Sobre Fraldas e Eternidade

Pergunta: Ao formar um grupo, temos que prestar muita atenção às coisas externas, como se estivéssemos cuidando de um bebê. Como podemos evitar perder a essência interior durante este processo?

Resposta Cada grupo encontra esse problema e cada membro do grupo faz esta pergunta.

Vivemos em um mundo de ações materiais. Quantas horas por dia eu gasto com satisfação das minhas necessidades naturais, tais como dormir, comer e lavar? Quantas horas por dia tenho que trabalhar, assumir responsabilidades em casa, e assim por diante? E quanto tempo eu tenho deixado para mim e para meu desenvolvimento espiritual? Eu tenho talvez uma ou duas horas por dia se eu conseguir separar tudo de alguma forma.

É assim que nossa vida está organizada. Quem arranjou as coisas desta maneira? Poderia ser realmente o Criador? Por que Ele nos afoga nesse material, a existência animada? Por que ele não nos torna como os anjos, nos aliviado das preocupações sobre o nosso corpo, casa e filhos, então a única coisa que tínhamos que fazer é construir conexões com o outro?

No entanto, na realidade tudo é muito diferente. Qualquer trabalho que fazemos, mesmo sem relação com o trabalho do grupo, é um trabalho puramente espiritual. Nós apenas não sabemos sobre ele ou o compreendemos. Ao realizar as responsabilidades de um funcionário, um homem de família, um cidadão, e assim por diante, eu me corrígo. Eu não posso ver exatamente como eu faço isso, mas não deixa de ser assim.

Tenho permissão para me dedicar apenas a pequena parte de minha vida a correção espiritual. Como eu executo esta correcção, se ao invés de estudar eu trabalho na organização da vida do grupo, eu, assim  apoio e reforço a ligação do nosso sistema comum.

Obviamente, também não podemos esquecer de ter uma distribuição equitativa dos encargos entre todos nós. E mais de um modo geral, este é um tema muito vasto que vai, certamente, voltar
[25275]
Da 1a.  da Lição Diária de Cabala de 29/10/10, “Escritos do Rabash”

Comente