Veja A Verdadeira Realidade

928Devemos tentar imaginar uma realidade diferente, diferente da que sentimos agora, onde todos nós estamos conectados. Na verdade, ela existe nesta forma como um único mundo integral, e apenas o meu egoísmo me separa desta realidade.

Todos estão conectados e corrigidos, e todos os elementos da natureza estão funcionando como um único mecanismo, um único sistema, em completa conexão entre si. Eu sou o único que se sente desligado dos outros e os julga por causa de minhas próprias falhas.

Se eu descrever o estado de toda a criação desta forma correta, verei que a Divindade (Shechiná), a revelação do Criador, habita em todos os seres criados, conecta todos e opera dentro deles.

Todos estão conectados, todos estão corrigidos, e só eu preciso me corrigir para ver todos em sua verdadeira forma.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 25/11/20, “Trabalho com Fé Acima da Razão”

Vela Acesa

260.01Como uma vela queima? Uma vela consiste em óleo embaixo e um pavio colocado nela, que pode ser aceso de cima. Por que a vela acende? O óleo não acende sozinho, mas apenas graças ao pavio, que também não é inflamável? O pavio vem da palavra “defeituoso” porque resiste à luz.

No entanto, se o pavio estiver conectado ao óleo de um lado, você pode acendê-lo do outro lado e a vela se acenderá.

Acontece que é a falha, a resistência ao fogo, que conecta o fogo com o óleo e o transforma em uma vela. A vela consiste em três partes. O óleo em si não pode ser aceso e o pavio em si não é inflamável. Mas quando o pavio absorve óleo, ele se torna inflamável e se transforma em uma fonte de fogo.

Portanto, quanto mais descobrimos questões, intenções e pensamentos contra a espiritualidade em nós mesmos que diminuem o valor de nosso trabalho espiritual, mais espesso e forte nosso pavio se torna por causa deles. Se superarmos essa resistência, o pavio absorve cada vez mais óleo. Então, uma luz vem de cima e acende nossa vela.

No momento em que o pavio está pronto e suficientemente saturado com o óleo que sobe por ele, ele sente que há um fogo acima dele e se acende. O fogo virá imediatamente e acenderá imediatamente o pavio, o problema está apenas no próprio pavio, em nosso desejo de anexar à espiritualidade todos os desejos e pensamentos que protestam contra a espiritualidade, de nos conectarmos acima deles. É assim que a vela, a Menorah, é feita.

Portanto, não podemos viver sem pensamentos estranhos, sem rejeição da espiritualidade, sem ódio uns pelos outros e pelo Criador. Temos que experimentar, sentir e reconhecer tudo isso. Isso porque a conexão entre corporeidade e espiritualidade acontece justamente por causa da rejeição da espiritualidade, que superamos e junto com ela nos conectamos com o Criador.

Essa é a própria corda que podemos segurar e conectar este mundo com o mundo espiritual, o fio entre nós e o Criador.

Não tenha medo de pensamentos estranhos, rejeição e problemas, porque “de centavo em centavo junta-se a uma grande quantidade” e, como resultado, revelamos uma conexão poderosa entre o mundo material e o mundo espiritual. Precisamos desses dois mundos; é assim que tudo foi criado pelo Criador.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 23/11/20, “Trabalho com Fé Acima da Razão”

O Mundo Onde O Oposto É Verdadeiro

608.02Eu existo dentro do meu desejo, isto é, sensações e mente, mente e coração. Dentro delas, eu vivo e sinto a realidade chamada “este mundo”, e nela está o universo, galáxias, planetas, estrelas, o globo e a humanidade.

Mas, além disso, eu tenho que imaginar que existe uma fronteira dessa sensação, seguida por outra percepção, não em relação à força egoísta onde atraio tudo para mim, mas em relação à doação, quando me afasto de mim mesmo.

Este é o mundo reverso em que tudo é o oposto: em vez de ódio – amor, em vez de receber – dar, em vez de atração – repulsa. Vivemos naquele outro mundo, não para fazer o bem a nós mesmos, mas para fazer o bem aos outros, e para isso fazemos todas as ações.

É como se eu estivesse indo para o espaço em um traje espacial. O que está dentro do traje é meu próprio mundinho. Mas fora dele é um mundo muito diferente que não conheço. Não tenho permissão para estar lá da maneira egoísta que estou agora.

