Curso Virtual de Cabalá Autêntica – Outubro de 2021 (Inscrições Abertas)

Resultado de imagem para centro de educação de Cabalá

Uma jornada de conhecimento e revelações

Inicia domingo, 10 de outubro de 2021

CHEGOU A OPORTUNIDADE MAIS IMPORTANTE DA SUA VIDA: DESVENDE A REALIDADE 

Neste curso, você obterá uma compreensão mais profunda sobre a vida, sobre quem você realmente é, como a natureza funciona e o seu propósito. Receba as ferramentas necessárias para revelar uma nova perspectiva sobre a realidade que pode dar sentido aos eventos atuais no mundo. A Cabalá é uma sabedoria à disposição de qualquer pessoa em busca de respostas para as perguntas mais profundas sobre o Sentido da Vida que acometem o ser humano e você está livre para avançar nessa jornada no seu próprio ritmo.

INSCREVA-SE AQUI

Estudaremos com base em fontes autênticas de grandes cabalistas da história, os conceitos básicos de Cabalá, tais como: o conceito de Cabalá, noção de Desejo e Prazer, Percepção da Realidade, Intenção, Liberdade, Criador, etc.

Serão 20 aulas do Módulo Fundamental, contendo estudo e sessões de perguntas e respostas ao vivo, aos domingos e terças-feiras, às 21 horas, horário de Brasília. 

As aulas serão gravadas e colocadas à disposição dos alunos para quando precisarem. 

Ao longo do curso, disponibilizamos gratuitamente materiais de estudo em formato PDF, inclusive Livro Texto.

O Curso de Cabalá Outubro/2021 terá sua primeira aula no dia 10 de outubro de 2021.

 

Importante: Haverá Palestras Introdutórias de Cabalá dias 27 e 29 de setembro, às 21 horas, horário de Brasília, no link abaixo:

https://www.facebook.com/kabbalahinfopt

Sinais Externos De Ações Espirituais

506.1Pergunta: Os alimentos que usamos em Rosh Hashaná para a mesa festiva simbolizam algum tipo de mudança interna. Por que é necessário comê-los?

Resposta: O fato é que quando queremos transmitir algumas leis, nós as colocamos na forma de costumes populares e as transformamos em algo como ditados. Dessa forma, eles são preservados e passados ​​de geração em geração.

Se você começar a dizer: “A luz de Hassadim, a luz de Hochma, etc.”, nada resultará disso. Se as pessoas não têm sentimentos adequados, não os preservarão. Portanto, tudo é transmitido dessa forma.

A fim de preservar o significado interno dos fenômenos e ações espirituais, os Cabalistas os revestiram de algum tipo de manifestação material. No Rosh Hashaná nós comemos cenouras, que simbolizam bondade. Mergulhamos a maçã no mel para termos um ano bom e doce. A romã simboliza 613 desejos que precisamos corrigir da recepção à doação, do egoísta ao altruísta.

Ou seja, todos esses são sinais particulares em nosso mundo. É assim que os costumes populares são passados ​​de geração em geração, embora os Cabalistas tenham dado um significado muito mais profundo a eles. Nós os conhecemos e os apreciamos porque as tradições são transmitidas dessa forma. Mas o que mais importa é o que esses costumes indicam. Eles indicam seu significado interno muito elevado. Isso é o que devemos fazer.

Pergunta: Isto é, um Cabalista sente o desejo de receber com a intenção para seu próprio benefício. Para transmitir de alguma forma os sinais da correção a todos os outros neste mundo, ele pega uma maçã, que simboliza o desejo de receber, mergulha-a no mel, como se adoçasse com a intenção certa, e assim a semântica é obtida?

Resposta: Esses são apenas sinais externos, nada mais. Devemos entender que ao mesmo tempo um Cabalista deseja que o fruto daquela árvore, que deliberadamente expulsou a pessoa do nível espiritual, agora com a ajuda de Amtakat Hadinim (adoçando o julgamento), isto é, adoçando com mel, corrija a inclinação ao mal de uma pessoa e que ela se eleve ao nível de sua correção.

De KabTV, “Estados Espirituais”

Um Mensageiro Do Criador

961.2Hoje comemoramos o dia em memória do meu professor Rav Baruch Ashlag (Rabash). Milhares de Cabalistas viveram antes dele e milhões de pessoas que sonhavam em revelar a espiritualidade.

