A Lava Fervente Da Unidade

laitman_943Nós só podemos nos unir pelo ataque. Afinal de contas, possuímos uma força que resiste à unificação de todas as maneiras possíveis. Mas essa força não nos impede de fazer nada neste mundo. O egoísmo das pessoas neste mundo não é um impedimento; só contribui para o desenvolvimento.

Portanto, o egoísmo não é uma coisa ruim. Pelo contrário, se uma criança não quisesse nada, não procurasse conquistar o mundo inteiro, seria subdesenvolvida e isso seria alarmante.

Quanto mais alguém é egoísta nesse mundo, maior é sua capacidade de ter sucesso. É necessário apenas direcionar seu egoísmo na direção certa para que não seja destrutivo e não prejudique a sociedade. Mas se, graças ao egoísmo, ele faz um ótimo trabalho e alcança muito, é apenas para benefício dele e do mundo.

Para ser mais preciso, não é nem o egoísmo, mas a força do desenvolvimento inerente ao programa da evolução, em toda a natureza, incluindo todas as pessoas. O verdadeiro egoísmo, sobre o qual está escrito: “Eu criei a inclinação ao mal, criei a Torá como tempero”, manifesta-se apenas quando aspiramos à unificação. Então, dentro da unidade, revelamos a força que a impede.

O desejo de nos unir é o nosso desejo de corrigir o sistema da alma comum, o primeiro homem, Adão, que foi destruído. Nosso dever é corrigi-lo, pois o Criador criou a separação entre nós como um lugar para trabalhar, de modo que conectaremos todas as partes quebradas.

Quando tentamos uni-las, revelamos a força que impede a unificação. Essa força é chamada de “egoísmo”. A força que se opõe a ela é chamada de “Torá”, a “Luz que reforma”. É preciso saber como revelar essa inclinação ao mal dentro de si mesmo. É uma cobra que nos impede de nos unirmos.

A pessoa precisa apreciar essa força que resiste à conexão e não destruí-la. Precisamos reunir todas essas forças e tentar superá-las. Então descobriremos que não podemos fazer isso sozinhos porque esta é a força criada pelo Criador, e é por isso que precisamos da Torá, que é a Luz da correção.

Somente aquelas pessoas que perceberam a necessidade de unidade precisam da Torá, que é a Luz mais elevada que nos leva à unidade e correção.

Apesar da enorme força de resistência do ego, o poder da Torá une nossos corações de pedra, aquece-os, derrete-os e transforma-os em uma lava fervente, numa única força. Então chegamos a um vaso espiritual ( Kli ) das dez Sefirot , ao Partzuf , à parte de Adam HaRishon que o Criador criou e partiu em pedaços.

É assim que avançamos e tudo começa com o nosso desejo de nos unirmos. Você não deve procurar a inclinação ao mal em nenhum outro lugar, mas apenas dentro da união. Neste caso, ela será revelada. Nós não procuramos o mal. Buscamos bondade, conexão e união, e depois revelamos o mal.

Nós sempre nos movemos na linha direita, e se a linha da esquerda se revelar nela, significa que precisamos dela e ela deve estar paralela à linha direita. Então devemos trabalhar na linha do meio para usar corretamente as linhas esquerda e direita como um todo.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 08/06/18, Lição sobre o Tópico: “Atacando a Conexão”

Medium: “Abuso Infantil: Espelho da Sociedade do Século XXI??”

O portal Medium publicou meu novo artigo “Abuso Infantil: Espelho da Sociedade do Século XXI?

Nós nos assustamos quando ouvimos outra história horrível de abuso infantil, como os trabalhadores abusivos de creches que foram presos na semana passada, tanto em Israel quanto no Arkansas.

Inconcebível como é, o abuso em creches parece ser sistemático e generalizado. Dados coletados de 39 estados dos EUA, por exemplo, mostram que 5.321 prestadores de serviços de creche foram considerados abusivos. Em Israel, estão sendo feitos esforços para promover uma legislação que exija que todos os jardins de infância instalem câmeras de segurança, pois os pais percebem que ninguém pode garantir a segurança de seus filhos.

