O Centro Da Dezena É O Vaso Espiritual

laitman_962.5Não preciso apagar meus sentimentos como se eles não existissem. Se eu me tornar um zero absoluto a fim de não pensar em mim mesmo, eu destruo toda a profundidade do desejo. Eu preciso, pelo contrário, me elevar acima do meu egoísmo. Caso contrário, acontece que eu sou zero, e o Criador é um pouco mais que zero e nada mais. 1

É insuficiente simplesmente decidir que não há mais ninguém além do Criador. É preciso uma força especial de fé para me elevar um pouco acima de mim. Caso contrário, posso dizer o quanto quero que não haja mais ninguém além da força superior, mas isso não vai me ajudar. No entanto, atribuirei tudo a mim ou aos outros.

Portanto, nós fazemos esforços para nos conectarmos no centro da dezena, no ponto em que cada um se anula em relação aos outros, em conexão e em relação ao Criador. Assim, atraímos gradualmente a luz que reforma que executa essa ação sobre nós. 2

Cada um de nós diz palavras bonitas e corretas, mas não conectamos nossas inclinações ao Criador e, portanto, não podemos oferecer a Ele nosso desejo comum (Kli), dando-Lhe a oportunidade de revelar a Si mesmo e nos divertir. Nossos desejos não se conectam e, portanto, não podem revelar o Criador. Individualmente, tudo está correto, mas não há conexão suficiente.

Dez pessoas sentam-se juntas e cada uma fala com o coração, mas não estamos conectados. O problema é que não conectamos nossa aspiração ao Criador e nossa conexão um com o outro, não vemos que eles sejam um só coisa. A conexão correta entre nós é a conexão com o Criador.

Devemos tentar nos aproximar de um amigo sensorialmente e, dentro dessa conexão, imaginar o Criador, a qualidade de doação e amor que quero descobrir entre eu e o amigo. Até agora, pelo contrário, existe uma barreira entre nós: a quebra ao invés da conexão, o ódio ao invés do amor.

Temos que conectar tudo isso junto: adesão com o Criador, revelação de que não há outro além Dele, e conexão entre amigos e fé acima da razão. Tudo se conecta na adesão entre nós e o Criador.

Por cada uma de nossas ações de pensamento e desejo, devemos atrair, convidar o Criador para nos controlar, tentar sentir e descobrir Seu governo. Devemos planejar nossos pensamentos e ações para que sejam direcionados à revelação do governo do Criador sobre tudo o que está acontecendo. Tal ação é chamada de mandamento.

Nossa aspiração ao centro da dezena é direcionada exatamente para que, através de nossos esforços comuns, façamos o Criador governar sobre nós. 3

Gradualmente, começaremos a revelar que existe um conceito dentro da dezena. Anteriormente, não pensávamos nem pretendíamos revelá-lo, mas agora vemos como é importante que este seja o centro, o principal objetivo do nosso trabalho. O centro da dezena é o templo, o vaso espiritual. Cada um individualmente não é um Kli, mas apenas todos nós juntos, corretamente conectados e dirigidos à doação ao Criador. Na medida em que desejamos alcançar esse centro, começaremos a sentir como o Criador está nos gerenciando a partir dele. 4

Ansiando pelo centro da dezena, nós abordamos nosso estado corrigido que já existe à nossa frente, o bom futuro que está diante de nós. Na medida em que fazemos esforços para imaginá-lo o melhor e o mais correto possível, e desejamos alcançar essa conexão com amor e ajuda mútua, entramos no próximo quadro, na futura imagem. É assim que avançamos passo a passo, grau após grau.

Tentamos imaginar o estado correto e pedimos ao Criador para corrigir nossa direção. O Criador é o nosso principal ajudante. Todo o caminho já está pavimentado até o final da correção, mas precisamos segui-lo para sentir o quanto precisamos do Criador. Todos esses estágios são apenas os meios, a razão de se voltar a Ele. Juntando-O ao nosso progresso, percebemos corretamente a correção.

Portanto, o objetivo principal não é o estado futuro em si, mas a conexão com o Criador necessária para alcançá-lo. O próprio estado é apenas uma razão, afinal, eu não preciso desse estado, mas do Criador. 5

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 22/11/19, “O Centro da Dezena”

1 Minuto 56:00
2 Minuto 59:00
3 Minuto 1:23:33
4 Minuto 2:00:00
5 Minuto 2:22:40

“Por Que Os Israelenses Que Vivem Em Israel Não Sentem Antissemitismo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Por Que Os Israelenses Que Vivem Em Israel Não Sentem Antissemitismo?

