Curso Gratuito De Cabalá Autêntica – Primavera 2018 (Inscrições Abertas)

Uma experiência com consequências para toda a vida

fornecida pela PRÓPRIA NATUREZA

Começa Domingo, 07 de outubro de 2018

AGORA É O MOMENTO MAIS IMPORTANTE DA SUA VIDA… SE VOCÊ PERMITIR

Neste curso, você vai descobrir uma compreensão mais profunda da natureza, do mundo, e quem você realmente é, vai receber ferramentas para desenvolver uma nova abordagem para a vida, e experimentar uma perspectiva única que o ajudará a dar sentido aos eventos no mundo de hoje. Ao contrário de uma série de equívocos sobre a Cabalá que você normalmente ouve, isso está aberto para qualquer pessoa independentemente de quaisquer diferenças que aparentemente existam entre as pessoas (raça, idade, sexo, cultura, etc.) e você está livre para avançar no seu próprio ritmo, sem pressões ou obrigações.

INFORMAÇÃO E INSCRIÇÃO (Clique Aqui)

A Pessoa Pode Manter As Mitzvot Sozinha?

laitman_963.8Rabash, “O Que A Regra, “Ama Teu Amigo Como A Ti Mesmo”, Nos Dá?”: …A pessoa não pode manter todas as 612 Mitzvot sozinha.

Eu diria que uma pessoa sozinha não pode observar um único mandamento. Estando sozinha, ela é incapaz de gerar a propriedade de doação. Afinal, ela não tem conexão com o Criador. Apenas com pessoas como ela, portanto, precisamos de interação física com amigos.

Observação: Nós estamos em um novo período de tempo, um período virtual. Este não foi o caso do Rabash.

Meu Comentário: É ainda melhor. Se as pessoas realmente se esforçam umas pelas outras, sua desunião física as empurra para a reaproximação interior.

Pergunta: Por que isso é organizado de modo que a pessoa não consiga guardar os mandamentos sozinha?

Resposta: Falando de um ponto de vista sistêmico, a alma comum chamada Adão quebrou em muitas partes. Quando as partes separadas pela distância egoísta (forças egoístas) tentam se unir acima das forças egoístas, elas começam a alcançar a propriedade de conexão, até a propriedade do amor. Não há outro caminho.

Adam é um desejo que não existe por si mesmo. Somente depois que esse sistema (o desejo) se quebrou, pode-se dizer que dentro dele duas propriedades opostas estão sendo criadas: a egoísta que afasta todas as partes umas das outras, e a altruísta que repentinamente começa a aparecer entre elas.

Inicialmente, quando todas as partes do sistema foram reunidas, elas possuíam a propriedade da generalidade suportada nelas pela Luz superior, o Criador. Portanto, depois que se desintegraram, em cada uma delas permaneceu um ponto de generalidade, e descobriu-se que todas consistem em duas propriedades opostas.

Agora, se alguma parte eleva a propriedade da conexão acima da propriedade da separação, nessa medida ela se torna mais próxima das outras, até que esteja integrada no mesmo sistema, na mesma imagem.

Pergunta: Portanto, o sistema é especialmente criado para que a pessoa não possa observar apenas 612 mandamentos. Qual é o benefício disso?

Resposta: O benefício é que a pessoa sente a necessidade do Criador e de seus amigos. Depois que está desapontada com seu estado animal e quer subir ao nível de Adam, ela só pode ter sucesso se realmente se envolver em sua conexão com os outros e atrair o Criador para isso.

Pergunta: A pessoa precisa entender cada mandamento?

Resposta: Isso não só é desnecessário, mas também impossível. Uma pessoa é incapaz de fazer isso. Tudo acontece automaticamente.

Uma pessoa não deve bisbilhotar em sua alma, não há necessidade de fazer isso. Ela se manifestará somente quando realmente tomar uma forma definida.

