Qual É O Significado De Sucot?

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 13/10/19

Em Sucot, somos ordenados a habitar em uma habitação temporária.
Habitação temporária significa que ela é construída a partir de coisas que consideramos sem importância.
As coisas que nosso ego não pode apreciar são as coisas que constroem nosso interior. A palha interna cobre e nos protege do nosso próprio ego.

Sucot 2019: Como Reconstruir Nosso Lar Judaico (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Sucot 2019: Como Reconstruir Nosso Lar Judaico

Sinagogas de todo o mundo estão fechando suas portas para sempre. Mudanças demográficas, problemas financeiros, assimilação e falta de interesse na vida judaica entre os jovens, bem como o sentimento de insegurança devido a ataques antissemitas, estão entre os principais fatores que contribuem para esse fenômeno. Mas há uma causa mais profunda para a diminuição de membros e suas consequências para as comunidades: a falta de coesão e o sentido de um lar comum entre o povo judeu como um todo. O festival de Sucot, durante o qual celebramos a unidade e a hospitalidade com os mais próximos de nós, é um convite para remodelar nosso destino e refletir sobre a construção de uma Sucá comum, onde todos os judeus podem se unir como um, e com eles o mundo inteiro.

As festividades judaicas deste ano enfrentam uma nova realidade. Uma vez vibrantes, comunidades judaicas em todo o mundo viram seus membros significativamente reduzidos. Por exemplo, a comunidade de Nice, uma vez a quarta maior da França, com cerca de 20.000 membros, diminuiu para meros 3.000. Situações semelhantes podem ser encontradas nas congregações judaicas em Boston, Nova York e no Centro-Oeste americano, tudo devido à diminuição do número de membros.

“Os judeus exibem níveis mais baixos de comprometimento religioso do que o público em geral dos EUA”, entre os quais apenas 26% disseram que a religião é “muito importante”, em comparação com 56% dos não-judeus, segundo organizações de pesquisa americanas. Os estudos também mostram uma lacuna entre a participação judaica nos serviços da sinagoga em comparação com outras denominações: “Os judeus relatam frequentar serviços religiosos a taxas muito mais baixas do que outros grupos religiosos. 6 em 10 cristãos (62%) dizem que frequentam serviços religiosos pelo menos uma ou duas vezes por mês (em comparação com 29% dos judeus)”, revelou a pesquisa.

Eu não estou surpreso. Após a Segunda Guerra Mundial, o sentimento de pertencimento e a necessidade de associação comunitária prosperaram entre os judeus, mas hoje em dia não há basicamente nada para manter uma comunidade unida. Em uma geração em que tudo é descartável e tudo pode ser adquirido, a independência se tornou mais valorizada do que nunca e os cálculos para a comunidade seguem em conformidade. Alguém pode perguntar: “Por que devemos fazer parte de uma comunidade e nos identificar como judeus? O que eu ganho com isso?”. “Nada, e talvez o oposto”, seria a resposta provável. De fato, a vida judaica tem pouco ou nenhum significado se não fizermos as perguntas mais importantes da vida, como “Por que eu existo?” e “O que significa ser judeu?”

A palavra “judeu” – “Yehudi” em hebraico – deriva da palavra “unidade” – “Yichud“. Nosso objetivo como judeus é alcançar um estado de unidade entre si e compartilhá-lo com as nações do mundo, ou seja, ser “uma luz para as nações”. No entanto, para atingir um objetivo tão elevado, precisamos primeiro nos elevar acima de nossa natureza egoísta, ou seja, transformar nossos atributos de preocupação pessoal e autoindulgência em preocupação e cuidado dos outros.

Como isso se relaciona com o feriado de Sucot? Este festival é precisamente um chamado para sair de nosso confortável “lar” egoísta, ou seja, nosso amor próprio, e construir uma nova estrutura, uma Sucá, o símbolo do novo mundo que podemos criar se adquirirmos a qualidade de doação, a qualidade do amor pelos outros.

