“Diversidade – A Chave Para O Sucesso” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Diversidade – A Chave Para O Sucesso

Algumas semanas atrás, vários meios de comunicação publicaram uma história que passou despercebida pela mídia tradicional, mas que desafia a razão. Aparentemente, a Grace Church School em Lower Manhattan publicou um guia de 12 páginas para alunos e funcionários explicando a missão da escola de inclusão. O guia os encorajou a substituir algumas das palavras mais essenciais em qualquer idioma por substitutos que negavam seu significado. Por exemplo, o guia diz: “Em vez de ‘mamãe’ e ‘papai’, na Grace dizemos ‘adultos’, ‘gente’ ou ‘família’”. Ou “Em vez de ‘marido’ ‘esposa’, ‘namorado ‘, ‘namorada’ na Grace dizemos ‘esposo’, ‘parceiro’, ‘outro significativo’”.

Em vez de fazer com que todos sejam iguais, devemos enfatizar ousadamente nossas diferenças e usá-las para o bem comum. De repente, descobriremos que cada pessoa é linda de uma maneira única! Construir uma sociedade robusta não depende de tornar todos iguais, mas de abraçar as diferenças de todos. Diversidade é a chave do sucesso; uniformidade – o caminho para o fracasso.

O guia não para por aí. Ele continua seu esforço para projetar a consciência de alunos e professores, declarando claramente sua agenda: “Tentamos ativamente desfazer noções de uma estrutura familiar ‘típica’ ou ‘normal’, cada família é única”. Além disso, o guia aponta para um problema que define como “Heterossexismo”, que é “A suposição de que a heterossexualidade é a forma natural ou padrão de sexualidade e é inerentemente boa ou inevitável”.

A religião também é “tratada” no guia. “Em vez de [perguntar] ‘De que religião você é?’ diga ‘Há alguma tradição religiosa/fé importante para você?’” Ou, “Em vez de [dizer] ‘Feliz Natal!/Boas Festas!’ diga ‘Tenha uma ótima pausa!’” Há muito mais, mas você entendeu.

O fato é que a tentativa flagrante de engenharia da consciência foi amplamente ignorada. As crianças e os pais temiam por seu futuro, os professores temiam por seus empregos e a mídia tradicional não tinha interesse em protestar contra a opressão óbvia do pensamento livre, então poucos meios de comunicação relataram isso.

Mas uma pessoa não conseguiu ficar quieta. Paul Rossi, professor da Grace Church, escreveu um artigo intitulado “Recuso-me a ficar parado enquanto meus alunos são doutrinados” e o publicou no blog Common Sense de Bari Weiss. No subtítulo, ele escreveu: “As crianças têm medo de desafiar a ideologia repressiva que governa nossa escola. É por isso que estou desafiando”.

Rossi admite que teme pelo futuro, mas sente que não tem escolha, já que o problema não é apenas na Grace Church, mas um problema generalizado. “Sei que, ao associar meu nome a isso, estou arriscando não só meu emprego atual, mas minha carreira de educador, já que a maioria das escolas, tanto públicas quanto privadas, agora estão presas a essa ideologia retrógrada”, admite. “Mas testemunhando o impacto prejudicial que isso tem nas crianças, não consigo ficar em silêncio”.

Felizmente para Rossi, e para todos nós, embora possa demorar um pouco e ainda possa se espalhar ainda mais, no final, a eliminação forçada das diferenças entre as pessoas não funcionará. A natureza nos criou diferentes, não iguais, e não podemos “desfazer” nossa criação por capricho. Se contradiz a natureza, não funcionará. Só vai atormentar aqueles que tentarem.

O esquema ao qual a ideologia “inclusiva” tenta nos acorrentar criará o sofrimento que todos os feitos criam, mas não nos tornará semelhantes ou iguais; é totalmente inútil e redundante. Mamãe e papai são as duas figuras mais importantes em nossas vidas, e é por isso que todas as culturas, desde a antiguidade, dedicaram pronomes específicos para designá-los. Eles não são “família” e certamente não são “gente”. Eles nos deram nossas próprias vidas e, em grande medida, são responsáveis ​​pelas pessoas que somos. É quase o mesmo com “marido” e “esposa”: “Parceira” simplesmente não tem o mesmo peso. “Marido” e “esposa” significam compromisso, e “parceiro” implica muito menos, se houver. Cada pessoa que encontramos é única e merece um nome ou título único. Negar a singularidade priva todos nós de personalidade.