Nós judeus somos pessoas com um ego aumentado, que diminui o sentimento dos outros e aumenta o sentimento de nós mesmos.

De onde vem esse ego aumentado?

Ele vem de nós judeus que já experimentamos estados elevados de unidade, a partir do grupo diversificado de babilônios de Abraão que descobriram a lei da natureza juntos (“ame o seu próximo como a si mesmo”), que nos concedeu o nome “Israel” (“Yashar Kel , ou seja, “dirigido à força única de amor e doação que habita na natureza”), e desde então caiu dessa sublime unificação para as camadas mais profundas do ego do que outras nações.

Portanto, alimentar o ego com os prazeres que ele exige se torna nossa principal preocupação, assim como qualquer outra pessoa, mas com uma direção autodirecionada naturalmente mais intensiva do que outras, diminuindo nossa sensibilidade para com os outros da mesma maneira.

É importante entender que estamos discutindo um fenômeno natural, descrevendo as características naturais de certos povos – uma qualidade que surgiu especificamente devido aos nossos ancestrais terem experimentado estados elevados de unidade, harmonizados com a natureza – e já que estávamos em estados superiores de amor e doação devido à nossa conexão baseada em uma ideia de unificação, perdemos a consciência dessa unidade e agora afundamos nas profundezas do ego.

Outra maneira de descrever esse ego aumentado é que já sentimos prazeres maiores do que este mundo inteiro tem para oferecer, prazeres espirituais e, como nos separamos da espiritualidade, agora buscamos prazeres mais elevados, mas afastados da espiritualidade, em nossos desejos corporais por comida, sexo, família, dinheiro, honra, controle e conhecimento.

Portanto, depois de anos dispersos entre outras nações, nos sentimos hoje no Estado de Israel como em nossa própria fortaleza. Sentimos como se tivéssemos voltado para casa, protegidos por um exército forte, e esperamos que ele permaneça calmo o suficiente como está agora, e não queira ouvir mais nada.

É um problema, porque com essa atitude, simplesmente colocamos escudos à nossa volta o melhor que podemos e, finalmente, esperamos ser atacados para começar a nos unir contra quaisquer ameaças à nossa calma ilusória.

Ao fazer isso, deixamos de reconhecer que existem certas leis da natureza agindo, que têm suas próprias demandas: que a sociedade humana comece a tomar medidas ativas em direção à união – percebendo positivamente a forma interconectada e interdependente da própria natureza – e nós judeus temos a chave para uma nova direção positiva para tal unidade, já que alcançamos a unidade antes na história, em tempos de divisão social semelhantes aos de hoje.

Como os israelenses que vivem em Israel não sentem antissemitismo, os judeus no exterior também não veem muitos sinais apontando para outro holocausto.

Continuar na mesma linha em que estamos pisando não ajudará. Hoje, podemos ver padrões históricos claros mostrando como estamos em outro caminho para uma tragédia generalizada.

Tudo depende de quanto nós, judeus, queremos abrir nossos olhos para ver que uma transição para um futuro harmonioso ou um declínio contínuo em um cataclismo está em nossas mãos. Até que acordemos com o que nos torna judeus – nossa unidade (“ame o seu próximo como a si mesmo”) acima da divisão (“o amor cobrirá todas as transgressões”), a fim de sermos um canal para a unidade se espalhar pelo mundo (“luz para o nações”) – nenhuma mudança positiva ocorrerá.

Assim como o maior Cabalista do século XX, Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), clamou para que os judeus em Varsóvia na década de 1930 deixassem a Polônia, porque previu a carnificina que estava por vir, e eles se recusaram a ouvir seus conselhos, pensando que tudo ficaria bem (eles acabaram no Holocausto) e, além disso, o forçaram a sair da Polônia … assim é hoje.

No entanto, a diferença entre o crescente sentimento antissemita da década de 1930 e o mundo moderno é que o antissemitismo de hoje é global. Hoje, mesmo países com basicamente nenhum judeu têm fortes tendências antissemitas, como Coréia do Norte e do Sul.