Mas agora todo esse trabalho está voltado a nós e devemos tentar chegar à forma da chamada última geração para alcançarmos o nível espiritual pela fé acima da razão, a primeira associação com o mundo espiritual, com suas forças e possibilidades.

Toda a humanidade está começando a sentir sua dependência mútua, tanto no bom quanto no mau sentido, tanto sua dependência de grupos terroristas famintos por guerra quanto de pessoas que se esforçam em se unir.

Todos nós fazemos parte da humanidade e estamos cada vez mais conscientes de nossa conexão uns com os outros. Até agora, essa dependência se expressa de formas desagradáveis, como a pandemia, por exemplo. Mas, por outro lado, estamos avançando cada vez mais porque vemos que nossa conexão vem de cima como condição necessária para seguir em frente.

Dois grandes Cabalistas: Baal HaSulam e seu filho mais velho, Rabash, criaram um método projetado para a última geração, para nós. Portanto, somos extremamente gratos a esses dois Cabalistas e ao Criador que os enviou até nós. Rabash escreve que se um grupo de pessoas unidas por um objetivo comum se reúne pronto para anular interesses pessoais em prol da conexão, tal grupo é capaz de alcançar o objetivo sublime mesmo aqui neste mundo.

Quanto mais uma pessoa valoriza o grupo, o professor e o Criador, mais ela se aproxima da força de doação e alcança a fé acima da razão. Há um princípio fundamental que opera aqui chamado “A Torá, o Criador e Israel são um”. Uma pessoa busca se juntar à dezena, que ela organiza para que se torne um lugar para a revelação do Criador.

Devemos atuar neste mundo como mensageiros do Criador, cumprindo o desejo do alto e ajudando a realizá-lo na humanidade. Afinal, não existe tal conexão entre o Criador e a humanidade que permita às pessoas sentir a intenção do Criador. Portanto, precisamos implementar esta conexão, para subir ao nível espiritual de fé acima da razão, e ao mesmo tempo estar dentro da razão, isto é, servir como uma transição entre o Criador, a força de Bina e Malchut para toda a humanidade.

Desta forma, seremos capazes de transferir todas as nossas forças e intenções à humanidade, que se juntará a nós e se elevará conosco como uma força de apoio, o AHAP do nível espiritual.

Claro, não há nada de novo sob a lua, e o conceito de fé acima da razão era conhecido pelos Cabalistas mesmo antes do Rabash. Mas não foi esclarecido e explicado em detalhes como o Baal HaSulam e o Rabash fizeram ao trazer essa técnica para a implementação prática entre as massas.

O Rabash explicou o método do Baal HaSulam em detalhes e o expandiu em seus artigos. Na verdade, ele percorreu todo o caminho espiritual que uma pessoa deve percorrer e o explicou minuciosamente. Todos os seus artigos são como um romance fascinante que explica o desenvolvimento espiritual de uma pessoa e sua ascensão do nível animado ao humano.

Nós nem mesmo entendemos a profundidade infinita que os artigos do Rabash escondem. Somente quando subirmos a escada espiritual para a correção final, seremos capazes de avaliar como esse homem preparou todo o caminho para nós e que graus supremos ele descreve em seus artigos.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 12/09/21, ”Dia em Memória do Rabash”

Dias De Expiação

567.04Pergunta: Dez dias após o Ano Novo, chamados dias de expiação, começa o Yom Kippur, o dia da correção. Que correções estão ocorrendo nestes dias do ponto de vista da obra espiritual de uma pessoa que já está avançando?

Resposta: Uma pessoa que está avançando, verifica-se durante esses dez dias. Ela deve determinar claramente em que ela é diferente do Criador. Isso demonstra sua preocupação em observar as leis espirituais de equivalência com o Criador.

Dez dias simbolizam dez Sefirot, dez qualidades. Em cada qualidade, ela verifica como ela é diferente do Criador.

Pergunta: Ele pode verificar isso particularmente?

Resposta: Uma pessoa que existe no mundo espiritual é obrigada a fazer isso. Ela faz isso. No nível corporal, entretanto, isso permanece como um costume habitual e uma pessoa que não está envolvida no trabalho espiritual simplesmente pede para ter um bom ano.