Sucot simboliza o belo processo de mudança interior, onde levamos o “desperdício do celeiro e da adega”, itens que, de acordo com a sabedoria da Cabalá, representam a qualidade do amor pelos outros que agora estão misturados e imersos em nossos pensamentos egoístas de preocupação pessoal, e elevamos esses atributos como um telhado, bem acima de nossas cabeças. Construímos uma cobertura para o ego e, dia após dia, durante a semana de Sucot, realizamos esclarecimentos adicionais sobre as qualidades que contribuem para o altruísmo e pedimos nossa correção. Então, simbolicamente, a luz que penetra através do telhado de palha transforma nossas qualidades egoístas anteriores em um novo estado em que reconhecemos o amor e a conexão com os outros como os valores mais importantes da vida.

O verdadeiro significado de Sucot é construir uma nova realidade de entendimento e apoio mútuos – uma Sucá de paz, para que todo o povo judeu e o mundo inteiro possam se reunir sob esse grande telhado e se unir como um. Quando isso acontecer, o lar temporário da Sucá será transformado em um templo, um lugar comum em nossos corações, e não apenas uma estrutura física.

Eu desejo a todos um feriado alegre e tranquilo!

O Significado Do Feriado De Sucot

O verdadeiro significado do feriado de Sucot é construir uma “Sucá da paz” para que o mundo inteiro se reúna sob essa grande cobertura de palha, onde estaremos unidos como um.

Rosh Hashaná: Se Nos Unirmos, Cobriremos Todos Os Crimes Com Amor

laitman_550Feliz Ano Novo!

O período desde o início do ano (Rosh Hashaná) até o Dia da Expiação (Yom Kipur) é chamado de “dias terríveis”. No entanto, de fato, tudo depende de nossa percepção. Mesmo os dias mais tristes como Tisha B’Av, que simboliza os eventos trágicos históricos que aconteceram com o povo judeu no passado, no futuro se tornarão os melhores dias.

Portanto, tudo depende da percepção de uma pessoa. Se ela vive no passado, como fazem muitas pessoas porque não sabem nada sobre o futuro, então esses dias são terríveis para ela. No entanto, a sabedoria da Cabalá, que é completamente orientada para o futuro, fala sobre esses dias como os mais bonitos e bons. O ano novo (Rosh Hashaná) é o começo de boas mudanças.

O período de arrependimento que precede o início do novo ano é necessário para reconhecer nossa natureza má, que devemos corrigir. Está chegando o momento mais adequado para a correção, graças ao qual chegamos ao bem.

Rosh Hashaná é seguido pelo Dia da Expiação (Yom Kipur) quando uma pessoa julga a si mesma, esclarecendo como pode alcançar o grau do Criador, o estado da força superior, o melhor estado possível. Ela verifica o que deve corrigir para alcançar esse estado corrigido e elevado.

Como resultado, chega o feriado de Sucot. Depois de todos os esclarecimentos e pedidos de correção, começamos a construir uma alma. A Sucá simboliza a alma comum de Adam HaRishon de que todos fazemos parte. Se nos reunimos sob o teto da Sucá, sob uma cobertura, cobrindo todos os crimes com amor, revelamos a alegria da Torá (Simchat Torá). Estamos tão unidos que a luz superior, chamada Torá, nos preenche e nos leva à correção.

Estes dias são chamados de “terríveis”, mas a ameaça vem de sua grandeza. Conforme está escrito sobre o Criador, Ele é “grande, poderoso e impressionante”, mas isso não é uma ameaça, mas uma adoração à Sua grandeza.

Antes de Rosh Hashaná, é costume desejar um ao outro um feliz ano novo e uma boa entrada no livro da vida. No entanto, é de extrema importância o entendimento de que, se nos unirmos, cobrindo todos os crimes com amor, este ano será de fato bom para nós. Deveríamos alcançar essa conexão não apenas uma vez por ano antes do feriado, mas todos os dias, dia após dia, ficando espiritualmente mais próximos um do outro até sentirmos uma conexão tão sincera como se fôssemos um homem com um coração.

Então sentiremos a força superior, a natureza comum que preenche nosso coração comum. É isso que realmente será um bom ano novo.