A diversidade não é algo para apagar; é algo para abraçar! É uma fonte de poder, resiliência e beleza! Só podemos apreciar as qualidades de uma raça quando sabemos como ela é única. No entanto, saberemos que é única se conhecermos as qualidades de todas as outras raças. Portanto, não podemos apreciar uns aos outros a menos que saibamos quem somos e quão diferentes somos uns dos outros. Apague as diferenças e você apagará nossa singularidade e, pior ainda, nossa capacidade de apreciar uns aos outros.

Em vez de fazer com que todos sejam iguais, devemos enfatizar ousadamente nossas diferenças e usá-las para o bem comum. De repente, descobriremos que cada pessoa é linda de uma maneira única! Construir uma sociedade robusta não depende de tornar todos iguais, mas de abraçar as diferenças de todos. Diversidade é a chave do sucesso; uniformidade – o caminho para o fracasso.

“Qual É A Sua Definição De Amor?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É A Sua Definição De Amor?

De acordo com a sabedoria da Cabalá, amor é o desejo de satisfazer os desejos de outras pessoas.

Para satisfazer verdadeiramente os desejos das outras pessoas, precisamos entendê-las. Compreender os desejos dos outros vem do compartilhamento de hábitos, qualidades, pensamentos e percepções semelhantes. Então podemos saber como satisfazê-los, ou seja, expressar nosso amor.

O amor é, portanto, sentido de acordo com uma lei-chave na realidade chamada “a lei da equivalência de forma”. Todos nós temos desejos diferentes, mas para estabelecer um entendimento comum – a base para alcançar o amor entre nós – a intenção sobre nossos desejos deve ser a mesma.

Se cada um de nós desejasse alcançar um amor comum um pelo outro acima de nossos desejos, formaríamos um modelo interno comum por meio do qual saberíamos como satisfazer um ao outro. Poderíamos então imaginar os desejos uns dos outros dentro de nós mesmos e entender como nos sentiríamos ao receber a mesma satisfação.

Visto que compartilharíamos a mesma intenção, seríamos capazes de satisfazer os desejos um do outro e, ao fazer isso, experimentar o amor.

Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

A Quem Se Pode Abrir O Coração?

629.4Comentário: Margaret Thatcher diz: “Deixar transparecer suas emoções não é um plano muito bom; você deve deixá-las dentro, onde funcionam melhor”.

Minha Resposta: Na sociedade humana, é claro, isso é verdade. Mas, em geral, você não pode abrir seu coração, apenas em um círculo adequado, se eu estiver entre amigos, isto é, entre aqueles que estão indo em direção ao mesmo objetivo. Então abrimos o coração e um coração comum é formado. Então, já existem leis completamente diferentes.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman” 14/01/21

“Por Que É Importante Desenvolver Uma Autoimagem Positiva?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Por Que É Importante Desenvolver Uma Autoimagem Positiva?

O desenvolvimento de uma autoimagem exclusivamente positiva é prejudicial ao nosso desenvolvimento, porque pode nos impedir de ver o que precisamos mudar em nós mesmos.

Pelo contrário, precisamos de controle e equilíbrio entre uma autoimagem positiva e negativa. Por exemplo, duvidar de nós mesmos quando nos encaminhamos para as provas na escola ou universidade nos estimula a estudar mais e nos preparar melhor. A autoconfiança excessiva e o fato de saber tudo são prejudiciais ao nosso progresso. Portanto, temos que ser capazes de direcionar a mudança de nossa autoimagem de positiva para negativa e vice-versa.

Além disso, devemos direcionar a nossa autoimagem para um objetivo que nos propusemos alcançar, para que nos avaliemos em relação a esse objetivo. Portanto, precisamos examinar regularmente essa meta e como progredimos em direção a ela – questionando se temos os meios necessários para alcançá-la e, consequentemente, ajustar nossa autoimagem para ser orientada de forma ideal para uma meta.

Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.
Foto de Malcolm Lightbody no Unsplash.

O Mandamento: “Eu Sou o Senhor, Teu Deus”

610.2Pergunta: O primeiro mandamento diz: “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão”. Quem é Deus? O que é?

Resposta: É a força mais elevada, inteligente, onipotente, eterna e perfeita da natureza.

Atribuímos isso apenas à natureza do nosso mundo porque não vemos mais. Na verdade, ela preenche tudo, inclui todo o programa da criação: o início, sua meta, sua realização e seu fim.

