“O Que Significa Buscar A Espiritualidade?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que Significa Buscar A Espiritualidade?

Começa por querer algo mais ou diferente do que a vida cotidiana oferece. Na sabedoria da Cabalá, isso é chamado de surgimento do desejo de espiritualidade, chamado de “ponto no coração”. Quando esse desejo surge, sentimos necessidade de obter respostas para a pergunta sobre o sentido da vida.

Como chegamos a esse desejo?

Ele vem depois de se desenvolver ao longo de várias vidas, onde primeiro éramos como animais, com desejos apenas de comida, família, sexo e abrigo, e depois nos desenvolvemos por meio de desejos de dinheiro, honra, controle e conhecimento.

Em nosso primeiro estágio de desenvolvimento, tínhamos desejos apenas por comida, família, sexo e abrigo. Ainda temos esses desejos, mesmo se estivermos completamente isolados da sociedade. Nossos próximos estágios de desenvolvimento – desejos de dinheiro, honra, controle e conhecimento – são caracterizados por desejos que emergem em relação à sociedade.

Depois, surge o desejo de conhecimento. As ciências floresceram quando partimos para descobrir de onde tudo veio e para descobrir nossas raízes. Esse desejo de conhecimento, entretanto, ainda reside apenas na estrutura de nosso mundo.

Somente no próximo estágio de desenvolvimento de nosso desejo desejamos conhecer nossa verdadeira fonte, essência e propósito: o sentido da vida. Então, começamos a nos preocupar com questões sobre nossa origem, nosso futuro e quem e o que realmente somos.

Somos egoístas por natureza. Comum a todos os nossos desejos é que eles são egocêntricos e desejam satisfação. Eles nos pressionam e literalmente controlam cada movimento nosso. O limite do ego em nosso mundo é o desejo de nos tornarmos preenchidos com conhecimento sobre algo acima de nós.

O sofrimento está no centro de nossos desejos. Mudamos de um tipo de desejo para outro sob a influência do sofrimento. Se estivermos em um estado de equilíbrio, nos sentiremos em paz. Quando um novo desejo surge, sentimos que falta algo e queremos experimentar ou receber algo novo, então começamos a tentar atender às demandas de nosso desejo … e esse processo se repete ao longo de nossas vidas. Em suma, sempre nos movemos em direção à realização e nos afastamos da dor.

Vivemos nossas vidas tentando realizar nossos incontáveis ​​desejos. Depois de várias vidas, chegamos a um estado em que um único desejo é tudo o que resta: o desejo de atingir nossa fonte, o sentido da vida.

Quando esse desejo final aparece, tudo o mais parece perder o sentido. Então, ficamos deprimidos, nos sentindo emocional e espiritualmente vazios, como se nada pudesse trazer felicidade.

O sentimento de que a vida é inútil e artificial é a expressão de um novo desejo que está começando a surgir em nossa era, o desejo de espiritualidade. É um desejo que essencialmente pergunta sobre o sentido e o propósito da vida – “Qual é o sentido da vida?” – mesmo que não o verbalizemos como tal. Isso nos faz buscar por meio de vários ensinamentos a fim de encontrar algum tipo de sentido e respostas.

A sabedoria da Cabalá foi feita especificamente para atender a esse desejo. É um método empírico que leva à descoberta do sentido da vida – a obtenção da realidade superior – e está aberto ao estudo por qualquer pessoa que queira mergulhar nele.

Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

Eles Não Gostam De Nós, Judeus

175Comentário: Hoje em dia, em conexão com os últimos acontecimentos no mundo, houve um aumento terrível do antissemitismo. Eles não gostam de Israel, não gostam dos judeus.

Na Europa, na Alemanha, eles queimam bandeiras, nos chamam de assassinos de crianças. Na Inglaterra, eles nos dizem para não usarmos quipás (yarmulkes) e roupas tradicionais judaicas e para nos vestirmos como se fôssemos ingleses ou turistas. Na França, a situação é muito ruim. Na América, os judeus removem as mezuzot das portas para que ninguém saiba que judeus vivem ali. E assim por diante, você pode listar muitos fatos. Chegamos a este estado.

Minha Resposta: O que poderia ser melhor do que o que está acontecendo agora? Isso é colocar os judeus no caminho certo para que cumpram seu propósito. Afinal, se eles não o cumprirem, o literalmente mundo deslizará cada vez mais para a escuridão.

De que outra forma você pode trazê-los à razão? Apenas aplicando mais e mais pressão. Ainda assim, não vejo que ajude muito. Embora já houvesse tanto sofrimento, tantos golpes sobre eles, ainda não ajudou.

