Textos com a Tag 'Israel'

Entrada Na Terra De Israel: Não Ameaças, Mas Instruções

Twelve Tribes In One Nation, Part 1Lendo o capítulo da Torá “Ki Tavo” (“Quando Tu Vens”), parece que ele está cheio de ameaças. No entanto, essas não são ameaças, mas instruções que nos dão a oportunidade de agir corretamente em um novo nível.

Digamos que uma pessoa esteja envolvida na construção de usinas de energia nuclear. Quanto tempo é necessário treiná-la para que ela trabalhe corretamente com equipamentos tão complexos e perigosos?!

É o mesmo aqui, esse capítulo explica como nos mantermos no caminho espiritual e quais devem ser todas as tolerâncias e aterragens, medidas, controles, verificações, junções, etc.

Ki Tavo” é um capítulo especial porque fala da entrada no grau da “terra de Israel”.

Pergunta: Isso significa que, se cometermos um erro ao produzir “a usina nuclear” que se chama “a entrada na terra de Israel”, passaremos por um julgamento passo a passo?

Resposta: Nós já estamos passando por um teste passo a passo. Veja o que está acontecendo no mundo hoje. Nós nem sabemos as consequências do acidente de Chernobyl e da explosão na usina nuclear de Fukushima, no Japão.

Pergunta: Isto é, uma usina de energia nuclear é apenas uma peça de criança em comparação com a entrada na terra de Israel?

Resposta: Claro! De alguma forma, nós saímos desse nível material. Digamos que mil pessoas tenham sido mortas, embora, de fato, fosse muitos mais, outros dois mil estejam doentes por causa da radiação, outros dois milhões de pessoas também estejam doentes, mas não sabem por quê. Mas a humanidade sobreviveu a tudo, e aqui não vai sobreviver. Aqui, as pessoas que entram na terra de Israel devem se mover apenas para a frente, não há volta para trás.

Elevando-se a este grau, você é obrigado a obedecer completamente às instruções, incluindo todas as menores sutilezas; caso contrário, haverá uma quebra que afetará todos.

Pergunta: Você quer dizer que há apenas uma entrada e nenhuma saída?

Resposta: Não, você é expulsado da terra de Israel. Foi o que aconteceu conosco há 2.000 anos, de modo que hoje, novamente, começaremos a nós elevar a esse nível, e isso, em princípio, é o que a sabedoria da Cabalá está preparando para nós.

Essa é uma entrada para um nível tal que, mesmo no primeiro grau, você se torna semelhante ao Criador. Isso é chamado de terra de Israel, que é quando seu egoísmo já começa a se transformar na equivalência ao Criador.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 19/12/16

Judeus Contra Israel

400Pergunta do Facebook: Hoje nós vemos a participação ativa dos judeus no movimento contra Israel. Por que isso está acontecendo?

Resposta: Porque os judeus são os maiores oponentes de sua missão histórica. Eles destroem seu processo histórico, que deve ser direcionado para o “ama ao próximo como a ti mesmo” e mostrar ao mundo inteiro como levar a humanidade à unidade, incluindo o amor mútuo, o apoio e a integração de todos em uma única sociedade.

O povo de Israel deve fazer tudo isso. Esse é um método escondido no povo de Israel e é chamado de ciência da Cabalá.

Mas nós vemos que se quisermos explicar ao mundo o que a Cabala é, são os judeus que nos atacam primeiro. Sempre foi assim: os Cabalistas foram perseguidos, presos e denunciados. Nós estamos vivendo a mesma coisa hoje. Isso apenas enfatiza a correção de nossa missão.

Mas agora é hora de entender que essa é exatamente a salvação do povo judeu e de toda a humanidade.

Portanto, é possível erradicar o antissemitismo e o ódio por Israel somente se erradicarmos o ódio contra os judeus. E o ódio dos judeus à existência do próprio Israel como Estado mostra o quanto estamos em um estado terrível de destruição interna, quão longe estamos da nossa missão histórica, do que temos que fazer nesse mundo.

Esperemos que gradualmente chegue a hora e que possamos convencer os judeus. E a própria vida ensinará o que é mais importante: a unidade entre nós. É disso que o mundo precisa. Ele não precisa de mais nada, pois está cheio de abundância. A única coisa que falta é um bom relacionamento entre as pessoas. E a metodologia das boas relações está precisamente na Cabala, dentro do povo judeu.

Se empreendermos isso, seremos, naturalmente, muito úteis para o mundo e nos tornaremos “a Luz para as nações do mundo”.