Mas o que está fazendo com que aqueles que contratamos para cuidar de nossos filhos se comportem de maneira tão monstruosa? E como podemos restringir esse fenômeno quando não temos controle sobre o que acontece dentro das creches?

É difícil de entender, mas esses incidentes horripilantes revelam o coração frio e duro que bate dentro do ser humano. Quando o ego nos domina, ele nos inunda com um grau tão elevado de agitação e fúria que conquista tudo, levando-nos a prejudicar qualquer um em nosso caminho, até mesmo uma criancinha desamparada.

E com criancinhas que não conseguem se expressar bem, não há nada que impeça o monstro de irromper. Da mesma forma, os dados mostram que a faixa etária com maior probabilidade de sofrer abuso está entre 0 e 3 anos de idade.

“Que Tipo De Monstro Pode Fazer Isso?”

“Se eu mesmo tivesse visto o vídeo on-line”, disse a professora de jardim de infância israelense enquanto mostrava imagens de seu próprio comportamento abusivo, “eu perguntaria: que tipo de monstro pode fazer isso?”

Evidentemente, não podemos ver nossa própria falha no momento da verdade. O coração de pedra nos cega e remove o sentimento de culpa, fazendo com que percamos nossos sentidos sem estarmos conscientes dele.

Assim, mesmo se colocarmos câmeras em todos os lugares – não estaremos resolvendo o problema de base. O monstro está dentro de cada cuidador e, de fato, em cada um de nós. A questão é quem desperta o monstro do seu sono?

Nós podemos facilmente culpar os indivíduos por suas ações abusivas, e certamente devemos impedi-los de continuar. Mas estes são apenas resultados que flutuam acima da superfície. O monstro que desperta é uma doença social que vem incubando há décadas e está surgindo cada vez mais em nosso tempo.

Como Chegamos Aqui

Até meados do século XX, criar filhos era completamente diferente do que estamos acostumados agora, e ainda mais perto de nosso desenvolvimento natural como seres humanos. As mães costumavam ter melhores condições para criar filhos e cuidar do seu bem-estar. E elas eram socialmente reconhecidas por isso.

Depois veio a revolução industrial, juntamente com poderosos interesses investidos que procuravam modificar a ordem social em prol do lucro. Esforços foram feitos para levar as mulheres à força de trabalho, relacionando-a aos ideais liberais de emancipação das mulheres e seu status igualitário na sociedade. Isso foi para maximizar a produção e o consumo a um nível que o mundo nunca viu antes.

A sociedade de consumo resultante foi projetada para pilhar os recursos do planeta de modo a orientar a vida humana em torno do excesso material. Gradualmente, as pessoas adotaram um novo estilo de vida que reformulou a ordem social e a unidade familiar.

No entanto, à medida que os estudos da felicidade se revelam, nem nós nem os poucos ricos encontramos realmente uma satisfação genuína e conforto na busca cíclica pela aquisição material.

O resultado? Uma sociedade em que crianças são arrancadas de suas mães e jogadas nas mãos de uma babá que também compete na corrida material. Uma sociedade “livre”, onde tudo é permitido e os limites são embaçados. Uma sociedade onde a conexão natural entre pai e filho foi significativamente comprometida e desvalorizada. Uma sociedade onde o ego monstruoso e desinibido pode irromper mesmo em relação a crianças indefesas.

O abuso infantil é o espelho da sociedade humana no século XXI.

Nossas Crianças Precisam De Uma Revolução Social

Então, o que vamos fazer sobre isso? Como vamos evitar incidentes semelhantes no futuro? Como vamos curar a doença da nossa sociedade?

Enquanto não conseguirmos trabalhar para uma mudança fundamental nos valores sociais, todos nós podemos nos comprometer pelo abuso nas creches.

Este não é um chamado para voltar no tempo. Pelo contrário. É um alerta para a próxima revolução a surgir. Assim como a revolução industrial nos ensinou a levar um estilo de vida material, a próxima revolução deve nos ensinar a levar um estilo de vida social.

