Israel E As Nações Do Mundos

Laitman_115_04Está escrito no artigo “Arvut (Garantia Mútua)” que nós fomos escolhidos pela necessidade de ser o povo peculiar de todas as nações, ou seja, ser um grupo especial, a “nação”, que é uma conexão entre pessoas que estão conectadas pela garantia mútua entre si, a força da unidade mútua, ajuda mútua, onde elas são um corpo completo. Este corpo completo poderia ser egoísta como as setenta nações do mundo. Porque cada uma das sete Sefirot de Zeir Anpin é composta pelas dez Sefirot privadas que são as setenta raízes espirituais.

Portanto, quando o vaso geral quebrou, setenta sementes egoístas foram criadas, que estão espalhadas em toda a humanidade. Esta é a fonte da definição de “setenta nações do mundo”, ou seja, setenta diferentes tendências egoístas.

Além disso, há a “nação de Israel”. Quando sob a influência da Luz Superior ocorre uma classificação de todos os desejos das nações do mundo, a Luz, como um ímã, puxa do ego geral os desejos que anseiam pelo Criador, embora eles não estejam corrigidos para doar. Eles são chamados de Israel (“YasharEl,” direto ao Criador). E os desejos das setenta nações do mundo são direcionados apenas para o seu ego.

É assim que a força geral é dividida pela influência da Luz. No início ela se quebrou em pedaços, depois eles se misturaram, se ordenaram, e em seguida ocorreu a separação: uma parte se eleva, esta é “a nação de Israel”, e a segunda parte permanece estática, que são as “setenta nações do mundo”. Na verdade, elas não são nações, mas forças espirituais, que se destacam na natureza e, mais tarde, gradualmente são expressadas nas pessoas.

Há muitos anos, quando o povo da antiga Babilônia despertou um desejo de autorrealização, parte dos babilônios começou a ansiar pelo Criador e se separou de todo o resto. Isto aconteceu sob a influência de Abraão, que foi o primeiro a revelar o Criador, a força da natureza que age na criação.

E a outra parte do povo não sentiu isso, e a partir da influência de Abraão eles sentiram as inclinações negativas opostas. Assim é como as nações do mundo foram espalhadas por todo o mundo apenas em busca de satisfação egoísta. Portanto, se diz: “fomos escolhidos pela necessidade de ser o ‘povo escolhido’ de todas as nações”. Ou seja, nós temos que justificar a intenção que existe em nós.

Assim, apenas o povo de Israel tomou para si e entrou em garantia mútua e não os povos das nações do mundo, que não participaram disso, porque a própria realidade obrigou-os a fazê-lo.

Ou seja, toda a Babilônia foi dividida em dois grupos. Um grupo é a “nação de Israel” (que anseia diretamente pelo Criador) e o segundo grupo as “nações do mundo” (que anseiam por seu ego). Cada grupo se desenvolveu de acordo com seu padrão, mais tarde eles se misturaram, e agora se encontraram. A partir deste momento, nós entramos numa fase especial no desenvolvimento da humanidade.

Mas a correção final do mundo será trazer todos no mundo unidos em seu desejo pelo Criador, e o Criador será revelado a todos os povos do mundo, como os sábios escreveram: “E o Senhor será Rei sobre a terra, e neste dia Ele e o Seu nome serão um”. Deus é a Luz, o Criador, e o nome Dele é a revelação dos quatro graus da Luz “Yod-Hey-Vav-Hey“, letras pretas sobre um fundo branco. “Ele e o seu nome” significa que cada revelação em nosso mundo será boa, plena e eterna, como a própria Luz.

E será dito naquele dia: “E a terra se encherá do conhecimento do Criador, e todas as nações fluirão a ele”. O conhecimento será revelado nos desejos de todas as nações e não na nação de Israel, que só fará o seu papel. E graças ao ego que será corrigido nas nações do mundo, um grande conhecimento geral e a compreensão do Criador serão revelados.

Mas o papel de Israel para com o mundo inteiro é similar ao papel dos nossos antepassados para com a nação de Israel. Nó precisamos ser professores para todas as nações do mundo e ajuda-las a subir na escada de graus como nós.

E cada mandamento (correção do nosso desejo) que o povo de Israel faz a fim de dar satisfação ao Criador, sem qualquer recompensa e amor-próprio (atos de doação pura), serve como estímulo para o desenvolvimento de todos os povos. Afinal de contas, nós estamos todos conectados e transferimos o vírus positivo de nós para toda a humanidade… até que inclinarmos a balança para o lado do mérito. Nós iremos transferir através de nós a Luz Circundante à humanidade, até que ela os conecte. Precisamente assim toda Luz do Criador será revelada em toda a criação.

Portanto, nós temos um problema sério com esta conexão pessoal com o outro, para que possamos formar um desejo comum que seja semelhante à Luz.

A Luz é uma, única e unificada; Ele criou um único desejo, e depois, propositadamente, o quebrou em pequenos pedaços.

E agora, por nós mesmos, com a ajuda da influência desta Luz, precisamos alcançar o estado em que a Luz criará novamente o desejo geral como ele era antes — um, único e unificado.

Mas nós precisamos pedir isso; quando tentamos fazer algo no nosso mundo, nós vemos que não temos sucesso, e devemos pedir que a Luz Superior nos ajude. Este pedido é chamado “elevar MAN” ou uma oração. E se ele for correto, não egoísta, mas direcionado a cumprir esse ato, a Luz irá satisfazê-lo.

Da Convenção em Sochi 10/06/15, Lição 3

Comente