Assim, tudo depende de quanto a solução final para o antissemitismo desperta na consciência humana: onde nós, judeus, entenderemos a causa profundamente enraizada do antissemitismo e começaremos a nos ajustar a uma maior unificação entre si. Um pequeno despertar do nosso dever de nos unir, e já veríamos o início de uma grande mudança positiva na consciência humana.

“Como Alcançar O Preenchimento Que O Dinheiro Não Pode Comprar” (Kabnet)

A KabNet publicou meu novo artigo: “Como Alcançar O Preenchimento Que O Dinheiro Não Pode Comprar

Nas últimas duas semanas, todo mundo falou sobre a Black Friday, mas eu não fui movido para fazer compras. Os varejistas registraram vendas recorde, as maiores da história dos EUA, na Black Friday e na Cyber ​​Monday, que atingiram US $ 16,8 bilhões combinados este ano.

O consumismo americano também influenciou o mundo, mas acabei com a loucura de adquirir quantidades infinitas de coisas há 20 anos, depois de uma experiência em primeira mão da poderosa influência da sociedade sobre uma pessoa para comprar itens.

Isso aconteceu em Las Vegas. Eu estava parado na entrada de um hotel chique. À minha frente, os turistas corriam para o salão principal, onde novos aparelhos de som estavam à venda por US $ 99, uma ocorrência sem precedentes na época.

“Atualmente, estamos passando por um grande processo de transição. Nesse processo, sentimos o fracasso de tentar nos satisfazer com bens materiais e viajar”.

Eu não precisava de um aparelho de som e tinha certeza de que não o usaria. Mas quando olhei em volta e vi letras vermelhas impressionantes tremulando a palavra “Liquidação!” em enormes sinais, e o locutor chamando incessantemente que era uma economia de US $ 200, eu perdi momentaneamente meu autocontrole e me vi balançando uma nota de US $ 100. Isso aconteceu enquanto dezenas de turistas ao meu redor convergiam para os pacotes de aparelhos de som, como se fossem enlatados sendo anunciados antes de uma guerra.

Black Friday, ou Cyber ​​Monday, ou qualquer grande evento de vendas, aponta para um fenômeno mais profundo do que apenas comprar produtos mais baratos: a influência da sociedade sobre uma pessoa.

Como A Influência Social Pode Despertar Uma Pessoa Que Não É Um Consumidor Regular Para Gostar De Procurar E Comprar Itens Em Liquidação

A satisfação de comprar desperta a sensação de renovação e felicidade que justifica cada centavo. Compramos o sentimento de confiança. Isso quebra nosso sentimento de solidão e vazio.

Em retrospecto, quando o extrato mensal chega, percebemos rapidamente que a maioria de nossas compras surgiu não de necessidades reais, mas de necessidades sociais competitivas que estavam “flutuando no ar”, por assim dizer, sobrecarregando-nos em um fervor momentâneo. De fato, se não fosse a pressão social, nosso desejo de comprar diminuiria.

No entanto, não há nenhum problema com as compras. É ótimo ver as pessoas desfrutando de uma atividade coletiva, porque, ao fazer isso, aprendem como sua participação lhes dá uma sensação de prazer e empoderamento. No entanto, além dos desejos materialistas, se procurarmos uma camada mais profunda, os feriados de compras expressam sinais de comunicação entre as pessoas: a tendência à conexão latente em todas as pessoas. Essa tendência desperta quando há uma oportunidade de executar uma atividade coletiva da qual podemos desfrutar.

Em questão de dias ou semanas, a maioria dos itens seria devolvida, armazenada ou descartada, como mostram os dados, mas o desafio do esforço conjunto permaneceu gravado na memória das pessoas.

Portanto, podemos esperar que vários dias focados nas compras nos deixem uma impressão, através da qual reconheceremos a necessidade de fortalecer nossas conexões. Poderemos então dizer que aproveitamos a cultura do consumo ao serviço do povo, e não vice-versa.

A Busca Interminável Por Prazeres

A natureza humana é o desejo de receber prazer. Ele nos leva a buscar constantemente fontes de prazer e nos leva a uma armadilha: assim que o desejo é realizado, um desejo maior surge e, mais uma vez, o vazio e a falta dominam nossas vidas.

No passado, as pessoas encontravam prazer não apenas no ato de fazer compras, mas no próprio processo de anseio e aquisição de coisas. Também nas viagens, independentemente dos lugares visitados, a degustação simples de lugares diferentes era emocionante.

