Textos na Categoria 'Depressão'

Como As Relações Equilibradas Entre Os Gêneros Solucionam A Depressão: A Depressão Das Mulheres E O Sentido Da Vida (Kabnet)

KabNet publicou meu novo artigo: “Como As Relações Equilibradas Entre Os Gêneros Solucionam A Depressão: A Depressão Das Mulheres E O Sentido Da Vida

A depressão é uma epidemia global. Atualmente, mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão e as mulheres são diagnosticadas quase duas vezes mais que os homens.

Por que existe uma diferença de gênero tão marcante no número de pessoas deprimidas no mundo?

A insatisfação entre as mulheres e os homens tem uma raiz espiritual profunda. Está incorporada na natureza feminina.

Existe Algo Que Possa Preencher Completamente Uma Mulher?

De acordo com a sabedoria da Cabalá, existe.

A realização espiritual.

A espiritualidade é alcançada quando a mulher – a força feminina – usa seu profundo desejo de impulsionar o homem – a força masculina – a alcançar um propósito maior na vida. A complementaridade das forças masculinas e femininas opostas permite a obtenção mútua de harmonia e satisfação.

A capacidade feminina de elevar o mundo a um estado superior está na base da humanidade. Assim como o velho ditado diz: “A mão que balança o berço domina o mundo”. A natureza é projetada de tal forma que a habilidade feminina determina como ajustar e direcionar corretamente o mundo, ou seja, como encontrar a cooperação apropriada entre as forças masculina e feminina para que ambas funcionem juntas de forma solidária e harmoniosa.

O sentimento de desejo das mulheres é evidentemente muito maior que o dos homens. Um homem pode ser mais facilmente satisfeito com as realizações terrenas, por exemplo, participando de alguma atividade junto com seus amigos.

Uma mulher deseja mais profundidade. Ela quer carinho e amor. Ela anseia por mais simpatia e apoio. Sua maneira de se realizar é muito mais complicada do que como os homens se satisfazem.

Tudo começa e termina com uma mulher. Ela se sente como o centro da realidade, a rainha do mundo. Seu senso de singularidade é um sentimento natural que ela legitimamente personifica.

“Quando atraímos essa força, ela realiza o que é chamado de “correção” em nossos desejos egoístas egocêntricos, que naturalmente se opõem à tendência de se unir, o clique “necessário” para que todos nos fundamos como um e experimentemos o nível superior da realidade.”

Por Que É Quase Impossível Para As Mulheres Realmente Se Unirem

De acordo com a sabedoria da Cabalá, é quase impossível para as mulheres realmente se unirem. O anseio por uma sensação maior de totalidade só pode surgir quando forças opostas se apoiam mutuamente em um delicado equilíbrio.

Portanto, as forças masculina e feminina precisam de um ajuste muito preciso, para que uma força intermediária surja entre elas: a força de amor, doação e conexão. O estudo da Cabalá trata principalmente de como atrair essa força para unir as pessoas e descobrir uma realidade eterna e completa em tal conexão. Quando atraímos essa força, ela realiza o que é chamado de “correção” em nossos desejos egoístas egocêntricos, que naturalmente se opõem à tendência de se unir, o “clique” necessário para que todos nos fundamos como um e experimentemos o nível superior da realidade.

Está escrito que “homem e mulher, a presença Divina está entre eles”. A combinação e funcionalidade corretas das forças masculina e feminina é que:

1. a força feminina equilibra a força masculina ativando a força masculina em direção à conexão, e

2. a força masculina equilibra a força feminina, fornecendo-lhe força, entendimento e apoio para que a feminina se erga acima de sua natureza.

Essa é a complementaridade mútua que permite que as forças masculinas e femininas funcionem harmoniosamente.

Que Força É A Primeira A Ativar O Outro: A Masculina Ou A Feminina?

A feminina. A necessidade e o pedido de unificação sempre emergem da feminina. O desejo de uma conexão na profundidade do desejo, a alma, está na base da insatisfação e depressão de toda mulher.

Mesmo que os homens pensem que fazem progressos e avanços devido a suas próprias habilidades, de fato, todas as atividades do homem são para a mulher, ou seja, para se tornarem significativas aos seus olhos. É a maneira como somos naturalmente construídos.