Mas se eu puder ajustar meus sentidos e mente às condições desse mundo, posso viver lá. E isso é o que precisamos fazer: mudar o uso de nosso coração e mente de egoísta para o benefício de outros. Ao fazer isso, eu neutralizo meu “eu” e não preciso mais de um traje espacial especial, não preciso me proteger.

Afinal, se eu não ajo para o benefício de mim mesmo, mas apenas para o benefício dos outros, não preciso me isolar deles. Eles não podem me machucar; pelo contrário, posso usar tudo o que está fora deste traje para o benefício de todos.

Devemos tentar imaginar essa diferença entre estar “dentro da razão”, isto é, nossa mente e coração egoístas atuais, e “acima da razão”, na doação. Desta forma, iremos gradualmente começar a nos aproximar da fronteira entre “dentro da razão” e “acima da razão”, a transição do mundo material para o mundo espiritual.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 25/11/20, “Trabalho com Fé Acima da Razão”

“Qual É Um Exemplo De Que A Natureza Pode Ser Tão Cruel?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É Um Exemplo De Que A Natureza Pode Ser Tão Cruel?

Não existem tais exemplos, porque embora eu entenda como as pessoas podem perceber a natureza como sendo cruel, a natureza não é cruel de forma alguma.

A natureza é a qualidade de doação e amor absoluto, sem um fragmento de interesse próprio. Quando sentimos a natureza em nossa qualidade oposta de interesse próprio egoísta, experimentamos o lado oposto da natureza.

Quando eu era criança, minha mãe me irritava por tirar notas baixas na escola. Isso a deixava ansiosa e angustiada, mas embora eu a achasse cruel naqueles momentos, ela estava de fato agindo com amor e carinho em relação a mim, desejando que eu me desenvolvesse da melhor maneira possível.

A natureza é altruísmo total e a nossa qualidade é o egoísmo. Nós nos sentimos contrários à bondade e ao amor da natureza, na medida em que pensamos e agimos contrariamente à natureza. Essa é a fonte de todos os nossos sentimentos negativos e sofrimentos, e é por isso que nos percebemos como vivendo em um mundo ruim.

No entanto, a natureza não faz nada de mal. Ela mantém uma atitude benevolente constante e, devido à oposição da natureza humana à natureza em si, nós sentimos uma série de fenômenos da vida como ruins e maus. Não precisamos culpar a nós mesmos ou à natureza por isso, é simplesmente uma determinada situação em que nascemos.

No entanto, nos foi concedida uma qualidade egoísta a fim de sermos capazes de corrigi-la e nos tornar tão altruístas e completos quanto a natureza. Além disso, quanto mais evoluímos, mais nosso ego cresce e mais sentimos nossa oposição à natureza como aquela que causa cada vez mais sofrimento em nossas vidas. Esse desenvolvimento visa nos levar a um ponto em que desenvolvamos um desejo sincero de autotransformação: mudar nosso modus operandi egocêntrico e voltado para si mesmo em um que seja equilibrado com a natureza – altruísta, atencioso e amoroso. O processo de nos transformarmos para nos tornarmos mais parecidos com a natureza é chamado de “processo de correção”, e nós recebemos um método pelo qual podemos passar por essa correção com mais consciência e compreensão do que se fôssemos deixados por nossa própria conta.

Por enquanto, porém, não temos essa consciência e somos como a criança que não entende por que nossos pais estão gritando conosco.

Foto de Milada Vigerova no Unsplash

Um Passo Para A Porta Aberta

294.4Agora temos oportunidades especiais para o avanço espiritual. A porta está se abrindo; pode-se até dizer que está quase aberta, e tudo o que resta é que todos entrem no mundo espiritual.

Já estamos começando a entender aos poucos como funciona o mundo espiritual. Ainda não cruzamos esse umbral, mas estamos bem diante da porta aberta para a espiritualidade. Já houve um grande avanço desde o início da pandemia.

Precisamos nos concentrar em nossos pensamentos, intenções, sensações e não em ações mecânicas. É assim que a Cabalá difere da religião; ela fala da intenção de uma pessoa, que ela deve receber da força superior por meio de seu grupo e trabalhar com ela. E a religião fala apenas de ações físicas, de palavras.