Devemos entender por que todos nos odeiam. Além disso, os antissemitas devem entender por que nos odeiam. Vemos ao longo da história dos judeus e do mundo, como ela envolve o povo judeu. Portanto, devemos nos perguntar: Por que tudo isso está acontecendo?

Eles nos odeiam, nos amam, não importa como nos tratam, eles estão claramente nos tratando como algo especial. O que há de especial nesse grupo étnico, esse povo, essa raça? Eles até acham que essa é uma corrida especial. Precisamos explicar isso.

O fato é que tudo começou na antiguidade, por volta de 5.000 anos atrás, quando a humanidade começou a revelar sua atitude para com sua condição: “Quem sou eu? O que sou? De onde sou? Para que vivo?”, e assim por diante. Essas perguntas foram feitas por um homem chamado Adão. Foi assim que ele foi chamado, supostamente por acidente, Adão.

Essa pessoa começou a fazer essa pergunta, começou a raciocinar, a investigar. Como resultado de sua paixão especial, sua sede de responder a esta pergunta: “O que é um ser humano? Qual é o seu propósito, para que serve?” Adão revelou que o mundo existe para atingir a força superior que o governa.

É possível atingir essa força apenas por meio de exercícios especiais quando uma pessoa tenta se elevar acima do egoísmo, acima de si mesma, e atingir a força superior da natureza, que apenas deseja estar na qualidade de doação e amor pelos outros, em conexão universal.

Desta forma, a conexão universal superior entre todas as partes da criação é revelada. Esta força geral superior de todas as partes da criação é chamada de “o Criador”.

Essa pessoa, Adão, revelou essa força. Ela a descreveu em seu livro Raziel HaMalach (O Anjo Secreto). Esse é um livro pequeno porque naquela época se escrevia no barro e com paus.

Adam criou a primeira escola onde ensinou seu conhecimento, tudo o que havia aprendido, para as pessoas que se interessavam por ele. Muitas pessoas vieram a ele, ouviram-no. Todos os tipos de crenças também vieram dele, uma vez que pessoas diferentes entendiam esse ensinamento de maneiras diferentes.

Isso durou, em princípio, 20 gerações de seus discípulos: 10 gerações até o discípulo chamado Noé e outras 10 gerações até o discípulo chamado Abraão. E todas essas gerações de discípulos criaram mais discípulos ao seu redor, e assim continuou por centenas de anos.

Na geração de Abraão, a compreensão do conhecimento que Adão passou para eles já começa. Abraão ensinou isso a seus discípulos na antiga Babilônia, onde naquela época também havia condições especiais. Por que condições especiais?

Porque se antes da Babilônia, antes de Abraão, o ensino do sistema do universo e o conhecimento de onde existimos, o que nos cerca, com o que estamos conectados, sob quem governamos, e assim por diante, era tudo puramente individual, de Abraão em diante isso já acontecia na conexão entre as pessoas. Portanto, Abraão é a primeira pessoa que criou a escola de Cabalistas.

Em princípio, eles estavam estudando de alguma forma antes, mas não eram tão dependentes e conectados um com o outro. Abraão já havia percebido, entendido e revelado que a realização da natureza e sua força superior depende da conexão entre as pessoas. Portanto, ele apresentou o slogan “ame o seu próximo como a si mesmo”.

Isso já é uma revolução, quando você precisa passar de apenas elevar-se ao nível de doação e amor pelos outros para começar a organizar as pessoas para tal estado. Aqui ele entrou em conflito com o egoísmo que na época era representado por Nimrod, o rei da Babilônia. É claro, Abraão teve que deixá-lo.

A partir daqui começa o grupo de Abraão, que ele chamou de “Yehudi” da palavra “Yehud”, conexão, unidade.

Judeu (em hebraico, Ivri) vem da palavra “ever”, ou seja, que eles passam desta vida, quando todos são para si, para uma vida em que todos são para os outros. Eles também o chamaram de “Israel”, que significa “direto ao Criador”, “Yashar-El“, Israel. É aqui que a sabedoria da Cabalá começa. Isto é, em princípio, essa é a sabedoria de alcançar o Criador.

Pergunta: Se passarmos desse tempo para o tempo atual, o ódio é porque Abraão incutiu este princípio de viver não para si mesmo, mas para os outros, no povo de Israel, e os judeus não vivem assim? Podemos dizer que isso está escrito na genética espiritual de uma pessoa e também não na espiritual?

Resposta: Claro! Totalmente! Este é um registro, dado informativo, que existe em uma pessoa. Eles não podem ser erradicados, nada pode ser feito sobre eles. A única coisa que pode ser feita é transformar o ódio em amor por meio de uma explicação.

