Textos na Categoria 'Sentido da Vida'

O Que É O Nosso “Eu”?

laitman_535_02Pergunta: O que é o “eu” de uma pessoa?

Resposta: O “eu” de uma pessoa é o seu ponto no coração, ou seja, o anseio inicial pela raiz superior, pela obtenção do sentido da vida.

AnyoneCanReceiveAndToBestow

Os desejos com os quais uma pessoa nasce não fazem parte de seu “eu”, porque esses são desejos bestiais que só aspiram a se satisfazer. E o sentido da vida não está nisto porque todos os desejos bestiais morrem junto com o corpo físico.

Da Lição da Cabalá em Russo 06/11/16

Inovação Nos E.A.U: Você Pode Ler No Trabalho

laitman_527_07Nas Notícias (Arabian Business): “A nova legislação dará aos funcionários tempo para ler durante o horário de trabalho, e obriga as cafeterias a fornecer materiais de leitura …

“Os Emirados Árabes Unidos (EAU) emitiram na segunda-feira a primeira lei desse tipo que visa consolidar a importância da leitura no país.

“O xeque Khalifa bin Zayed Al Nahyan, presidente dos Emirados Árabes Unidos, emitiu a legislação dizendo que a leitura e o conhecimento são essenciais para o progresso dos Emirados Árabes Unidos. …

“Nosso objetivo é preparar gerações que trabalhem para um futuro melhor dos Emirados Árabes Unidos”, disse o Presidente em um comunicado. …

“O xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum, Vice-Presidente e Primeiro-Ministro dos Emirados Árabes Unidos e governante de Dubai, elogiou a lei recentemente aprovada e saudou-a como uma iniciativa cultural e legislativa sem precedentes. …

“Nosso objetivo é tornar a leitura um hábito diário em nosso povo, onde as entidades relevantes serão obrigadas a traduzir essa lei em realidade”, disse ele.

Meu Comentário: Avanços no mundo de alta tecnologia e religião exigem leitura e ainda apoiam o interesse da geração em leitura. Mas no final, gradualmente nos afastamos do desenvolvimento egoísta. A literatura e a música são medidas do desenvolvimento egoísta da sociedade, uma vez que são criadas pelo puro egoísmo. Eu não acho que elas vão permanecer, exceto por apenas alguns grupos individuais, mas nada mais.

Mas grandes obras musicais, especialmente óperas e obras-primas literárias, permanecerão porque expressam a profundidade das emoções humanas, mesmo sendo egoístas. Os romances clássicos descrevem uma fase no desenvolvimento humano e assim permanecerão parte de nossa cultura.

Pergunta: Que tipo de literatura você acha que as pessoas vão preferir ler nas próximas décadas?

Resposta: Somente manuais para operar programas de computador.

Pergunta: Então as pessoas vão abandonar os romances?

Resposta: Elas já estão desistindo deles. O declínio na leitura de romances já começou. O fato é que a diferença entre as gerações é grande.

Se quisermos manter contato com a geração jovem, as pessoas mais velhas precisarão se aproximar delas e não esperar que os jovens façam isso. Quando meu neto, por exemplo, joga jogos de computador, eu tento brincar com ele. E se eu oferecer para ler um livro, ele se recusa e diz: “Vovô deixe-me sozinho”. Não temos escolha; os idosos devem seguir os jovens.

Pergunta: E quanto à literatura que lida com o sentido da vida. As pessoas ainda serão atraídas por ela?

Resposta: Sim, mas ela também vai mudar. O sentido da vida, sobre o qual a sabedoria da Cabalá nos fala, está acima do tempo, de modo que deve ser apresentado às pessoas na linguagem moderna.

Se tomarmos a coleção de escritos filosóficos de Rambam, por exemplo, os diálogos de Ramhal, os escritos poéticos de Rav Kook, os escritos de Baal HaSulam que estão em um estilo científico, ou os escritos emocionais de Rabash, todos eles são muito difíceis de perceber hoje.

Comentário: Você simplifica os escritos de Baal HaSulam e Rabash para nós.

Resposta: Ainda podemos ler os escritos de Baal HaSulam e Rabash, mas os escritos de Ramhal e de ARI não podem ser entendidos por nossa geração.

A sabedoria da Cabalá será reescrita em uma linguagem mais leve e fácil no futuro, mas esse não será o meu destino.