Graças às diferenças entre os sexos, sobre os quais eles precisam se conectar em um único todo, a perfeição se torna possível. Não há nada em cada um deles que o outro não complemente, pois na espiritualidade, sua totalidade só pode existir em complementaridade mútua de acordo com o princípio: “o amor cobrirá todas as transgressões”.

Em outras palavras, em vez de combater nossas diferenças e focar nas diferenças entre homens e mulheres, precisamos encontrar nosso terreno comum de apoio e entendimento, onde possamos descobrir juntos uma realização e um objetivo muito maiores na vida – a revelação de como a natureza funciona em níveis mais unificados – e começar a assemelhar-se aos nossos relacionamentos com a própria forma da natureza de completa unificação.

A sensação de alcançar a unidade perfeita curará a depressão, pois trabalharemos diretamente com a chave que libera nossas sensações negativas, abrindo-as para uma realização de um tipo completamente novo: equilíbrio com a forma unificada da natureza.

Nova Vida # 91 – Entendendo A Depressão, Parte 2

Nova Vida # 91 – Entendendo A Depressão, Parte 2
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Resumo

A depressão pode ser um ponto de virada em nossas vidas. Ela nos apresenta uma oportunidade de encontrar nosso verdadeiro eu e pode nos levar a uma experiência mais elevada da vida. Se construirmos o ambiente certo para nós mesmos, este pode nos influenciar e possibilitar a programação de um amanhã melhor. O ambiente certo é aquele focado em dar. Precisamos treinar trabalhadores e aprender a exercitar nossa imaginação. Podemos mudar nossa experiência de vida mudando nossa atitude.

De KabTV “Nova Vida # 91 – Entendendo A Depressão, Parte 2”, 25/10/12

A Depressão Está Ficando Mais Jovem

laitman_564Nas Notícias (Independent): “A um menino de um ano de idade foi prescrito antidepressivos pelo NHS, na Escócia, na medida em que prescrições de drogas subiram muito em todo o Reino Unido. …

“Os números também mostraram que a faixa etária mais comum para a prescrição de antidepressivos foi para aqueles com idade entre 14 e 17 anos, e que as moças eram mais propensas a receber medicação do que os rapazes. …

“Embora as diretrizes do NHS afirmem que a menores de 18 anos não devem ser prescritos antidepressivos, mais de 100.000 prescrições por ano são dadas aos adolescentes, de acordo com o Daily Telegraph”.

Meu Comentário: O egoísmo está crescendo e exige soluções; não há respostas. A questão do sentido da vida é, consciente ou inconscientemente, sentida o tempo todo no fundo do que está acontecendo, mas ao contrário de suprimir, empurrando o problema diante de nós … para longe.

Depressão – Uma Doença Da Falta De Sentido Na Vida

Comentário: Um de nossos ouvintes escreveu que seu filho não tem interesse na vida e diz que quer morrer.

Resposta: Uma aspiração por outra coisa mais, que está além desta vida, já está aparecendo no mundo e é especialmente evidente entre as crianças. Anteriormente, nunca houve um problema tão grande como depressão infantil. Mas hoje ela está aparecendo em uma idade muito jovem.

Depressão entre os adultos não existia há 100 anos passados. Aparecia como pequena tristeza ou melancolia devido ao tédio, especialmente entre a nobreza. Mas manifestou-se intensamente apenas em nosso tempo. E esta doença é a falta de sentido na vida, e muitas pessoas sofrem com isso.

Entretanto, isso também é progresso já que a natureza desperta intencionalmente essas sensações em nós.

Pergunta: Quanto tempo leva uma pessoa a alcançar um estado em que ele pode olhar para o seu corpo como se fosse um objeto estranho, como se fosse um cachorrinho ao seu lado?

Resposta: Isto é independente do tempo, uma vez que a sabedoria da Cabalá tornou-se parte de nossas vidas no século 20, as pessoas estão continuamente desenvolvendo-se internamente. Por isso, é impossível dizer agora quanto tempo levará cada indivíduo a chegar a esse estado.

Uma pessoa que chega a este estado agora pode ter tentado atingi-lo por anos, embora alguém que vem tentando há cinco ou dez anos possa levar a partir de agora apenas um par de meses. As pessoas nascem, hoje, com um potencial diferente de poder espiritual, e em um par de meses, eles percebem o que nos levou anos.