De KabTV  Notícias com Michael Laitman” 11/05/17

United With Israel: Como O Facebook Pode Realmente “Aproximar O Mundo”

O grande portal United with Israel (Unidos com Israel) publicou minha carta aberta a Mark Zuckerberg “Como o Facebook pode Realmente ‘Aproximar o Mundo’“?

Essa é uma carta aberta e uma proposta a Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook.

Caro Mark

Sua nova missão para o Facebook, “aproximar o mundo”, é uma notícia refrescante a ser ouvida. Isso indica a visão significativa que você adquiriu quanto ao estado insalubre do nosso mundo e o que ele precisa para se curar. Apesar das atuais divisões crescentes e alarmantes na sociedade humana, não vejo muitos jogadores (players) influentes visando abordar a questão no seu núcleo e direcionar suas energias e recursos para aproximar as pessoas.

Como alguém que dedicou os últimos 40 anos à pesquisa e à prática de nutrir conexões humanas, estou certo de que esse é o futuro inevitável do mundo. Minha experiência diária na promoção de comunidades conectadas de pessoas de todas as religiões e etnias do mundo me provou que a única maneira de construir um mundo melhor é desbloquear a capacidade humana natural para unir as diferenças acima.

Portanto, quando alguém como você, que controla uma grande parte da infraestrutura virtual da humanidade, declara a aproximação das pessoas como uma missão para a próxima década, isso me dá esperança de que possamos apenas poder orientar o mundo para a unidade com menos caos e sofrimento do que poderia ser esperado. É por isso que me sinto obrigado a oferecer-lhe a minha visão sobre a capacidade humana natural de conexão e para onde o mundo está indo nesse sentido.

O Curso Mundial Está Mudando

Sua observação de que os desafios do mundo são de natureza global e não podem ser atendidos por um único líder, país ou uma estrutura de cima para baixo, é precisa. E isso é só o topo do iceberg. Nós estamos nos movendo em direção a um ponto de inflexão perigosa em nossa evolução social: as estruturas de poder atuais estão gradualmente colapsando diante de nossos olhos, enquanto as novas ainda não estão em seu lugar.

Os políticos estão perdendo seu controle enquanto ficam cada vez mais afastados de seu povo. Em um mundo interdependente, a política atual se torna um jogo desatualizado, pois exige que seus jogadores (players) mergulhem continuamente em lutas de poder egoísta para manter o domínio. É um ambiente que é simplesmente impróprio para salvaguardar os interesses do público, independentemente de quem são os líderes. Em muitos países, as pessoas veem uma imagem mais ampla e pragmática da realidade do que sua liderança política e estão começando a ampliar ainda mais suas visões.

Paralelamente, os fundamentos atuais da socioeconomia estão balançando quando a automação e a inteligência artificial estão se espalhando na força de trabalho. Como você sabe, os empregos do futuro próximo são incertos e alguma forma de renda básica universal provavelmente se tornará uma necessidade. Com isso, esperam-se mudanças profundas quanto às noções de “trabalho”, estrutura de classe social e o ethos (caráter distintivo) coletivo da cultura ocidental.

Indo mais longe, a economia e a política são meros reflexos das relações humanas. Elas representam o que damos e recebemos da sociedade, como tomamos decisões e resolvemos problemas, como distribuímos responsabilidades e priorizamos interesses coletivos. É a relação entre os seres humanos em todo o planeta que está na cúspide da evolução: as relações exploradoras e as percepções autocentradas estão atingindo a capacidade máxima; a preocupação mútua e uma percepção mais holística moldarão o mundo do amanhã.

Um Ginásio Virtual Para A Construção De Comunidades

Conforme afirmado em sua missão, nós devemos capacitar as pessoas para construir comunidades fortes. Para fazer isso, temos que prover conhecimento e orientação sobre como nutrir continuamente e aumentar nossa capacidade de conexão humana, além de fornecer as ferramentas tecnológicas e as infraestruturas que ajudam as pessoas a se organizar.

Por exemplo, você mencionou a importância de ajudar as pessoas a encontrar um terreno comum antes de abordar suas diferenças ou tentar resolver desafios comuns. Nós precisamos estabelecer práticas de comunicação virtual que incentivem isso. E assim como as pessoas se acostumaram a pensar em quantas “curtidas” conseguiram para as suas postagens, elas podem se acostumar a pensar em quanto tornaram sua comunidade mais conectada.