Pergunta: Como as nações acham que existe esse registro nos judeus e em Israel?

Resposta: Inconscientemente.

Pergunta: Isso continuará até chegarmos à raiz?

Resposta: Isso seria bom. Esperemos que não piore.

Comentário: Mas já estava muito ruim, mesmo. Veja o que passamos na nossa história!

Minha Resposta: Sim, mas você pode ver como isso não afeta nada. Acontece que a única coisa que resta é uma explicação de massa realmente séria através de um apelo a todos e especialmente às nações do mundo, não aos judeus.

É porque os judeus é um povo obstinado. Eles não acreditarão e não irão, não farão nada a menos que as nações do mundo os forcem. Portanto, devemos apelar às nações do mundo e explicar-lhes o que os judeus deveriam fazer. Para forçar os judeus a cumprir este propósito. Então vai funcionar.

Isso é o que precisamos fazer. Eu realmente espero que com a ajuda de todos os nossos alunos de todo o mundo, possamos fazer isso.

Pergunta: É responsabilidade dos judeus explicar ao mundo e dar ao mundo o método de conexão, unidade e amor ao próximo? Fazer por si mesmos e dar ao mundo?

Resposta: Sim.

Pergunta: Eles continuarão nos pressionando até chegarmos a esse ponto?

Resposta: “Pressionar” é dizer o mínimo. Mas a questão é que não vai ajudar. A única coisa que ajudará é a disseminação, explicação para todas as nações do mundo qual é a missão de Israel e qual é a missão delas.

Está escrito que elas devem erguer o povo de Israel sobre seus ombros e levá-los ao monte do Criador. Isso significa que devem forçar o povo de Israel a escalar o monte do Criador para que os judeus pavimentem o caminho para todas as nações do mundo.

Comentário: Essa explicação deve entrar no coração, isso é o que importa.

Minha Resposta: Acho que, em geral, o terreno está preparado para isso, e por mais que seja impossível aceitá-lo, será aceito justamente pelo contrário.

A ideia em si é simples. Passa por todas as gerações, por todas as perseguições, por todos os extermínios, por toda a destruição de templos, e assim por diante, até o Holocausto e nosso estado atual. A mesma coisa, repetidamente.

Comentário: Mas a ideia que os Cabalistas transmitem não entra nas pessoas comuns, em seus corações; essa é a dificuldade.

Minha Resposta: Isso afeta a todos. Mas a compreensão da própria ideia: de onde vem, por que, o que a move, qual é o motor, a fonte desse movimento histórico, isso é conhecido apenas pelos Cabalistas.

Comentário: Vejo que esteve presente principalmente no Baal HaSulam e em você de forma muito vívida! Você sente que chegou a hora, ela chegou. Esse é quase o ponto central da história para você, o ponto central do mundo!

O antissemitismo é um segmento da história e, para você, é o ponto central do mundo.

Minha Resposta: O mundo gira em torno disso.

Comentário: Para levar os judeus a um entendimento e ao fato de que eles passam essa instrução ao mundo.

Minha Resposta: Acho que nem mesmo os judeus, mas o mundo.

Não acho que os judeus possam tomar sobre si mesmos. Eles são muito egoístas, divididos, fracos e não entendem seu propósito e lugar, seu papel, nada! Eles nunca serão capazes de fazer isso com seu egoísmo.

Pergunta: As nações do mundo serão capazes de forçá-los?

Resposta: Sim! Exatamente dessa forma.

Comentário: Sim, mas espero que não aconteça outro Holocausto.

Minha Resposta: Portanto, precisamos fazer isso rapidamente.

Pergunta: Explicar rapidamente? Ou seja, as nações do mundo deveriam entender o que estão fazendo, para que estão fazendo isso? É esse o entendimento que deveriam ter?

Resposta: Sim.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 24/05/21

O Mundo É A Nossa Imagem De Vídeo Interna

131Pergunta: A pessoa que está se desenvolvendo espiritualmente primeiro sente que todos os seus desejos estão emaranhados, não sabe como dirigi-los, como equilibrá-los. Então, há uma onda de egoísmo (o estado da Babilônia) quando ela não pode de forma alguma estabelecer relações com outras pessoas. Então ela começa a perceber seu egoísmo; essa é a entrada para o Egito.

No mundo externo, onde espaço, tempo e movimento existem, as imagens materiais são desenhadas para nós, como a Babilônia, o deserto, etc., mas todas essas histórias falam apenas da interioridade, certo?

Resposta: Sim, assim como você tem um programa em seu computador, você o executa e ele mostra alguns vídeos.