Isso deve ser feito por causa da humanidade, mesmo agora, e não apenas por aqueles que são atraídos para o objetivo da criação, mas por toda a humanidade, para que eles entendam o que os grandes Cabalistas dizem sobre o sistema superior da natureza, incluindo o método e a ciência, e todos devem avançar nessa direção.

Eu espero que tais talentos surjam entre meus alunos.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 02/11/16

O Fim Da Era Do Ego

Laitman_115_05Opinião (Mikhail Khazin, economista russo e comentarista político): “Nos últimos dias, houve dois eventos que, à primeira vista, não têm relação entre si. Além disso, sequer podiam estar logicamente conectados. No entanto, simbolicamente, eles estão muito próximos.

“O primeiro evento: a morte de Fidel Castro, que personificou toda uma era. …

“O segundo evento: uma declaração do Presidente da Alemanha, Joachim Gauck, de que a Alemanha precisa suspender a integração da UE. O fato é que a ideia de integração europeia, que nos anos 1980-90 foi percebida como a ideia capitalista equivalente à revolução, gradualmente chegou ao colapso. No começo, ela havia prometido a todos felicidade e prosperidade, que estava espalhada por todo o mundo, e em 2010 tinha atingido seu auge. Hoje, sequer é uma questão de saber se a UE será expandida, mas se poderá continuar como uma estrutura única.

“E o outro é o fim de uma era. A morte de Fidel Castro e Hugo Chávez simboliza o potencial exaurido dos revolucionários latino-americanos. A ideia de expansão liberal acabou. De forma prática, isso significa que o mundo ainda será construído sobre o confronto de ideias: mas terá outras ideias. E agora é importante entender o que essas ideias serão e como irão interagir”.

Meu Comentário: Eu não acho que o mundo será construído sobre a oposição, na medida em que estamos nos aproximando de um ponto em que a força de desenvolvimento que nos motiva, o egoísmo, se esgotou.

É como quando o combustível em uma usina nuclear queima, a planta deixa de operar, e o combustível deve ser reabastecido, e assim devemos nós. Isso aconteceu por milhares de anos. Mas a partir de hoje, todo o ego foi queimado e a nossa usina nuclear está gradualmente fechando, acalmando-se: um quarteirão, depois outro, e depois um terceiro quarteirão. Um passo de cada vez, o mundo inteiro vai dormir, paralisar.

Pergunta: O que o futuro nos reserva para nós?

Resposta: No futuro, a humanidade se tornará gradualmente sóbria e começará a perguntar: “Para que estamos vivendo?” Afinal, uma pessoa precisa ser preenchida com o sentido da vida! Ela não deve apenas estudar história, geografia e literatura, assistir a filmes, etc.; ela deve descobrir por que está vivendo.

Essa é uma pergunta assustadora, que se manifestará cada vez mais na humanidade, fará com que eles entrem em depressão, e os forçará a encontrar a resposta.

Quando a humanidade inevitavelmente começar a sofrer, gritar e uivar como um lobo para a lua em busca do sentido da vida, ela também começará a ver claramente e a revelar que há um grande sentido nesse vácuo! O vácuo inteiro é todo o sentido! Essa é a fórmula, a matriz em que estamos vivendo.

Então nós o compreenderemos como Adam HaRishon (o Primeiro Homem) fez e como as vinte gerações de Cabalistas que o seguiram até que Abraão compreendeu, e como os Cabalistas que seguiram a Abraão compreenderam.

Por fim, o círculo será fechado e nós participaremos mais uma vez dessa grande aventura, quando os povos começarão outra vez a busca pelo sentido da vida, que começou lá atrás na antiga Babilônia. De fato, até hoje, essa questão não foi totalmente revelada pela humanidade. Na antiga Babilônia um pequeno grupo de pessoas a revelou e desapareceu. Agora temos que adotar seu sistema de busca e gradualmente descobri-lo em nosso nível. É para isso que estamos nos preparando.

Nós temos que mostrar à humanidade que está gritando: “qual é o sentido da vida?”, não só qual é o verdadeiro sentido, mas também o método através do qual eles podem descobri-lo.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 30/11/16

A Sabedoria Da Cabalá Sobre A Depressão

laitman_532Pergunta: Muitas pessoas, incluindo jovens e idosos, sofrem de depressão hoje. Por alguma razão ela é considerada uma doença mental. Existe uma solução para a depressão de acordo com a sabedoria da Cabalá?

Resposta: Há uma solução. A depressão é resultado de nossos desejos não satisfeitos. Uma pessoa tem somente desejos; se esses desejos são preenchidos, sentimos alegria. Se eles são parcialmente preenchidos, sentimos uma insatisfação parcial, um estado em que estamos o tempo todo e ao qual temos nos habituado.

