E Foi A Tarde E A Manhã

207Está escrito: “E foi a tarde e a manhã, um dia”. Isso significa que sempre teremos primeiro que passar pelo anoitecer, a escuridão, a noite, a falta de compreensão e sentimento, a confusão. No entanto, isso não significa que não sentimos nada.

Sentimos que não temos sentimento ou compreensão, isto é, que estamos na escuridão da noite. A sensação da noite ainda é uma sensação definida, e não um estado inconsciente sem sentido.

Assim, uma pessoa deve sempre começar com o fato de que ela não entende e não sente, com amargura e confusão no coração e na mente. Então ela acorda e começa a descobrir o que é chamado de dia. Portanto, precisamos nos acostumar a aproveitar a sensação da noite, confusão, mal-entendido, perda de sensibilidade. Normalmente não gostamos de tais estados porque eles não fornecem satisfação para o nosso egoísmo.

Devemos compreender, no entanto, que exatamente quando estamos experimentando a escuridão, sentimos como os desejos vazios são revelados, prontos para um novo conhecimento e sensação do dia, doação, conexão, a sensação do Criador. Portanto, devemos valorizar os estados de escuridão e noite não menos do que a revelação de conhecimento, compreensão e doação, que são chamados de “dia”.

A escuridão nos leva à luz porque a luz só pode ser sentida quando há escuridão dentro dela. Quanto mais profunda a escuridão, maior a luz, porque a escuridão é uma falta, um desejo de alcançá-la. Então a luz é revelada de acordo com a força do desejo, o anseio por ela.

Acontece que a escuridão e a luz são igualmente importantes. Quanto mais avançamos nas correções, maior se torna a escuridão e maior é a luz. No entanto, valorizamos a escuridão tanto quanto a luz, porque ambas estão conectadas entre si e são avaliadas em relação uma à outra.

Precisamos estar sempre no meio, entre a escuridão e a luz, e quando revelamos a luz, devemos entender que ela vem da escuridão. Precisamos apreciar a revelação de uma nova escuridão e entender que é a forma correta e verdadeira para a revelação subsequente da luz.

A escuridão de hoje é sempre mais escura do que a de ontem porque estamos constantemente subindo os graus: escuridão, a superação da escuridão, o dia, a revelação da luz, e novamente a escuridão, superando-a, e o dia, como está escrito: “E houve noite e houve manhã, um dia”. Assim, dia após dia, subimos cada vez mais alto nos degraus da escada.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 14/10/20, “Bereshit

Nova Vida 573 – Revelando A Divindade

Nova Vida 573 – Revelando A Divindade
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Por que existe um desejo interno em cada pessoa de conhecer o pensamento da criação? Todas as dúvidas que uma pessoa tem não são sobre religião, mas derivam da falta de revelação da Divindade aqui neste mundo. Uma pessoa que deseja revelar para que está vivendo, qual é o propósito de sua vida e qual é o segredo da vida chega à sabedoria da Cabalá. De acordo com a sabedoria da Cabalá, a revelação da Divindade é o resultado de guardar a única lei: “ama o teu amigo como a ti mesmo”. A Divindade é o poder de amor e doação, o bom e o benevolente, portanto, precisamos amar e ser benevolentes a fim de revelá-la. Quando houver amor entre a nação de Israel, seremos uma “luz para as nações do mundo”.

De KabTV, “Nova Vida 573 – Revelando a Divindade”, 21/05/15

“Com O Mundo Correndo Para Um Penhasco, Onde Está O Adulto Responsável?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Com O Mundo Correndo Para Um Penhasco, Onde Está O Adulto Responsável?

O incêndio do August Complex já queimou mais terras do que todos os incêndios registrados na Califórnia entre 1932 e 1999, combinados! Ainda está queimando. Desde a virada do século, ocorreram mais de 7.000 grandes desastres naturais afetando 4 bilhões de pessoas. Nos vinte anos anteriores à virada do século, houve apenas metade desse número de desastres. Claramente, o planeta Terra está acelerando em direção a um penhasco e ninguém tenta ser o adulto responsável.

