The Times Of Israel: “Desafios De Hoje Para Os Judeus E A Falta De Liderança”

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Desafios De Hoje Para Os Judeus E A Falta De Liderança

O futuro da nação judaica está em jogo. Chegou a hora de um “Moisés moderno” para o povo judeu – um líder, um grupo ou um movimento que pavimentará o caminho para a união diante das atuais divisões e conflitos? Um tipo de liderança de esquadrão avançado que aborda as questões mais prementes que afetam os judeus na diáspora e em Israel, e preenche as lacunas entre eles?

Fragmentação interna e divisão, apatia, assimilação e antissemitismo são apenas alguns dos desafios do mundo judaico. Esses problemas são claramente evidentes, mas ninguém está avançando com soluções ou planos viáveis ​​para abordar efetivamente essas questões, o que poderia aumentar rapidamente e ameaçar nossa própria existência. Estamos muito ocupados brigando uns com os outros enquanto nossos inimigos unem forças contra nós.

Na Europa, o antissemitismo atingiu níveis tão altos que os judeus foram advertidos a não usar kippot em público por medo de serem violentamente atacados. Na Grã-Bretanha, os incidentes antissemitas atingiram recordes pelo segundo ano consecutivo, com mais de 100 novos casos sendo registrados todos os meses por grupos de vigilância. Na Alemanha, um país que anteriormente se aplicava à legislação mais rígida do mundo que proibia o uso de símbolos nazistas, recentemente suspendeu essa proibição para jogos de computador. A venda de mercadorias neonazistas e encontros neonazistas em festivais de música não são mais tabus. Só nos EUA, foram registrados 3023 casos de antissemitismo em 2017 – 2018, o nível mais alto em duas décadas, de acordo com a Liga Anti-Difamação (ADL).

Enquanto isso, há um conflito crescente entre judeus americanos e israelenses. Uma mudança significativa está ocorrendo na visão da geração mais jovem de judeus americanos sobre o que significa ser judeu. Assim, uma das maiores preocupações dos judeus americanos é manter a identidade judaica da próxima geração, e a memória do povo judeu, para ajudar a evitar riscos existenciais para o povo judeu.

Para defender esses desafios, precisamos de uma liderança capaz de renovar nossa base ideológica como um povo unido. Tal liderança deve elevar-nos ao nível de unidade e responsabilidade mútua que uma vez foi alcançado e ensinado por nosso patriarca Abraão ao pequeno grupo chamado “Israel” antes de descermos ao ódio infundado, a fonte de todos os nossos problemas e misérias. De maneira muito simples, quando nos unimos – não apagando nossas diferenças, mas nos elevando acima delas -, conseguimos e prosperamos, e nossa liderança deveria estar predominantemente preocupada em realizar esse princípio.

Devemos aspirar a uma nova liderança capaz de aprender os princípios da antiga sabedoria da Cabalá e que possa explicar como a humanidade está conectada como um sistema integral. Precisamos de uma liderança que demonstre como o povo judeu é um microcosmo do mundo, uma pequena réplica que reflete toda a humanidade e que pode nos guiar passo a passo ao fazer mudanças positivas significativas rumo à conexão e ao entendimento mútuo.

O mais renomado Cabalista do século XX, Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), escreveu em sua “Introdução ao Livro do Zohar”: “Tenha em mente que em tudo há interioridade e exterioridade. No mundo em geral, Israel, os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó, são considerados a interioridade do mundo”. Essa força interna pode ser ativada no povo judeu através de nossa conexão. É o que as nações do mundo inconscientemente querem de nós, vivendo profundamente como a razão central por trás de toda expressão de antissemitismo.

O Rav Abraham Isaac Kook também enfatiza a importância de nosso papel em seus escritos Orot (Luzes): “Israel é a essência de toda a existência, e você não tem movimento no mundo, em todas as nações, que você não encontrará em Israel”. Como nossos sábios transmitem, nosso papel judaico não é opcional. Somos responsáveis ​​por tudo o que acontece no mundo, para melhor ou para pior. É difícil entender porque não sentimos isso imediatamente, mas com a ajuda de uma liderança sábia que saiba como tornar esta realidade clara e acessível a todos, veremos que é assim que o sistema de conexão humana é estruturado em um nível mais profundo. Em vez do estado atual de reagir com respostas automáticas a dificuldades e perigos, uma liderança sábia evitaria que tais situações se desenvolvessem em primeiro lugar, estabelecendo nossa unidade como nossa salvaguarda inviolável.

Com os Grandes Feriados (Festas) se aproximando, temos uma grande oportunidade de renovação. Agora é a hora de uma liderança que nos guiará para alcançar o nível de “ama teu amigo como a ti mesmo” e, ao fazer isso, tornar-se uma “luz para as nações”. Isso exigirá uma campanha educacional massiva exigindo unidade e união. No momento em que atingirmos a meta de conexão, em vez de mais divisões, conflitos e ameaças, poderemos proclamar uma verdadeira Rosh Hashaná, o começo de um novo ano de unidade, paz e tranquilidade para todos.

Comente