De KabTV, “Estados Espirituais”

Ajude-nos A Nos Tornarmos Novas Pessoas!

239Todos os feriados simbolizam estados especiais na elevação espiritual de uma pessoa. Se trabalharmos como devemos, ano após ano, dia após dia, subiremos a escada espiritual mais e mais até alcançarmos a adesão completa com o Criador.

A ascensão acima do egoísmo é chamada de Pessach, a saída do Egito e a aquisição da força de doação é chamada de feriado de Shavuot.

Então a pessoa se julga e vê que não é capaz de dar, o que se chama 9 de Av. Então ela decide começar toda a sua vida de novo com uma nova relação com o Criador, que é chamada de Ano Novo, Rosh Hashaná.

E o mais importante é fazer um cálculo correto de como entrar nesse novo período, nesse novo tempo. Muitas vezes em sua vida, a pessoa quis mudar sua vida e, como se, começasse tudo de novo. Esse é um sinal do Dia do Juízo, Yom Kippur, um dos dias que a pessoa deve passar para alcançar a equivalência com o Criador.

Yom Kippur vem da palavra “expiação” (Kapara); é quando uma pessoa pede perdão ao Criador. Afinal, ela se testou e viu que muitas vezes teve a oportunidade de se corrigir e alcançar a adesão ao Criador, mas negligenciou isso e não conseguiu superar seu egoísmo.

Um mês antes do Yom Kippur, a pessoa começa a se controlar e vê que tem desejos egoístas de obter prazer para si mesma e não quer usá-los para se corrigir e se aproximar do Criador. E por isso pede perdão, percebe-se que naquele momento não teve força e oportunidade de superar seu orgulho e pedir ajuda. Afinal, toda a nossa correção consiste em pedir ao Criador o poder de correção.

Acontece que todo o nosso crime é que não pedimos ajuda e devemos pedir perdão por isso. “Lamento não ter pedido”, o que significa pedir ao Criador que nos perdoe por não nos voltarmos a Ele com um pedido para nos corrigir.

O Criador criou o egoísmo, mas o homem deve perceber que o egoísmo é o único mal que existe nele. Através do prisma deste mal, olhamos para o mundo inteiro e, portanto, o mundo inteiro parece ruim para nós. E de acordo com isso, nos relacionamos com o Criador porque toda essa imagem estragada do mundo supostamente vem Dele. Acontece que culpamos o Criador por tornar a nós e a este mundo tão maus.

Nesse momento, a pessoa não percebe que o Criador lhe deu o egoísmo e a capacidade de olhar através dele para o mundo inteiro, a fim de pedir ao Criador para corrigir este egoísmo e substituir a natureza má por uma boa.

Esse é o trabalho da pessoa. A única coisa que precisamos fazer é conhecer o mal contido em nós e perceber que o Criador o deu intencionalmente para que nos voltássemos a Ele e pedíssemos a Ele para substituir o egoísmo e a incapacidade de fazer boas ações, para corrigir todo o mal em bem.

Afinal, não existem forças boas em nós e não haverá se não as pedirmos ao Criador, e seremos capazes de sentir e ver o mundo inteiro através de um desejo bom. Então o mundo parecerá um verdadeiro paraíso para nós.

Portanto, todo o nosso trabalho é revelar nosso mal, a razão pela qual vemos o mal ao redor e dentro de nós, e nos voltarmos ao Criador para transformar esse mal em bem. Esse trabalho é feito pelo Criador e, portanto, é chamado de trabalho do Criador (Avodat Hashem). E o pedido para que o Criador faça isso é chamado de dia do arrependimento, Yom Kippur.

Acontece que esse não é um dia de luto, mas um dia de alegria porque julgamos a nós mesmos e vemos que, a fim de corrigir nossa condição, só precisamos pedir ao Criador para transformar o desejo mau com o qual Ele nos criou em um desejo bom.

Portanto, temos alguém a quem recorrer e o que pedir. E tudo depende apenas do nosso pedido. E todo o passado, quando éramos fracos e incapazes de fazer boas ações, éramos escravos confusos e insignificantes de nossa natureza que nos domina em tudo, tudo foi deliberadamente criado pelo Criador para nos mostrar nossa impotência e despertar em nós o desejo de libertar nós mesmos do nosso egoísmo e transformá-lo em doação.