Se escolhermos a solidariedade em vez da alienação, nos livraremos do vírus em pouco tempo. Melhor ainda, nos livraremos de todos os problemas que assolam o mundo de leste a oeste e de norte a sul. Tudo o que fazemos que prejudica o mundo é resultado de nosso desejo de ser superiores aos outros.

Inicialmente, o coronavírus nos desacelerou, mas agora também se tornou um cataclismo global por si só. Pior ainda, como já conhecemos a tendência, sabemos que as coisas não vão melhorar no futuro. Não há nada que possamos fazer?

Na verdade, há muito que podemos fazer. O mundo é como é porque todos pensam apenas em si mesmos. Se cada célula do nosso corpo pensasse apenas em si mesma, morreríamos em segundos. É isso que estamos fazendo com nosso planeta, nossa casa. Estamos matando-o.

Também não podemos esperar nada de nossos líderes, já que eles refletem nossa sociedade. Em uma sociedade egoísta, as pessoas mais egoístas chegam ao topo. Em uma sociedade gentil, os mais gentis estão no topo. Portanto, se quisermos um mundo diferente, teremos que mudar a nós mesmos e ajudar uns aos outros no processo.

Não precisamos procurar ninguém para nos dizer o que fazer; devemos simplesmente lembrar que somos todos partes de um sistema. Cada um de nós que age em contraste com o bem-estar do sistema prejudica a todos e, em última análise, a si mesmo.

Não é necessária nenhuma grande transformação para mudar o mundo; simplesmente requer consciência. Todos nós precisamos comer, ir a lugares, trabalhar e viver nossas vidas. Mas não precisamos definir nosso sucesso por nossa superioridade sobre os outros. Também não temos que competir; podemos optar por cooperar. Somos pessoas livres; podemos decidir que tipo de pessoa queremos ser e que tipo de sociedade queremos construir.

Se escolhermos a solidariedade em vez da alienação, nos livraremos do vírus em pouco tempo. Melhor ainda, nos livraremos de todos os problemas que assolam o mundo de leste a oeste e de norte a sul. Tudo o que fazemos que prejudica o mundo é resultado de nosso desejo de ser superiores aos outros. Se pegássemos apenas o necessário para ter uma vida boa para nós mesmos, haveria abundância para todos e não estaríamos esgotando e poluindo a terra. O consumo e o rejuvenescimento estariam em equilíbrio e levaríamos uma vida segura e agradável.

Mas todas essas grandes coisas não acontecerão a menos que nos tornemos nossos próprios adultos responsáveis. Estamos vivendo em uma época em que todos são responsáveis ​​por todos. A responsabilidade diferencia um adulto de uma criança. Crescemos e devemos representar o nosso papel.

Não precisamos ir muito longe; podemos começar com nossa família e amigos, os círculos mais próximos de nós. A tendência de cuidar vai se recuperar. Todo mundo precisa dela; é a mercadoria mais necessária hoje. E o melhor de tudo, não precisamos nos preocupar em gastá-la, porque ela se reabastece. Quanto mais você dá, mais recebe de todos os outros.

Não estou falando de sorrisos educados ou cortesia. Estou falando de ser responsável, prestar contas uns dos outros. Estou falando sobre saber que, se não agirmos com responsabilidade, simplesmente mataremos muitos de nossos semelhantes e, possivelmente, a nós mesmos. Existem tantas maneiras de agir com responsabilidade quanto pessoas. Cada um de nós precisa de algo mais, mas se pensarmos em nós mesmos como uma comunidade e não como indivíduos isolados, estaremos todos em melhor situação. Isso, na verdade, é tudo de que precisamos para salvar a nós mesmos, nosso planeta e o futuro de nossos filhos.