De KabTV “A Última Geração”, 15/03/18

Baal HaSulam

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 20/09/18

“Eu acho uma grande necessidade de quebrar a parede de ferro que tem nos separado da sabedoria da Cabalá”, escreveu o Cabalista Yehuda Ashlag, também conhecido como Baal HaSulam (“Mestre da Escada”) por seu comentário sobre o Livro do Zohar.

Hoje, no 64º aniversário de sua morte, prestamos nossos respeitos a um dos maiores Cabalistas da história da humanidade. Uma alma única que desceu ao nosso mundo para nos trazer a sabedoria da Cabalá e nos aproximar de uma vida cheia de alegria, paz e união.

De fato, ele foi o primeiro a interpretar todo O Zohar e os escritos do Ari, o primeiro a adaptar a sabedoria antiga a cada pessoa, o primeiro a publicar um jornal cabalístico (A Nação) e divulgá-lo publicamente. Sua profunda preocupação pelo destino da humanidade pulsava em seu coração, uma preocupação que ditava todo o curso de sua vida.

Leia mais sobre o Baal HaSulam em nosso novo arquivo >>

“E A Terra De Israel Será Estendida Para Todo O Mundo”

laitman_944Pergunta: Quem são os “judeus” em termos Cabalísticos?

Resposta: São pessoas que querem se unir, que anseiam a alcançar o amor em suas relações e, através desse amor, alcançar o amor pelo Criador. Tais pessoas são chamadas de “judeus” (Yehudim) da palavra “ Yihud” (unidade).

Outro significado da palavra “judeu” vem da palavra “Avar” (transição), que significa: aquele que cruzou a fronteira do nosso mundo e entrou no mundo superior.

Pergunta: Os membros do nosso grande grupo mundial têm um imenso anseio de passar da lei do amor para si mesmos para a lei do amor ao próximo. Podemos chamar a todos de judeus (Yehudim)?

Resposta: De acordo com a direção, definitivamente. Afinal, inicialmente, os judeus eram os antigos babilônios das 70 nações que habitavam a Babilônia, que decidiram se elevar acima de seu egoísmo e se tornar um grupo, um todo.

Pergunta: Isso significa que quando o mundo inteiro começa a se mover nessa direção, ele pode se chamar de Yehudim?

Resposta: Sim, como está escrito: “E a terra de Israel será estendida ao mundo todo”.

De KabTV “A Última Geração”, 15/03/18

Medium: “10 Anos Da Crise Financeira: E Agora?”

O Medium publicou meu novo artigo: “10 Anos Da Crise Financeira: E Agora?

Uma década depois da crise financeira global, uma nova pesquisa expõe como uma pequena elite impediu uma catástrofe mundial. Mas qual é o custo de manter nossos sistemas cada vez mais desequilibrados e orientados pelo lucro? Quais são as maiores forças de equilíbrio da natureza que enfrentamos?

Uma década atrás, o mundo estava à beira do colapso. Uma bolha financeira no mercado de hipotecas dos EUA quase explodiu o sistema econômico global. Um Armagedom financeiro foi impedido apenas por medidas sem precedentes tomadas pela administração dos EUA, e particularmente pelo Federal Reserve.

Em seu novo livro, “Crashed”, o historiador prof. Adam Tooze lança luz sobre os cantos ocultos da crise financeira de 2008. Tooze descobre a intricada rede financeira que se encontrava no centro da tempestade e como uma pequena elite decidiu injetar trilhões de dólares no sistema bancário americano e no resto do mundo. o mundo, sabendo muito bem que, de outra forma, a humanidade iria em uma espiral descendente para uma crise pior do que a Grande Depressão de 1929.

Desde a crise de 2008, os laços na rede da elite financeira só aumentaram em todo o mundo, e hoje esse grupo emprega continuamente malabarismos financeiros para governar a economia global. Como peões em um tabuleiro de xadrez, eles deliberadamente manipulam mercados, consumidores, taxas de juros, instituições financeiras e mídia, a fim de perpetuar o atual paradigma econômico e impedir que uma crise ao estilo de 2008 aconteça novamente.

Então, o que mudou na última década? O sistema econômico se sente mais seguro do que antes. Não porque o sistema se tornou mais estável ou igual, mas porque é mais controlado.