Tudo isso junto é chamado de Criador, e apenas em relação a nós.

Não podemos falar sobre o Criador, sobre Deus, sobre a força superior, que Ele é onipotente, eterno, ou dar a Ele quaisquer epítetos que quisermos. Eles precisam ser interpretados, discutidos, o porquê são exatamente assim e não diferentes, o porquê existem tantos deles.

Portanto, sem prestar atenção a esses nomes, podemos falar sobre Ele, mas apenas em relação a nós mesmos, pois as grandes almas, os Cabalistas, O conheceram e nos falaram sobre Ele.

Pergunta: Como consequência do mandamento “Eu sou o Senhor teu Deus”, o ato da Criação: “E Deus disse: ‘Haja luz’, e houve luz” ocorre. Qual é a conexão entre eles?

Resposta: A manifestação do Criador de cima para baixo em relação a nós no ato da Criação é a manifestação da luz do mundo infinito, que constrói para si um vaso. Esse vaso é a criação original.

Ainda está longe da criação que deveria ser criada porque é como uma semente e não está claro se algo se desenvolverá a partir dela. Mas contém quase tudo, exceto matéria. Portanto, deve estar, por assim dizer, recheado de tudo o que é necessário.

Mas todas as informações, absolutamente todas as suas propriedades, tudo o que é chamado de “Ele mesmo” está neste recipiente.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 10

Reabasteça-se Para O Benefício Do Outro

631.2Pergunta: O que acontece quando estudamos Cabalá? Homens e mulheres começam a sentir sua natureza?

Resposta: Primeiro eles começam a entender e sentem que são completamente opostos um ao outro: no corpo, na mente, na consciência e na visão do mundo. Acabamos de obscurecer tanto essa distinção que nem prestamos atenção a ela e parece que ela não existe.

Achamos que, dessa forma, podemos chegar a algum tipo de entendimento mútuo, igualdade de gênero e assim por diante. Isso não é verdade. Devemos entender claramente a diferença entre um homem e uma mulher, porque quando cada um de nós está na posição certa, podemos somar e nos reabastecer para o benefício do outro.

A Cabalá fala sobre como precisamos nos unir, preservando nossas contradições e até mesmo tornando-as mais proeminentes. Quando mostro a uma mulher que ela é uma mulher aos meus olhos e a mim mesmo como homem, não nos apresentamos imediatamente a algum tipo de relacionamento íntimo.

Falamos no nível mental, emocional, no nível de educação e interação. Com isso, mostramos como somos opostos, mas ao mesmo tempo como podemos nos complementar. A Cabalá explica como um homem e uma mulher devem estar interligados.

Parece-nos que na natureza essa conexão, por exemplo, entre um homem e uma mulher, é muito mais simples. Na verdade, não é tão simples. Não vemos suas diferenças internas, como interagem entre si. Se aceitássemos corretamente nossas diferenças, isso nos levaria a uma cultura, esfera de comunicação e construção de outras instituições sociais completamente diferentes.

Nós nos comunicaríamos de uma maneira completamente diferente no trabalho, nas férias e nas interações entre famílias. Teríamos outros programas de TV e rádio. Jogos, esportes, tudo pareceria diferente.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

Os Estados Espirituais Podem Ser Vistos Na Vida Exterior?

547.05Comentário: Todas as fontes Cabalísticas falam de apenas duas forças, altruísta e egoísta, mas em diferentes interpretações, por meio de diferentes histórias alegóricas, que falam de sua interação. Tudo é tão simples quanto isso: duas forças e pronto.

Minha Resposta: Não, não é fácil porque ambas as forças estão revestidas em nós, e dentro de nós devemos descobrir quando, como e até que ponto cada uma delas domina em nós.

Pergunta: E como todas as situações da história do êxodo do Egito podem ser transferidas para nossa vida cotidiana? Posso ver como o poder do egoísmo destrói minhas inclinações para o altruísmo, para o amor?

Resposta: Onde você vai ver? Toda a nossa vida presente e futura é construída sobre o egoísmo, não há nada de altruísta nisso. O Criador está oculto. Em vez Dele, apenas o Faraó.

Pergunta: Mas todas as histórias bíblicas descrevem estados espirituais pelos quais uma pessoa passa. Elas podem ser vistas como manifestações da vida material por meio de situações externas que cercam uma pessoa?