Da mesma forma, temos todos os tipos de registros informativos dentro de nós, que se manifestam no fato de nos vermos existindo neste mundo e agindo de acordo com o que a natureza rola à nossa frente. Mas, na verdade, essa é toda a nossa imagem de vídeo interna.

É como se seus desejos internos, virados do avesso, mostrassem essa imagem para que você possa mudá-la. Mude suas qualidades internas e você verá o mundo fora de você mudar. Você pode imaginar o que foi dado a você? Para mudar a si mesmo em uma escala tão grande e ampliada.

Se você mudar um pouco, verá grandes mudanças no mundo ao seu redor, entre você e a natureza inanimada, os animais e as pessoas com quem você interage. Quando você muda internamente, vê as consequências no mundo externo. Você faz seus próprios filmes.

Pergunta: Acontece que o mundo externo é como um indicador para mim?

Resposta: O mundo externo é um reflexo do seu estado interno. Se você vê agora, por exemplo, algumas guerras na mesma terra de Israel, você precisa mudar algo em você. Essa é a única maneira de influenciar a situação externa.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 21/05/21

Por Que O Homem Deveria Corrigir Sua Natureza?

958Pergunta: Por que devo, como homem, corrigir minha natureza?

Resposta: Você não pode fugir disso. Não temos escolha neste assunto. Como se diz: “Contra a sua vontade você nascei; contra a sua vontade você vive e contra a sua vontade você morre.

Simplesmente temos que cumprir nosso destino na vida, e não apenas uma vida, mas uma série de reencarnações, retornos graduais a essa vida. E não depende de nós; de uma forma ou de outra, temos que completá-la.

Ao longo da história até os dias atuais, fomos conduzidos por um caminho inconsciente. Nós nos desenvolvemos egoisticamente; fomos empurrados para a frente; inventamos todas as variações possíveis de sistemas sociais, estrutura familiar, educação dos filhos; desenvolvemos tecnologias e outras coisas até que percebemos que todo esse desenvolvimento nos leva ao vazio, à depressão, às drogas e à autodestruição. Como resultado, nos encontramos hoje em uma crise global.

O fato é que essa é uma crise de toda a humanidade, de sua desesperança. Mas não fomos consultados sobre isso. O egoísmo continuou se desenvolvendo e nos impulsionando e parecemos estar rolando pela inércia. E agora nos mostrou que todo esse desenvolvimento egoísta puramente automático não tem sentido e que seu único propósito é percebermos que é um beco sem saída.

E agora? Agora surge a pergunta sobre o próximo nível de existência: “Do que se trata?” Mesmo assim, as pessoas tentam fugir da resposta, se afogando em pensamentos de moda, férias, festas ou qualquer outra coisa. Mas, gradualmente, todos esses entretenimento começam a desgastá-las. E as pessoas ficam sozinhas com a pergunta: “Qual é o sentido da minha existência? A vida não tem sentido. Portanto, não vale a pena viver”.

O homem não pode escapar disso. Esse é um caminho natural de desenvolvimento e estamos nele. Cada vez mais pessoas no mundo estão fazendo essa pergunta, não podem se esconder dela, enterrar a cabeça na areia e continuar vivendo como antes. É assim que nossa natureza funciona.

Você não precisa ser mais educado, menos educado, um psicólogo, um cientista ou um intelectual para perceber isso. Eu conheci essas pessoas na América do Sul, na África, em todos os lugares. Tenho alunos em todo o mundo. É que chegou a hora. O Livro do Zohar diz que é a nossa geração que vai começar a fazer essa pergunta seriamente, e é por isso que a Cabalá deve ser revelada.

De KabTV, “Close Up”

A Reencarnação Digital Nos Tornará Imortais?

538Pergunta: A indústria cinematográfica aprendeu como dar vida aos atores de Hollywood. Músicos falecidos sobem ao palco na forma de hologramas. A Microsoft tem uma patente para a criação de um robô de bate-papo interativo que conduz um diálogo em nome de qualquer pessoa, até mesmo o falecido. Essa tecnologia é chamada de “reencarnação digital”.

A ideia da imortalidade digital é que o verdadeiro “eu” não é meu corpo, mas dados, informações que podem ser separadas do corpo e armazenadas de alguma outra forma.

Acontece que eles se aproximaram desse sentimento, do estado de imortalidade?

Resposta: Não. Esta é uma área completamente diferente – o estado de imortalidade. Eles pegaram uma pessoa, copiaram seus movimentos e suas características e agora podem manipulá-la.