Ver nossa humanidade comum é muito parecido com um músculo que precisa ser treinado. A cultura atual está entorpecendo esse músculo ao pressionar nossos impulsos primitivos e egoístas e perpetuando a divisão. Portanto, os membros da comunidade devem trabalhar rotineiramente no fortalecimento de seus laços e na manutenção de um clima social de conexões saudáveis ​​e positivas.

Para ajudá-los, eles também precisam de medidas coletivas e de um feedback para seus esforços combinados para manter um clima positivo. A inteligência artificial certamente poderia ser utilizada para tornar o ambiente da comunidade virtual um facilitador de relações humanas saudáveis. Em outras palavras, seria um ginásio virtual para a construção de comunidades.

De uma perspectiva global, comunidades positivas do Facebook também podem servir como modelos para nos ajudar a aprender a construir nossa sociedade futura. À medida que o mundo se torna mais interdependente, as pessoas terão que expandir seu círculo de preocupação. Mas a pregação dos valores morais já não funciona. Em vez disso, precisamos melhorar a nossa sensibilidade social, ampliar nossa visão de mundo, entender melhor a nossa natureza como seres humanos e, o mais importante, aprender a aproveitar nossa fiação inerente para a conexão humana.

Minha Proposta: Um Programa Piloto

Eu proponho a criação de um programa piloto para a criação de uma comunidade virtual que promova ativamente conexões positivas. Seus membros podem ser pessoas diversas de todos os setores da vida que estariam interessadas ​​em participar de tal experiência social. Embora possa haver uma vasta gama de características consideradas para a implementação futura, pela minha experiência, eu tenho certeza de que, simplesmente seguindo-se algumas orientações e práticas de comunicação, veríamos resultados positivos imediatos.

Como tenho certeza que você sabe, vários campos de pesquisa mostraram repetidamente que conexões sociais positivas nos tornam mais felizes, saudáveis ​​e melhores no que fazemos. Eu projeto que, em questão de meses, os participantes em um programa piloto desse tipo teriam efeitos positivos semelhantes de forma notável, o que poderíamos medir empiricamente.

Se você estiver interessado, eu ficaria muito feliz em colaborar na concepção de um programa piloto e compartilhar a experiência que reuni ao longo de muitos anos, construindo uma rede de comunidades físicas e virtuais formada por pessoas de todos os setores da vida.

Atenciosamente,
Michael Laitman

Combinando O Mal Com O Bem

Está escrito na Torá que quando os filhos de Israel atravessaram o Rio Jordão, as seis tribos estarão de pé no monte Garizim, abençoando as pessoas, e as outras seis tribos estarão de pé no Monte Eival, xingando as pessoas. Estas são duas linhas: a linha direita e a linha esquerda.

A linha da esquerda (maldição) não é de forma alguma pior do que o caminho da direita. Devemos nos mover ao longo da linha do meio, incluindo ambas as partes. Afinal, está escrito: “Eu (o Criador) críei o mal e criei a bondade para equilibrá-lo.” Se nós combinarmos uns com os outros corretamente, vamos ao longo da linha do meio, combinando mal com o bem.

Portanto, escolher a bondade sobre o mal, vamos selecionar um sobre o outro, mas em nenhum caso um dos dois. Caso contrário, não existirá como uma criatura. A criatura absolutamente egoísta se veste em uma forma externa altruísta e existe no mundo superior nesta forma.

Acontece que o mal é a base, que deve ser vestida com a vestimenta correta.

[208567]

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 23/11/16

Material Relacionado :
Doze Tribos Em Uma Nação, Parte 3
A Lei De Equilíbrio Do Bem E Do Mal
Divisão Das Doze Tribos

Por Que Os Grandes Reis De Israel Vieram De Não-Judeus?

laitman_947Pergunta do Facebook: Por que a origem dos maiores reis e rabinos do povo de Israel, como o rei Davi e o rabino Akiva, era de não judeus?

Resposta: Uma pessoa que anseia pelo Criador é chamada de “Yashar-El” (Yisrael, direto ao Criador). Uma pessoa que quer se unir com outros é chamada de “Yehudi” (judeu) da palavra “Yechud” (unificação). Isto é o que determina se você é judeu ou não. Hoje, toda pessoa do mundo, seja ela espanhola, francesa, italiana ou alemã, não importa quem, pode vir e dizer: “Eu quero ser um judeu”. Na sabedoria da Cabalá, eles não dividem o mundo em nacionalidades.

