da Cabalá explica que não devemos fugir de infortúnios como animais selvagens de uma floresta em chamas. Pelo contrário, o nosso estado atual “esconde” a profunda intenção da natureza em nos elevar a um nível superior, não apenas nos enviando desastres para nos forçar a olhar para a salvação. Este cenário não é digno da perfeição da natureza.

A questão é que pela correção e unificação pessoal nós subimos para um novo nível de existência e saímos para um mundo amplo e impecável, para a realidade que existe acima da matéria. Nós veremos que a nossa vida real, os nossos verdadeiros corpos e almas, estão lá.

Os Cabalistas nos explicam quais são os caminhos do despertar para a vida real. É para isso que a sabedoria da Cabalá se destina.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 10/07/14, Escritos do Baal HaSulam

Comente