Primeiro, devemos priorizar a educação. Deve se tornar a profissão mais valorizada da sociedade. Um educador deve receber reconhecimento social junto com as condições para manter a integridade profissional. Temos que escolher cuidadores que provem sua paixão por criar nossos filhos, que terão uma compreensão profunda da natureza humana e que serão treinados extensivamente para praticar a contenção e o autocontrole em qualquer situação.

Estas são apenas algumas pré-condições para qualquer educador que trabalhe com crianças. Mas a verdadeira revolução acontecerá quando nós, adultos, nos sentamos juntos em círculos, como no jardim de infância, e cultivamos o ser humano dentro de nós, contra o monstro que pode despertar.

Quando redefinirmos a meta da vida, substituiremos a luta pela sobrevivência material por uma crescente sensibilidade à nossa profunda conexão humana, e isso nos dará um novo sentido de significado e realização.

Especificamente a revelação da sabedoria da Cabalá em nosso tempo é projetada para lançar luz sobre as conexões humanas naturais entre as pessoas e nos ajudar a desenvolvê-las até o último nível: descobrir o sistema de conexão que une todos nós como uma única família.

Por Que A Moda Está Saindo De Moda

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página no Facebook Michael Laitman 13/06/18

As pessoas estão cansadas de se relacionar umas com as outras com base na aparência. Então, o que virá a seguir?

Não Fuja Do Mundo

laitman_761.3Pergunta do Facebook: Você realmente acha que todos deveriam deixar seus negócios e empregos, vender tudo como você fez e apenas estudar Cabalá? Você é “menos bom” se não fizer isso?

Resposta: De jeito nenhum! Eu não tinha outra escolha. Ninguém me disse para fazer isso. Eu só tinha um chamado interior, certo tipo de destino que me guiava, e não poderia ter agido de outra forma.

Pergunta: Então, quando você nos fala sobre isso, não é um exemplo?

Resposta: Claro, não é um exemplo. Eu mesmo não sei se teria feito isso de novo ou não. Simplesmente aconteceu.

Pergunta: Significa que uma pessoa não deve deixar seu trabalho ou seu negócio para estudar Cabalá?

Resposta: Pelo contrário, estudar Cabalá exige que você se envolva em tudo isso.

Eu não desisti do meu trabalho. Mudei para outro, para poder estudar sem ficar sobrecarregado com nada, sem pensar em como pagaria impostos, organizar todo tipo de coisa e ser responsável pelo negócio. Eu só queria cuidar das minhas necessidades, trabalhar um pouco para sustentar minha família e passar o resto do meu tempo estudando.

Pergunta: Qual é o seu conselho para alguém que estuda Cabalá? Como ele deve viver neste mundo com trabalho, família e assim por diante?

Resposta: De forma alguma a pessoa deve fugir deste mundo. Parece-lhe que ela poderia fazer um grande ato de sacrifício altruísta, mas, na verdade, não é o caso. Ela deve permanecer em seu trabalho e continuar tudo do jeito que fazia antes.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 01/05/18

Nova Vida # 1010 – Lealdade

Nova Vida # 1010 – Lealdade
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

No futuro, a lealdade alcançará um nível insignificante, de modo que procuraremos o único poder em que é possível confiar. As pessoas não podem ser culpadas por falta de lealdade, uma vez que todos estamos agindo de acordo com nossas tendências inatas e egoístas. Ser leal às características do Criador dá segurança a uma pessoa e a torna mais forte, maior e plena. A lealdade ao Criador não se dissipará porque o desejo de doar bondade não vem às custas dos outros e, portanto, cresce cada vez mais.

De KabTV “Nova Vida # 1010 – Lealdade”, 13/05/18

Meus Pensamentos No Twitter 19/06/18

Dr Michael Laitman Twitter“Abuso #Infantil: Espelho da Sociedade do Século XXI?” – @laitman https://medium.com/@michaellaitman/childcare-abuse-mirror-of-the-21st-century-society-

Do Twitter 19/06/18

Verifique-Se: Você Sente A Grandeza Do Criador?

