The Times Of Israel: “Buscando: Um Líder Espiritual Para O Povo Judeu”

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Buscando: Um Líder Espiritual Para O Povo Judeu

Entre todas as figuras poderosas, carismáticas e inovadoras do mundo judaico, ainda falta um líder grande e altruísta, acima dos interesses materialistas, capaz de elevar Israel a ser digno de cumprir seu papel espiritual no mundo.

Aqui está um pouco da sabedoria judaica (Masechet Iruvin, 13b): “Todo aquele que conquista a grandeza, a grandeza lhe escapa. E todo aquele que escapa à grandeza, a grandeza o apanha”. Tal era Moisés, o modelo ideal de um líder. Hoje em dia, lembrar a liderança única de Moisés pode ser uma boa lição para todos nós, vocês e eu, e até os chefes de Estado.

Moisés não era uma pessoa comum. Ele era um príncipe. E não um príncipe comum, mas o favorito do rei, aquele destinado a herdar o rei, como o Midrash descreve,

“Você está dizendo: ‘E a criança cresceu’. No entanto, ele não cresceu como todo mundo. A filha do faraó iria beijá-lo, acariciá-lo e amá-lo como se fosse seu filho. Ela não o tiraria do palácio do rei. E como era bonito, todos ansiavam em vê-lo. Alguém que o visse não seria capaz de ignorá-lo, e o Faraó o beijaria e acariciaria. Ele pegaria sua coroa, e o Faraó colocaria em sua cabeça, como estava destinado a fazer quando crescesse.

Ao mesmo tempo, Moisés era a antítese de um pretenso governante. Ele era tudo menos eloquência, ele era um pária entre os hebreus e egípcios, e muitas vezes não conseguiu entender a Deus, cuja mensagem ele estava carregando. Qualquer outra pessoa teria desistido há muito tempo. Mas não ele; ele tinha a qualidade que gostaríamos de ver nos líderes de hoje: amor verdadeiro e altruísta por seu povo.

Seu amor lhe permitiu liderar porque conectava o povo a ele e uns aos outros. Além disso, o amor dele finalmente implantou um novo atributo neles: amor ao próximo. Quando eles se uniram ao pé do Monte Sinai, “como um homem com um coração”, se tornaram uma nação. Enquanto continuaram a aderir à lei do amor, aspirando sempre a seguir o lema “ama ao próximo como a si mesmo”, conseguiram sustentar-se como nação.

Como Mordechai no livro de Ester, Moisés primeiro une o povo, e depois eles são recompensados ​​com um milagre e redenção final. No caso de Moisés, foi o êxodo do Egito e a chegada final à terra de Israel. No caso de Mordechai, foi o retorno final à terra de Israel após a “redenção” de Hamã e o retorno da Pérsia.

Não é por acaso que a unidade precede a redenção. Apesar das inúmeras tentativas de mudá-la, e apesar dos atos ocasionais de bondade, em sua essência, a natureza humana é autocentrada. É algo que é muito evidente nos dias de hoje, quando olhamos ao nosso redor e examinamos nossa sociedade, e isso é algo conhecido há milhares de anos, daí o versículo: “a inclinação no coração do homem é má desde a sua juventude”.

No entanto, uma sociedade não pode sobreviver apenas do egoísmo. Requer equilíbrio entre dar e receber. Moisés ensinou o povo a não lutar contra seus egos, mas a superá-lo e cobri-lo com amor, como em “O amor cobre todas as transgressões”. Assim como hoje estamos perdendo a batalha contra nossos egos, tornando-nos cada vez mais egocêntricos, os antigos hebreus não conseguiam lidar com isso. Em vez disso, Moisés ensinou-lhes como se elevar acima dele e estabelecer um pacto de amor mútuo que facilitasse um modelo justo e social baseado na responsabilidade mútua.

De fato, um líder é em primeiro lugar um educador. Moisés educou seu povo para se amarem uns aos outros e os ajudou a se conectarem acima de seus egos. Os hebreus se uniram em torno do monte Sinai, que recebe o nome da palavra hebraica sinaah (ódio). Eles não destruíram a montanha de ódio entre si, mas enviaram o elemento mais intocado em seu meio, Moisés, para escalar a montanha, conquistá-la e derrubar uma lei (Torá) pela qual seriam capazes de estabelecer o amor entre si.

A Torá nos diz que o processo de estabelecimento do estado de “ama ao próximo como a si mesmo” não foi suave nem fácil. Mas desde que ele foi dado no Monte Sinai, não mudou. Quando o povo de Israel estabeleceu responsabilidade mútua, tornando-se “como um homem com um só coração”, eles receberam o princípio “ama ao próximo como a si mesmo”, a grande regra da Torá. Naquela época, o Criador disse sobre eles: “Hoje vocês se tornaram um povo”.

Enquanto a nação estava sendo transformada, Moisés estava liderando o caminho, sempre mostrando mais dedicação e devoção ao seu povo do que qualquer outra pessoa poderia reunir. Assim, o modelo perfeito também era o líder perfeito. Precisamente porque não tinha nenhuma vontade de governar, nenhum dinheiro, poder, pedigree (sendo o príncipe proscrito do inimigo), ou mesmo eloquência, mas apenas uma qualidade redentora – o amor – ele era o líder ideal.

De fato, somente um líder que nutra o amor fraternal, em vez do desejo de poder e autoestima, pode ter sucesso em Israel. O sucesso de Israel está em sua unidade, e somente esse líder pode unir o povo. Se os líderes de hoje querem tirar o carro do povo judeu do pântano do anti-ssemitismo, eles devem antes de tudo concentrar-se em unir Israel. Este será o começo de nossa verdadeira redenção: de nossos próprios egos.

Comente