A dificuldade que enfrentamos para experimentar certos prazeres nos fez valorizá-los mais. Na era moderna, no entanto, o mundo pode ser acessado instantaneamente através de nossos smartphones. Portanto, o acúmulo de bens materiais se torna menos atraente quando a antecipação da compra é reduzida em um instante impulsivo.

A Fonte Do Preenchimento Verdadeiro E Duradouro

Atualmente, estamos passando por um grande processo de transição. Nesse processo, sentimos o fracasso de tentar nos preencher com bens materiais e viagens.

Quanto mais abundante o nosso mundo se torna com aparelhos e produtos, mais vazios, mais solitários, mais deprimidos, ansiosos e estressados ​​nos tornamos. Hoje experimentamos cada vez mais sensações negativas porque vemos a falta de propósito, a falta de sentido e o vazio de nossas realizações.

Muitos problemas na sociedade humana desempenharão seu papel de conscientizar sobre o porquê de não conseguirmos uma forma autêntica e duradoura de satisfação. No final, perceberemos que a solução está em uma mudança fundamental de nossos valores: de valores competitivos, individualistas e egoístas para valores cooperativos, conectados e altruístas.

Quando o desejo de desfrutar é redirecionado, quando paramos de tentar nos realizar individualmente e começamos a tentar satisfazer os outros, embora não vejamos nenhum benefício direto em satisfazer os outros, é a chave para a felicidade sem fim.

Os Cabalistas descobriram que, por trás do que imaginamos como prazer, existe uma fonte de felicidade, um desejo oposto à nossa própria natureza, que é uma qualidade de doação, amor e conexão. Quando tentamos imitar essa qualidade, tentando dar, amar e conectar-se positivamente com os outros, ela atua sobre nós, mudando-nos gradualmente, equilibrando-nos cada vez mais com a natureza original de doação, amor e conexão.

Além disso, quanto mais nos equilibramos com os outros, mais felizes nos tornamos. Tal felicidade não é moda passageira.

É ilimitada e eterna.

Família E Casamento, Parte 12

laitman_222Os Cônjuges São Os Companheiros Mais Próximos

Pergunta: As descidas e subidas são revelações do Criador?

Resposta: Certamente. Não posso desejar revelar o Criador a partir de bons estados, apenas se me sentir mal. Qualquer pessoa que esteja envolvida na exaltação espiritual não se apressará em avançar, a menos que esteja, por assim dizer, abalada e perturbada. Uma pessoa age apenas sob a influência de duas forças.

Portanto, é muito importante na família que haja dois cônjuges. Os cônjuges são os companheiros mais próximos que podem ajudar e complementar um ao outro, sugerir um ao outro, assumir responsabilidades um do outro. Portanto, diz-se que eles são como um corpo.

Pergunta: Você não disse antes que um marido pode revelar sua realização mais secreta à esposa?

Resposta: Não há problema em compartilhar tudo com sua esposa, dependendo de suas conexões, mas não com os amigos do grupo.

Pergunta: O que você recomendaria se um dos cônjuges estivesse envolvido com a Cabala e o outro não?

Resposta: Se sua família não seguir o mesmo caminho, não a envolva em seus problemas. Percorra todos os seus estados com calma para que eles não os sintam. Dê-lhes a oportunidade de viver confortavelmente. Você terá sua própria vida espiritual; com eles você se comunicará formalmente.

Pergunta: Portanto, não devemos pressionar um cônjuge que não deseja se envolver na Cabala?

Resposta: Nem um pouco. Não há coerção na espiritualidade.

De KabTV, “Fundamentos da Cabala” , 01/01/19

Nova Vida # 1172 – Lidando Com Sentimentos Negativos

Nova Vida # 1172 – Lidando Com Sentimentos Negativos
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

A cura para a depressão é a alegria de descobrir a razão de tudo o que acontece conosco, a fonte de toda a vida. As emoções negativas nos dominam por causa da natureza egoísta de desfrutar que nos levou à construção de um mundo hostil e maligno. Hoje, ninguém está satisfeito e os sentimentos negativos estão se intensificando. As emoções negativas despertam em nós, para que mudemos construindo um bom ambiente no qual sentiremos e realizaremos o que é bom para os outros. O sistema da natureza nos dá sentimentos negativos, para que possamos equilibrá-los com relacionamentos positivos. A sabedoria da Cabalá nos ensina como criar relacionamentos que se adaptam ao sistema da natureza.

