Escravo Do Faraó Ou Servo Do Criador

Dr. Michael LaitmanO mundo espiritual é um mundo de qualidades que é dominado pelo atributo de doação, a força de doação, o atributo de amor e doação. Se uma pessoa tem esse atributo, isso significa que ela está no mundo espiritual.

Se uma propriedade oposta domina a pessoa, o atributo de recepção, e ela está totalmente imersa nele, isso significa que ela está no mundo corpóreo.

Tudo depende da força que age em você, que domina e gerencia você. Se ela é a força de recepção, desejos egoístas e cálculos, isso significa que você sente o mundo corporal e vive nele. Mas, se de repente você adquire a força de doação e é incorporado nela, isso significa que você está no mundo espiritual.  Nós não podemos imaginar a diferença entre os dois mundos. É impossível descrever ou explicar isso.

Porque o desejo de receber precisa ser corrigido e seu poder é revelado temporariamente, quando ele acaba e sucumbe à dominação do desejo de doar. Nós também estamos no desejo de receber, na matéria temporária perecível, na medida que nascemos, vivemos e morremos. É uma réplica da força espiritual, o desejo de receber; após 70 anos, setenta níveis, nós devemos desaparecer e nos transformar no desejo de doar.

O exílio é uma sensação no desejo de receber que deve passar por uma mudança e alcançar a forma de doação. O ser criado não pode doar; ele só pode ser um desejo de receber, enquanto a doação é o atributo do Criador. Mas quando o desejo de receber trabalha com a intenção a fim de doar e se escraviza aos outros e ao Criador, isso significa que ele doa.

Assim, nós só podemos estar em dois estados: escravos do Faraó, trabalhando para o desejo de receber, ou servos do Criador ,trabalhando para o desejo de doar. Todo o nosso trabalho é ajudar a nós mesmos e ao mundo inteiro a alcançar o desejo de doar e deleitar o Criador.

Se não adicionamos essa meta, não é mais um desejo de doar. O desejo de doar só pode ser expresso de uma maneira, deleitando o Criador, porque esse desejo, essa inclinação, está separado de mim e não recebe uma recompensa. Ele vem de mim, mas não voltará para mim.

Se eu atuo para o bem dos seres criados, dos amigos, do grupo, e não pretendo deleitar o Criador por isso, significa que não sigo a linha da doação até o final e ainda atuo para o meu próprio bem. Só se eu pretendo alcançar o Criador for a minha intenção relativamente pura, de acordo com o meu nível.

Da 4a parte da Lição Diária de Cabalá 07/04/14, Escritos do Ari

Comente