Resposta: Não. Afinal, ainda não passamos por estados espirituais. Ainda estamos em um estado em que o Faraó gradualmente se manifesta, e se manifesta como um mal para nós. Esse período é chamado de realização do mal.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 26/03/21

Como Liberar A Raiva Acumulada?

633.3Pergunta: Você tuitou: “Não substitua o ódio pelo amor, você destruirá o amor. Recomenda-se guardar todas as coisas ruins e aprender a cobri-las com o bem, com amor. Cobrir significa manter a conformidade, estar entre eles. Então, você se apoiará em duas pernas e desenvolverá essas duas qualidades na linha do meio”.

Um leitor pergunta: “É tão difícil, mas você tem que aceitar isso, não tem outro jeito. A única coisa que importa para mim é onde expulsar o mal acumulado”.

Resposta: Ele não deve ser expulso. O mal acumulado deve ser coberto com o bem. É por isso que ele existe: para que o bem cresça o tempo todo. O bem não pode crescer sem razão. Somente se o mal crescer, nós elevaremos o bem acima dele por meio de nossos esforços.

Pergunta: Como alguém pode chegar a um acordo com o mal?

Resposta: Não devemos aceitar isso! Devemos olhar para o mundo de uma forma razoável. Não é fácil, é muito difícil, mas de outra forma não chegaremos à visão correta do mundo.

O mundo consiste em duas forças: positiva e negativa. Portanto, precisamos interagir da maneira certa: amor e ódio, bem e mal, menos e mais. Devemos encontrar um equilíbrio entre eles.

Pergunta: E o que permitirá essa transição? É como um balão que infla, infla e a raiva se acumula, se acumula. Como ocorrerá a transição do estado de raiva e ódio para o estado de amor?

Resposta: Quando percebermos que não podemos destruir a raiva, o ódio e todas as nossas propriedades e impulsos negativos, mas podemos apenas equilibrá-los com propriedades positivas para que coexistam.

Pergunta: Um leitor pergunta sobre um algoritmo de várias etapas. Suponha que ela esteja cheia de raiva ou ódio. O que ela deve fazer passo a passo para alcançar o próximo estado?

Resposta: Em geral, isso deve ser feito em grupo, em um ambiente que suporte esse método, sob a orientação de uma pessoa mais experiente que possa realmente orientar como fazer isso.

Mas o principal é que não destruímos as propriedades negativas. Entendemos que elas devem existir na natureza, bem como as propriedades positivas, e apenas em sua interação adequada uma com a outra, podemos criar um mundo conveniente, necessário, confortável e, o mais importante, confiável, que não continuará caindo do ódio para o bem e do bem para o ódio, sem saber o que nos espera no próximo momento.

Pergunta: Então, precisamos enfrentar esse estado de ódio e raiva?

Resposta: Encare isso da maneira certa, aprecie corretamente, entenda que a culpa não é de ninguém, que é a nossa natureza que nos desenvolve dessa forma, e devemos equilibrar isso com boas forças. E para encontrar essas boas forças na natureza, devemos fazer esforços.

Para isso, precisamos de um grupo de apoio que nos dê o exemplo e nos apoie. E quando todos apoiarem seu amigo, seremos capazes de nos posicionar com clareza e fidelidade pela interação correta, o equilíbrio correto entre amor e ódio.

De KabTV, “Notícias com Michael Laitman”, 03/02/19

Anseio Por Maior Equilíbrio

232.09Pergunta: O que devemos fazer para preceder a escolha certa do nosso caminho pensando, esperando e prevendo-o?

Resposta: É muito simples.

De modo geral, precisamos alcançar um mundo em que um lobo more em paz com um cordeiro, e uma criança os conduza, e assim por diante. A profecia da Bíblia é verdadeira.

O objetivo do nosso desenvolvimento é atingir um estado em que todas as partes da criação encontrem seu lugar, a cooperação mútua correta com todas as outras partes, e que assim o mundo inteiro atinja um estado de equilíbrio. Esse é o estado real do mundo, que é bom, correto e estável, e que precisaremos alcançar.

Para ansiar por esse estado, precisamos ansiar pela unidade entre nós. Assim, impactaremos todos os estados mais baixos do mundo, por nosso anseio por unidade. Simplesmente precisamos agir corretamente. Agir corretamente significa buscar constantemente uma maior cooperação mútua entre o maior número possível de partes do sistema, a fim de alcançar o seu equilíbrio.

Pergunta: Como se expressa a principal força que atua em todo esse processo?