“Como A Conexão Pode Resolver Nossos Problemas?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Como A Conexão Pode Resolver Nossos Problemas?

Agitações sociais, desastres naturais, uma pandemia, crise econômica, polarização – caindo sobre nós todos de uma vez na América e no resto do mundo. Essa é a primeira vez na história em que os golpes vêm em uma escala global, independentemente de origem ou nacionalidade, sexo ou status. E os problemas só aumentarão até que usemos esta oportunidade única de perceber que navegamos nessas águas turbulentas juntos por uma razão, que somente através de nossa conexão seremos capazes de permanecer à tona nesta tempestade.

Se nos movermos em direção a uma conexão positiva acima de nossas inclinações divisivas – priorizando valores de unidade em toda a sociedade humana – iremos garantir uma boa saúde para todo o planeta e um novo nível harmonioso de existência se abrirá para nós.

Fome, guerras e desastres naturais estão na previsão e ninguém promete que o pior já ficou para trás. Pelo contrário, todos os indicadores mostram que o mundo está longe de ser curado. Em meio à crise atual e às previsões sombrias, há uma sensação de cansaço nas pessoas. Justamente quando começamos a esperar nos recuperar das repercussões abrangentes da Covid-19, uma segunda onda irrompe com novos bloqueios no horizonte, a economia encolhe ainda mais e colocar comida na mesa se torna mais difícil do que nunca.

Como se tudo isso não bastasse, as condições climáticas extremas tornaram-se o novo normal. Pela segunda vez na história, a temporada de furacões na América foi tão ativa que os 21 nomes de tempestades selecionados para cobrir esta temporada já se esgotaram e o Centro Nacional de Furacões teve que montar uma nova lista com opções de nomes usando o alfabeto grego.

Todos os problemas, todos os desequilíbrios que o mundo está experimentando são, na verdade, o resultado de uma luta entre duas forças da natureza: a força de separação e a força de conexão. Mas a que tipo de conexão estamos nos referindo aqui? Estamos nos referindo a um elo indivisível que deve ocorrer entre os indivíduos no nível humano, o nível mais alto da natureza, acima da flora e da fauna. Isso é crucial porque os seres humanos, e especificamente as relações entre nós, têm a influência mais profunda nos níveis inferiores da natureza.

Rastreando uma Força Positiva

Quando os humanos se conectam corretamente, isso cria uma espécie de campo magnético que permeia o resto da natureza. Até agora, a humanidade tem sido movida por pensamentos negativos e comportamento imprudente e opressor uns em relação aos outros, afetando negativamente o ecossistema. Os vírus que transmitimos uns aos outros são a expressão biológica de nossos relacionamentos prejudiciais e negativos. Portanto, se não corrigirmos nossa conexão mútua, futuras pandemias ficarão na fila esperando para serem reveladas.

Não é a questão do que vai acontecer a seguir ou onde vai acontecer; o mundo inteiro está em constante agitação, e a amplitude das calamidades aumenta a cada dia. Somos testemunhas da velocidade da bola de neve e da magnitude desses choques.

Nós existimos em um sistema global, holístico e completo em que todos os elementos estão perfeitamente integrados, com exceção das pessoas. Mas não há saída para nós, nenhuma possibilidade de fuga, porque embora não estejamos totalmente cientes de nossa interdependência absoluta, somos regidos pela lei do sistema integral global em que todos influenciam a todos, bem como todas as outras partes de natureza. Então, se continuarmos sendo governados por nossos egos – que nos direcionam a cuidar de nós mesmos, secretamente satisfeitos com os infortúnios e adversidades dos outros – nos levaremos ao ponto da destruição do planeta Terra e da “coroa da criação”, a raça humana.