A Pirâmide Que Governa O Mundo

Análises como as de Tooze provam como a pirâmide que governa o mundo se tornou mais pontiaguda do que nunca. É uma pirâmide baseada unicamente em poder e dinheiro, de cima para baixo. Se a pirâmide do século anterior ainda tinha alguns lugares reservados para intelectuais, filósofos, cientistas e pluralismo ideológico, hoje eles são todos escravizados pelo poder do dinheiro e seus donos.

Os cientistas dependem do financiamento que orienta os objetivos de suas pesquisas; artistas e figuras culturais desfrutam dos holofotes tanto quanto seu show atende aos interesses dos magnatas que possuem os canais de mídia. Simplificando, o dinheiro corre o mundo e o capitalismo tornou-se um canibalismo, com uma elite limitada que fortaleceu o seu domínio no topo da cadeia alimentar.

A Mecânica da Crise Global

Mas o que está acontecendo abaixo da superfície é a inevitável intensificação do egoísmo humano. O ego humano é a energia natural que alimenta a fusão de riqueza e poder em uma força desenfreada. No entanto, isso é apenas um dos lados do processo.

O desenvolvimento da humanidade acontece em duas tendências paralelas e opostas. Juntamente com o ego em constante crescimento, existe um eixo muito menos perceptível de interdependência global que está gradualmente unindo todas as pessoas e os sistemas criados pelo homem na Terra.

Nós, seres humanos, estamos presos no eixo egoísta e sofremos de miopia global.

A natureza do desenvolvimento humano nos obriga a andar com duas pernas: uma perna progride ao longo do eixo egoísta necessário para nosso crescimento, e a outra perna progride em direção ao senso de conexão mútua entre todos nós. Assim como caminhamos em ambas as pernas, temos que combinar e equilibrar adequadamente o ego para canalizá-lo para um desenvolvimento saudável e positivo para todos.

Hoje estamos atrasados ​​em relação ao senso de conexão entre nós. O mundo está se tornando cada vez mais integral – e o humano não é. Como nos alcançamos? Aumentando a conscientização para a nossa situação, reconhecendo o sistema global interdependente em que vivemos e as leis da natureza que se aplicam a ele.

Lei de Equilíbrio da Natureza

A natureza – como um sistema integral que exige que todas as suas partes estejam em equilíbrio e conexão mútua – exigirá que mudemos. A economia global não é mais que um reflexo das relações entre todas as pessoas. Portanto, devemos primeiro equilibrar nossos relacionamentos, como partes de um único sistema que compartilham um destino comum. Quando começarmos a fazer isso, reorganizaremos todos os nossos sistemas feitos pelo homem, incluindo os econômicos e financeiros.

Se não aumentarmos nossa consciência e fizermos isso por livre escolha, as forças de equilíbrio da natureza nos forçarão a fazer isso de maneiras diferentes. Choques no ecossistema, desastres naturais ou esgotamento de energia barata são exemplos de cenários que exigirão uma mudança dolorosa na ordem socioeconômica.

Curiosamente, uma pesquisa anual do Gallup que entrevistou mais de 154.000 pessoas em 146 países mostra que “o clima global está mais sombrio desde a primeira pesquisa deste tipo em 2006”. No final, o século XXI nos encherá de frustração e desamparo que nos levará a questionar o significado da existência humana. Então, do fundo do nosso coração, surgirá uma demanda por um novo mundo.

The Times Of Israel: “O Significado De Nosso Yom Kippur Pessoal E Sua Conexão Com O Mundo“

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Significado De Nosso Yom Kippur Pessoal E Sua Conexão Com O Mundo

Em primeiro lugar, vamos criar o contexto. Yom Kippur, o Dia da Expiação, não existe. De acordo com a sabedoria da Cabalá, ele está esperando para ser construído dentro de cada um de nós, e somente depois disso pode ser verdadeiramente realizadp.