Esse é o principal significado do Dia do Juízo, Yom Kippur, quando pedimos ao Criador que tire nosso desejo mau e egoísta e o transforme em um desejo bom e altruísta, em amor. Então subiremos de um buraco profundo até uma alta montanha.

Portanto, Yom Kippur é o dia mais significativo do ano, quando passamos todas as 24 horas pensando em como pedir perdão por nossas fraquezas, todo o mal que criamos em nosso egoísmo que foi dado pelo Criador. E já que decidimos que esse mal foi criado em nós pelo Criador, temos a oportunidade de nos voltar a Ele e pedir o poder do bem em vez desse mal. Como resultado desse pedido, ganharemos mais e mais forças do bem e nos elevaremos cada vez mais alto até o final da correção.

Acontece que cada um de nós e todos nós juntos devemos fazer esse trabalho não apenas uma vez por ano, em Yom Kippur, de acordo com o calendário, mas todos os dias e tanto quanto possível, devemos nos voltar ao Criador e pedir-Lhe para transformar nossa inclinação ao mal em uma inclinação ao bem. Na medida de nossa capacidade de nos voltarmos ao Criador e exigir essa correção, seremos capazes de nos tornar como Ele e alcançar a adesão e a perfeição com Ele, ou seja, o fim da correção.

É nisso que você precisa pensar e tentar implementar nas próximas vinte e quatro horas.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 15/09/21, “Yom Kippur – O Dia da Expiação”

“80 Anos Após O Massacre De Babi Yar – Nosso Dever Não Pode Ser Destruído” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “80 Anos Após O Massacre De Babi Yar – Nosso Dever Não Pode Ser Destruído

Em setembro de 1941, em apenas dois dias, os nazistas assassinaram 33.771 judeus na ravina Babi Yar nos arredores de Kiev, na então ocupada Ucrânia. Ao fazer isso, eles efetivamente eliminaram a população judaica na capital do país. Os judeus não se reuniram na ravina por vontade própria. Em 19 de setembro, os nazistas conquistaram a cidade e imediatamente começaram a reunir todos os judeus, com os habitantes locais os auxiliando ansiosamente. Uma vez na ravina, eles foram despojados de suas roupas, joias e documentos, em seguida, fuzilados e jogados no vale da morte. Montes de homens, mulheres e crianças foram enterrados lá, e sua história foi silenciada por muitos anos.

Os nazistas eram os assassinos, mas o que mais surpreendeu muita gente foi o entusiasmo com que os ucranianos os ajudaram. Até os nazistas ficaram perplexos com o ódio implacável dos habitantes locais, como eu tinha ouvido falar pessoalmente de pessoas que viveram na época em que o evento ocorreu.

No entanto, eu realmente não tenho queixas, nenhuma amargura ou raiva em relação a qualquer nação, por mais antissemita que seja. Já que eu entendo de onde vem o ódio, posso apenas apontar o dedo em sua fonte e pedir sua correção: nós mesmos, os judeus.

Desde o início de nossa nação, temos sido uma raridade entre os povos. Nossos ancestrais não eram parentes de sangue ou surgiram de uma única tribo, como geralmente é o caso com o nascimento de nações. Em vez disso, eles eram párias, rebeldes que não se davam bem com seu próprio povo porque faziam muitas perguntas ou eram muito obstinados. No final, eles encontraram um líder com a mesma opinião que os uniu sob uma ideologia única, que o Rei Salomão mais tarde captou com um único versículo: “O ódio desperta contendas, e o amor cobrirá todos os crimes” (Prov. 10:12).

Esse líder era Abraão, e a ideologia que ele desenvolveu cresceu e se tornou uma lei obrigatória de amor aos outros. Os detalhes dessa lei foram descritos na Torá e, com base na lei do amor aos outros, uma nova nação nasceu: o “Povo de Israel”.

O nascimento da nação israelense não foi um acaso. Ela veio ao mundo para provar que as pessoas podem se unir acima de todas as diferenças, que pode haver paz na Terra e que, ao nos elevarmos acima de nossas diferenças e ódios, desenvolvemos uma nova qualidade: a qualidade do amor aos outros, ao ponto de se amar o próximo como a si mesmo.

