The Times Of Israel: “Uma Revisão Do Antissemitismo Na América Depois Do Comício Unite The Right 2”

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Uma Revisão Do Antissemitismo Na América Depois Do Comício Unite The Right 2

Sejamos realistas. A magnitude do racismo e antissemitismo na América não pode ser medida pela baixa participação no recente comício Unite the Right 2, a comemoração de um ano dos protestos violentos em Charlottesville, Virgínia, que resultaram em morte e violência. Menos pessoas podem ter participado desta vez, mas as estatísticas mostram que o ódio acabou de ser recarregado.

No comício do ano passado, centenas de nacionalistas brancos brandiram tochas cantando “os judeus não nos substituirão”, mas era apenas a ponta do iceberg. Segundo a Liga Anti-Difamação, em 2017 e 2018, houve 3023 incidentes extremistas ou antissemitas nos Estados Unidos.

Se olharmos abaixo da superfície, veremos que essa luta transcende a afiliação política e a cor da pele. No coração do sentimento de ódio visceral está um grupo-alvo muito específico, os judeus. O historiador da Universidade de Chicago, David Nirenberg, diz que esse fenômeno “não deve ser entendido como um armário arcaico ou irracional nos vastos edifícios do pensamento ocidental. Foi mais uma das ferramentas básicas com as quais esse edifício foi construído”.

O ódio aos judeus não requer justificativas. Encontra-se no inconsciente coletivo das nações do mundo. Como o Cabalista Yehuda Ashlag escreveu em seu ensaio “Os Escritos da Última Geração”: “É um fato que Israel é odiado por todas as nações, seja por razões religiosas, raciais, capitalistas, comunistas ou cosmopolitas, etc. É assim porque o ódio precede todas as razões, mas cada uma apenas resolve sua aversão de acordo com sua própria psicologia”.

Uma análise profunda dos desafios enfrentados pelos judeus exige uma visão ampliada da questão no contexto do desenvolvimento da humanidade. A sabedoria da Cabalá explica que os marcos humanos começaram em meados do século XX, um momento decisivo para a humanidade, quando ela terminou seu desenvolvimento egoísta e passou para uma existência interdependente e interconectada.

Essa nova realidade se manifesta em todos os níveis da atividade humana: economia, tecnologia, comércio e comunicação. A fim de se desenvolver ainda mais harmoniosamente, é necessária uma nova atitude em relação à conexão humana positiva, uma que corresponda ao nível de interdependência que vemos que alcançamos através de tais sistemas.

Gradualmente, pessoas de todas as esferas da vida, raças, religiões, crenças e nacionalidades devem adquirir as habilidades para se integrar positivamente em uma sociedade interdependente, ou seja, criar uma atmosfera de apoio, encorajamento e amizade acima das tendências divisórias. Na antiga Babilônia, durante o tempo de Abraão, o Patriarca, o povo judeu recebeu o método de conexão que dá a todo ser humano as ferramentas para se unir aos outros, acima da diferença. O povo judeu foi o primeiro a recebê-lo e é obrigado a transmiti-lo ao mundo, tornando-se uma “luz para as nações”.

Este método especial de conexão é a sabedoria da Cabalá. Ele nos ensina a elevar-nos acima do nosso ego, a força poderosa que nos separa. Ao usar seu roteiro, criamos um campo magnético positivo, uma força altruísta para equilibrar nossa inclinação e ações egoístas.

Portanto, assim que os judeus criarem um modelo de sociedade baseado na solidariedade e compreensão mútua, eles se elevarão à mesma frequência de conexão e amor que está por trás da natureza. Eles se harmonizarão com a força positiva, o poder supremo que então permeará a realidade.

Assim, as relações quebradas entre as pessoas, manifestadas como nazismo, racismo e ódio de todos os tipos, serão transformadas em uma coexistência equilibrada para a humanidade como um todo.

Comente