A Cabalá explica que, além do fato de que o Yom Kippur é o feriado mais solene no calendário judaico, na verdade, refere-se a uma inclinação interna para a correção. Como podemos perceber este desenvolvimento interno? Começamos por julgar a nós mesmos, nossos desejos e intenções egoístas corrompidos em relação aos outros. Embora eu possa me arrepender do meu estado e querer com coração e alma separar-me dele – a fonte de todas as dores, desconfiança e divisão -, sou incapaz de fazer isso sozinho, porque isso é totalmente contra a minha natureza. Neste momento em minha expiação, eu clamo ao Criador por ajuda, por correção. Este processo interno é a essência do Yom Kippur.

Ao elevar-nos acima do nosso egoísmo pessoal, revelamos o mundo como um sistema unificado. Hoje, quando o mundo precisa desesperadamente de unidade, a nação judaica que deveria dar o exemplo para os outros seguirem, é despedaçada. Lutas de poder entre facções judaicas em certas ocasiões acabaram em brigas violentas. Além do crescente fosso entre a diáspora e Israel, quase metade dos judeus americanos considera a religião organizada como sem sentido.

Qual é a conexão entre nossa instável fundação judaica e a pressão cada vez mais hostil do mundo, obrigando os judeus a se unirem? A resposta a essa pergunta é explicada em detalhes em um artigo que publiquei no The New York Times (edição impressa) intitulado “O Que Nós Judeus Devemos Ao Mundo?”. Quatro anos se passaram desde a sua publicação e o estado da nação judaica, em vez de melhorar, tornou-se cada vez mais incerto. Antes que seja tarde demais, vamos revisar, então, a solução para nossa crise sempre crescente em prol do futuro de nossos filhos e para nós mesmos.

Comprando Nosso Caminho Para O Céu

O dia mais sagrado do ano para os judeus é o Yom Kippur, quando jejuamos e oramos. Uma parte fundamental da oração é ler o livro de Jonas, o Profeta. Curiosamente, muitos judeus observadores acreditam que comprar o privilégio de ler o livro os tornará bem-sucedidos durante o resto do ano.

Naturalmente, apenas os mais ricos da comunidade podem competir por isso. As somas variam de acordo com a afluência da comunidade e, em alguns casos, o privilégio é vendido por mais de meio milhão de dólares.

Quebrando o Código

O que as pessoas não estão cientes, no entanto, é a verdadeira razão pela qual o livro de Jonas é tão importante. Os Cabalistas determinaram que esta leitura é a mais importante do ano porque detalha o código para salvar a humanidade.

A história de Jonas é especial porque fala de um profeta que primeiro tentou se esquivar de sua missão, mas finalmente se arrependeu. Outro aspecto especial da história de Jonas é que sua missão não era advertir o povo de Israel, mas salvar a cidade de Nínive, cujos moradores não eram judeus. À luz do atual estado precário do mundo, devemos Olhar Mais De Perto Essa História E Seu Significado Para Cada Um De Nós.

Tome Jeito Ou Dê O Fora

Na história, Deus ordena a Jonas que diga ao povo de Nínive, que se tornaram muito malvados entre si, para corrigir seus relacionamentos uns com os outros, se quiserem sobreviver. No entanto, Jonas saiu de sua missão e foi para o mar em um esforço para escapar do mandamento de Deus.

Como Jonas, nós judeus temos inadvertidamente evitado nossa missão nos últimos 2.000 anos. No entanto, não podemos nos permitir evitar isso. Temos uma tarefa que nos foi transmitida quando Moisés nos uniu em uma nação baseada no princípio: “Ama o próximo como a ti mesmo”, e é nosso dever estabelecer um exemplo de unidade para o resto do mundo. Nossos antepassados, Abraão e Moisés, queriam unir toda a humanidade, mas naquela época o mundo não estava pronto (para mais sobre isso, veja meu artigo, “Por Que As Pessoas Odeiam Os Judeus?”).