Ela foi gravada, processada, desconstruída em todos os tipos de bits, quadrados, pedaços, e agora eles podem criar qualquer imagem a partir deles. Eles podem pegar uma Thumbelina e fazer dela uma Baba Yaga. Todos nós estamos nesses hologramas.

Ou seja, o mundo é realmente ilusório.

Comentário: O mundo realmente deseja chegar a um estado de imortalidade.

Minha Resposta: Por quê? Na forma como vivemos hoje em dia? Eu, ao contrário, projetaria de todos esses hologramas uma imagem que todos gostariam de adormecer. E é isso! Tão bom, calmo. Seria um planeta muito bom. Dizem: “O sono dos pecadores é para seu benefício”.

Pergunta: Por favor, diga-me, o que é a imortalidade para você?

Resposta: É uma subida acima do nível da morte, acima do nível da nossa vida, que é considerada ainda pior do que a morte. A Cabalá avalia nossa vida como a mais baixa, uma existência que nem mesmo é digna de desprezo.

Pergunta: Este é o nosso mundo?

Resposta: Sim. Devemos começar a nos erguer a partir dele e fazer um verdadeiro filme de nós mesmos. Para que cada um de nós comece a representar a pessoa certa, a imagem do mais alto, supremo e positivo que abraça o mundo inteiro!

Pergunta: Para jogar exatamente?

Resposta: Jogue, é claro! Nós não somos assim!

Eu tenho que desempenhar o papel que eu realmente quero ver em mim, no qual quero me ver! E eu iria me acostumar com esse papel, me acostumar com ele e demonstrar esse papel na frente de todos. E eles ainda se manifestariam em relação a mim e aos outros. E assim teríamos transformado este mundo de um jogo em um mundo real.

Afinal, se todos estiverem jogando, esse jogo se transforma em verdade.

Pergunta: Estou começando a ver isso como verdade?

Resposta: Claro! Eu sou percebido e percebo todos os outros, e não há separação entre nós, essa é a verdade ou é algum tipo de fingimento. Nós jogamos, jogamos o tempo todo. E desta forma, atraímos sobre nós a luz superior, uma energia especial, global, cósmica, que realmente faria de nós essas pessoas!

Comentário: Nosso papel atual é mais ou menos claro: somos o que somos. Nós vemos o que somos.

Minha Resposta: Este também não é o nosso verdadeiro nós! Também é imposto a nós. Devemos descobrir que estamos brincando, que nosso egoísmo está nos controlando. Toda essa vaidade e assim por diante, não somos nós, realmente.

Pergunta: Então, o que tenho em mim, orgulho, vaidade, superioridade sobre os outros, não sou eu?

Resposta: Você nem sabe quem você é.

Pergunta: Quem devo jogar?

Resposta: Você mesmo como uma pessoa justa. O justo é aquele que justifica tudo. Todo mundo, totalmente. Ou seja, sentir que tudo o mais além de mim é totalmente bom. Então você entra em uma situação muito interessante!

Pergunta: Mas como posso justificar um estuprador, alguém que odeia?

Resposta: Não, não, isso nem é uma pergunta! Isso só precisa ser feito. E você verá que não há violência e nada semelhante a ela, totalmente nada. Vemos tudo em nossas qualidades distorcidas.

Pergunta: É meu ego que está virando tudo de cabeça para baixo ao meu redor?

Resposta: Sim. Então, é tudo muito interessante.

Pergunta: Toda a humanidade deve começar a jogar este filme? Ou começa com um pequeno grupo?

Resposta: Naturalmente, de um pequeno grupo, como sempre. Mas, em princípio, deve se espalhar.

Devemos entender que, se não buscarmos mudar a nós mesmos, isso acabará mal. Haverá mudanças irreversíveis com a humanidade que a despertarão novamente, talvez, em muitos milhares de anos.

Pergunta: Se nós mesmos não nos esforçarmos para desempenhar o papel de justos?

Resposta: Sim.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman” 10/05/21

“Lamentavelmente, Temos Que Nos Amar” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Lamentavelmente, Temos Que Nos Amar

Podemos não gostar da ideia porque não gostamos um do outro, mas temos que nos amar, ou então entraremos em uma guerra civil. É aqui que o Estado de Israel se encontra hoje. “Ame seu próximo como a si mesmo” tem sido o lema do povo judeu desde o seu início. Éramos um grupo de estranhos que passaram a valorizar a ideia de amor aos outros, e nossos ancestrais praticaram isso uns com os outros até que juraram ser “como um homem com um coração”.