De KabTV, “Nova Vida # 1172 – KabTV – Lidando Com Sentimentos Negativos”, 29/10/19

Estique Um Fio Do Meu Coração Até O Criador

laitman_263Todos precisam ver como podem despertar de um estado oposto: encontrar força, evidência, preparação interior, para que, a partir do estado mais distante, possam despertar a si mesmos e se aproximar da espiritualidade até começarem a sentir o despertar e a força interior, uma nova vida. O importante é a diferença entre a queda, da qual começamos a despertar o desejo pelo Criador em nós mesmos, e a ascensão, isto é, o início do trabalho e sua conclusão, a capacidade de nos transferir de um polo para outro.

Isso significa que em todos os estados nós controlamos esse ponto, visando o Criador, lutando em direção a Ele, elevando esse ponto de conexão cada vez mais alto. É dos estados mais distantes e insignificantes, como se completamente desconectados do Criador, que a pessoa deve tentar despertar a aspiração no coração e na mente, esticar um fio para o Criador e, ao mesmo tempo, envolver-se externamente em todo trabalho e assuntos necessários que não têm nenhuma relação com a espiritualidade.

Agora, eu estou preocupado com pensamentos sobre meu trabalho, família, mundo, sobre tudo em que tenho um interesse egoísta natural. Mas junto com isso, deve haver mais um desejo em mim através da força direcionada ao Criador: o vetor de minha aspiração de alcançar conexão com Ele. Eu tenho que esticar um fio do meu coração para o Criador no fundo da minha vida comum.

Então, neste tópico, eu preciso amarrar o grupo, o centro da dezena, todos os sistemas com os quais me conecto com o Criador. Estou cada vez mais ligado ao Criador através da dezena, juntamente com tudo o que faço neste mundo.

A aspiração é uma força emergindo de mim na direção do Criador, um vetor direto, meu desejo de alcançá-Lo pelo caminho mais curto e tocá-Lo, para fazer uma conexão com Ele. Este tópico se transformará em uma escada de 125 etapas para mim, nas quais viverei e revelarei Partzufim e mundos espirituais, que é a oportunidade de ajudar e desenvolver a comunicação com o Criador quantitativa e qualitativamente, expandindo o canal de comunicação.

O grupo deve criar uma atmosfera interna para que todos tenham esse desejo. Então, lembrarei e voltarei a este trabalho de qualquer estado até que se torne um hábito. Este é um exercício necessário voltado diretamente para o objetivo: construir um canal de comunicação.

Os distúrbios que me desviam adicionam ao meu ego. Voltando com essa força, eu colo todos nesse fio, fortalecendo o vínculo. 1

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 18/11/19, Endurecimento do Coração – Um Convite para Construir um Anseio pelo Criador

1 Minuto 2:20

Exija Da Dezena

laitman_938.03Pergunta: Qual deve ser a exigência à dezena para não causar dano em primeiro lugar? Quando deve ser um pedido e quando uma exigência?

Resposta: Se eu exigir unidade da minha dezena, mesmo egoisticamente, para que eu possa ser incluído entre eles e é assim que recebo a influência do Criador. Funciona. De uma chance.

Aqui não transcendemos os limites de nossos desejos egoístas, mas vemos que funciona. Portanto, exija de sua conexão egoísta na dezena, não importa o que, se é que você pode existir nela para se esquecer de si mesmo e sentir a dezena. Isso é tudo, nada mais é necessário.

Nesta medida, você começará a sentir o Criador na sua dezena. Você descobrirá o Kli (vaso), e tudo se moverá a partir desse ponto.

Pergunta: Como faço para formular um pedido para que não seja uma manipulação, mas um pedido?

Resposta: Você sentiu algum tipo de conexão no congresso?

Observação: Sim.

Meu Comentário: É para isso que você se esforça. Este é o seu pedido. Você não poderá formulá-lo por muito tempo. Posteriormente, você poderá ter formulações não na forma sensorial, mas na forma de um desejo (Aviut), tela (Masach), luz refletida (Ohr Hozer) etc., isto é, na forma de termos completamente diferentes: material e físico-técnico.