Cada pessoa que deseja atingir o Criador tem a oportunidade de fazer isso sem qualquer distinção entre raça, gênero ou cor de pele. A Cabalá é destinada a todos; a única diferença está em nossos desejos, porque viemos de uma alma de Adam HaRishon. Inicialmente, ela era geralmente uma pessoa e depois foi dividido em um homem e uma mulher.

Devemos retornar a esta unidade em uma pessoa que está totalmente na intenção de doar para todos os seus desejos. Portanto, o fim da correção é o mesmo para todos, homens e mulheres. E a correção geral é que todos os desejos no mundo – inanimados, vegetativos e animais – recebem a intenção de doação de nós, pessoas. Então o mundo inteiro subirá ao nível de doação e unidade.

Portanto, todas as religiões irão se opor ao método de conexão entre todos porque cada uma delas tenta dividir as pessoas e provar sua correção. Cada religião se considera a única verdadeira e melhor que as outras. Mas a ciência da Cabalá vem do lado da natureza integral e explica que todos pertencemos a um sistema. É por isso que o Baal HaSulam diz que uma pessoa pode permanecer em sua própria religião, em seus hábitos e tradições familiares habituais, mas não em detrimento da conexão e unidade universal.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 23/11/20, “Trabalho com Fé Acima da Razão”

“A Chance Que Nos Deram Hoje, 73 Anos Atrás” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “A Chance Que Nos Deram Hoje, 73 Anos Atrás

Em 29 de novembro de 1947, a Assembleia Geral da ONU votou a favor de uma resolução, que adotou o plano de divisão da Palestina, que abriu caminho para o estabelecimento do Estado de Israel. Para os refugiados judeus do Holocausto, essa resolução significava esperança de uma vida mais segura em um Estado judeu. Para as potências mundiais, foi uma forma de aliviar o peso em suas consciências, depois de não terem feito nada para salvar os judeus durante a guerra, e até mesmo evitar sua fuga enquanto ainda era possível. Para o mundo, era um contrato não escrito, não falado e talvez inadvertido entre os judeus e a humanidade, onde o mundo deveria dar aos judeus um Estado soberano, e os judeus construiriam nele uma nação modelo que serviria como “uma luz para as nações”.

Após uma batalha heroica, a organização paramilitar do assentamento judaico na Palestina repeliu os seis exércitos árabes invasores do Egito, Iraque, Síria, Jordânia, Líbano e Arábia Saudita, que se juntaram às forças armadas dos residentes árabes da Palestina, e estabeleceram o Estado de Israel. Era hora de começar a cumprir o compromisso de Israel com o mundo.

Foi quando os problemas começaram. Israel estava repleto de divisões desde o início. Os grupos sionistas lutaram entre si pelo poder e pela maneira de conduzir a luta pelo estabelecimento do Estado de Israel. Uma vez que Israel recebeu a soberania, essas lutas não diminuíram, ao contrário, aumentaram. Ondas de imigração de países árabes e países europeus devastados pela guerra criaram novos enclaves culturais, e cada seita zombou das outras seitas. Muitos judeus de países mais pobres, principalmente países muçulmanos como Marrocos, Líbia e Iraque, foram enviados para cidades distantes do centro do país e se tornaram o que é conhecido como “o segundo Israel”.

Em junho de 1967, outro infortúnio atingiu Israel: depois de ser ameaçado e assediado por seus países vizinhos, e depois de perceber que não havia esperança de evitar outra guerra, Israel abriu fogo. Em seis dias, e com relativamente poucas baixas, Israel derrotou e conquistou territórios no Egito, Síria e Jordânia, incluindo a Cidade Velha em Jerusalém. Embora o triunfo militar tenha sido uma bênção muito necessária, a arrogância que ele trouxe consigo tem sido uma praga da qual não conseguimos nos livrar, apesar de todos os anos que se passaram e de todos os fracassos que sofremos desde então.

Essa arrogância só piorou nossa separação, e Israel se tornou um modelo de divisão, alienação, ódio interno e astúcia, o oposto de nosso objetivo pretendido de estar aqui. Em vez de consertar a separação que nos infligiu a ruína do Templo e o exílio há dois milênios, nosso retorno a Israel parece ter reavivado a inimizade dentro do povo judeu, e o antigo ódio infundado está ressurgindo.