Temos uma alternativa? Sim temos. Precisamos cultivar consideração mútua e responsabilidade – a força positiva – hoje mais do que nunca para equilibrar nosso estilo de vida egoísta – a força negativa – e nos poupar de quantidades incontáveis ​​de sofrimento desnecessário. Devemos começar cercando-nos ativamente de um ambiente que nos inspire a cuidar uns dos outros, a cooperar e nos conectar positivamente.

Em suma, a natureza evolui constantemente por meio de uma série de crises, e o resultado final delas é nos ativar para alcançar uma maior cooperação e unidade. Precisamente neste momento de crise universal, estamos sendo preparados para fazer uma mudança em escala global para a integração total com a natureza.

Se nos movermos em direção a uma conexão positiva acima de nossas inclinações divisivas – priorizando valores de unidade em toda a sociedade humana – iremos garantir uma boa saúde para todo o planeta e um novo nível harmonioso de existência se abrirá para nós.

“O Fim Do Fechamento, Mas Sem Fim À Vista” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Fim Do Fechamento, Mas Nenhum Fim À Vista

Cheios de raiva, frustração e aversão mútua cultivada avidamente ao longo de semanas de fechamento, os residentes do Estado de Israel estão começando a retomar a vida, se você pode chamar assim. Ninguém está esperançoso. Todos sabem que o próximo fechamento está chegando, pois todos sabem que agora que o fechamento foi facilitado, o número de novos casos confirmados aumentará novamente, gerando uma terceira onda de surto de Covid-19 e um terceiro lockdown, sem fim à vista. Afinal, se ninguém vai seguir as regras simples de distanciamento social e uso de máscaras, não há nada que impeça o vírus de retornar.

Como venho alertando desde o início do surto, a Covid-19 não apenas veio para ficar, mas se tornará cada vez mais sinistra em sincronia com nossa relutância em mudar nossa atitude uns com os outros.

Só podemos culpar a nós mesmos pelo surto, mas culpamos todos os outros. Você não precisa ler as estatísticas da pandemia para saber que Israel é uma sociedade doente, mas a Covid-19 não é a pior, nem mesmo a doença real. O país está crivado de aversão interna em níveis nunca antes vistos. Ele nem importa se uma vacina ou cura para o coronavírus for encontrada; já está claro que esse ódio está fadado a produzir mais punições para toda a sociedade.

Como venho alertando desde o início do surto, a Covid-19 não apenas veio para ficar, mas se tornará cada vez mais sinistra em sincronia com nossa relutância em mudar nossa atitude uns com os outros. Na primeira onda, ela atingiu principalmente os enfermos e idosos. Na segunda onda, como eu já havia avisado, já está atingindo pessoas saudáveis ​​e mais jovens, além de crianças. Na terceira onda, ela atingirá ainda mais forte, muito mais forte.

Se não mudarmos de atitude e começarmos a cumprir as instruções de saúde sem levar em conta os outros, enfrentaremos taxas de mortalidade que abalarão toda a sociedade. Haverá pacientes gravemente enfermos e parentes falecidos em todas as famílias. Estamos prestes a sofrer um trauma infligido a nós por nossas próprias mãos cheias de ódio.

Nós, israelenses, pensamos que estamos acima do sistema, ou pelo menos podemos vencê-lo. Mas a arrogância não o torna forte; isso cega você. Estamos cegos para o fato de que o vírus está nos derrotando, que perdemos a segunda rodada contra o vírus, mas estamos ignorando isso como se a terceira rodada será melhor para nós. Não será; ela acabará em lágrimas.

Quando nos rendermos, entenderemos que tudo o que precisávamos fazer para que o vírus fosse embora era cuidar uns dos outros. Se não nos rendermos e começarmos a cuidar uns dos outros, o vírus nos matará, ou iremos nos matar, ou algum outro fim violento em nossas vidas nos encontrará. De uma forma ou de outra, o tempo de “jogar bonito” acabou. Ou todos nós agimos juntos e nos unimos para derrotar a praga invisível, ou aquela coisinha pontiaguda nos dará o nocaute final.

