O Modelo Social Europeu Contradiz A Integração

Dr. Michael LaitmanOpinião (Daniel Gros, diretor do Centro para Estudos de Política Europeia, em Bruxelas): “Em reuniões de alto nível da elite da União Europeia de elite, muitas vezes ouve-se o seguinte tipo de declaração: ‘A Europa deve se integrar e centralizar a governança econômica, a fim de defender o seu modelo social numa era de globalização’”…

“Mas a afirmação de que somente uma integração mais profunda da UE pode salvar o modelo social ‘europeu’ do ataque dos mercados emergentes não é verdade. Sim, a globalização representa um desafio para todos os países membros da UE, mas não está claro como a maior integração iria ajudá-los a enfrentá-la. Mais governança econômica europeia não é uma panaceia”.

“Na verdade, não é sequer claro qual modelo social europeu precisa ser salvo. Há diferenças enormes entre os membros da UE em termos do tamanho de seus setores públicos, a flexibilidade dos seus mercados de trabalho, e quase qualquer indicador socioeconômico que se possa pensar. Os elementos comuns que são normalmente identificados com o modelo social ‘europeu’ são a busca de igualdade e um Estado social forte”.

“Mas nenhum dos principais problemas enfrentados pelos sistemas europeus de previdência social: o lento crescimento econômico e o envelhecimento da população (uma função da baixa fertilidade) – podem ser abordado a nível europeu”…

“A chave para assegurar o futuro dos sistemas europeus de previdência social e, assim, o seu modelo social, é crescimento mais rápido. Novamente, é difícil ver o quanto mais a Europa melhoraria a situação. Os obstáculos ao crescimento são bem conhecidos, e existem há muito tempo, sem ser removidos. A razão é muito simples: se houvesse uma forma politicamente fácil de gerar crescimento, ela já teria sido implementada”.

“Além disso, os formuladores de políticas nacionais têm a tendência de culpar ‘Bruxelas’ por todas as suas escolhas difíceis, criando assim a impressão em casa de que a economia melhoraria se assuntos econômicos pudessem ser geridos sem a ingerência da UE. Mais integração é pregada a nível europeu, mas implicitamente retratada em casa como um obstáculo ao crescimento”.

“Este discurso duplo de parte das elites políticas nacionais é percebido como tal pelos eleitores, cuja confiança nas instituições nacionais e da UE está naturalmente em declínio. A alegação de que a Europa precisa de mais integração para salvar o seu modelo social há muito perdeu a credibilidade. A integração é irrelevante para essa pergunta, e nas áreas em que uma integração mais profunda realmente beneficiaria a Europa, parece ser a última coisa que os líderes nacionais querem”.

Meu comentário: É necessário olhar para a pressão colocada sobre nós pelas forças naturais objetivas do nosso desenvolvimento. Nenhum problema pode ser resolvido internamente num país, mas apenas através da sua integração completa. Mas isso pressupõe uma mudança preliminar do pensamento: de egoísta para integral. Isto pode ser alcançado dentro de alguns meses pelo método da educação integral, o qual não foi realizado antes da formação da UE. Obviamente, a alegação de que a integração não vai salvar a UE é um erro profundo.

Comente