No entanto, se você olhar para nós hoje, estamos muito, muito longe disso, e estamos cada vez mais longe. Ninguém pegou o desafio e realmente tentou implementar este princípio mais básico do Judaísmo. Transformamos a educação, que originalmente significava criar filhos para se tornarem seres humanos que se preocupam com os outros, em transmitir informações, sejam seculares ou religiosas, mas nenhuma que faça as pessoas saberem como se relacionar com os outros com bondade e amor. Como resultado, nossa sociedade está à beira do colapso. Há tanto ódio entre as facções do país que podemos entrar em colapso em uma guerra civil, como havíamos feito antes, a menos que revertamos o curso rapidamente.

Não estou dizendo isso porque sou um destruidor, mas porque quero evitar o que já está em formação. Nossa nação já chegou a tal estado, e isso nos fez perder nosso país e nossa liberdade, para não mencionar a terrível perda de vidas que principalmente infligimos a nós mesmos em uma sangrenta guerra civil. Hoje, também, temos inimigos à nossa volta, mas hoje também somos nossos próprios piores inimigos.

Portanto, temos que reconhecer que a unidade acima de todas as diferenças é nossa única opção no futuro. Não chegaremos a um acordo sobre política, educação, defesa, política externa, separação entre religião e Estado, ou qualquer um dos tópicos que atualmente nos dividem. No entanto, devemos entender que, se tentarmos destruir nossos dissidentes, destruiremos a nós mesmos. Portanto, se quisermos ter um futuro, não temos outra escolha a não ser encontrar uma forma de se unir acima de todas as diferenças, que permanecerão.

Isso pode não parecer possível, mas uma guerra civil está do outro lado da unidade. Se tivermos isso em mente, talvez encontremos um jeito. E o primeiro passo para encontrar esse caminho é perceber o tipo de perigo que está à espreita ao virar da esquina. O próximo passo é sentarmos juntos e discutirmos, com a mente aberta, já que não temos corações abertos, como podemos viver juntos, para que não acabemos nos matando, com nossos inimigos matando aqueles que ficarão.

“O Que Você Acha Que É A Causa Do Racismo Moderno?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que Você Acha Que É A Causa Do Racismo Moderno?

O ego humano é a base de todos os nossos impulsos e características. Ele opera de forma absortiva, recebendo dos outros e da natureza para benefício pessoal. Ao longo da história, o ego se desenvolve e nos leva a uma transição fatídica, onde muda de direção para o seu oposto: de receber para dar. Podemos ajudar em tal transformação, para torná-la mais rápida e agradável, se aprendermos como o ego opera sobre nós, e o que podemos fazer para realizar a transformação conscientemente.

Quando nossa percepção muda para uma direção que visa de nós mesmos externamente, para o benefício de outros, descobrimos um paradigma de sentimentos e compreensões totalmente diferentes. Quando temos objetivos próprios, sempre calculamos se algo é bom ou ruim para nós. Significa que escolhemos automaticamente aquilo que percebemos como bom para o ego e jogamos de lado o que consideramos ruim para ele. Quando há um fenômeno que não beneficia nem prejudica o ego, não temos sensação desse fenômeno. É assim que percebemos a realidade.

Quando mudamos a nós mesmos, mudando nosso foco egoísta constante no benefício autodirecionado para um foco altruísta no benefício dos outros, começamos a perceber a parte da realidade que nos rodeia, da qual não tínhamos percepção anterior, porque percebíamos tudo através nossos impulsos egoístas.

Então, começamos a perceber tudo por meio de lentes altruístas completamente opostas. Em vez de visão, audição, olfato, paladar e tato, desenvolvemos cinco novos sentidos altruístas chamados “Keter, Hochma, Bina, Zeir Anpin e Malchut“. Nós percebemos um novo mundo, chamado de “mundo superior” ou “mundo espiritual”, por meio da nova natureza altruísta que alcançamos.

Quando alcançamos tal realização, nossa percepção egoísta da realidade ainda permanece. Continuamos vivendo e sentindo o mundo através de nossos mesmos cinco sentidos inatos, entretanto nosso foco se transforma completamente para perceber a parte altruísta da realidade que está oculta de nossa percepção egoísta. Nós começamos a sentir a vida em dois mundos. Por meio dessa nova percepção e sensação, começamos a tomar decisões sobre como orientar cada movimento nosso. Todos nós estamos destinados a atingir esse estado.

Nesse ínterim, nossa percepção egoísta prioriza tudo o que percebe como um benefício maior para nós, enquanto tudo que não nos beneficia, ela rejeita ou não percebe de forma alguma. Em geral, escolhemos automaticamente o que gostamos e achamos útil para nossos objetivos e rejeitamos tudo o mais.