Para ser judeu, a pessoa deve realizar o que a Torá diz, ou seja, deve ansiar em implementar a lei “E amarás teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18). Se ela concorda com isso, significa que se tornou um judeu, alguém que anseia pela unidade e unificação para se aderir ao Criador.

O termo “Ivri” (hebraico) vem da palavra “L’Over” (transcender, passar por cima), passando do princípio da existência egoísta para a existência altruísta. Essa é a base do nosso povo, um grupo que aceitou em si o princípio: “E amarás teu amigo como a ti mesmo”. Assim que a pessoa aceita esse princípio, ela se torna um judeu, e todos os outros, não.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 22/05/17

Shavuot: O Que É O Juramento Da Nação De Israel?

arava-convention_931-01.jpgPergunta do Facebook: Eu não entendo muito o que você diz e escreve, mas por algum motivo, não posso me afastar. Você poderia explicar o que é o juramento que a nação de Israel fez ao Criador enquanto eles estavam no Monte Sinai: “Faremos e Ouviremos (Obedeceremos)”. Isso é um juramento de escravos?

Resposta: Na verdade, é um juramento de escravos. Nós concordamos em nos escravizar a um novo princípio de existência. Nós concordamos em fazer somente o que é benéfico para a sociedade que nós, antigos escravos do Faraó, vamos agora criar e se tornar escravos do Criador. Ser escravos do Faraó significa trabalhar com um foco egoísta, um desejo egoísta. Ser escravo do Criador significa trabalhar com o desejo altruísta. Apenas um desses dois pode operar dentro da pessoa. Ela pode se tornar um escravo consciente do Faraó ou um escravo do Criador.

Sob nenhuma circunstância devemos pensar que um escravo é algo negativo. Mesmo agora, nós somos escravos. Nós somos escravos o tempo todo; simplesmente não vemos quem é o nosso mestre. Nosso mestre é o egoísmo. Ele nos gira, e inconscientemente executamos todos os seus pedidos. Ele vive em nós, constantemente nos forçando a nos preocupar, pensar e a fazer algo, nos dando metas desnecessárias. E nós, ao fazermos tudo isso, gastamos nossas vidas e não conseguimos nada.

Na realidade, ser um escravo significa ser consciente de que você existe na natureza, que é controlado por desejos e pensamentos. Você precisa entender como esses desejos e pensamentos podem ser corrigidos, como mudar seu mestre do Faraó para o Criador e, ao fazê-lo, você alcança uma liberdade total, mesmo que seja escravo do Criador.

Isso é muito interessante e, ao mesmo tempo, uma conexão incompreensível entre escravidão e liberdade. Ao ser um escravo do Criador, você ganha liberdade porque se torna um escravo da qualidade de doação e amor. Você se eleva acima do egoísmo, que já não o limita de forma alguma, e dessa maneira você se torna livre.

Shavuot, o feriado da entrega (outorga) da Torá, fala sobre o fato de que, a partir desse momento, a pessoa se torna livre. Ela começa a adquirir sua liberdade, recuperando tudo o que estava nela sob o domínio do Faraó e gradualmente corrigindo-se, retirando todos os seus desejos, pensamentos e qualidades egoístas, e mudando-os para o oposto: altruístas.

Em pé no Monte Sinai significa que nos comprometemos, queremos, estamos prontos para qualquer coisa, a fim de receber a Luz superior chamada Torá: a Luz que Reforma nos reforma para nos assemelharmos ao Criador. Nós queremos recebê-la e estamos prontos para isso. Isto é simbolizado pelo em pé no Monte Sinai.

Um enorme ódio e grandes contradições são reveladas ao longo do caminho, e graças a essas revelações de todas as nossas qualidades e características negativas, estamos prontos para qualquer correção, apenas para nos livrarmos do ego.

Este é o momento exato a partir do qual a nação de Israel nasceu, no momento em que tomamos o juramento de ser escravos do Criador e Lhe pedimos isso.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 22/05/17

Boicote A Israel Na Eurovision 2017

400Nas Notícias (Jerusalem Post): “O pequeno, mas vocal, grupo [BDS] expressou suas queixas em um grupo no Facebook chamado ‘boicote a Israel na Eurovision – ZERO pontos para a canção do Apartheid israelense’.

“Nós somos um grupo de cidadãos israelenses. Essa semana, os europeus (e também os australianos) terão a chance de contar a Israel o que pensamos da opressão e expropriação dos palestinos e expressar solidariedade com os prisioneiros palestinos em greve de fome. No Festival Eurovision da Canção, devemos dar Zero Pontos à Canção do Apartheid Israelense!’ Exige o grupo em sua página do Facebook”.