De KabTV, “O Mundo. Feriados Judaicos”, 26/09/19

Para Que As Opiniões Não Pereçam No Mundo

laitman_947Baal HaSulam, “A Liberdade”: Portanto, o coletivo é obrigado a guardar meticulosamente todas as opiniões de poucos, para que não pereçam do mundo. Isso ocorre porque eles devem saber com certeza, com total confiança, que as opiniões mais verdadeiras e mais desenvolvidas nunca estão nas mãos do coletivo em autoridade, mas nas mãos dos mais fracos, isto é, nas mãos da minoria indistinguível.

Pergunta: Por que todos deveriam expressar sua opinião quando nos sentamos em círculos?

Resposta: Até que todos se percebam plenamente na conexão entre nós, não podemos alcançar semelhança com o Criador e construir um grupo onde o Criador será revelado.

O grupo é uma ferramenta. Nós devemos calibrá-lo. Quando giramos o botão de um rádio, sintonizando-o para uma determinada onda, devemos, da mesma maneira, girar todos os membros do grupo para que eles se conectem entre si e, em sua unidade, a força integral mútua e comum se manifestará. Este será o Criador. Portanto, a participação de todos é muito importante. Cada um individualmente é muito importante também.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 25/12/18

Como Você Pode Dizer O Que É Bem E O Que É Mal?

laitman_565.01O bem e o mal é um tópico eterno, mas no artigo “Paz no Mundo”, Baal HaSulam escreve que o bem e o mal são avaliados pelas ações do indivíduo em relação à sociedade.

Isto é, ele imediatamente toma uma direção completamente diferente e, portanto, nossas ações são avaliadas de uma maneira totalmente diferente. Embora as ações de qualquer pessoa possam ser tão pessoais e individuais que parece impossível atribuí-las à sociedade; no entanto, elas são avaliadas apenas em relação à sociedade.

Pergunta: Eu posso dizer: “Fiz uma boa ação”?

Resposta: Não. Não importa quão bem ou mal você trate uma planta, um animal, uma pessoa ou até você, você influencia o ambiente, a sociedade, com seus pensamentos e ações. Portanto, tudo é avaliado em relação à sociedade: como ela mudará, o que acontecerá com ela.

É assim que você mede se suas ações são boas ou más e até que ponto.

Como posso saber se minhas ações naturais são boas ou más em relação à sociedade? Eu acaricio a cabeça de uma criança, então esta é uma boa ação. Como isso afeta a sociedade? Como posso avaliar?

Todas as minhas ações, sejam quais forem, trazem algumas consequências para o ambiente. Como posso sentir isso?

Observação: Mas geralmente dizemos que uma pessoa fez uma boa ação ou que machucou alguém.

Meu Comentário: Mas como você sabe? Digamos que você derrote alguém. Você o corrigiu com isso?

O fato é que, até sentirmos todo o sistema da natureza em que existimos, como o afetamos e quais reações recebemos dele, não seremos capazes de nos comportar corretamente e avaliar corretamente nosso comportamento.

Não temos indicador, avaliador ou dispositivo de medição, algo que eu possa olhar e dizer: “Isso foi positivo e agora é negativo” e até que ponto.

Se eu sentisse isso, poderia exigir algo de mim mesmo e veria nos outros, eles seriam o meu dispositivo, como a flecha de um mostrador que se move em direção ao bem (positivo) ou ao mal (negativo). Então eu poderia andar por aí e me orgulhar que tenho tudo no positivo.

Observação: Mas geralmente existem leis da sociedade humana que devemos cumprir.

Meu Comentário: É claro que na natureza existem leis, mas na sociedade humana elas são totalmente distorcidas. Este é o problema. Não sabemos como nos comportamos. Nosso comportamento é bom ou ruim e quais consequências nossas ações têm? Claro, isso é terrível.

Pergunta: Como um Cabalista avalia suas ações para determinar se elas são corretas ou não?

Resposta: Se eu não me controlo e ajo instintivamente, minhas ações são completamente erradas, más e prejudicam a sociedade e o mundo.

Se quero agir corretamente, devo conectar-me à sociedade ao meu redor, unir-me a ela, sentir o quão próximo estou dela, existir nela, senti-la, controlar minhas ações e sentir suas consequências na sociedade ao meu redor, na intenção de doação e amor, independentemente de mim. É quando posso dizer que estou agindo corretamente.