Esse grupo, ou seja, o povo de Israel, ainda deve se tornar um modelo para o mundo. Rav Kook, o primeiro Rabino Chefe de Israel, colocou poeticamente em seu livro, Orot Kodesh (Luzes Sagradas): “Visto que fomos arruinados pelo ódio infundado e o mundo foi arruinado conosco, seremos reconstruídos pelo amor infundado, e o mundo será reconstruído conosco.

Dormindo na tempestade

Na história, a fuga de Jonas de sua missão pelo navio fez o mar rugir e quase afundar o navio. No auge da tempestade, Jonas foi dormir, separando-se do tumulto e deixando os marinheiros se defenderem sozinhos. Aos poucos, eles começaram a suspeitar que alguém entre eles era a causa da tempestade. Eles tiraram a sorte e esta caiu sobre Jonas, o único judeu a bordo.

De muitas maneiras, o mundo de hoje é semelhante ao navio de Jonas. Como disse Christine Lagarde, chefe do Fundo Monetário Internacional: “Estamos todos em um só barco, uma economia global. Nossas fortunas crescem juntas e caem juntas. (…) Temos uma responsabilidade coletiva: criar um mundo mais estável e mais próspero, um mundo em que todas as pessoas em todos os países possam atingir seu pleno potencial”. No entanto, o mar em nosso entorno está enfurecido e os marinheiros, que é toda a humanidade, estão culpando o judeu a bordo por todos os seus problemas.

Como Jonas, estamos dormindo. Embora estejamos começando a despertar para a existência do ódio contra nós, ainda não percebemos que não cumprir nossa missão é a razão do ódio. Se não acordarmos em breve, os marinheiros nos atirarão ao mar, como fizeram com Jonas. Rav Yehuda Ashlag, autor do comentário Sulam (Escada) sobre O Zohar, escreveu em seu ensaio “O Arvut” (Garantia Mútua): “Cabe à nação israelense qualificar a si e ao resto das pessoas no mundo a evoluir para assumir este trabalho sublime de amor aos outros”.

O Chamado De Despertar

Jonas diz aos marinheiros para jogá-lo ao mar, pois só isso acalmará o mar. Relutantemente, os marinheiros obedecem e a tempestade se acalma. Uma baleia engole Jonas e, ​​durante três dias e três noites, ele permanece em seu abdome, examinando suas ações e decisões. Ele implora por sua vida e promete cumprir sua missão.

Como Jonas, cada um de nós carrega algo que está agitando o mundo. Nós, o povo de Israel, levamos um método para alcançar a paz através da conexão. A unidade é a raiz do nosso ser. Este DNA é o que nos torna um povo porque fomos declarados uma nação somente depois que nos comprometemos a ser “como um homem com um coração” e nos esforçamos para amar nosso próximo como a nós mesmos”. Hoje devemos reavivar esse vínculo porque onde quer que formos, o poder inexplorado está desestabilizando o mundo ao nosso redor, a fim de nos obrigar a uni-lo e reacendê-lo.

Assim como a separação atual entre nós projeta a separação para toda a humanidade, a união entre nós irá inspirar o resto das nações a se unir também. Quando nos unirmos, dotaremos a humanidade da energia necessária para alcançar a unidade mundial, onde todas as pessoas vivem “como um homem com um coração”. Então a única questão é se assumimos nossa responsabilidade, ou preferimos ser jogados ao mar, apenas para posteriormente concordar em realizar nossa tarefa.

Se quisermos acabar com nossos problemas, nos livrar do antissemitismo e ter uma vida segura e feliz, devemos nos unir e, assim, estabelecer um exemplo de unidade para todas as nações. É assim que vamos trazer paz e tranquilidade ao mundo. Caso contrário, o ódio das nações em relação a nós continuará crescendo.

Agora vemos que quando as pessoas pagam muito pelo privilégio de ler o livro de Jonas em Yom Kippur, inadvertidamente declaram seu apoio à missão do povo judeu em relação ao mundo: ser uma luz para as nações mostrando um exemplo de unidade e conexão. Para concluir, deixem-me citar mais uma vez o grande Rav Kook: “Qualquer turbulência no mundo vem apenas para Israel. Agora somos chamados a realizar uma grande tarefa de boa vontade e conscientemente: construir a nós mesmos e a todo o mundo arruinado conosco” (Igrot [Cartas]).