Outra singularidade que Israel possuía era o fato de que, para se tornar um judeu, você só precisava cumprir a lei de amar os outros. Era um vínculo interno com os outros que tornava você Israel, e aderir a ele era a fonte de força de Israel. Enquanto Israel o manteve, foi intocável; quando o abandonou, tornou-se fraco e vulnerável, e outras nações o conquistaram e afligiram. Mas o povo de Israel nunca foi totalmente eliminado, nem mesmo durante a Segunda Guerra Mundial, já que seu dever não pode ser destruído.

Assim que o povo de Israel se tornou uma nação, eles foram incumbidos de dar um exemplo de unidade acima da divisão. A Torá expressa isso com o simples ônus de ser “uma luz para as nações” (Isaías 49: 6), uma luz que ilumina o caminho para fora do ego que está devastando a humanidade e destruindo o planeta.

Mas falhamos com as nações e caímos no ódio infundado, profundo e constante uns dos outros, e o mundo não nos perdoará. É por isso que não existe uma nação que não seja antissemita em vários graus.

No entanto, nem tudo está perdido. Pelo contrário: assim que restabelecermos nossa unidade, o mundo mudará o que sente por nós. Você pode destruir os judeus, mas não pode destruir a missão dos judeus. Portanto, até que cumpramos nosso dever, nos tornemos a luz das nações ao nos unirmos acima do ódio interno, o mundo não nos aceitará nem considerará legítima a nossa existência na terra de Israel ou em qualquer outro lugar. Mas quando nos elevarmos acima da divisão, seremos de fato “uma luz para as nações”.

“Os Vinte Anos Obscuros Da Conferência De Durban” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Os Vinte Anos Obscuros Da Conferência De Durban

Durban é uma cidade portuária global na África do Sul, uma cidade repleta de influências de muitos países e imersa em uma mistura de diferentes culturas. É uma cidade de contrastes: arranha-céus modernos ao lado de áreas urbanas rodeadas de mercados, um passeio adornado com palmeiras ao longo de estradas escuras.

Apesar de toda a abundância e atmosfera multicultural que essa cidade tem a oferecer, o nome “Durban” carrega consigo uma conotação amarga para os judeus. Particularmente, as palavras “Conferência de Durban”. Vinte anos atrás, em setembro de 2001, a primeira Conferência de Durban, que deveria ser um evento para combater o racismo, a discriminação e a xenofobia, rapidamente se tornou um fertilizante potente no terreno do ódio contra os judeus e contra Israel em particular.

É claro que as sementes do antissemitismo não começaram lá, mas o fórum certamente acelerou e expandiu as acusações venenosas contra Israel como um “estado de apartheid”; ele impulsionou a desligitimização do estado de Israel e seu subsequente boicote através de movimentos globais como o BDS (boicote, desinvestimento e sanções).

Foi aí que o novo antissemitismo começou e o tratamento hostil de judeus e Israel irrompeu novamente com força total. O sionismo também se tornou sinônimo de racismo, e o Holocausto foi retratado não como uma atrocidade com o objetivo de destruir os judeus europeus, mas a justificativa para “os erros de Israel”.

Em 22 de setembro de 2021, um evento que marcará o vigésimo aniversário da Conferência de Durban será realizado em Nova York como parte da Assembleia Geral anual da ONU, mas, infelizmente, nada mudou para melhor nos últimos vinte anos. Eles são os mesmos lobos em pele de cordeiro.

Esse ano, também, quando pelo menos 16 países mostram apoio a Israel e estão boicotando o evento por causa de seu fedor antissemita ainda mais do que em conferências anteriores: não é um sinal real de progresso. Não acredito por um momento que esses países tendam a favorecer o Estado de Israel ou sejam simpáticos aos judeus onde quer que estejam.

Você pode comprar sorrisos falsos com dinheiro, mas o mundo não vai virar e mudar como resultado disso. É impossível resolver o fenômeno do antissemitismo antigo em conferências. É possível reunir de conferência em conferência, mas além de dinheiro e publicidade para promover agendas políticas ou para marcar que fizemos algo a respeito, nenhum benefício real sairá de tais eventos.

A única condição para a mudança é a autoconsciência do povo de Israel e uma nova atitude sobre nosso destino. O povo judeu foi fundado a partir de uma coleção de representantes de diferentes povos, uma composição de diferentes elementos, igualmente comprometidos com a unidade e o amor ao próximo.