Meu Comentário: Esse movimento existe em cada judeu contra seu próprio judaísmo. O judeu se odeia e acredita que, se ele se juntar a outros, ele se justificará e receberá proteção deles. Isso opera nele inconscientemente, porque toda a natureza egoísta do nosso mundo se opõe a ser um verdadeiro judeu. Judeu (da raiz “Yichud” – unidade) simboliza a unidade. O povo de Israel foi fundado por um grupo de pessoas que decidiram se unir e viver em paz e amizade, sem qualquer diferença entre si, em igualdade. Na verdade, essa era uma verdadeira sociedade comunista.

Com a destruição do Primeiro e Segundo Templos, isso mudou. O amor foi trocado pelo ódio mútuo, repulsa e rejeição. Tudo isso é totalmente revelado na organização BDS.

Pergunta: Você acha que os judeus são mais ativos no BDS?

Resposta: Sim, claro. Todos os grandes antissemitas eram judeus, começando com Torquemada e até mesmo Tito na Roma antiga, e assim foi em toda a história. Se cavar um pouco na história, todos os ideólogos antissemitas mais ativos eram judeus.

Neles fala o ódio maior à unidade, à reconstrução das pessoas, a esse grupo de pessoas que mostraria um exemplo a todo o mundo como deveria ser se unir e alcançar o amor mútuo de todos. Eles não sabem que estão servindo como portadores do ódio em nosso mundo para que, através do ódio, as pessoas compreendam a necessidade de transformá-lo em amor. É assim que o governo superior opera.

Pergunta: Você acha que um grande acúmulo de ódio acabará por despertar e evocar uma atração ao amor?

Resposta: Sim. Isso é o que acontece em geral. A “dobra” deve passar pelo ponto de ramificação, e então será compreendido como agir na prática. Um sempre faz emergir o oposto de si mesmo.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 11/05/17

Israel E As Nações Do Mundo

laitman_749_01Torá, Deuteronômio, 23:05: Porquanto não saíram com pão e água, a receber-vos no caminho, quando saías do Egito; e porquanto ele [o povo de Moabe] contrataram Balaão, o filho de Beor, de Petor em Aram Naharaim contra ti, para te amaldiçoar.

Os Amonitas e Moabitas não puderam se juntar à saída do Egito, que é subir acima do ego, porque o povo de Israel é formado por aqueles que estão tentando sair do egoísmo. E aqueles que não podem fazê-lo são chamados de “outras nações”.

Portanto, as sete nações vivem na Terra de Israel somente por si mesmas porque se nutrem de suas raízes com os Israelenses, mas não podem ser corrigidas. Elas não podem sequer se apegar à correção de qualquer forma. Estes são os desejos de uma pessoa que não lhe permitem fazer um esforço para se corrigir de forma alguma, e eles têm que ser mortos.

Se as sete nações não podem seguir o caminho da correção, o que resta para elas? O que resta é a destruição de Israel, sua intenção, seu movimento, e o objetivo da correção de toda a humanidade, e daí vão se sentir bem.

Basicamente, todas as nações do mundo aspiram a isso, porque, de uma maneira ou de outra, pertencem às propriedades que precisam ser corrigidas com a ajuda de um pequeno grupo de pessoas chamado de “o povo de Israel”, que uma vez saiu da Babilônia.

O resto da Babilônia não poderia ir atrás deles, eles não sentem necessidade disso. É por isso que eles só podem ser corrigidos com a ajuda deste pequeno grupo que pode subir acima de si mesmos. Enquanto o povo de Israel passa por um longo caminho de elevação, o resto da Babilônia vive a sua própria vida e se desenvolve.

Mas ainda assim, há uma contradição entre o povo de Israel e o resto do mundo porque as contradições ideológicas no nível do nosso mundo são enormes. Aqueles que sobem têm seu próprio método de conceber o mundo, um sentimento de controle interno do mundo, e conexão com o poder que governa o universo.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 19/10/16

Jpost: “Um Memorando Ao Presidente Trump”

O The Jerusalem Post publicou meu novo artigo “Um Memorando para o Presidente Trump

Presidente Trump, desejo-lhe uma agradável visita a Israel. Ainda assim, na minha opinião, seu sucesso no cargo depende da implementação efetiva da política do “America First”.