“O Plano De Elon Musk De Colocar Um Milhão De Pessoas Em Marte Até 2050, Mesmo Remotamente, É Viável Ou Ele Se Tornou Totalmente Louco?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Plano De Elon Musk De Colocar Um Milhão De Pessoas Em Marte Até 2050, Mesmo Remotamente, É Viável Ou Ele Ficou Totalmente Louco?

Não há necessidade de colonizar Marte.

Eu postei recentemente que a Terra pode fornecer para muito mais bilhões de pessoas do que habitamos atualmente, e que a diferença entre experimentar a vida na Terra como desagradável e senti-la como uma felicidade está apenas em como ajustamos nossas atitudes uns em relação aos outros.

Em outras palavras, precisamos apenas nos concentrar em criar vida na Terra para que possamos nos conectar positivamente, e então nos sentiremos completamente realizados – e a experiência de realização completa irá dissolver quaisquer pensamentos sobre habitar outros planetas.

Eu também estive muito interessado na conquista do espaço, mas depois de encontrar um método que nos dá acesso para expandir nossa percepção da realidade e melhorar a conexão humana, vejo que seria melhor gastarmos a energia que vai para todos os nossos programas espaciais, em vez de atualizar relações humanas.

É natural que alguns de nós tenhamos ambições de transcender fronteiras e ascender acima de nosso planeta. Essas ambições também podem ser realizadas aumentando nossa vontade, nossa percepção e nossa sensação de realidade. Mesmo que voemos para outros planetas e vivamos neles, se não conseguirmos atualizar nossa atitude para com os outros, permaneceremos nas mesmas sensações e teremos alcançado pouco em comparação com a imensa transformação interior que podemos passar.

Portanto, eu recomendo que, em vez disso, nos apliquemos para melhorar as conexões humanas – elevando-nos acima de nossas fronteiras egoístas e descobrindo novas relações altruístas – e, ao fazer isso, descobriremos percepções, sensações e realizações completamente novas. Mesmo viajar para o planeta mais distante de nossa galáxia ficaria aquém da satisfação que obteríamos ao nos envolvermos em tal transformação interior.

Foto de Nicolas Lobos no Unsplash

“Inveja – Um Amigo Que Não Sabíamos Que Tínhamos” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Inveja – Um Amigo Que Não Sabíamos Que Tínhamos

Um dos artigos mais curiosos escritos pelo pai do meu professor, o grande Cabalista do século XX, Baal HaSulam, é um pequeno artigo intitulado “O Pensamento é o Resultado Positivo do Desejo”. Quando eu o li pela primeira vez, e na segunda, ele mexeu comigo. Em apenas 200 palavras, o Baal HaSulam explicou como a realidade é construída, como ela funciona, o que precisa ser consertado e como podemos consertá-la. Fiquei pasmo e com muita inveja de sua sabedoria.

Na atmosfera volátil de hoje, quando o país está à beira da guerra civil, tenho certeza de que você concordará que nada é mais necessário do que uma mudança no coração – em direção à bondade.

A lógica do artigo é muito simples, como todas as verdades. Ele afirma que quando queremos algo, pensamos nele, depois de pensarmos nele, agimos de acordo. Em outras palavras, o mundo em que vivemos é resultado de nossos desejos. Ou ainda mais concisamente, nossos desejos criam nosso mundo. Se não gostamos do mundo em que vivemos, há uma maneira segura de consertar: podemos mudar nossos desejos, o que mudará nosso mundo.

Mas podemos controlar nossos desejos? Podemos decidir querer uma coisa e não outra? Na verdade, podemos, e mais facilmente do que podemos pensar. Tudo o que precisamos é fazer bom uso de nossa pior característica: a inveja.