O racismo é um estado em que, além de nossos sentidos serem direcionados exclusivamente para o benefício próprio, também gostamos quando os outros estão em pior situação. A humanidade em geral tem esse problema. Parte integrante do nosso desenvolvimento egoísta ao longo das gerações é que o ego atinge um estado de crescimento excessivo, onde vivemos e trabalhamos não apenas para servir aos nossos próprios interesses, mas também desejamos infligir danos aos outros. Isso vem de desejos sociais excessivos (riqueza, honra, controle e conhecimento) onde constantemente nos comparamos com os outros, e quanto maiores são nossos egos, mais queremos estar acima deles. Então, quanto pior para eles, melhor para nós.

A inveja, o ódio e geralmente o desejo de colher prazer ao fazer mal aos outros não existem nos animais. Essa comparação constante com outras pessoas na sociedade cria o cenário para o racismo. Começamos a culpar os outros por todos os tipos de problemas e infortúnios em nossas vidas quando pensamos que eles causam nossos problemas ou quando vemos que eles são mais afortunados e bem-sucedidos do que nós. Além disso, queremos ter uma boa aparência aos olhos da sociedade e, quanto mais vemos os outros aparentemente melhores do que nós, mais queremos rebaixá-los para elevar nosso próprio status. Essas características existem apenas em humanos, porque somos compostos de qualidades animais e humanas. A parte animal de nós exige comida, sexo e família, e a parte humana exige dinheiro, honra, controle e conhecimento. Quando nosso desejo egoísta cresce e desejamos nos satisfazer cada vez mais com as fontes dessas emoções, encontramos inveja e ódio.

Segue-se que nos sentimos melhor quando vemos os outros em situação pior, pois é um aspecto essencial de nosso ego inato. Se nossos egos são pequenos, semelhantes aos animais, não encontramos essas emoções negativas. No entanto, se nossos egos são altamente desenvolvidos, sentimos grande inquietação devido a nos compararmos constantemente com os outros e ver que eles são mais bem-sucedidos e afortunados. Esta inquietação age assim sobre nós a fim de nos fazer querer estar acima deles, seja vencendo-os ou derrotando-os.

O racismo, portanto, cada vez mais vem à tona quanto mais nossos egos crescem. Começamos a enfatizar cada vez mais as nossas diferenças e divisões, sem qualquer tendência para nos elevarmos acima delas, o que acaba por criar cada vez mais instâncias de racismo, ódio e divisão.

Assim, nos encontramos caminhando para um estado de imenso ódio e divisão, por um lado, mas, por outro, também nos encontramos cada vez mais interdependentes. Em tal conjuntura fatídica, precisamos de um novo tipo de educação que enfatize como podemos nos conectar positivamente acima de nossos impulsos divisivos – especificamente uma sabedoria que reconheça as causas de nossos impulsos divisivos e que nos orienta não a fim de diminuí-los ou cancelá-los, mas para nos elevarmos acima deles em uma conexão positiva – e ao fazer isso, alcançaremos um equilíbrio harmonioso recém-descoberto entre essas duas tendências opostas.

Baseado em uma videoconferência com o Cabalista Dr. Michael Laitman em 7 de junho de 2015.
Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman. Foto de Josh Calabrese no Unsplash.

Correções Em Dois Níveis

747.01Pergunta: A Torá nos diz que no caminho para a terra prometida, o povo de Israel lutou com várias nações e foram instruídos a destruir Amaleque, até mesmo para apagar a memória dele.

A Torá também diz que quando as sete nações conquistaram a terra de Israel, os homens tiveram que ser mortos e as mulheres levadas cativas. Além disso, é descrito que os judeus lutaram com a multidão mista (Erev Rav), mas em nenhum lugar diz que eles deveriam ser mortos.

Temos desejos diferentes e temos que lidar com eles de maneiras diferentes. Por quê?

Resposta: Isso mesmo, esses são todos os nossos desejos diferentes. Não devemos brigar com ninguém externamente. A Torá descreve as correções internas de uma pessoa, em si mesma. Portanto, Amaleque e as sete nações que habitaram a terra de Israel até os judeus chegarem lá, e todas as pessoas ao nosso redor que tivemos que lutar, são nossos atributos internos contra os quais devemos lutar e mudar de egoísta para altruísta. Isso, em geral, é a essência de todas as guerras.

Comentário: Ainda assim, aconteceu como eventos históricos.