Caro Sr. Presidente:

Bem-vindo a Israel.

O público israelense aguarda sua chegada com grande expectativa, assim como seus apoiadores nos EUA estão ansiosos para ver o cumprimento de sua política do America First. Por esta razão, eu realmente acredito que voltar a atenção para a América é a chave para tornar seu mandato um sucesso.

Você sabe melhor do que ninguém que o desemprego na sociedade americana é uma preocupação constante, pois dezenas de milhões ainda vivem de várias formas de benefícios governamentais. Essa inatividade permanente é uma receita para problemas. A ociosidade prolongada cria crime, violência, abuso de substâncias e pode devastar comunidades inteiras. No nível nacional, o sentimento de solidariedade entre os americanos está no ponto mais baixo de todos os tempos. Como a política cria facções e fricções dentro da sociedade que impedem todos os esforços para a melhoria, parece como se a própria nacionalidade do povo americano estivesse em risco.

Para combater esses desafios, eu recomendo a introdução de um programa nacional para fortalecer as comunidades e aprofundar a solidariedade entre os povos americanos. O programa consiste em dois elementos interdependentes que, juntos, garantirão o sustento de todos os americanos e a sua solidariedade nacional.

Como é necessário garantir o sustento das pessoas, algum tipo de renda básica universal (UBI, em inglês) é necessário neste programa. No entanto, se deixarmos isso, uma renda permanente que não exija nenhum compromisso dos beneficiários vai “matar” a capacidade das pessoas de trabalhar e se conectar com os outros, e as transformará em um perigo para a sociedade.

Por esta razão, o recebimento de benefícios da UBI deve estar atrelado à participação em cursos e workshops conduzidos sob regras específicas destinadas a provocar nos participantes sentimentos de conexão, confiança e reciprocidade. Esses workshops fazem parte de um método chamado Educação Integral (EI), que tem se mostrado bem-sucedido ao longo de muitos anos, e em inúmeros lugares ao redor do mundo, incluindo os EUA, Europa, Israel e Rússia.

Além dos workshops, a EI fornece ferramentas práticas para lidar com as crises emocionais e sociais e inclui aprender sobre a história do país, estado e cidade onde as pessoas vivem, de modo a fazê-las se sentir conectadas aos seus bairros locais e à sociedade americana como um todo. Mas, o mais importante, esse método faz com que as pessoas sintam que a solidariedade e o senso de comunidade criam mais valor para elas do que o isolamento e a alienação.

As tecnologias atuais permitem fornecer EI a milhões de pessoas on-line a um custo mínimo. As pessoas podem participar em casa ou em locais públicos, como centros comunitários. Embora facilitadores ainda sejam necessários nas salas de aula, a instrução profissional pode ser dada online por poucos profissionais treinados desde um lugar central.

A diminuição da violência e da criminalidade, e o aumento da coesão nacional e do envolvimento social positivo reduzirão drasticamente os níveis de criminalidade e violência e reduzirão a prevalência do abuso de substâncias. Essas mudanças economizarão grandes quantidades de recursos governamentais e municipais, tornando o programa EI excepcionalmente lucrativo.

Além do valor econômico, a EI transformará as comunidades, criando um ambiente de amizade, confiança, compreensão da responsabilidade social e forte envolvimento em atividades pró-sociais.

Senhor Presidente, como você é um indivíduo pragmático, eu acho que deve se concentrar primeiro na América e fazer o que é melhor para a sociedade americana, como você declarou claramente desde o início de seu governo. Se você implementar um programa nacional de EI, a América, sem dúvida, se tornará um modelo de estabilidade social e solidariedade nacional. Ou, para usar suas palavras, ele “Tornará a América grande novamente”.

Com os melhores votos,
Michael Laitman

Nova Vida # 844 – Emigrantes A Israel Não Sentem Que Fazem Parte

Nova Vida # 844 – Emigrantes A Israel Não Sentem Que Fazem Parte
Dr. Michael Laitman na conversação com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

Por que cada judeu é atraído à correção e separação simultaneamente? Por que o sentimento de pertencer ao povo e à nação, que nos conecta, se desvanece e como podemos voltar a estar unidos?

Espiritualmente, não conseguimos reconstruir o povo judeu e, portanto, não somos atraídos à terra de Israel. O método para construir o povo, a terra e a nação é desconhecido para todos, exceto os Cabalistas.

De KabTV “Nova Vida # 844 -Emigrantes A Israel Não Sentem Que Fazem Parte”, 28/03/17