Para simplificar, a inveja significa que queremos o que os outros têm. Se não podemos pegar o que os outros têm, então queremos pelo menos ter mais do que eles. Quando invejei Baal HaSulam por sua sabedoria, isso não me fez querer que ele não fosse sábio; isso me fez querer ser tão sábio quanto ele, se não mais sábio.

Ora, aqui está o truque para usar a inveja positivamente: como somos seres invejosos, queremos o que as pessoas valorizam. Se tivermos o que elas valorizam, elas nos invejarão e não o contrário. Em outras palavras, a opinião pública determina o que é invejável. Por exemplo, valorizamos a riqueza. Por esse motivo, temos inveja das pessoas ricas.

Agora pense em gentileza. Quem quer ser gentil atualmente? Praticamente ninguém. Por quê? Porque a opinião pública não valoriza a gentileza. Quando o público não recompensa as pessoas boas com aprovação e popularidade, as pessoas não querem ser gentis. Se, por outro lado, o público venerasse a bondade da mesma forma que venera a riqueza, as pessoas gastariam seu último centavo em atos de bondade para “comprar” para si uma imagem pública de benevolência.

Essa percepção, de que podemos controlar o que queremos por meio da opinião de outras pessoas, foi para mim a revelação mais impressionante no artigo do Baal HaSulam: eu percebi que não precisamos mudar a nós mesmos, mas sim os valores sociais. Se nos cercássemos de família, amigos, pessoal da mídia, sistemas educacionais e políticos (eu sei que é um tiro no escuro) que saudassem a bondade, o cuidado, a solidariedade e a preocupação mútua, nós e todos ao nosso redor nos tornaríamos assim também . Seria fácil e funcionaria.

Certamente, não podemos mudar toda a sociedade de uma vez, mas podemos começar. Onde quer que possamos, onde quer que estejamos, podemos fazer nossa pequena parte. Esperamos, pouco a pouco, que uma mentalidade nova e positiva criará raízes. Na atmosfera volátil de hoje, quando o país está à beira da guerra civil, eu tenho certeza de que você concordará que nada é mais necessário do que uma mudança no coração – em direção à bondade.

“Qual É A Mentira Recorrente Mais Antiga Da História Humana?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É A Mentira Recorrente Mais Antiga Na História Da Humanidade?

É a que pensamos que nosso inimigo está fora de nós.

Pensamos em nosso inimigo como pertencendo a um grupo, tribo, partido, raça diferente, ou que seja mais favorecido de alguma forma, de um estrato social mais elevado, mais rico, mais inteligente, mais atraente ou mais afortunado.

No entanto, todos esses “inimigos” são uma invenção da nossa imaginação.

Nosso verdadeiro e único inimigo não está fora de nós, mas dentro de nós. É a nossa natureza egoísta, o sistema operacional por trás de todos os nossos desejos, pensamentos e ações.

Não temos controle sobre o ego humano. Ele cresce interiormente e se torna parte de nossa identidade pessoal a tal ponto que não o sentimos – e, como não o sentimos, também não o sentimos como um problema.

No entanto, se não conseguirmos ganhar consciência de como o ego opera dentro de nós, e como podemos nos elevar acima dele, isso vai continuar nos fazendo perceber problemas em outras pessoas – que precisamos mudar ou até mesmo eliminar certas outras pessoas que têm diferentes pontos de vista ou que exibem atributos diferentes dos nossos.

Não podemos esperar resultados positivos e nenhum vencedor surgindo da percepção do inimigo fora de nós, porque é uma percepção incorreta e incompleta para começar.

Se, no entanto, mudarmos nossa percepção, percebendo o inimigo como o ego habilmente posicionado dentro de cada um de nossos desejos e pensamentos, ou seja, um desejo de usar o que percebemos fora de nós a fim de nos beneficiarmos, então nos posicionamos para lutar contra uma batalha que pode realmente nos levar à vitória – uma vida muito melhor para todos.