O povo judeu é muito obstinado e intransigente. Essa é a nossa natureza e nada a mudará. Nem deve mudar. Essa obstinação nos foi dada não para nós, mas precisamente para servir de modelo ao mundo. Devemos desistir da noção de que podemos mudar a opinião um do outro. Em vez disso, devemos nos concentrar em nutrir a unidade acima de nossas diferentes visões. Precisamos nos concentrar não nesta ou naquela moral ou ideologia, pois isso apenas nos separa. Em vez disso, devemos nos esforçar para elevar o valor da própria unidade!

Somente se nos concentrarmos na união acima de nossas diferenças, encontraremos o verdadeiro mérito das diferenças, o valor real em cada visão distinta e os benefícios da união acima delas. Se nos unirmos acima de nossas opiniões opostas, criaremos uma entidade que funcione como qualquer organismo, onde os órgãos diferentes, e muitas vezes opostos, trabalham em harmonia para criar um ser vivo sólido e saudável. Se qualquer parte desse corpo enfraquecesse ou se desintegrasse, o ser vivo morreria. Se todos os órgãos operam ao máximo, é quando o organismo fica mais saudável e forte.

Se Israel fizer a paz entre suas seitas rivais, o mundo verá e aprenderá com seu exemplo. Se Israel não fizer isso, o mundo se arrependerá de ter concordado com a criação do Estado judeu em primeiro lugar e tomará todas as medidas necessárias para eliminá-lo. Israel, nesse sentido, depende de si mesmo. Seus relacionamentos internos determinarão seu futuro externo. Nenhum outro país do mundo está nessa posição.

Em hebraico, a palavra “shalom” [paz] vem da palavra “hashlama” [complementação]. Se as facções em luta do povo judeu aprenderem a se complementar em vez de competir e desejar se aniquilar, elas se beneficiarão, o mundo se beneficiará e haverá paz, tanto no sentido de complementação, quanto na sensação de tranquilidade e bons relacionamentos. Se as facções em Israel não conseguirem se unir acima de suas diferenças e se complementar, nós perderemos a oportunidade que o mundo nos deu em 29 de novembro de 1947, e o Estado de Israel não conseguirá sobreviver.

“Como Você Supera O Medo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Como Você Supera O Medo?

Podemos superar o medo estabelecendo uma conexão positiva uns com os outros, acima de todos os fenômenos dos quais temos medo.

A conexão positiva é aquela em que o apoio mútuo, o incentivo, a bondade, a compreensão, o cuidado e o amor prevalecem sobre todas as diferenças, problemas e medos.

Assim, geraríamos uma atmosfera equilibrada e pacífica que tornaria todas as nossas interações positivas e gratificantes.

Realidade Falsa

Dr Michael LaitmanComentário: Existe tecnologia que cria uma realidade falsa hoje. Chegamos a um estado em que o avanço tecnológico tornou possível duplicar a voz de uma pessoa e fazer vídeos onde posso colocar as palavras que quiser na boca de qualquer pessoa. Por exemplo, é possível fazer um vídeo seu, Dr. Laitman, onde você diz: “Acho que é melhor que ninguém estude a sabedoria da Cabalá” e você dirá: “Não, não fui eu”, mas você poderá assistir ao vídeo e se ver dizendo …

Minha Resposta: Portanto, não assista nada.

Pergunta: Então essa é minha pergunta: para onde isso tudo está nos levando?

Resposta: A um ponto em que não acredito em nada do que vejo ou ouço. Nada. Tenho apenas uma fonte, que é o livro que recebi do meu professor, e a força superior, por meio da qual me conecto.

Pergunta: Então você está dizendo que no futuro é preferível que uma pessoa não acredite em ninguém, quero dizer, acreditar …?

Resposta: Claro que não. Nem mesmo para ouvir ou assistir.

Pergunta: Então, como as pessoas se comunicarão?

Resposta: Elas terão que aprender como realmente se comunicar corretamente. Todos os sentidos pelos quais eu sinto a realidade são enganosos. Teremos que aprender a nos comunicar corretamente até que nos conectemos “como um homem com um coração”.

Pergunta: O que você quer dizer?

Resposta: Significa que o que temos que corrigir são nossos corações.

