Nos Bastidores De Um Teatro De Sombra

Dr. Michael LaitmanPergunta: Nós podemos avaliar o equilíbrio de poder em nosso mundo de acordo com o equilíbrio de forças espirituais na história de Purim? Como a educação integral e a ciência da Cabalá estão refletidas nessa nesta história?

Resposta: Vamos dar uma olhada nos personagens de Purim: O rei, Mordechai, Hamã e Ester que os une. Todos os fios são tecidos nela.

Isto é como as inclinações de uma pessoa são apresentadas: as três linhas e o Criador acima, ou seja, o conhecimento e a aspiração por Keter acima da razão na linha do meio. Mas, na realidade, tudo isso se manifesta devido ao trabalho de unificação. Daí os eventos de Purim acontecerem durante o exílio Babilônico.

Purim é o símbolo mais importante.

O grupo de Abraão veio da Babilônia, realizou uma série de correções, caiu de seu grau e desceu para a Babilônia novamente para revelar o último método de correção lá.

Com esse método, o grupo constrói novamente um vaso espiritual; no entanto, ele não pode permanecer nele porque este vaso é muito mais fraco do que o anterior. Ele tem muito mais limitações do que o anterior, porque agora o mundo inteiro precisa ser corrigido.

Então, novamente, a mistura ocorre, mas já na base deste vaso corrigido na Babilônia e adaptado para o mundo.

Então os filhos de Israel saem ao mundo para estar junto com ele e nos nossos dias eles vêm para a mesma Babilônia, para a mesma situação com Hamã, Mordechai, e Assuero.

Hoje, tudo está pronto, mas queremos avançar ao longo de um bom caminho, acima da razão, e por isso temos que explicar a todos que a salvação está na união.

Na época, Hamã queria usar o estado de “sono” dos filhos de Israel: eles não mantiveram a conexão correta entre si e isso proporcionou a oportunidade de destruí-los, ou seja, destruir a aspiração espiritual e fazê-los trabalhar egoisticamente.

Por outro lado, a educação integral nos diz: “não, temos que começar a nos unir porque nela reside a salvação do mundo, material e espiritual”. Nós não temos outra opção.

Nas condições atuais, nós estamos aparentemente contra o mundo inteiro, exigindo o consumo razoável de acordo com as necessidades básicas, a igualdade, a distribuição justa, etc. Nós explicamos que o inflado setor bancário e a produção excessiva não têm lugar no mundo. Gradualmente compreendendo como temos que viver em novas condições, a humanidade vai se livrar de todas aquelas atividades inventadas, deixando apenas o que é realmente necessário para a existência normal.

Isso não significa que podemos voltar ou inverter a história. Claro, podemos continuar a desenvolver diversas tecnologias, mas de uma forma que elas não sejam frescuras, mas necessidades reais para a vida.

Por exemplo, se a produção for automatizada, as pessoas não terão que trabalhar nem por uma hora por dia. Bem, deixe-as se envolver na atividade principal da sua vida: o desenvolvimento espiritual. Deixe-as fazer o trabalho interno em si mesmas.

Nós não entendemos ainda que as tecnologias de ponta criam um novo mundo “virtual”, onde o desejo de receber existirá calmamente acima do nível do “animal”, porque depois de ter subido ao nível humano, você deixará de sentir o “sabor” dos desejos anteriores. Da mesma forma, não sentimos como nosso cabelo e unhas crescem, e como os aparamos.

A sensação deste mundo vai começar a “desaparecer” e todas as nossas ações, todas as conexões, toda a existência, serão sentidas apenas nas relações entre as pessoas. Só estas relações serão baseadas, não no princípio de “dar e receber”, não apenas na interação física nem por meio da troca de mercadorias, este nível irá recuar para o fundo e desaparecer da percepção; ao invés dele, cada vez mais nós sentiremos a essência interior do que está acontecendo, nosso relacionamento verdadeiro e profundo.

Assim, em nossa percepção, vamos passar para o próximo nível, que não existe em nosso mundo, pois consiste dos níveis inanimado, vegetal e animal, e o nível humano não pertence a ele. Se você o alcança, todos os outros graus são incluídos nele e desaparecerem como tal. Então, nossa percepção é subitamente transportada no mundo das forças, não no mundo da matéria. Acontece que a “matéria” é o desejo de receber, e não imagens materiais, como sombras, projetadas no espelho da nossa consciência.

As tecnologias modernas oferecem bom suporte para essa percepção. Nos próximos anos vamos ver como as pessoas perdem suas atividades habituais, como se fossem deixadas sem nada. Então, por que somos carentes?

Nós somos carentes, mas não na forma de corpos. Afinal, o “eu” é algo eterno, imutável, e podemos subir a este grau por meio da educação integral, que nos permite avançar suave e confortavelmente e não sob a enxurrada de golpes que não nos deixam outra escolha.

Nós não podemos nos desesperar neste caminho. Afinal, nosso pequeno esforço espiritual muitas vezes excede todos os esforços materiais. Se pensarmos um pouco mais, “nos esforçarmos” um pouco mais no desenvolvimento espiritual, sem bombas e mísseis, seremos capazes de resistir a isso, milhões de inimigos serão impotentes diante disso.

Nós temos que estar cientes da diferença de potenciais entre a força espiritual e a força material. Como Baal HaSulam escreve que todos os representantes do nível “animal” são iguais a um representante do nível humano. Em essência, não há nada para comparar, porque o poder entre os níveis difere muito. Nós só precisamos ir mais fundo, e você vai ver como chegaremos ao Purim…

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 25/02/13, Escritos do Rabash

Comente