Por Que Purim É Importante Hoje? (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Por Que Purim É Importante Hoje?

O feriado de Purim é especialmente relevante no mundo de hoje. No teatro da nossa realidade atual, a cortina se ergue e a performance começa com a entrada do elenco completo de personagens, os heróis e os vilões, e o intrincado enredo se desenrola. Assim como o cenário da história de Purim em Shushan, o povo judeu hoje enfrenta momentos especiais em que grandes forças de separação operam para nos separar. Os eventos descritos em O Pergaminho de Ester sugerem as correções que temos que passar como povo para superar as ameaças que pairam sobre nós. Nossa própria sobrevivência depende da realização dessas correções.

Vamos ver os personagens por trás dos figurinos:

Hamã é representado pelo ressurgimento do nazismo, do ódio da esquerda em relação aos judeus e Israel, e vozes extremas de ambos os lados do espectro que clamam por nossa destruição.

Mordechai é o representante do bem da história. No entanto, por mais que tente ser uma força positiva, ele é impotente para fazê-lo sozinho. Ele precisa primeiro reunir e unir os judeus distantes, e ao fazer isso, Mordechai invalida o decreto do perverso Hamã, para erradicar todos os judeus. “Há certas pessoas, dispersas e espalhadas”, diz Hamã ao rei Assuero, alegando que os judeus não cumpriram as leis do rei, o que desacreditou seu propósito de existir aos olhos do rei.

Nesse ponto, surge uma pergunta: por que Hamã ligou a dispersão dos judeus a sua desobediência às leis do rei? Hamã entendeu que o princípio pelo qual a nação judaica surgiu foi a unidade. Tal estado de unidade foi alcançado através da correção do egoísmo – a exploração dos outros por nossa própria causa – a um estado de amor e doação. Purim simboliza o fim desse processo de correção.

Os judeus foram sancionados como nação quando concordaram em se unir “como um homem com um só coração”. Sua dispersão era sinônimo de sua desunião, o que significava que eles não conseguiam viver de acordo com o que os estabeleceram como nação para começar. É isso que Hamã enfatizou ao rei Assuero.

Embora “dispersa”, a rainha Ester não podia servir aos judeus porque eles violavam a lei do rei. Quando se uniram, no entanto, eles se restabeleceram como nação, exatamente como o rei Assuero ordenou, fazendo com que a alegação de Hamã fosse insuficiente. Por essa razão, Ester transmite a Mordechai: “Você quer que eu vá ao rei e implore por suas vidas? Não fique apenas sentado no portão do rei; vai reunir os judeus!”

Purim nos fornece o exemplo de final feliz, onde o povo judeu entende seu papel e propósito, e assume a responsabilidade de realizar a lei do rei: unindo-se acima de suas diferenças e, assim, assegurando sua sobrevivência. O lado oposto foi claramente exemplificado pelos eventos trágicos em meados do século passado, que revelaram a que uma escalada de ódio judaico, juntamente com a negação judaica desse ódio e a falha em fazer qualquer coisa sobre isso, poderia levar.

Qual é a unidade que nós judeus devemos alcançar agora? Isso não significa que precisamos nos reunir fisicamente em Israel ou em qualquer outro lugar, assim como os judeus da história de Purim não precisavam deixar as 127 províncias em que viviam para se unir fisicamente em Shushan.

Unir-se significa que devemos nos apoiar mental e emocionalmente uns aos outros na busca de um acordo comum para estarmos lá um pelo outro, “como um homem com um coração”, acima de quaisquer diferenças entre nós. Além disso, unir-se também significa que, por meio dos nossos esforços em encontrar nosso ponto unificador comum, nos tornaremos condutores de unidade para o resto da humanidade, como está escrito, para se tornar “uma luz para as nações”.

Em outras palavras, a dispersão e desunião entre nossos corações espalha dispersão e desunião pelo mundo, e seu oposto também é verdadeiro – nossa unificação espalha unificação. A união é a expectativa não satisfeita que a humanidade tem atualmente dos judeus. Embora seja difícil tanto para os não-judeus como para os judeus identificar ou verbalizar esse sentimento, ele se esconde atrás de todo sentimento antissemita.

Da dúvida e do medo em face da destruição total à euforia depois de tudo dar certo no final, a história e o significado de Purim englobam uma das maiores resoluções dos opostos já conhecida.

Nós, judeus, temos as chaves para ambos os resultados possíveis: a escolha de permanecermos desunidos, que tem consequências devastadoras, ou a escolha de nos unirmos, que produz o estado exaltado que Purim simboliza.

Toda vez que nós judeus éramos ameaçados de extermínio, o nosso compromisso com a unidade era que nos permitia prevalecer e sobreviver. Hoje, os judeus devem lembrar essa história e dar um exemplo positivo para todos. Esta é a própria ação que trará o nosso povo e o mundo inteiro para mais perto da paz, do equilíbrio e da alegria ilimitada.

Feliz Purim a todos!

Comente