No entanto, isso requer prática, uma metodologia para sair de mim mesmo, entrar nos outros e começar a sentir a conexão com eles. Nesse caso, você começará a se sentir em um mundo diferente.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 21/07/19

Nova Vida # 286 – Ciúme E Inveja

Nova Vida # 286 – Ciúme E Inveja
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Nos níveis mais altos, a inveja pode nos ajudar a alcançar o sentimento ilimitado da vida eterna. Embora possamos sentir ciúmes quando se trata de comida, família e sexo, eles são mais parecidos com os impulsos necessários ao corpo, como em qualquer animal. Os homens tendem a invejar a liberdade de sair para o mundo e brincar com vários brinquedos. As mulheres tendem a sentir inveja da beleza e da moda e se comparam a outras mulheres. Como um touro perseguindo um pano vermelho, esses tipos de invejas corporais formam um mecanismo eficaz para o desenvolvimento do ego humano. Equilibramos a mente com o sentimento de inveja, a fim de nos autorealizarmos e alcançarmos o que é desejado. Esses tipos de inveja, baseados em qualquer coisa limitada e tangível que o dinheiro possa comprar, refletem o que eu tenho e não o que está dentro de mim. É verdade que a inveja espiritual ocorre quando entramos no reino do controle. As pessoas que ascendem a aquisições eternas estão comprando um sentimento interno, completo, perfeito e ilimitado que existe na natureza, fora de seus corpos, acima do tempo e do espaço. Elas desejam mudar o mundo com suas ideias ou conhecimentos. Elas são como Deus, pois querem adquirir sabedoria e alcançar novos horizontes. Essa inveja nos leva ao começo de uma nova vida no Jardim do Éden.

De KabTV, “Nova vida – Ciúme E Inveja”, 12/01/14

O Hebraico É Uma Maneira De Expressar O Conhecimento Cabalístico

laitman_248.02Pergunta: Havia outra língua na Cabalá antes do hebraico?

Resposta: Não. Desde o início, o hebraico tem sido a única maneira de expressar o conhecimento Cabalístico. Parecia necessário expressar raízes, palavras e ações espirituais. Ele existe para esse único propósito.

O hebraico de conversação não deveria ter sido usado em nosso mundo. O fato de hoje em Israel o hebraico ser usado para escrever, ler e comunicar está incorreto. Nunca foi assim. Os textos Cabalísticos sempre foram os escritos em hebraico. Outras línguas foram usadas para todo o resto, como o aramaico ou o grego antigo, mas não o hebraico.

O hebraico é puramente uma linguagem de ramos que é usada apenas para descrever as forças, qualidades e ações espirituais.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 23/06/19

Nova Vida # 285 – Superando O Desespero

Nova Vida # 285 – Superando O Desespero
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Os níveis epidêmicos de ansiedade e desespero que vemos na sociedade hoje estão ajudando a humanidade a evoluir para o nível de Adão. As pessoas estão menos preocupadas com o bem-estar de seus corpos animalescos hoje. As ansiedades que experimentam dizem respeito mais a um futuro desconhecido e a questões relacionadas ao sentido da vida. Para que serve a vida? Para que estou vivendo? Estas são as perguntas que, quando deixadas sem resposta, levam as pessoas, incluindo crianças, ao desespero. Nós nos voltamos para antidepressivos e outras drogas, mas permanecemos não realizados. A humanidade alcançará uma tristeza sem precedentes e precisará ser educada para lidar com isso. Eles precisarão aprender a se conectar ao mundo global e integral. Eles precisarão aprender sobre o plano da natureza e a força da sabedoria que opera todos nós. Eles precisarão entender o pensamento da criação para realizar seu verdadeiro potencial humano e acalmar todas as suas deficiências existenciais.