[167809]

Da Lição de Cabalá de 20/9/15

Material Relacionado:

Elevar-se  além do Escancarado Vazio

Da Depressão à Criatividade

Depressão – A Praga do Século 21

O Desaparecimento Do Rei Do Egito

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, Shamati 159, “E Aconteceu No Decorrer de Muitos Dias:” Este é o significado de “o rei do Egito morreu”, que todas as dominações do rei do Egito, que ele estava fornecendo e nutrindo, tinham morrido.

O rei do Egito morreu dentro de nós e o controle do ego sobre nós desapareceu. Portanto, não fomos mais capazes de trabalhar. Nós estávamos sempre trabalhando a fim de receber e, depois, doar a fim de receber. E, de repente, não há ninguém para quem trabalhar, uma vez que o desejo de receber desapareceu. E se não há desejo, não há nada a fazer, nenhum desejo de doar ou receber. O ego desaparece, nós chegamos ao desespero e não sabemos para onde ir.

Não temos uma razão para nos mover, nos sentimos desconectados da vida, que de repente se torna em vão. Mas, certamente essa é exatamente a passagem para o próximo nível. Se neste momento somos impotentes, isso indica precisamente a nossa dependência da força do desejo e como ela nos mantinha em seu completo controle.

“O rei do Egito morreu”, isto é, o nosso ego deixou de ser importante para nós. Nós já não tentamos satisfazê-lo como antes, nem sentimos que há alguma vitalidade nesta realização.

Na vida comum, é claro para nós que se estamos fartos de um jogo, ele não é tão importante quanto antes, ou seja, que o rei do Egito, o ego, que era parte do jogo e nos satisfazia, não nos satisfaz mais. Portanto, nós devemos procurar outro jogo, mudando o nosso local de trabalho ou estilo de vida.

Mas, no trabalho espiritual não sabemos como mudar um problema. Na vida normal, temos TV, Internet, anúncios, e estamos constantemente escolhendo onde mais podemos encontrar prazer e o que mais pode ser experimentado. Nós entramos no supermercado e vemos infinitas variedades de vinho, queijo e carne nas prateleiras. Se você não quer uma coisa, toma outra. Isso confunde as pessoas e cria uma ilusão de uma variedade de prazeres, e isso acalma as pessoas, mostrando-lhes que há sempre algo para satisfazê-las. No entanto, vemos que com todos os sofrimentos, uma grande porcentagem de pessoas sofre de depressão, desespero completo e uso de drogas.

Como nós progredimos em direção ao trabalho espiritual mútuo, hoje em nosso mundo as pessoas não entendem para onde o rei do Egito desapareceu. Antes ele fornecia aspiração ao trabalho, do qual recebíamos diferentes realizações. Mas hoje, tudo desapareceu e este é um problema em nossas vidas.

Nós entendemos que não podemos mais mudar de emprego; não há lugar para onde escapar, e vamos precisar nos concentrar em encontrar um novo rei. Ou seja, devemos receber o controle da força de doação sem qualquer recompensa, receber força de cima e executar ações que são direcionadas para cima e às pessoas fora de nós.

Nós só precisamos pedir para nos desconectar de qualquer benefício pessoal, de nosso futuro, da satisfação e de sentimentos bons ou ruins dentro de nós.

E depois, quando eles caminharam no deserto e chegaram a um estado de Katnut, (pequenez), eles desejavam a servidão que tinham tido antes da morte do rei do Egito.

Quando o homem já se desconectou de trabalhar para o seu ego e subiu acima dele, ele é novamente trazido de volta ao sentimento dos desejos, intenções, prazeres e realizações que teve no passado! Isso é feito para que, acima de seu sentimento de desconexão, ele construa o mesmo estado num nível espiritual.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 18/04/14, Shamati # 159

A Epidemia De Solidão

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (Time): “A solidão mata. Essa é a conclusão de um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade Brigham Young que dizem estar soando o alarme sobre o que poderia ser a próxima grande questão de saúde pública, junto com a obesidade e o abuso de drogas.

“O sentimento subjetivo de solidão aumenta o risco de morte em 26%, de acordo com o novo estudo publicado na revista Perspectivas na Ciência Psicológica. Descobriu-se que o isolamento social — ou a falta de conexão social — e viver sozinho são ainda mais devastadores para a saúde de uma pessoa do que se sentir sozinho, aumentando o risco de mortalidade em 29% e 32%, respectivamente.