Nós tentamos neutralizar essa insatisfação de diferentes maneiras: assistindo filmes, jogando futebol, tomando remédios, usando drogas, etc., e assim, de alguma forma, nos mantemos em atividade.

Existem modos de depressão nos quais sentimos um profundo e obscuro vazio dentro de nós, e não sentimos qualquer preenchimento no presente, nem sentimos que haverá qualquer preenchimento no futuro também, o que é de fato uma situação difícil .

Uma pessoa geralmente vive com esperança no futuro. Ela planeja sair de férias, pescar, jogar futebol com amigos, etc. Uma pessoa geralmente está ocupada com pensamentos sobre comida, sexo, família, riqueza, respeito, conhecimento e recreação. Nós inventamos tudo isso em nosso mundo como uma distração para que possamos existir nessa vida. Mas quando tudo é engolido pela escuridão, a pessoa está em um modo grave de depressão e está pronta para morrer. Com respeito a isso está escrito: “minha morte é melhor do que minha vida”.

No momento em que uma pessoa começa a sentir tais modos de depressão, ela se pergunta sobre o sentido da vida: “Será que não há sentido para a vida nesse mundo?” Tais estados a levam à sabedoria da Cabalá. Portanto, é praticamente impossível alcançar a sabedoria da Cabalá sem se sentir deprimido porque essa é uma questão do sentido da existência.

Se a pessoa encontra sentido em ações como dormir, comer, viajar e, em geral, encontra prazer em algo, a questão sobre o sentido da vida não surge nela. É como se ela estivesse bem, mas esse sentido na vida está no nível animal. Se a pessoa não está satisfeita com tais ações, ela alcança a sabedoria da Cabalá.

Portanto, a primeira pergunta que uma pessoa faz à medida que chega à sabedoria da Cabalá é: “Qual é o sentido da vida? Como você pode preencher essa vida? Qual é a razão nessa vida?” É realmente a falta de sentido que desenvolve uma pessoa, porque todo o nosso desenvolvimento é apenas sob a pressão e o sofrimento do desejo de descobrir e alcançar algo. Uma pessoa sente que lhe falta algo, mas, de fato, lhe falta o sentido da vida.

Depois de todas as revelações ao longo da história humana, a questão é: “Para quê? Por quê? Qual é o sentido de tudo isso?” No final, isso deveria nos levar à revelação do verdadeiro sentido da vida.

Nós devemos entender que o nosso mundo é meramente um trampolim do qual temos que nos impulsionar e subir à próxima dimensão que está bem aqui nesse mundo. Nós transcendemos à próxima dimensão enquanto vivemos em nosso corpo material, enquanto vivemos nesse mundo com uma família, um trabalho e tudo mais, e ao mesmo tempo, começamos a atingir o próximo mundo. Esse é o verdadeiro sentido.

O sistema nos empurra a procurar esse sentido e não haveria nada sem ele. Assim, o nosso ego é chamado de ajuda contrária porque é realmente o ego vazio que empurra o homem na direção certa.

Da Lição de Cabalá em Russo 02/10/16

Chanucá É Uma Parada

laitman_222_0Em algum momento de sua vida, a pessoa começa a senti-la como pequena, insignificante e temporária que não traz nada para si e para os outros. Na verdade, o que há nela além dos indivíduos comuns?

O que ela deixa para seus filhos e netos, e o que eles deixam? Nada! Tudo é sem objetivo – estupidez! Nós jogamos jogos nessa vida como crianças que competem constantemente entre si. Mas, basicamente, é tudo uma espécie de jogo da natureza que, aparentemente, zomba de nós.

A pessoa, de repente, começa a sentir que precisa desvendar esse mistério da natureza. Não pode ser que a natureza tenha criado tudo em vão: um aglomerado de estrelas, grandes galáxias e nós – tão pequenos nessa Terra! Nós nos sentimos como se estivéssemos em um pequeno barco em um oceano de escuridão. Como entendemos o que está acontecendo? Eu quero saber! Quero controlar meu próprio destino!

Quando a pessoa tem essa pergunta, começa a procurar e, gradualmente, chega à Cabalá.

Em princípio, pode demorar algumas vidas até que ela alcance a metodologia correta através de seu desejo desenvolvido: como desvendar o sentido da existência, sua essência e seu mistério.