Resposta: A principal força que opera é a força geral que gerencia todo o universo, toda a criação, e que o sustenta em um estado equilibrado. É a força boa que vence a força má, mas por cooperação mútua conosco, de forma que a força boa sustenta todo o sistema em um estado de equilíbrio.

Pergunta: Como podemos alcançar o nível desta força da providência?

Resposta: Apenas pelo nosso esforço para estarmos juntos, para estarmos conectados em boas relações.

Pergunta: Os cientistas dizem que os filósofos pensam em termos da interação do tempo e da dinâmica do sistema. Eles entendem todo o sistema e como tudo se divide no tempo, e entendem que ainda é necessário agregar interação. Isso é semelhante aos acrobatas de um circo que se colocam nos ombros uns dos outros para atingir uma determinada formação e chegar ao topo. Precisamos da mesma cooperação que existe entre acrobatas, que se sentem, se apoiam e, assim, mantêm o equilíbrio?

Resposta: Os acrobatas prestam atenção constante a qualquer desvio do equilíbrio e se comportam como um sistema de vigilância para manter o equilíbrio. Aqui, porém, é em um nível superior. Não preciso trabalhar em um sistema de vigilância e me livrar constantemente dos distúrbios para manter o equilíbrio. Em vez disso, preciso ansiar constantemente por um equilíbrio maior. Só então terei total certeza de que minha pirâmide não entrará em colapso.

Pergunta: Qual é o maior equilíbrio?

Resposta: Um equilíbrio ainda maior é um aumento no nível de equilíbrio, um aumento em sua força. Aqui, mais e mais dados devem ser levados em consideração a fim de incluí-los na fórmula de equilíbrio para equilibrar continuamente. Para que as forças negativas e positivas se manifestassem ainda mais, elas foram divididas ainda mais em muitas partes, e todas juntas determinaram as condições em que a fórmula deveria se integrar e se equilibrar.

Pergunta: Que dados existem nesta fórmula além da força positiva e da força negativa?

Resposta: Nenhum outro dado. Existe apenas o equilíbrio entre eles. Tudo é muito simples.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 03/02/19

Descubra O Que Está Acontecendo Conosco

963.6Toda a natureza – inanimada, vegetal e animal – se desenvolve de acordo com suas próprias leis. Nós, humanos, também fazemos parte da natureza animada. Mas há outra parte em nós, que é chamada de “humana”.

É interessante que o egoísmo em constante crescimento em nós é o componente humano que nos leva ao desenvolvimento. Mas nós o estamos usando mal.

Ou seja, nosso corpo é um animal, e nosso componente espiritual, o humano em nós (neste animal há outra coisa chamada homem), não se desenvolve de acordo com as leis naturais. Ele nos é dado para que nós mesmos o desenvolvamos corretamente, mas não podemos manejá-lo.

Em primeiro lugar, devemos alcançar a compreensão do mal, que pelo desenvolvimento egoísta natural não podemos chegar a uma vida correta, a um estado bom e gentil. Quando nos colocarmos à beira do desaparecimento, do extermínio, da destruição, a humanidade voltará a si. Isso é declarado na Cabalá e deve ser decidido nos próximos anos.

Pergunta: E se as pessoas não ouvirem?

Resposta: Elas vão ouvir, elas vão fazer você sofrer. Afinal, nossa natureza é o desejo de desfrutar. Portanto, se experimentamos sofrimento, estamos prontos para fazer de tudo para nos livrar dele. E agora estamos nos enchendo de solavancos, estamos nos introduzindo no sofrimento, que no final das contas se unirá em sensações tão grandes e insuportáveis ​​que estaremos prontos para mudar tudo.

Pergunta: Mas que saída uma pessoa tem hoje?

Resposta: Descobrir o que está acontecendo conosco. Isso é revelado pela sabedoria da Cabalá. Ela fala sobre a história do nosso desenvolvimento, começando com as forças superiores da natureza, como a rede de forças no universo foi criada e, então, gradualmente o universo e tudo nele foi formado, e para onde isso deve nos levar.

A sabedoria da Cabalá não tem nada a ver com religião. Todas as religiões têm apenas 2.000 anos. E a Cabalá originou-se na antiga Babilônia. Os primeiros livros Cabalísticos datam deste período.

Hoje a Cabalá está se tornando muito popular e exigida porque, ao estudá-la, começamos a compreender as origens de nossa natureza, nossa vida e nosso desenvolvimento.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09