O antissemitismo é o ressentimento contra nós pelas nações do mundo. Elas acham que os judeus guardam o segredo para um futuro melhor, mas que não estamos abrindo o tubo para que essa bondade flua para todos os povos. Inconscientemente, o mundo espera que nós, judeus, nos conectemos uns com os outros, estejamos unidos e alcancemos um forte sentimento de amor pelos outros. Se agirmos dessa forma, seremos uma luz para as nações, espalharemos luz e não escuridão, amor em vez de ódio. Só assim erradicaremos as hostilidades contra nós.

Nossa missão é trazer o método de conexão para promover a unidade e consideração mútua. Se nos dedicarmos a essa tarefa e nos conectarmos sobre as diferenças entre nós, sobre os elementos que nos separam, sobre a etnia e o partidarismo que nos separam por dentro, seremos uma nação exemplar para todos os povos.

Mesmo o primeiro pequeno passo em direção à unidade entre nós despertará uma força de conexão mais forte, uma força suprema que é essencial para todos nós. Então, a direção mudará de ruim para boa. Como está escrito: “Recebemos a ordem de, a cada geração, fortalecer a unidade entre nós, para que nossos inimigos não nos governem” (Rabino Eliyahu Ki Tov, O Livro da Consciência).

Aprendendo Com Os Erros

41.01Nem sempre é possível para uma pessoa superar seu desejo egoísta e se elevar acima dele. Isso significa que sua inclinação para doar ainda é muito fraca em comparação com seu grande desejo de receber. Portanto, ela se sente desapontada por não poder receber os resultados de seu trabalho dentro do egoísmo.

De acordo com o programa da criação, sua alma já deve ter progredido para o desejo de doação e em vez de ser direcionada a si mesma para ser direcionada ao Criador. Portanto, é mostrado a ela que ela cometeu um erro em alguma parte do processo espiritual. Ela precisa verificar onde estava esse erro para ter sucesso na próxima vez. A próxima vez pode ser em alguns segundos ou minutos.

Se não vejo sucesso em meu caminho espiritual, ainda não estou pronto para isso, e agradeço ao Criador por me mostrar que ainda não sou capaz de progredir diretamente, mas apenas de erro em erro. Aprendemos assim na escola: primeiro escrevemos, depois trabalhamos os erros cometidos e aos poucos fomos progredindo.

O mesmo é verdade no avanço espiritual, até o final da correção, sempre revelamos nossos erros e avançamos sobre eles. Todo o nosso avanço se baseia no fato de revelarmos os erros e aprendermos com eles.

Está escrito: “Mil vezes os justos cairão e se levantarão novamente”. Somente como resultado da queda, revelamos nosso erro, o corrigimos e subimos para o próximo estado. No próximo estado, tentamos fazer algo, errar, cair, revelar a queda, o erro, o motivo do fracasso, corrigir nossa atitude e subir.

É assim que acontece todas as vezes, portanto está escrito: “Mil vezes os justos cairão e se levantarão novamente.” Não pense que você vai subir os altos degraus da escada espiritual como se estivesse em uma escada rolante. Sempre haverá uma queda primeiro para que você entenda por que caiu e se corrija.

Precisamente ao corrigir as quedas, estamos examinando os Reshimot. Como no mundo de Adam Kadmon, quando AB e SAG nascem de Galgalta.

Por que o Partzuf se desenvolve? Porque sente sua fraqueza e incapacidade de receber luz. Portanto, é impossível avançar sem cair. É a queda que revela um desejo de receber mais profundo escondido em uma pessoa, qualidades mais sutis e profundas, e ajuda a avançar.

É o mesmo em qualquer profissão: primeiro, revelamos os problemas e deles chegamos à quebra e à correção. Não há escolha, os seres criados podem alcançar o perfeito apenas a partir do imperfeito. Quanto mais avançamos, mais imperfeições vemos no Criador e, ao mesmo tempo, descobrimos que isso é exatamente o que é a perfeição se olharmos para ela com olhos corrigidos.

De KabTV, Lição Diária de Cabalá, 11/09/21, “Fé Aacima da Razão”

“Qual É O Conselho De Vida Mais Simples Que Você Pode Me Dar?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É O Conselho De Vida Mais Simples Que Você Pode Me Dar?