A Cabalá responde a isso de forma muito simples. Você quer abrir os olhos? Não é difícil. Os olhos devem ser dirigidos para fora e não para dentro. Quando você realmente os abrir, não verá o mundo que vê na frente de você agora, porque o vê dentro de si! Está em sua mente!

A fim de abrir os olhos para o mundo real que existe fora de você, você precisa de uma influência externa especial: a Luz Superior. Você tem que lutar consigo mesmo para parar de olhar para dentro vendo apenas a si mesmo e todo o resto através de si mesmo.

À frente está a escuridão, a travessia do Mar Vermelho, mas gradualmente você vai sair da velha visão do mundo, e com a visão interior, começará a olhar para fora, fora de si mesmo. Ao mesmo tempo, seu corpo físico permanece com você, mas se tornará completamente extrínseco, porque você já existe em uma nova visão, numa nova compreensão do mundo, e lá tudo é diferente: outras forças e outros objetos.

Agora você não está dentro de sua “caixa” que constantemente engana você e mostra imagens ilusórias, mas vê forças e universos. A transição do estado corporal ordinário para o estado de revelação do mundo eterno e perfeito, o enorme sistema acima das estrelas, acima de tudo o que você observa agora é chamado de “alcançar à Chanucá”.

Esse primeiro passo do “você” material para o “você” espiritual é chamado de um passo rumo a batalha com seus inimigos egoístas internos que constantemente atiram em você imagens cada vez mais novas, irritam você e fazem tudo o que querem com você.

Mas se você ganha essa luta, chega ao estado de Chanucá que é um estado intermediário no trabalho espiritual, como uma parada (escala) no caminho, uma pausa, umas férias curtas.

Depois vem o próximo estágio de desenvolvimento, o próximo período, de Chanucá a Purim, que é a conquista do mundo superior, sua verdadeira revelação, quando você toma posse dele e começa a usá-lo claramente, o gerencia e possui.

A realização completa do mundo superior é Purim, que não é apenas uma parada como Chanucá, mas a estação final: a grande revelação do universo inteiro à pessoa, onde ela obtém todas as respostas, conquistas, condições eternas e perfeitas.

Assim, Chanucá é a primeira e única parada na estrada, a meio caminho da perfeição, e é muito importante. Nós a celebramos como uma parada completamente espiritual, porque é uma separação completa do estado egoísta anterior, mas ainda não uma aproximação do estado espiritual. É por isso que é tão etérea, suspensa, como em uma criança, quando você ainda não possui o mundo, em que você apareceu.

De KabTV do “News com Michael Laitman” 19/12/16

Uma Pergunta Sobre O Sentido Da Vida

laitman_532Pergunta: Como podemos dizer que uma pessoa tem uma pergunta sobre o sentido da vida?

Resposta: A pessoa tem que responder a essa pergunta: “Eu posso viver sem buscar o sentido da vida ou não?” Se ela pode substituir essa pergunta por algum tipo de passatempo e não pensar mais nela, isso significa que já não tem esse desejo, embora a natureza nos empurre em direção a isso.

Nós vemos o que está acontecendo no mundo, por isso estamos nos aproximando de um ponto em que as massas de pessoas se desesperarão deste mundo e encontrarão satisfação nele e acabarão por alcançar a necessidade de descobrir o plano da criação.

Da Lição de Cabalá em Russo 18/09/16

A Busca Da Felicidade

laitman_527_03Nas Notícias (Psychology Today): “Conseguir o que queremos nos traz felicidade, certo? Errado! Nós acreditamos nisso e vamos em busca da felicidade como se fosse algo que possa ser ‘encontrado’ ou ‘obtido’, mas, na verdade, é algo que podemos fazer, fabricar internamente.

“Dan Gilbert, psicólogo de Harvard, realizou uma série de workshops que exploram a ideia de que o quer que aconteça conosco, nós temos a capacidade de sintetizar (isto é, fabricar) a felicidade; não é algo que ‘encontramos’. …

“Todos nós somos capazes de fabricar a nossa própria felicidade, até certo ponto, e se ficamos muito obcecados sobre se somos ou não felizes podemos perder as experiências de vida e de relacionamento com os outros aptas a nos trazer prazer e contentamento. A felicidade não é um objetivo final, mas sim o subproduto de uma vida bem vivida onde nós amamos e nos conectamos a outros. Assim, em vez de olhar para o pote de ouro no final do arco-íris, começamos a desfrutar o arco-íris em seu lugar”.