“Os pesquisadores enfatizaram a diferença entre o sentimento subjetivo e auto-relatado de solidão, e o estado objetivo de estar socialmente isolado. Ambos são potencialmente prejudiciais, encontrou o estudo. As pessoas que dizem que estão sozinhas, mas se sentem felizes, têm um risco aumentado de morte, assim como aquelas que têm muitas conexões sociais mas dizem que são solitárias. Pessoas que estão objetivamente isoladas e subjetivamente solitárias podem estar em maior risco de morte, diz Julianne Holt-Lunstad, uma autora do estudo, apesar dela observar que seriam necessários mais dados para saber com certeza”.

Meu Comentário: Este problema irá se manifestar cada vez mais na medida em que o mundo se torna mais amarrado com conexões externas, mas as pessoas se tornam cada vez mais solitárias. Há uma discrepância constante entre nossas conexões negativas e positivas no mundo, e a magnitude desse descompasso traz todo o sofrimento ao mundo.

A Compulsão De Assistir Programas De TV Está Ligada À Depressão

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (Newsweek): “Na Universidade do Texas, em Austin, pesquisadores entrevistaram centenas de membros da geração Y para descobrir quais são os fatores psicológicos que levam as pessoas a assistir a três ou mais episódios de TV de uma só vez. O que eles encontraram foi preocupante — os telespectadores compulsivos são mais propensos a serem deprimidos e solitários, dois fatores que também são encontrados em comportamentos compulsivos prejudiciais, tais como comer e beber.

“Os autores, que admitem que também são telespectadores compulsivos, estavam corretos: eles descobriram uma correlação entre a compulsão de assistir programas de televisão e a solidão, a depressão, e se ter uma deficiência de autorregulação, que é uma incapacidade de controlar as compulsões.

“Para as pessoas que se sentem solitárias ou deprimidas, os autores sugerem que assistir televisão compulsivamente lhes permite escapar de sentimentos negativos. E quanto mais episódios alguém assiste mais essa pessoa pode escapar. Os especialistas chamam isso de fuga ou evitação da estratégia de enfrentamento (avoidance coping strategy).

“A programação original em sites de streaming parece feita para telespectadores compulsivos. A Netflix vem lançando uma temporada inteira de novos episódios de uma só vez, desde a estreia americana de Lilyhammer em 2012; House of Cards, Orange is the New Black e a versão da Netflix de Arrested Development todos estrearam no ano seguinte.

“Os pesquisadores da Universidade do Texas estão se juntando a um campo crescente da academia confrontando o entretenimento. Um estudo de junho passado sugeriu que a compulsão de assistir séries de televisão aumenta o risco de morte prematura. Em setembro, uma especialista em pesquisa de comunicação disse ao Huffington Post que é difícil romper a exibição de uma maratona porque os seres humanos são constituídos para observar alterações em ambientes, incluindo imagens numa tela de computador”.

Meu Comentário: Num futuro próximo, quando as pessoas tiverem mais tempo livre, este será o único passatempo aceito até que o sofrimento levante a pessoa do sofá e a atire nos braços dos outros!

Ao disseminar o método da educação integral, vamos preparar o ambiente, possibilitando que todas as pessoas que perdem tempo sentadas no sofá entrem neste ambiente.

São Os Protestos De Massa Um Escape Da Depressão?

Pergunta: A sociedade atual não sente simpatia pelas pessoas no poder. Nos últimos dois ou três anos, muitos países passaram por processos semelhantes de ressentimento social e raiva. O que você pode recomendar em relação a este fenômeno generalizado e crescente?

Resposta: Encontrei-me com pessoas muito ricas que dizem: “Se eu não tenho lucros, o que vou compartilhar”? Eu queria muito responder-lhes: “Não distribua qualquer coisa! Eles podem ter tudo sem você”.

Eu, certamente, não lhes respondi desta maneira, mas a sua posição é compreensível. No passado, eles criaram os locais de trabalho, distribuíram bônus e prêmios, e através dos meios de comunicação, transmitiram rumores de que eles usaram sua riqueza para cuidar dos outros.