Meus Pensamentos No Twitter 20/09/18

Dr Michael Laitman TwitterCom suas ações, o homem registra-se no livro dos justos, no livro da vida espiritual, na doação e amor aos outros, ou no livro dos pecadores, na morte espiritual, desejando se preencher com as realizações terrenas.

Está escrito que o Criador perdoa apenas os pecados que as pessoas perdoaram, isto é, Ele preenche apenas nossas relações mútuas corrigidas. Até este ponto, Ele é revelado. Portanto, devemos apenas pedir para descobrir as forças do mal entre nós e sua correção – é assim que mereceremos o perdão.

O estado do Dia do Julgamento pode acontecer em qualquer dia, a qualquer momento. Em nosso mundo, tudo é determinado por um sistema morto, mas no sistema espiritual tudo depende do desenvolvimento individual. É possível que um esteja em um estado de julgamento e outro em um dia normal.

O desejo egoísta é revelado – a evolução avança, nós nos desenvolvemos de uma geração para a próxima e em nossas vidas. Por isso, sou obrigado a constantemente julgar a mim mesmo para corrigir “meus pecados” preparados pelo Criador, chances que perdi de unir todas as pessoas em um único sistema.

Se a política não fosse nutrida por conflitos, o ódio não inspiraria e consolidaria uma parte contra a outra: quando alguém ganha, outro perde.
Se fosse alimentado pela luta contra o nosso ego, a vida seria diferente – não haveria espaço para o terrorismo.

A mente serve ao ego-desejo, ajudando-o a obter prazer e a evitar coisas desagradáveis, como um animal.
Se a pessoa entende isso e deseja ganhar a razão do homem, Adão, semelhante ao Criador, então ela não age para preencher desejos, mas para se tornar semelhante à força superior.

Realizar o trabalho espiritual “de todo o coração” significa realizá-lo na unificação de todos os corações, em um único desejo do coração.

O profeta escreveu: “… e eles levantarão o povo de Israel sobre seus ombros e os elevarão a Jerusalém” – “Elevar” significa elevar ao grau do amor fraterno. Então o amor fraternal também se espalhará pelo mundo todo. E “o mundo todo se tornará bom e tranquilo”.

O bom estado futuro do mundo depende de influenciar Israel. Mas não quando as pessoas condenam e desejam aniquilá-lo.
Influenciar significa incitar a nação judaica a se unir através de uma boa atitude entre eles. Então a boa atitude se espalhará para o mundo inteiro.

Ultimamente o mundo deseja destruir os judeus cada vez mais frequentemente e, assim, livrar-se de todo o mal do mundo. Mas todo mal vem da unificação imprópria da nação judaica. A este respeito, ela pode mostrar um exemplo, como Abraão fez na antiga Babilônia.

Eu não estou em nenhuma parte do sistema. Eu estou sujo em meio à bilhões de pessoas, animais, plantas e matéria inanimada. Eu influencio todos, estou dentro de todos, sem exceção, e minhas ações os levam à união ou à fragmentação. Isso significa que estou registrado no Livro (alma).

O homem deve fazer com que todo o sistema da natureza se relacione de uma forma perfeita absoluta, de modo que todos nela se interconectem mutuamente e, através dessa conexão, recebam a boa força que preenche a todos. Essa força que conecta e preenche todos é nosso Criador.

Eu constantemente me identifico com o Criador, reunindo esses estados em uma única imagem. O tempo e as perturbações desaparecem, somente a força do Criador permanece.
Sou grato a Ele pelo meu mundo, uma vez que estas são todas as partes da minha alma que devo me conectar a Ele – uma fonte, uma causa.

Eu me esforço para entender como se tornar um embrião no Criador:

  1. Determinar que tudo vem Dele
    2. Entender que Ele faz tudo e como eu deveria responder
    3. Para ver a diferença entre o que eu queria que acontecesse e como ele fez isso
    4. Para tentar que meus pensamentos/desejos sejam como o Dele.