Meu Comentário: Isso é incorreto; é puramente psicologia da Universidade de Harvard. O fato é que a felicidade está no esforço, quando as pessoas já estão começando a sentir o próximo estado excelente.

Por exemplo, uma pessoa vai se casar em um mês: ela tem um belo cônjuge, tudo é maravilhoso, eles não estão apenas sonhando em se casar, mas estão implementando seus planos e se preparando para o dia festivo. O mês que antecede o casamento é menos agradável do que o mês posterior ao casamento? Não. A expectativa de felicidade é ainda maior porque é ilimitada. Afinal, quando a pessoa espera a felicidade, isso lhe dá um grande quadro, e quando eu o recebo, o quadro é drasticamente diminuído.

A expectativa de felicidade depende apenas de nós, e somente nós ditamos o alcance da felicidade futura! Ela pode inflar, expandir e ser apreciada durante todo o tempo, e, portanto, o estado de uma pessoa pode ser ilimitado. Por isso, é possível criar a felicidade sem fim e viver dentro dela.

Mas quando eu a obtenho, ela entra em uma caixa e eu começo a senti-la dentro de mim. O que era externo (Makif - circundante) a mim, se torna interno (Pnimi). Eu mesmo a limito dentro de minhas emoções e, desta forma a distorço.

Em meus sentidos ela é descoberta um pouco mais aqui e um pouco menos lá; não há separação, desprendimento, e assim por diante, e isso leva ao seu fim. A felicidade existe no movimento rumo ao que é desejado.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 31/10/16

Black Friday, Parte 3

laitman_427_01Pergunta: Qual é a satisfação mais poderosa que você pode oferecer a uma pessoa em vez de passar o tempo comprando?

Resposta: Em primeiro lugar, é necessário compreender que o propósito da vida não está em encher o guarda-roupa com vestidos e sapatos, e a casa com móveis. Isso nos dá prazer só porque estamos acostumados com isso.

Hoje as pessoas preferem outros tipos de entretenimento: viajar e conhecer novos lugares. O turismo hoje é a indústria mais desenvolvida do mundo. As pessoas querem entender, sentir e conhecer outros países e povos. Isso já é algum tipo de avanço e não uma vida tão primitiva como correr de casa para o trabalho, do trabalho para a loja e voltar para casa.

Gradualmente, há um distanciamento do mundo material. Hoje, ao viajar ao redor do mundo, as pessoas prestam menos atenção às roupas. Todos se vestem da maneira mais confortável e agradável para si. A externalidade desaparece ao fundo, porque estamos à procura de mais satisfação interna.

Nós vivemos na era dos telefones celulares, computadores, vários dispositivos que criam imagens e sons incomuns para nós. No entanto, eu penso que, na medida em que a humanidade se afunda na depressão e busca novos preenchimentos, vem o próximo passo: o desejo de não comprar coisas materiais, mas de adquirir o sentido da vida. A pessoa vai sentir que esse é o produto que pertence à eternidade e dá satisfação eterna.

Hoje nós tentamos subir acima do mundo material com a ajuda de óculos 3-D que nos levam a uma realidade virtual. A humanidade ainda materializa a espiritualidade, mas, no final, uma pessoa será capaz de superar os limites da vida. A humanidade aspira exatamente a isso, e nós estamos bem no limiar desta subida.

Pergunta: O que significa a subida acima dos limites da vida?

Resposta: Significa que eu quero receber prazer por conhecer e ver o fato de ter subido acima da vida e da morte. Eu não quero me sentir limitado.

Pergunta: Quando as pessoas passeiam pelas alamedas, sentem-se muito solitárias. Há multidões em torno de você, mas você sente frio e rejeição. E como uma pessoa se sentirá na realidade menos material?

Resposta: Seremos obrigados a dialogar uns com os outros e se conectar. Afinal, se queremos subir acima da nossa vida e alcançar o nosso propósito eterno, isso só é possível através da nossa conexão quando subimos acima do egoísmo e alcançamos a sensação de liberdade.

O egoísmo nos mantém em escravidão todo o tempo, nos ditando sobre compras e tudo o mais e tornando negro não só a Black Friday (Sexta-feira negra), mas também o resto de nossas vidas. Portanto, vamos ter que subir acima dele, a fim de revelar o mundo eterno diante de nós e adquiri-lo!

Pergunta: Será que a pessoa não se sentirá muito pequena para adquirir o mundo superior?