Em tal batalha, precisamos de pessoas que pareçam diferentes para nós, pessoas que nos sentimos indiferentes, críticas e até odiosas, estando juntas conosco na mesma equipe. Podemos então sentir nossos impulsos negativos involuntários em relação a elas e exercer uma conexão positiva acima desses impulsos.

No entanto, o objetivo constante de se conectar positivamente acima do ego enfurecido requer um acordo unânime de pré-requisito por todos os membros da sociedade que desejam superá-lo – que almejar a unidade acima de todos os impulsos egoístas divisionistas é mais importante e mais benéfico para a sociedade do que ceder aos nossos egoísmos. Sem um acordo entre todos os membros da sociedade sobre este ponto, então basta que uma pessoa seja vítima das demandas do ego por ganho pessoal às custas de outros, e todos cairão como resultado.

Embora um esforço mútuo para nos unir entre pessoas que se odeiam possa parecer muito romântico e utópico para se tornar realidade, quanto mais nos desenvolvermos e sofrermos com nossos atritos, mais perceberemos que não temos outras alternativas.

Em suma, se todos nós falharmos em nos unir acima de nossas diferenças egoístas, todos nós perderemos.

Hoje, mais do que nunca, testemunhamos a crescente pressão de nossa interdependência ao redor do planeta, onde todos dependemos de todos, gostemos ou não. Se nos permitirmos desenvolver ainda mais sem fazer qualquer movimento para nos unir, podemos esperar que uma quantidade cada vez maior de fenômenos negativos nos pressione. Seremos levados a um canto onde veremos que ou nos unimos acima de nossas diferenças e encontramos uma maneira de sair desse canto, ou suportamos sofrimentos intoleráveis.

Para apoiar a ideia de precisarmos nos unir acima de nossas diferenças, podemos tomar um exemplo de organismos vivos: um organismo contém várias células contrastantes, órgãos e partes, vantagens e desvantagens de todos os tipos, e sua sobrevivência se deve a uma tendência sistêmica envolvente que faz com que todas as suas partes se complementem para o funcionamento saudável de todo o organismo.

Portanto, assim como não existe manhã sem noite, dia sem noite ou luz sem escuridão, também seríamos sábios se elevássemos nossa perspectiva unilateral do mundo e sentíssemos a necessidade de complementar todas as qualidades e visões diferentes.

Por enquanto, nos vemos cada vez mais encurralados em nossas próprias cascas egoístas, apontando o dedo para os outros como a fonte de nossos problemas. Quanto mais continuarmos nos desenvolvendo dessa maneira, mais nossa sociedade se dividirá e mais sofreremos. É simplesmente um modus operandi insustentável.

Portanto, precisamos começar a despertar para o único inimigo real em nossas vidas – o ego humano aninhado dentro de cada um de nós – e chegar a uma resolução unânime de nos unir acima dele. Para acelerar nosso caminho para esse despertar, precisamos de uma nova cultura onde louvamos a unidade acima de todas as formas de divisão, apoiamos os movimentos uns dos outros para nos conectarmos positivamente e abraçamos uma diversidade de pontos de vista, raças, nações e qualidades no processo.

Se atingirmos esse nível de consciência comum, estaremos no caminho certo para descobrir um mundo totalmente novo e harmonioso. Cada um de nós experimentaria uma nova felicidade, saúde, confiança e segurança, como nunca sentimos antes.

Foto de Sylas Boesten no Unsplash

Conselho Para Messi

626Observação: Lionel Messi, o famoso jogador de futebol que joga pelo Barcelona, ​​repentinamente decidiu deixar o clube. Então, todo o inferno se libertou! Os espanhóis se esqueceram do coronavírus. Eles oraram para que ele ficasse.

Em casa, a mulher e os filhos, como diz Messi, choraram pedindo-lhe que não saísse do clube e ficasse no Barcelona. E o rei se rendeu. Ele ficou no clube.

Os esportes foram elevados à categoria de religião! Mesmo agora, quando parece que todos os pensamentos estão ocupados com outras coisas.