O primeiro e mais simples conselho são as regras bem conhecidas: “O que você odeia, não faça ao seu amigo” e “Ame o seu próximo como a si mesmo”.

Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

Yom Kippur – O Calendário E O Espiritual

294.1Pergunta: O que significa “Yom Kippur”?

Resposta: Yom Kippur é Ki Purim, como o dia de Purim. “Kippur” significa “expiação”, “Purim” vem da palavra “Pur”, que significa destino.

Portanto, Yom Kippur revela todos os nossos pecados que devemos corrigir gradualmente. De Yom Kippur a Chanucá, corrigimos nossos desejos de doação a fim de estarmos apenas em doação, e de Chanucá a Purim, também corrigimos as qualidades de recepção para que sejam destinadas à doação. Assim, chegamos ao feriado de Purim.

Existem certas proibições no Yom Kippur: as pessoas não bebem, não usam roupas de couro e assim por diante. Isso significa que encontramos inclusões egoístas em todos os nossos desejos e, portanto, não podemos usá-los.

Os cinco tipos de proibições correspondem aos cinco tipos de restrições porque nosso desejo egoísta consiste em cinco graus. Cada grau corresponde a comida, bebida, roupa e assim por diante.

Pergunta: Por que é proibido usar roupas de couro neste dia?

Resposta: Roupas (Levush) significa que você tem um Kli (vaso), uma certa correção, e pode usar essas roupas. No entanto, você descobre que todos os seus desejos são egoístas e, portanto, não pode usá-los. Existe uma proibição de usar desejos não corrigidos.

Em seu avanço espiritual, um Cabalista cumpre essas proibições, ou seja, restrições aos seus desejos, controla a si mesmo e age dessa maneira.

Pergunta: Também precisamos observar isso em nosso mundo?

Resposta: Claro, em nosso mundo, isso existe como um costume. Caso contrário, eles não teriam sido transmitidos de geração em geração para o povo e existiriam apenas entre os Cabalistas que entendem sua essência e agem dessa maneira. Além disso, os Cabalistas não fazem isso na data do calendário de Yom Kippur, mas sempre que estão nesse estado.

Pergunta: O que um Cabalista pede neste dia?

Resposta: Ele pede ao Criador para ajudá-lo a sair dos limites de seu egoísmo. Ele não tem outros pedidos.

Pode haver apenas dois tipos de apelos ao Criador: o primeiro é com gratidão por ter recebido um trabalho tão especial e o segundo é com um pedido de força para subir ainda mais alto à qualidade de doação.

De KabTV, “Estados Espirituais”

“O Que Um Jovem Adulto Deve Ler, Ver Ou Experimentar Para Despertar Um Forte Desejo E Conhecimento De Se Tornar Um Transformador Do Mundo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que Um Jovem Adulto Deve Ler, Ver Ou Experimentar Para Despertar Um Forte Desejo E Conhecimento De Se Tornar Um Transformador Do Mundo?

Não importa o quão egoístas sejamos, contemos várias forças altruístas. Podemos desenvolver essas forças altruístas por meio de uma influência dirigida especial de cultura, educação, ciência e criação. Essa é a essência do que devemos priorizar como sociedade.

Cada um de nós deve receber uma explicação sobre o fato de que a sociedade humana é integral e unificada. Precisamos existir em unidade, em amor mútuo de acordo com o princípio, “Ame o seu próximo como a si mesmo”.

É aqui que devemos orientar a nossa literatura, cinema e meios de informação de massa. É o que devemos discutir na sociedade e devemos priorizar essas influências para que se tornem de extrema importância para nós. Ao fazer isso, cada um de nós será valorizado apenas por nossa contribuição para a sociedade.

Então, a geração jovem definitivamente ficará permeada por ouvir e ver exemplos maravilhosos de contribuições positivas para a sociedade de todas as direções. Afinal, somos obrigados pela influência social, e é por isso que nos obrigamos a cuidar da sociedade. Como resultado, nossa atitude um para com o outro se tornará altruísta e alcançaremos o equilíbrio com a lei geral da natureza, a lei de amor e doação, e subiremos acima da vida materialista para a vida espiritual.

Baseado em Q&A com o Cabalista Dr. Michael Laitman em 9 de setembro de 2006. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.