Laitman_193O Criador recebe tremendo prazer do fato de que o ser criado desfruta Dele, se torna igual a Ele. E se estamos em união com Ele, devemos tentar trazer-Lhe este prazer. 1

Eu devo sempre verificar a mim mesmo, o meu humor: será que sinto a grandeza do Criador ou não? Se não estou cheio de alegria pelo fato de viver no mundo do Criador que preenche a mim e tudo ao meu redor, isso significa que ainda estou carente de Sua grandeza. 2

Não há prazer mais forte, mais profundo ou mais infinito do que o que vem da revelação do Criador. Isso preenche todo o horizonte, a pessoa não vê mais nada – tudo é visto apenas contra esse pano de fundo. E hoje devemos tentar estar neste mesmo estado: o Criador é o pano de fundo constante, iluminando toda a realidade, e nós devemos conectar toda a realidade a Ele, e é por isso que devemos ver toda a realidade apenas como um meio para a revelação de Sua grandeza.

A grandeza do Criador nos distancia de todos os problemas, de todos os distúrbios, todas as barreiras. Todos os prazeres e realizações vêm também apenas da grandeza do Criador. Qualquer deficiência em qualquer lugar é provocada pela deficiência da grandeza do Criador e é corrigida apenas por ela até preenchermos toda a realidade com Ele.

Mas eu não apago os problemas, porque se eles desaparecem, eu perco a necessidade da grandeza do Criador. O desejo egoísta ficará satisfeito e eu não precisarei de mais nada. Mas como eu mesmo posso despertar a escuridão? Como está escrito: “Cada homem ajudará o próximo” – entre nós, nós formamos novas necessidades pela grandeza do Criador. Portanto, a quebra ocorreu para que, através da conexão entre nós, possamos formar a necessidade da revelação do Criador. 3

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá, 27/05/18, Lição sobre o Tópico: “O Ensino Da Cabalá E Sua Essência”
1 minuto 1930
2 minuto 21:00
3 minuto 29:55

Torne-Se Um Partzuf Espiritual

Laitman_079.02Se eu quero alcançar equivalência de forma com a Luz e doar aos outros, eu me torno um Partzuf espiritual. Afinal, eu limito meu desejo de receber e me conecto com outras pessoas que se tornam minhas nove Sefirot superiores. E eu doo a elas através do meu desejo de receber, minha Malchut. E cada uma das dez faz o mesmo.

Então, por meio da conexão mútua entre nós, nós criamos uma rede, “uma dezena”. Essa dezena não se baseia na doação individual de cada um para os outros, mas na doação mútua do grupo. Através disso, nós adquirimos um novo nível de doação e uma Sefira mútua aparece para nós, a Sefira de Keter (o Criador), bem como uma Malchut mútua criada pelo Criador, através da qual nós queremos doar a Ele.

Então a dezena se torna como um. Este é um Partzuf espiritual perfeito no qual existe uma alma – não em cada um de nós individualmente, mas em cada um conectado a todos os outros.

Cada um de nós é como uma célula no corpo. Mas se nos conectamos, nos transformamos em um órgão que pode, de dentro de si mesmo, descobrir qual é a atitude do Criador em relação a ele. Por mim mesmo não sou capaz de experimentar isso, mas apenas se me conectar com os outros e construir o sistema a partir de nossas conexões. Então, dentro deste sistema, eu posso revelar a força de doação, o Criador. Isso se torna meu Kli, minha alma. A alma é um instrumento para a revelação do Criador.

Eu não tenho nada para dar ao Criador. Mas, ao dar aos outros, eu ofereço ao Criador um lugar para ser revelado. Em outras palavras, nós O revelamos construindo-O nas conexões entre nós. 1

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá, 27/05/18, Talmud Eser Sefirot,
1 minuto 46:00

O Que Determina A Força Da Alma?

laitman_232.05Pergunta: O que determina a força da minha alma? Eu posso aumentá-la?

Resposta: A força da alma depende do egoísmo da pessoa, da espessura do ego que você pode superar; isso é o que determina a força da alma.

A alma é a propriedade de doação e amor, que recebemos através da Luz superior. Portanto, ela só pode ser alcançada através da aniquilação do egoísmo.