Hoje os ricos não têm nada para compartilhar, mesmo se quisessem. As pessoas repentinamente sentem-se vazias por dentro, em vez de sentir os impulsos naturais anteriores do “Eu quero isso, e isto, e isto”! Agora, não é possível construir um novo desejo dentro delas; o que iria preenchê-las se não há nenhum desejo, nenhuma deficiência? [Leia mais →]

Elevar-se Acima Do Vazio Profundo

Dr. Michael LaitmanA depressão é um dos problemas da humanidade moderna; ela apareceu na virada dos séculos XVII e XVIII em formas características da aristocracia daqueles dias. A pessoas que levavam vidas ociosas, não sabiam o que fazer com elas mesmas, com o que se ocupar. Com base nisso, elas secretamente começaram a levantar a questão sobre o sentido da vida; por um lado, tudo parecia estar lá, e, por outro lado, não havia nada.

Para distrair as pessoas desses pensamentos e amortecer o vazio crescente, a sociedade começou a incentivar o romance, sexo e pequenas guerras. Em seguida, o desenvolvimento de várias tecnologias começou, esportes, viagens e a busca da moda tornaram-se populares. Tudo estava focado em manter a pessoa ocupada, dando-lhe um sentimento de satisfação em vez de se concentrar na verdadeira resposta para a pergunta: “Por que estou aqui?”.

Em paralelo, a mídia impressa, o rádio e a televisão, e depois a Internet foram desenvolvidos, que preenchiam ainda mais o tempo de lazer e todos os recursos de uma pessoa. A Internet está cheia de uma grande variedade de informações que preenche o vazio que surge dentro de nós.

Apesar disso, não importa em que a pessoa esteja envolvida, há um senso cada vez maior de consciência interna de inutilidade, insignificância, e os limites de sua existência. A questão do sentido da vida inconscientemente consome qualquer pessoa, seja ela mais ou menos educada. Este buraco negro está dentro dela, e ela precisa fazer algo com ele.

Esse anseio pelas massas causou um nível significativo de depressão, e, a fim de resolver esta questão, as massas recebem sedativos e outras drogas recreativas. Sob a bandeira da luta por uma humanidade saudável, agências governamentais de saúde proíbem o fumo, mas, em vez disso, estão lentamente matando as pessoas com drogas recreativas.

O subproduto de ignorar a verdade e não se concentrar em encontrar a resposta certa levou a tudo que está sendo permitido. A humanidade não é limitada em qualquer tipo de comportamento, ou seja, relacionado a sexo ou fármacos. Satisfaça-se com qualquer coisa, só para que a depressão não seja sentida. Esta abordagem tem levado as massas a estarem dispostas a matar tudo e todos, inclusive a própria pessoa, uma vez que ela já não tem medo de nada.

Buscar o sentido da vida é mais difícil porque para encontrá-lo a pessoa deve se elevar acima de si mesma. A pessoa não pode subir acima de si mesma, exceto quando, por vontade do destino, ela encontra a sabedoria da Cabalá. Embora este também seja um longo caminho, ela pelo menos, vê algum tipo de perspectiva, não através de sentimentos, mas por meio da lógica.

Acontece que a depressão é um problema para toda a humanidade. Quanto mais cedo a humanidade avançar sob a influência da Internet e do desenvolvimento global, mais e mais pessoas vão sentir a insignificância da vida, suas limitações, no curto prazo.

Inconscientemente, nós sentimos que um potencial muito maior é inerente em nossas vidas do que o que existe agora. Pois uma pessoa não foi criada para viver como um animal, ou seja, estar envolvida com ela mesma, com a prole, e a organização de sua própria vida até o túmulo. A pessoa tem certo embrião interno que exige a sua própria autorrealização. Por um lado, há este embrião em cada pessoa, e por outro lado, este embrião pode estar suprimido.

Hoje, a indústria mais importante do mundo é a indústria do entretenimento, que toma grandes quantidades de dinheiro, recursos, etc. Mesmo essa indústria já tem experimentado um revés e nós já não somos satisfeitos por Hollywood e outros locais de entretenimento de massa.

Uma pessoa tornou-se impaciente na busca do sentido da vida. Ela não pode assistir a um vídeo clipe online que dure mais do que cinco minutos. Um ano mais tarde, ele vai ser reduzido em um minuto, e depois mais um minuto. Uma pergunta a atormenta: “Será que eu vou encontrar alguma coisa aqui? Se não, eu nem quero ver”. Afinal, ver clipes longos só aumenta o vazio, por isso é melhor não vê-los.