De KabTV, “Nova Vida # 285 – Superando O Desespero”, 09/01/14

O Que Podemos Aprender Com O Ataque Mortal Fora Da Sinagoga De Halle (Tempos De Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Que Podemos Aprender Com O Ataque Mortal Fora Da Sinagoga De Halle

O ataque a tiros perto de uma sinagoga em Halle, na Alemanha, foi mais um terrível ato de antissemitismo no dia mais santo do calendário judaico. No entanto, poderia ter sido muito pior se o atacante de 27 anos, identificado com a extrema direita, tivesse quebrado as portas da sinagoga e massacrado os 80 fiéis que estavam realizando as orações de Yom Kipur.

Em um vídeo que ele gravou antes do tiroteio, o atacante negou o Holocausto, denunciou feministas e imigrantes e declarou abertamente que “a raiz de todos esses problemas é o judeu”.

Com as notícias das duas pessoas que foram mortas a tiros, as condenações vieram uma após a outra, do ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, twittando que “tiros sendo disparados em uma sinagoga no Yom Kippur, o festival da reconciliação, nos atingem no coração” e “Todos devemos agir contra o antissemitismo em nosso país”, através do primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu, comentando um “apelo às autoridades alemãs para que continuem a tomar medidas determinadas contra o antissemitismo”.

Entre todos os gritos, orações e entusiasmo pelas famílias das vítimas, há uma clara demanda por uma mudança significativa contra o antissemitismo que se espalhou rapidamente pelo mundo. No entanto, além de palavras desesperadas, há um ar de desamparo diante do fenômeno crescente.

Desamparo. Desespero. Eles parecem sentimentos muito indesejáveis. Mas será que essas sensações são na verdade um resultado positivo dos exponencialmente crescentes crimes e ameaças antissemitas?

Talvez quando nos surpreendemos repetidamente com um fenômeno irracional que assombra nosso povo por gerações – um que não faz diferenciação entre gêneros, entre Yom Kippur e um dia da semana e entre sinagogas em Berlim e Pittsburgh -, talvez seja isso que nos leve a ver o que os Cabalistas tentam nos dizer há gerações?

Seja no Livro do Zohar ou em outros textos Cabalísticos, o que os Cabalistas têm tentado comunicar ao povo judeu? Simplificando, se nós judeus nos unirmos, atraímos uma força positiva que reside na natureza a se espalhar não apenas entre nós, mas entre toda a humanidade. Ao despertar a força positiva e unificadora da natureza por meio de nossa unidade, podemos trazer paz ao mundo. Do contrário, se nos dividimos, onde todo judeu permanece dentro de si mesmo em suas próprias orações, provocamos o contrário: ódio e conflito. Como escreveu o Rav Cabalista Yitzhak Isaac Haver, “Criação e escolha, correção e destruição do mundo – tudo depende de Israel” (Siach Yitzhak. Parte 2, Likutim 1).

Horas após o ataque mortal, a chanceler alemã Angela Merkel participou de uma vigília para se identificar com as vítimas em uma sinagoga histórica no centro de Berlim. Ela ficou com a comunidade judaica enquanto eles cantavam juntos: “Ose shalom be Meromav” (“Faça a Paz em Seu céu”). Ironicamente, às vezes a resposta para nossas perguntas mais difíceis pode ser encontrada logo abaixo do nosso nariz. Às vezes, precisamos apenas abrir nossos ouvidos e ouvir as palavras que estamos cantando …

  • Ose shalom be Meromav” (“Faz a paz em Seu céu”). Significa que em nossa unidade e em nossa oração comum, podemos fazer a força superior trazer a paz acima;
  • Hu yaase shalom aleinu” (“Ele trará a paz sobre nós”), ou seja, a força superior trará paz a toda a humanidade;
  • Ve al kol Yisrael” (“e sobre todo Israel”), isto é, onde o papel do povo de Israel é unir-se;
  • Ve al kol yoshvei tevel” (“e para todas as pessoas no mundo”), ou seja, nosso papel não é receber a luz da unidade para nós mesmos, mas ser um canal para a luz se espalhar pelo mundo, ou seja, seja “uma luz para as nações”.
  • Ve imru amen” (“diga Amém”), ou seja, todos nós, judeus e nações do mundo, seremos verdadeiramente gratos por alcançar a tão esperada paz.

Amém.