Resposta: Pelo contrário, a pessoa vai coincidir com o mundo superior e preenchê-lo. Além disso, vai sentir que revela o mundo dentro de si, dentro do novo desejo que desenvolveu acima do seu egoísmo, conectando-se com outras pessoas. Dentro de sua conexão com os outros, ela irá revelar a capacidade de subir acima de si mesma e sentir a realidade infinita. Essa é a melhor compra!

Essa é a melhor e eterna aquisição que podemos fazer em nosso mundo nessa vida. Eu abro minha loja para todos os que desejam comprar essa mercadoria: a vida eterna, o sentido infinito e sem limites da vida. Como está escrito no Livro do Zohar, “Todo mundo que quer comprá-lo pode vir e comprar”.

De KabTV “Nova Vida” 24/11/16

Receber A Fim De Doar

Laitman_712_03Pergunta: Eu sou uma pessoa normal e só quero receber para mim mesmo. O que significa “receber a fim de doar”?

Resposta: Na verdade, uma pessoa normal recebe apenas para si mesma. Mas a sabedoria da Cabalá diz que, como resultado do nosso desenvolvimento evolutivo, a recepção para o seu próprio benefício não funciona.

Hoje o mundo está em tal estado que simplesmente receber para si mesmo já não é mais possível, porque estamos nos tornando redondos (completos). Nós entendemos que, quando nos deterioramos ao nível da “besta”, roubamos de nós mesmos.

Nós não podemos alcançar o sentido da vida que se encontra fora dos limites da nossa existência física.

Nessa vida, nós jogamos com todos os tipos de “brinquedos” tecnológicos, moda, e todas essas coisas que a sociedade humana produz para preencher sua existência de alguma forma, mas, na verdade, estamos completamente vazios. Se uma pessoa calculasse a quantidade de prazer que tem na vida em comparação com a energia, força e sofrimento que gastou com isso, perceberia naturalmente que teria sido preferível não viver.

Nós devemos entender que na vida há cálculos completamente diferentes, que não fomos criados para viver contra a nossa vontade. Se descobrirmos o seu significado, veremos que podemos até ser felizes nessa vida e também viver infinitamente fora de seus limites.

O método para alcançar essa felicidade é chamado de sabedoria da Cabalá, a sabedoria de como alcançar o verdadeiro prazer, não só na nossa vida terrena temporária, enquanto nosso corpo existe, mas também para além do corpo, na vida eterna, que podemos alcançar enquanto ainda estamos nesse mundo. Isso é o que é chamado de receber a fim de doar. Nesse estado, eu continuo a existir fora do meu corpo.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 09/11/16

A Sabedoria Da Cabalá Se Tornou Popular

laitman_938_07Pergunta: Por que a sabedoria da Cabalá se tornou mais popular hoje em dia?

Resposta: A sabedoria da Cabalá é uma sabedoria que tem que ser revelada em nossos dias, a todas as pessoas no mundo. Eu tenho me envolvido nela há mais de 40 anos. Durante esse tempo, ela tem realmente se tornado mais popular e procurada em nosso mundo, não porque nós a anunciamos, mas porque o mundo precisa dela.

A sabedoria da Cabalá diz à pessoa para que ela está vivendo e como pode ascender do nosso mundo para um estado de eternidade e perfeição.

Hoje, cada vez mais pessoas sentem a necessidade de revelar o sentido da vida, porque, apesar da ampla perspectiva em nosso mundo, onde olhamos ao redor e vemos tudo de cima para baixo, até o fim do horizonte e além do horizonte, não sabemos qual é o sentido da vida nesse pequeno planeta no fim da galáxia. As pessoas não sabem para que estão vivendo.

Dizem que quando você olha para a Terra do espaço, começa a entender um pouco. Vamos ascender um pouco e olhar para o nosso pequeno planeta e no que estamos envolvidos, para onde estamos correndo e o que estamos fazendo. Parem e olhem. Nosso movimento perpétuo rouba as principais coisas de nós.

Não nos envolvemos na coisa mais importante que deve ser feita em nosso mundo, que transcende suas fronteiras. O próximo mundo existe, e hoje está aberto a todos. Nós estamos em nosso mundo como dentro de uma pequena sala, correndo como crianças, brincando e pulando de um canto para outro, mas se apenas abrirmos a porta e sairmos, veremos um mundo enorme diante de nós.

A sabedoria da Cabalá nos permite fazer isso. As pessoas sentem que chegou a hora. Tais desejos surgem nelas. Essa é a razão da sabedoria da Cabalá, que fala sobre o preenchimento desses desejos, ser muito popular hoje, e eu a ofereço a vocês.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 09/11/16