Quando nos voltamos ao Criador, falamos com um sistema e não com um indivíduo. Eu me torno o parceiro do Criador, percebendo que Ele fez tudo para que eu O compreendesse e operasse de acordo com o Seu plano. Se eu entender mal alguma coisa, deixe que Ele me corrija.

Se eu quero me unir ao Criador, anulando meu eu e usando tudo para me agarrar à força superior, eu me torno um embrião espiritual, Ubar. Então o tempo desaparece, não há vida e morte, há apenas o ponto da minha adesão com o superior que pertence à eternidade …

O lugar onde nós fazemos esforços no grupo para superar a repulsa mútua é onde a condição para a revelação da Luz aparece – a manifestação do Criador requer o acoplamento de duas forças opostas, + e -.
Sua polaridade e mutualidade criam a condição para a revelação do Criador.

A unidade de todos os desejos é a Shechina e seu preenchimento é o Criador.

Nossos esforços no caminho espiritual são semelhantes aos escritos. Para que a escrita seja boa, devemos escrever com boas ações – intenção “para o Criador”, para doação e amor aos outros, ajudando todas as pessoas – a alma inteira de Adão – a se aproximarem do Criador.

Não devemos nos preocupar com os pecados que ainda não foram revelados (pelo Criador), mas com o fato de que ainda não pedimos a correção deles!

A única maneira de corrigir os pecados é avançar e revelá-los na medida em que nos sentimos mal e pedir correção – é assim que corrigimos o passado, criado pelo Criador (Nada Além Dele).

Eu conecto as células do corpo da alma, Adam, até descobrir o fluxo da vida, o Criador, dentro delas.

Quando eu me movo – não externamente, com o corpo, mas internamente, com o desejo, em direção à conexão entre nós, eu crio a condição para revelar o Criador, eu me registro no Livro da Vida/correção da alma comum.

As condições para a união estão sempre mudando. Eu devo me ajustar constantemente a elas – é assim que cresço.

O ponto de adesão com o Criador é eterno. Eu me agarro a ele e, através dele, eu – o embrião – agarro-me ao Criador. Através dele recebo tudo pela minha vida espiritual. Sem este ponto eu não existo!

Essas condições/desejos são criaturas, e o Criador é o que está na conexão entre eles.

O principal é a conexão entre nós acima de todas as rejeições, pois tudo o mais depende do Criador. Nosso único trabalho são os esforços para nos conectarmos com a intenção de criar condições de equivalência à qualidade de doação, a revelação do Criador.

A unidade é um vaso espiritual. Nenhum de nós pode ser um vaso espiritual sozinho, já que ele é apenas um fragmento da quebra. O vaso espiritual/Kli é a conexão das pessoas acima da necessidade dessa conexão, o impulso de sentir o nascimento dos desejos e pensamentos compartilhados: o Criador.

Do Twitter, 20/09/18

A Base Do “Ama Teu Amigo Como A Ti Mesmo”

laitman_962.2Segue-se, portanto, que a regra “ama teu amigo como a ti mesmo” é construída sobre 612 Mitzvot. Em outras palavras, se mantivermos as 612 Mitzvot, seremos capazes de alcançar a regra: “Ama teu amigo como a ti mesmo”. Acontece que os elementos particulares nos permitem alcançar o coletivo, e quando tivermos o coletivo, seremos capazes de alcançar o amor do Criador, como está escrito: “Minha alma anseia pelo Senhor”. (Rabash, Os Escritos Sociais, “O que a Regra ‘Ama Teu Amigo como a Ti Mesmo’ Nos Dá?”)

Se tomarmos o mandamento “Ama teu próximo como a ti mesmo” e interpretá-lo em relação à natureza inanimada, vegetativa e animada e, mais importante, a uma pessoa em todas as circunstâncias da vida, alcançaremos todos os 612 mandamentos, que são resumidos no 613º. É por isso que não há nenhum 613º mandamento como tal; ele é resultado da implementação das outras 612 recomendações.