Pergunta: Qual é a essência da correção em si?

Resposta: É que todos desejam o benefício dos outros.

Pergunta: E o que isso diz sobre verdade e mentiras?

Resposta: Não haverá mentiras. Vou mentir para alguém a quem amo de verdade?

Pergunta: Então, o que eu entendo é que o mundo está avançando em direção a uma mentira sobre a vida, ou mentira …?

Resposta: É assim há muito tempo. Eu acho que todos podem concordar.

Pergunta: Então amanhã será impossível acreditar em qualquer coisa que você vê, ouve, percebe, então eu tenho que construir um abrigo, entrar lá e sair …

Resposta: Você tem que corrigir a si mesmo e aos outros, para realmente estar em um coração junto com os outros …

Pergunta: Você me confunde completamente. Isso é verdade ou falso?

Resposta: Essa será a verdade. Se todos pensam o mesmo, então essa é a verdade.

Pergunta: Mas como todos irão pensar o mesmo, somos diferentes …

Resposta: Nós nos corrigiremos.

Pergunta: Como seremos os mesmos então?

Resposta: Em nosso amor mútuo. Essa é a natureza superior, que todos nós temos um bom relacionamento uns com os outros, e então entre nós sentimos a força do bem que habita entre todos nós, e essa é realmente a verdade.

Nível Único De Anulação

530Pergunta: Digamos que eu seja o ministro da saúde e você, o ministro das finanças. Precisamos tomar uma decisão em uma hora se vamos fechar o país para quarentena ou não. É claro que teremos opiniões diferentes. Então, você deve anular sua opinião e eu a minha?

Resposta: Não. Nenhum de nós pode anular sua opinião. Não vai adiantar nada. Aqui, precisamos criar um sistema de tomada de decisões completamente diferente, mas definitivamente não dos gabinetes de ministros.

Precisamos reunir um grupo que queira se elevar acima de suas opiniões egoístas. Não ficar do lado de um ou outro egoísta, mas se elevar acima de si mesmos. Isso só é possível quando cada um de nós se anula perante os outros.

A dezena (Minyan) é suficiente para isso. Se todas as dezenas começarem a se anular pelas outras, nós podemos sentir a comunidade, sentir o que significa que nos anulamos.

Este ponto de anulação será o ponto de partida de nosso desenvolvimento espiritual, que é a base do grau de Bina: o grau do novo conhecimento. Devemos começar com isso.

Pergunta: Isso significa que, mesmo que concedamos um ao outro e encontremos algo no meio, também não chegaremos a lugar nenhum? A solução está em um nível diferente?

Resposta: Sim. Infelizmente, este nível ainda não está claro porque é realmente especial e único.

Comentário: Você está falando sobre sentimentos que são impossíveis de compreender.

Minha Resposta: Nesse caso, a humanidade terá que sofrer um pouco mais antes de fechar os olhos e aceitar isso de quem já tem esse sentimento.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 25/09/20

Uma Garantia Mútua Mundial

944Pergunta: É interessante que a lei da garantia mútua cubra o mundo inteiro. Por que uma nação não é suficiente para alcançar a correção?

Resposta: Nós somos todos parte do mesmo sistema e, portanto, ninguém pode escapar da lei da garantia mútua.

Pergunta: Eu posso alcançar a garantia mútua na dezena ou não é suficiente?

Resposta: Sim, você pode alcançar a garantia mútua na dezena, mas não absoluta. A garantia mútua absoluta é alcançada depois que toda a humanidade, sendo dividida em dezenas, chega de dezenas, a centenas, e assim por diante, e se transforma em uma única dezena consistinda de bilhões de dezenas individuais.

Pergunta: Você vê em um futuro próximo cada país sendo dividido nessas dezenas?

Resposta: Como vai ser, não sei. Não quero pensar no futuro e muito menos notificá-lo sobre isso. Mas acredito que o mundo está chegando a esse ponto e inevitavelmente chegará a ele.

Pergunta: Baal HaSulam escreve que todos devem contribuir para a criação de uma massa crítica a fim de alcançar a harmonia social. Então, um grande número de pessoas deve fazer isso?

Resposta: Sim. Todos concordarão. Estamos avançando nessa direção. A natureza nos forçará pelo caminho do sofrimento ou pelo caminho da luz.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 21/08/20