Da Lição de Cabalá em Russo 04/02/18

Atacando A Conexão

laitman_260O principal é a nossa unidade através da qual restabelecemos a alma quebrada de Adão. O trabalho de uma pessoa é corrigir todas as partes dessa alma, conectá-las em conjunto, conectando-se cada vez mais uns com os outros. Primeiro de tudo, precisamos descobrir o que está nos impedindo, qual é a resistência à nossa unidade. Está em nossas qualidades internas pessoais, não em um inimigo externo. Este inimigo está dentro de nós e, em vez de escondê-lo, precisamos corrigi-lo para que possamos transformar o ódio ao outros em amor aos outros. Quando atraímos esse adversário à conexão, ele se torna 620 vezes mais significativo, mais forte e mais profundo do que antes da quebra.

Acontece que não foi uma quebra; mas apenas a revelação do mal oculto. Ele existia desde o princípio dentro de Adão, mas não tinha se manifestado. E quando ele quis usar seu desejo de receber para doar, não pode fazê-lo porque as qualidades egoístas foram então reveladas.

Precisamos entender a essência da quebra, o pecado da Árvore do Conhecimento. Foi a revelação do mal que foi colocada lá inicialmente e, de repente, revelada. Ele então se sentiu quebrado, no sentido de que era incapaz de manter a unidade anterior.

Todos nós somos consequências dessa ação, que é chamada de pecado da Árvore do Conhecimento, a destruição do Templo, a quebra, e precisamos descobrir exatamente onde estão esses desejos. 1

A inclinação ao mal é somente aquilo que resiste à conexão, o desejo de receber oposto à intenção de doar. Inicialmente, esse desejo estava restringido, não era possível trabalhar com o receber para doar. É por isso que quando essa estrutura chamada Adão começou a trabalhar com esses desejos de receber a fim de doar seu pecado foi revelado, em outras palavras, sua intenção egoísta.

Nós precisamos corrigir esses desejos que se revelam como quebrados, começando com o mais leve e movendo para o mais pesado. Isso leva tempo; nós fazemos isso em pequenas porções até voltarmos à alma geral corrigida de Adão. Nós chegamos ao mesmo estado em que Adam HaRishon queria estar, realizando a ação de receber em prol da doação em toda a sua alma, como se ele tivesse conseguido.

Mas, na verdade, não é exatamente o mesmo estado. É por isso que tivemos que passar por todo esse processo, porque revelamos o mal através dele. E a revelação do mal é uma tremenda contribuição para a correção e para o estado final. Este mal possui grande poder, diretamente oposto à Luz, ao Criador. É exatamente através deste poder do mal e suas várias aparências que alcançamos a natureza do Criador, Seu caráter, Seu estilo.

We come to understand the depth and the multifaceted nature of the evil of egoism and begin to gradually bring it to the good. Ultimately, we acquire a corrected desire in which there are two forces: our desire to unite and the egoism resisting it, both working in order to strengthen the power of the future connection between us and the Creator.

Nós chegamos a compreender a profundidade e a natureza multifacetada do mal do egoísmo e começamos a trazê-lo gradualmente ao bem. Em última análise, adquirimos um desejo corrigido no qual há duas forças: nosso desejo de nos unir e o egoísmo resistindo a ele, ambos trabalhando para fortalecer o poder da conexão futura entre nós e o Criador.

É por isso que é impossível ter o mal sem o bem ou o bem sem o mal – ambos devem funcionar juntos. Na verdade, eles realizam fielmente o seu trabalho para revelar o Criador e dar-Lhe prazer. Todo o sistema é voltado para isso e só precisamos adicionar nosso trabalho. 2

De todas as nossas breves e limitadas vidas, temos uma oportunidade: revelar a fonte da vida e estabelecer uma conexão eterna com Ele. Portanto, tentamos estabelecer essas conexões com os amigos. Eu sou obrigado a me conectar ao sistema, pois é somente a partir das dez Sefirot que poderei alcançar a força superior. 3

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 06/06/18, Lição sobre o Tópico: “Atacando a Conexão”
1 minuto 0:20
2 minuto 3:50
3 minuto 48:13