O problema é quando a pessoa abre um livro ou se envolve em algum negócio, ela tem medo de parar essa atividade devido a uma revelação ainda maior de vazio, insignificância, inutilidade e falta de resposta a esta pergunta que consome; portanto, ela tenta se antecipar a isso. Portanto, as pessoas diminuem suas discussões na Internet e conversas pelo telefone celular, limitando-as a frases curtas como “Até amanhã! Até mais tarde!”, como se quisessem deixar algo para o futuro. E o que elas têm amanhã? O mesmo vazio de hoje, mas parece melhor para quebrar no meio uma conversa, como se houvesse algo para falar depois.

A pessoa tem que sentir que há um futuro! E não há futuro! De alguma forma, hoje ainda podemos vê-lo. Talvez pareça fantasmagórico e nebuloso, mas ainda podemos mentir para nós mesmos sobre o assunto. Mas dia após dia esse sentimento passa, e nas mãos da humanidade não há nada que possa preencher este vazio.

Não importa o que, este vazio permanece e se torna mais escancarado, negro e sombrio. Assim, a geração mais jovem silenciosamente abre mão dessa vida, já que é muito mais fácil esquecer tudo, enquanto se está sob a influência de drogas e sair em silêncio ao invés de carregar esta escuridão internamente.

Nós estamos diante de um grande problema que nos falta o desejo e a capacidade de resolver. Apenas a Cabalá dá uma resposta a esse problema. No entanto, até que as pessoas não se tornem completamente decepcionadas, elas não vão nos ouvir. Nós devemos estar prontos para apresentar a elas a sabedoria Cabalística de uma forma que elas possam compreender. Deve ficar claro que somente nós temos a resposta, e a resposta é só para alcançar a existência infinita, eterna e perfeita, que não está concentrada em nosso corpo, mas entre nós, no sentido de nosso próprio “eu”.

Meu corpo, a substância animal, morre depois de algum tempo; no entanto, o ser humano em mim é para sempre. Portanto, eu preciso separar o “eu” do que eu agora me considero, retirá-lo, isolá-lo do meu corpo, e começar a criar, nutrir e moldá-lo. Este é o ser humano em mim que eu preciso perceber.

Pergunta: Se uma pessoa estiver neste caminho, a sua depressão vai desaparecer?

Resposta: Sim, mas outros problemas certamente começarão a aparecer, porque a pessoa tem que se desenvolver. No entanto, todos vão acabar rompendo com o seu animal. Após ter subido acima do corpo, a pessoa permanecerá lá eternamente e em perfeição. A sabedoria da Cabalá fornece uma resposta real que é compreendida por nós mesmos em nosso mundo e dentro de nós. Aqui nós não dependemos de ninguém e ninguém pode nos restringir! Este é o nosso livre-arbítrio. Para compreender isso não precisamos de ferramentas especiais; tudo está em nossas mãos.

De KabTV “Contos” 23/10/14

Pesadelo Farmacêutico Norte-Americano

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (do Fim do Sonho Americano): “De acordo com o New York Times, mais de 30 milhões de norte-americanos estão atualmente tomando antidepressivos. Os norte-americanos representam cerca de cinco por cento da população mundial, mas nós compramos mais do que 50 por cento das drogas farmacêuticas.

“A taxa de uso de antidepressivos entre as mulheres de meia-idade é muito maior do que para a população como um todo. Neste ponto, uma em cada quatro mulheres na faixa dos 40 e 50 anos está tomando uma medicação antidepressiva.

“Os norte-americanos também consomem gritantes 80 por cento de todos os analgésicos prescritos.

“É difícil de acreditar, mas os médicos nos Estados Unidos prescrevem 259 milhões de prescrições de analgésicos a cada ano. Analgésicos são algumas das drogas legais mais viciantes, e nossos médicos estão servindo como facilitadores para milhões e milhões de norte-americanos que se encontram viciados em drogas que não podem retroceder,

“Uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas descobriu que mais de 15 por cento de todos os norte-americanos alunos de escola média abusam de drogas prescritas.

“A quantidade de dinheiro que a indústria farmacêutica está retirando é astronômico. Tem sido relatado que os norte-americanos gastaram mais de 280 bilhões de dólares em medicamentos prescritos durante 2013”

Meu Comentário: Já que os medicamentos são comprados com dinheiro, o seu consumo só vai aumentar e os norte-americanos aprenderão a usá-los.