Meu Comentário: Isso é porque há uma grande força de consciência pública por trás disso, o fato de que isso é nosso, isso é meu, estamos todos torcendo por isso! Qual é a base de todos os esportes de massa, especialmente esportes de grupo? Uma enorme massa de fãs se unem em um. Eles vivem isso porque tudo o mais está realmente bagunçado. De todas as atividades sociais, os esportes são os mais importantes.

Pergunta: Mesmo apesar de milhões de dólares passarem por suas mãos?

Resposta: Não importa. A pessoa que joga é dedicada a isso. O indivíduo é dedicado. Mesmo que receba milhões por isso.

Para nós, está acima do dinheiro. Ou seja, nós pagamos. Quem paga, diz: “Estou disposto a pagar por isso! Outro milhão? Outros vinte milhões? Outros vinte milhões”.

No entanto, eles têm uma grande paixão por isso! Isso se mistura com respeito nacional e tudo mais. Essa é a minha equipe, esse é o meu jogador e essa é a coisa mais elevada que tenho na vida.

Acho que mesmo um jogador não joga por dinheiro. Ele joga para agradar o público. Pelo menos, é o que as pessoas com quem conversei dizem. Uma delas disse: “Foi um jogo assistido por 80.000 espectadores!”

Isso é mais do que teatro, mais do que tudo. Não há maior conexão entre espectadores e jogadores do que em tal esporte.

Pergunta: Já vimos mais de uma vez que quando um jogador marca um gol, ele corre, se abre para todos e grita algo para os fãs. Você acha que ele está gritando para eles que eu fiz isso por vocês?

Resposta: Sim, acho que sim. Dentro desse jogo, acontece que quando ele faz algo, ele está acima do dinheiro, ele dá isso ao seu público.

Comentário: E naturalmente ele recebe o apreço do público.

Meu Comentário: Claro! Isso toca sentimentos muito elevados, os sentimentos egoístas de uma pessoa.

Pergunta: Você considera isso elevado?

Resposta: Para uma pessoa em nosso mundo, o esporte é a última coisa que resta. Tudo o mais, pesca, caça, tudo desaparece, tudo desaparece, tudo se veste com toda espécie de mecânica.

Comentário: Essa é uma emoção pessoal para todos, uma pessoa está sozinha.

Meu Comentário: Sim, mas não nos esportes. Um bom jogo desperta interesse em todo o mundo. Quando tantas pessoas estão envolvidas, e todos estão assistindo, e milhões, ou às vezes bilhões, estão assistindo a mesma bola, isso, é claro, é uma força enorme! Eu gostaria que tivéssemos tanta força!

Meu professor Rabash tinha muito respeito pelo estádio. Ele dizia: “Este lugar deve ser respeitado, dá prazer às massas”. Foi tão inesperado para mim ouvir isso, considerando que um homem tão religioso estava dizendo isso!

E passamos por um estádio onde nenhum religioso vai, porque é considerado o contrário.

Esta é a percepção de um grande Cabalista real.

Pergunta: Que conselho você daria ao Messi?

Resposta: Ser mais honesto e estar mais próximo possível de seus fãs. Para garantir que o máximo possível de pessoas aproveite seu jogo.

De KabTV, “Notícias com Michael Laitman”, 31/08/20

O Que É O Cérebro?

232.02Pergunta: O que é o cérebro humano?

Resposta: O cérebro humano nada mais é do que um dispositivo de memória, um computador simples que está localizado essencialmente, não em nossa cabeça, mas no espaço circundante com o qual estamos em contato.

Assim, de fato, não há nada em nosso cérebro, apenas um modem, um mecanismo para se conectar ao grande cérebro comum.

Pergunta: Quem o controla?

Resposta: A natureza, a mente comum. O homem é consequência de seu controle.

De KabTV, “Expresso de Cabalá”, 01/09/20