Observação: O mundo acredita que é preciso cumprir todos os 613 mandamentos. Os Cabalistas, no entanto, dizem que há praticamente apenas um mandamento: “Ama teu próximo como a ti mesmo”. Todos os outros estão ligados a ele, são uma parte dele.

Meu Comentário: Está escrito em muitas fontes Cabalísticas, incluindo O Livro do Zohar.

Na verdade, precisamos nos organizar em uma sociedade humana que nos leve a algum tipo de sistema, regulando as relações mútuas com base no mesmo mandamento: “Ama teu próximo”.

Para fazer isso, temos que estudar Cabalá e aprender a cumprir este mandamento a todo momento, em todas as circunstâncias, onde quer que estejamos. Então, gradualmente, vamos implementar as 612 recomendações.

O Livro do Zohar diz que todos os mandamentos da Torá consistem em 612 conselhos e 612 cumprimentos. Se eu seguir o conselho corretamente, recebo certa porção da Luz superior, que me corrige.

De Kab TV “A Última Geração” 15/03/18

Nova Vida # 1049 – O Dia Do Julgamento Parte 2

Nova Vida #1049 – O Dia Do Julgamento Parte 2
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Tal Mandelbaum ben Moshe

Resumo

Israel tem um lugar central nas histórias do fim dos dias porque é um minimodelo da humanidade. Se nos corrigirmos e o amor existir entre nós, forneceremos um exemplo para a humanidade e o mundo chegará à sua correção final.

De Kab TV “Nova Vida # 1049”, Parte 2, 16/08/18

Dimensões Espirituais

Laitman_931.02Pergunta: Em que unidades a Cabalá mede a força da unidade espiritual: a densidade da comunicação, o poder da conexão? Por que a medida de conexão é igual à medida da recompensa espiritual?

Resposta: A medida do egoísmo é graduada em cinco etapas: zero, um, dois, três e quatro. Se eu me elevo acima do egoísmo e o transformo em altruísmo, recebo o mesmo número de degraus espirituais: Malchut, Zeir Anpin, Bina, Hochma, Keter. Ou cinco mundos: Assia, Yetzira, Beria, Atzilut e Adam Kadmon.

Em cada um dos 125 graus há uma clara demanda, como se elevar acima dela, como parar, fazer certa ação espiritual, obter a Luz oculta nesta etapa e seguir em frente.

Estas são medições muito precisas. Em nosso mundo, não há tal precisão porque aqui temos que provar tudo; por exemplo: um mais um = dois. No mundo espiritual, essas provas são parte de sua estrutura porque consistem de dois opostos absolutos: a Luz e o desejo que é gerado por ela.

Da Lição de Cabalá em Russo 22/04/18

Todas As Pessoas São Partes De Um Sistema Comum

laitman_423.03Pergunta: Se outras pessoas são como animais de acordo com suas necessidades e interesses, por que eu deveria tentar me aproximar delas? E como pode ser que algo me excite e ainda não lhes interesse?

Resposta: Todas as outras pessoas são iguais a você. Todas são elementos necessários de um sistema comum. Cada um tem sua parte. Trabalhando em si mesmo, você deve se aproximar de todos, tentar passar as informações mais importantes para eles e dar-lhes a oportunidade de se conectar a ele.

Na medida em que nos conectamos no sistema do “ama o próximo como a ti mesmo”, elevamos o nosso mundo para o próximo nível.

Eu não acho que existam pessoas, organizações, religiões ou métodos no mundo que se oponham ao chamado para amar o próximo. Afinal, dia após dia, entendemos cada vez mais que o mundo é integral, interconectado e que precisamos fazer algo conosco mesmos.

Se continuarmos a ser tão fragmentados e separados, levaremos o mundo ao desastre. Além disso, se tentarmos nos conectar uns com os outros em um organismo vivo, suas células começarão a funcionar corretamente como em um único sistema, então, neste organismo saudável, sentiremos a vida superior e a nós mesmos existindo no campo espiritual.

Da Lição de Cabalá em Russo 22/04/18