Minha Resposta: Sim, porque cada força espiritual tem seu próprio efeito em nosso mundo. A própria força superior é chamada de raiz e seu efeito é chamado de ramo. Portanto, devemos também cumprir essas condições no mundo material, que sentimos em nossas propriedades egoístas, para destruir e assim por diante, se não pudermos fazê-lo no nível do mundo espiritual. Mas, em princípio, a Torá nos chama para fazer correções na espiritualidade.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 14/05/21

Eu Existo?

537Pergunta:  O que você responderia se lhe perguntassem qual é o pensamento que você gostaria que a humanidade lembrasse?

Resposta: Que realmente existe apenas o Criador e nada além Dele.

O Criador é a natureza, a força superior da natureza, a inteligência superior da natureza, somente Ele existe e nada além Dele.

Pergunta: As pessoas são tudo? Nós?

Resposta: Não há nada disso.

Pergunta: E quanto a este pensamento?

Resposta: Este é o pensamento e plano central e global de toda a natureza.

Pergunta: Por que é necessário que uma pessoa tenha esse pensamento?

Resposta: Para que possa ouvir, começar a explorá-lo de alguma forma e chegar a ele mesmo. Isso é muito valioso.

Pergunta: Eu existo? Aquele que pensa que existe um Criador?

Resposta: Não. Não há ninguém além Dele.

Pergunta: Ninguém mais além do Criador? Isso é uma lei da natureza?

Resposta: Sim.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 29/03/21

Quando Começamos A Entender?

567.04Baal HaSulam, Pri Hacham, Cartas, Carta 1: Quanto à resposta que ele firmemente exige, devo responder que todos acreditam na Providência privada, mas não aderem a ela de forma alguma.

A razão é que um pensamento estranho e sujo … não pode ser atribuído ao Criador, que é o epítome do “bom que faz o bem”.

Todos acreditam que estamos em algum tipo de natureza, nos conformando com alguma força superior, mas como nos conectamos a ela, ninguém entende claramente.

O Criador nos criou e nos preenche com todos os tipos de pensamentos, desejos e impulsos diferentes, e nos empurra para algo. Além disso, como regra, nossos impulsos não são tão bons e não podemos ter outros.

Se sim, como podemos nos relacionar com os mandamentos do Criador e o que vai acontecer conosco com Sua bondade, com Sua existência absoluta? Afinal, tudo o que é revelado em nós é resultado de Sua influência.

Mas apenas verdadeiros servos do Criador, que realmente querem entender Sua Providência, que anseiam estar em um diálogo com o Criador, para alcançar o nível de compreensão mútua, para revelar como Ele os influencia e como eles podem influenciá-lo— “… apenas para os verdadeiros servos do Criador é que o conhecimento da Providência privada se abre, que Ele causou todas as razões que a precederam, tanto boas como más”.

Tudo o que aconteceu comigo até agora aconteceu porque o Criador planejou tudo com antecedência e cumpriu em mim e nas pessoas ao meu redor. Portanto, tudo que passei em minha vida não aconteceu sem Seu conhecimento, além de Seus poderes, além de Seu plano. Esta é realmente a primeira coisa que uma pessoa alcança antes de entrar no mundo superior.

Antes que um novo nível de realização apareça em uma pessoa, ela primeiro sente que tudo o que aconteceu a ela foi porque o Criador e somente o Criador preparou para ela.

Embora tenha experimentado grandes sofrimentos, confusões e problemas, não soubesse o que fazer e sentisse que seria melhor se tivesse morrido em vez de viver uma vida assim, ela começa a entender o quão feliz é com o que o Criador relatou com ela desta forma, porque tudo o que sente agora é o resultado dos estados terríveis pelos quais passou quando se sentiu perdida, zangada, desapontada e com medo.

“Então, eles são aderidos à Providência privada, pois todos os que estão ligados aos puros são puros”. A pessoa começa a compreender e sentir que tudo isso vem do Criador, que tudo isso se relaciona com o Criador e que é, portanto, absolutamente verdadeiro, puro e santo.

“Visto que o Guardião está unido aos Seus protegidos”, o que significa o Criador e Suas ações, “não há divisão aparente entre o mal e o bem. Eles são todos amados e são todos claros, pois todos são portadores dos vasos do Criador, prontos para glorificar a revelação de Sua singularidade”.

Não faz diferença como as pessoas pareciam no estado não corrigido em que eu estava quando vi que este era um ladrão, outro um bandido, outro um mentiroso e outro invejoso.

Agora que entendo que o Criador organizou tudo isso para mim de forma que eu pudesse percebê-los desta forma, eu sinto amor absoluto por eles, sinto que eles são iguais a mim, participantes dedicados em um grande esforço, a progressão da alma. E todos nós recebemos a influência do Criador apenas para revelar Sua singularidade.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 17/03/19