Da Lição 7, Convenção Mundial de Cabalá na Moldávia 08/09/19 , Juntando Todos os Estados Rumo ao Criador

“A Mídia Prosperando Numa Sociedade Cada Vez Mais Egoísta” (Kabnet)

A KabNet publicou meu novo artigo: “A Mídia Prosperando Numa Sociedade Cada Vez Mais Egoísta

Dê um passo atrás para ver por um momento a sociedade humana em todo o mundo como um corpo humano. O que você veria? Veria o sistema imunológico funcionando mal e os órgãos que deveriam estar formando um corpo unificado e saudável se desintegrando.

Os problemas pessoais, sociais e globais estão em ascensão, desde depressão, estresse, solidão, vazio, ansiedade, xenofobia, abuso de drogas e suicídio, passando pela igualdade de renda, pobreza, mudança climática e desastres naturais. Apesar dos inúmeros esforços para lidar com esses problemas, há uma camada mais profunda envolvente para todos eles que exige atenção.

Qual é a camada mais profunda? Não é outro senão o ego humano, isto é, o amor próprio e a preocupação pessoal exagerados em todos os órgãos, provocando a degeneração de todo o organismo.

O ego humano passou por um surto recente de crescimento, atingindo níveis recordes: destacou-se de todas as normas anteriormente aceitas, livre da lei e da ordem, e atropela cruelmente estruturas estabelecidas.

Quem pode resistir ao ego quando ele infla seu peito orgulhosamente? Que lei irá bloqueá-lo? Que fator pode impedi-lo?

A Mídia numa Sociedade Egoísta

O ego tem um forte apoio: a mídia.

Hoje, a mídia, e a mídia social em particular, desfruta de influência e poder generalizados que nunca teve antes. A qualquer momento, a opinião pública pode ser desviada de uma maneira ou de outra. Com uma sacola cheia de dinheiro, você pode comprar espaços publicitários, publicações patrocinadas e outros meios de comunicação, sacudindo o que quiser na frente das pessoas.

O dinheiro pode comprar fama, e a fama pode dominar tudo. Dia após dia, um lava o outro, até que todos são gradualmente enfraquecidos e se rendem, e a consciência de todos os órgãos – a polícia e os advogados, os educadores e os juízes, os líderes e os cidadãos – todos caem diante da mídia. Dia após dia, a doença do corpo aumenta; o cuidado com outras pessoas diminui, o ódio por outras pessoas se torna maior e o câncer corroendo o corpo da sociedade humana prolifera em direção à morte do corpo.

Uma Direção Positiva para a Mídia Rumo ao Futuro

A mídia em todo o mundo precisa ser informativa e objetiva, não cativa nas mãos de pessoas e grupos com interesses de riqueza e poder. Ela deveria conhecer seus limites. A mídia tem o papel de nos unir e servir como um instrumento projetado para conectar todos os órgãos em um único corpo saudável.

Quão bom seria se todas as diferentes partes da sociedade se sentassem juntas – a esquerda e a direita, a religiosa e a secular, representativa de todos os diferentes grupos de interesse e os que estão à margem da sociedade – e todos trabalhassem juntos para um chefe: o benefício do público. Todas as suas decisões responderiam a isso e sozinhas. Toda opinião teria seu próprio espaço, nenhuma opinião seria subjugada e nenhuma voz seria silenciada. Eles se sentariam e discutiriam em um amplo fórum, discutiriam posições com especialistas, investigariam os dados, discutiriam e iriam compor até chegarem a uma decisão comum e a uma mensagem comum a ser disseminada.

Uma nova regra orientaria o trabalho deles: publicar notícias e conteúdo que contribuam para o bem-estar do público, que busque unir a sociedade humana. Ninguém teria o direito de debilitar outra opinião, mas apenas equilibrá-la com outras posições e guiar os vários pontos em direção à complementaridade mútua. Se a mídia não chegar a um acordo, nenhum anúncio público será feito. Por outro lado, somente quando a informação beneficiasse a todos ela seria divulgada. Esse pluralismo da mídia começaria o processo de curar a doença de uma sociedade fraturada.

Uma Direção Positiva para a Liderança Rumo ao Futuro

No entanto, não apenas a mídia deve agir em uníssono, mas também a liderança. Se todas as visões procurassem se complementar, abririam um caminho de ouro. Representantes de todos os diferentes setores do público sentariam em torno de uma mesa redonda e buscariam se tornar um modelo unificador para a sociedade atual. Tal liderança seria considerada uma verdadeira democracia: o governo do povo, o governo da maioria, o governo da representação eleita.

O estágio essencial e decisivo seria levar os participantes a se sentirem unificados e criar uma sinergia com as opiniões divergentes. Precisamente quando os opostos alcançam aceitação mútua, a sociedade alcança um novo estágio de desenvolvimento. Essa liderança é o que nosso mundo global e interconectado precisa hoje.

A introdução de uma regra justa e igualitária pode tomar decisões por todos com base no conhecimento de que beneficiariam todo o corpo. Em uma sociedade assim, não haveria necessidade de uma estrela que subisse hoje e caísse amanhã, mas seria suficiente ter um círculo de tantas opiniões diversas quanto possível. Seria o cérebro do corpo da sociedade, e todos o seguiriam de bom grado.

Com essa liderança, ninguém seria convidado a desistir de sua opinião particular. Permaneceria e seria enriquecido por outras ideias diversas e até opostas. A nova situação, que incluiria todas as contradições possíveis, daria origem a um novo desenvolvimento, dando a todos um lugar igual na sociedade. A contribuição única de todos estaria lá para todos verem. Esta é a maravilha da criação mútua.

Assim como todas as células, órgãos ou sistemas do corpo humano atuam sabiamente juntos para garantir o sustento e a saúde de todo o corpo, todas as opiniões se entrelaçam para finalmente beneficiar todo o corpo da sociedade humana.

Embora pareça uma fantasia utópica imaginar a liderança da mídia e da sociedade trabalhando em tal unificação, é apenas pelo fato de ainda não termos implementado nenhum método para conectar-se dessa maneira. O método que pode possibilitar essa conexão positiva repousa no método que Abraão trouxe ao mundo cerca de 3.800 anos atrás: a sabedoria da Cabalá. Apenas um pequeno esforço para analisar essa sabedoria com uma mente renovada, e logo se tornará evidente que existe um método capaz de conectar positivamente a sociedade humana, diagnosticando a causa principal de todos os problemas modernos e oferecendo um método para resolvê-los, trazendo assim uma existência harmoniosa para todos.

Masculino E Feminino, Parte 6

laitman_423.01O Que Vemos Em Outras Pessoas?

Pergunta: Hoje, mais e mais pessoas podem viver sem uma família. No entanto, ninguém cancelou completamente a família ainda.

Do ponto de vista da percepção da realidade, os Cabalistas aconselham aprender a não ver qualidades negativas no cônjuge que, de fato, não lhe pertencem, mas a entender que elas são causadas pela minha atitude em relação a ele. Como podemos aplicar esse princípio na prática?

Resposta: Está escrito em muitas fontes que uma pessoa não vê nada fora de si, a não ser seu reflexo nos outros. Isto é, nunca vejo as qualidades de outra pessoa ou mesmo animais, plantas ou qualquer coisa.

Eu sempre vejo a impressão das minhas qualidades em qualquer objeto, e especialmente no que está na minha frente com quem vivo. É natural. Portanto, precisamos levar isso em conta.

Observação: não acho que as pessoas percebam isso naturalmente.

Meu Comentário: Todos podem concordar com isso, mas não podem viver com isso. Teoricamente, todos concordamos.

Pergunta: E daí? Como podemos realmente abordar isso?

Resposta: Então não dá certo. Vamos deixar essa questão de lado por enquanto e depois veremos que há uma solução para todos esses problemas.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 31/12/18

Família E Casamento, Parte 11

laitman_238.01Sinais Da Revelação Do Criador

Pergunta: Como sabemos que o Criador é revelado entre nós? Existem sinais específicos?

Resposta: Quando você começa a sentir grandes choques opostos, é jogado de um lado para o outro, não entende o que está acontecendo com você, não tem consciência dos seus próximos estados – isso é um sinal de progresso.

O estado mais importante é a descida, quando a pessoa sente que não tem esperança, nem clareza, que está em algum tipo de neblina. Mas, ela passa pacientemente por esses estados, participando sistematicamente no grupo, em tudo o que a Cabalá fala. Vários dias se passam e o mundo se torna novo.

Pergunta: Quando esse poder se manifesta na pessoa, o que muda na família?

Resposta: É tudo a mesma coisa, ainda maior. Uma pessoa cai neste mundo, exatamente no oposto do espiritual, que ela já experimentou. Ela nem imaginava que alguém pudesse cair em tais estados. Mas ela se levanta novamente. Cai novamente e sobe novamente. Quando caí, ela recolhe outra parte do egoísmo do mundo para elevá-la à correção.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 01/01/19